segunda-feira, 29 de setembro de 2014

Literatura

 “Noiva Mecânica - Crônicas Ligeiras Sobre Rodas”
A publicação é uma coletânea de crônicas publicadas, semanalmente, nos últimos anos, em diversos jornais, que tratam, principalmente, da paixão que o brasileiro devota ao automóvel. Muito longe da rebimboca da parafuseta, fica a oficina de Boris Feldman. Uma oficina elegante, onde os mecânicos ouvem música clássica e bebem limonada on the rocks. Esta Noiva Mecânica foi convidada para subir ao altar há, pelo menos, 30 anos. Agora, desposada, quem vai passar a noite de núpcias com esta beleza são os leitores. Os mesmos leitores, também espectadores, ouvintes e internautas de todo o país, no rádio, na TV, no jornal e na internet. Estas ligeiras crônicas sobre rodas são, além de simples e esclarecedoras, éticas. “Éticas???”, pergunta um motorista que passa com o vidro aberto, braço do lado de fora da janela. Sim, afinal, o trânsito hoje é, basicamente, uma questão de educação e ética. Jogue a primeira pedra (ou dê a primeira buzinada) quem nunca carregou criança sem cinto de segurança, fez conversão ilegal, parou em cima da faixa, em fila dupla... só para começar. E jogue a segunda quem conhece os segredos de um capô aberto, os mistérios do efeito do combustível certo no motor... Bem, enquanto a caravana passa, a tecnologia voa. E carro não é avião. Mas, hoje em dia, pouca gente sabe disso.
FONTE: www.uai.com.br

Futebol

quinta-feira, 25 de setembro de 2014

Literatura

"O Rádio era tão romântico"

A ideia de escrever O Rádio era tão romântico surgiu após uma reunião de rotina em uma emissora carioca onde o autor, Ruy Jobim, ocupava o cargo de coordenador de emissora. As propostas dos diretores eram absurdas e nada fazia sentido. Ao final da reunião Ruy Jobim desabafou em um sussurro “O Rádio era tão Romântico”.

Mobilidade em Juiz de Fora

A Prefeitura de Juiz de Fora, através da Secretaria de Obras, apresentou o cronograma de execução de uma obra, ponte da Antonio Lagrotta, projetada pela administração anterior, apresentou um novo projeto, para, se não solucionar, pelo menos, amenizar as dificuldades no acesso ao bairro de Santa Luzia e região e está executando a construção de uma nova ponte, com os velhos problemas, no bairro Jardim Esperança.

01 - Ponte da Antonio Lagrotta

A ponte da rua Antonio Lagrotta terá três pistas de rolamento, no sentido bairro/centro, o que vai facilitar quem se desloca do Bairu, Manoel Honório e região, com destino ao centro e precisa alcançar a margem direita do Rio Paraibuna. Vai ser uma opção de retorno para quem desloca no sentido centro/bairro, sem precisar ir até a ponte do bairro Manoel Honório. A previsão de conclusão é para o primeiro trimestre de 2015


02 - Binário da rua Dom Viçoso

A região Sul de Juiz de Fora vai ter, de acordo com o projeto apresentado à imprensa pela PJF, um novo sistema binário, previsto para ser executado em 2015. De acordo com o projeto, que precisa ser avaliado pela câmara de vereadores, a rua Dom Silvério terá mão única sentido centro/bairros, até o seminário Santo Antônio, que será ponto de referência, para a abertura de uma nova rua no sentido contrário, bairro/centro. A nova via vai utilizar áreas de terreno da Igreja Católica e da empresa Cofercil, ligando a rua Dom Silvério com a rua Belmiro Braga e alcançando a avenida Rio Branco. 

Alguns ajustes precisarão ser feitos para a execução da obra:
- A indicação de um novo local para a realização da feira que acontece na rua Belmiro Braga;
- A permuta com a Cúria, de um terreno da PJF na região de Santa Cruz, local em que a Diocese tem projeto de erguer uma igreja em homenagem ao Papa João Paulo II, o que não deverá ser problema, devido ao espírito comunitário do bispo, Dom Gil Antonio Moreira.
- Uma autorização para que os proprietários da Cofercil possam construir na área remanescente, um número maior de apartamentos.


03 - Ponte do bairro Jardim Esperança

A ponte anterior, com passagem para um só veículo, foi removida, tendo em vista que a mesma provocava a retenção das águas e a consequente enchente nas proximidades. No período que antecedeu a construção da "nova ponte" criou-se uma expectativa de que a administração atual teria a CORAGEM de retirar os hidrômetros da CESAMA, instalados em muro sobre o passeio, realocá-los em local apropriado e construir uma nova ponte com pista dupla e passeio para pedestre nas duas extremidades, atendendo a coletividade. Mas pelo que se observa nas fotos do portal da PJF e também no local da obra, LAMENTAVELMENTE, nada disso vai acontecer. 

Na administração tucana um passeio para pedestre foi construído, mas para não "incomodar" os invasores da via com os hidrômetros, e por consequência, não perder votos nas eleições seguintes, o novo passeio foi construído avançando sobre a via. Pelo visto, a preocupação com a perda de votos não deu certo. 

Cabe aqui ressaltar que a atual administração concluiu duas importantes ligações entre bairros.
- Uma via urbana ligando os bairros Vila Ideal e Guaruá/Bom Pastor e a outra, Santa Cecília/Estrela Sul, embora sejam ações ainda tímidas para uma cidade da importância de Juiz de Fora..


CONSIDERAÇÕES

O atual prefeito, pela conduta e por ser jovem, está tendo a oportunidade de realizar uma grande administração em Juiz de Fora, carente desde a administração Melo Reis (1977-1082), missão que o ex-prefeito Custódio Mattos tentou mas não conseguiu, já que assumia a prefeitura sempre depois da catástrofe. Embora, em nome da famigerada governabilidade, colocou em seu governo (em todos os escalões) remanescentes de desastradas "administrações" anteriores, algumas que envergonharam nossa população de bem, o que compromete o bom andamento do serviço público. Mas passada as eleições próximas, a sociedade de bem dessa cidade aguarda que o prefeito faça as mudanças necessárias.

Nos próximos artigos vou escrever sobre:
- As "obras" realizadas e as "projetadas", no estádio municipal, inclusive, o INADMISSÍVEL projeto de colocar as novas cabines de rádio junto aos torcedores, contudo, sem solucionar a falta de estacionamento, principalmente para a imprensa visitante, próximo, junto às cabines, o que causa uma má impressão nos nossos visitantes;
- O Restaurante Popular, embora sirva refeição de qualidade, falta espaço e tem filas cansativas e intermináveis;
- O comércio "ambulante" e a falta de CORAGEM para se criar um camelódromo;
- A necessidade e importância de construir novos acessos a Juiz de Fora e melhorar os atuais, sem utilizar a área central da cidade, a saber:
- Anel viário sul ligando a BR 267 com a BR 040;
- Ligação da avenida presidente João Goulart, no Graminha com a BR 267, no antigo trecho da estrada União Indústria,
- Ligação do bairro Graminha com a União Indústria, próximo ao bairro Usina Quatro;
- Duplicação da alameda Ilva Melo Reis (morro da boiada), entre os bairros Jardim Esperança e Santo Antonio;
- Construção/asfaltamento da avenida vereador Raimundo Hargreaves, ligando o bairro Francisco Bernardino com a BR 040, passando pelos bairros Pedra Bonita e Vale dos Lírios, o que facilitará o acesso de ônibus interestaduais da BR 040 para a rodoviária,
- Asfaltamento da via que liga o bairro Monte Castelo com a Cidade Alta.
- O estado de abandono em que se encontra o centro da cidade, principalmente no triângulo compreendido entre Rio Branco, Getúlio Vargas e Independência. É dispensável informar de que os problemas dos bairros existem e precisam ser atacados, mas são problemas inerentes a quem reside naquela região, mas os problemas da área central são inerentes a todos, independente de que região o cidadão proceda.
- Duplicação do túnel e construção de uma nova ponte sobre o rio Paraibuna, no bairro Retiro. Área federal (de competência do DNIT), embora faça parte do perímetro urbano, com seus moradores pagando IPTU, mas que não cabe ao povo buscar a solução, e sim, o poder executivo municipal.

Cabe aqui ressaltar que a velha desculpa de que a prefeitura não tem dinheiro não  é mais aceitável. Quem não tem dinheiro é o trabalhador, invariavelmente, sem salário compatível. Se a prefeitura não tem o que eu não acredito, tem meios e caminhos para buscar.

quarta-feira, 24 de setembro de 2014

Literatura

"Mas Será o Benedito?"

Dizem que a língua portuguesa não é das mais fáceis de se aprender: os sons nasais são difíceis, a conjugação dos verbos, complicada e a gramática, então, nem se fala. Agora, pior que isso é tentar explicar que quando falamos “afogar o ganso” não queremos dizer que vamos pegar o bicho e matá-lo colocando-o debaixo d’água, mas sim que... bom, melhor parar por aqui. (Deixemos o conteúdo censurado para a parte de dentro do livro). Mas, fica a pergunta: de onde veio tudo isso? Qual é a origem de cada provérbio, expressão e dito popular? Mario Prata tem a resposta! Se são verdadeiras ou não, pouco importa. Afinal, nada como uma boa história pra boi dormir, não é?! 

Ferrovia Vitória a Minas

Vale dá início à operação do novo trem de passageiros da ferrovia Vitória a Minas
Na terça-feira, 05 de agosto, a Vale deu início à operação do novo trem de passageiros da Estrada de Ferro Vitória a Minas (EFVM). Única empresa do país a oferecer, diariamente, o transporte ferroviário de passageiros em longa distância, a mineradora anunciou, no início deste ano, um investimento de mais de US$ 135 milhões para renovar a frota das suas duas ferrovias, a Estrada de Ferro Vitória a Minas (EFVM) e a Estrada de Ferro Carajás (EFC) - essa última que liga o Maranhão ao Pará. Desse montante, US$ 80,2 milhões foram destinados à compra dos carros que começaram a operar no mês passado, Vitória a Minas.

Fabricados na Romênia, os vagões, que desembarcaram em Vitória (ES) entre dezembro de 2013 e maio deste ano, obedecem a padrões europeus de qualidade. Na Vitória a Minas são, ao todo, 56 novos carros, sendo 10 executivos e 30 econômicos. Já para a EFC, foram adquiridos 39 carros, dos quais seis serão executivos e 21 econômicos. Ainda como parte do investimento, também foram comprados novos carros restaurante, lanchonete, gerador e cadeirante (destinado a pessoas com dificuldade de locomoção) para ambas as ferrovias.

Vitória a Minas
Cada carro executivo da EFVM tem capacidade para transportar 57 passageiros. Já nos econômicos, há 75 lugares. Em ambas as classes os carros são climatizados e contam com tomadas elétricas individuais nas poltronas para possibilitar o carregamento de equipamentos eletrônicos, como notebooks e telefones celulares.

Mais modernos, os banheiros receberam novo layout e tecnologias voltadas a priorizar o uso sustentável dos recursos naturais, como a substituição do papel toalha por ar quente para a secagem das mãos. O sistema de descarga é a vácuo, semelhante ao utilizado na indústria da aviação, o que reduz o consumo de água. Os novos carros também são equipados com monitores de vídeo para oferecer uma opção de entretenimento aos passageiros durante a viagem. Além disso, toda a composição conta com detector de fumaça, aumentando a segurança dos usuários.

Os carros da classe executiva contam com sistema de som e iluminação individualizados para dar maior conforto e comodidade aos viajantes. Outro diferencial são as poltronas, mais confortáveis. As novidades contemplam também os carros-restaurante e cadeirante. O primeiro possui 72 lugares, o que representa um acréscimo de 56% em relação às composições que operam atualmente.

Segurança e conforto
O investimento contemplou um novo sistema de abertura e fechamento das portas externas, bem como as localizadas entre um carro e outro, que é automático. A travessia entre os carros também mereceu melhorias e ficará ainda mais segura e confortável. Isso porque a conexão entre os vagões passa a ser vedada por um sistema de plástico emborrachado.

Os novos carros de passageiros contam ainda com displays externos e internos, que exibem informações gerais sobre a viagem. Dados como destino e trajeto do trem, número dos carros, estações e paradas de embarque e de desembarque, entre outros, são algumas das orientações voltadas a facilitar ainda mais a viagem.

Vitória a Minas
664 km de percurso completo
30 pontos de embarque e desembarque
42 municípios atendidos

Estrada de Ferro Carajás 
Novos vagões começam a circular em 2015
A nova frota da Estrada de Ferro Carajás entra em operação em 2015. A linha férrea, que liga São Luís (MA) a Parauapebas (PA) receberá 39 novos carros, sendo 6 executivos e 21 econômicos, além de vagões especiais e de apoio. O investimento para a renovação da frota da EFC foi de US$ 55,6 milhões.

O trem parte de São Luís às segundas, quintas-feiras e sábados, às 8h. Às terças, sextas-feiras e domingos, realiza o percurso de volta partindo do sudeste do Pará. Não há viagem às quartas-feiras. O percurso dura 16 horas.
Fonte: www.vale.com.br

Literatura

"Palmeiras, um Caso de Amor"
O leitor pode até não se lembrar, mas o Palmeiras vestiu a camisa da seleção brasileira e deu de três no Uruguai. E convém sempre recordar (principalmente aos corintianos que em 1951 o Palmeiras já era campeão do mundo, jogando a final contra a Juventus, da Itália. E, como se não bastasse, um romance entre uma palmeirense e um corintiano, escrito pelo mineiro Mario Prata (Mario Alberto Campos de Morais Prata, nascido em Uberaba, em 11 de fevereiro de 1946), declarado torcedor do Uberaba Sport e do Clube Atlético Linense, o Elefante da Noroeste, da cidade paulista de Lins, para a qual o autor se mudou ainda  criança.
.
Quando convidado para fazer parte do time “Camisa 13″, sobre as melhores equipes do Brasil, o autor pensou que iria escrever sobre o Linense. Por que o Palmeiras? Porque foi lá de Lins que vieram três craques para o Verdão. O primeiro, o Américo Murolo. Depois, o Cardozinho, um ponta baixinho. E, finalmente, seu amigo de peladas, o Leivinha, que assina a orelha do livro. Morando entre São Paulo e Florianópolis, onde é simpatizante do Figueirense. E, em São Paulo, é Palmeirense, tendo um filho corintiano (Antonio) e outro palmeirense (Pedro). Já a filha Maria prefere a moda ao futebol.

domingo, 21 de setembro de 2014

21 de setembro

por Boanerges Silva Filho*

Creio que os presado radialistas e comunicadores, já devem conhecer esse histórico sobre o dia do Radialista, Durante muito tempo o Dia do Rádio, ou da Radiodifusão, e o Dia do Radialista foram comemorados juntamente, em 21 de Setembro que é também o Dia da Árvore. A celebração teve início em 1945, quando um decreto assinado pelo presidente Getúlio Vargas fixou os níveis mínimos de salário dos trabalhadores em empresas de radiodifusão.

Nos anos 80, por ocasião do IV Congresso Brasileiro de Radiodifusão, realizado na Bahia, os proprietários de Emissoras decidiram estabelecer uma data para comemorar em separado O Dia da Radiodifusão. Escolheram 25 de Setembro, pois nesse dia nasceu Roquette-Pinto. 
Edgard Roquette-Pinto, médico, antropólogo e professor, nascido em 1.884, fundou a Rádio Sociedade do Rio de Janeiro, em 21 de abril de 1.923. 
Dessa forma, passamos a comemorar em 21 de Setembro o Dia do Radialista e em 25 desse mês o Dia do Rádio, ou da Radiodifusão.

Mais recentemente, em decreto assinado pelo Presidente Lula, foi instituído no calendário de efemérides nacionais o Dia do Radialista a ser comemorado em 7 de Novembro, data de nascimento do compositor, músico e radialista Ary Barroso.
Costumes não se criam por decreto e em razão disso continuo recebendo e enviando cumprimentos na data original da qual todos os radialistas gostam: 21 de Setembro.

Na verdade, a Radiodifusão é de importância imensurável. E o homem de Rádio que leva a sério a sua profissão, que nela crê e a ela se dedica, presta um serviço de inestimável valor à coletividade e faz jus a essas comemorações.

Seja na informação precisa e imediata, seja no aviso de utilidade pública, seja no lazer proporcionado pelos programas que divertem e deleitam, seja na orientação dada, na cultura difundida, na transmissão dos eventos esportivos, seja nas mensagens de paz e amor e fraternidade, o profissional de Rádio presta um grande serviço à nação.

E não são apenas os locutores, os comentaristas, os noticiaristas, os repórteres, aqueles apresentadores que vocês ouvem, que desempenham papel importante na Radiodifusão. Há todo um exército de pessoas cujos nomes vocês nem conhecem, cuja voz vocês nunca escutam e que estão dia e noite, domingos e feriados, trabalhando para que a Emissora possa fazer suas transmissões. São os proprietários e diretores das empresas de radiodifusão, os técnicos, os operadores, o pessoal da área artística, os redatores e produtores, os integrantes do setor comercial e da administração, muita gente mais, compondo uma colmeia que não pára, que trabalha, produz e realiza, fazendo-se merecedora de admiração e respeito.

No dia 21 saudamos os radialistas. No dia 25 homenageamos os radiodifusores, os proprietários de Emissoras. É muito grande a sua luta, são enormes os investimentos necessários, não é fácil a seleção de profissionais, são preocupantes as despesas enormes que se repetem todos os meses.
Com tantos compromissos, não foram poucos os que desistiram 
no meio da jornada.

Recebam nosso abraço, heróicos radialistas e radiodifusores.
Recebam a nossa homenagem e os nossos votos de sucesso.

*Boanerges Silva Filho é radialista
(Santos-SP)

Literatura

"Olimpíadas – a história completa dos jogos de 1896 a 2014" 


Escrito por Orlando Duarte, jornalista com mais de 60 anos de carreira que conta com a cobertura de 10 eventos olímpicos no currículo. Comercializada no mercado editorial pela Abook e patrocinada pelo Grupo Notre Dame Intermédica, a obra conta com 216 páginas.

O livro relaciona o ambiente olímpico com processos de mudanças enfrentados pelas sociedades, destacando os fatos importantes das Olimpíadas, não só com resultado das competições, mas a contribuição para as mudanças sociais no mundo, como: as mulheres terem conquistado a sua merecida posição, os negros serem integrados e respeitados e os esportistas com necessidades especiais que conquistaram uma competição própria.

O livro traz histórias marcantes e a ficha técnica de cada edição com: países participantes, modalidades, atletas participantes, selo comemorativo, atleta de destaque, as datas de início e término, quadro de medalhas e o registro sobre a participação do Brasil.

sexta-feira, 19 de setembro de 2014

Hino a Guarani

História
O Hino foi composto em novembro de 1916, a pedido do professor Henrique Delvaux, sendo cantado publicamente pela primeira vez em 25 de março de 1917, na festa de inauguração da ponte metálica sobre o Rio Pomba.
Letra: Antônio de Abreu Sobrinho
Música: Sebastião Delvaux Pinto Coelho

Hino
Tomado do mais belo sentimento
de justa e proveitosa coesão,
prossegue Guarani sem desalento
na linha que lhe aponta a evolução.

Refrão
Avante, Guarani! Em letras de ouro
refulgirá teu nome na História
e por norma será dado ao vindouro
eternizando assim a tua glória, a tua glória!

Caminha triunfal, firme progride,
levado pelo próprio gênio audaz,
e não suspende, nem termina a lide,
quanto mais forte mais impulso traz.

Sustenta com ardor inigulado,
à sombra protetora da harmonia,
o trabalho fecundo e sublimado
lutar pelo progresso dia a dia.
Fonte: www.guarani.mg.gov.br

Literatura

“Jogo do Senta: a verdadeira origem do chororô”
Em 10 de setembro de 1944, o clássico Botafogo x Flamengo, disputado pelo campeonato Carioca, em General Severiano, não acabou. Após sofrer o quinto gol, do atacante alvinegro Geninho, jogadores do Flamengo protestaram contra a marcação do tento pelo árbitro Aristide “Mossoró” Figueira, se sentando em campo. A bola não teria entrado, segundo os rubro-negros. O Flamengo, que seria tricampeão carioca naquele ano, recorreu ao Tribunal de Penas da Federação Carioca, mas o resultado do campo (5 a 2) foi mantido. O jornalista Paulo Cézar Guimarães relata esses fatos em sua obra, após 70 anos do ocorrido. Torcedor alvinegro, Guimarães lembra que torcedores do Bota provocaram os atletas rubro-negros, gritando: “Senta para não apanhar de mais”. E afirma que a atitude dos jogador do Flamengo foi uma ordem de dirigentes rubro-negros.

quarta-feira, 17 de setembro de 2014

Vicente José de Abreu (1946-2014)

Missas
A família de Vicente José de Abreu, o Vicente da Renavi, convida parentes e amigos para as missas em intenção de sua alma, nesta sexta-feira, 19/09, às 19 horas na igreja da Glória, em Juiz de Fora-MG e no sábado, 20/09, às 19 horas, na igreja matriz de Ewbank da Câmara-MG.

Vicente José de Abreu nasceu em Ewbank da Câmara-MG, em 08 de janeiro de 1946. Filho de José Alvino de Abreu e Maria Augusta de Abreu, era empresário de ramo de artigos esportivos (Renavi Sports), torcedor do Flamengo, o Vicente da Renavi, como carinhosamente era conhecido, era casado com a sra Regina, pai da Natália e do Vinícius. Vicente faleceu em Juiz de Fora, no sábado, 13 de setembro, sendo sepultado no cemitério de Ewbank da Câmara.

Literatura

"Schifaizfavoire: Dicionário de Português"
Escrito pelo mineiro Mário Prata e publicado em 1994, o livro aborda as diferenças linguísticas entre o português do Brasil e o português de Portugal e que vão muito além da língua. A obra, retrata com ironia o que diferencia em termos a língua que os dois países tem em comum.

Este livro, que reúne  600 verbetes em ordem alfabética, foi escrito com base na vivência solitária do autor em Lisboa por dois anos. Algumas diferenças: Linguado no Brasil é um peixe, em Portugal, linguado é beijo de língua.

No Brasil se está num restaurante e diz "estou apertado”, a primeira opção é perguntar ao garçom onde é o banheiro. Em Portugal o garçom vai indicar a praia mais próxima. É na prais é que tem banheiro, ou seja, salva-vidas...

Ponte do bairro Jardim Esperança

Eleição não é santa não, mas faz milagre
Mesmo, às vezes, sendo um milagre parcial
A ponte anterior, com passagem para um só veículo, foi removida, tendo em vista que a mesma provocava a retenção das águas e a consequente enchente nas proximidades. Não precisa ser doutor no assunto para saber que se o poder público municipal assumir sua responsabilidade e realizar a dragagem de todo o córrego, resolve a questão das eschentes.

No período que antecedeu a construção da "nova ponte" criou-se uma expectativa de que a administração atual teria a CORAGEM de retirar os hidrômetros da CESAMA, instalados por alguns moradores no muro sobre o passeio, realocá-los em local apropriado e construir uma nova ponte com pista dupla e passeio para pedestre nas duas extremidades, atendendo a coletividade.

Mas pelo que se observa na foto, retirada do portal da PJF e também no local da obra, LAMENTAVELMENTE, nada disso vai acontecer. Tem até suspeita de candidado se apossando, como o responsável, ou seria irresponsável? tentando se beneficiar, angariar voto pelo "feito", certamente, sem o conhecimento do prefeito.

Na administração tucana um passeio para pedestre foi construido, mas para não "incomodar" os invasores da via com os hidrômetros, e por consequência, não perder votos nas eleições seguintes, o novo passeio foi construído avançando sobre a via. Pelo visto, a preocupação tucana com a perda de votos não deu certo.

Literatura

"Mussum Forévis - Samba, Mé e Trapalhões"
Cacildis! Tudo o que você queria saber sobre o Mussum finalmente saiu da pindureta. Do mé aos Trapalhões, do morro à Mangueira.
Antonio Carlos de Bernardes Gomes, o Mussum, é um dos mais amados humoristas brasileiros. Pela primeira vez a trajetória do homem por trás do personagem é contada com rigor histórico, por Juliano Barreto, da origem humilde no morro até a consagração como artista milionário. Antes da fama na televisão, Mussum fez parcerias com astros como Elis Regina, Jair Rodrigues, Jorge Ben e Martinho da Vila. Como trapalhão, bateu recordes de bilheteria com 28 filmes e conquistou uma audiência que chegou a 80% dos televisores ligados no país. No meio de tudo isso, ainda teve tempo de fazer sucesso no México, ser campeão do carnaval com a Mangueira e tomar suco de cevadis com Garrincha, Baden Powell, Cartola e Zeca Pagodinho, entre outros grandes embaixadores.
Duas décadas após a sua morte, a popularidade do estilo de Mussum, baseado em muito samba, mé e bom-humor, segue em alta, descoberta com entusiasmo pelas novas gerações e recordada com carinho por aqueles que eram hipnotizados pelos Trapalhões nas noites de domingo. O que nem os vídeos da internet nem as lembranças da infância alcançam estão nesta biografia imperdíveis.

terça-feira, 16 de setembro de 2014

Gente que faz...

Manoel Jorge de Castro nasceu em Santos Dumont-MG, em 30 de maio de 1944.
Filho de José Honório de Castro e Júlia Ferreira de Castro, casado com Maria Helena Reis de Castro, pai de três filhos (duas moças e um rapaz) e avô de cinco netos. Aposentado da CBCC (antiga Companhia Brasileira de Carbureto de Cálcio, hoje, Dow Corning), empresa na qual sempre conciliou suas atividades com a de locutor na Rádio Cultura. Torcedor do Flamengo, sr Jorge é primo do radialista Antonio de Castro, que hoje vive no bairro Monte Castelo, em Juiz de Fora. É contemporâneo de grandes nomes que estão ou que passaram pela Rádio Cultura, Itamar Vidal, Halmalo Silva, Jurandir Borges, Sebastião Chagas/Barranco (1955/2010), Adão César (1951-2011) e Gilberto Freire (1944-1994).  No rádio teve várias funções: Locutor apresentador, noticiarista, gerente. Jorge de Castro, do alto dos seus 70 anos, é um defensor do rádio, em especial, o rádio AM.

Literatura

“A Síndrome da Alienação Parental”

Escrito pela psicóloga Sandra Maria Baccara Araújo, o livro retrata, com riqueza de detalhes, o que é a alineação parental. De acordo com a obra, é um artifício utilizado por um genitor para coibir o direito à convivência familiar do outro genitor, normalmente o não guardião, tendo o objetivo de fazer com que este não exerça a sua autoridade  parental, centralmente quanto ao dever de criação e educação, mas não abrindo mão da assistência financeira ou da pensão alimentícia, quando for o caso.
A autora  é filha do saudoso João Theodósio Araújo (Joaninho), que presidiu a Associação dos Cegos, em Juiz de Fora-MG.

segunda-feira, 15 de setembro de 2014

A dança das cadeiras...

Patricia Poeta deixa "JN" e provoca mudanças no jornalismo da Globo

Em novembro, o "Jornal Nacional" não terá mais a jornalista Patricia Poeta na bancada. A saída de Patrícia é motivada por novos projetos e, assim como sua antecessora, Fátima Bernardes, ela vai migrar para o entretenimento. As mudanças divulgadas pela Globo nesta segunda-feira, 15/09, atingem outras duas profissionais da casa: Renata Vasconcellos e Poliana Abritta.

Há quase três anos na apresentação ao lado de William Bonner, Patricia Poeta deixa o posto assim que terminar a cobertura eleitoral. O programa de entretenimento no qual deve comandar ainda está em fase de desenvolvimento.

Desde o ano passado na apresentação do "Fantástico", Renata Vasconcellos deixará a revista eletrônica para assumir o lugar de Patricia no "JN". A estreia de Renata está marcada para 03 de novembro e, além de âncora, será editora-executiva do noticiário. Renata esteve na "Globo News", no "Bom Dia Brasil" e, agora, no "Fantástico".

Por fim, Poliana Abritta, que inicialmente, seria correspondente nos Estados Unidos, será a nova apresentadora do programa dominical ao lado de Tadeu Schmidt. Ela tem passagens por "Globo Mar", "Jornal Hoje" e "Jornal da Globo".

Literatura

sábado, 13 de setembro de 2014

Transporte Ferroviário

Com Rodovia dos Bandeirantes saturada, trem vira aposta para 2020 em São Paulo
Edital do primeiro trecho do serviço que ligará SP a Americana, com 135 km de extensão, deve ser publicado no ano que vem
- Com o risco de saturação das rodovias entre São Paulo e Campinas nos próximos anos, o sistema de trens regionais ligando a capital paulista ao interior pode finalmente começar a sair do papel. Projeção divulgada nesta quinta-feira, 11, pelo governo do Estado indica que o edital do primeiro trecho da rede, entre São Paulo e Americana, com 135 km de extensão, deve ser publicado no ano que vem. Já a previsão de entrega dessa linha é 2020.

A viagem total levará 1h29min e a passagem custará mais do que a dos ônibus. O modelo estudado é o de parceria público-privada (PPP) integral, como o da Linha 6-Laranja do Metrô, cujo contrato chegou a ser barrado em agosto na Justiça, por suposta infração a duas leis. Batizada de Trem Inter-Cidades (TIC), a linha será toda construída em superfície, a partir da Estação Água Branca, na Lapa, na zona oeste da capital.

Sem a necessidade de túneis e obras muito complexas, o ramal, embora bem mais extenso do que uma linha de metrô subterrâneo, custará menos, cerca de R$ 5 bilhões (a Linha 6 da rede metroviária paulistana, de 15,9 km, está orçada em R$ 9,6 bilhões). O leito de circulação das composições aproveitará a velha malha da São Paulo Railway e da Companhia Paulista de Estradas de Ferro, fundadas no século 19, e onde hoje operam serviços de carga das empresas de logística ALL e MRS.

No total, o TIC terá nove estações: Água Branca, Jundiaí, Louveira, Vinhedo, Valinhos, Campinas, Sumaré, Nova Odessa e Americana.

Marcha lenta. Embora assessores próximos de Geraldo Alckmin (PSDB) costumem dizer que a implantação dos trens regionais é a “menina dos olhos” do governador, o projeto segue em “marcha lenta”. Em 2012, uma manifestação de interesse público (MIP) foi apresentada ao governo pelo consórcio formado pelas empresas Estação da Luz Participações (EDLP) e BTG Pactual. Em 2013, um grupo técnico foi formado para avaliar as melhores opções do TIC.

Colapso. Agora, dados da Secretaria Estadual de Logística e Transportes passaram a subsidiar a tese de que o governo do Estado precisa construir uma conexão ferroviária de passageiros, sob o risco de colapso das duas principais estradas entre São Paulo e Campinas. As estatísticas, apresentadas nesta quinta-feira em palestra do coordenador da PPP, Thierry Besse, na Semana de Tecnologia Metro ferroviária, na região central, indicam que as Rodovias Bandeirantes e Anhanguera começarão a sofrer de séria saturação a partir de 2020. Dez anos mais tarde, a situação será tão ruim que a Anhanguera atingirá o nível máximo de esgotamento viário entre os quilômetros 25 e 38 durante mais de meio dia, das 6 às 19 horas. Para se ter uma ideia, em 2012, isso só acontecia no horário de pico da manhã (das 6h às 9h) e em só um sentido no trecho dos km 49 ao 52 e às 7 horas entre os km 86 e 92.

“A tarifa tem de ser atrativa para que você coopte o motorista do carro em virtude do pedágio e do combustível e também do fretado”, disse Mário Manuel Bandeira, presidente da Companhia Paulista de Trens Metropolitanos (CPTM). O TIC levará 68,5 mil usuários ao dia. Até Campinas a viagem durará quase 1 hora e 4 minutos.
Fonte:

quarta-feira, 10 de setembro de 2014

Literatura

"Aparecida - A Biografia da Santa Que Perdeu a Cabeça, Ficou Negra, Foi Roubada, Cobiçada Pelos Políticos e Conquistou o Brasil"

Aparecida é o livro mais completo sobre o maior símbolo da fé católica brasileira. Fruto de pesquisas realizadas no Brasil e no exterior pelo jornalista Rodrigo Alvarez, correspondente da TV Globo em Jerusalém, traz três séculos de história sobre a padroeira do país. Ricamente ilustrada, a obra descreve personagens curiosos: o padre que tirava a santa do altar às escondidas; o governador que cortava cabeças; a restauradora irritada; o frei que enfrentava corruptos. E também revive personalidades marcantes, como a princesa Isabel, que lhe deu a coroa; o general Médici, que financiou uma peregrinação pelo país da ditadura; e os três últimos papas, João Paulo II, Bento XVI e Francisco, que fizeram questão de beijá-la.

segunda-feira, 8 de setembro de 2014

Eleições 2014

Ex-atletas entram no jogo das urnas
Eles fizeram história no esporte e agora tentam convencer o eleitor de que merecem o voto
Esporte mais popular do país, o futebol ocupa a maior parte da bancada da bola no Legislativo. Mas, no pleito deste ano, o vôlei entrou para valer no jogo da política, com ex-atletas estreantes nas eleições em vários estados do país. Em Minas Gerais, Giovane Gávio, ex-jogador da Seleção Brasileira, disputa vaga na Câmara dos Deputados. Já Leila Barros, que também fez história na Seleção verde-amarela, é candidata a deputada distrital em Brasília. Fábio Luiz, prata no vôlei de praia nas
Musa do vôlei nos anos 1990, Leila Barros vai disputar uma vaga de deputada distrital em Brasília.

Acostumado a alcançar o lugar mais alto do pódio, Giovane Gávio (PSDB) tenta agora vencer nas urnas. Conhecido nacionalmente, o ex-jogador que é mineiro de Juiz de Fora, na Zona da Mata, se candidata pela primeira vez a deputado federal por Minas Gerais.

A ex-jogadora de vôlei da Seleção Brasileira Leila Barros (PRB), que também atuou nas areias, tenta se eleger deputada distrital em Brasília. O nome de urna não poderia ser outro: Leila do Vôlei, em referência à carreira no esporte. Entre muitas conquistas, a aspirante a deputada tem no currículo duas medalhas de bronze nas olimpíadas de Atlanta, em 1996, e Sidney, em 2000, na equipe comandada por Bernardinho.

Aliás, o técnico, filiado ao PSDB, chegou a ser cogitado pelo partido como candidato a governador do Rio de Janeiro. Um dos entusiastas era Aécio Neves, mas Bernardinho acabou declinando do convite.

Fábio Luiz, medalhista de prata nas Olimpíadas de Pequim, em 2008, também se enveredou pela política. Agora ele é Fábio Luiz Vôlei de Praia (PRP) e disputa vaga na Assembleia Legislativa do Espírito Santo.

Mas as personalidades do futebol continuam marcando pesado na competição das urnas. Em Minas, o estreante é o presidente do Cruzeiro, Gilvan de Pinho Tavares (PV), que tem como ponto favorável é a ótima campanha do time celeste, atualmente líder do Campeonato Brasileiro.

Também tentam entrar para a bancada da bola mineira o ex-goleiro Raul Plassmann (PSC-MG), candidato a deputado federal. Ex-atacante do Atlético Mineiro, Marques Abreu (PDT), atualmente deputado estadual, quer conquistar mais um mandato  na Assembleia Legislativa. O ex-goleiro do Atlético João Leite (PSDB), que já foi vereador e secretário de Esportes de BH, vai disputar o hexa na casa legislativa, mas com a torcida dos evangélicos, seus principais apoiadores.

Fora de Minas Gerais, mais atletas arriscam empreitada na política. O mais famoso é o atualmente deputado federal Romário (PSB-RJ), artilheiro do Brasil no tetra, que está na briga pelo Senado no Rio. Craque do tetra e parceiro de Romário, Bebeto (SD) quer se reeleger deputado estadual no Rio. O ex-atacante do Corinthians Marcelinho Carioca (PT-SP) está na disputa como candidato a deputado estadual. Acostumado a brilhar nos gramados, ele fracassou na tentativa de se eleger vereador, em 2012, na capital paulista. Washington (PDT-RS), ex-atacante do Fluminense, que é vereador em Caxias do Sul-RS, é candidato a deputado federal e enfrentará Danrlei (PSD-RS), ídolo da torcida do Grêmio e deputado federal desde 2010.

A Câmara Municipal de Belo Horizonte já conta com representante das quadras. Ex-jogador do Minas Tênis Clube e da Seleção Brasileira na década de 1980, José Francisco Filho, o Pelé do Vôlei (PTdoB), exerce primeiro mandato como vereador. Por sete anos consecutivos, foi eleito o melhor atacante do Brasil. Desde que assumiu o cargo, o ex-atleta tem focado sua atuação no tripé esporte, educação e inclusão social.
FONTE: www.uai.com.br