sábado, 10 de dezembro de 2011

Redivisão territorial

Governo gasta sete vezes mais com Pará remanescente do que com Carajás e Tapajós juntos

O governo paraense gastou, em 2010, sete vezes mais com a região que abrigaria o Pará remanescente, caso o Estado seja dividido, do que com as áreas de Carajás e Tapajós, segundo levantamento do Idesp (Instituto de Desenvolvimento Econômico, Social e Ambiental do Pará), órgão subordinado ao governo do Estado. O estudo foi feito com base em informações da Secretaria de Estado de Planejamento, Orçamento e Finanças (Sepof).

Os gastos públicos com a área do Pará remanescente ao longo de 2010 foram de R$ 9,3 bilhões. Em Carajás, o governo gastou R$ 841 milhões e, em Tapajós, R$ 433 milhões. Somando as duas regiões, os gastos totais foram de R$ 1,3 bilhões. O Pará remanescente teria 4,9 milhões de habitantes, o que representa 64% da população atual do Estado (7,6 milhões). Carajás abrigaria 1,6 milhões de habitantes (20,7%) e Tapajós, 1,2 milhões (15,3%).
Mas mesmo considerando o gasto per capita, as regiões de Carajás e Tapajós estão em desvantagem: o gasto estadual por pessoa no Pará remanescente em 2010 foi de R$ 1.908, contra R$ 537 de Carajás e R$ 374 de Tapajós

Votação nesse domingo

Os eleitores do Pará vão às urnas nesse domingo (11) para opinar sobre a divisão do Estado em três partes. Os 4,8 milhões de eleitores paraenses podem decidir se o Brasil vai continuar com as atuais 26 Estados –e o Distrito Federal– ou se passará a ter 28, com a criação de Carajás e Tapajós. Todos os eleitores com título no Estado são obrigados a votar.

Se o resultado do plebiscito for “não”, a questão está encerrada. Se for “sim”, a proposta de divisão deverá ser transformada em projeto de lei e precisará ser aprovada no Congresso Nacional e depois sancionada pela Presidência. Só depois disso, o país poderá de fato ganhar dois novos Estados.

Essa é a primeira vez na história do país que a população será consultada, por meio de um plebiscito, sobre a divisão de um Estado. A última unidade da federação criada no Brasil foi o Tocantins, em 1988. Mas a decisão foi do Congresso Nacional, sem passar pelos eleitores de Goiás –que teve a parte norte desmembrada.
Fonte: http://www.ig.com.br/

Um comentário:

geraldo01 disse...

Bom dia Sr Carlos eu sou Geraldo de oliveira moro em Divinópolis MG. eu viajo para o Pará e acompanhei todo processo de divisão do Para,
As regiões Carajás e Tapajós são muito ricas e toda riquesa (impostos) vão para capital e no entanto estas regiões estão esquecidas pelas autoridades as rodovias: péssimo estado de conservação e com isto os bandidos aproveitam para roubar viajar nestas estradas a noite é correr risco eminente, infraestrutura das cidades: não tem rede esgoto as aguas correm nas ruas em quase todas as cidades do estado existe cidades que o comercio fecha as portasna hora do almoço para evitar assalto nada funciona de 12:00 ás 15:00 vira uma cidade fantasma neste horário (Barcarena)e é uma cidade linda nesta tem um bairro chamado Vila dos Cabanos local turistico com umas linda praia de agua doce, o Pará precisa de dar uma sacudida mesmo com o resultado de não ao plebissito eu espero que os políticos do Pará acodem pois do jeito que está não pode ficar
Um abraço de Geraldo de Oliveira
Ambientalista visite nosso blog. anbv.blogspot.com