segunda-feira, 25 de abril de 2016

Futebol

Muricy Ramalho chega à 18ª eliminação em uma década
O Flamengo foi eliminado da Primeira Liga (conquistada pelo Fluminense) pelo Atlético-PR, ao perder em Juiz de Fora, por 1 x 0, e do Campeonato Carioca, quando perdeu em Manaus para o Vasco, por 2 x 0. As eliminações ocorreram no período de um mês. As eliminações na fase de mata-mata causaram irritação e desconfiança e aumentaram o número de desclassificações do técnico Muricy Ramalho em uma década.
Entre 2006 e 2016, o técnico rubro-negro foi batido 18 vezes em eliminatórias, incluindo finais da Copa Libertadores e do Campeonato Paulista.
Se Muricy conquistou quatro vezes o Campeonato Brasileiro por pontos corridos - tricampeão pelo São Paulo e campeão no Fluminense -, o treinador não exibe a mesma performace em partidas eliminatórias. 
Eliminações de Muricy Ramalho:
2006 - São Paulo
Copa Libertadores (Internacional)
Recopa Sul-Americana (Boca Juniors-ARG)
2007 - São Paulo
Campeonato Paulista (São Caetano)
Copa Libertadores (Grêmio)
Copa Sul-Americana (Milionarios-COL)
2008 - São Paulo
Campeonato Paulista (Palmeiras)
Copa Libertadores (Fluminense)
Copa Sul-Americana (Atlético-PR)
2009 - São Paulo
Campeonato Paulista (Corinthians)
Copa Libertadores (Cruzeiro)
2012 - Santos
Copa Libertadores (Corinthians)
2013 - Santos e São Paulo
Campeonato Paulista (Corinthians)
Copa Sul-Americana (Ponte Preta)
2014 - São Paulo
Campeonato Paulista (Penapolense)
Copa do Brasil (Bragantino)
Copa Sul-Americana (Atlético Nacional-COL)
2016 - Flamengo
Primeira Liga (Atlético-PR)
Campeonato Carioca (Vasco)

Literatura

"Estradas de Ferro no Brasil: Das Primeiras Construções Público-Privadas"
Nesta obra, a contribuição que nos oferece o autor, Márcio Rogério Silveira, tem dupla importância. De um lado, ele elabora uma leitura geográfica do sistema ferroviário brasileiro, fortalecendo uma especialidade que, no âmbito da Geografia, tem sido pouco valorizada, nas últimas décadas, tratando da implantação deste sistema desde sua gênese até nossos dias. De outro lado, apresenta-nos essa leitura, de forma muito bem embasada, do ponto de vista teórico-metodológico, a partir de conceitos marxistas e marxianos, entre os quais se destacam os ciclos de acumulação (ciclos de Kondratieff e ciclos de Juglar), a formação sócio-espacial e a pequena produção mercantil.

sábado, 23 de abril de 2016

Clube Atlético Mineiro

Com gols de Lucas Pratto e Rafael Carioca, Atlético vence a URT e chega à décima final seguida do campeonato Mineiro

O Atlético chega pela décima vez consecutiva a final do campeonato mineiro, competição em que foi campeão em 43 edições. Nas últimas nove vezes, ganhou cinco e perdeu quatro. Venceu o Cruzeiro em 2007 e 2013, o Ipatinga em 2010 e a Caldense, em 2015. As quatro derrotas foram todas para o Cruzeiro, em 2008, 2009, 2011 e 2014. O Cruzeiro tem 36 títulos, o América, 15, sendo 10 seguidos,  o Villa Nova de Nova Lima, 05, Siderúrgica de Sabará, 02, Caldense de Poços de Caldas e Ipatinga, com um título cada.
O primeiro título, em 1915, e o último, 2015, foram conquistados pelo Clube Atlético Mineiro. Outra curiosidade  é que a soma de conquistas chega a 102, enquanto o campeonato foi disputado em 101 temporadas. Ocorre que em 1956, depois de o Atlético em campo, o Cruzeiro entrou na Justiça e o Tribunal proclamou os dois campeões.
Entre 1921 e 1942, a concorrência do Atlético se revezava entre Villa Nova e América. Entre as maiores sequências de títulos, o América – entre seus 15 contabilizados – comemora até hoje o decacampeonato conquistado entre os anos de 1916 a 1925, restando apenas cinco de lá até os dias de hoje. Depois, o Galo com seis conquistas consecutivas, entre 1978 e 1983, é dono do único hexacampeonato mineiro. Penta aconteceu em duas oportunidades: Novamente o Galo, entre 1952 a 1956, e o extinto Palestra Itália, nessa ocasião – de 1965 até 1969 – utilizando não sei qual dos seus diversos nomes ao longo dos tempos.
Entre todos os times mineiros, incluindo os três da capital, o Galo é o único que sempre disputou e participou de todas as competições do campeonato estadual de Minas Gerais, uma vez que os outros tiveram passagem pela divisão de acesso. Punido, o ainda Palestra, depois de realizar um amistoso sem autorização da Federação, com a Caçapavense, da cidade de Caçapava, no vale do paraíba paulista, disputou com times da segunda divisão e com uma liga não reconhecida, campeonato de 1926.

Literatura

 "Genilson Senche, homem de ideias e ação"

Escrito pelo jornalista Arnon Gomes, o livro retrata a vida e obra de Genilson Senche, criador do jornal "Folha da Região", de Araçatuba. A obra é a biografia do empreendedor que se destacou por décadas, entre outras ações, à frente do jornal. 
A homenagem em forma de livro, idealizada pela diretoria da "Folha da Região", foi feita para Senche dez anos após seu falecimento, ocorrido em 2001. A obra conta aspectos da vida do empresário, como a infância humilde em Guararapes e seus últimos momentos de vida em Araçatuba

Luto

Edgard Felipe
Morreu na manhã deste sábado, 23/04, aos 57 anos, em Curitiba, narrador esportivo Edgard Felipe. De acordo com a família, Edgard, que estava internado na UTI do Hospital Erasto Gaertner, fazia tratamento de um câncer na garganta e sofreu um Acidente Vascular Cerebral (AVC).
Nascido em Lençóis Paulista, no interior do estado de São Paulo, em  13 de janeiro de 1959 e pai de quatro filhos (Wellington Felipe, Tânia Roberta, Ana Paula e Eloísa)
Edgard Felipe, que era conhecido no jornalismo esportivo por ser o narrador do “passou, passou, passou, na rede, é gol, é gol, é gol! Gooooool!”, uma das principais marcas em suas narrações, iniciou sua carreira aos 14 anos como operador de áudio na Rádio Clube de São Manuel. 
Passou pelo rádio de Bauru, Sorocaba, Campinas e São Paulo, mas foi no rádio de Curitiba que Edgar ganhou notoriedade, ao trabalhar nas rádios Clube, Difusora, Atalaia, Eldorado, Capital, Cidade, Globo e CBN. Pela Rádio Clube Paranaense, esteve nas copas de 1990 na Itália e 1994, nos Estados Unidos e cobriu a Copa América de 1991 no Chile, 1993 no Equador, 1995 no Uruguai, 1997 na Bolívia e 1999 no Paraguai. 
Nos áureos tempos da Rádio Clube B2, trabalhou ao lado de Lombardi Júnior, Alfredo Ribeiro, Néliton Rosenal, Carlos Kleina, Jairo Silva e Oldemar Kramer (1935/2008).

Literatura

"Os dez mais do Botafogo"
Uma seleção de ídolos incomparável. Assim pode ser definido o livro Os dez mais do Botafogo - 7o. da Coleção Ídolos Imortais - escrito pelo jornalista botafoguense Paulo Marcelo Sampaio. Pois que outro clube pode ostentar craques como Nilton Santos, Garrincha, Didi, Gérson, Jairzinho, Paulo Cézar e Zagallo? Além das conquistas pelo Botafogo, eles são jogadores que brilharam também pela Seleção Brasileira, conquistando títulos mundiais. Túlio Maravilha, Heleno de Freitas e o goleiro Manga, que também defenderam a camisa Amarelinha, completam lista elaborada por dez botafoguenses ilustres. Os jornalistas Arthur Dapieve, Sérgio Augusto, Roberto Porto, João Moreira Salles e Luiz Mendes - todos botafoguenses assumidos - foram alguns dos que escolheram esse time imbatível de lendas do Glorioso. Um livro imperdível para todos os alvinegros e também para aqueles que têm o mínimo de bom gosto.

quarta-feira, 20 de abril de 2016

Gente de Expressão

        Capitão Hidalgo (José Hidalgo Neto), Maurício Menezes e Edemar Annuseck
Três grandes nomes da comunicação esportiva no Brasil, Capitão Hidalgo (José Hidalgo Neto), Maurício Menezes e Edemar Annuseck (um paulistano radicado no Paraná, um mineiro com alma Carioca e um Catarinense de Blumenau, radicado no Paraná, mas com alma Paulista), em foto tirada na cobertura do casal Mauricio Menezes/Selda Menezes, tendo ao fundo a bela Juiz de Fora.
Juiz de Fora natal de: Lair Ribeiro (Lair GeraldoTeodoro Ribeiro), Fernando Gabeira (Fernando Paulo Nagle Gabeira), Giovane Gávio (Giovane Farinazzo Gávio), Mácia Fu (Márcia Regina da Cunha), Léo Devanir (Leonardo Devanir de Paula), Scheila Carvalho (Scheila Carvalho Ladeira),  Glauco Fassheber (Glauco Horta Fassheber),  Francisco Barbosa (Francisco Barbosa de Souza Filho), Andrade (Jorge Luís Andrade da Silva). Murilo Mendes (Murilo Monteiro Mendes), Pedro Nava (Pedro da Silva Nava), Rubem Fonseca (José Rubem Fonseca), Alfredo Ferreira Lage, Rubens FurtadoLeda NagleKarla de Lucas.
Terra adotiva de: Itamar Franco (Itamar Augusto Cautieiro Franco), Pedro Bismarck (Ademilson Pedro da Cruz), Fernando Sérgio (Fernando Sérgio Gradinetti Pinto), Márcio Garcia (Márcio Garcia Machado), Mariano Procópio  (Mariano Procópio Ferreira Lage), Henrique Halfeld (Henrique Guilherme Fernando Halfeld), Belmiro Braga (Belmiro Ferreira Braga)João Lorêdo (João Luiz Rodrigues Lorêdo), Affonso Romano de Sant'Anna, Eduardo Almeida ReisCarlos Machado,  Francisco Batista de Oliveira, Bernardo Mascarenhas, Raffaele ArcuriRaul Longras.

Literatura

"21 depois de 21"

Maracanã, 21 de junho de 1989. Dia da final do Campeonato Carioca. No termômetro, 21 graus. No cronômetro, 12 minutos de segundo tempo. Com um empurrãozinho do destino, o gol redentor: Botafogo 1 a 0. Treminava o martírio de 21 anos e 12 dias sem o grito de campeão. Naquela noite mágica, brilhava a Estrela Solitária.

Ficha técnica: 

BOTAFOGO 1 x 0 FLAMENGO
Ricardo Cruz, Josimar, Wilson Gottardo, Mauro Galvão e Marquinhos; Carlos Alberto Santos, Luisinho e Vítor; Maurício, Paulinho Criciúma e Gustavo (Mazolinha)Zé Carlos, Jorginho, Aldair, Zé Carlos II e Leonardo; Aílton, Renato e Zico (Marquinhos); Alcindo (Sérgio Araújo), Bebeto e Zinho.
Técnico: Valdir Espinosa.Técnico: Telê Santana.
Gol: Maurício, aos 12 minutos do segundo tempo.
Estádio: Maracanã. Data: 21/06/1989. Árbitro: Valter Senra. Público: 56.412 pagantes

segunda-feira, 18 de abril de 2016

Luto

Waldir de Castro (1934/2016)
Morreu na última sexta-feira, 15/04, aos 81 anos, em Governador Valadares o comentarista esportivo Waldir de Castro. Nascido em Belo Horizonte em 24 de junho de 1934, Waldir, era casado com D.Doquinha, irmã de Telê Santana (1931/2006) e tia do treinador Renê Santana. Policial militar aposentado (sub-tenente), Waldir residia há dois anos com os filhos Waldirê e Waldionê, no leste mineiro.

Trabalhou nas rádios Jornal de Minas, Mineira, Guarani, Inconfidência, Rede Mineira e Rede Gerais (capital) e Itatiaia de Timóteo, Educadora de Cel Fabriciano e Teófilo Otoni AM (interior).
Foi árbitro de basquete e presidente da AMCE (Associação Mineira dos Cronistas Esportivos) de 200 a 2006.

O sepultado foi no sábado, no cemitério parque Renascer, em Contagem, na região metropolitana de Belo Horizonte.



Literatura

"Bete Mendes - O Cão e a Rosa"
Não é apenas uma grande mulher. São sete. Como você irá descobrir neste livro intenso e emocionante, Bete Mendes tem dentro de si, sete grande mulheres: a guerreira, a atriz, a torturada, a deputada, a reivindicadora, a apaixonada (pelos homens e pela cultura que os homens produzem), a supermãe (que é, aliás, sem nunca ter sido). Todas essas facetas são reveladas neste livro-depoimento do jornalista Rogério Menezes em que Bete Mendes abre seu coração numa lição de vida e sensibilidade. Você irá conhecer melhor a trajetória brilhante mas conturbada desta estrela de telenovelas como Beto Rockfeller e minisséries como a Casa das Sete Mulheres, de filme como Eles Não Usam Black-Tie, de inúmeras peças teatrais. Mas também a mulher atuante que durante anos trabalhou secretamente para o movimento de guerrilha, foi presa e torturada. Para mais tarde, dar a volta por cima e se tornar Deputada Federal e Secretária da Cultura do Estado de São Paulo. Um registro de uma notável carreira numa homenagem a uma grande atriz que faz parte da Coleção Aplauso, da Imprensa Oficial do Estado, dentro do seu trabalho de resgate e preservação da nossa arte e cultura.
Fonte: www.saraiva.com.br

domingo, 17 de abril de 2016

Impeachment

Resultado
Sim: 367
Não: 137
Abstenções: 07
Ausentes: 02
Total = 513

Minas Gerais
Dos 53 deputados federais mineiros, 41 votaram a favor do pedido de impeachment da presidente Dilma Rousseff. Um percentual de 77,3% da bancada do estado e 12 votaram contra. 

Votaram "sim"
Bilac Pinto (PR)
Bonifácio de Andrada (PSDB)
Caio Nárcio (PSDB)
Carlos Melles (DEM)
Dâmina Pereira (PSOL)
Delegado Edson Moreira (PR)
Diego Andrade (PSD)
Dimas Faciano (PP)
Domingos Sávio (PSDB)
Eduardo Barbosa (PSDB)
Eros Biondini (PROS)
Fábio Ramalho (PMDB)
Franklin Lima (PP)
Jaime Martins (PSD)
Júlio Delgado (PSB)
Laudívio Carvalho (SD)
Leonardo Quintão (PMDB)
Lincoln Portela (PRB)
Luis Tibé (PTdoB)
Luiz Fernando Faria (PP)
Marcelo Álvaro Antônio (PR)
Marcelo Aro (PHS)
Marcos Montes (PSD)
Marcus Pestana (PSDB)
Mário Heringer (PDT)
Mauro Lopes (PMDB)
Misael Varella (DEM)
Newton Cardoso Júnior (PMDB)
Odelmo Leão (PP)
Paulo Abi-Ackel (PSDB)
Raquel Muniz (PSD)
Renzo Braz (PP)
Rodrigo de Castro (PSDB)
Rodrigo Pacheco (PMDB)
Saraiva Felipe (PMDB)
Stefano Aguiar (PSD)
Subtenente Gonzaga (PDT)
Tenente Lúcio (PSB)
Toninho Pinheiro (PP)
Weliton Prado (PMB)
Zé Silva (SD)
Votaram "não"
Adelmo Carneiro Leão (PT)
Aelton Freitas (PR)
Brunny (PR)
Gabriel Guimarães (PT)
George Hilton (PROS)
Jô Moraes (PCdoB)
Leonardo Monteiro (PT)
Margarida Salomão (PT)
Miguel Corrêa (PT)
Padre João (PT)
Patrus Ananias (PT)
Reginaldo Lopes (PT).
Fonte: www.carlosferreirajf.blogspot.com

Literatura

"A Tolice Da Inteligência Brasileira"

Adicionar legenda
Todos os dias indivíduos normalmente inteligentes e classes sociais inteiras são feitos de tolos para que a reprodução de privilégios injustos seja eternizada entre nós. Para enxergar com clareza nosso real lugar no mundo, é fundamental compreender como nossa elite intelectual submissa à elite do dinheiro construiu uma imagem distorcida do Brasil de modo a disfarçar todo tipo de privilégio injusto. Os poucos que hoje controlam tudo precisam desse "exército de intelectuais" do mesmo modo como os coronéis do passado precisavam de seu pequeno exército de cangaceiros. Com uma abordagem teórica e histórica inédita, este livro oferece um caminho para devolver ao brasileiro a possibilidade de compreender as reais contradições de sua sociedade.Nos bolsos do 1% mais rico da população brasileira, está o resultado do trabalho dos 99% restantes. E assim é há muito tempo, diante do olhar passivo de toda a população. Se a maioria subjugada raramente levanta a voz contra esse estado de coisas, é porque a violência física que antes permitia uma desigualdade tão grande e uma concentração de renda tão grotesca foi substituída, no Brasil formalmente democrático de hoje, por uma espécie de "violência simbólica", que se disfarça em convencimento pelo melhor argumento. Ao dominarem todas as estruturas do poder, da informação e da inteligência, os privilegiados monopolizam os recursos que deveriam ser de todos e abrem caminho para a exploração do trabalho da imensa maioria sob a forma de taxa de lucro, juros, renda da terra ou aluguel. Tamanha violência simbólica só é possível pelo sequestro da inteligência brasileira em prol desse 1% mais rico, que passa a monopolizar os bens e recursos escassos, sejam materiais ou ideais. Em vez de apontar para as causas reais da concentração da riqueza social e para a exclusão da maioria, essas concepções de intelectuais servis ao poder nos levam a acreditar que nossos problemas advêm da "corrupção apenas do Estado", levando a uma falsa oposição entre o Estado demonizado, tido como ineficiente e corrupto, e um mercado visto como reino de todas as virtudes. Como as falsas contradições estão sempre no lugar de contradições reais, este livro é um apelo à inteligência viva dos brasileiros de modo a desvelar os mecanismos simbólicos que possibilitam a reprodução de uma das sociedades mais desiguais e perversas do planeta.

sexta-feira, 15 de abril de 2016

Rio 2016

Futebol feminino

As 12 equipes foram divididas em três grupos e o Brasil será cabeça de chave do grupo E, ao lado de China, Suécia e África do Sul. A China eliminou a tradicional seleção japonesa no classificatório para as Olimpíadas, enquanto a Suécia tem tradição no esporte. Correndo por fora, a seleção sul-africana foi a melhor classificada do continente.
Os dois primeiros de cada grupo e mais os dois melhores terceiros colocados vão às quartas.
Grupo E: Brasil, Suécia, China e África do Sul
Grupo F: Alemanha, Austrália, Canadá e Zimbábue
Grupo G: Estados Unidos, França, Nova Zelândia e Colômbia.



Literatura

“Estação em Movimento – A História da Praça da Estação em Belo Horizonte”
Na obra o autor, o arquiteto Flávio de Lemos Carsalade faz um passeio detalhado por cada uma das edificações e monumentos que compõem a Praça da Estação e seu entorno.

Segundo o autor “A Praça da Estação é a melhor síntese do que seja um espaço público urbano e, em Belo Horizonte, um livro aberto para a compreensão da História da cidade”. E é por isso que, com o livro, a Praça da Estação nunca mais será vista como antes. Isso porque tanto a Praça como o seu entorno viram personagens, surpreendendo o leitor a cada página e a cada capítulo.

No livro, as edificações ganham vida e narrativa que passeiam pelos seguintes prédios e monumentos: Casa do Conde de Santa Marinha; 104 Tecidos; Estátuas da Praça; Escola de Engenharia UFMG; Estação Central; Sul América Hotel; Monumento à Civilização Mineira; Edifício Chagas Dória; Edifício Sede da RFFSA; Hotel Itatiaia; Serraria Souza Pinto; Edifício Central; Peixes Urbanos; Viaduto de Santa Tereza.
-

Rio 2016

Futebol masculino

No sorteio dos grupos para o futebol masculino nos Jogos Olímpicos de 2016, que contou com a presença de Ronaldinho Gaúcho na retirada das bolinhas, a seleção brasileira terá um grupo teoricamente tranquilo pela frente. Cabeça de chave do grupo A, o Brasil pega Iraque, África do Sul e Dinamarca na primeira fase da campanha pelo inédito ouro olímpico. 
O time masculino estreia em Brasília contra África do Sul, em 04 de agosto, às 16 horas. Três dias depois, joga novamente na capital federal contra o Iraque, encerrando a participação na primeira fase em Salvador, contra a Dinamarca, dia 10. Já as mulheres pegam a China no dia 03 de agosto, no Rio, às 16 horas. Depois, a Suécia no dia 06, novamente no Rio, e fecham a fase inicial contra as sul-africanas no dia 09, em Manaus.
Com 16e participantes, as duas melhores seleções de cada chave avançam diretamente para as quartas de final. 
Grupo A: Brasil, Iraque, África do Sul, Dinamarca
Grupo B: Japão, Nigéria, Suécia, Colômbia
Grupo C: México, Coreia do Sul, Ilhas Fiji, Alemanha
Grupo D: Argentina, Honduras, Portugal, Argélia

terça-feira, 12 de abril de 2016

Literatura

"Um Homem Com Asas - a história de um brasileiro que se tornou pai da aviação"
O coração roubado (literalmente) de Alberto Santos Dumont guia o novo livro do autor holandês Arthur Japin. 

O episódio surreal,-mas que, acredite, aconteceu de verdade- é o ponto de partida da trama: em 1932, um legista furtou, por motivos desconhecidos, o coração de Dumont, depois do suicídio do aeronauta, que viu sua criação ajudando a bombardear São Paulo durante a Revolução de 1932.

Conservado em formol, o coração foi devolvido 12 anos depois e, hoje, está em um monumento no Museu Aeroespacial, no Rio de Janeiro

A investigação do caso norteia as passagens sobre a vida do filho de fazendeiro rico que, na vida adulta, chega a sofrer campanhas na imprensa por conta de sua sexualidade.
.



Qualificação profissional

Curso de formação de Cuidador(a ) de Idosos
Adicionar legenda
Vão até a próxima sexta-feira, 15 de abril, das 09 às 17 horas, no 
SESC (Serviço Social do Comércio), as inscrições para o Curso de Cuidador (a) de Idosos. Estão sendo oferecidas 35 vagas para pessoas alfabetizadas, de 18 a 60 anos. As inscrições o o curso serão gratuitos.

Os (as) interessados (as), devem comparecer ao SESC (Serviço Social do Comércio), na avenida Rio Branco, 2090, centro de Juiz de Fora-MG, levando identidade e CPF.

O curso (teoria) vai de 25 de abril a 10 de maio, das 08 às 12 horas, na sede do SESC. As aulas práticas serão ministradas no abrigo Santa Helena (avenida Benedito Valadares, no bairro Vila Ideal), nos dias 06 e 09 de maio, das 08 às 18 horas.

Os (as) participantes do curso terão aulas teóricas e práticas com equipes especializadas nas áreas de enfermagem, educação física, nutrição, odontologia, psicologia e serviço social.

domingo, 10 de abril de 2016

Literatura

"Dicionário da religiosidade popular: cultura e religião no Brasil"
Este primeiro Dicionário da Religiosidade Popular tem todas as características de um "abecedário", no seu sentido humanista. Desde o fim da Idade Média, o Humanismo se distingue pela maneira aberta e tolerante de pesquisar, pensar e explicar. Durante quarenta anos, o autor reuniu e organizou em verbetes uma grande variedade de informações sobre a vida e a experiência religiosa do povo brasileiro. Buscou a coerência de suas culturas e não tanto a lógica total e racionalista. 

A obra escrita por Frei Chico (Francisco Van der Poel) e ilustração de Maria Lira Marques, em 1150 páginas de cultura religiosidade brasileira recorreu às ciências e às artes, quanto procurou estar presente lá onde as coisas acontecem. Pesquisou também arquivos, no Brasil e em Portugal. Na análise da relação entre cultura e religião, alguns temas são constantes: as raízes indígenas; a memória da escravidão e da mãe África; a forte influência lusa; a brasilidade mestiça; a dialética entre o oficial e o popular, hoje e no passado; migração e urbanização; a situação socioeconômica; a mídia; a união na diversidade; a comunidade de base; instituições religiosas e a fé viva do povo. Assim, à diferença de outros, este não é um dicionário de folclore no sentido que não enfoca apenas o tradicional, mas a múltipla experiência religiosa do povo brasileiro no passado e no presente.


Futilidades

Número de monjas enclausuradas no país é o maior desde o século 18

Os olhos verdes de Laura, 27, brilham, e o rosto se abre em um largo sorriso ao relembrar seus 12 anos, quando viu pela primeira vez aquelas mulheres através de grades.
"O primeiro impacto foi sentir a alegria delas atrás de uma grade", diz. "Decidi que queria viver também aquela mesma alegria."

Aos 15, chegou a pedir ao bispo autorização para se juntar a elas antes do tempo, mas só aos 18 entrou em um mosteiro em Franca.

Em pleno século 21, Laura e outras mulheres monjas enclausuradas são parte de uma realidade cada vez mais crescente no país. Elas vivem em uma cela, atrás das grades, longe de parentes e amigos, sem acesso a TV e jornal.

Monjas enclausuradas
Desde o século 18 --quando a Igreja Católica tinha enorme projeção social no mundo--, nunca a Ordem das Carmelitas Descalças, à qual pertence Laura, teve tantas mulheres "atrás das grades" como agora.

Uma das maiores do país, a ordem, que se instalou no Brasil naqueles anos 1700, tem hoje cerca de mil monjas. Dez anos atrás, eram 700.

Entre as religiosas clarissas, outra ordem no país, são hoje cerca de 300 mulheres, em 30 mosteiros. Em 1955, eram 59 monjas e três casas.

Também as passionistas, concepcionistas, visitandinas, trapistas e adoradoras estão entre as poucas nas quais mulheres vivem a forma mais radical de isolamento: a chamada clausura papal ou de vida contemplativa.

Ao contrário de freiras que atuam em hospitais e orfanatos, essas religiosas vivem reservadas. "As grades não são para elas não saírem, mas sim para ninguém entrar", diz frei Geraldo Afonso de Santa Teresinha, 52, das carmelitas.

O pouco contato com o mundo ocorre nas missas. As monjas as assistem em um canto, isoladas por grade. Há ainda o locutório, sala onde as pessoas, por uma tela, podem pedir orações às monjas.

Sair do mosteiro só em caso extremo, para ir ao médico ou ver os pais, quando estão muito doentes. Ainda hoje novos mosteiros femininos são criados, como o das adoradoras perpétuas, em 2009, e o das trapistas, em 2010.

HOMENS
Entre os homens, a clausura radical é menor -no Brasil, só com os monges trapistas e cartuxos. A casa dos trapistas no Paraná foi criada em 1977, com quatro monges americanos. Hoje são 20.

Representantes das ordens são unânimes ao explicar a razão de, no século 21, tantos jovens adotarem esse modo de vida. "O mundo oferece muito, mas coisas passageiras. A clausura oferece algo duradouro, que preenche o vazio", disse Maria Lúcia de Jesus, das irmãs visitandinas.
Fonte: www.uol.com.br 

Literatura

"Da Minha Terra à Terra"
As fotos de Sebastião Salgado são famosas no mundo inteiro. Suas imagens em preto e branco de trabalhadores e refugiados já ganharam inúmeros prêmios e são reconhecidas pela profunda dignidade que despertam no interlocutor.
Em 2013, depois de oito anos de reportagens, Salgado expôs pela primeira vez o celebrado Projeto Gênesis, que deu origem ao livro de mesmo nome. Em uma jornada fotográfica por lugares intocados, onde o homem convive em harmonia com a natureza, o fotógrafo pôde declarar seu amor à Terra, em sua grandeza e fragilidade.
Mas apesar das imagens de Sebastião Salgado já terem dado a volta ao mundo, sua história pessoal, as raízes políticas, éticas e existenciais de seu engajamento fotográfico permaneciam ignoradas. Em Da minha terra à Terra, é seu talento como narrador que surpreende. A autenticidade de um homem que sabe como poucos combinar militância, profissionalismo, talento e generosidade.

Futilidades

Quem veio primeiro, o ovo ou a galinha?

Pois é, junto com "de onde viemos e para onde vamos?", a pergunta "quem veio primeiro, o ovo ou a galinha?" é um dos grandes mistérios da humanidade. Apesar de o senso comum dizer que o ovo veio primeiro, há cientistas que afirmam que foi a galinha que surgiu antes de botar o ovo.
Pela teoria da evolução de Charles Darwin, uma espécie evolui de outra, mais primitiva. As aves, galinhas inclusive, vieram dos dinossauros, que já colocavam ovos. Os animais  cujo embrião se desenvolve dentro de um ovo são chamados de ovíparos - no grupo também estão os peixes, anfíbios, répteis, monotremados, insetos, moluscos e aracnídeos.
ave mais antiga registrada é a Auronis xui, com fósseis encontrados na China neste ano. O fóssil do animal, que tem caraterísticas de ter possuído penas, foi datado com uma idade aproximada de 160 milhões de anos. OArachaeopteryx seria o último dinossauro que marca a separação da linha evolutiva de pássaros e dinossauros.
Por meio de mutações, uma espécie acaba gerando "filhos" de outra espécie, ao longo dos anos. Assim, os "pais" da galinha, animal doméstico que tem o nome científico de Gallus gallus domesticus, colocaram um ovo que já tinha um pintinho com o DNA da galinha dentro. Por isso, o ovo teria vindo primeiro.
Já por outra linha de raciocínio, uma pesquisa das universidades inglesas Sheffield e Warwich, de 2010, afirma que a formação da casca do ovo da galinha depende de uma proteína que só é encontrada nos ovários deste tipo de ave. Deste jeito, o ovo só poderia ter vindo depois da galinha.

sábado, 9 de abril de 2016

Literatura

"Assassinato de Reputações II - Muito Além da Lava Jato"

No início de 2013, Enivaldo Quadrado, braço direito do doleiro Alberto Youssef, pega um papel e o coloca nem envelope. Entrega a Meire Poza com ar determinado e dispara: "Guarda em isso aqui que é meu seguro de vida contra o Lula". Um ano depois, ela entrega o papel para a força-tarefa da Operação Lava Jato. Aquele era um contrato pelo qual um dos suspeitos pela morte de Celso Daniel toma R$ 6 milhões do PT para poupar Lula e dois de seus ex-ministros no envolvimento do crime. O segundo volume de Assassinato de Reputações traz esses e outros relatos contundentes nunca revelados dos bastidores da Lava Jato, inclusive o fato de que ela poderia ter sido antecipada em 2 anos, por conta de uma denúncia rica em detalhes que não foi levada em frente pela Polícia Federal, e que teria sérios reflexos às vésperas das eleições que colocaram Dilma Rousseff mais quatro anos à frente da presidência da República. A obra mostra também informações inéditas das falcatruas no BNDES, as negociatas dos filhos de Lula e muitos outros políticos brasileiros, revelados por Romeu Tuma Junior.

Futilidades

Por que galinhas põem ovos brancos, vermelhos e até azuis?

o contrário do que muitos pensam, não é a alimentação que determina a cor da casca dos ovos não só das galinhas, mas de todas as aves. Na verdade, o que define qual será a "tinta" usada para pintar a casca é a genética. Assim, é a raça do animal que determinará a cor.
O ovo começa a se formar a partir da gema, que é o (grande) óvulo da galinha e mede cerca de quatro centímetros de diâmetro. A partir daí, ele passa por várias partes do oviduto —uma espécie de canal que compõe o sistema genital da galinha e que se estende desde o ovário até a cloaca (por onde sai o ovo).
Ao passar pelas várias estruturas desse canal, o ovo recebe diferentes nutrientes e sais minerais para proteger a gema, formar a clara e a casca do ovo. E é também ao passar pelo oviduto que essa "tinta", ou melhor, esses pigmentos, são adicionados à casca.
Enquanto o processo de formação da casca e de sua coloração leva em média 21 horas, a formação dos componentes internos do ovo leva por volta de 4 horas. 
Esses pigmentos são produzidos pelas células das aves. As galinhas das raçasNew Hamphire e Rodhes Island Red, por exemplo, produzem ovos vermelhos. Para chegar nessa cor, essas aves utilizam dois tipos de pigmentos: a protoporfirina e a biliverdina. Já para os ovos de casca branca, apenas a biliverdina é usada.
Embora as cores branca (75%) e marrom (25%) sejam as mais comuns, outras galinhas, como a Araucana, originária do Chile, produzem ovos com cascas azuis. Já as codornas têm ovos pintados de branco e preto. Para isso, essas aves utilizam concentrações variadas de pigmentos.
A casca tem o seu formato oval porque o óvulo "caminha" em espiral pelo oviduto. Isso ajuda na hora do ovo sair, já que a parte mais estreita abre caminho.

Existe diferença além da cor da casca?

Embora muitas pessoas acreditem que ovos com casca marrom (ou vermelha) são muito mais nutritivos que os brancos, a verdade é que eles possuem a mesma quantidade de nutrientes e vitaminas.
O que varia é cor e a textura da gema, provocadas pelo tipo de alimento consumido pela ave. As galinhas caipiras, criadas soltas e à base de uma alimentação que vai além da ração, tendem a ter uma gema de coloração amarela mais intensa e com uma textura mais grossa. Já a cor da gema dos ovos das galinhas chamadas de industriais tem uma cor mais "aguada" e textura fina.

Todo ovo vira pintinho?

Quando o galo e a galinha acasalam, os espermatozoides podem sobreviver infundíbulo (que fica no oviduto) da fêmea por vários dias. Quando o óvulo atinge essa região e há espermatozoides, a fecundação pode ocorrer. Mesmo assim, isso não garante que vá nascer um pintinho. Isso só vai acontecer se o ovo ficar incubado por 21 dias em uma temperatura de 37º ou 38º. Ah, e vale lembrar que as galinhas botam ovos mesmo sem ter o espermatozoide.

quinta-feira, 7 de abril de 2016

Litratura

"De Oswaldo Gomes a Fred... A história do Fluminense Football Club no centenário da Seleção Brasileira"
Este livro, escrito por Rodrigo Barros e Lúcio Bairral, passeia pelos primeiros cem anos da Seleção Brasileira, contando desde as tentativas de formação de um selecionado de jogadores brasileiros, à organização da primeira partida oficial, no Estádio das Laranjeiras, contra o Exeter City, até a disputa da Copa do Mundo no Brasil, em 2014.
O Fluminense não cedeu somente jogadores para a partida inicial e o antigo campo da Rua Guanabara para a realização do evento. Ao longo dos anos, construiu o primeiro Estádio para que o Brasil sediasse o Sul-Americano de 1919 e ajudou a seleção a conquistar seus primeiros títulos. Oswaldo Gomes marcou o primeiro gol no amistoso. Em Copas do Mundo, o primeiro gol foi de João Coelho Netto, o Preguinho e, na história da Seleção Brasileira não houve um só campeonato em que o Fluminense não estivesse presente.
Além da história desses torneios e de algumas personalidades dentro e fora de campo, o livro conta com a ficha de todas as partidas em que jogadores do Fluminense estiveram em campo envergando a camisa amarela da seleção canarinho, de Oswaldo Gomes a Fred.

Moeda brasileira

                             Real
Desde 01º de julho de 1994, quando o Real começou a circular, até 31 de março de 2016, a moeda brasileira perdeu 81,41% do seu poder de compra. Por causa da desvalorização, uma nota de R$ 100,00 tem atualmente poder de compra equivalente a R$ 18,59. O cálculo é do Instituto Assaf, entidade privada formada por professores e pesquisadores das áreas de economia e finanças. A inflação acumulada no período de 261 meses foi de 438%, o que dá uma média de 1,68% ao mês e 0,05% ao dia.
Fonte: www.institutoassaf.com.br

terça-feira, 5 de abril de 2016

Literatura

"Execução: A disciplina para atingir resultados"
Este é um livro sobre como fechar a lacuna entre os resultados prometidos e os alcançados. Realizações bem-sucedidas resultaram da prática voltada para a execução - unir pessoas, estratégia e operações - os três processos-chave de cada negócio. Liderar esses processos é o verdadeiro trabalho da gerência - não apenas formular uma ´visão´, deixando a tarefa de torná-la realidade para os outros. Bossidy e Charan revelam a importância do total e profundo envolvimento em uma organização e explicam por que um diálogo consistente sobre pessoas, estratégias e operações gera uma empresa baseada em honestidade e realismo

Milionário e Marciano

Os cantores sertanejos Milionário e Marciano se uniram e formaram nova dupla após morte de companheiros

Milionário formava dupla com José Rico (1946/2015) e Marciano com João Mineiro (1935/2012)

Os cantores Milionário e Marciano resolveram se unir após a morte dos companheiros de trabalho. José Rico, antigo par de Milionário, morreu em março do ano passado e João Mineiro, que formava dupla com Marciano, faleceu em março de 2012.

Os dois já gravaram um DVD juntos no Citibank Hall, em São Paulo. O DVD Lendas traz canções de sucesso como "Ainda ontem chorei de saudade" e "Vontade dividida". O trabalho tem direção artística do ator Marcos Frota e traz a temática circense, já que Milionário e Marciano começaram a tocar no circo, há quase 50 anos, com seus parceiros.

Milionário (Romeu Januário de Matos) nasceu em Monte Satos de Minas em 09 de janeiro de 1940. 
Marciano (José Marciano) nasceu em Bauru em 01 de abril de 1951.

José Rico (José Alves dos Santos) nasceu em São José do Belmonte-PE, em 29 de junho de 1946 e morreu em Americana-SP, em 03 de março de 2003.
João Mineiro (João Sant'Ângelo), nasceu em Andradas-MG, em 23 de agosto de 1935 e morreu em Jundiaí-SP, em 24 de março de 2012.