segunda-feira, 30 de abril de 2012

Atlético-MG

Atlético se despede da Arena do Jacaré com 65% de aproveitamento no estádio
Clube adotou o estádio em Sete Lagoas como casa principal por causa das obras da Copa

Sem poder contar com o Mineirão e o Independência desde junho de 2010 por causa das obras da Copa'2014, os clubes de Belo Horizonte adotaram a Arena do Jacaré como casa oficial para as partidas no estado. Após um e ano e dez meses de ‘estadia’ em Sete Lagoas, o Galo se despediu do campo neste sábado com a vitória sobre o Tupi, por xxxx, pela semifinal do Campeonato Mineiro. O time atleticano deixa o estádio da região metropolitana com aproveitamento de 65%.

Além da vaga na finalíssima, o Atlético ganhou a possibilidade de jogar no Novo Independência, que foi estreado oficialmente nessa semana, no dia 25, com o amistoso entre América e Argentinos Juniors. A data para reencontro do torcedor atleticano com o time num jogo na capital será na próxima quinta-feira, no duelo entre Galo e Goiás, pelo jogo de volta da Copa do Brasil. A missão para o jogo de estreia no novo estádio é complicada para o Alvinegro. Para avançar às quartas da competição nacional, o clube precisa vencer por três gols de diferença. Sem fizer dois e não levar nenhum, a decisão será nos pênaltis.

Com a reabertura do estádio do Horto , o Atlético passará a mandar seus jogos em Belo Horizonte e deverá utilizar o campo em Sete Lagoas apenas em ocasiões extraordinárias ou como visitante. Durante o período em que ocupou a Arena do Jacaré, o Alvinegro realizou 51 jogos, venceu 30, perdeu 11 e empatou 10.

A primeira partida feita no local – após o fechamento do Mineirão no dia 7 de junho de 2010 -, foi contra o Atlético-GO. O Galo derrotou o xará por 3 a 2 e o primeiro tento do duelo foi marcado por Diego Tardelli, que atualmente está no futebol árabe. O Atlético disputou no estádio partidas válidas pelo Campeonato Brasileiro, Mineiro e Sul-Americana. O Alvinegro também realizou um amistoso contra o River Plate-URU, que terminou empatado em 1 a 1. Na temporada 2012, o clube está invicto na Arena do Jacaré com seis vitórias e um empate.

Para realizar os dois jogos da final do Mineiro na capital, o Atlético primeiro precisa conhecer o adversário da decisão. Na outra semifinal, América e Cruzeiro se enfrentam. Se o Coelho passar é garantido que os dois confrontos sejam em BH. Caso dê Cruzeiro, uma das partidas, a de mando celeste, deve ser em Sete Lagoas, já que o time estrelado ainda não entrou em acordo com a BWA para atuar no Independência.

O Mineirão tem previsão de ser reaberto em dezembro de 2012. Mas só terá jogos oficiais no ano seguinte, pois as competições estarão encerradas. Mesmo assim, o Galo deve continuar realizando suas partidas no Independência, já que assinou um contrato com a empresa responsável pela gestão do espaço para mandar seus jogos na nova arena.

Estatística:
51 jogos
30 vitórias
11 derrotas
10 empates
Aproveitamento de 65,3%

Temporada 2010:
14 jogos
07 vitórias
05 derrotas
02 empates
Aproveitamento de 54,7%

Temporada 2011:
30 jogos
17 vitórias
06 derrotas
07 empates
Aproveitamento de 64,44%

Temporada 2012:
07 jogos
06 vitórias
01 empate
Aproveitamento de 90,47%

Túlio Maravilha

O veterano e folclórico atacante Túlio Maravilha continua em sua saga pelo milésimo gol. O jogador marcou um gol em amistoso atuando pelo Laranjal, de Minas Gerais, e chegou ao 987º tento na carreira, segundo sua própria contagem.

O atacante tem contrato com o Tanabi, time da última divisão do Campeonato Paulista, mas fez uma participação especial na equipe mineira no duelo contra o Democrata de Santana de Cataguases, pela Copa Integração de Futebol Regional. O Laranjal venceu por 3 a 1. Túlio comemorou o feito no Twitter.

Antes, Túlio já havia marcado pelo Tanabi na estreia contra o RCA Cruzeiro. A ideia do jogador é fazer mais cinco jogos amistosos pelo clube, além de atuar na estreia na Segunda Divisão do Paulistão, equivalente à última divisão do futebol paulista, contra o Araçatuba, no dia 06 de maio.

Quando chegar ao 993º gol, Túlio, que tem rodado por clubes pequenos por todo o país para atingir a marca, deve voltar ao Botafogo para encerrar a carreira no clube que o consagrou. O atacante tem um acordo de cavalheiros com o presidente do clube, Mauricio Assumpção, para jogar em General Severiano de novo antes de se aposentar e marcar o milésimo gol com a camisa alvinegra.
Fonte: http://www.uol.com.br/

América-MG

Fundado em 30 de abril de 1912 por um grupo de estudantes de Belo Horizonte e o nome foi escolhido por sorteio: América Foot-Ball Club.


Ídolos
Alguns jogadores marcaram história no América-MG. O goleiro Milagres (Marco Antonio Gonçalves Milagres, nascido em Juiz de Fora-MG) é o jogador que mais vestiu a camisa do América, com, com 369 partidas entre 1993 e 2001. O atacante Euller (nascido em Felixlãndia-MG) é outro que marcou época no América-MG, já que foi revelado na base e, depois de girar o mundo e passar por grandes equipes, voltou para encerrar sua carreira. O lendário meia-atacante Jair Bala (nascido em Cachoeiro de Itapemirim-ES) é outro ídolo da torcida americana, tendo participado do elenco campeão do Mineiro em 1971.

Estádio
O estádio Independência, casa do América-MG, foi totalmente reformado e a nova Arena abrigará os jogos de Cruzeiro e Atlético-MG até que as obras do Mineirão sejam concluídas. No amistoso de reinauguração do estádio, o América-MG bateu os Argentinos Juniors por 2 x 1, com dois gols de Alessandro.

Títulos
O América-MG tem 15 títulos do Campeonato Mineiro, sendo que dez deles foram conquistados em sequência, entre 1916 e 1925. O feito é reconhecido pelo Livro dos Recordes e motivo de orgulho para a torcida americana, já que nem Atlético-MG e nem Cruzeiro conseguiram tal façanha. Outras conquistas relevantes da equipe são os Brasileiros da Série B (1997) e da Série C (2009), além da Copa Sul-Minas em 2000.

domingo, 29 de abril de 2012

Campeonato Mineiro

Módulo um
Atlético 1 x 0 Tupi
Atlético: Giovanni; Marcos Rocha (Serginho), Lima, Réver e Richarlyson; Fillipe Soutto (Neto Berola), Leandro Donizete, Escudero (Mancini) e Bernard; Danilinho e André. Técnico: Cuca.
Tupi: Rodrigo; Flávio (Cassiano), Wesley Ladeira, Fabrício e Henrique (Ulisses); Jaílton (Assis), George, Léo Salino e Michel Cury; Allan e Ademílson. Técnico: Moacir Júnior.
Gol: André, aos 25' do segundo tempo
Arbitragem: Émerson de Almeida Ferreira, Guilherme Dias Camilo e Marconi Helbert Vieira.
Cartões amarelo: Jaílton, George, Ademílson, Léo Salino e Cassiano (Tupi) e André, Bernard (Atlético)
Público: 7.311
Renda: R$ 65.415

Campanha do Tupi: 
Primeira Fase

0 x 1 – Caldense, em Poços de Caldas
0 x 1 – Nacional, em Juiz de Fora
0 x 3 – Cruzeiro, em Sete Lagoas
2 x 1 – Uberaba, em Juiz de Fora, gols de Wesley Ladeira e Henrique
3 x 0 – Boa Esporte, em Juiz de Fora, gols de Ademilson/2 e Silvio
3 x 1 – América-TO, em Teófilo Otoni, gols de Henrique/2 e Ademilson
0 x 0 – Villa Nova, em Juiz de Fora
3 x 1 – Guarani, em Juiz de Fora, gols de Ademilson, Michel Cury e Allan
2 x 1 – América-BH, em Sete Lagoas, gols de Wesley Ladeira e Ademilson
1 x 2 - Democrata-GV, em Governador Valadares, gol de Henrique
0 x 0 - Atletico, em Juiz de ForaSemifinais
1 x 1 – Atlético, em Juiz de Fora, gol de Michel Cury
0 x 1 – Atlético, em Sete Lagoas
Resumo: 13 jogos, cinco vitórias, três empates e cinco derrotas. 15 gols pró e 13 contra
Artilheiros: Ademilson (5 gols), Henrique (4), Wesley Ladeira (2) Michel Cury (2) Silvio e Allan (1).

Módulo dois
Araxá 3 x 2 Mamoré
O Araxá deu um grande passo para voltar ao Módulo I do Campeonato Mineiro. Jogando no Estádio Fausto Alvim, em Araxá, o Ganso derrotou o Mamoré, por 3 a 2, e disparou na liderança do quadrangular final do Módulo II, com nove pontos. O time alcançou 100% de aproveitamento no primeiro turno, pois ainda superou Tombense, por 4 a 2, e Ipatinga, por 1 a 0.

Osvaldir abriu o placar para o Ganso aos quatro minutos do primeiro tempo. O zagueiro André Alves ampliou aos oito. O Mamoré chegou ao empate com gols de Evandro, aos 33 do primeiro tempo e aos 27 do segundo. O triunfo do Araxá só foi confirmado aos 33 da etapa final, novamente com um gol de Osvaldir.
Com a derrota o Mamoré caiu para a lantera do quadrangular, com três pontos, e saldo de gols pior que Tombense (02º) e Ipatinga (03º).
No próximo domingo, às 16h, o Mamoré receberá o Araxá em Patos de Minas e o Tombense terá o Ipatinga pela frente em Tombos.

Araxá: Fred; Osvaldir, André Alves, Felipe Nogueira e Fabiano; Cafu, Zé Maria, Vander (Thiago Marinho) e Hugo Alexandre (Lilá, depois Marcelino); Evandro e Thiago Pereira. Técnico: Luiz Eduardo.
Mamoré: Tiago Wanderson, Ricardo, Paulinho, Jonatan Machado e Wagner; Tiago Carvalho, Marcelo, Robertinho (Maxwel) e Jouberth; Evandro e Jonatan (Robert). Técnico: Eugênio Carlos.
Arbitragem: Cleisson Veloso Pereira, Wesley Moreira de Carvalho e Frederico Soares Vilarinho
Público: 3.608 pagantes
Renda: R$ 45.995,00
Gols: Osvaldir, aos 4'1T e 35'2T e André Alves, aos 8'1T (Araxá); Evandro, aos 34'1T e 26'2T (Mamoré)

Ipatinga 3 x 1 Tombense
Depois de sofrer derrotas para Mamoré, por 2 a 0, e para Araxá, por 1 a 0, o Ipatinga finalmente conquistou, em Ipatinga, a sua primeira vitória no quadrangular final do Módulo II do Campeonato Mineiro, ao vencer o Tombense por 3 a 1.

Os gols do Ipatinga foram marcados por Cláudio Luiz, Leandro Brasília e Afonso. Dudu descontou para o Tombense, que ainda perdeu um pênalti, cobrado por Beto, que o goleiro Bruno defendeu.

Com a vitória, o Ipatinga subiu da quarta para a terceira colocação, com três pontos, e melhor saldo que o Mamoré. O Tombense é o segundo com três pontos e mais gols marcados que o Tigre.

No próximo domingo, às 16h, na abertura do returno, o Tombense receberá justamente o Ipatinga em Tombos, na Zona da Mata. No mesmo e horário, o Mamoré enfrentará o Araxá em Patos de Minas.

Ipatinga: Bruno; Afonso, Claudio Luiz (Pedrão), Azevedo e Bruninho; Marcel, Everton, Leandro Brasília e Wellington Bruno; Laécio (Márcio Diogo) e Jonatas Obina (Vinícius Kiss). Técnico: Ney da Matta.
Tombense: Fábio; Robertinho, Cássio, Maílson e Beto; Denílson, Júlio Bastos, Caio (Jean Carioca) e Felipe (Rhayner); Dudu e Tiago Azulão (Rafamar). Técnico: Toninho Cajuru
Arbitragem: Ronei Cândido Alves, Celso Luiz da Silva e Ricardo Junio de Souza (FMF).
Cartões amarelos: Everton, Pedrão e Obina (Ipatinga)
Gols: -Claudio Luis, aos 09'1T, Leandro Brasilia, aos 29'1T e Afonso, aos 15'2T (Ipatinga); Dudu, aos 12'1T (Tombense).

sexta-feira, 27 de abril de 2012

Literatura

"Riqueza de Minas"
O jornal "Estado de Minas", do Grupo Associados de Comunucação, em parceria com o Banco Rural, lançou o livro "Riqueza de Minas", compilação das 12 reportagens que, de setembro a novembro de 2011, mostraram nas edições do jornal um panorama da diversidade e grandeza da economia mineira. A obra de autoria da jornalista Zulmira Furbino tem fotos de Mário Castello e crônicas de Afonso Romano de Sant’Anna.


quinta-feira, 26 de abril de 2012

Futebol mineiro

Módulo um
Atlético e Tupi.
Arbitragem: Emérson de Almeida Ferreira, Guilherme Dias Camilo, Marconi Helbert Vieira, Wilson do Carmo e Adenílson Alves Teixeira.

Cruzeiro e América
Arbitragem: Luís Flávio de Oliveira (SP), Rodrigo Pereira Jóia (RJ), Roberto Braatz (PR) e Pablo dos Santos Alves (ES)

Módulo dois
Resultados da 02ª rodada do quadrangular final.
Tombense 4 x 1 Mamoré
Gols: Dudu, aos 13'1T, aos 20'2T e 29'2T, Tiago, aos 24'1T (Tombense); Jonatan, aos 43'1T (Mamoré)
Público: 518 pagantes
Renda: R$ 4.515,00

Ipatinga 0 x 1 Araxá
Gol: -Tiago Pereira, aos 13'2T
Público: 136 pagantes
Renda: R$ 1.110,00

Arbitragem para a 03ª rodada
Ipatinga e Tombense
Arbitragem: Ronei Cândido Alves, Celso Luiz da Silva, Ricardo Junio de Souza e Marcial Alves da Silva.

Araxá e Mamoré
Arbitragem: Cleisson Veloso Pereira, Wesley Moreira de Carvalho, Frederico Soares Vilarinho e Baltazar Ribeiro Rosa Júnior.

A dança das cadeiras

Luiz Penido
Luiz Alberto Penido, mineiro de Juiz de Fora e torcedor do Botafogo, teria assinado contrato com o Sistema Globo de Rádio. Por enquanto, estaria se mudando para a nova casa sem nenhum de seus companheiros da Tupi. Eugênio Leal e Wágner Menezes foram pedidos pessoais do locutor esportivo.

Luiz Alberto Penido nasceu em Juiz de Fora-MG, no dia 05 de abril de 1955. Muito cedo foi para o Rio de Janeiro, e o início de carreira foi em 1969, na equipe de Waldir Amaral, na Rádio Globo, emissora para a qual está retornando. Em 1988 trocou a Globo pela Tupi, onde ficou até o ano de 1993, saindo para breves passagens pela Rádio Nacional e na extinta Rádio Tropical. Em 1997 retornou a Tupi comandando a equipe de esportes juntamente com Doalcei Camargo.

Narrou 04 mundiais de basquete, dezenas de GPs de Fórmula 1 em diversos países e 06 Copas do Mundo.

CONSIDERAÇÕES
- Espero que o Penido, esse mineiro de Juiz de Fora, possa levar de volta para a Globo o DANADINHO, Maurício Menezes, que está advogando aqui em JF, lamentavelmente, está fora do rádio, a exemplo de Glauco Fassheber, mas que pode perfeitamente, voltar a ser coordenador de esportes do grupo.

- Espero também que ele acabe com essa bobagem de que na hora do jogo, um clássico, por exemplo, ums dos SETORISTAS fica fora das "pontas", porque ali é lugar "cativo" de outro repórter, que não é setorista.

- Espero ainda que pare com essa aberração nas transmissões de privilegiar o time de "maior apelo" com transmissão no AM e FM deixando aos de menor apelo a transmissão na internet.

Sou favorável à transmissão simultãnea, mas no Rio não tem essa tradição, sendo assim, que se faça a divisão do AM e FM.

A CBN transmitir o mesmo jogo é uma grande bobagem. Tenho saudades da dobradinha Globo/Eldorado, mas com a morte da Mundial, a Eldorado passou a operar "milagres".

Penido: Microfones instalados próximos aos bacos de reservas? JAMAIS!!!

David Rangel
O comunicador David Rangel deixou a Rádio Manchete e voltou para a Rádio Globo, o horario que ele irá assumir era um que ele assumiu na Tupi, substituindo o Collid Filho, de 00h às 03hs..

O nome do programa de David ainda não foi definido, mais na emissora do Russel já tem chamadas de David anunciando sua volta. O Planeta Rei de Beto Brito será transferido para as madrugadas de sabado para domingo.

David José Rangel nasceu em Nova Friburgo-RJ, em 19 de março de 1970. Radicado em Niterói, é pai dos atores David Lucas e Aline Peixoto.

Iniciou carreira como operador de áudio da rádio Sucesso FM, de Friburgo. Trabalhou nas rádios Tupi, Globo (2004 a 2009) e Manchete (2009 a 2012).

É o criador de personagens como "Lilí Rodoviária", "Padre QueAzedo" e "Zé Cremente".

Carlos Roberto de Oliveira (Dicró)

Morreu, aos 66 anos, no final da noite de quarta-feira, 25/04, em Magé, na Região Metropolitana do Rio, o sambista Carlos Roberto de Oliveira, o Dicró, que ganhou notoriedade com letras bem-humoradas e de duplo sentido.

Diabético, o cantor e compositor passou mal em casa, no bairro de Mauá, por volta das 22h, após retornar do hospital onde havia realizado uma sessão de hemodiálise. Mesmo encaminhado para o Hospital Central de Magé, o sambista não resistiu e morreu. O enterro de Carlos Roberto de Oliveira está marcado para as 17h de hoje no Cemitério Jardim da Saudade, na zona oeste do Rio.

Vascaíno, Dicró nasceu na cidade de Mesquita (na época, distrito de Nova Iguaçu), na Baixada Fluminense, em 14 de fevereiro de 1946, e se especializou em sambas satíricos, cujas letras davam ênfase ao dia a dia do subúrbio e da Baixada Fluminense. O apelido "Dicró" veio da assinatura que ele utilizava com as suas iniciais "De C.R.O." quando fazia parte dos compositores de um bloco de Nilópolis. Entre alguns dos sambas bem-humorados de sua autoria estão "A Vaca da Minha Sogra", "Botei Minha Nega no Seguro", "Funeral do Ricardão", "Olha a Rima" e "Chatuba".

quarta-feira, 25 de abril de 2012

Rádio Esportivo

Novidades no rádio esportivo carioca
Garotinho é o principal narrador esportivo da Rede BRADESCO de rádio. O veterano locutor esportivo está trocando a Rádio Globo pela Rádio Bradesco, uma rede FM, do grupo Bandeirantes, que está ocupando o espaço deixado pela extinta rede OI FM.

Ele deve permanecer na antiga emisssora até 13 de maio, quando termina o campeonato carioca.

José Carlos Lopes Araújo nasceu no Rio de Janeiro, no dia 07 de maio de 1940. Ainda criança, narrava jogos de futebol de botão no bairro de Vila Isabel, no Rio de Janeiro. Aos 14 anos já apresentava programas na Rádio Roquette Pinto. José Carlos Araújo entrou para a Rádio Globo na década de 1960 ficando por lá até 1976 quando foi para a Rádio Nacional. Depois de sete anos, em 01º de dezembro de 1984, voltou para a Rádio Globo.

Como apresentador de televisão, José Carlos Araújo fez, durante 14 anos o programa Mesa Redonda Rio na Rede CNT. Em 2009 jornalista Rodrigo Taves publicou o livro biográfico "Paixão pelo rádio", contando detalhes da carreira de Garotinho.

Além da forte militãncia no rádio esportivo, é professor de geografia formado pela UERJ, Oficial R/2 do Exército e pára-quedista.


Futebol

América-MG

Depois de quase dois anos fechado para reformas, que custaram aos cofres públicos R$ 149 milhões e muitos atrasos no cronograma, o estádio Independência será reinaugurado hoje, às 21h30, com o amistoso entre América e Argentinos Juniors.

A partida faz parte do calendário de comemorações do centenário do Coelho e vai marcar, também, o retorno do futebol a Belo Horizonte. Desde 2010, com o fechamento do Independência e do Mineirão, a capital mineira não recebe jogos dos seus principais clubes, que foram atuar em Sete Lagoas.

A reabertura do estádio do Horto é apontada pelas diretorias dos três clubes da capital como fundamental para que os times possam voltar a fazer boas campanhas no Campeonato Brasileiro. Seria uma forma de tentar apagar a má-impressão do ano passado, quando o América foi rebaixado para a Série B, o Atlético se salvou apenas na penúltima rodada e o Cruzeiro, na última.

Palco de três jogos da Copa do Mundo de 1950, o Independência também servirá em 2014, no Mundial do Brasil, como campo oficial de treinamento para as seleções participantes poderem se preparar antes dos jogos.

Enquanto o Mineirão não fica pronto - a previsão é que as obras sejam entregues no dia 21 de dezembro deste ano -, o Independência será a casa dos mineiros.

O primeiro capítulo desta nova história vai colocar frente a frente dois clubes conhecidos mundialmente pela formação de atletas. De um lado, o tradicional Argentinos Juniors, que revelou Diego Maradona e Sorín, ídolo cruzeirense. Do outro, o América, de atletas como Fred e Euller, que, hoje, faz a sua despedida do futebol pelo time alviverde.

Como o América está envolvido na disputa com o Cruzeiro por uma vaga na final do Mineiro - domingo, as duas equipes definem quem avança -, a equipe alviverde deverá contar com os seus principais atletas apenas em uma parte do jogo. Além de Euller, a outra novidade na equipe de Givanildo Oliveira deverá ser a estreia do meia Gilberto, que, hoje, completa 36 anos. Contratado neste mês, o jogador só poderá atuar em jogo válido por competição na Série B.

Euller
As arrancadas e os dribles já não são os mesmos de 24 anos atrás, quando ele começou a se destacar nas categorias de base do América e, depois, se transformou em um dos principais atacantes do futebol brasileiro. Mas, se depender da vontade do atacante Euller, a partida desta noite, contra o Argentinos Juniors, será uma oportunidade especial para se despedir do futebol vestindo a camisa do Coelho.

Villa Nova-MG
O técnico Reinaldo Lima foi apresentado na manhã desta quarta-feira, 25/04, no Estádio Castor Cifuentes como o novo técnico do Villa Nova para a sequência da temporada 2012. Jairo Gomes, presidente do clube, e Carlinhos Rodrigues, presidente do Conselho Deliberativo e prefeito de Nova Lima, fizeram a apresentação do ex-atacante ao elenco, que inicia agora os preparativos a disputa da Taça Minas Gerais.

Reinaldo enfatizou que utilizará dois critérios básicos para a definição do grupo com o qual irá trabalhar nos próximos meses: comprometimento com a camisa do Villa e qualidade técnica.

“Resido em Nova Lima desde 1989 e sei o quanto a cidade abraça o Villa e se esforça para vê-lo forte. Por isso, para vestir essa camisa de tantas glórias é preciso ter compromisso e atitude profissional”, disse o novo treinador leonino.

Após a apresentação de Reinaldo, o elenco foi divido em dois grupos e realizou corrida em volta do campo, sob a supervisão dos preparadores físicos Bruno Barbosa e Lucas Zagnolli. Depois houve um coletivo em que o técnico paralisou várias vezes a atividade para orientar os atletas acerca de muitos fundamentos.

O time titular que iniciou o coletivo teve essa formação: William; Túlio, Marcus Pinguim, Alemão e Pedro; Anderson Tôto, Vanderley, Everton e William Soares; Felipe e Vinícius. Os treinamentos na quinta, sexta e sábado ocorrerão somente no período da manhã, às 9h, no Alçapão do Bonfim.

Na terça-feira, 01º/05, às 10h30, o Villa Nova faz amistoso contra o time B do Cruzeiro, no Estádio Municipal Castor Cifuentes, com entrada franca. Será a estreia de Reinaldo Lima no comando técnico do Leão.

Inter e Fluminense

Libertadores
INTER

O técnico Dorival Júnior mais uma vez tem problemas. Ele ainda não conseguiu escalar o time ideal na Libertadores. Além de Oscar, impedido de jogar por causa da briga jurídica, D´Alessandro voltou a se machucar e pode ficar um mês fora. Kléber, com dor muscular na coxa, ainda é dúvida

FLUMINENSE
O técnico Abel Braga nã tem tantos problemas para formar a escalação. Só um desfalque. O atacante Wellington Nem foi vetado por lesão muscular. Chance para Rafael Sóbis. Leandro Euzébio perdeu a vaga para Gum na zaga. Fred volta ao time depois de ficar fora do último jogo da fase de grupos.

INTER X FLUMINENSE
Local: Estádio Beira-Rio, em Porto Alegre (RS)
Data: 26 de abril de 2012, quarta-feira
Horário: 21h e 50 minutos (de Brasília)
Árbitro: Paulo César Oliveira
Auxiliares: Alessandro Rocha Matos e Emerson Camargo.

INTER: Muriel; Nei, Rodrigo Moledo, Índio e Kléber (Fabrício); Guiñazu, Tinga, Sandro Silva (Jajá) e Dátolo; Dagoberto e Leandro Damião. Técnico: Dorival Júnior.
FLUMINENSE: Diego Cavalieri, Bruno, Gum, Anderson e Carlinhos; Edinho, Diguinho, Deco e Thiago Neves; Rafael Sobis e Fred. Técnico: Abel Braga.



Internacional e Fluminense


Pré-jogo - Internacional x Fluminense
por Paulo Cezar da Costa Martins Filho*
Transmissão
A partida será televisionada em rede aberta para a maioria dos estados brasileiros pela TV Globo, e pelo canal fechado Fox Sports para todo o Brasil. A TV Globo Internacional também exibirá o jogo.

Escalações prováveis - Internacional x Fluminense - 25/04/2012
SCI: Muriel; Nei, Moledo, Índio e Kléber (Fabrício); Guiñazú, Tinga e Dátolo; Jajá, Dagoberto e Leandro Damião. Técnico: Dorival Júnior.
FFC: Diego Cavalieri; Bruno, Gum, Anderson e Carlinhos; Edinho, Diguinho e Deco; Thiago Neves, Rafael Sobis e Fred (Rafael Moura). Técnico: Abel Braga.

Arbitragem - Internacional x Fluminense - 25/04/2012
Apitará o jogão no Beira-Rio o árbitro paulista Paulo César de Oliveira. Ele será auxiliado por Alessandro Rocha e Emerson de Carvalho. Em 29 partidas apitadas por Paulo César, o Fluminense tem 06 vitórias, 13 empates e 10 derrotas.

O que diz o regulamento
Fluminense e Internacional se enfrentarão em partidas de ida e volta, a primeira no Beira-Rio (25/04), a segunda no Engenhão (10/05). Estará classificado à fase seguinte o clube que tiver marcado mais gols na soma das duas partidas. Em caso de empate no placar agregado, estará classificado o clube que tiver marcado mais gols no estádio do adversário. Caso persista a igualdade, a definição será por disputa de pênaltis.

A história do Internacional na Copa Libertadores
O Colorado já conquistou duas vezes a Copa Libertadores: em 2006 e 2010. Chegou também à final em 1980, quando foi derrotado pelo Nacional do Uruguai. Em 96 partidas pela competição até hoje, o Internacional conseguiu 46 vitórias, 26 empates e 24 derrotas..

A história do Fluminense na Copa Libertadores
O Tricolor participa pela quinta vez da Copa Libertadores. Sua melhor campanha foi o vice-campeonato em 2008. Em 40 jogos até hoje, o Fluminense obteve 21 vitórias, 07 empates e 12 derrotas.

A história do confronto Fluminense x Internacional
Até hoje, os dois gigantes brasileiros já se enfrentaram 64 vezes, com 23 vitórias tricolores, 19 empates e 22 triunfos colorados. Ao todo, o Fluminense assinalou 82 gols, contra 79 do Internacional. A última partida foi válida pelo Campeonato Brasileiro de 2011: o Fluminense venceu por 2 a 1 no Beira-Rio. Será o primeiro duelo por uma competição sul-americana.
*Paulo Cezar da Costa Martins Filho é Engenheiro Eletrônico e de Computação
Fonte: http://www.jornalheiros.blogspot.com.br/




Internacional e Fluminense

O Fluminense e a Copa Libertadores
por Paulo Cezar da Costa Martins Filho*
Amigos, quando ficou definido que o adversário do Fluminense na Copa Libertadores seria o Internacional, logo o Internacional, justo o Internacional, o clube com os melhores resultados recentes nas competições sul-americanas, eu e boa parte da torcida tricolor lamentamos. Não parecia um prêmio justo para o time com a maior pontuação da primeira fase.

Entretanto, percebo agora que estávamos enganados. Para o Fluminense, é melhor que seja assim. Desde 1902, colecionamos vitórias sobre gigantes e derrotas para nanicos. Quando o adversário na semifinal do Campeonato Brasileiro era o Bragantino, o Fluminense já era o finalista antes de entrar em campo, e deixou de sê-lo noventa minutos depois. Quando o oponente na final da Copa do Brasil era o Paulista de Jundiaí, a taça já era nossa, e acabou não sendo. Por outro lado, quando encaramos o São Paulo e o Boca Juniors em 2008, toda a imprensa brasileira nos deu por antecipadamente eliminados. O timinho não poderia eliminar aqueles gigantes. (Aliás, não é engraçada essa fama de timinho? Justo o Fluminense, o pioneiro, o mais tradicional clube do futebol brasileiro, o maior campeão do Rio de Janeiro, o retumbante de glórias e vitórias mil, ser chamado de timinho!?)

Como eu ia escrevendo: sim, é melhor para o Fluminense jogar contra o Internacional que contra o Emelec ou o Bolívar. O Tricolor prefere os duelos equilibrados, os confrontos contra oponentes do seu tamanho. Nas partidas menores, nossa timidez às vezes se sobrepõe à nossa técnica. É para encarar as grandes batalhas, para desafiar o impossível, que o Fluminense nasceu, que o Fluminense existe, que o Fluminense vive, que o Fluminense respira.

Não estou dizendo que o Tricolor sempre vence os oponentes fortes, não é isso. Contra o próprio Internacional, perdemos no Campeonato Brasileiro de 1975 e na Copa do Brasil de 1992. (E o Fluminense de 1975 era um timinho de muita categoria, que venceu até um tal Bayern de Munique, gigante alemão que dominava a Europa.) O que quero dizer, apenas, é que são os grandes jogos, os grandes adversários, que fazem o Fluminense pulsar, brilhar, vibrar, palpitar.

A Copa Libertadores da América é a taça que falta em Álvaro Chaves. Para levantá-la, amigos, o Fluminense precisará derrubar titãs. A começar pelo poderosíssimo Internacional, em seu fervente caldeirão. Pés à obra, onze tricolor!
*Paulo Cezar da Costa Martins Filho é Engenheiro Eletrônico e de Computação
Fonte: http://www.jornalheiros.blogspot.com.br/

Internacional e Fluminense

Os confrontos brasileiros na história da Copa Libertadores
por Paulo Cezar da Costa Martins Filho*
Nesta quarta-feira, 25/04, Internacional e Fluminense se encontrarão num duelo de gigantes pela Copa Libertadores da América. Em suas fases eliminatórias, a competição já produziu confrontos memoráveis entre clubes brasileiros, ao longo de sua história.

Em 1963, o Santos de Pelé encarou o Botafogo de Garrincha na fase semifinal. Após um empate por 1 a 1 no Pacaembu, o Santos obteve uma extraordinária vitória por 4 a 0 em pleno Maracanã, com direito a três gols do Rei.

Em 1973, no jogo-desempate da fase de grupos, o Botafogo bateu o Palmeiras por 2 a 1 no Maracanã, e garantiu uma vaga na fase semifinal, quando foi eliminado pelo Colo-Colo.

Em 1977, Cruzeiro e Internacional estavam no mesmo grupo na fase semifinal. O clube mineiro se deu melhor, após vencer no Beira-Rio (1 a 0) e empatar no Mineirão (0 a 0).

Em 1981, Flamengo e Atlético Mineiro terminaram empatados na fase de grupos, e tinham tudo para fazer um grande jogo-desempate, no Serra Dourada, valendo uma vaga na fase semifinal. A partida, no entanto, foi marcada pela polêmica arbitragem de José Roberto Wright, que expulsou 3 jogadores do clube mineiro ainda no primeiro tempo. O Atlético acabou se retirando de campo, e o Flamengo conseguiu a vaga na justiça desportiva.

Em 1984, Flamengo e Grêmio estavam no mesmo grupo na fase semifinal. Em Porto Alegre, o Grêmio goleou por 5 a 1. No Rio de Janeiro, o Flamengo venceu por 3 a 1. Foi realizado um jogo-desempate em São Paulo, no qual o dramático 0 a 0 persistiu durante o tempo regulamentar e a prorrogação. Como tinha melhor saldo de gols, o Grêmio classificou-se à finalíssima.

Em 1989, Internacional e Bahia se enfrentaram nas quartas-de-final. No Beira-Rio, vitória colorada por 1 a 0, gol de Diego Aguirre. Na Fonte Nova, o empate em 0 a 0 garantiu a classificação do Internacional.

Em 1992, o São Paulo eliminou o Criciúma nas quartas-de-final, com uma vitória (1 a 0) e um empate (1 a 1). O clube paulista acabaria conquistando a Copa Libertadores.

Em 1993, na campanha de seu bicampeonato, o São Paulo eliminou o Flamengo nas quartas-de-final: 1 a 1 no Maracanã e 2 a 0 no Morumbi.

Em 1994, no caminho para tentar o tricampeonato, o São Paulo encarou o Palmeiras nas oitavas-de-final: empate em 0 a 0, e vitória são-paulina por 2 a 1. Mas o sonho do tri acabaria semanas depois, nas mãos de Chilavert.

Em 1995, Grêmio e Palmeiras fizeram um duelo memorável nas quartas-de-final. Após vencer por 5 a 0 em Porto Alegre, o Grêmio parecia ter assegurado a classificação. Mas em São Paulo o Palmeiras quase conseguiu reverter a situação: fez 5 a 1. Foi por pouco!

Em 1996, nas oitavas-de-final, o Grêmio eliminou o Botafogo (1 a 1 no Rio, 2 a 0 em Porto Alegre). A seguir, nas quartas-de-final, o Grêmio eliminou o Corinthians: vitória por 3 a 0 em São Paulo, e derrota por 1 a 0 em Porto Alegre

Na vitoriosa campanha de 1998, o Vasco teve que eliminar dois adversários brasileiros: o Cruzeiro (2 a 1 no Rio, 0 a 0 em Minas) e o Grêmio (1 a 1 em Porto Alegre, 1 a 0 no Rio).

Em 1999, após eliminar o Vasco nas oitavas-de-final, o Palmeiras se encontrou com o rival Corinthians nas quartas-de-final. O Palmeiras venceu a ida por 2 a 0, e o Corinthians venceu a volta por 2 a 0. Na definição por pênaltis, Dinei chutou para fora, Marcos defendeu a cobrança de Vampeta, e o Palmeiras venceu por 4 a 2.

No ano seguinte, após eliminar o Atlético Mineiro, o Corinthians teve novamente o Palmeiras no seu caminho, desta vez na semifinal. Após duas partidas eletrizantes (Corinthians 4 x 3, e Palmeiras 3 x 2), a definição foi de novo para a disputa de pênaltis. Marcos novamente foi o herói palmeirense, ao defender a cobrança de Marcelinho.

Em 2001, o Palmeiras eliminou o São Caetano nas oitavas-de-final, e o Cruzeiro nas quartas-de-final, ambos na disputa de pênaltis.

Em 2005, o São Paulo eliminou o rival Palmeiras com duas vitórias (1 a 0, e 2 a 0), e o Atlético Paranaense eliminou o Santos com duas vitórias (3 a 2 em Curitiba, e 2 a 0 em Santos). Os dois clubes se encontrariam na finalíssima: impedido de atuar em seu próprio estádio, o Atlético Paranaense só conseguiu empatar no Beira-Rio (1 a 1). No Morumbi, o São Paulo venceu por 4 a 0 e sagrou-se campeão.

Em 2006, o Internacional sagrou-se campeão na final contra o São Paulo, após vencer no Morumbi por 2 a 1 (com dois gols de Rafael Sobis) e empatar no Beira-Rio em 2 a 2 (gols de Fernandão e Tinga).

Em 2007, Grêmio e Santos duelaram nas semifinais, com triunfo gaúcho no critério do saldo qualificado (vitória por 2 a 0 em Porto Alegre, derrota por 3 a 1 em Santos).

Em 2008, Fluminense e São Paulo protagonizaram o duelo mais emocionante da história da Copa Libertadores. No Morumbi, a vitória foi da equipe paulista, por 1 a 0. Uma semana depois, no Maracanã lotado, o Fluminense venceu por 3 a 1, garantindo a classificação apenas aos 47 minutos do segundo tempo, com aquele santo gol de Washington.

Em 2009, Sport Recife e Palmeiras duelaram nas oitavas-de-final: cada clube venceu uma partida por 1 a 0, e o Palmeiras se classificou na definição por pênaltis. Nas quartas-de-final, o Cruzeiro eliminou o São Paulo com duas vitórias (2 a 1, e 2 a 0). Na semifinal, o Cruzeiro eliminou o Grêmio (3 a 1, e 2 a 2).

Nas oitavas-de-final de 2010, Corinthians e Flamengo fizeram um confronto bastante tenso. No Maracanã, o Flamengo venceu por 1 a 0; no Pacaembu, o Corinthians venceu por 2 a 1. A classificação foi do clube carioca, no critério do saldo qualificado.

Nas quartas-de-final de 2010, Cruzeiro e São Paulo se enfrentaram. Em pleno Mineirão, o São Paulo venceu o primeiro jogo por 2 a 0. No Morumbi, uma nova vitória por 2 a 0 classificou o São Paulo à semifinal, quando o adversário foi o Internacional, numa reedição do duelo de 4 anos antes. No Beira-Rio, o Internacional venceu por 1 a 0. No Morumbi, o São Paulo venceu por 2 a 1. No critério do saldo qualificado, o Internacional classificou-se para a decisão.

Nesta quarta-feira, no Beira-Rio, Internacional e Fluminense começam a escrever o próximo capítulo desta história de duelos tupiniquins.
*Paulo Cezar da Costa Martins Filho é Engenheiro Eletrônico e de Computação

Fonte: http://www.jornalheiros.blogspot.com.br/




25 de abril - dia do Contabilista

terça-feira, 24 de abril de 2012

Olimpíadas

Londres 2012

Brasil estreia contra o Egito e pode pegar Espanha nas quartas
Bielorrússia e Nova Zelândia também estão no Grupo C do torneio masculino das Olimpíadas.

Egito, Bielorrússia e Nova Zelândia. Estes são os primeiros rivais da Seleção Brasileira na busca pela medalha de ouro inédita nas Olimpíadas de Londres. Em sorteio no Estádio de Wembley realizado nesta terça-feira, faltando 94 dias para a abertura dos Jogos, o secretário-geral da Fifa, Jérôme Valcke, definiu os grupos com ajuda do ex-atacante Ronaldo, medalha de bronze em 1996. Nas quartas de final, o time de Mano Menezes poderá ter a Espanha pela frente.

A estreia da Seleção no Grupo C será em 26 de julho, em Cardiff, no País de Gales, contra o Egito. Três dias depois, a equipe canarinho pega a Bielorrússia no estádio Old Trafford, em Manchester. O último desafio da primeira fase será contra a Nova Zelândia, em Newcastle, no dia 1º de agosto (o futebol das Olimpíadas não será só em Londres: haverá ainda partidas em Coventry e até na Escócia, em Glasgow).

Em 08 de junho, o técnico Mano Menezes diminuirá a lista de 52 para 35 nomes. E, finalmente, em 6 julho, a lista final será divulgada. Serão 15 atletas sub-23 e apenas três com idade superior a 23 anos.

A notícia mais recorrente é de que Mano Menezes só permanece no cargo se a seleção conquistar o ouro olímpico. Em caso de insucesso, Luiz Felipe Scolari e Muricy Ramalho são os cotados, mas não será surpresa se um treinador internacional for contratado.

EUA 1 x 0 Inglaterra

O milagre de Belo Horizonte

A Inglaterra chegou à sua primeira Copa do Mundo da FIFA no Brasil 1950 esbanjando otimismo. Muitos apostavam que o futebol do ponta-direita Stanley Matthews levaria os ingleses ao título da primeira edição do torneio depois da Segunda Guerra Mundial. Já os Estados Unidos fizeram uma longa viagem de navio rumo à América do Sul com um grupo de jogadores semiprofissionais, e pouco se esperava deles na competição. O acontecimento do dia 29 de junho de 1950 ainda é considerado uma das maiores surpresas da história e foi proporcionado por um lavador de pratos haitiano, um motorista de funerária e uma boa dose de sorte. Confira no FIFA.com como Davi bateu Golias no milagre de Belo Horizonte.

O resumo
29 de Junho de 1950, Estádio Independência, Belo Horizonte, Brasil
EUA 1 x 0 Inglaterra
Gol: Joe Gaetjens (USA) 38'

EUA: Frank Borghi, Harry Keough, Joe Maca, Walter Bahr, Ed McIlvenny, Charlie Colombo, Frank Wallace, Gino Pariani, Joe Gaetjens, John Souza, Ed Souza. Técnico: William Jeffrey
Inglaterra: Bert Williams, Alf Ramsey, John Aston, Billy Wright, Laurie Hughes, Jimmy Dickinson, Wilf Mannion, Tom Finney, Jimmy Mullen, Stan Mortensen, Roy Bentley. Técnico: Walter Winterbottom

Os adversários
Como criadores do futebol moderno, os ingleses chegaram ao Brasil com vários jogadores conhecidos no mundo todo. A torcida esperava que astros como Matthews, Wilf Mannion e Tom Finney atropelassem os adversários. Tudo parecia estar dentro dos planos para os comandados de Walter Winterbottom, que teriam uma estreia simples diante do Chile e um segundo desafio aparentemente fácil contra os americanos, que chegaram com um bom número de jogadores semiprofissionais nativos do país - diferente de 1930 e 1934, quando a maior parte dos seus atletas eram estrangeiros.

Em um país onde o futebol era uma novidade restrita a universidades e guetos de imigrantes, a maioria dos jogadores praticava o esporte depois do trabalho e nos finais de semana em troca de alguns centavos. Para o jogo diante da Inglaterra, os bancos de aposta pagavam 500 para 1 em favor dos americanos, que haviam perdido o primeiro jogo por 3 a 1 para a Espanha.

A história
Como já era esperado, os americanos foram pressionados desde o apito inicial. Com apenas um minuto e meio de jogo, Roy Bentley alcançou um cruzamento e forçou Frank Borghi — incrível goleiro americano e motorista de carro fúnebre — a mergulhar para fazer a defesa. A pressão sobre o arqueiro não diminuiu, sendo que os ingleses tiveram seis chances de marcar nos primeiros 12 minutos, inclusive com duas bolas na trave. Tudo isso sem o astro Stanley Matthews, poupado pelo treinador graças ao teórico baixo nível de dificuldade da partida. “Eu esperava poder segurar para que marcassem apenas cinco ou seis gols”, lembra-se Borghi sobre aquele dia.

O 37º minuto seria decisivo para os americanos, que até aquele ponto haviam chutado em gol apenas uma vez, resultando em fácil defesa do goleiro Bert Williams. A verdade é que os Estados Unidos não conseguiam manter a posse de bola. Os desarmes em cima da hora, a agilidade de Borghi e os desperdícios do ataque inglês eram as únicas coisas que os mantinham vivos no jogo. Mas a oito minutos do fim da primeira etapa, Walter Bahr — professor primário na Filadélfia — lançou uma bola alta do meio de campo que parecia fora do alcance dos atacantes americanos. Quando Williams se adiantou para defender, Gaetjens se antecipou e conseguiu vencer o então perplexo arqueiro inglês. Inconstante por um lado, mas atlético e ofensivo por outro, Gaetjens estudava contabilidade e lavava pratos em um restaurante do Brooklyn quando foi descoberto pelo técnico americano William Jeffrey às vésperas do torneio no Brasil.

Na volta do intervalo, os 10 mil torcedores que lotavam o Estádio Independência esperavam uma reação da favorita Inglaterra, mas o que viram foi a ascendente confiança americana impulsionada pelo gol de Gaetjens e pelas seguidas defesas de Borghi. Assim, os americanos passaram a crescer no jogo, conquistando a torcida, que por sua vez empurrava o destemido grupo de jogadores semiprofissionais para cima da frustrada Inglaterra. A última chance dos europeus veio a oito minutos do fim, mas Charles Colombo parou o arremate de Mortensen em uma disputa de bola que parecia mais uma jogada de rúgbi do que futebol.

Quando o juiz apitou o fim de jogo, os americanos foram carregados nos ombros em volta do campo pelos torcedores brasileiros, que certamente jamais esqueceriam aquele úmido dia de junho em que os Estados Unidos rugiram mais alto do que os leões ingleses.

O que eles disseram
"Pode-se pressionar e segurar um adversário por algum tempo, mas normalmente não se segura uma seleção que é tão superior à sua por tanto tempo — principalmente por termos marcado um gol tão cedo, relativamente falando. Teríamos saído felizes com uma derrota de 2 a 0. Nem mesmo em sonhos imaginávamos que venceríamos. Apenas pensamos 'vamos dar o nosso melhor e esperar por um bom resultado'."
Harry Keough, zagueiro dos Estados Unidos.

"Muita coisa deu errado. Foi um daqueles jogos em que estávamos destinados a perder. Chutamos na trave várias vezes no primeiro tempo e duas vezes no segundo. Eles marcaram totalmente por acaso e nós baixamos a cabeça. Depois disso, acho que pensamos que não seria o nosso dia e paramos de jogar. Poderíamos ter jogado com eles 100 vezes e vencido tranquilamente 99 delas."
Sir Tom Finney, atacante do Preston North End e da seleção inglesa.

O que aconteceu depois?
Os perplexos ingleses não se recuperaram da inesperada derrota, perdendo a terceira partida por 1 a 0 mesmo com a presença do titular Mathews, e voltaram para casa como fracassados aos olhos da mídia e da torcida. Mas 16 anos mais tarde a Inglaterra daria a volta por cima e ergueria a sua primeira e única taça Jules Rimet, quando disputou a Copa do Mundo da FIFA em casa. Já os americanos não conseguiram repetir o desempenho e perderam para o Chile por 5 a 2. Na volta para casa ninguém foi recebido como herói e os EUA só voltariam a participar do Mundial 40 anos mais tarde.
Fonte: FIFA

Estádio Raimundo Sampaio

Novo Independência

Às vésperas da reinauguração, o Estádio Independência teve a capacidade aumentada para 23 mil lugares. Após vistoria realizada na segunda-feira, 23/04, Polícia Militar e Corpo de Bombeiros autorizaram a elevação da capacidade de público. Anteriormente, a nova arena estava liberada para receber, no máximo, 10 mil pessoas. Agora, a capacidade é de 23.018.

Câmeras de monitoramento para segurança, exigência do Estatuto do Torcedor, para arenas com capacidade superior a 10 mil lugares, foram instaladas nesta segunda-feira. Agora, os laudos técnicos serão enviados para o Ministério Público de Minas Gerais.

Nesta quarta-feira, 25/04, às 21h30, haverá o jogo de abertura do novo Independência entre América-MG, proprietário do estádio, contra o Argentinos Juniors. Porém, mesmo com a liberação da nova arena para receber partidas oficiais, as semifinais do Campeonato Mineiro não deverão ser disputadas em Belo Horizonte.

A Federação Mineira de Futebol confirmou oficialmente o jogo entre Cruzeiro e América-MG, domingo, 29/04, às 16h (Brasília), para a Arena do Jacaré, em Sete Lagoas.

A diretoria do Cruzeiro ainda não entrou em acordo financeiro com a BWA, administradora do novo Independência. Já o Atlético-MG, parceiro da BWA na exploração comercial do estádio, ainda não decidiu qual será o local do confronto diante do Tupi, pela outra semifinal do Mineiro. Mas, a tendência é de que esse jogo também seja realizado em Sete Lagoas, no próximo sábado, dia 28, às 18h30.

Literatura

segunda-feira, 23 de abril de 2012

Taça Minas

por Wagner Augusto*

O Villa Nova já definiu o técnico que vai comandar a equipe na disputa da Taça Minas. O presidente Jairo Gomes acertou a contratação do ex-atacante José Reinaldo de Lima, o Reinaldo, de 55 anos, ídolo do Atlético Mineiro nas décadas de 1970/1980. O novo comandante do Leão do Bonfim será apresentado na quarta-feira, 25/04, às 9h, no Estádio Municipal Castor Cifuentes. Juntamente com o novo treinador, chega o auxiliar técnico Miranda, ex-lateral-direito, campeão brasileiro de 1978 pelo Guarani, e companheiro de Reinaldo nos tempos de Atlético.

Reinaldo, que é graduado em Jornalismo, é o maior artilheiro da história do Galo, com 255 gols em 475 partidas (jogou no time alvinegro de 1973 a 1985). Pela Seleção Brasileira foram 37 jogos disputados e 14 gols marcados, entre 1975 e 1985. Como técnico, Reinaldo trabalhou no Valeriodoce (Itabira-MG), em 1999, no Mamoré (Patos de Minas-MG), em 2001, e no BH Futebol e Cultura, time fundado e presidido por ele.

O gerente de futebol, Wellis Vaccari, confirma a realização de um amistoso no dia 1º de maio, às 10h30, no Alçapão do Bonfim, contra o time B do Cruzeiro. A partida será disputada com os portões abertos e fará parte das comemorações do Dia do Trabalho em Nova Lima.

Dois atletas foram emprestados para o Nacional (Nova Serrana): o meia Henrique e o atacante Uálisson.

Joelson Jaime Laureano

Joe
O radialista Joelson Jaime Laureano, o Joe, de 49 anos, foi encontrado morto, no final da manhã desta segunda-feira, 23/04, na estrada vicinal que liga Juiz de Fora a Chácara, a poucos metros do entroncamento com a BR-267, na altura do km 82, entre o bairro Floresta e a fazenda São Fidélis, região sudeste de Juiz de Fora.

Natural do estado do Rio de Janeiro, Joe era coordenador artístico e apresentador da Rádio Itatiaia FM, de Juiz de Fora.

O corpo será velado ainda hoje na capela 04 no Cemitério Parque da Saudade e o sepultamento deverá ser na cidade de Valença-RJ, local de residência de seus familiares.

No rádio, Joe começou a carreira em Três Rios, se transferindo, posteriormente, para Juiz de Fora para trabalhar na primeira emissora FM da cidade. Em 1988 se transferiu para a segunda rádio FM de Juiz de Fora, e logo depois foi para a Itatiaia.

domingo, 22 de abril de 2012

Tupi e Atlético

Tupi 1 x 1 Atlético
Tupi: Rodrigo; Flávio, Wesley Ladeira, Sílvio e Michel; Jaílton (Michel Cury), George, Leo Salino e Henrique (Assis); Allan (Ulisses) e Ademilson. Técnico: Moacir Júnior.
Atlético: Giovanni; Marcos Rocha, Luiz Eduardo, Lima e Richarlyson; Pierre, Leandro Donizete, Danilinho (Mancini) e Bernard (Neto Berola); Wesley (Escudero) e André. Técnico: Cuca
Público pagante: 10.778
Público pagante: 231
Público presente: 11.009
Renda: R$ 148.760
Arbitragem: Cleisson Veloso Pereira, Márcio Eustáquio Santiago e Celso Luiz da Silva.
Cartões amarelos: Allan, Jailton, Sílvio e Michel (Tupi), Pierre e Richarlyson (Atlético)
Gols: Danilinho, aos 07 min, Michel Cury, de falta, aos 15 min do segundo tempo

Futebol

Tupi e Atlético

Tupi
Dúvidas: Sílvio e Allan
Atlético
Desfalques: Guilherme e Rafael Marques (lesionados) e Réver (suspenso).
Retornos: Os volantes Pierre, livre de suspensão, e Leandro Donizete, recuperado de contusão.
Tupi: Rodrigo; Flávio, Wesley Ladeira, Silvio (Fabrício Soares) e Michel Loures; Jaílton, George, Henrique e Léo Salino; Ademílson e Allan (Evandro Paulista ou Jeferson).Técnico: Moacir Júnior
Atlético: Giovanni; Marcos Rocha, Luiz Eduardo, Lima e Richarlyson; Pierre, Leandro Donizete, Danilinho e Fillipe Soutto (Wesley, Mancini ou Escudero); Bernard e André. Técnico: Cuca
Arbitragem: Cleisson Veloso Pereira, Márcio Eustáquio Santiago e Celso Luiz da Silva.

sábado, 21 de abril de 2012

Literatura

"A Perfeição Não Existe - Paixão do Futebol por um Craque da Crônica"

Um dos maiores jogadores da história, Tostão é também um mestre da crônica esportiva. Sua linguagem é clara, sofisticada e poética, sem concessões aos clichês do discurso sobre futebol.

Passado e presente do esporte convivem em seus comentários preciso sobre craques como Garrincha, Pelé, Maradona, Romário, Ronaldo e Kaká. 'A Perfeição Não Existe', reunião de textos publicados na imprensa, revela um cronista apaixonado, independente e atento às diferentes dimensões do futebol: seu alcance social e sua importância para a cultura de um povo.

Futebol

Módulo dois

Resultados
Mamoré 2 x 0 Ipatinga
Gols: Jonatan Ferreira, aos 14' e 25' do 2T
Público: 1.357 pagantes
Renda: R$17.805,00

Araxá 4 x 2 Tombense
Gols: Tiago Pereira, aos 22' e 27'do 1T e aos 26'do 2T, Vander, aos 38' do 2T (Araxá); Filipe, aos 06'do 1T e Mailson, aos 20'do 2T (Tombense)
Público: 2.003 pagantes
Renda: R$21.630,00

Literatura

"História da Imprensa Paulista - Jornalismo e poder de D. Pedro I a Dilma"

Este livro é a mais abrangente história da imprensa paulista já escrita. Abarca dos primórdios do jornalismo no Estado, em 1823, às transformações ocorridas no início do século XXI, com a expansão da internet.

Descreve e contextualiza a criação e a trajetória dos jornais 'O Estado de S. Paulo', 'Folha de S. Paulo', e ' Última Hora', e das revistas 'Realidade', 'Veja' e 'Isto É', além de uma miríade de iniciativas editoriais.

O interesse da obra não se limita, porém, às fronteiras de São Paulo. Ela é também ambiciosa história das relações entre jornalismo e poder no Brasil, a partir da experiência paulista. Desde o assassinato do jornalista Líbero Badaró, em 1830, a história da imprensa em São Paulo é feita de conturbadas relações com os governos, em nome de liberdade de expressão e dos ideais de modernização do país. Episódios centrais da história - como o Estado Novo, o golpe de 1964 e os governos FHC e Lula - ganharam nova luz com a análise de suas relações com a imprensa, graças à narrativa rigorosa, esclarecedora e cativante de Oscar Pilagallo, autor de "A História do Brasil no século XXI".

Futebol

Tupi 
- Maiores públicos pagantes jogando em Juiz de Fora
01º - 09/02/2003 
- Tupi 1×1 Atlético, gols de Raniery aos 04`do 01º t (Tupi) e Kim aos 17`do 02º t (Atlético).
Público pagante: 18.449
Público não pagante: 2..162
Público presente: 20.611
Renda: R$ 80.872,50
Despesa: 24.800,88
Líquido: 56.071,62
Obs: Müller, ex-seleção brasileira, era a grande estrela carijó.

02º - 19/04/2008 
- Tupi 0×1 Atlético, gol de Renan Oliveira, de letra.
Público pagante: 16.767
Público não pagante: 943
Público presente: 17.710
Renda: R$ 185.875,00
Observações: Renan Oliveira marcou o gol do Atlético, em lance reclamado até hoje pelo Tupi – na origem da jogada, pela direita, houve impedimento não assinalado pela arbitragem

03º - 14/04/2007 
- Tupi 0×0 Cruzeiro
Público pagante: 16.722
Público não pagante: 4.608
Público presente: 21.330
Renda: R$ 147.080,00

04º - 15/04/2012 
- Tupi 0×0 Atlético
Público pagante: 14.942
Público não pagante: 496
Público presente: 15.438
Renda: R$ 176.380,00

05º - 13/11/2011 
- Tupi 1×0 Santa Cruz, gol de Ademilson
Público pagante: 14.183
Público não pagante: 543
Público presente: 14.726
Renda: R$ 131.178,00

06º - 24/03/2004 
- Tupi 2×3 Flamengo
Público pagante: 13.978
Renda: R$ 94.255,00
OBS: o atacante Denilson marcou duas vezes para o Tupi. Depois, foi contratado pelo Vasco. Os laterais Roger (2) e Rafael fizeram os gols do Flamengo

07º - 08/04/2007 
- Tupi 1×0 Rio Branco (Andradas)
Público pagante: 13.605
Público não pagante: 860
Público presente: 14.465
Renda: R$ 70.778,00
OBS: o gol foi marcado por Leandro Guerreiro, no segundo tempo, e o Tupi se classificou para a fase decisiva

08º - 23/11/97 
– Tupi 0 x 1 Francana, gol de Roberto Carlos aos 18` do 2º t,
Público pagante: 10.024 torcedores
Público não pagante: 5.723
Público presente: 15.747
Renda: 49.875,00,
Despesa: 15.032,00
Líquido: 34.843,00

09º - 26/11/97 
- Tupi 0 x 1 Sampaio Corrêa, gol de Marcelo Baron aos 34` do 2º t
Público Pagante: 9.016 torcedores,
Público não pagante: 13.638
Público presente: 22.654
Renda: R$ 44.932,50
Obs: Inauguração da iluminação do Estádio.

10º - 
Tupi 2 x 0 Atlético - Gols de Felipe aos 33 e Geraldo aos 38`do 02º t
Público pagante: 8.439 torcedores,
Público não pagante: 989
Público presente: 9.428
Renda: R$ 53.586,50


sexta-feira, 20 de abril de 2012

Literatura


"Wilson Pereira de Castro - Uma Vida de Estrada"
A vida de Wilson Pereira de Castro, fundador da transportadora Eureka, acaba de se transformar em um livro. Sua história, seus exemplos, sua trajetória pessoal e da empresa que ele criou estão nas páginas da biografia "Wilson Pereira de Castro - Uma Vida de Estrada", escrita pela jornalista e escritora Josiane Duarte.

O livro conta a jornada de um menino pobre, órfão de pai, vendedor de quitanda, ajudante de farmacêutico, sapateiro e, por fim, motorista de caminhão, que se transformou em um dos maiores empresários do ramo de transportes da região. E também a do marido exemplar, grande companheiro de Yvone Pereira de Castro, pai, avô e bisavô.

Em 88 páginas, Josiane Duarte descreve a dura rotina de caminhoneiro, a criação da primeira empresa, os primeiros e difíceis anos da Eureka, os percalços, os obstáculos, a vida em família, os hábitos e os exemplos deixados por um homem simples, que morreu aos 89 anos.

A autora:
Josiane Duarte é jornalista e escritora. Nasceu em Muriaé em 1973 e em 1991 se mudou para o Rio de Janeiro. Formada em Comunicação Social pela UFRJ, começou a carreira no Jornal do Brasil, foi repórter do jornal Extre, repórter e editora assistente da Revista Contigo!, da editora Abril, e atualmente escreve para a revista Seleções Reader´s Digest. Em 2009, estreou na Literatura com o livro infantojuvenil Ana Pijama no País do Pensamento, publicado pela editora Ática. Em 2011, lançou a biografia do prefeito de Muriaé, José Braz. É diretora executiva da editora Memorabília.
Fonte: www.memorabilia.art.br

Juiz de Fora-MG

Mergulhões, pontes e viadutos
Prefeito Custódio Mattos anuncia conjunto de obras viárias
Juiz de Fora vai receber o maior conjunto de obras viárias já realizadas na história do município.

Com investimento de R$ 82 milhões, serão construídos dois mergulhões, três viadutos e quatro pontes que farão a transposição da linha férrea e do Rio Paraibuna, desafogando o trânsito em geral e favorecendo o transporte coletivo urbano. O anúncio foi feito na tarde desta quinta-feira, 19, pelo prefeito Custódio Mattos, durante entrevista coletiva à imprensa. Para execução destas importantes intervenções, explicou Custódio Mattos, foi firmado convênio com Ministério do Transportes, por meio do Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (Dnit).

O aviso de licitação já foi publicado no Diário Oficial do Município e a concorrência está marcada para o dia 23 de maio. A previsão é que em dois meses as obras sejam iniciadas pela região da Praça dos Poderes (Terreirão de Samba) com a construção de um mergulhão e uma ponte, além dos acessos. Também serão construídos mergulhão na Rua Benjamin Constant; viaduto e ponte na região do Clube Tupynambás; ponte na altura da Rua Antônio Lagrota; viaduto na Rua Mariano Procópio; ponte e viaduto no Barbosa Lage; e alça do Viaduto Augusto Franco.

Durante o encontro com os jornalistas, Custódio Mattos destacou o caminho de muito trabalho percorrido até então para que a população de Juiz de Fora pudesse ser contemplada com estes investimentos que colocam a cidade no rumo da modernidade. Segundo o prefeito, as obras viárias foram um de seus compromissos assumidos, apoiado de imediato pelo então governador Aécio Neves. “Logo que assumimos a Prefeitura fizemos um convênio de R$ 60 milhões com o Estado. Com aprofundamento técnico, vislumbramos a possibilidade de buscar os recursos no âmbito federal para estas obras específicas de transposição ferroviária. Tivemos o apoio da MRS Logística, responsável por executar os projetos, e tomamos a decisão de buscar os recursos junto ao Dnit. Com isto, otimizamos os recursos do Estado para aplicar em outras importantes obras que estão curso na cidade”, explicou o prefeito, acrescentando que as obras terão uma contrapartida de R$ 16 milhões do município.

Com mais este conjunto de importantes obras, disse o prefeito durante a coletiva acompanhado por representantes da MRS, vereadores e secretários, Juiz de Fora tem hoje, em três importantes áreas, o maior volume de investimentos já realizados na história do município. “Na área de saneamento, estamos investindo R$ 110 milhões nas obras de tratamento de esgoto; na saúde estamos construindo o Hospital Regional, que significará um investimento em torno de R$ 120 milhões; e, finalmente, as intervenções viárias. Tenho, com isto, a absoluta certeza de que retomamos o dinamismo e a crença de que Juiz de Fora é uma grande cidade”, frisou o prefeito.

Ainda segundo Custódio Mattos, a decisão de buscar os recursos no âmbito federal permitiu, inclusive, ampliar o conjunto de intervenções propostas anteriormente, como a construção de mais um viaduto e uma ponte, estes no Bairro Barbosa Lage. Com todas estas obras, explicou o prefeito, a Avenida Brasil poderá operar de fato em um sistema binário, com cada um dos lados da avenida funcionando em um sentido. Desta forma a cidade, hoje dividida pelo rio e pela linha férrea, será completamente interligada, ampliando a eficiência de operação do transporte coletivo urbano, sem as retenções hoje ocasionadas pela linha férrea e também pelo número insuficiente de pontes. “Por conta do transporte ferroviário, as passagens de nível ficam fechadas, em média, duas horas por dia, o que compromete a eficácia da operação do transporte coletivo. Hoje 33% dos ônibus passam pelas passagens de nível”, informou o prefeito.

Conforme o cronograma, que terá duração de 720 dias, as obras terão a seguinte sequência: ponte e mergulhão do Terreirão do Samba; mergulhão da Rua Benjamin Constant; viaduto e ponte do Tupynambás; ponte da Rua Antônio Lagrota; viaduto e ponte do Bairro Barbosa Lage; e viaduto do Mariano Procópio. O prefeito ressaltou que algumas obras serão feitas simultaneamente, como a ponte e o mergulhão do Terreirão, podendo inclusive ocorrer alterações na ordem de execução conforme a própria dinâmica das intervenções.
Fonte: http://www.pjf.mg.gov.br/

Literatura

Taça Libertadores

Flu e Inter

Se a campanha atual já não coloca o Inter como favorito contra o Fluminense, o histórico mostra que o time gaúcho é freguês dos cariocas. O retrospecto recente entre os brasileiros rivais na fase de oitavas de final da Libertadores 2012 é amplamente favorável ao clube das Laranjeiras.

Nos últimos 20 encontros (desde 2001), o Inter só venceu cinco jogos. O Fluminense ganhou 10, somando ainda outros cinco empates

Os encontros foram todos pelo Brasileirão. Se os jogos entre Inter e Fluminense valessem como confrontos de mata-mata, o Flu teria passado de fase em sete das nove vezes. Apenas nos Brasileirões de 2006 (duas vitórias) e 2009 (uma vitória e um empate) os gaúchos se deram bem.

Confrontos:
Brasileirão 2011:
Fluminense 2 x 0 Inter
Inter 1 x 2 Fluminense
Brasileirão 2010:
Fluminense 3 x 0 Inter
Inter 0 x 0 Fluminense
Brasileirão 2009:
Inter 4 x 2 Fluminense
Fluminense 2 x 2 Inter
Brasileirão 2008:
Fluminense 1 x 2 Inter
Inter 0 x 2 Fluminense
Brasileirão 2007:
Fluminense 3 x 0 Inter
Inter 1 x 4 Fluminense
Brasileirão 2006:
Fluminense 2 x 3 Inter
Inter 2 x 0 Fluminense
Brasileirão 2005:
Fluminense 3 x 0 Inter
Inter 2 x 2 Fluminense
Brasileirão 2004:
Inter 0 x 0 Fluminense
Fluminense 3 x 1 Inter
Brasileirão 2003:
Fluminense 3 x 1 Inter
Inter 0 x 1 Fluminense
Brasileirão 2002:
Inter 2 x 2 Fluminense
Brasileirão 2001:
Fluminense 0 x 1 Inter
Fonte: http://www.ig.com.br/

Literatura

“Machado Sobrinho: Notícias da Imprensa sobre a Academia Mineira de Letras"
Em comemoração ao centenário de fundação da Academia Mineira de Letras, comemorado em 2009, foi lançado o livro patrocinado pelo Fundo Estadual de Cultura (FEC) da Secretaria de Cultura de Minas Gerais (SEC), financiado pelo Banco de Desenvolvimeno de Minas Gerais (BDMG), “Machado Sobrinho: Notícias da Imprensa sobre a Academia Mineira de Letras".

O livro de caráter documental contém recortes de jornais da época, coletados e anotados pelo Secretário Geral da Academia Mineira de Letras, o educador e poeta Machado Sobrinho. A obra tem o prefácio de Murilo Badaró (1931-2010), ex-presidente da Academia, apresentação de Kleber Halfeld, presidente da Academia Juiz-Forana de Letras e texto crítico, biobibliográfico, elaborado pelas organizadoras, pesquisadoras da História Literária de Juiz de Fora, Leila Barbosa e Marisa Timponi.

A Academia Mineira de Letras foi criada em 25 de dezembro de 1909 na cidade de Juiz de Fora e ali permaneceu até 1915, quando foi transferida para Belo Horizonte.

O documento original foi conservado pelo filho de Machado Sobrinho, Luiz Gonzaga Machado Sobrinho e posteriormente por sua neta, Heloísa Machado Sobrinho e, hoje, está na posse de seu outro neto, José Carlos de Castro Barbosa, marido da pesquisadora Leila Barbosa.

Aproveitando a data comemorativa e continuando um trabalho de resgate e registro dos grandes acontecimentos artístico-culturais de Juiz de Fora, as pesquisadoras Leila Barbosa e Marisa Timponi, por meio da Academia Juiz-Forana de Letras, como já o fizeram com o livro lançado, em 2006, comemorando o centenário do monumento do Cristo Redentor, publicam Machado Sobrinho: notícias da imprensa sobre a Academia Mineira de Letras, editado pela Funalfa.

Futebol

Taça Libertadores

Nesta sexta-feira, 20/04, a Conmebol deve anunciar as datas e os horários das oitavas de final. A expectativa é que já na próxima semana aconteçam os primeiros duelos pela fase de mata-mata da disputa continental

Confrontos
Fluminense x Internacional
Corinthians x Emelec
Santos x Bolivar
Universidad de Chile x Deportivo Quito
Libertad x Cruz Azul
Vélez Sarsfield x Nacional de Medelín
Lanús x Vasco da Gama
Unión Española x Boca Juniors.

Copa do Brasil
A Confederação Brasileira de Futebol (CBF) definiu no início da tarde desta quinta-feira, através de sorteio, as datas e horários das oitavas de final da Copa do Brasil.
Paraná x Palmeiras
Atlético Paranaense x Cruzeiro
Coritiba x Paysandu
Fortaleza x Grêmio
Portuguesa x Bahia
Ponte Preta x São Paulo
Goiás x Atlético Mineiro
Vitória x Botafogo.

Literatura

"Itamar e o bando de sonhadores"
Escrita pelo sociólogo, jornalista e historiador Ismair Zaghetto, a obra percorre fatos históricos, bastidores e pessoas que fizeram parte da primeira passagem do ex-presidente Itamar Franco pela Prefeitura de Juiz de Fora, tornando públicas ocorrências ainda não conhecidas.

A experiência do autor como assessor de imprensa de Itamar Franco na época faz com que sua obra registre situações pioneiras na cidade, desde as primeiras pesquisas eleitorais no município até ações administrativas marcantes, como a a construção da Avenida Independência (atual Presidente Itamar Franco), Avenida Brasil e prolongamento da Rua Santo Antonio.

O livro, de 250 páginas, distribuídas em 26 capítulos e com 80 fotos, tem prefácio da professora Lucy Brandão Hingel e apresentação do professor Joaquim Falci Castellões.

Ismair Zaghetto também é autor da biografia "Machado Sobrinho, guerreiro da utopia", e do livro "Rapsódia natalina", lançados em 2009. Escreveu também o livro de contos "Chá com Procópio Ferreira", contemplado pela lei Murilo Mendes, em 2011.

quinta-feira, 19 de abril de 2012

Futebol mineiro

A Federação Mineira de Futebol divulgou nesta quinta-feira, 19/04, os trios de arbitragem para os dois jogos de ida das semifinais do Campeonato Mineiro.

Cleisson Veloso Pereira foi o árbitro sorteado para trabalhar no jogo de domingo, às 16h, no estádio Mário Helênio, em Juiz de Fora, entre Tupi e Atlético. Ele será auxiliado por Márcio Eustáquio Santiago e Celso Luiz da Silva.

Já o jogo de domingo, às 18h30, entre América e Cruzeiro, na Arena do Jacaré, em Sete Lagoas, terá arbitragem do gaúcho Leandro Pedro Vuaden, do quadro da Fifa. Ele será assistido por Altemir Hausmann (RS) e Dilbert Pedrosa Moisés (RJ).

Um acordo entre América e Cruzeiro exigia a presença de árbitro de outro estado.

Por terem feito melhor campanha na primeira fase do Mineiro, Atlético e Cruzeiro têm a vantagem de jogar por dois empates ou vitória e derrota pela mesma diferença de gols.

Literatura

“PIONEIROS - Deus criou a bola. E o homem descobriu o que fazer com ela"
O jornalista e escritor Orlando Duarte registra, em 165 páginas, a história do futebol através do tempo; a chegada de Charles Miller e a introdução do futebol no Brasil; a fundação dos principais clubes em São Paulo e a criação da Liga Paulista de Futebol; detalhes do primeiro campeonato paulista em 1919; a formação dos tradicionais times do Rio e São Paulo; os clubes mais antigos do Brasil ainda em atividade; os primeiros confrontos entre S.Paulo e Rio; e a história de fundação dos principais times de cada estado brasileiro.

A história do futebol começa em 2.600 a.C. na China, no vale do Rio Amarelo, onde artesãos e agricultores disputavam um jogo com bola de crina de cavalo, com oito pessoas de cada lado, bem parecido com o futevôlei, que levava o nome de Tsu-Chu. A peleja é ilustrada no livro “Pioneiros” por uma pintura em seda do acerco da Bridgeman Art Library.

O livro segue com o futebol jogado na Grécia no século 3 a.C., passa pela América pré-colombiana, que em 1400 a.C. já usava bola de borracha; como o Império Romano disseminou o esporte a partir do século 2 a.C. com a expansão de seus domínios pela Europa e Ásia; chega a Idade Média, na Florença renascentista, que moldou as regras do esporte, que chamava Calcio; até a definição da denominação “football” pelos ingleses no século 18.

A história registra que foi na Taverna Freemason, em Great Queen Street, em Londres, dia 26 de outubro de 1863, que 11 clubes e escolas criam o conjunto universal de regras do futebol. A partir dos marcos históricos do futebol, “Pioneiros” acompanha a formação do futebol no Brasil com Charles Miller em São Paulo e Oscar Cox no Rio de Janeiro, além da fundação dos primeiros clubes do país.

quarta-feira, 18 de abril de 2012

Tupi e Atlético

Ingressos

Começou, no final da manhã de quarta-feira, 18/04, a venda antecipada dos ingressos para a partida Tupi x Atlético – semifinais do Campeonato Mineiro, domingo, 22/04. às 16h, no estádio Mário Helênio. Os bilhetes custam R$ 20,00 (inteira) e R$ 10,00 (meia – para estudantes com a devida carteirinha, maiores de 60 anos e menores de até 12 anos) e podem ser adquiridos no campo do Tupi (em Santa Terezinha), na sede social do clube (Rua Calil Ahouagi, 332, Centro), no calçadão da rua Halfeld e em dez lojas da rede de supermercados Bahamas, nos seguintes endereços:
- Benfica (Rua Martins Barbosa, 738),
- Bom Pastor (Avenida Rio Branco, 3760),
- Centro (Rua Marechal Floriano Peixoto, 270 – esquina com Avenida Getúlio Vargas),
- Centro (Avenida Brasil, 90),
- Fábrica (Rua Bernardo Mascarenhas, 1072),
- Jóquei Clube (Rua Antonio Weitzel, 669),
- Manoel Honório (Avenida Rio Branco, 700),
- Santa Luzia (Rua Ibitiguaia, 551),
- São Mateus (Avenida Presidente Itamar Franco, 2115)
- São Pedro (Rua José Lourenço, 710).
Obs: No dia do jogo, nas bilheterias do estádio Mário Helênio, os preços serão R$ 30,0 e R$ 15,00.

Literatura

"Machado Sobrinho: o guerreiro da utopia"


Em 397 páginas o sociólogo, jornalista e escritor Ismair Zaghetto conta a saga de um dos maiores educadores do brasil, o professor Antônio Vieira de Araújo Machado Sobrinho.

segunda-feira, 16 de abril de 2012

Futebol Mineiro

Módulo Um
O Departamento de futebol da Federação Mineira divulgou na tarde desta segunda-feira, 16/05, as datas dos jogos das semifinais do Campeonato Mineiro.

JOGOS DE IDA
22/04 - Domingo
– Tupi x Atlético, em Juiz de Fora, às 16h
– América x Cruzeiro, em Sete Lagoas, às 18h30

JOGOS DE VOLTA
28/04 - Sábado
– Atlético x Tupi – Em Belo Horizonte, às 18h30
29/04 - Domingo
– Cruzeiro x América, em Belo Horizonte, às 16h
Obs: O estádio Independência será reinaugurado no dia 25/04, com o amistoso Mérica-MG e Argentino Juniores, obtendo com isso, condições para a realização dos jogos do campeonato mineiro.

Módulo Dois
Tabela

Literatura

“Manhuaçu, meu grande amor”

A obra literária “Manhuaçu, meu grande amor” de autoria do Coronel manhuaçuense Ellos Pires de Carvalho traz os relatos dos principais acontecimentos de sua terra natal e, como sugere o título, retrata o imenso amor do autor pelo município.


O Cel Ellos descreve através de poemas, canções e acrósticos momentos históricos importantes vivenciados em Manhuaçu e memórias pessoais, relembrando pessoas de alta estima de seu convívio.

Dos feitos de Cel. Serafim Tibúrcio da Costa, com a República de Manhuassu, a fatos mais recentes como a implantação do Corpo de Bombeiros da Polícia Militar, o livro proporciona uma enriquecedora viagem da imaginação rumo ao conhecimento da história local.

Capítulos do livro também são dedicados para homenagens especiais, como às mães e às mulheres de Manhuaçu, além de personalidades nos cenários cultural, militar e político, como ex-prefeitos, ex-presidentes da Câmara, ex-comandantes do 11º BPM e artistas. Entre os homenageados, o Fundador do Hospital César Leite, Dr. João César Leite; Hiram de Carvalho, Mestre Antônio Zappalá, Sylas Agripino Heringer, Wagner Orlandi, Hervê Cordovil e o Sacerdote e Presidente da Fundação Expansão Cultural, Padre Júlio Pessoa Franco.

domingo, 15 de abril de 2012

Tupi e Atlético

Tupi 0 x 0 Atlético
Tupi e Atlético não saíram do zero neste domingo, em partida realizada em Juiz de Fora, pela última rodada da primeira fase do Campeonato Mineiro. Com o empate o Tupi conquistou o título de campeão mineiro dop interior e garantiu vaga entre os quatro times que avançam à semifinal. Já o Atlético confirmou a liderança, com 29 pontos e a melhor campanha da primeira fase.

TUPI: Rodrigo; Flávio, Wesley Ladeira, Sílvio (William, 41 min 2ºT) e Fabrício Soares (Assis, 18 min 2ºT); Jaílton (Ulisses, 37 min 2ºT), George, Henrique e Léo Salino; Allan e Ademílson. Técnico: Moacir Júnior
ATLÉTICO: Giovanni; Carlos César, Luiz Eduardo, Rafael Marques (Lima, intervalo) e Richarlyson; Réver, Fillipe Soutto, Danilinho (Mancini, 25 min 2ºT), Bernard e Escudero (Neto Berola, intervalo); André. Técnico: Cuca

Campanha do Tupi no título do interior:
0 x 1 – Caldense, em Poços de Caldas
0 x 1 – Nacional, em Juiz de Fora
0 x 3 – Cruzeiro, em Sete Lagoas
2 x 1 – Uberaba, em Juiz de Fora, gols de Wesley Ladeira e Henrique
3 x 0 – Boa Esporte, em Juiz de Fora, gols de Ademilson/2 e Silvio
3 x 1 – América-TO, em Teófilo Otoni, gols de Henrique/2 e Ademilson
0 x 0 – Villa Nova, em Juiz de Fora
3 x 1 – Guarani, em Juiz de Fora, gols de Ademilson, Michel Cury e Allan
2 x 1 – América-BH, em Sete Lagoas, gols de Wesley Ladeira e Ademilson
1 x 2 - Democrata-GV, em Governador Valadares, gol de Henrique
0 x 0 - Atlético, em Juiz de Fora,

Rebaixamento
O Democrata-GV é o segundo rebaixado ao Módulo II do Campeonato Mineiro. O time de Governador Valadares se juntou ao Uberaba na degola, com a derrota para o América-TO por 2 a 0, neste domingo, no Estádio Nassri Mattar, em Teófilo Otoni. Os gols foram de Luciano Mourão e Wesley (contra).

O resultado deixou o Democrata-GV com a segunda pior campanha, com sete pontos, um a mais que o Uberaba, que levou a virada do Cruzeiro por 3 a 2, em Nova Serrana, e terminou em último lugar. Já o América-TO se livrou da queda ao Módulo II com a vitória em casa e fechou a participação em nono lugar, com 11 pontos.

Literatura

“Santa Bola”

Você sabia que o time Democrata (MG) esnobou Mané Garrincha, em 1973, perdendo a oportunidade de ter o craque atuando em um jogo com a camisa do clube? E que o treinador Osvaldo Brandão, da seleção brasileira de 1975, deu um porre de uísque no goleiro Raul, em plena concentração da Copa América, para forçá-lo a não ter condições de jogar e ceder a vaga para Valdir Peres? Ou, ainda, que Pelé fez corpo mole num amistoso do Santos na Inglaterra, simplesmente porque não lhe trouxeram uma loira que lhe havia sido “prometida”. Perdendo por 3 a 0 do Manchester United, trataram de levar a tal mulher no intervalo da partida; daí, com Pelé reanimado, o Santos virou, com 4 gols do rei.

Essas e mais dezenas de histórias do mundo do futebol estão narradas no livro "Santa Bola", de Rui Guimarães - ex-treinador de grandes clubes como Cruzeiro, Atlético Mineiro, Fortaleza, Avaí, Criciúma, Universidade Católica de Quito (Equador), Al Nasser (Arábia Saudita) entre outros.

Com mais de 30 anos dedicados ao futebol e passagens por doze estados brasileiros e quatro países, Rui explica que seus amigos sempre pediram para que ele escrevesse sobre os bastidores do mundo da bola. “São ‘causos’ reais, que presenciei ou que estive ligado indiretamente. Há referências a gafes, curiosidades, momentos agradáveis e diversas situações que deverão agradar muita gente ligada ao futebol”, apontou o autor.

Com 212 páginas dedicadas aos boleiros, a livro "Santa Bola" foi viabilizado pelo Fundesporte, ligado ao Governo de Santa Catarina.

Tupi e Atlético

Precisando de apenas um empate para garantir a primeira colocação no Campeonato Mineiro sem depender de outros resultados, o Atlético enfrenta o Tupi, neste domingo, às 16h, em Juiz de Fora. Em situação parecida com a do Galo, a equipe de Juiz de Fora também precisa somar pelo menos um ponto para garantir a vaga entre os quatro times que avançam à semifinal do Estadual.

Tupi: Rodrigo; Silvio, Wesley Ladeira, Fabrício Soares e Henrique; Léo Salino, Jaílton, Ulisses e Michel Cury (Paulinho); Ademílson e Allan. Técnico: Moacir Júnior
Atlético: Giovanni; Carlos César, Luiz Eduardo, Rafael Marques e Richarlyson; Réver (Triguinho), Fillipe Soutto, Danilinho e Bernard; André e Guilherme. Técnico: Cuca
Arbitragem: Cleisson Veloso Pereira, Guilherme Dias Camilo e Celso Luiz da Silva.

TRASMISSÃO:
A RÁDIO CULTURA (www.radioculturasd.com.br) transmite Tupi (Juiz de Fora-MG) e Atlético (Belo Horizonte-MG), Narração: Edson Palma, Comentários: João Begati, Entrevistas: Carlos Ferreira, Plantão: Evandro Begati e Mesa de Áudio: Guilherme Galdino.





Adana Kambeba

Atriz do filme Xingu estuda medicina na UFMG, mas continua presa à cultura de seu povo
Uma das principais presenças indígenas no filme Xingu, Adana Kambeba é defensora da cultura indíg

É com uma mochila de rodinhas carregada de garrafas de água, frutas, livros e computador que todo dia a caloura de medicina Danielle Soprano Pereira comparece às aulas. Mas há algo nela que a diferencia dos demais alunos que frequentam o tradicional curso da Universidade Federal de Minas Gerais. Atriz, atualmente em cartaz com Xingu, filme do diretor Cao Hamburger, ela é indígena do povo Kambeba, da Amazônia.

Danielle é nome em português de Adana Kambeba, que sempre faz questão de assinar a lista de chamada com a identidade original. Quem a vê circular pelos corredores da faculdade logo percebe se tratar de uma figura que vive entre dois mundos distintos. A mistura do jeans, a camiseta preta com largos brincos de pena, colares e desenhos no corpo reforçam a presença multicultural.

Antes de Xingu, a única experiência de Adana Kambeba na seara da interpretação foi na minissérie O auto do boi-bumbá, dirigida por Cleber Sanches e veiculada somente em TV local de Manaus. Apesar de ter frequentado curtos de artes cênicas, nunca o fez pensando que um dia pudesse se tornar atriz. Muito menos uma atriz médica.

Preparação
Xingu foi rodado nos estados de Tocantins e Mato Grosso e Adana Kambeba interpretou Kaiulu, a companheira de poucas palavras e muita força de Cláudio Villas Bôas.

Kambeba
Eram conhecidos somente por omágua, que quer dizer ‘povo das águas’. Posteriormente, passaram a ser conhecidos como kambeba devido ao hábito dos antepassados, que habitavam a região do estado do Amazonas, de comprimirem a cabeça das crianças com tala de junco e algodão para que as mesmas, ao crescer, tivessem seus crânios chatos. Adana. Kambeba vem do tupi: akanga é cabeça; e pewa é chata. O povo foi forçado a se espalhar para garantir a sobrevivência. Hoje, os kambebas podem ser encontrados, na Amazônia peruana e na Amazônia brasileira, em localidades como, Manacapuru, Novo Airão e Manaus, terra natal de Adana. De acordo com informações da Funai, há presença dos kambeba no Ceará.

Viva a diferença
Aluna do primeiro período de medicina, Adana ingressou na faculdade em março, por meio do programa de ações afirmativas oferecido pela Comissão de Acesso e Permanência Indígena. Ela conta com boa acolhida de todos. Durante a aula de ciências sociais aplicadas à saúde, na quinta-feira, Adana se manteve atenta à fala do professor Itamar Sardinha. Como o tema era o dilema que as experimentações médicas envolvem, as diferenças culturais e éticas foram discutidas em classe. Os exemplos dos povos indígenas, como os infanticídios cometidos no passado, enriqueceram a troca de experiência entre alunos e professor.
Fonte: www.uai.com.br

sábado, 14 de abril de 2012

Niterói-RJ

Caio Martins
O Complexo Esportivo Caio Martins, localizado no bairro de Icaraí, em Niterói-RJ, será administrado pela Universidade Federal Fluminense (UFF). De acordo com o reitor da universidade, Roberto Salles, o espaço será referência em esportes em Niterói e no Brasil. Ele explicou que recebeu um e-mail do governador Sérgio Cabral informando que a universidade será responsável pelo estádio.

Roberto Salles disse ainda que apresentará um projeto para o estádio que incluirá captação de recursos do Ministério dos Esportes para que o local se transforme em um grande complexo esportivo, e serviços à comunidade.

Sobre os gastos com a reforma do estádio, o reitor informou que a verba destinada à obra virá exclusivamente do Governo Federal, mas não soube precisar o valor, nem quando as obras ficarão prontas.

História
O Caio Martins foi inaugurado em 20 de julho de 1941. O espaço foi construído porque o então governador Ernani do Amaral Peixoto queria realizar alguns jogos do Campeonato Carioca em Niterói. A construção foi em Icaraí para facilitar a ida da população ao local. A primeira partida foi marcada pela vitória do Vasco que venceu o Canto do Rio FC por 3 a 1.
Fonte: www.ofluminense.com.br/
Colaboração: Alexandre Magno

CONSIDERAÇÕES:
Tentaram mudar o nome do estádio para "Mestre Ziza" numa homenagem ao ex-jogador Zizinho (Tomás Soares da Silva, que nasceu em São Gonçalo-RJ em 14 de setembro de 1921 e morreu em Niterói-RJ, em 08 de fevereiro de 2002), deixando o nome Caio Martins para o Complexo, o que, definitivamente, não pegou.

O centenário de Ignácio Halfeld

por Vanderlei Tomaz*

O próximo mês de maio nos reserva uma data histórica: se estivesse vivo, o inesquecível vereador Ignácio Halfeld estaria completando 100 anos de idade. Ignácio Halfeld nasceu em Palmira, atual cidade de Santos Dumont (MG) em 26 de maio de 1912. Filho de José Araújo e Júlia Halfeld. De infância humilde, aos 11 anos de idade trabalhou como ajudante de cocheiro no Rio de Janeiro. Em 1933, habilitou-se como motorista. Transferiu-se para Juiz de Fora em 1935, quando da prestação do serviço militar, tendo servido no antigo 4º Grupo de Artilharia de Dorso, atual 4º GAC. Concluído o serviço militar, trabalhou como motorista na antiga Fábrica de Estojos e Espoletas de Artilharia do Exército - FEEA/FJF (atual IMBEL), em Benfica, onde residiu até sua morte, em 17 de setembro de 1984.

Além de trabalhar na FEEA/FJF, Ignácio também era comerciante, tendo sido proprietário do antigo Café e Bar Santo Antônio, situado na esquina da Rua Martins Barbosa com a Avenida JK (onde hoje se encontra o Banco Santander). Casou-se com Carmem Garcia Halfeld, em 8 de dezembro de 1938. Carmem era filha de João Carlos Garcia e neta do Coronel Jeremias Garcia (vereador na primeira década do século passado) e de Inês Garcia.

Lançado na política por intermédio de José Oceano Soares, presidente do Partido Trabalhista Nacional - PTN, foi candidato a vereador em 1954 pela primeira vez, sendo eleito com 594 votos, e reeleito em 1958, pelo PTN, com 1.458 votos. Em 1962, pelo Partido Democrata Cristão - PDC, alcançou 1.977 votos, sendo o vereador mais votado da cidade. Em 1966, candidato pela Aliança Renovadora Nacional - Arena, foi reeleito com 1.916 votos. Na eleição de 1970, de novo pela Arena, nova vitória, com 1.826 votos. Em 1972, pela Arena, outra vitória, com 2.581 votos. Ainda na Arena, foi reeleito em 1976, com 2.969 votos. Sua última vitória aconteceu em 1982, pelo Partido Democrático Social - PDS, com 1.815 votos.

Ignácio Halfeld nunca perdeu uma eleição. Foram quase 30 anos de exercício do mandato de vereador. Na Câmara Municipal de Juiz de Fora, além de presença permanente nas principais comissões técnicas da casa, Ignácio exerceu cargos na mesa diretora, chegando à presidência do legislativo em 1968, ano em que era prefeito o ex-presidente Itamar Franco. Nunca disputou uma eleição para deputado - embora tenha sido convidado - e nem para prefeito de Juiz de Fora.

Com uma atuação de marcante preocupação com as pessoas mais humildes, Ignácio destacou-se por seu constante discurso e ações em defesa da comunidade que o elegeu. Durante mais de 40 anos, sempre no mês de junho, nas comemorações do dia de seu padroeiro, Santo Antônio, ao lado de Dona Carmem, Ignácio distribuía agasalhos e cobertores, em sua residência, para moradores pobres da região.

Tive o prazer de conversar com Ignácio em várias oportunidades. Por volta de 1981 (eu tinha 17 anos de idade), visitei-o diversas vezes em seu gabinete na Câmara Municipal. Chamava-me a atenção sua presença na tribuna daquela casa. Ele não se impunha apenas pela voz firme, mas pelo respeito que tinha por parte de seus colegas que enxergavam nele um político a ser imitado.
*Vanderlei Tomaz é historiador

Fonte: http://www.benficanet.com/

Futebol mineiro

Módulo Dois

Na disputa do clássico de Patos de Minas por uma vaga no quadrangular final do Módulo II do Campeonato Mineiro, o Mamoré venceu a URT por 2 a 1, neste sábado, no Estádio Bernardo Rubinger de Queiroz e quebrou um jejum de oito anos sem vencer o adversário.

Os gols da partida foram marcados por Jonathan e Ricardo, para o Mamoré, e por Paulinho Belém para a UTR. O resultado garantiu a primeira posição do Mamoré na tabela já que o Araxá, segundo colocado, perdeu para o Uberlândia por 1 a 0, com gol do zagueiro Henrique, no Parque do Sabiá.

No outro jogo do grupo A, a Patrocinense venceu o rebaixado Funorte por 2 a 1. Thiago Emílio e Rodrigo marcaram para o time de Patrocínio. Já o atacante Dandão diminuiu para o Funorte.

Grupo A
01) Mamoré, 20 pontos
02) Araxá, 17 pontos
03) Uberlândia, 16 pontos
04) URT, 14 pontos
05) Patrocinense, 13 pontos
06) Funorte, 02 pontos

As atenções no Grupo B do Módulo II do Campeonato Mineiro se voltaram para as últimas colocações da tabela, já que Tombense e Ipatinga se classificaram antecipadamente para o quadrangular final.

Na luta para escapar do rebaixamento para a terceira divisão, Formiga e Tricordiano entraram em campo contra o Social e Poços de Caldas, respectivamente. O Tricordiano que conseguiu se livrar da degola ao vencer, de virada, o Poços De Caldas, por 2 a 1.

Já o Formiga, mesmo jogando diante de sua torcida, empatou em 3 a 3 com o Social. O Tombense vence, em casa, o Ipatinga por 3 a 0 com dois gols de Tiago Azulão e um de Felipe.

Grupo B
01) Tombense, 21 pontos
02) Ipatinga, 20 pontos
03) Poços de Caldas, 12 pontos
04) Social, 10 pontos
05) Tricordiano, 09 pontos
06) Formiga, 07 pontos
Fonte: http://www.uai.com.br/

Futebol

América-MG

A reabertura do Estádio Independência será no próximo dia 25, às 21h30, com o amistoso internacional entre o América e o Argentinos Juniors e o América vai homenagear os ex-atletas Jair Bala e Euller.

Atético-MG
Desfalcado de Leandro Donizete, Serginho e Dudu Cearense, lesionados, além de Pierre e Marcos Rocha, suspensos, o técnico Cuca relacionou os seguintes jogadores para o jogo de Juiz de Fora, contra o Tupi:
Goleiros: Giovanni e Lee
Laterais: Eron, Carlos César e Triguinho
Zagueiros: Réver, Luiz Eduardo, Rafael Marques e Lima
Volantes: Richarlyson e Fillipe Soutto
Meias: Escudero, Danilinho, Bernard e Mancini
Atacantes: André, Neto Berola, Wesley, Guilherme e Paulo Henrique.

TRANSMISSÃO
A RÁDIO CULTURA (www.radioculturasd.com.br) transmite Tupi (Juiz de Fora-MG) e Atlético (Belo Horizonte-MG), Narração: Edson Palma, Comentários: João Begati, Entrevistas: Carlos Ferreira, Plantão: Evandro Begati e Mesa de Áudio: Guilherme Galdino.