sábado, 8 de novembro de 2008

São Fidélis-RJ

Radialista de São Fidélis perde a eleição e depois o emprego
Após perder as eleições municipais de 5 de outubro, quando concorreu como vice-prefeito da chapa da coligação "Força do Povo" à Prefeitura de São Fidelis, o radialista Nelson Ferreira (foto), do PPS, acabou ficando também sem o emprego. Nelson foi demitido por justa causa da Rádio Coroado, cujo dono, José Custódio (PSDB), o Juquinha, foi candidato à vice do prefeito eleito, Luis Carlos Fernandes Fratini, o Fenemê, do PMDB.
No entanto, a administração da emissora disse que não houve nenhum cunho político na demissão. De acordo com o gerente da rádio, José Cristóvão Amaral, os fatos que levaram a dispensa do locutor foram problemas internos, que vinham ocorrendo há algum tempo. No entanto, as causas expostas na carta de demissão foram contestadas pelo radialista. No documento constava como justificativa, acusações de que, em discursos durante a campanha eleitoral, o locutor havia denegrido a imagem da empresa e agredido verbalmente os proprietários da emissora.
Contudo, Nelson, que trabalhava há 20 anos na Rádio Coroado, com o programa "Nelson Ferreira", no horário de 8h às 12, estava afastado, de licença não remunerada, pelo período de três meses, enquanto fazia campanha, de oposição a do candidato que venceu a eleição. Nesse período, Nelson conta que nunca discursou contra a emissora, mas sim contra as ideologias partidárias dos proprietários, rivais politicamente. O radialista acionou o sindicato da categoria no Rio de Janeiro para analisar a situação e entrou com uma ação no Ministério do Trabalho a fim de requerer o emprego ou os direitos trabalhistas. "Vamos ver o que o sindicato dos radialistas vai achar de toda esta situação.
Nunca fiz discursos contra a emissora. Meu posicionamento era contra os caminhos que os donos da emissora estavam seguindo", explicou o radialista, que não se arrepende. "Estou firme com as minhas idéias. Só que isso não é motivo para ser demtido da rádio", completou. O gerente da emissora preferiu não falar sobre o caso e, por enquanto, a decisão será mantida. Fonte: http://www.fmanha.com.br/
Lá como cá, tudo igual. Aqui na província do "POR DETERMINAÇÃO", profissionais são perseguidos e demitidos por suas posições políticas, mesmo sendo de eleições em instituições inexpressivas. Enquanto maus profissionais fazem uso do microfone para a promoção pessoal, para auferir recursos de forma ilícita e nada acontece, tendo em vista que são bajuladores e subservientes.
Pobre país!!!

2 comentários:

euclydes disse...

Tanto em Minas quanto em São Paulo, o poder das verbas governamentais conseguidas graças aos impostos q. tds pagam, é fator preponderante aos governantes de plantão no sentido de pressionar para q. nada se diga sobre as aberrações de seus governos.
Aécio é o ditador de Minas e Serra de São Paulo, sou policial civil- investigador ñ recebemos aumento desde o governo Covas e o Serra impõem percentual merrequeiro,tenho tempo e idade para aposentar-me ñ posso fazê-lo por de cara perder R$1.300 q. são os denominados abonos, como poderei sobreviver com dignidade se
este valor faz parte de meus gastos mensais? Impostos,Plano de Saúde, e despesas com alimentação, locomoção e todas + foram e são reajustadas anualmente, como sobreviver?
Acorda, Brasil

Carlos disse...

dificil acreditar como as vezes retornamos aos tempos das vinganças mesquinhas esses tipos de burrice me faz acreditar menos no ser humano