terça-feira, 31 de janeiro de 2012

Literatura

"O Artilheiro indomável – as incríveis histórias de Serginho Chulapa"

A vida do Serginho Chulapa, dentro e fora dos gramados, está em "O Artilheiro indomável – as incríveis histórias de Serginho Chulapa". No livro, você vai conhecer um pouco da infância e da juventude do ex-jogador, as inúmeras histórias amorosas, as confusões, a versão sobre o que ocorreu na Copa de 1982, o boicote que sofreu no Corinthians e muitas passagens da trajetória de um dos mais irreverentes boleiros do país.

Além do próprio artilheiro, o jornalista Wladimir Miranda, autor do livro, entrevistou diversas pessoas que conviveram com Chulapa, amigos como Muricy Ramalho, Sócrates, Casagrande, Vanderlei Luxemburgo, Basílio, Zico, César Maluco; admiradores como o Rei Pelé; e desafetos como Emerson Leão, Estevam Soares, Edinho e Waldir Peres.
Fonte: http://www.publisherbrasil.com.br/

Futebol

Literatura

"Paixão Corinthiana"
O jornalista Vítor Guedes lançou o livro "Paixão Corinthiana", que relata em mais de cem crônicas sobre a história do alvinegro do Parque São Jorge.

A obra do jornalista relata fatos históricos e enfatiza o amor que o Corinthians causa em mais de 30 milhões de torcedores, abordando assim, cenas, ídolos e títulos inesquecíveis, como o gol de Basílio na final do Campeonato Paulista de 1977 e a invasão corintiana ao Maracanã, durante a semifinal do Brasileirão de 1976.


"Paixão Corinthiana" tem prefácio de Marília Ruiz, comentarista da Rede TV, que, igual ao autor do livro, é jornalista e torcedora assumida do Sport Club Corinthians Paulista. A apresentação da publicação ficou sob o comando de Marcos Guedes.

Futebol

COPA GOVERNADOR FARIA LIMA 1977

CLUBES PARTICIPANTES:
AMERICANO FUTEBOL CLUBE (CAMPOS DOS GOYTACAZES-RJ)
FLUMINENSE ATLÉTICO CLUBE (NOVA FRIBURGO-RJ)
FLUMINENSE FOOTBALL CLUB ( RIO DE JANEIRO-RJ )
VOLTA REDONDA FUTEBOL CLUBE ( VOLTA REDONDA-RJ )

01ª RODADA:
09/06/1977
Americano 1 x 2 Fluminense
Fluminense/NF x Volta Redonda (vitória do Volta Redonda, placar e mando de campo desconhecidos)

02ª RODADA:
12/06/1977
Fluminense/NF 1 x 2 Fluminense
Volta Redonda 2 x 0 Americano

03ª RODADA:
15/06/1977
Volta Redonda 1 x 2 Fluminense

19/06/1977
Fluminense/NF 2 x 1 Americano

CLASSIFICAÇÃO FINAL:
01º) Fluminense: 06 pontos (campeão).
02º) Volta Redonda: 04 pontos.
03º) Fluminense/NF: 02 pontos.
04º) Americano: não pontuou.

PARTIDA QUE DEFINIU O TÍTULO DA COPA GOVERNADOR FARIA LIMA 1977:
VOLTA REDONDA 1 X 2 FLUMINENSE
Data : 15/06/1977
Local : Estádio Raulino de Oliveira (Volta Redonda-RJ)
Árbitro : Elamé de Souza (Federação Fluminense)
Renda : Cr$ 136.490,00
Público : 4.563 pagantes
VRFC: Miguel; Mauro, Gilberto, Édson, Valdir; Ary Martins, Paulo Bento, Gilberto, Adilton, Arilson e Décio (Botelho). Técnico : Não disponível.
FFC: Félix; Miranda, Edival, Tadeu e Carlinhos; Rubens Galaxe, Dirceu Lopes e Mário; Cafuringa, Geraldão e Luís Carlos. Técnico : Mário Travaglini
Gols : Cafuringa e Dirceu Lopes para o FFC; Décio para o VRFC.

FONTES:
Arquivo de Alexandre Magno Barreto Berwanger (ambberwanger@yahoo.com.br)
Jornal do Brasil, edições de 10/06/1977, 13/06/1977 e 15/06/1977.
Revista PLACAR ( Prognósticos da loteria Esportiva / Últimos resultados ), de 29/07/1977.

Literatura

"Riquezas do Interior"
O livro "Riquezas do Interior" marca a estréia da escritora mineira Elenise Evaristo e abre caminhos no cenário literário brasileiro com a telúrica brejeirice de Minas Gerais. É em horinhas de descuido, como diria o também mineiro Guimarães Rosa, que a Elenise Evaristo capta momentos do cotidiano das cidades do interior e, com uma linguagem leve e acessível, convida o leitor a conhecer as riquezas de suas lembranças e de sua terra.

Amalgamado ao seu estilo, Elenise utiliza seu repertório de leitora que vai de Drummond a Proust, passando por Machado de Assis e Rachel de Queiroz, para dar forma a sua escrita. Nas 27 crônicas que compõem o livro, a escritora traz à tona a imagem dos contadores de “causos”, a alegria das festas tradicionais, a inata religiosidade do povo de Minas, a singularidade da cultura popular das Gerais e reverencia personalidades marcantes e importantes por sua “mineirice”, como Fernando Sabino e Juscelino Kubitschek. Sob o olhar sensível e aguçado da autora, são resgatados valores humanos que, ao contrário do que se pensa, não ficaram perdidos no tempo, mas adormecidos no íntimo de cada um. Riquezas do Interior é um convite para que esses valores sejam despertados e para que possam ser postos em prática o quanto antes. Um mergulho no interior de cada indivíduo. Uma percepção das riquezas do ser humano. É o que Elenise Evaristo desafia seu leitor a fazer.
Fonte: www.riquezasdointerior.blogspot.com/

Futebol

Tupi - Programação
Terça-feira (31/janeiro)

14h30 - reapresentação em Santa Terezinha, seguindo para trabalhos de musculação, na Academia Higéia

Quarta-feira (01/fevereiro)
09h – Treino tático, em Santa Terezinha
16h – Treino tático, em Santa Terezinha

Quinta-feira (02/fevereiro)
16h – Treino tático, em Santa Terezinha

Sexta-feira (03/fevereiro)
09h – Treino técnico-tático, em Santa Terezinha
13h – Início da concentração, no Hotel Ritz

Sábado (04/fevereiro)
09h – Treino físico para os atletas que não foram relacionados para a partida contra o Nacional, em Santa Terezinha

17h – Jogo Tupi x Nacional/Nova Serrana, pela segunda rodada do Campeonato Mineiro, no Estádio  Mário Helênio, em Juiz de Fora
Fonte: http://www.tupijf.com.br/

Literatura

"Casos, Causos & Acasos de Cambuquira"
A origem do nome da cidade de Cambuquira é tido por alguns pesquisadores devido ao fato de antigamente haver muita aboboreira na cidade, sendo que os escravos vendiam os brotos na cidade de Campanha (dos brotos da aboboreira, chamados de cambuquira, surgem deliciosos guisados, prática da culinária mineira). Porém, a versão mais aceita é de que “Cambuquira” era o apelido de um senhor de escravos; relatos dizem que foi também este senhor que descobriu as águas minerais, que hoje fazem parte do Circuito das Águas. Por sinal, é possível encontrar o nome Cambuquira nos arquivos da igreja de Campanha. Sendo assim, o pequeno arraial das águas santas foi erigido em Distrito da Campanha pela Lei n° 1.884.

A água mineral gasosa da cidade, que já foi classificada em segundo lugar dentre todas as marcas, ainda atrai turistas, que vem em busca das “águas santas”. O parque convida a todos para uma suave tarde primaveril, com as fontes das águas oferecendo seus benéficos naturais a nativos e turistas.A cidade com suas igrejas, arquétipos típicos do interior, ora se torna também cenário de imaginação para os famosos “causos”.

Todos os relatos acimas e ainda mais detalhes, podem ser encontrados no livro: "Casos, Causos & Acasos de Cambuquira", da professora Sueli Lindalva Fonseca de Vilhena, exímia professora de Literatura Portuguesa, com detalhes ricos da história local, misturado aos casos, lendas e tradições, dignas das cidades do interior.

domingo, 29 de janeiro de 2012

Caldense 1 x 0 Tupi (29/01/120

Caldense: Gleison, Rodrigo Dias, Fábio Paulista, Vinícius e Thiago Fernandes (Yan); Maxwel, Jardel, Eberson (Mário) e Renatinho (Fábio Neves); Max e Luizinho. Técnico: Ademir Fonseca.
Tupi: Rodrigo (Victor Hugo), Flávio, Sílvio, Wesley Ladeira e Fabrício Soares; Assis, Jailton (George), Léo Salino e Michel Cury (Henrique); Allan e Ademilson. Técnico Alexandre Grasseli.
Árbitro: Josué Otaciano dos Santos, auxiliado por Breno Rodrigues e Ricardo Vieira Rodrigues
Cartões amarelos: Vinicius, Renatinho e Fábio Paulista (Caldense) e Jailton, Flávio e Leo Salino (Tupi),.
Renda: 31.155,00
Público:  2.832 pagantes.

Allan e Rodrigo
No jogo deste domingo, 29/01, contra a Caldense (derrota por 1 a 0) duas curiosidades: o atacante Allan, o “xodó da torcida” fez seu centésimo jogo com a camisa Carijó e o goleiro Rodrigo, de apenas 21 anos, “deu chance” pela primeira vez a um reserva – e forçosamente, já que se contundiu (uma torção violenta no tornozelo esquerdo).

Allan estreou pelo Galo em 08 de fevereiro de 2006, empate contra o Juventus em Minas Novas por 0 x 0. Nesses 100 jogos muitas alegrias, entre elas: o gol contra o mesmo Juventus, em maio de 2006, que levou o Tupi de volta à Primeira Divisão de Minas Gerais; e as conquistas da Taça Minas, em 2008, e da Série D do Campeonato Brasileiro, em novembro de 2011 (com direito a gol na final, contra o Santa Cruz, em Recife-PE). Neste período, Allan marcou 26 gols.

Já Rodrigo, desde que chegou ao Galo, no segundo semestre de 2010, jogou todas as 33 partidas do Carijó: na Série D do campeonato Brasileiro daquele ano, Mineiro e Série D de 2011.

Poços de Caldas -MG

A história de Poços de Caldas começou a ser escrita a partir da descoberta de suas primeiras fontes e nascentes, no século XVII, encontradas no fundo de um vulcão desde 85 milhões de anos atras. As águas raras e com poderes de cura foram responsáveis pela prosperidade do município desde os seus primórdios, quando as terras começaram a ser ocupadas por ex-garimpeiros, desiludidos com o declínio da atividade aurífera na região das minas. Eles passaram a se dedicar sobretudo à criação de gado, sendo obrigados a percorrer longas distâncias em busca de pasto para os animais.


Mas a região onde hoje se situa Poços de Caldas já tinha proprietário. Pertencia, desde 1818, ao capitão José Bernardes Junqueira. Por isso, quando o Senador Joaquim Floriano Godoy declarou de utilidade pública os terrenos junto aos poços de água sulfurosa, determinou também a desapropriação do local. Um expediente que acabou se mostrando desnecessário, porque o próprio capitão se encarregou de doar 96 hectares de suas terras para a fundação do município. O ato foi assinado no dia 6 de novembro de 1872, data em que se comemora o aniversário de Poços de Caldas.

Tupi e Caldense (29/02/12)

                           Poços de Caldas-MG

Caldense: Glaysson; Rodrigo Dias, Vinicius, Fábio Paulista e Thyago Fernandes, Maxsuel, Jardel, Eberson e Renatinho; Max e Luisinho. Técnico: Ademir Fonseca.
Tupi:Tupi: Rodrigo; Flávio, Silvio, Wesley Ladeira e Fabrpicio Soares; Assis, Jailton, Léo Salino e Michel Cury; Alan e Ademilson. Técnico: Alexandre Gasseli.
Arbitragem: Josué Otaciano dos Santos, Breno Rodrigues e Ricardo Vieira Rodrigues.

TRANSMISÃO:
A Rádio Cultura de Santos Dumont (http://www.radioculturasd.com.br/) transmite Caldense e Tupi com Edson Palma, Carlos Ferreira, Alessanda Batista, João Begatti e Guilherme Galdino.
Patrocínio:

Tupi (Jiz de Fora)

Tupi disputa campeonato mineiro com time de mineiros

Quando a bola rolar neste domingo (29/janeiro) em Poços de Caldas, dando início ao campeonato mineiro, e também durante o torneio, se alguém (como é comum entre os narradores de futebol) disser “os mineiros do Tupi...” não estará usando apenas uma força de expressão: o Galo de Juiz de Fora é um time genuinamente mineiro e nada menos que 17 jogadores do elenco nasceram nas Gerais. Para se ter uma idéia do significado disso – e para ficar apenas nos exemplos dos principais times da capital – no Atlético são oito os nascidos por aqui e no Cruzeiro apenas três. No Galo Carijó há ainda dois quase mineiros e, sendo assim, apenas seis são de fato “estrangeiros”.


Os mineiros do Tupi: Paulo Vitor (nascido em Muriaé), Victor Hugo (Belo Horizonte), Flávio (Paracatu), Wesley Ladeira (Cataguases), Fabrício Soares (Salto da Divisa), Douglas Costa (Juiz de Fora), Michel Benhami (JF), George (Belo Horizonte), Lucas Silva (Juiz de Fora), Leo Salino (JF), Michel Cury (Divinópolis), Ulisses (Belo Horizonte), Bruno (Juiz de Fora), Maguinho (JF), Renan (Belo Horizonte), Allan (Juiz de Fora) e Cassiano (também nascido em JF).

São quase mineiros: Ademilson (fluminense de Itaguay, mas cidadão honorário de Juiz de Fora) e Paulinho (amazonense de Manaus, mas que vive em Belo Horizonte desde menino).

Os “estrangeiros” do Galo: Rodrigo (fluminense de Niterói), Sílvio (fluminense de Nova Iguaçu), Carlão (paranaense de Maringá), Assis (paulista de Assis), Henrique (baiano de Itabuna) e Jefferson (nascido no Rio de Janeiro).

O técnico Alexandre Grasseli é capixaba, de Cachoeiro de Itapemirim.

sexta-feira, 27 de janeiro de 2012

Villa Nova Atlético Clube

Há exatos 60 anos, numa tarde chuvosa em Belo Horizonte, o Villa Nova vencia o Atlético por 1x0, no Estádio Independência, e conquistava seu quinto título do Campeonato Mineiro. Embora decidido em 1952, o troféu referia-se à temporada do ano anterior.                           

Pelo ineditismo da disputa direta entre o Leão do Bonfim, campeão do Primeiro Turno, e o Galo, vencedor do Segundo Turno, que eram os grandes times da época, a disputa ganhou da crônica e dos torcedores o nome de Supercampeonato. Antes dessa final histórica, os campeonatos em Minas Gerais eram disputados por pontos corridos. O Leão foi montado pelo genial técnico Martim Francisco, que iniciava a carreira.  
                        
O ALMANAQUE DO LEÃO DO BONFIM relembra essa conquista fabulosa do Villa Nova, que se prepara para estrear em mais uma edição do Campeonato Mineiro no próximo domingo, às 17h, em Divinópolis, contra o Guarani. O Supercampeonato Mineiro de 1951                                   

A tradicional fórmula dos pontos corridos foi abolida nesse certame, cujo regulamento previa a decisão numa melhor de três entre os campeões de cada turno. Numa reunião do Conselho Divisional (assembleia dos clubes), realizada em 7 de junho de 1951, foi aceita a inclusão do Meridional, de Conselheiro Lafaiete, na competição.

Arbitragem

Amistoso
Mamoré  X Cruzeiro
28/01 - Bernardo Queiroz - 16h
A: Adriano Alves de Oliveira
A1:Pedro Araújo Dias Cotta
A2:Pablo Almeida Costa
4°A:José Mosart da Silva

Campeonato Mineiro
Caldense x Tupi
Ronaldão - 16h

A: Josué Otaciano dos Santos
A1: Breno Rodrigues
A2: Ricardo Vieira Rodrigues
4°A:  Aginarras Amadeu Costa Bento

Atlético x Boa Varginha
Arena do Jacaré - 17h

A: Renato Cardoso Conceição
A1: Guilherme Dias Camilo
A2: Celso Luiz da Silva
4ºA: Hudson Fernandes da Silva.

Uberaba x América-TO
Uberabão - 17h

A: Flávio Henrique Teixeira
A1: Frederico Soares Vilarinho
A2: Marcelo Francisco dos Reis
4ºA: Maurílio de Oliveira

Guarani x Villa Nova
Farião - 17h

A: Wanderson Alves de Souza
A1: Ricardo Junio de Souza
A2: Mauro Antônio Ferreira Santos
4ºA: Lúcio Rodrigues Araujo

Democrata GV x América-BH
Mammoud Abbas - 19h30m

A: Emerson de Almeida Ferreira
A1: Marcus Vinícius Gomes
A2: Marconi Helbert Vieira
4ºA: José Maria Gonçalves Santos.

Villa Nova Atlético Clube

O técnico Welington Fajardo comanda um treinamento tático na tarde desta sexta-feira no Estádio Municipal Castor Cifuentes, de olho na estreia do Villa Nova no Campeonato Mineiro, no domingo, às 17h, em Divinópolis, contra o Guarani. O treinador villa-novense debutou no Leão exatamente contra este adversário, no dia 9 de novembro de 2011, na vitória por 1x0, pela Taça Minas Gerais.                           

No sábado pela manhã haverá atividade pela manhã, também no Alçapão do Bonfim, e após o almoço a delegação alvirrubra viaja para o Centro-Oeste mineiro, onde fica concentrada até a hora do jogo, que será realizado no Estádio Waldemar Teixeira de Faria. O retorno para Nova Lima ocorre após a partida.                            

Quando entrarem em campo no domingo, Villa e Guarani se enfrentarão pela 80ª vez na história.

ESTATÍSTICA
79 Jogos
31 Vitórias do Villa Nova
19 Vitórias do Guarani
28 Empates
01 resultado desconhecido
111 Gols Pró-Villa Nova
85 Gols Pró-Guarani

O Villa Nova no Campeonato Mineiro                            

Cinco vezes campeão mineiro (em 1932, pela Ameg, 1933, 1934, 1935 e 1951) e seis vezes vice (1937, 1945, 1946, 1947, 1953 e 1997), o Villa Nova se prepara para disputar pela 87ª vez a competição. Na Era Profissional, iniciada em 1933, o Leão do Bonfim é o time com mais participações, ao lado de Atlético e Cruzeiro.                            

Somente em 1995 o Villa ficou fora, por ter caído para a Segunda Divisão no ano anterior — enquanto Galo e Raposa não disputaram o Campeonato Mineiro em 2002, pois optaram pela Copa Sul-Minas. Já o América ficou fora em 2002 e em 2008, neste ano devido ao rebaixamento para a Segundona.                           

O jogo contra o Guarani, na estreia do certame, no domingo (20/1), às 17h, em Divinópolis, será o de número 1.535 na longa trajetória do Villa Nova no Campeonato Mineiro da Primeira Divisão.
Os números do Leão são estes:
Jogos: 1.534
Vitórias: 563
Empates: 410
Derrotas: 558
Resultados Desconhecidos: 03 (todos em 1918)
Gols Marcados: 2.242
Gols Sofridos: 2.090
(FONTE: ALMANAQUE DO LEÃO DO BONFIM)

Futebol

Tupi
Depois de um treino recreativo, na manhã desta sexta-feira (27/janeiro), a delegação do Tupi embarcou, no início da tarde, para Poços de Caldas, Sul do Estado, onde no domingo (29/janeiro) enfrenta a Caldense pela primeira rodada do Campeonato Mineiro. A partida será às 16h, no Estádio Ronaldo Junqueira.

Seguiram viagem 19 jogadores: os goleiros Rodrigo e Victor Hugo; o lateral-direito Flávio, os zagueiros Silvio, Wesley Ladeira e Fabrício Soares; os volantes Assis, George, Jailton e Lucas Silva; os meio-campistas Léo Salino, Michel Cury, Henrique, Bruno e Renan e os atacantes Ademilson, Allan, Cassiano e Jefferson.

Neste sábado (28/janeiro), os Carijós fazem um treino leve no campo do Marco Divisório, em Poços de Caldas.

Caldense
A Caldense estreará no Campeonato Mineiro no próximo domingo, às 16h, em Poços de Caldas, contra o Tupi, e conta com o apoio maciço de sua torcida para arrancar com uma vitória.

A intenção é fazer uma grande campanha para comemorar os dez anos da conquista do Estadual.
O ex-zagueiro Paulista, que participou daquela campanha, dá a receita para o time atual repetir o sucesso de uma década atrás. “União, força e honra”.

Orlando Batista

A crônica esportiva do Rio de Janeiro está de luto. Morreu nesta quinta-feira, 26/01, o narrador Orlando Batista, o Orlandão, que trabalhou em quase todas as emissoras de rádio do Rio de Janeiro.

Em sua abertura de apresentação, Orlando Batista tinha uma vinheta que ficou famosa no meio esportivo como o "Mais laureado locutor esportivo do Brasil".

Torcedor do Vasco da Gama, Orlando Batista Chagas nasceu em
11 de julho de 1927, em Tijucas-SC, fez a cobertura de 14 Copas do Mundo. Nas décadas de 50, 60 e 70 dividia a preferência dos ouvintes com Jorge Cury, Valdir Amaral, Doalcei Camargo e Oduvaldo Cozzi. Depois perdeu espaço para narradores mais jovens como José Carlos de Araújo e Luiz Penido.

Era viúvo de dona Lindalva, pai de Luiz Orlando e Oswaldo Batista.


Seu melhor momento no rádio esportivo foi quando comandava a equipe da Rádio Mauá (PRH-8), na década de 1950, tendo modernizado as transmissões esportivas na ocasião. Depois passou por vários outros prefixos, tendo seu último microfone sido o da Rádio Nacional (AM 1130), além de ter atuado em outras emissoras como Rádio Continental e Rádio Haroldo de Andrade.

Orlando Batista também trabalhou em emissoras de televisão, como TV Record, TV Bandeirantes e TV Brasil.

quinta-feira, 26 de janeiro de 2012

José Roberto Wright
José Roberto Wright não é mais comentarista de arbitragem da Rede Globo. Terminado no final de 2011, o contrato do árbitro brasileiro na Copa do Mundo de 1990 não foi renovado - o que ajuda a explicar a oficialização de Leonardo Gaciba nesta função (com direito a reportagem na edição paulista do "Globo Esporte" na véspera do amistoso Corinthians x Flamengo). Assim, o trio de comentaristas da Globo fica formado por Arnaldo Cezar Coelho, Renato Marsiglia e Leonardo Gaciba, todos atuantes nesta quarta-feira, respectivamente em Guaratinguetá x Corinthians, Corinthians x Fluminense e Real Potosí x Flamengo. José Roberto Wright era comentarista da Globo desde 1998.

Jorge Vinícius
O locutor esportivo Jorge Vinícius estreou na TV Globo na noite de quarta-feira, 25/01. Ele narrou o jogo Palmeiras e Portuguesa, partida que teve início às 22h. O jogo foi exibido pela TV Vanguarda, afiliada da Globo no Vale do Paraíba.

A partida, porém, pode ser considerada uma reestreia do narrador na TV Globo. Durante o Campeonato Brasileiro de 2010, JV narrou Santos e Corinthians, exibido para outra afiliada globa, a TV Tribuna de Santos.

Além da TV aberta, Jorge Vinícius narrou para o Sportv/Globosat alguns jogos da Copa São Paulo de Futebol Júnior e narrou a goleada de 4 a 0 do São Paulo sobre o Botafogo de Ribeirão Preto, na abertura do Paulistão.

Além da TV Jorge Vinícius permanece como locutor esportivo da Rádio Capital de São Paulo (1040 AM), ao lado de Fausto Cesar e Ricardo Melo. Ele já trabalhou nas Rádios Record e Brasil de Campinas.

Quinto jogo do dia
O jogo Palmeiras e Portuguesa, válido pela segunda rodada do Campeonato Paulista, foi exibido apenas para a região de cobertura da TV Vanguarda. As outras regiões do estado de São Paulo acompanharam Guaratinguetá e Corinthians. A partida do Palmeiras marcou a quinta transmissão da Globo nesta quarta. Além do alvinegro do Parque São Jorge, a emissora cobriu Real Potosí (BOL) x Flamengo, Internacional x Once Caldas (COL) e a final da Copinha – Corinthians (2) x (1) Fluminense.

Literatura

"Passos do Campeão - o Botafogo na conquista da Taça Brasil de 1968"
Na noite de 14 de dezembro de 2010 os corações alvinegros foram chacoalhados pelo anúncio que a Taça Brasil de 1968, conquistada pelo Botafogo, seria reconhecida como um título nacional de primeira grandeza, ao lado do Campeonato Brasileiro de 1995.

Escrito por Auriel de Almeida, "Passos do Campeão - o Botafogo na conquista da Taça Brasil de 1968" explica a história da Taça Brasil, para em seguida narrar com detalhes a trajetória do Botafogo para o título na edição de 1968, partida a partida. Uma conquista que é a cara do clube: recheada de percalços, polêmicas e aquelas coisas que só acontecem ao Glorioso. Afinal, se não fosse difícil, não seria o Botafogo.

Ao vencer a edição de 1968, equivalente ao campeonato brasileiro à época, o Botafogo tornou-se o primeiro clube carioca campeão brasileiro.

Esta Taça Brasil fechou o ciclo de ouro do futebol botafoguense que durou 12 anos (1957-1968).
A campanha:

 Quartas-de-Final
Botafogo 6x1 Metropol [Gols de Ferretti (2), Humberto, Paulo César, Rogério, Afonsinho]
Botafogo 0x1 Metropol [0]
Botafogo 1x0 Metropol SC [Gol de Rogério]

Semifinal
Botafogo 1x0 Cruzeiro [Gol de Ferretti]
Botafogo 1x1 Cruzeiro [Gol de Roberto]

01ª Final
Botafogo 2x2 Fortaleza [Gols de Ferretti (2)]
Botafogo: Ubirajara Motta, Moreira, Zé Carlos (Moisés), Leônidas, Moisés, Valtencir; Carlos Roberto, Afonsinho; Zequinha (Rogério), Humberto, Ferretti, Torino. Técnico: Mário Jorge Lobo Zagallo.

02ª Final
Botafogo 4x0 Fortaleza [Gols de Ferreti (2), Roberto, Afonsinho]
Botafogo: Cao, Moreira, Chiquinho Pastor (Leônidas), Moisés, Valtencir; Carlos Roberto (Nei Conceição), Afonsinho; Rogério, Roberto, Ferretti, Paulo César Lima. Técnico: Mário Jorge Lobo Zagallo.

Gols
Ferretti foi o artilheiro da Taça Brasil com 7 gols. Marcaram, ainda, pelo Botafogo: Afonsinho, 2; Roberto, 2; Rogério, 2; Humberto, 1; Paulo Cézar, 1.

Rio 2016

Reitor e Prefeito assinam termos de compromisso para disponibilizar locais para Olimpíadas 2016

O reitor da UFJF, Henrique Duque, e o prefeito de Juiz de Fora, Custódio Mattos, comprometeram-se oficialmente na tarde desta quinta-feira, 26/01, em disponibilizar o complexo esportivo da Faculdade de Educação Física, o Estádio Municipal Radialista Mário Helênio e o Ginásio Poliesportivo Jornalista Antonio Marcos, previsto para ser concluído em 2013, como locais de treinamento para os Jogos Olímpicos e Paralímpicos Rio 2016.

As estruturas e serviços serão utilizadas durante o período de aclimatação dos atletas de federações internacionais ou nacionais dos Jogos. As instalações farão parte do Guia de Locais de Treinamento Pré-jogos, que será lançado durante as Olimpíadas de Londres, em julho deste ano, e apresentado a todos os comitês olímpicos participantes.

Após a apresentação, será divulgada a versão impressa do guia, e Universidade e Prefeitura ficarão responsáveis por estabelecer contatos com os comitês de cada país para negociarem a vinda das equipes.

Ao mesmo tempo, deverão ser feitas modificações indicadas em um plano de adequações, proposto pelo comitê organizador e, se houver, as que forem solicitadas pelas delegações.

Henrique Duque anunciou ainda novidades para o centro olímpico da faculdade, com recursos garantidos no Orçamento deste ano da UFJF. Estão em estudo a ampliação da quantidade de espectadores que o ginásio poliesportivo pode abrigar. O número passaria dos atuais 500 para 2.000. Já está prevista a segunda chamada de licitação para erguer um ginásio de vôlei e de futebol de areia, com arquibancada para mil lugares. Além disso, serão lançados projetos para a construção de um ginásio de artes marciais, como judô, e a transformação da piscina semiolímpica em olímpica, ou seja, com 50 metros, em vez de 25.

Cada representante das instituições locais (Universidade e Prefeitura) assinou um termo de compromisso separadamente, mas o ato em conjunto, na sede da Prefeitura, simboliza que o projeto de atração das equipes é de toda a cidade, como também reforça a continuidade da parceria entre Universidade e Prefeitura.

A proximidade com o Rio de Janeiro – Juiz de Fora está a 180 quilômetros de distância -, a presença de hospitais próximos aos locais de treinamento, a temperatura média de 19ºC nos últimos cinco anos foram também fatores que contribuíram para a habilitação dos equipamentos locais, segundo o secretário de Esporte e Lazer e professor da UFJF, Renato Miranda.

Complexo esportivo
Inaugurado em 2010, o complexo da faculdade conta com pista de atletismo em padrão internacional, campo de futebol, piscinas semiolímpica e infantil, ginásio poliesportivo, uma quadra de futebol society, uma poliesportiva para futsal, vôlei, basquete, handebol e outras práticas, duas de tênis, uma de peteca e outra de badminton, estúdio de musculação, pilates e ginásio de ginástica.

Ao todo, foram consideradas aptas 172 instalações esportivas de 73 cidades de 18 estados das cinco regiões do país. O anúncio dos locais foi feito na terça-feira, 24/01, no Rio de Janeiro, pelo Comitê Organizador dos Jogos de 2016.
Fonte: http://www.ufjf.br/

quarta-feira, 25 de janeiro de 2012

João Lorêdo

Morreu em Juiz de Fora, na última segunda-feira, 23/01, aos 81 anos, o diretor de tv e humorista João Lorêdo, de acordo com boletim médico, em função do agravamento do quadro de diabetes. O corpo de João Lorêdo foi sepultado ontem em Juiz de Fora, no Cemitério Municipal. Nascido no Rio de Janeiro-RJ, no dia 04 de julho de 1930, João Lorêdo, que era formado em Psicologia e professor de Português, Geografia, Matemática e História, escolheu Juiz de Fora para viver com a família.

João Luiz Rodrigues Maia de Alvarenga Lôredo, filho de Etelvino Lôredo e Luzia Rodrigues Maia de Alvarenga, era considerado um dos fundadores da televisão no Brasil. Em Juiz de Fora, João Lorêdo teve passagens pela TV Tiradentes, hoje TV Alterosa e TVE, prestando consultoria artística e dirigindo o "Programa Léo Peixoto" , "Show da tarde", com o comunicador Claudinei Coelho, além de paricipações no programa "Mesa de Debates". Irmão do comediante Jorge Lorêdo, intérprete do personagem Zé Bonitinho, escrevia e dirigia textos humorísticos, tendo trabalhado com os principais nomes da área no país, como Chico Anysio e Jô Soares. Ajudou também a criar jornalísticos, como o "Fantástico".

João Lorêdo ficou conhecido como o "homem dos sete instrumentos" por dominar diferentes especialidades da comunicação. Sua primeira oportunidade no meio artístico foi como integrante do Coro dos Apiacás. Por intermédio da primeira esposa do maestro Villa-Lobos, o futuro diretor conseguiu emprego como rádio-ator na Mayrink Veiga. Trabalhou também nas rádios Nacional, Piratininga e Tupi até ingressar na TV Tupi do Rio de Janeiro, onde chegou a ser ator e diretor artístico de atores, de produção e de dramaturgia.

Mais tarde, na Rede Globo, ajudou a colocar no ar atrações como "Dercy espetacular", "Faça humor, não faça guerra" e "Globo de ouro". Durante a carreira, teve passagens também pelo SBT e Bandeirante. Na Record, foi o responsável por criar o primeiro programa de auditório do apresentador Ratinho, que se tornaria fenômeno de popularidade.

Nas últimas décadas, João Lorêdo, que fazia pequenas participações no programa "Zorra Total", dedicou-se também a registrar suas experiências profissionais, resgatando importantes episódios da memória da TV brasileira nos quatro livros que escreveu: "Tempestade", "A vida escreveu isto", "É assim que se ri" e "Era uma vez a televisão".

terça-feira, 24 de janeiro de 2012

Futebol Mineiro

Carlão
O novo lateral-esquerdo do Tupi chega a Juiz de Fora no início da noite desta terça-feira, 24/01 e começa os treinamentos, após apresentação à imprensa, amanhã (quarta-feira, 25/01, às 15h. Carlão (Carlos Eduardo Dutra de Oliveira) tem 24 anos (19/07/87), nasceu em Maringá (PR) e estava no Nacional de Montevidéu (Uruguai), clube pelo qual disputou a Taça Libertadores da América/2011.

Carlão é formado na base do Coritiba (PR) e, emprestado pelo Coxa, atuou  no Toledo (PR), Vila Nova (GO) e São Bento (SP), além de Duque de Caxias (RJ). Chega para reforçar o elenco e suprir as ausências inesperadas dos laterais Michel Benhami (que passou por uma cirurgia e ficará fora por 30 dias) e Vander (que pediu para ser dispensado).

Paulinho
O volante Paulinho se apresentou na tarde da última segunda-feira, 23/01, em Santa Terezinha.
Paulo Roberto Alves Coelho nasceu no dia 08 de fevereiro de 1991, em Manaus (AM). Está na base do Atlético Mineiro desde 2006 e, no ano passado, disputou o Módulo II do Mineiro pelo Democrata/Sete Lagoas, o jogador verio emprestado pelo Galo da Capital.

Wesley Silva
O zagueiro Wesley Silva, que estava emprestado pelo Cruzeiro ao Tupi Futebol Clube, alegou problemas pessoais e pediu a rescisão do seu contrato com o Galo - o que foi feito amigavelmente entre o clube e o atleta. No início da noite desta terça-feira (24/janeiro), ele regressou a Belo Horizonte.

Literatura

"Aconteceu em Rio Pomba – Curiosidades Históricas"

O memorialista Sylvio Caiaffa Mendonça lançou, com muito sucesso, o seu aguardado livro "Aconteceu em Rio Pomba – Curiosidades Históricas", prefaciado pelo escritor e poeta Roberto Nogueira Ferreira, que assina a editoração através de sua empresa RN & Marini Editora.

Campeonato Mineiro 2012

Festa marca o lançamento oficial do Campeonato Mineiro de 2012
Abertura do Estadual reuniu dirigentes de clubes e imprensa em BH

A partir de domingo, 12 clubes iniciam a disputa pelo título do Campeonato Mineiro 2012. No entanto, o pontapé inicial já foi dado para a competição. Um evento realizado na região da Pampulha, em Belo Horizonte, nesta segunda-feira, marcou o lançamento oficial da 97ª edição do Estadual.

Além de políticos, como o governador Antonio Anastasia, representantes dos clubes estiveram presentes e demonstraram otimismo. A turma dos favoritos é composta pelos gigantes da capital, com América, Atlético e Cruzeiro. O América-TO entra com a credencial de ter sido a melhor equipe do interior do ano passado.

Mas, nacionalmente, quem teve destaque em 2011 foram Boa Varginha e Tupi de Juiz de Fora. A equipe de Varginha fez uma campanha segura na Série B do Brasileirão. O Galo Carijó foi campeão da Série D.

Caldense, Democrata, Guarani e Villa Nova tentam voltar a brilhar na competição. Já o Nacional participa pela primeira vez do Módulo I.

A disputa será em turno único, com dois rebaixados. Quatro clubes se classificam para o mata-mata, disputado em duas partidas. Na semifinal, não há restrição quanto à capacidade mínima dos estádios. Para a decisão, os palcos deverão ter pelo menos cinco mil lugares para os torcedores.

O campeonato começa no domingo, dia 29, e se encerra em 13 de maio. Jogadores podem ser inscritos até 23 de março. O valor mínimo dos ingressos ficou acordado em 10 reais.

Gigantes querem sobressair
O discurso dos três grandes favoritos é só um, de ficar com o título, ao final do campeonato.

Últimos títulos:
América: 2001 (15 títulos),
Atlético: 2010 (40 títulos),
Cruzeiro: 2011 (37 títulos).

Para as equipes do interior, além da tentativa de incômodo na parte de cima na tabela, fica o desejo de classificação para a Série D do Campeonato Brasileiro. As duas melhores equipes entre América (Teófilo Otono), Caldense (Poços de Caldas), Democrata (Governador Valadares), Guarani (Divinópolis), Nacional (Nova Serrana), Uberaba e Villa Nova (Nova Lima) ficam com as vagas. Atlético e Cruzeiro estão na Série A, América-BH e Boa Varginha disputam a B e o Tupi vai disputar a Série C.

Primeira rodada: (domingo, 29/01/12)
Caldense x Tupi, às 16 horas
Atlético x Boa, às 17 horas
Uberaba x América-TO, às 17 horas
Guarani x Villa Nova, às 17 horas
Democrata x América, às 17 horas
Nacional x Cruzeiro foi adiado para o dia 16 de fevereiro
Obs: O Cruzeiro é o maior campeão da "Era Mineirão", com 24 títulos após 1965, contra 18 do Atlético e 03 do América-BH.
Fonte: http://www.uai.com.br/
CONSIDERAÇÕES:
Comemoraram o quê???

Deveriam ficar constrangidos em promover festa para esse TORNEIO em que eles insistem em chamar de campeonato. 12 equipes e 11 rodadas?

UM VEXAME!

Lamento que praças como UBERLÃNDIA, IPATINGA, SETE LAGOAS (com o Democrata) e POUSO ALEGRE (com o seu belo estádio) estejam fora do "RURALITO"..

Campeonato que se preza e com as dimensões do estado, tem 16 equipes.

As principais praças (Rio e São Paulo) iniciaram seus campeonatos no sábado, 21/01, e nós, tivemos que aturar Cruzeiro e América, fazendo amistoso, no domingo.

Lamentável, profundamento lamentável!

"O América-TO entra com a credencial de ter sido a melhor equipe do interior do ano passado."

"Melhor" equipe que tomou 20 gols nas três últimas partidas???

Vocês estão de brincadeira com coisa séria"

Faça-me o favor!
16 equipes JÁ!!!!

domingo, 22 de janeiro de 2012

Literatura

"Alberto que era Santos Dumont"
Quando voou pela primeira vez Santos Dumont ainda era Dudu; ele tinha apenas oito anos e contou com a ajuda de um guarda-chuva! A aventura resultou em três meses com uma tala no braço. Em "Alberto que era Santos Dumont", Marina Franco mostra um Santos Dumont à frente de seu tempo. Bom, pelo menos na imaginação... Enquanto ele pensava em voar, aparelhos domésticos como o fogão, a geladeira e o aparelho de som nem existiam. Curioso, decidiu fazer seu próprio balão e depois de longas tentativas, construções e reconstruções, criou o famoso 14 bis. A imagem mais conhecida do pai da aviação, sério e com chapéu na cabeça, está aqui, em forma de desenho, junto de um Santos Dumont criança e adolescente, inventados por Omar Grassetti.

Rubens Barrichelo

Vitória incrível e grave acidente marcaram carreira de Rubinho
Relembre dez momentos inesquecíveis da trajetória do piloto brasileiro na Fórmula 1

Sem vaga na Williams para 2012, Rubens Barrichello pode ver sua longa carreira na Fórmula 1 acabar. Uma das poucas alternativas para o brasileiro é assinar com a Hispania, pior equipe do grid. Em 19 anos na categoria, Rubinho colecionou bons momentos, algumas polêmicas e um grande acidente. A seguir, relembre dez passagens inesquecíveis da trajetória do brasileiro.

01) Primeiro pódio
Em seu segundo ano na Fórmula 1, em 1994, correndo pela Jordan, Rubens Barrichello, na época com 22 anos, começou o ano garantindo um quarto lugar no GP do Brasil - o melhor resultado de sua carreira até então. Mas o melhor ainda estava por vir. Na segunda prova da temporada, o GP do Pacífico, Rubinho conquistou seu primeiro pódio na F1, com a terceira colocação, e recebeu os cumprimentos de Ayrton Senna, que havia abandonado aquela corrida. Foi lá que ele deu início a um “ritual” que marcaria a sua carreira: a sambadinha no pódio.

02) Acidente grave
A alegria de Barrichello após conquistar seu primeiro pódio não durou muito tempo. Duas semanas depois, em Ímola, o brasileiro sofreu o acidente mais grave de sua carreira. Na sexta-feira, ele foi arremessado para a barreira de pneus após passar sobre uma zebra, sofrendo graves lesões. Mas esse era só o início de um fim de semana trágico. No domingo, seu ídolo Ayrton Senna sofreu um acidente fatal na curva Tamburello, no que o próprio Rubinho disse ter sido a maior perda de sua vida

03) Primeira vitória
Ao contrário do primeiro pódio, a primeira vitória de Rubinho demorou a vir. Só aconteceu em 2000, quando o brasileiro se mudou para a Ferrari. Barrichello saiu da 18ª colocação do grid de largada do GP da Alemanha, mas foi se recuperando a cada volta. Na etapa final da prova, começou a chover e todos os pilotos do pelotão da frente decidiram trocar os pneus. Todos menos Rubinho. O brasileiro conseguiu se manter na pista até a última volta sem ir aos boxes e venceu sua primeira prova na F1. No pódio, foi erguido nos ombros pelos rivais da McLaren.

04) Dia da vergonha
O GP da Áustria de 2002 foi uma corrida que todos os brasileiros e, principalmente Barrichello, prefeririam esquecer. Prestes a conquistar sua segunda vitória na categoria, liderando até a última curva, Rubinho recebeu uma ordem da Ferrari para deixar Michael Schumacher passar. O brasileiro obedeceu, tirou o pé do acelerador e, a poucos metros da linha de chegada, cedeu a vitória ao alemão. A atitude da escuderia gerou tanta polêmica que levou a FIA a proibir o jogo de equipe na F1.

05) Primeira vitória na Itália correndo pela Ferrari
Em 2002, Rubinho já havia vencido duas provas quando chegou a um dos momentos mais desejados por um piloto da Ferrari: vencer uma corrida na casa da escuderia italiana, diante da fanática torcida local, no histórico circuito de Monza. Naquele ano, o brasileiro foi vice-campeão com quatro vitórias na temporada.

06) Primeiro e único pódio no Brasil
Mesmo após cinco anos na Ferrari, Barrichello precisava quebrar um tabu: ele nunca havia subido ao pódio no GP do Brasil. Mas a história mudou em 2004. Após conquistar a pole position no sábado, o piloto chegou em terceiro lugar na corrida e quebrou o jejum. No pódio, ao lado do vencedor Juan Pablo Montoya, o brasileiro ficou muito emocionado e deixou as lágrimas escaparem.

07) Recorde de corridas
No GP da Turquia de 2008, competindo pela Honda, Rubens Barrichello se tornou o piloto com mais corridas disputadas na história da Fórmula 1. Naquele dia, ele correu seu 257º GP, um recorde na categoria. Hoje Rubinho já aumentou sua marca para 322 corridas disputadas. Michael Schumacher é o piloto mais próximo dele, já tendo participado de 287 GPs.

08) 10ª vitória na Fórmula 1
Em 2009, na Brawn GP, Rubinho voltou a ter um carro competitivo. Com isso, após cinco anos de jejum, o brasileiro voltou a vencer uma corrida. Foi no dia 23 de agosto, no circuito de Valência, que sediava o GP da Europa. E o resultado foi ainda mais especial para Barrichello: ele alcançou seu décimo triunfo na Fórmula 1 e conquistou a centésima vitória do Brasil na categoria. Naquela temporada, ele voltou a figurar entre os líderes e terminou o campeonato na terceira colocação.

09) Melhor ultrapassagem
Depois de seis anos à sombra de Michael Schumacher na Ferrari, Rubinho teve a chance de se “vingar” no GP da Hungria de 2010. E dessa vez ele não tirou o pé. Os dois disputavam a 10ª colocação nas voltas finais e, quando passavam pela reta dos boxes, o brasileiro partiu para o ataque. Schumacher ameaçou jogá-lo contra o muro, mas Rubinho não se acanhou e continuou acelerando, finalizando uma das ultrapassagens mais marcantes de sua carreira. “Tenho bastante experiência e, geralmente, com um cara louco como esse, eu iria diminuir, mas não hoje. Absolutamente não. Eu acho que foi uma das manobras mais bonitas que já fiz e uma das mais horrorosas dele”, disse o piloto na ocasião.

10) 300º GP
Também em 2010, em sua 18ª temporada na categoria, Barrichello, com 38 anos, chegou a mais um recorde. Na corrida no circuito de Spa-Francorchamps, ele se tornou o primeiro piloto da história da Fórmula 1 a alcançar a marca de 300 GPs. O feito rendeu comemorações, homenagens e até uma charge comemorativa encomendada pela equipe ao artista inglês Jim Bamber. Mesmo após tanto tempo na categoria, o brasileiro ainda não pensava em parar e se preparou para mais um ano na Williams.
Fonte: http://www.ig.com.br/

Rubens Gonçalves Barrichello nasceu em São Paulo-SP, em 23 de maio de 1972.

Equipes:
- Jordan (93/96),
- Stewart (97/99),
- Ferrari (00/05),
- Honda (06/08),
- Brawn (09),
- Williams (10/11).

Estatística:
326 GPs, com 322 largadas (contra 287 de Michael Schumacher e 256 de Ricardo Patrese).
209 provas concluídas na zona de pontuação;
68 pódios (sendo o quinto piloto a subir mais vezes ao pódio da Fórmula 1);
658 pontos conquistados (sendo o 07º maior pontuador).

Literatura

"Jornalismo Esportivo"

Não são poucos os estudantes que escolhem o curso de jornalismo na esperança de trabalhar na cobertura de esportes. Também não são poucos os que o fazem com poucas noções do que envolve a cobertura de uma partida de futebol, de uma corrida de Fórmula 1 ou, ainda mais, do processo de preparação de um noticiário esportivo. Para esse público, a editora Contexto publicou o livro "Jornalismo Esportivo", do jornalista Paulo Vinícius Coelho.

O estudante que pegar esse pequeno livro terá um bom apanhado das questões mais importantes do jornalismo esportivo. Nas páginas pode-se encontrar texto sobre preconceito que o jornalista esportivo sofre diante de profissionais de outras editorias, como alguém resolve entrar nessa área, mercado de trabalho, questões do processo jornalístico (pauta, apuração, fonte, redação) e, claro, o dilema de o jornalista revelar ou não o time de sua preferência. Mesmo com tantos tópicos, é possível ler a obra em poucas horas, que com certeza não serão em vão.

Copa São Paulo

A decisão da 43ª edição da Copa São Paulo de Futebol Júnior colocará frente-a-frente os dois maiores campeões da competição: Corinthians, com 07 títulos e Fluminense, com 05.


A decisão do maior torneio de categorias de base do pais acontecerá na quarta-feira, às 10 horas, no Pacaembu, em comemoração aos 458 anos da cidade de São Paulo.

Se o Corinthians está na sua 15.ª final e vai atrás do oitavo título para desempatar a igualdade entre conquistas e vices, o Fluminense vai decidir a Copa São Paulo pela sétima vez, mas com aproveitamento muito maior, uma vez que foi campeão em cinco oportunidades e só uma vez ficou em segundo lugar. Os dois times já decidiram a competição uma vez, em 1973, com vitória Fluminense no Parque São Jorge.

Literatura

"O Presidente Segundo O Sociólogo"
Entre 27 de outubro e 20 de novembro de 1997, o jornalista Roberto Pompeu de Toledo, ex-editor executivo da Veja, foi recebido pelo ex-presidente Fernando Henrique Cardoso para nove sessões de entrevistas na biblioteca do Palácio da Alvorada. A compilação destes encontros está no livro "O Presidente Segundo O Sociólogo" (Companhia das Letras, 1998), que registra o pensamento do ex-presidente e do sociólogo sobre temas polêmicos como religião e sociedade; violência e drogas; Plano Real; preconceito racial; ditadura militar; e escravidão.

Dividido em 25 capítulos, o título é dividido por temas, para que o leitor possa ir direto ao assunto que mais lhe interessa.

Copas do Mundo

Ofuscados por novas arenas, estádios da Copa de 1950 caem no esquecimento

O mesmo país que vê a construção das arenas para a Copa de 2014 esquece, gradativamente, dos estádios do primeiro Mundial no Brasil. Só o Maracanã voltará a receber o torneio.

Além do Maracanã, que está sem futebol há dois anos, devido à reforma e do Independência (Belo Horizonte), que também está em reforma, a Copa de 1950 contou com outros quatro estádios:
Pacaembu (São Paulo), Durival Britto (Curitiba), Eucaliptos (Porto Alegre), e a Ilha do Retiro (Recife).

sábado, 21 de janeiro de 2012

Literatura

"Histórias e Memórias do Esporte em Minas Gerais"

O presente livro, escrito por Carlos Fernando F. da Cunha Júnior, reúne trabalhos de pesquisadores que analisam o Esporte em sua dimensão histórica. Mais especificamente, a obra contém artigos que abordam as origens e o desenvolvimento do Esporte em Minas gerais. O livro é o resultado de projetos de pesquisa contemplados no Edital Público 16/2009, organizado e financiado pela Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de Minas gerais (FAPEMIG), cujo objetivo era apoiar ações científicas na área da História do Esporte e da Preservação de Acervos.
Fonte: http://www.lojaeditora.com.br/

Transporte Ferroviário

Trem da Serra do Mar

São 110 quilômetros viajando pela área preservada de Mata Atlântica e por uma ferrovia com mais de 100 anos de história. O Trem da Serra do Mar Paranaense parte diariamente de Curitiba rumo à cidade de Morretes e aos domingos chega também em Paranaguá. São aproximadamente 03 horas de viagem.

Cidades
CURITIBA
A capital do Estado do Paraná é a cidade onde está sediada a Serra Verde Express, mantenedora do Trem da Serra do Mar.

O que ver: Museu Oscar Niemeyer, Jardim Botânico, Parque Barigüi, Estrada da Graciosa, Santa Felicidade, Teatro Ópera de Arame, Torre Panorâmica (Telepar)
Eventos: Festival de Teatro e Natal de Luz

MORRETES
A cidade de Morretes foi fundada em 1721. Fica no meio da Serra do Mar paranaense, entre a Capital e o litoral.

O que ver: Culinária Típica, Estrada da Graciosa, Trilhas da Serra do Mar, Centro Histórico, Parque Marumbi, Porto de Cima, Rio Nhundiaquara.
Eventos: Festa da Cachaça, Passeio Ciclístico, Festa Feira Agrícola e Artesanal, Festival de Inverno, Festa do Barreado

PARANAGUÁ
Assim como Morretes e Antonina, Paranaguá é uma cidade histórica do litoral paranaense. A cidade teve seu desenvolvimento impulsionado pela construção da linha férrea que fez sua ligação com Curitiba. Dessa forma, o Porto de Paranaguá tornou-se o segundo do Brasil em volume de movimentação e o primeiro na área de transporte de grãos. Fundada em 1648, a cidade é rica em construções históricas a serem exploradas: museus, igrejas, casarões coloniais, monumentos, entre outros.

O que ver: Mercado da Arte, Casario Colonial, Museu de Arqueologia e Etnologia
Eventos: Festa de Nossa Senhora do Rosário, Festa de Nossa Senhora do Rocio, Auto de Natal.

Trajeto
Estação de Curitiba
A Estação Ferroviária está localizada atrás da Estação Rodoviária de Curitiba, na Av. Presidente Affonso Camargo, 330. Junto à Estação, encontra-se a BWT, operadora oficial da Serra Verde Express.

Estação Piraquara
A Estação de Piraquara foi restaurada e hoje há no local um pequeno museu

Represa Caiguava
Primeira represa ao pé da Serra

Túnel Roça Nova
O mais extenso, com 457 metros de comprimento e o ponto mais elevado da linha, que atinge 955 metros acima do nível do mar

Represa do Rio Ipiranga
Represa usada antigamente para a geração de energia da Usina Marumbi

Santuário do Cadeado
O Santuário de Nossa Senhora do Cadeado foi inaugurado em 5 de fevereiro de 1965, por ocasião dos 80 anos da Ferrovia Paranaguá – Curitiba

Ponte São João
A Ponte tem 55 metros de altura e assim como as demais pontes do trecho, foi reforçada para suportar o maior peso das composições modernas

Viaduto do Carvalho
Recebeu esse nome em homenagem ao então Presidente da Província do Paraná, Carlos de Carvalho. Assentado sobre 05 pilares de alvenaria, na encosta da própria rocha, o Viaduto possui 05 vãos de 12 a 16 metros.

Estação do Marumbi
Localizada próxima ao Parque Estadual Pico do Marumbi.
Fonte:

Literatura

"As Origens da Universidade de Juiz de Fora"

O livro faz uma reconstrução minuciosa da formação da Universidade Federal de Juiz de Fora nos anos 50, resultado de uma paciente e cuidadosa reconstituição. O trabalho de Loa Yasbeck traz as instituições e pessoas envolvidas no início da universidade, hoje referência de qualidade em ensino superior no país. A reconstrução da gênese da Universidade Federal de Juiz de Fora feita pela autora revela características não encontradas em instituições congêneres. Tratam-se das disputas internas no campo religioso, que opunham católicos e protestantes, empenhados todos na criação de instituições educacionais, particularmente de ensino superior, como caminho de fortalecimento das respectivas posições no campo propriamente religioso. 
Fonte: http://www.lojaeditora.com.br/

Transporte Ferroviário

Trem das Montanhas
Do Litoral às Montanhas em apenas 46 quilômetros. Esta viagem une a história e cultura de pequenas cidades às belíssimas paisagens das montanhas capixabas.

Em janeiro de 2010 a Serra Verde Express colocou em atividade o Trem das Montanhas Capixabas, que passa pelas cidades de Viana, Domingos Martins e Marechal Floriano. A litorina, com capacidade para até 56 passageiros, circula todos os fins de semana e feriados, em dois horários, em trajetos de ida e volta. O trajeto oferece inúmeros atrativos, desde a paisagem, passando pela história e cultura, até práticas de ecoturismo e esportes radicais.

O pequeno trecho ferroviário que integra a malha Centro-Leste - sob concessão da Ferrovia Centro-Atlântica (FCA) – se eleva, a partir de Viana, de uma altitude de 15 metros acima do nível do mar até 530 metros em aclive brusco ao chegar em seu ponto final, estação de Araguaia, em Marechal Floriano. A trajetória oferece paisagens de tirar o fôlego, entre pontes, túneis, abismos e cachoeiras que brotam do trecho de Mata Atlântica autêntico que ainda reveste a Serra do Mar.

Cidades
Viana
Cidade da Região Metropolitana de Vitória, faz parte da Rota do Mar e das Montanhas, junto com Vitória, Domingos Martins, Marechal Floriano e Venda Nova do Imigrante. Tornou-se o portal de entrada da região de montanhas e oferece aos visitantes opções de divertimento, como trilhas, vôo livre, parapente, caminhando ecocultural, feira de artesanato, além de outros atrativos

Domingos Matins
Distante apenas 42 quilômetros de Vitória, capital do Espírito Santo, Domingos Martins tem belezas naturais, exuberantes paisagens e comidas típicas.

Marechal Floriano
Conhecida como “Cidade das Orquídeas”, o município está situado na região das Montanhas e se destaca por possuir um clima agradável, além de belas cachoeiras, paisagens naturais e comidas típicas da culinária italiana e alemã.

Araguaya
O Distrito de Araguaia pertence a Marechal Floriano. Tem em torno de 2.500 habitantes, porém, na vila, esse número é de aproximadamente 700 pessoas. Possui uma história riquíssima, por lá passaram inúmeros imigrantes italianos, inclusive aqueles que colonizaram o município de Venda Nova do Imigrante. Os imigrantes que vinham de navio aportavam na Vila de Reritiba, hoje município de Anchieta. De lá subiam em barcos pelo Rio Benevente até a Vila de Matilde, Distrito de Alfredo Chaves, que até Araguaia são cerca de 25 km. Daí o motivo da colonização daquela região. Tem entre seus atrativos uma Igreja com mais de cem anos, a Estação Ferroviária, o Centro Cultural Ezequiel Ronchi, com um acervo de mais de 500 peças contando a história da colonização do município, artesanato e agroturismo.

Trajeto
Ponte de Ferro sobre o Rio Jucu
Com 64,6 m de extensão, a ponte passa sobre o Rio Jucu, que possui uma área de drenagem de aproximadamente 2.200 km², é um dos mananciais de abastecimento da Grande Vitória. Seus formadores são o rio Braço Norte, no município de Domingos Martins e, Braço Sul no município de Marechal Floriano. Deságua no Oceano Atlântico, na localidade de Barra do Jucu. A bacia do Rio Jucu engloba municípios compreendendo uma população aproximada de 275.000 habitantes O período de águas altas vai de dezembro a março, sendo que as maiores vazões ocorrem com maior freqüência em dezembro

Ponte da Usina
A Usina Jucu foi a primeira usina hidrelétrica, com a captação das águas do rio Jucu. Foi inaugurada em 1909 e repotenciada em 2000, aproveitando o potencial hidrelétrico do rio Jucu Braço Sul.

Casa de Turma
Casa utilizada para pernoite de funcionários da antiga Estrada de Ferro Leopoldina/Estrada de Ferro Sul do Espírito Santo.
Fonte: http://www.serraverdeexpress.com.br/

Literatura

"Classe Operária em Juiz de Fora: Uma história de lutas (1912-1924)"
O livro, escrito por Sílvia Maria B.V. de Andrade, é um trabalho pioneiro ao focalizar a história de Juiz de Fora no início do século XX sob o ponto de vista do trabalhador. Destaque para a greve de 1912, primeiro momento importante da luta de classes, a conjuntura 1917-1920 e a greve de 1924, entre outros momentos importantes da cidade. No período e região focados, a autora mostra uma classe operária em movimento, adquirindo experiência na luta pela defesa de seus interesses. O objetivo da obra está centrado na investigação das suas formas de articulação: como se organiza e como se encaminha a luta pelas suas reivindicações. Ou seja, a prática operária na sua estratégia de sobrevivência: associações operárias e greves.
Fonte: www.lojaeditora.com.br

sexta-feira, 20 de janeiro de 2012

Moça Bonita

Moça Bonita rejuvenesce na terceira idade para conquistar velhos amores
Estádio do Bangu está em fase final de reforma para voltar a receber os grandes do Rio. Primeiro jogo será neste sábado, 21/01, entre Fluminense e Friburguense.

Chegar aos 65 anos pode ser difícil, afinal, a energia já não é a mesma. Imagine para uma moça bonita, que passou a juventude enamorada por grandes pretendentes e sofre com o abandono há alguns anos. A busca por novas tendências da moda e um cuidado com a aparência, no entanto, são capazes de resgatar alguns daqueles antigos amores.

A Moça Bonita repaginada é o estádio do Bangu, cujo nome oficial é Proletário Guilherme da Silveira Filho. Inaugurado no dia 17 de novembro de 1947, vive a terceira idade desprezado pelos grandes clubes, que só o visitaram uma vez em quase cinco anos - na vitória do Flamengo por 3 a 0 sobre o Friburguense, no dia 4 de abril de 2010. Com parte da história do futebol carioca viva em suas paredes, o estádio melhora o gramado e renova a pintura à espera do ressurgimento como palco da bola na cidade.

A arquibancada foi pintada, e os alambrados, trocados. O gramado no centro do campo e nas áreas, locais mais prejudicados, foi trocado e está até com uma tonalidade diferente do restante. Os treinadores e jogadores terão mais conforto no banco de reservas. As cabines de rádio e televisão receberam um novo trato, com vidros e ar condicionado contra o forte calor de Bangu, bairro referência para temperaturas máximas do Rio de Janeiro.

As cadeiras doadas pela Suderj foram colocadas na parte social do estádio, onde ficam as tribunas de honra e de imprensa.

Os quatro grandes clubes do Rio de Janeiro disputaram apenas 18 jogos em Moça Bonita desde 2002. Foram sete do Flamengo, seis do Fluminense, três do Botafogo e dois do Vasco.
Fonte: http://www.globoesporte.com/
Colaboração: Alexandre Magno

Literatura

"A Ação Reformadora e Romanizadora na Igreja Católica de Juiz de Fora"

A história do catolicismo em Juiz de Fora entre os anos de 1890 e 1924 é o tema do livro "A Ação Reformadora e Romanizadora na Igreja Católica de Juiz de Fora", de autoria da professora Ioneide Maria Piffano Brion de Souza.

O livro é resultado do trabalho de conclusão do curso de História da autora. Ioneide Brion disse que o tema foi escolhido por ser pouco pesquisado por historiadores. "Sempre notei que havia poucas pesquisas em Juiz de Fora na área da religião, por isso resolvi estudar o assunto. Escolhi o período de 1890 a 1924, por ser uma época próspera para nossa cidade. Foi o momento em que chegaram à cidade outras denominações religiosas, como o protestantismo e espiritismo, por exemplo. Além dessas novas formas de expressão de fé, destacavam-se também visões de mundo como a teosofia e a maçonaria. Com isso, o catolicismo teve que se organizar para fazer frente a essa modernidade e não perder fiéis", diz. Segundo Ioneide, essa fase do catolicismo, que foi muito intensa em Juiz de Fora, foi denominada de romanização, época em que a Igreja buscava se aproximar dos desígnios do Concílio de Trento, isto é, de ser mais hierarquizada.

quarta-feira, 18 de janeiro de 2012

BARCELONA, MAIS QUE FUTEBOL

           por Faustino Vicente*

A impecável exibição que o time do Barcelona (4) apresentou diante do Santos (0), pela final do Campeonato Mundial de Clubes, encantou o mundo do esporte mais popular do planeta.

Na torcida, diante da TV, ficamos divididos entre ser brasileiro e filho de quem nasceu em Salamanca – a cidade dourada dos espanhóis.

Não vamos analisar a partida em si, pois a imprensa esportiva já o fez com extrema competência e “os 190 milhões de técnicos brasileiros” das mais apaixonadas formas.

O nosso foco vai para o estilo de Gestão Organizacional que se encontra nos bastidores, antes desses “galácticos” jogadores entrarem em campo para mostrar a mais refinada maneira de se praticar o futebol com alta qualidade técnica, encanto para a torcida e eficácia em resultados.

As espetaculares conquistas do Barça, campeão em 13 vezes das 16 decisões em que participou, merecem mais do que aplausos, são dignas de uma profunda reflexão, pois revela que, como uma empresa de entretenimento esportivo, tem perfeitamente definido: Missão, visão, valores, políticas e metas a serem atingidas.

Certamente utilizam o célebre PDCA de Deming – Plan (planejamento, Do (execução), Check ( verificação) e Act (ação). Entre os seus titulares encontramos 07 jogadores que vieram das categorias de  base, ou seja, foram formados dentro do clube. O maior exemplo é do “maestro” argentino Messi, que chegou ao clube aos 13 anos de idade.

Portanto, os méritos do atual - Time dos Sonhos -, devem ser partilhados entre a Diretoria, a Comissão Técnica, os funcionários do clube e o elenco de estrelas, de um dos mais ricos clubes do mundo.

Vendo o time jogar, poderíamos dizer que se assemelha a uma orquestra, às vezes, parece que joga basquete com os pés, face ao elevadíssimo número de passes com extrema precisão – precioso fundamento desse esporte – ou ainda que, pela contínua movimentação de sete de seus craques, poderíamos afirmar que também coloca em prática um dos princípios do vôlei, o rodízio.

O Barcelona não é invencível, mas inesquecível.
O seu nome já se encontra gravado, indelevelmente, como uma das melhores equipes da história do futebol...de todos os tempos.
*Faustino Vicente  é  Consultor de Empresas, Professor e Advogado
Jundiaí-SP (Terra da Uva)

Literatura

Escravos e Libertos nas Irmandades do Rosário: devoção e solidariedade em Minas Gerais - séculos XVIII e XIX
Este livro nos proporciona uma riqueza de elementos para discutirmos o problema do "sincretismo" nas Minas coloniais. Detecta na história mineira uma fusão de doutrinas diferente daquela que se verifica em outras regiões do Brasil. Tal singularidade ocorre devido à convivência de homens e mulheres de diferentes matrizes culturais nas irmandades, o que levou à construção de uma linguagem comum baseada no catolicismo e no barroco. Além de contribuir para abalar representações ainda corriqueiras sobre a sociedade e a escravidão e o papel do negro no quotidiano desta sociedade.

terça-feira, 17 de janeiro de 2012

Radiodifusão

O Ministério das Comunicações vai adotar novas regras para a concessão de rádios e televisões comerciais no País alterando o antigo Decreto 52.795 que vigora desde 1963. Segundo o Ministro Paulo Bernardo, as novas regras irão "prestigiar quem é do ramo, procurando evitar que pessoas entrem nas licitações simplesmente para especular".

O novo decreto altera os procedimentos licitatórios para outorga dos serviços de radiodifusão e torna o processo mais rápido e eficiente, com atualização de lista de documentação exigida e adequação dos mecanismos às novas exigências de mercado, inclusive impondo a obrigação de apresentação de garantia que hoje não existe e possibilita que empresas sem qualificação participem e ganhem a outorga e tenham dificuldades depois para operar.

Assim, o interessado em obter a concessão de uma emissora comercial deverá comprovar capacidade financeira e técnica para executar o serviço. Para isso, os participantes da licitação deverão enviar pareceres de dois auditores independentes demonstrando a capacidade econômica da empresa, bem como projeto de investimento demonstrando a origem dos recursos a serem aplicados. Também deverão apresentar balanço patrimonial e demonstrações contábeis, além de documentos referentes à comprovação de idoneidade da entidade e dos seus sócios.

Outra medida prevista no decreto determina que a outorga da emissora de rádio ou TV deverá ser paga à vista. Atualmente, o pagamento pode ser dividido em duas vezes. Se a entidade não realizar o pagamento, será desclassificada e será convocado o segundo colocado. Somente depois será assinado o contrato. Em caso de não aprovação da outorga pelo Congresso Nacional, o valor será devolvido, com correção pela taxa Selic.

Os critérios para avaliação das propostas para definição do vencedor de cada licitação também vão mudar. Eles passam a incluir, além do tempo destinado a programas jornalísticos, educativos, culturais e informativos, o tempo de programas produzidos no município de outorga (produção local) e a programas produzidos por empresas que não mantenham vínculo com empresas ou entidades executoras de serviços de radiodifusão (produção independente).

Ou seja, segue uma diretriz do artigo 221 da Constituição Federal de valorização da produção local e independente, com o objetivo de ampliar a geração de empregos e fomentar um mercado produtor nas cidades sede das novas outorgas. "Queremos com isso empurrar para uma maior profissionalização", destacou o Ministro das Comunicações, depois da audiência com a Presidente Dilma Roussef em que foram decididas as mudanças no Decreto de 1963.

Novas concessões
O ministro Paulo Bernardo afirma que após a edição do decreto, os leilões de concessão de emissoras comerciais serão retomados. O ministério vai elaborar um plano nacional de outorgas para radiodifusão comercial, que contém um calendário de lançamento dos editais de licitação. O objetivo é dar tempo para que os empresários se planejem com antecedência para participar da seleção.

Pelo novo regulamento de radiodifusão, o Ministro das Comunicações será a autoridade responsável pela emissão do ato de outorga das emissoras de rádio. Já as concessões de TV continuarão sob responsabilidade do presidente da República.
Fonte: http://www.mc.gov.br/

Literatura

Rio São Francisco - História, Navegação e Cultura
Escrito pelo antropólogo Zanoni Neves, que nasceu às margens do “Velho Chico”, o livro reúne artigos de sua autoria publicados em jornais e revistas científicos que destacam a importância histórico-cultural do Rio São Francisco para o Brasil por meio de fatos e memórias daquele lugar.  A obra possibilita uma viagem pelo São Francisco ao tratar como foi e como é viver às suas margens, com seus problemas ligados à ecologia e à pobreza de grande parcela de sua gente. Os dez capítulos contam com uma introdução teórica, o que possibilita aos estudantes, professores e estudiosos das Ciências Sociais acesso a interpretações sócio-antropológicas e históricas baseadas em conceitos vigentes nestas áreas do conhecimento acadêmico. Contudo, a linguagem simples do texto o torna acessível a todos que tenham interesse pelo tema. 
Fonte: http://www.lojaeditora.com.br/
 

Estádio Independência

Sem condições de trazer a Seleção Brasileira principal para a reabertura do Estádio Independência, em Belo Horizonte, na última semana de fevereiro, o governo de Minas Gerais pode ter como ‘plano B’ uma seleção alternativa, formada apenas por jogadores que atuam no Brasil ou mesmo a base da equipe que defenderá o país na Olimpíada de Londres.

De acordo com a assessoria da CBF, o presidente da entidade, Ricardo Teixeira, tem mantido conversas com o governador de Minas, Antonio Anastasia, e o prefeito de Belo Horizonte, Márcio Lacerda, para tratar da vinda da Seleção a Belo Horizonte.

O cronograma de amistosos da Seleção para o primeiro semestre descarta jogos no Brasil.
- 28 de fevereiro, na Suíça, contra a Bósnia Herzegovina.
- 26 de maio, em Hamburgo, na Alemanha, contra a Dinamarca.
- 30 ou 31 de maio, em Boston ou Washington, contra os Estados Unidos.
- 03 de junho, em Dallas, nos EUA, contra o México.
- 09 de junho, em New Jersey, nos EUA, contra a Argentina.
Fonte: http://www.uai.com.br/

Literatura

“Eu Não Sou Cachorro Não- Música Popular Cafona e Ditadura Militar”

Artistas considerados bregas, como Odair José e Waldik Soriano, sempre apareceram no topo da lista de mais vendidos. Veiculados nas rádios, frequentavam os programas de auditório, mas não receberam o devido respeito e espaço em livros e teses, pois frequentemente eram associados à ditadura militar.

Em "Eu Não Sou Cachorro Não", o historiador Paulo César de Araújo preenche essa lacuna na historiografia da música popular brasileira e mostra como as figuras mais demonizadas por aderirem à cultura oficial durante os anos de chumbo, na verdade, foram tão ou mais perseguidas pelo regime quanto os artistas de esquerda. “A produção musical brega (ou cafona) faz parte da realidade cultural brasileira, tanto quanto o tropicalismo e a bossa nova e merece ser analisada”, argumenta o autor.

Este não é um livro apenas sobre música. Paulo César de Araújo defende uma causa que nunca ninguém defendeu, abordando assuntos perigosos, documentos comprometedores, revelações surpreendentes sobre um importante capítulo da história do Brasil e da música popular brasileira. O autor mostra como os cantores considerados "cafonas" dos anos 70, foram censurados, apanharam da direita, enfrentaram o exílio. Ele escolheu a música popular daquela época para descrever o clima da época, a ditadura militar. No livro aparecem comentários de Waldik Soriano sobre a tortura, Odair José falando sobre maconha, além de contar com relatos de outros artistas da época como Agnaldo Timóteo, Lindomar Castilho, Dom e Ravel.

segunda-feira, 16 de janeiro de 2012

Carnaval 2012

A nova rainha do Carnaval 2012, de Juiz de Fora, Marcela Almeida dos Santos, de 28 anos, e o rei Momo Marcelo Portela Carvalho, de 23 anos, foram eleitos, no sábado, 14/01, na quadra da Escola de Samba Turunas do Riachuelo, regiaõ central da cidade.
Marcelo Portela  já ocupa o cargo de Rei Momo desde 2010 e foi reeleito, pelos próximos dois anos

01ª princesa: Matsui Lima de Oliveira, de 23 anos;
02ª princesa: Ana Paula Ramos Vicente, de 23 anos.
A rainha e o rei irão receber, cada um, um prêmio de R$ 2 mil reais.

quinta-feira, 12 de janeiro de 2012

Literatura

"Rio Bossa Nova"
Incomodado com as queixas de um turista inglês que dizia não saber onde escutar Bossa Nova no Rio de Janeiro, o escritor Ruy Castro resolveu mostrar que, em se tratando de música, cada cidade tem seus segredos.

De 2006, ano de lançamento da primeira edição, para cá, muita coisa mudou: lugares fecharam e outros abriram. Mas a Bossa Nova permaneceu de pé, tocada e apreciada em vários cantos da cidade. Esta nova edição foi inteiramente revista e atualizada pelo autor, que se propôs a uma nova e prazerosa peregrinação pelas ruas do Rio, conversas com músicos e pesquisas em suplementos culturais de jornais cariocas, para encontrar - e reencontrar - os points que atualmente abrigam atrações do gênero.
Fonte: http://www.livraria.folha.com.br/

Futebol

Tupi
Além de aderir à Campanha "Guerreiros Carijós", O prefeito de Juiz de Fora Custódio Mattos (PSDB) prometeu nesta quinta-feira/ 12/01, dobrar a verba mensal que a Prefeitura repassa, por lei, ao Tupi, atualmente no valor de R$ 30 mil. Para isso, ele vai enviar uma mensagem à Câmara Municipal, pedindo autorização dos vereadores para aumentar o repasse. A decisão foi comunicada ao vice-presidente de futebol, José Roberto Maranhas.

Maranhas foi ao gabinete do prefeito buscar o cheque de R$ 300, referente à adesão de Custódio Mattos à ação "300 Guerreiros de Ouro". Com isso, ele terá seu nome impresso – e ganhará a réplica - na camisa que o Galo usará na partida contra o Nacional, de Nova Serrana, no dia 04 de fevereiro, pelo Campeonato Mineiro.

A verba atual que o Tupi recebe foi um projeto aprovado no primeiro mandato de Custódio à frente da Prefeitura, de 93 a 96.

Literatura

"José do Patrocinio - A Imorredoura cor do Bronze"
Nascido da relação de um padre com sua escrava de 14 anos, José do Patrocínio é protagonista de uma rica e complexa história de vida. Viveu os tempos da abolição da escravatura e do movimento republicano, da política aguerrida e da alta criação artística, de profundas mudanças sociais ao lado de grandes personagens da história do Brasil.

Patrocínio ficou conhecido pelas novas gerações como "o tigre da Abolição", como o chamou Osvaldo Orico. Entretanto, foi muito mais do que um militante abolicionista. Sua vida repleta de embates e reviravoltas é um testemunho do seu tempo. Tribuno, poeta, jornalista, romancista, empresário, político, dono de jornal e, sobretudo, homem de grande engenho. Com todos esses atributos, Patrocínio foi figura importantíssima de uma geração que levou o Brasil aos primeiros passos da modernidade.
Fonte: http://www.livraria.folha.com.br/

Futebol

Seleção
A CBF divulgou o calendário inicial de amistosos da Seleção Brasileira para o primeiro semestre de 2012. A grande novidade entre as partidas que serão realizadas foi a confirmação do jogo contra a Argentina, no dia 09 de junho, em Nova Jersey, Estados Unidos.
Diferente do Superclássico das Américas, disputado no ano passado, o duelo entre as duas equipes sul-americanas poderá ser jogado por jogadores que atuam fora de seus respectivos países. Em 2011, a disputa do título da Copa Rocca acabou sendo realizada apenas com atletas dos campeonatos brasileiro e argentino, sendo que a principal estrela do confronto foi o atacante Neymar, do Santos.

Além do histórico confronto diante da Argentina, o Brasil também viajará para a Europa no dia 28 de fevereiro, onde medirá forças com a Bósnia Herzegovina, na Suíça. Após uma pausa em seus compromissos oficiais, a Seleção voltará a campo apenas no dia 26 de maio, contra a Dinamarca, em Hamburgo, na Alemanha.

No dia 30 ou 31 deste mesmo mês, os comandados de Mano Menezes também disputarão um novo duelo contra o Estados Unidos. Os americanos foram os primeiros adversários do treinador em sua passagem pela Seleção e a partida será realizada em Boston ou na capital Washington. No confronto anterior, os brasileiros acabaram vencendo o jogo por 2 a 0, com gols de Neymar e Alexandre Pato.

Pouco antes do clássico contra a Argentina, o Brasil aproveitará sua estadia nos Estados Unidos para duelar contra o México. O amistoso será realizado no dia 3 de junho e será encarado como uma preparação para o importante duelo contra os hermanos.

- 28 de fevereiro, na Suiça, contra a Bósnia Herzegovina.
- 26 de maio, em Hamburgo, na Alemanha, contra a Dinamarca.
- 30 ou 31 de maio, em Boston ou Washington, contra os Estados Unidos.
- 03 de junho, em Dallas, nos EUA, contra o México.
- 09 de junho, em New Jersey, nos EUA, contra a Argentina.
O sonho de Minas em ter a seleção Brasileira na reinauguração do Independência ficou somente no sonho.

Literatura

"A Palavra do Presidente"
Uma análise dos discursos de posse dos presidentes brasileiros, partindo de 1964 até 2007.

Neste importante estudo sobre a realidade política brasileira, Edilene Gasparini Fernandes nos apresenta uma análise dos discursos de posse dos presidentes brasileiros, partindo desde o momento pós-Golpe Militar, em 1964, até o último pronunciamento de Lula em 2007.

Partindo do primeiro pronunciamento após o início da ditadura militar ao último de Lula, em 2007, "A Palavra do Presidente" analisa os discursos de posse dos presidentes brasileiros.


Edilene Gasparini Fernandes examina 14 discursos apresentados ao longo de 43 anos, avaliando o uso das palavras e os recursos para persuadir o público.

Seguindo o percurso proposto pelo livro, o leitor se surpreenderá (ou não) ao perceber que o teor dos pronunciamentos mudou pouco no decorrer das décadas, mesmo com as mudanças dos regimes.

Publicado pela editora Unesp, o lançamento é uma contribuição para a memória nacional e uma ferramenta importante aos que pesquisam ciência política e história do Brasil.
Fonte: http://www.livraria.folha.com.br/

Futebol

Figueirense
O juizforano Raphael Botti foi contratado pelo Figueirense, de Santa Catarina. O meia, que jogava pelo Vissel Kobe, do Japão, deve permanecer no clube Catarinense por duas temporadas.

Botti inciou carreira no Vasco da Gama e em 2001 se transferiu para o para o o Jeonbuk, da Coréia do Sul. Lá jogou por cinco anos, quando se transferiu para o Vissel Kobe do Japão.

Tupi
Ulisses Rocha de Oliveira (meio-campista), emprestado pelo América de Belo Horizonte (MG). Ele tem 22 anos (nasceu na capital mineira em 25 de março de 1989) e atuou em 2011 – também por empréstimo – no Campinense-Campina Grande (PB).

Paulo Victor (goleiro) é mineiro de Muriaé-MG, onde nasceu em 16 de setembro de 1990, Paulo Vitor Freitas Souza passou sete dos seus 21 anos de idade na base do Clube Atlético Mineiro (de Belo Horizonte) e, por empréstimo, atuou no Democrata-Sete Lagoas (MG) e Comercial-Ribeirão Preto (SP).
 
Flávio Ferreira dos Santos (lateral-direito) é natural de Paracatu (MG), nasceu em 15/08/82,, ele estava na Anapolina (GO), mas iniciou sua carreira no América-Belo Horizonte (MG) e passou por Guarani-Divinópolis (MG), Gama (DF), São Raimundo (AM), Nacional (AM), CRAC (GO) e ASA de Arapiraca (AL). Por este clube alagoano ele conseguiu, em 2009, o acesso da Série C para a B do Campeonato Brasileiro

quarta-feira, 11 de janeiro de 2012

Literatura

"O Soldado Absoluto - Uma Biografia do Marechal Henrique Lott"


Personagem de destaque do exército brasileiro, o Marechal Baptista Duffles Teixeira Lott pagou um preço alto por ter comandado o contra-golpe que permitiu a Juscelino Kubitschek, eleito democraticamente, assumir a presidência. Este livro resgata a trajetória desse homem ímpar, mostrando sua surpreendente atuação nos governos de Getúlio Dornellas Vargas, Juscelino Kubitscheck de Oliveira e João Belchior Marques Goulart.

Futebol mineiro

Apenas quatro dos dez estádios do Mineiro estão com laudos de vistoria em dia

Arena do Jacaré (Sete Lagoas), Mário Helênio (Juiz de Fora), Melão (Varginha) e Mamudão (Governador Valadares) estão liberados

O Campeonato Mineiro começará em 29 de janeiro, mas, por enquanto, apenas quatro dos dez estádios que receberão jogos da fase de classificação estão em dia com todos os laudos exigidos pela Federação Mineira de Futebol (FMF).

Os únicos regularizados são a Arena do Jacaré, de Sete Lagoas, que receberá jogos de América, Atlético e Cruzeiro; o Estádio Municipal Radialista Mário Helênio, de Juiz de Fora, casa do Tupi; o Estádio Dilzon Melo, de Varginha, onde atua o Boa Esporte; e o José Mammoud Abbas, de Governador Valadares, palco dos duelos do Democrata-GV.

Segundo o site da Federação, esses estádios estão em dia com os laudos da Polícia Militar, do Corpo de Bombeiros, da Vigilância Sanitária e ainda têm aprovação do CREA (Conselho Regional de Engenharia, Arquitetura e Agronomia de Minas Gerais).

Por enquanto, o Mário Helênio de Juiz de Fora dispõe da maior capacidade entre os estádios do Estadual: 20 mil espectadores. Ele é seguido pela Arena do Jacaré, com capacidade para 18.850, pelo Dilzon Melo, com 15.471 lugares, e pelo Mamudão de Governador Valadares, com 8.678.

Quando for reinaugurado, o Independência, em Belo Horizonte, terá capacidade para 25 mil pessoas.

Pendentes
O Estádio Ronaldo Junqueira, de Poços de Caldas, está com todos os laudos vencidos. O Ronaldão receberá os jogos da Caldense.

Têm pendências de alguma ordem o Estádio João Guido (Uberabão), de Uberaba; o Castor Cifuentes de Nova Lima, e o Waldemar Teixeira de Faria (Farião), de Divinópolis.

No caso do Nassri Mattar, de Teófilo Otoni, o laudo do Corpo de Bombeiros vale apenas até 31 de janeiro, o que o libera, em tese, apenas para a abertura do Mineiro. No entanto, o América local só jogará em casa na segunda rodada, no dia 5 de fevereiro, contra o Atlético.

Por sua vez, o Estádio Ipatingão, de Ipatinga, que receberá os jogos do Nacional de Nova Serrana, tem laudos do Corpo de Bombeiros e da Vigilância Sanitária válidos até 10 de março, bem antes do encerramento do Campeonato Mineiro, no mês de maio.

Caso os estádios escolhidos pelos clubes não sejam aprovados, caberá à FMF definir o local das partidas, repassando todo o custo da manutenção para o seu filiado.
Fonte: http://www.uai.com.br/

Literatura

"Anita Garibaldi - Uma Heroína Brasileira"
Livro narra a vida de Anita Garibaldi, personalidade marcante e histórica do Brasil do século 19.
Nesta biografia, o autor Paulo Markun recupera a história da brasileira Anita Garibaldi, uma figura cativante de mulher e guerreira, personalidade indissociável de seu marido, o aventureiro italiano Giuseppe Garibaldi. Na obra, a objetividade da comunicação do jornalista se alia ao rigor da pesquisa histórica, num relato pontilhado de referências às circunstâncias históricas do Brasil e da Europa do século 19.
Fonte: http://www.livraria.folha.com.br/

Futebol mineiro

Os clubes e seus treinadores:

América-BH - Givanildo Oliveira,
América-TO - Gilmar Estevam,
Atlético - Cuca,
Boa Varginha - Sidney Moraes,
Caldense - Ademir Fonseca,
Cruzeiro - Wagner Mancini,
Democrata - Márcio Máximo,
Guarani - Gian Rodrigues,
Nacional de Nova Serrana - Emerson Ávila,
Tupi - Alexandre Grasseli,
Uberaba - Nenê Belarmino,
Villa Nova - Wellinton Fajardo.

Literatura

"Minha Razão de Viver"
O relançamento de "Minha Razão de Viver" (Planeta do Brasil, 2005), de Samuel Wainer, traz um clássico enriquecido por requintes gráficos, documentos inéditos e imagens que expressam muito além do que os olhos podem alcançar.

O volume traz informações complementares sobre o esquema de arrecadação de dinheiro destinado a financiar o contragolpe preventivo elaborado entre meados de 1963 e abril de 1964 por partidários do presidente João Goulart. O jornalista Samuel Wainer foi testemunha privilegiada e protagonista dos preparativos para a ação abortada por inimigos mais ágeis. Porém, o golpe militar chegou antes de suas linhas.

Em 1980, pouco antes de morrer, o jornalista pediu à filha Pinky que esses campos minados só fossem inteiramente escancarados 25 anos após sua partida.

Zé Béttio - 11/01/1926

ZÉ BÉTTIO

Nasceu na cidade de Promissão, interior paulista, no dia 11 de janeiro de 1926.

Ainda adolescente, formou com Antonio Moraes e Afonso, o trio "Sertanejos Alegres", que durou pouco tempo, mas percorreu o interior de São Paulo e Paraná tocando em bailes de fazenda.

Amigos do interior o levaram para tocar sanfona num programa de calouros na Rádio Tupi, em São Paulo. Em seguida formou "Zé Béttio e seu Conjunto", indo tocar na Rádio Cometa.
Gravou seu primeiro disco em 1958, pela gravadora Chantecler.
A carreira de radialista iniciou na Rádio Difusora de Guarulhos (na Grande SP). Zé Béttio falava as propagandas agradando de imediato quem ouvia. Depois foi para Rádio Cometa, apresentando um programa próprio, improvisando os textos dos anúnciantes com bom humor, voz anasalada e um sotaque ítalo-caipira.

No dia 2 de dezembro de 1972, Zé Béttio estreou na Rádio Record de São Paulo, onde em 2 anos levou a emissora do 14 para o "primeiro lugar" de audiência. Essa liderança foi mantida durante muitos anos, atingindo um universo de cerca de 3 milhões de ouvintes, segundo boletins da própria emissora.

Em 1984, transferiu-se para a Rádio Capital, fazendo dois programas.
Fonte: Bastidores do Rádio
Um das 5h00 às 7h00 da manhã e outro das 17h00 às 19h00 horas.

Chegou a possuir o maior salário do Rádio, renovando seu contrato no final dos anos 80, por cerca de 2 milhões e 500 mil cruzados novos, 100 vezes o salário do Presidente da República na época.

Na Rádio Record, lançou muitas duplas e cantores sertanejos, entre eles a dupla "Milionário e José Rico".

Passou também pela Rádio Gazeta AM (890 kHz - São Paulo/SP).