quinta-feira, 19 de setembro de 2013

Literatura

"A Ditadura Encurralada" 
Quarto livro de Elio Gaspari, narra o processo de isolamento político que o presidente Ernesto Geisel e seu chefe do Gabinete Civil, Golbery do Couto e Silva, impuseram à linha dura do regime militar. Nos mil dias que transcorreram entre o final da censura ao jornal "O Estado de S. Paulo", pouco depois da derrota eleitoral de 1974 (episódio narrado no terceiro volume da série), e a demissão do general Sylvio Frota, em 77, Geisel e Golbery se viram emparedados entre os representantes mais radicais da máquina repressiva e os movimentos sociais, que ganhavam novo fôlego. A morte do jornalista Vladimir Herzog e as manifestações estudantis de 77 haviam levado os militares a um impasse que Geisel resolveu à sua maneira: reforçando o poder em suas mãos e enfraquecendo a musculatura do regime.
Para escrever o livro, Elio Gaspari valeu-se de um precioso arquivo de papéis e gravações confidenciais reunidos por Golbery e pelo secretário particular de Geisel, Heitor Ferreira. O Sacerdote (Geisel) e o Feiticeiro (Golbery) são perfilados num texto de impressionante densidade narrativa, que completa o relato iniciado em "A ditadura derrotada" e conta, em detalhes inéditos, questões de Estado como o apoio brasileiro a um dos grupos de guerrilheiros em Angola, ou as complicadas relações dos militares com o governo americano.


Nenhum comentário: