quarta-feira, 29 de fevereiro de 2012

Atlético e Tupi

Vespasiano/MG - No duelo entre os Galos, o de Juiz de Fora e o de Belo Horizonte, deu empate. Tupi e reservas do Atlético não saíram do zero, em jogo treino disputado na tarde desta terça-feira (28/fevereiro), na Cidade do Galo, em Vespasiano (MG). O 0 x 0 refletiu o que foi o amistoso: bastante equilíbrio, com chances iguais de lado a lado, e muito calor. Os Carijós chegaram a balançar as redes, com Evandro Paulista, aos 32 minutos do segundo tempo, mas o jogador estava impedido.

No jogo-treino, o técnico do Tupi, Moacir Júnior, utilizou 22 dos jogadores do elenco do Galo juiz-forano: Victor Hugo, Flávio (Michel Benhami), Wesley Ladeira (William), Silvio (Fabrício Soares) e Henrique (Weverton); Jailton (Paulinho), George (Magno), Leo Salino (Rodrigo Maranhão, depois Renan) e Michel Cury (Bruno); Ademilson (Evandro Paulista) e Allan (Cassiano).

O Atlético, do técnico Cuca, atuou com Giovanni (Lee), Lima, Werley, Luiz Eduardo e Triguinho; Dudu Cearense (Paulo Henrique), Felipe Souto, Serginho e Nicão (Eron); Wesley e Guilherme

O confronto serviu como prévia da partida entre ambos pelo Campeonato Mineiro, marcada para a última rodada da primeira fase (15 de abril), em Juiz de Fora. Antes disso, já no dia 10 de março, o Tupi enfrenta o Boa Esporte, em casa. O Atlético por sua vez tem o clássico contra o América pela frente, no domingo, em Sete Lagoas.
Fonte: http://www.tupijf.com.br/

segunda-feira, 27 de fevereiro de 2012

Record

Fundada em 1953, a TV Record inovou sua logomarca e lançou, neste último domingo, 26/02, o novo símbolo da emissora.

A novidade foi divulgada no no programa "Domingo Espetacular". Há um ano, a equipe de computação gráfica recebeu a missão de deixar a marca do canal ainda mais moderna e atual, mantendo a tradição do padrão.

Perdas

Juiz de Fora perdeu nos útimos dias alguma pessoas de destacada relevãncia:
- Wandekolk Moreira, dentista, advogado e escritor, morreu aos 95 anos. Foi vereador em Juiz de Fora, candidato a prefeito em dois pleitos. Em um pleito foi derrotado por Itamar Franco, no outro por Agostinho Pestana que tinha o apoio de Itamar. Na literatura escreveu livros dedicados à profissão na qual militou: o Direito.
Escreveu "Quando a Justiça Perde o Nome" e "Dança Diabólica e Psicologia do Crime e o Criminoso".
Pai dos advogados Wanderson e Marcos, foi sepultado no dia 26/02 no cemitério Parque da Saudade, em Juiz de Fora.

- Rubens Messias Bellei o Sr Bibi, pecuarista, proprietário da tradicional Fazenda Passos da Pátria, morreu aos 85 anos. Filho de Galeno Bellei, de família numerosa, era irmão de Dante Bellei e tio do ex-delegado Carlos Alberto Bellei.
Sepultado no cemitério de Bicas, o mesmo em qe está sepultado o ex-ator e nadador Rômulo Arantes (que morreu, aos 42 aons, em Maripá de Minas no dia de junho de 2000).

- Camila Nascimento de Freitas morreu no HPS, aos 68 anos, no sábado, 25/02, sendo sepultada no cemitério municipal Nossa Senhora Aparecida, no domingo.
Natural de Guarani (07/07/43), era minha sogra, mãe de Solange, deixou três filhos, seis netos e um bisneto.

domingo, 26 de fevereiro de 2012

Taça GB

Fluminense é campeão da Taça GB, 19 anos depois

VASCO 1 X 3 FLUMINENSE
Motivo: Campeonato Carioca ( final da Taça Guanabara)
Local: Estádio do Engenhão, Rio de Janeiro (RJ)
Data / hora: 26/02/2012, às 16 horas (horário de Brasília)
Árbitro: Marcelo de Lima Henrique (RJ)
Auxiliares: Rodrigo Pereira Joia (RJ), Rodrigo Figueiredo Henrique Corrêa (RJ)
Renda / público: Cr$ 1.094.535,00 / 36.374 ( 31.276 pagantes )
Cartões amarelos: Wellinton Nem (26'/1ºT), Deco (31'/1ºT), Diguinho (24'/2ºT) e Fred (46'/2ºT) (FLU); Juninho (30'/1ºT), Eduardo Costa (22'/2ºT) e Dedé (33'/2ºT) (VAS)
Gols: Fred (36'/1ºT), Deco (42'/1ºT), Fred (11º/2ºT), Eduardo Costa (37'/2ºT)
CRVG: Fernando Prass; Fagner, Dedé, Rodolfo, Thiago Feltri (Kim, 28'/2ºT); Nilton, Fellipe Batos (Eduardo Costa, 14'/2ºT), Juninho e Diego Souza; Wiliam Barbio (Felipe, 28'/2ºT) e Alecsandro. Técnico: Cristóvão Borges.
FFC: Diego Cavalieri; Bruno, Leandro Euzébio, Anderson e Carlinhos (Carleto, no intervalo); Valencia, Diguinho, Deco e Thiago Neves (Rafael Moura, 35'/2ºT); Wellington Nem (Jean, 23'/2ºT) e Fred. Técnico: Abel Braga.

Obs.: Com uma atuação bastante convincente, o Fluminense sagrou-se campeão da Taça Guanabara 2012. Destaque para o quarteto ofensivo, com Fred, Deco, Wellington Nem e Thiago Neves.

O Tricolor não vencia uma Taça Guanabara desde 1993 - 1 a 0 sobre o Volta Redonda, gol de Ézio. A taça deste domingo é a nona da história do clube. Por fim, o incômodo jejum de 12 clássicos sem vitória (seis empates e seis derrotas) também caiu.


O Vasco estreia na Taça Rio contra o Bonsucesso, quarta-feira, em São Januário. A partida será às 19h30m. No mesmo dia, às 17h, o campeão Fluminense viaja a Volta Redonda para enfrentar o Resende.


Túlio Maravilha

Tulio Maravilha marca 5 gols em amistoso no Nordeste e fica a 17 do "milésimo" gol
O atacante Tulio Maravilha segue sua incessante tentativa de marcar o milésimo gol. O atacante de 42 anos marcou cinco vezes neste domingo no amistoso disputado pelo seu time, o CSE, de Alagoas, diante da seleção de Quebrangulo. Nas contestadas contas de Tulio, agora restam 17 gols para alcançar os quatro dígitos.

O jogo deste domingo terminou com vitória do time de Tulio por 8 a 1. O ex-jogador do Botafogo terá mais amistosos pela frente para atingir sua saga. O CSE enfrenta o CSA na quinta-feira em amistoso oficial. Depois o CSE encara o Penedense.

Túlio avisou que largará o time alagoano assim que ficar a sete gols do milésimo. O algarismo 7 e citado por Tulio como um amuleto no período em que defendeu o Botafogo. Ele pretende chegar aos 1000 ostentando a camisa do time carioca.

Para alcançar o milésimo, Tulio largou a política e inclusive tem feito campanha para achar jogadores que sejam bons em assistências. O folclórico atacante havia ficado 5 jogos sem marcar pelo clube de Alagoas, seca que o fez recorrer ao Twitter pedindo um “garçom” em campo.
Fonte: http://www.uol.com.br/

Campeonato Mineiro

Tupi 2 x 1 Uberaba
O Tupi retomou sua rotina de bons resultados (presente desde setembro do ano passado) e afastou a má impressão deste início do ano do Centenário ao bater o Uberaba por 2 a 1, na tarde deste sábado (25/fevereiro), em Juiz de Fora, no Estádio Municipal Radialista Mário Helênio. Wesley Ladeira e Henrique fizeram os gols Carijós. Com a vitória, o Galo somou seus três primeiros pontos no Campeonato Mineiro. O próximo compromisso é no dia 10 de março, também em Juiz de Fora, contra o Boa Esporte.

Além da possibilidade de recuperação, o jogo valia a manutenção da invencibilidade do técnico Moacir Júnior no Mário Helênio (oito jogos, seis vitórias e dois empates, em 2007/2008).
 
Tupi: Victor Hugo, Flávio, Wesley Ladeira, Sílvio e Henrique; Jailton, George, Leo Salino (Michel Benhami) e Michel Cury (Evandro Paulista); Ademilson (Jefferson) e Allan. Técnico: Moacir Júnior
Uberaba: Fernando, Éder, Alberto, Roberto Dias e Gustavinho; Bruno Moreno, Gabriel, Thiago Marin e Gabriel Davis; Marlon e Clodoaldo. Técnico Nenê Belarmino.
Árbitro: Renato Cardoso Conceição, auxiliado por Celso Luiz da Silva e Pablo Almeida Costa
Cartões amarelos: Jailton, Flávio, Silvio e George (Tupi), Bruno Moreno e Gabriel Elói (Uberaba)
Renda e público: R$ 17.552,50; 1.663 pagantes (total de pessoas presentes: 2.058).
Fonte: http://www.tupijf.com.br/

Outros resultados
Democrata-GV 0 x 2 Cruzeiro
América-TO 0 x 0 Boa Varginha

sábado, 25 de fevereiro de 2012

Campeonato Mineiro

Tupi e Uberaba

Tupi: Rodrigo, Flávio (Henrique), Wesley Ladeira, Sílvio (Fabrício Soares) e Carlão; Jaílton, Assis, Léo Salino (Henrique e Michel Cury), Ademilson e Allan (Everton Paulista). Técnico: Moacir Júnior.
Uberaba: Fernando; Éder, Alberto, Roberto Dias e Gustavinho; Bruno Moreno, Gabriel, Thiago Marin e Gabriel Davis; Marlon e Clodoaldo. Técnico: Nenê Belarmino.
Reservas: os seguintes jogadores: Alex, Nerylon, Tiago Toreti, Carlão, Guilherme, Diego Perão e Thiaguinho.
Arbitragem: Renato Cardoso Conceição, Celso Luiz da Silva, Pablo Almeida Costa e Wilson do Carmo.

A Rádio Cultura (www.radioculturasd.com.br) transmite:
Sábado: 17h - Tupi (Juiz de Fora) e Uberaba
Domingo: 16h - Guarani (Divinópolis) e Atlético-MG
Com Edson Palma, João Begati, Carlos Ferreira, Evandro Begati, Guilherme Galdino e Alessandra Batista.

sexta-feira, 24 de fevereiro de 2012

Tupi (Juiz de Fora-MG)

O técnico do Tupi Moacir Júnior não conhece derrotas no comando da equipe estádio Radialista Mário Helênio. Em oito jogos foram seis vitórias e dois empates – e o time marcou 19 gols e sofreu quatro. Os números são da primeira passagem do treinador à frente dos Carijós, entre setembro de 2007 e fevereiro de 2008. Os resultados deram ao clube de Santa Terezinha o vice-campeonato da Taça Minas/2007 e a liderança provisória do Campeonato Mineiro/2008.

Eis a sequência completa da invencibilidade de Moacir Júnior, no Mário Helênio:
09/setembro/2007 – Tupi 3 x 0 Uberlândia – 1ª fase da Taça Minas
23/setembro/2007 – Tupi 3 x 0 Uberaba – 1ª fase da Taça Minas
14/outubro/2007 – Tupi 4 x 0 Democrata/SL – 1ª fase da Taça Minas
21/outubro/2007 – Tupi 3 x 1 América/BH – Semifinais da Taça Minas
04/novembro/2007 – Tupi 1 x 1 Ituiutaba – finais da Taça Minas
01/fevereiro/2008 – Tupi 3 x 2 Guarani (Divinópolis) – Campeonato Mineiro
10/fevereiro/2008 – Tupi 2 x 0 Uberaba – Campeonato Mineiro
23/fevereiro/2008 – Tupi 0 x 0 Ituiutaba – Campeonato Mineiro
Fonte: http://www.tupijf.com.br/

CONSIDERAÇÕES:
Cabe aqui ressaltar que foram poucos jogos em Juiz de Fora e que no último jogo, em 23/02/08, o treinador já estava com os dois pés no Ipatinga e que o Ituiutaba jogou com dez atletas desde a metade da primeira etapa. Jogando fora de casa o Tupi, sob ocomando do Moacir Júnior, não venceu uma partida sequer. A única em que o time estava vencendo, 1 x 0 sobre o Ituiutaba, gol do Ademilson, na decisão da Taça Minas, o técnico mexeu mal no time, permitindo o empate. Na decisão, por penaltis, o apitador Ricardo Marques Ribeiro não teve coragem suficiente para mandar repetir um penalti sequer (o goleiro do Ituiutaba saiu antes em todos) e o Tupi perdeu o título.

Pery Ribeiro (27/10/37-24/02/12)

Morre aos 74 anos o cantor Pery Ribeiro, filho de Herivelto Martins e Dalva de Oliveira

O cantor e compositor Pery Ribeiro, de 74 anos, morreu na manhã desta sexta-feira, 24/02, vítima de um infarto agudo do miocárdio, no Rio de Janeiro. Pery estava internado há 30 dias no Hospital Universitário Pedro Ernesto, em Vila Isabel, zona norte do Rio, para o tratamento de uma endocardite.

Segundo a mulher do cantor, a empresária Ana Duarte, Pery estava com alta programada para a próxima semana. O velório acontece na Câmara dos Vereadores do Rio de Janeiro, a partir das 17h.

Peri Oliveira Martins nasceu no Rio de Janeiro no dia 27 de outubro de 1937. Era filho de Dalva de Oliveira e Herivelto Martins. Tinha seis irmãos (quatro por parte de pai, um de pai e mãe, e uma irmã adotiva, por parte de mãe). Casado há mais de 20 anos com Ana Duarte, Pery deixa os filhos Paula, do seu primeiro casamento, e o produtor de comerciais Bernardo Martins.

Iniciou sua carreira artística aos três anos de idade, participando da dublagem de filmes de Walt Disney, ao lado de sua mãe Dalva de Oliveira, que interpretava Branca de Neve. Mais tarde, no anos 50, passou a adotar o nome artístico de Pery Ribeiro, por sugestão do radialista César de Alencar.

O primeiro disco foi gravado em 1960, mesmo ano em que estreou como compositor com a música "Não Devo Insistir", com Dora Lopes. Foi intérprete de "Manhã de Carnaval" e "Samba de Orfeu", ambas de Luiz Bonfá e Antônio Maria, além de ter registrado, em "Pery é todo bossa", a primeira gravação comercial de "Garota de Ipanema" (Tom Jobim e Vinicius de Moraes). Também lançou os sucessos "Samba de Verão", "Barquinho", "Rio" e "Você".

Nos anos 60, Pery estrelou os filmes “Essa Gatinha é Minha” com Jerry Adriani, Anik Malvil e Jece Valadão, e o “Vendedor de Linguiça”, com Mazzaroppi. Também participou de alguns filmes nos Estados Unidos, como “Vanish”, ao lado de Richard Widmark e E.G. Marshall. Em 1968, a convite de Sergio Mendes, integrou o Bossa Rio ao lado de Gracinha Leporace, Osmar Milito, Manfredo Fest, Otávio Bailly e Ronnie Mesquita, e excursionou pelos EUA e Europa, dividindo o palco com nomes do cenário internacional como Burt Bacharach, Johnny Mathis, Sérgio Mendes, Herb Alpert e Henri Mancini.

Em 2006, Pery lançou o livro “Minhas duas Estrelas”, em que relata sua vida em meio ao conturbado relacionamento dos pais, Dalva de Oliveira e Herivelto Martins.

Nos últimos meses, o cantor trabalhava para realizar um tributo aos pais, Dalva e Herivelto, em um show sinfônico com 42 músicos regidos por Amilton Godoy, no ano do centenário do nascimento de Herivelto.
Fonte: http://www.uol.com.br/

quinta-feira, 23 de fevereiro de 2012

Censura

Repórter é impedido de cobrir jogo do Atlético Paranaense

O jornalista Osmar Antônio foi impedido de cobrir o jogo Atlético Paranaense e Coritiba, válido pelo campeonato estadual e que foi realizado na noite da última quarta-feira, 22/02. O profissional, que é repórter e apresentador da rádio Banda B, foi “barrado” pela direção do rubro-negro, mandante da partida que terminou empatada por 0 a 0.

A direção da emissora estranhou a decisão do Atlético de impedir que Osmar Antônio cobrisse o clássico contra o Coritiba. Em nota enviada à imprensa, a emissora repudiou a atitude do clube de futebol. “Ter um de seus funcionários impedido de trabalhar, sem uma justificativa plausível, causa estranheza, preocupação e repúdio por parte desta emissora”, afirma a nota. Outros 11 jornalistas do veículo foram credenciados para acompanhar o jogo.

Apesar de o Atlético Paranaense não se pronunciar oficialmente sobre o caso, o motivo de deixar Osmar Antônio fora da cobertura do jogo deve-se ao seu trabalho em relação às últimas eleições do rubro-negro, informa a Agência Estado. Em declaração ao veículo, o diretor de marketing do Atlético, Mauro Holzmann, disse que o repórter fez “campanha aberta” para a chapa que foi derrota, misturando o “profissional com o pessoal”.
Fonte: http://www.comunique-se.com.br/

Racismo?

“Negro de alma branca”

Os jornalistas Heraldo Pereira, da TV Globo, e Paulo Henrique Amorim, da TV Record e do blog Conversa Afiada, entraram em um acordo, em audiência de instrução e julgamento, realizada no último dia 15/02, em Brasília (DF), referente à ação movida por Heraldo Pereira contra Paulo Henrique Amorim por danos morais.

No ano passado, Paulo Henrique Amorim publicou texto em que citava o repórter e apresentador da TV Globo e, entre diversos “adjetivos”, classificou Heraldo Pereira de “negro de alma branca”.

Entre as cláusulas do acordo firmado, Paulo Henrique Amorim deve publicar texto se retratando com o Heraldo Pereira nos jornais Folha de S.Paulo e Correio Braziliense. Além disso, o blogueiro do Conversa Afiada deve doar R$ 30 mil, em seis parcelas de R$ 5 mil, a uma instituição de caridade determinada por Heraldo Pereira, sendo que o primeiro pagamento deve acontecer no próximo 15/03.

Outro ponto do acordo firmado entre as partes determina que Amorim retire de seu blog todos os textos que fazem referência a Heraldo Pereira, bem como publique a mesma retratação exibida nos jornais, com o mesmo destaque e formatação utilizada no blog.

Na texto de retratação, segundo determinou a Justiça, deve conter o título
“Retratação de Paulo Henrique Amorim concernente à ação 2010.01.1.043464-9”, em caixa alta, e Amorim deve declarar que “reconhece Heraldo Pereira como jornalista de mérito e ético; que Heraldo Pereira nunca foi empregado de Gilmar Mendes; que apesar de convidado pelo Supremo Tribunal Federal, Heraldo Pereira não aceitou participar do Conselho Estratégico da TV Justiça; que, como repórter, Heraldo Pereira não é e nunca foi submisso a quaisquer autoridades; que o jornalista Heraldo Pereira não faz bico na Globo, mas é empregado de destaque da Rede Globo; que a expressão 'negro de alma branca' foi dita num momento de infelicidade, do qual se retrata, e não quis ofender a moral do jornalista Heraldo Pereira ou atingir a conotação de 'racismo'”.

Reincidente
Paulo Henrique Amorim já havia sido condenado em primeira instância a pagar R$ 30 mil a Paulo Vieira de Souza, o Paulo Preto, por chamá-lo em seu blog Conversa Afiada de "Paulo Afro-descendente" e por divulgar o endereço em que mora, São Paulo-SP.
Segundo a decisão condenatória por danos morais a expressão Paulo Afro-descendente é "infeliz brincadeira" que denota, "senão grave, um destemperado jogo de palavras com assunto de especial sensibilidade, pois nossa sociedade é ainda racista, e qualquer atitude discriminatória, como a acima indicada, deve ser condenada".

quarta-feira, 22 de fevereiro de 2012

Carnaval

Rio de Janeiro-RJ
A Grande Campeã do Grupo Especial do Carnaval do Rio de Janeiro foi a escola Unidos da Tijuca, que neste ano levou a música e a alegria de Luiz Gonzaga, o rei do baião, para o desfile na Saúcaí.

Foram rebaixadas as escolas Porto da Pedra e Renascer que no ano que vem irão desfilar no Grupo de Acesso do carnaval carioca.

Belo Horizonte-MG
Foram definidos os vencedores do carnaval BH 2012. O vencedor do desfile das escolas de samba foi a Canto da Alvorada, que também venceu no ano passado. Já nos blocos caricatos, o Por Acaso foi o grande vencedor. A contagem aconteceu na tarde desta quarta-feira de cinzas, na Câmara Municipal de Belo Horizonte.

Premiação
A escola de samba vencedora do Grupo A recebe R$30 mil, segundo lugar R$ 15 mil e em terceiro lugar R$ 7,5 mil. A campeã do Grupo B recebe R$15 mil.

A premiação para os blocos caricatos vencedores é de R$ 12,5 mil para o primeiro lugar, R$ 6.250 para o segundo e R$ 3.125 para o terceiro.

Confira a pontuação dos blocos e escolas vencedoras e rebaixadas:
Escola de samba - Grupo A
01º - Canto da Alvorada – 193,1
02º - Chame Chame – 189,9
03º - Acadêmicos de Venda Nova – 187,4
Escola rebaixada: Bem Te Vi – (pontuação não divulgada)

Grupo B (só uma escola desfilou)
01º - Estrela do Vale – (pontuação não divulgada)

Blocos Caricatos – Grupo A
01º - Por Acaso 94,1
02º - Mulatas do Samba – 94
03º - Bacharéis do Samba – 89,3
Bloco rebaixado: Infiltrados do Santa Tereza – 80,4

Grupo B
01º – Aflitos do Samba – 71,1
02º – Corsários do Samba – 64,9

terça-feira, 21 de fevereiro de 2012

Carnaval 2012

Santos Dumont-MG
Córrego do Ouro vence o carnaval Sandumonense
A Escola de Samba Córrego do Ouro, com duzentos pontos, foi a vencedora do carnaval de Santos Dumont. Em segundo lugar, com 199,9 pontos ficou a Império Colorido. Unidos da Biquinha, com 199,8 pontos, foi a terceira colocada. Saudosa Palmira foi a quarta colocada com 199,5 pontos. No quinto lugar aparece Unidos do Jacaré, com 198,9 pontos. A Escola de Samba Luar foi a sexta colocada com pontos. Na penúltima colocação ficou a Graminha, com 197.7 pontos, e a última colocada foi o 04º Depósito, com 196,2 pontos.

Juiz de Fora-MG
Unidos do Ladeira é a vencedora do carnaval Juizforano
Com a reedição do enredo, de autoria de Romeu Biazolo, campeão de 1984 "Clara, clareia clareou", numa homenagem a Clara Nunes, a escola de Samba Unidos do Ladeira é a grande campeã do carnaval 2012 de Juiz de Fora. A escola obteve nota 10 em todos os quesitos, totalizando 110 pontos. Com o título de 2012, a agremiação se torna tetracampeã.

Em segundo lugar, ficou a Real Grandeza, com 109 pontos e com o enredo "Perfume, fonte de desejos, sintonia de humor, amor e paz". A Escola Partido Alto foi a terceira colocada. Em último lugar, com 104,3 pontos, ficou a Feliz Lembrança, que foi rebaixada ao Grupo B.

No grupo B a vencedora, com o enredo "A, E, I, O, Urca", foi a Turunas do Riachuelo. A escola recebeu nota máxima em todos os quesitos avaliados pelos jurados, totalizando 110 pontos na contagem final. A vice-campeã, com o enredo "Juiz de Fora- a pioneira Manchester Mineira" foi a Unidos das Vilas do Retiro, que 109,4 pontos, também sobe para o Grupo A. Acadêmicos do Manoel Honório ficou na terceira posição.

Já a União das Cores, que obteve a menor pontuação do grupo B, fez uma homenagem ao povo baiano, com o enredo "Sou feliz, ninguém mais feliz que eu, o senhor do Bonfim me atendeu" e em 2013 vai desfilar no grupo C.

No grupo C a vencedora, com o enredo "O negro é a arte da Bahia", foi a Vale do Paraibuna, que sobe para o grupo B.

Os primeiros lugares dos grupos A (Unidos do Ladeira), B (Turunas do Riachuelo) e C (Vale do Paraibuna), receberam, além dos troféus, uma quantia de R$ 2 mil como premiação. As vencedoras e vices de todos os grupos marcam presença na Passarela do Samba novamente na noite desta terça, 21/02, no Desfile das Campeãs.

sábado, 18 de fevereiro de 2012

CARNAVAL, FESTIVAL DE ARTES

por Faustino Vicente*
O brasileiro é, realmente, um privilegiado em termos de festividades, pois logo após as festas  de final de ano e início das férias de verão, vem o carnaval, que pode ser considerado a maior festa popular ao ar livre do planeta. Tendo como “comissão de frente” a incorrigível alegria da nossa gente, ele apresenta-se como um autêntico abre-alas da indústria de turismo e garoto-propaganda das nossas exportações.

O carnaval, a arte e o mundo dos negócios são destaques do mesmo carro alegórico. O processo de evolução do nosso carnaval transformou-o numa autêntica ópera de rua ou, como querem outros, no mais criativo e democrático Festival de Artes do planeta. O carnavalesco, protagonista do núcleo de criação da escola de samba, está comprometido com a verdade ao associar a arte às circunstâncias históricas e geográficas. 

A imaginação e a emoção simbolizam o corpo e a alma do artista. Da mais famosa passarela  - a Marquês de Sapucaí – a mais simples viela, a nossa musicalidade desfila a sua maior riqueza – a diversidade de seus ritmos – como o samba,originário do batuque africano. Ao lado da música, a literatura se faz presente com  o samba enredo que pode reescrever o nosso descobrimento ou relembrar os ciclos de desenvolvimento e a  pintura retratar o colorido da nossa flora e da nossa fauna.

A escultura homenageia as nossas celebridades e as artes plásticas fazem o lixo  transformar-se  em luxo. A dança exibe todo nosso “jogo de cintura”. Os nossos artesãos mostram a sua genialidade com o aproveitamento de nossos recursos naturais: a arquitetura também se faz presente, especialmente revelando os carnavalescos como verdadeiros “ arquitetos sociais”. 

A fotografia, o cinema, artes cênicas e gráficas, todas elas se fazem presentes na fantasiosa corte  do Rei Momo. O carnaval, que possui a magia de transformar artistas em passistas e passistas em artistas, é responsável pelo mais abrangente da nossa  cultura popular. Senão vejamos. Redescobrindo a nossa história, nada tem escapado à sensibilidade dos carnavalescos que, da tradição à  globalização ou da  tragédia à comédia, têm retratado nossos usos e costumes – festa para os mais diversos meios de comunicação. 

A nossa geografia tem sido motivação para os compositores explorarem os milhares de quilômetros de nossas belas praias, o imenso “mar verde” da selva amazônica, o paraíso ecológico do Pantanal, as serras e cachoeiras do sul, a biodiversidade da mata atlântica e todas as riquezas naturais deste país continente. 

No campo empresarial, o destaque fica para o formato empreendedor de gestão que faz da ousadia, da criatividade e da empregabilidade – soma das competências e habilidades – o tripé de um modelo exemplar de organização competitiva. O mundo dos negócios ainda tem que se conscientizar que somente um ambiente de trabalho prazeroso poderá produzir a excelência. 

O prazer, no seu mais refinado conceito, é a energia (insubstituível) que gera vencedores. Até a modernização do Terceiro Setor, com sua responsabilidade social através do voluntariado, de há muito faz parte do “DNA” das escolas de samba, e de outras agremiações similares, que têm desenvolvido excelentes projetos especiais, que vão da pedagogia a tecnologia, contribuindo pata reduzir os índices de exclusão social.

A elevação da expectativa de vida, a nova estrutura do mercado mundial de trabalho e as mudanças de estilo de vida das pessoas, são tendências que elegem a indústria do turismo como um dos mais promissores empreendimentos do futuro.

Ao som dos seguidores do lendário Mestre André, bateria nota 10, encerramos com o nosso cautelar grito carnavalesco: vamos explorar o turismo, não o turista.
*Faustino Vicente Advogado, Professor e Consultor de Empresas e de Órgãos Públicos
– Jundiaí (Terra da Uva)  - São Paulo – Brasil

Tupi (Juiz de Fora-MG)

William Stefano Trajano dos Santos
O zagueiro William é o mais novo integrante do elenco Carijó. Ele se apresentou ao clube na tarde deste sábado de Carnaval, 18/02 já participa normalmente da atividades do período.

William Stefano Trajano dos Santos tem 20 anos e nasceu em 06 de outubro de 1991 em Campinas (SP), cidade da Ponte Preta, seu único clube na carreira.
Fonte: http://www.tupijf.com.br/

sexta-feira, 17 de fevereiro de 2012

União aprova R$ 2 milhões para ONG de Galvão Bueno

Uma organização não governamental-ong, ligada ao narrador Galvão Bueno aprovou um projeto de R$ 2,2 milhões no Ministério do Esporte.
O governo federal autorizou a Associação Beneficente Galvão Bueno a captar o valor em doações e patrocínios por meio da Lei de Incentivo Fiscal. A decisão foi publicada no "Diário Oficial da União" de anteontem.

O dinheiro é destinado ao projeto chamado "Escola de Formação de Pilotos". Dois filhos de Galvão, Cacá e Popó, são pilotos de automobilismo, antiga paixão do narrador, especialista em F-1.

Galvão e a direção da entidade foram procurados pela Folha na manhã de ontem. No fim da noite, ele respondeu que decidiu pedir o cancelamento do projeto nos próximos dias. "Nenhuma medida no sentido de implementá-lo será adotada", disse, em nota curta, via assessoria.
 
Galvão é presidente de honra da associação que leva seu sobrenome e sua mãe, Mildred Galvão Bueno, a presidente efetiva. A ONG tem sede em Londrina (PR), onde Galvão montou residência.

A entidade recebeu o aval do ministério para se beneficiar da lei de incentivo. Por meio dela, o governo federal abre mão de arrecadar impostos devidos por empresas (1%) e pessoas físicas (6%) em troca do uso do recurso como patrocínio esportivo.

Ou seja, o dinheiro que deveria parar nos cofres públicos vai para ações ligadas ao esporte. No caso de Galvão, o valor de captação pode chegar a exatos R$ 2.191.696,96.

O processo de aprovação do projeto no Ministério do Esporte durou três meses. A ONG fez o pedido em 15 de setembro de 2011. Em 20 de dezembro, houve a aprovação, e a decisão foi publicada anteontem. Quem assina é Ricardo Capelli, ex-presidente da União Nacional dos Estudantes e presidente da comissão que analisa projetos.

A ONG tem até 31 de dezembro para arrecadar os recursos. "O Galvão não tem nada com isso, ele é presidente de honra. A gente exerce o trabalho da melhor maneira possível", disse Mildred.

Galvão participa de eventos da ONG. O site da entidade o mostra em "feijoadas solidárias". Os filhos pilotos e artistas, como Zezé Di Camargo, aparecem em fotos nos encontros da instituição.

A ONG, fundada em 2003, tem como objetivo, segundo o site, "a convivência familiar bem-sucedida". Diz reunir "profissionais liberais (especialmente da área médica) e empresários em torno da liderança do sr. Galvão Bueno, reconhecido comunicador da área esportiva, e sua mãe, sra. Mildred Galvão Bueno".
Fonte: http://www.uol.com.br/

Literatura

"Não acredito mas não abuso"
Escrito pelo professor Miguel Fecchio, trata-se de um trabalho dirigido ao público infanto-juvenil, que apresenta histórias fantasiosas vividas por pessoas idosas que enfrentavam o sertão ‘bruto’, vivendo verdadeiras epopéias para abrir suas terras e formar pequenos patrimônios. Da escuridão surgiram grandes mitos e lendas do folclore brasileiro, explicados no livro.


Casas mal assombradas, aparições misteriosas, mortos que caminham pelas estradas e falam com as pessoas ... Histórias que parecem pura fantasia, mas que os avós juram serem verdadeiras.

Se você for corajoso não se preocupe, se for medroso, provavelmente será mais um que não vai acreditar, mas não vai abusar.



Campanha da Fraternidade

Coletiva de imprensa marca lançamento da Campanha da Fraternidade 2012


A Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) divulgou o tema da Campanha da Fraternidade (CF) 2012: "A Fraternidade e Saúde Pública”. A abertura da Campanha será realizada em dois momentos. Sendo o primeiro na quarta-feira de Cinzas, 22 de fevereiro, às 18h30, na Catedral Metropolitana de Fortaleza, com celebração eucarística presidida por dom José Antonio Aparecido Tosi Marques.

Em outro momento, na quinta-feira, 23 de fevereiro, às 9h, no Centro de Pastoral Maria Mãe da Igreja, em Fortaleza, ocorre a entrevista coletiva com a presença do Arcebispo e de autoridades ligadas à área da saúde. O Centro de Pastoral fica na Rua Rodrigues Júnior, 300, Centro.

A Campanha da Fraternidade é uma iniciativa da CNBB em âmbito nacional que vem mobilizando, cada ano, toda a Igreja Católica e a sociedade civil em favor de vida digna, justiça social, fraternidade e paz para todos os brasileiros. Ela convida à reflexão, sobretudo no tempo de quaresma que se aproxima.

O tema "A Fraternidade e Saúde Pública” é de interesse dos fiéis católicos, e também de toda a sociedade, independente de raça, cor ou religião, pois trata de um grito e um pedido para "que a saúde se difunda sobre a terra” (Eclo 38,8).

De acordo como texto base da Campanha "o objetivo geral da CF - 2012 é refletir a realidade da saúde no Brasil em vista de uma vida saudável, suscitando o espírito fraterno e comunitário das pessoas na atenção aos enfermos e mobilizar por melhoria no sistema público de saúde”.
Fonte: http://www.arquidiocesedefortaleza.org.br/

Qual é a Música?

Pablo do "Qual é a Música?" está vivo, no Brasil e quer se encontrar com Silvio Santos


Faça esse teste. Pergunte para um grupo de pessoas se elas conhecem o Pablo. Alguns poucos poderão citar Neruda, o escritor chileno Prêmio Nobel. Outros raros lembrarão Picasso, o mestre da pintura. Mas a grande maioria falará de imediato: Pablo do Qual é a Música, famoso quadro do programa dominical de Silvio Santos. Isso indica a carga pop do dublador que aparecia maquiado e fazia “lip sync” (ato de fingir cantar sincronizado com a melodia) de diversos sucessos da música brasileira.

O portal "Virgula Famosos" encontrou Augusto Rodriguez, o verdadeiro Pablo, em um flat na região central de São Paulo, nesta sexta-feira (17), em visita ao país para uma entrevista exclusiva.Ele afirmou que no dia 06 de março pretende se encontrar com Silvio Santos, seu mentor e criador. Este encontro será decisivo para sua permanência no país. “Quero voltar ao Brasil”, disse.

Foi Silvio Santos que criou a persona Pablo, Augusto conta que o apresentador chegou perto dele e disse: “Eu tenho esta ideia para o programa Qual é a Música?. Eu vi nos Estados Unidos um conjunto de rock, o Kiss. Só que era todo com maquiagem preta. E acho que vai ficar um pouco agressivo”. Ele então deu as maquiagens coloridas e a purpirina para o dublador. Augusto/Pablo admite que a ideia foi de dono do SBT e ele foi só aperfeiçoando. “Eu sempre fui atrás dele [Silvio Santos], porque tudo que ele fala dá certo”.

Depois de trabalhar 9 anos com o apresentador, Pablo – que nasceu na Espanha - resolveu se mudar para a Europa fazendo shows de dublagem. Durante essas décadas, ele mesmo sabendo que no Brasil havia um boato que ele estava morto, preferiu não se manifestar.

Ele também comentou que veio ao Brasil para provar que está vivo. Depois de uma reportagem em um importante jornal do país afirmando que ele tinha morrido de Aids, Augusto/Pablo diz que perdeu muitas oportunidades de trabalho. “Na Europa, achavam que eu era o Pablo genérico, pois os boatos – pois tem muito brasileiro na Europa - que o verdadeiro tinha morrido chegou até lá. E com isso, meus cachês diminuíram”.

Com forte sotaque, "muito tempo fora do Brasil", ele garante que esse boato o prejudicou socialmente, psicologicamente e economicamente. E conta que sempre na Europa, depois da notícia no jornal, sempre aparecia um brasilerio que me dizia: "você parece o Pablo do Qual é a Música, aquele que morreu".



Maurício Corrêa (09/05/34-17/02/12)

O ex-presidente do Supremo Tribunal Federal, Maurício Corrêa, morreu no início da noite desta sexta-feira, aos 77 anos, em Brasília.
Maurício Corrêa passou mal em casa, durante a tarde, e foi encaminhado ao hospital Brasília. O hospital não confirmou a causa da morte, mas pessoas próximas ao ex-ministro afirmaram que ele foi vítima de uma parada cardíaca.


Mineiro de São João do Manhuaçu, onde nasceu em 09 de maio de 1934, Maurício José Corrêa foiu criado em Cisneiros, distrito de Palma, na Zona da Mata Mineira. Formou-se em 1960 pela Faculdade de Direito de Minas Gerais. Em 1986, foi eleito senador pelo Distrito Federal. Posteriomente, foi ministro da Justiça de 05 de outubro de 1992 a 30 de março de 1994, durante o governo do Presidente Itamar Franco.

Ele tomou posse no Supremo em 1994 e foi presidente do tribunal entre 2003 e 2004, quando se aposentou compulsoriamente por ter alcançado os 70 anos de idade. O ministro Eros Grau o substituiu.

Maurício Corrêa era advogado em Brasília, onde tinha um escritório especializado em direito comercial e civil. O ex-ministro deixa a mulher, Alda Corrêa, três filhas e netos.


Tv Bandeirantes

Luciano do Valle


O Locutor Esportivo Luciano do Valle, de 68 anos, está afastado da TV Bandeirantes por recomendação médica. Há algum tempo, o narrador esportivo tem dado mostras de que não anda bem de saúde. Em sua última participação, no jogo Santos x Palmeiras, no dia 05/02, Luciano cometeu várias gafes, trocando nomes e posições dos jogadores, em uma narração confusa. Ele também foi cortado da transmissão do Carnaval do Recife. Há suspeita de que Luciano do Vallw sofre de ataques de pânico e de ansiedade. Na Copa de 2010 na África do Sul, ele insistiu para ser dispensado antes do fim da competição e retornar ao Brasil. A mulher dele, Flávia Comin, em entrevista coletiva, afirmou que o marido não está doente.

Ficha Limpa

Lei atinge nomes expressivos da política nacional

Lista de políticos que deve ficar fora das próximas eleições vai de Romário a José Dirceu, passando por Roberto Jefferson e José Roberto Arruda

A validação da Lei da Ficha Limpapelo Supremo Tribunal Federal (STF), na noite de ontem, levantou um arame farpado que deve manter alguns dos principais nomes da política nacional afastados das urnas por um bom tempo.

A lista é ampla, geral e irrestrita. Pega desde parlamentares envolvidos no mensalão do PT, que veio à tona em 2005 (o rótulo foi originalmente atribuído ao escândalo que marcou a maior crise política do governo do ex-presidente Lula, que consistia na denúncia de pagamento de mesada a congressistas em troca de apoio a projetos de interesse do governo federal), ao mensalão do DEM, em 2009. Vai do ex-ministro José Dirceu (PT-SP) aos ex-governadores José Roberto Arruda (sem partido) e Joaquim Roriz (PSC-DF).

Nem mesmo o deputado federal em primeiro mandato e tetracampeão mundial com a seleção canarinho, Romário de Souza Faria (PSB-RJ), bem como um número não contabilizado pela Justiça Eleitoral de políticos atingidos por todo tipo de denúncias, devem escapar à norma.

A decisão do Supremo torna inelegíveis por oito anos políticos cassados, que renunciaram ao mandato para fugir de processo de cassação e os condenados por órgão colegiado, independente de o caso ter ou não sido julgado em última instância.

Os casos de cassação e renúncia atingem principalmente parlamentares envolvidos em episódios que ficaram conhecidos como “mensalão”. Em 2005,

Mensalão do PT
Com repercussões no Palácio do Planalto, na Esplanada dos Ministérios e no Congresso, a crise levou à queda do ex-ministro da Casa Civil, José Dirceu, então braço-direito de Lula, assim como de toda cúpula do Partido dos Trabalhadores na época. De volta à Câmara, Dirceu teve seu mandato cassado.

Desde então, o ex-ministro, tem se empenhado em retornar à política. José Dirceu de Oliveira e Silva (mineiro de Passa Quatro e radicado em São Paulo), tem buscado a “anistia” das acusações em processo em curso no STF, onde é reu, junto com outros 35 acusados. Ao todo, o MP denunciou 22 por crime de formação de quadrilha. O caso deve ser analisado este ano pelo Supremo.

O rol de réus do mensalão inclui ainda o ex-deputado Roberto Jefferson (PTB-RJ). Autor das denúncias, Jefferson foi o primeiro parlamentar a ter o mandato cassado. Embora afastado da vida pública, o presidente do PTB ainda atua nos bastidores, inclusive na articulação de uma aliança da sigla em torno da candidatura do deputado Gabriel Chalita (PMDB-SP) à prefeitura de São Paulo, contra os interesses do PT.

A crise do mensalão resultou também na renúncia do então presidente do PL, deputado Valdemar Costa Neto (SP). Na ocasião, o parlamentar assumiu na tribuna da Câmara ter recebido dinheiro não contabilizado do PT para custear despesas de campanha em 2002. Apesar da renúncia, Costa Neto voltou a ser eleito para mandato na Câmara Federal.

Alguns deputados acusados de envolvimento no mensalão, no entanto, se recusaram a renunciar ao posto e tampouco foram cassados. É o caso de João Paulo Cunha (PT-SP), que até o início do ano presidiu a Comissão de Constituição e Justiça, uma das principais da Casa, e de Sandro Mabel (GO), que na época estava no PL e hoje, no PMDB.

Mensalão do PT
Esquema similar ao montado pelo PT foi revelado pela imprensa em 2009, só que neste caso o pagamento de mesadas a políticos teria sido orquestrado pelo DEM, sigla do ex-governador do Distrito Federal José Roberto Arruda (mineiro de Itajubá e radicado no DF), que atualmente está sem partido. Acusado de operar o esquema de corrupção na capital, ele foi preso há dois anos e renunciou ao posto em 2010 para não sofrer processo de impeachment.

Em 2001, Arruda já havia renunciado ao mandato de senador por violação de sigilo do painel eletrônico da Casa, para escapar de um processo por quebra de decoro parlamentar.

Outro cacique da política atingido pela Lei é Joaquim Roriz (PSC-DF), que renunciou ao mandato de senador em 2007 para fugir de processo de cassação. Roriz era nome certo na eleição de 2014 para o governo do Distrito Federal.

Ele chegou a se candidatar na última eleição, mas na reta final abandonou o posto em favor da esposa, Weslian, com receio da aplicação da Ficha Limpa.

Outro que pode ficar de fora de futuras eleições por causa da Ficha Limpa é o deputado federal em primeiro mandato Romário. O nome de Romário era cogitado, até o fim do ano passado, para disputar a prefeitura do Rio de Janeiro.

Porém, o ex-jogador de futebol tem contra sua candidatura uma condenação por sonegação fiscal pela 02ª Turma Especializada do Tribunal Regional Federal do Rio de Janeiro (TRF-2), em 2009. Romário recorreu da decisão e o caso está em análise no Superior Tribunal de Justiça (STJ).

A lei deve barrar também o ex-presidente da Câmara Severino Cavalcanti (PP-PE), que renunciou ao mandato de deputado federal em 2005, acusado de receber propina para permitir o funcionamento do restaurante na Casa. Atualmente prefeito de João Alfredo, em Pernambuco, ele tentaria a reeleição este ano.

Ministério das Comunicações

Marco regulatório da mídia vai à consulta pública
O marco regulatório da mídia voltado para emissoras de rádio e TV vai entrar em cosulta pública nos próximos dias, segundo declaração do ministro das Comunicações, Paulo Bernardo.

A proposta, que estava esquecida no Ministério das Comunicações desde o início do governo Dilma, promete a criação de mecanismos de controle público do conteúdo das emissoras e limitar a presença de capital estrangeiro nos portais de conteúdo jornalístico em portais de conteúdo jornalístico.

Segundo o ministro, a limitação da liberdade de expressão está fora de cogitação e o governo não vai recuar diante desse tema e que o desejo é readequar a legislação do setor, que é de 1962, dentro dos aspectos que estão na Constituição Federal de 1988.

Ficha Limpa

O Supremo Tribunal Federal (STF) aprovou nesta quinta.feira, 16/021, a validade da Lei da Ficha Limpa para as eleições municipais deste ano. A decisão torna inelegíveis por oito anos políticos cassados, que renunciaram ao mandato para fugir de processo de cassação e os condenados criminalmente por órgão colegiado, independente de o caso ter sido ou não julgado em última instância.

A Lei da Ficha Limpa foi aprovada pelo Congresso e promulgada pelo ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva em 2010, a partir de um projeto de iniciativa popular que coletou 1,3 milhão de assinaturas. O julgamento da lei era aguardado com expectativa pelos partidos políticos, devido ao seu impacto na escolha dos candidatos a prefeitos e vereadores para o próximo pleito

Votaram pela validade: Ricardo Lewandowski, Carlos Ayres Britto, Marco Aurélio Mello, Luiz Fux, Carmem Lúcia, Rosa Weber e Joaquim Barbosa.
Votaram contra: Celso de Mello, Cezar Peluso, Gilmar Mendes e Dias Toffoli.

A aprovação da validade da Lei da Ficha Limpa nesta quinta-feira, pelo Supremo Tribunal Federal (STF), vai atrapalhar os planos de personagens polêmicos da política brasileira. Com a intenção de concorrer este ano à reeleição como prefeito de João Alfredo, em Pernambuco, Severino Cavalcanti (PP), ex-presidente da Câmara, ficará impedido de entrar na disputa novamente. Joaquim Roriz (PSC), ex-governador do Distrito Federal, por sua vez, também não poderá se candidatar ao governo, como pretendia, em 2014.

Severino renunciou, em 2005, para não ser cassado. À época, o então deputado foi acusado pelo empresário Sebastião Buati de cobrar proprina em troca da prorrogação da concessão de um restaurante na Câmara, de propriedade de Buati. Dois anos depois, Roriz abriu mão do mandato de senador. O Ministério Público o denunciou por ter recebido R$ 2,2 milhões para facilitar um negócio do empresário Nenê Constantino.

A Lei da Ficha Limpa prevê que quem renuncia a um mandato permanece inelegível por oito anos a partir do fim do prazo da função para a qual foi eleito. Sendo assim, Severino só poderá disputar agora uma eleição a partir de 2015, já que seu mandato como parlamentar iria até 2006. No caso de Roriz, ele só terá o direito de voltar a concorrer em 2022. Seu mandato como senador se estenderia até 2014.

CONSIDERAÇÕES:
Em Juiz de Fora um ex-prefeito e um ex-vereador que renunciaram aos seus respectivos cargos, fugindo da cassação também estão enquadrados na lei e estão inelegpiveis.

Tupi

Evandro Silva do Nascimento (Evandro Paulista)
Chegou a Santa Terezinha, na tarde de quinta-feira, 16/02, e já treinou com o grupo, um novo reforço para o ataque Carijó: o centroavante Evandro Paulista, de 24 anos, que estava no time B do Corinthians (SP).

Evandro Silva do Nascimento é paulista de Guarulhos, onde nasceu em 26 de setembro de 1987. Começou a carreira na Internacional de Limeira (SP) e já atuou também, ainda como sub-20, no Flamengo (RJ), Canedense de Senador Canedo (GO) e Ituano (SP), onde se profissionalizou. Em seguida, jogou no Belenenses (Portugal), União São João de Araras (SP), Gama (DF) e São Carlos (SP).

quinta-feira, 16 de fevereiro de 2012

16 de fevereiro

Dia do Repórter
Repórter é um Jornalista que pesquisa a informação apresentada em diversos tipos de meios de comunicação. É o responsável por trazer aos leitores, ouvintes ou telespectadores, as últimas notícias.

Quando Gutenberg inventou a imprensa há mais de 500 anos, por certo não imaginava o quanto revolucionaria o mundo. Com o advento dos tipos móveis, os livros começaram a sair da clausura dos mosteiros e passaram a ser impressos (daí o nome) em uma escala cada vez maior.

Ao longo dos anos, com o conhecimento se tornando acessível a um número maior de pessoas, começaram a surgir também outros formatos narrativos. Assim, os livros contariam as histórias, o passado. O jornal surge para relatar os acontecimentos mais recentes. O termo imprensa deixa de ser apenas a "máquina impressora" e passa a designar os meios de comunicação de massa.

Dentro deste contexto, a figura do repórter merece destaque. Personagem que surge com os jornais impressos, o repórter é o responsável por trazer aos leitores as últimas notícias. Hoje eles estão em todas as mídias, seja o jornal, a TV, o rádio, e até mesmo a Internet.

Na busca pela verdade, o repórter desempenha o trabalho de um verdadeiro investigador. Mas não basta descobrir a informação. É preciso saber contá-la através de uma linguagem clara, objetiva e acessível ao seu público.

No livro "Elementos do Jornalismo", Bill Kovach e Tom Rosenstiel elaboraram uma lista com nove itens fundamentais para o exercício da profissão:
• A primeira obrigação do jornalismo é a verdade.
• Sua primeira lealdade é para com os cidadãos.
• Sua essência é a disciplina da verificação.
• Seus profissionais devem ser independentes dos acontecimentos e das pessoas sobre as que informam.
• Deve servir como um vigilante independente do poder.
• Deve outorgar um lugar de respeito às críticas públicas e ao compromisso.
• Tem de se esforçar para transformar o importante em algo interessante e oportuno.
• Deve acompanhar as notícias tanto de forma exaustiva como proporcionada.
• Seus profissionais devem ter direito de exercer o que lhes diz a consciência.

Dia 16 de fevereiro é dedicado como Dia do Repórter.
Dia 02 de setembro é o dia do Repórter Fotográfico.
Dia 31 de outubro é o dia do Repórter Policial.
No estado de Mato Grosso do Sul foi estabelecido o dia 31 de outubro como Dia do Repórter Político.

terça-feira, 14 de fevereiro de 2012

Rede Massa de Comunicação

O apresentador Carlos Massa, o Ratinho, está expandido a sua rede de emissoras de televisão, a ‘Rede Massa’. A empresa de comunicação controlada por ele é responsável por afiliadas do SBT no Paraná.

Ratinho está construindo em Ponta Grossa, interior paranaense, mais uma emissora que será afiliada do SBT.

A Rede Massa de Ponta Grossa, no entanto, irá apenas retransmitir a programação de Curitiba. Há planos para produção local ainda em 2012. Com rumores de que venderia a rede para a Record, Ratinho nega a negociação e afirma de há planos para investir em canais, em outros estados.

segunda-feira, 13 de fevereiro de 2012

GRAMÁTICA DE ERROS

por José Augusto Carvalho*

Perguntaram-me uma vez se existe algum livro que ensine a prever e a normatizar a ocorrência de desvios gramaticais. Por razões alheias à minha vontade, só conheço um único livro a respeito: La Grammaire des Fautes, de Henri Frei, publicado em 1971 pela Slatkine Reprints, de Genebra. Um artigo de Milton Azevedo, intitulado “O papel da análise de erros no ensino de idiomas”, publicado no número 779-80, do Suplemento Literário de Minas Gerais, edição de 5 a 12 de setembro de 1981, trata exclusivamente da regularidade dos erros cometidos por falantes de português na aprendizagem do inglês segunda língua, por força da competência transitória na língua estrangeira.

A base de uma gramática de erros está exatamente na analogia, que ocasiona uma certa regularidade na... irregularidade. Quando diz “eu trusse”, por “eu trouxe”, o falante do português se baseia numa quarta proporcional: “fui” está para “foi”, assim como “trusse” (pronúncia popular estigmatizada da forma “trouxe”, da 1ª pessoa do pretérito perfeito do verbo “trazer”) está para... “trôsse” (pronúncia usual de “trouxe”, 3ª pessoa). Também é por analogia com verbos como “digiro/digere”, usado por Fernando Collor em agosto de 2009, num entrevero agressivo com o senador Pedro Simon, que o povo diz “vivo/veve”, na conjugação do verbo “viver” no presente do indicativo. De fato, são muitos os exemplos em que a vogal alta tônica (i,u) de um verbo, na 1ª pessoa, corresponde, na 3ª pessoa, a uma vogal média fechada (ê,ô) no pretérito perfeito e a uma vogal média aberta (é,ó), no presente do indicativo: tive/teve; estive/esteve; pus/pôs; fui/foi; pude/pôde; fiz/fez; sinto/sente, tusso/tosse; firo/fere; sirvo/serve; sigo/segue; etc.

A hipercorreção também pode ser causa da regularidade de um erro. Hipercorreção é o erro proveniente da tentativa de se atingir a norma culta urbana. Daí o nome “hiperurbanismo” por que também é conhecida a hipercorreção. Por ouvir uma pessoa culta pronunciar –lh– onde ele diz –i–, como “trabalha”, que ele pronuncia “trabaia”, um falante pouco escolarizado, acreditando ser “errado” dizer “teia de aranha” ou “pia de cozinha”, poderá dizer “telha de aranha” ou “pilha de cozinha”, ao tentar falar “bonito”.

O difícil, às vezes, é descobrir a analogia que levou à hipercorreção. Um aluno escreveu, num trabalho, que “o rapase era amigo de infância”. Ele queria dizer “rapaz”. Muitas vezes, a hipercorreção resulta numa forma linguística que não existe nem no dialeto culto, nem no dialeto do falante que comete a hipercorreção. Só por acaso descobri a razão desse “rapase”, que certamente não retratava a pronúncia do aluno nem a de ninguém de sua sala. O aluno pronunciava “quase” como “quais” (“Eu estava quais caindo...”). Como ele escreve “quase”, mas pronuncia “quais”, achou que deveria escrever “rapase”, porque pronunciava “rapais”.

Ao dizer “rúbrica” em lugar de “rubrica” (subst.), o falante se baseia no fato de que muitas vezes a forma nominal se distingue da forma verbal apenas pelo fonema de intensidade (tasema), isto é, pela mudança de posição do acento tônico (o nome “tônico” é impróprio, já que não se trata de tom, mas de intensidade), como em: tráfico/trafico; trânsito/transito; mágoa/magoa; crédito/credito; confidência/confidencia; cálculo/calculo; fábrica/fabrica; comércio/comercio; etc. Ao dizer “magérrimo”, por “macérrimo” (superlativo de “magro”) , o falante também comete uma hipercorreção já abonada pelos dicionários (analogia com negro/nigérrimo). O melhor seria dizer “magríssimo” que, além de correto, é menos “esnobe”.

Outro caso interessante a estudar é o da hipercaracterização, isto é, a caracterização do que já está caracterizado. Em “algodoal” ou em “cafezal”, há apenas uma ocorrência (normal) do sufixo al. Mas, em “milharal”, o sufixo se repete: “milhalal” (com dissimilação da lateral l da primeira ocorrência do sufixo). Em “grandessíssimo”, o sufixo “-íssimo” se repete (como em “satisfeitissíssimo”), como a preposição “com” em “comigo” (do latim “cum me cum”). Também é por hipercaracterização que se diz “irei sair”, por exemplo, em lugar de “vou sair”. Como “vou sair” já é futuro, “irei sair” é futuro de futuro!

Acredito que a construção “implicar em”, um erro de regência do verbo “implicar”, que não se constrói com a preposição “em”, se deva a uma tendência dos falantes a repetir na regência a preposição que lembra ou que constitui o prefixo do verbo, como em: desdizer de, contentar-se com, perguntar por, conversar com, desfazer-se de, contar com, assistir a, concordar com, importar em, comparar com, etc. A regência usual de “assistir” sem a preposição a, com o sentido de presenciar, se deve talvez à contaminação com o verbo ver, que é transitivo direto.

No processo de aprendizagem da língua materna, a criança recorre frequentemente à quarta proporcional, na utilização intuitiva de sua gramática interiorizada: “correr” está para “corri”, assim como “fazer” está para... “fazi”, que é forma que a criança diz, apesar de não ouvi-la nem mesmo de um adulto pouco escolarizado, o que levou os linguistas a excluir a simples imitação como forma de aprendizagem da língua materna.
Acho que temos necessidade de uma boa gramática de erros em português...
*José Augusto Carvalho é mestre em linguística pela Unicamp e doutor em letras pela USP.
Fonte: http://www.blogstraquis.blog-se.com.br/

Heleno de Freitas

São João Nepomuceno-MG 12/02/1920
Barbacena-MG 08/11/1959

A cidade de São João Nepomuceno prestou mais uma homenagem ao filho ilustre, Heleno de Freitas. Uma estátua em tamanho real já faz parte da decoração da praça Barão do Rio Branco, no centro da cidade. Heleno nasceu na "cidade garbosa" em 12 de fevereiro de 1920.

Nos anos 40, foi um dos grandes ídolos do Botafogo. São João Nepomuceno também tem um memorial com fotos e arquivos históricos do ídolo. O "craque galã", foi interpretado no cinema pelo ator Rodrigo Santoro. O filme tem previsão de estreia para o semestre de 2012.

Heleno de Freitas morreu em Barbacena em 08 de novembro de 1959 e foi sepultado no cemitério municipal de São João Nepomuceno.

Jair Félix da Silva (Jair Bala)

Jair Bala: intimidade com a bola e a alegria
por Ludymilla Sá*

Conterrâneo de Roberto Carlos e ídolo do América, ele jogou no Botafogo de Garrincha, no Palmeiras de Ademir da Guia, no Cruzeiro de Tostão e Dirceu Lopes, no Santos de Pelé.
O futebol nos proporciona histórias memoráveis, repleta de personagens emblemáticos. Eterno ídolo do América, Jair Félix da Silva, o Jair Bala, é um deles. Carismático, bom papo, é daqueles jogadores que o torcedor jamais esquece. Verdadeiro cigano da bola, atuou no Botafogo de Garrincha, no Palmeiras de Ademir da Guia, no Cruzeiro de Tostão e Dirceu Lopes e no Santos de Pelé. No Coelho, tornou-se unanimidade depois de ser artilheiro do último Campeonato Mineiro disputado integralmente no Independência, em 1964, e da primeira conquista do alviverde no Mineirão, em 1971, invicto.

Em Belo Horizonte, Jair encontrou a estabilidade que lhe faltava. Segundo ele, na vida pessoal e na profissional. Mas antes de fixar residência na capital mineira, esse capixaba de Cachoeiro de Itapemirim, a terra de Roberto Carlos, rodou o Brasil e conheceu diferentes escolas do futebol brasileiro.

Na semana passada, ele visitou as obras do novo Independência, onde se emocionou ao lembrar passagens marcantes da carreira, com o bom humor que exibe constantemente na Bancada da TV Alterosa. A arena em quase nada lembra aquela onde ele conquistou a torcida americana, da qual é um dos maiores ídolos.

Ele contou que desde pequeno quis ser jogador de futebol. Não se via fazendo outra coisa. Queria ser como o pai, Zózimo Félix da Silva, o Batata. “Ele era o maior atacante de Cachoeiro, meu pai era o meu ídolo”, recorda, orgulhoso. Depois de começar no Estrela do Norte local, Jair foi parar na Gávea por mero acaso. “O Flamengo havia sido convidado a participar de um torneio de uma festa tradicional em minha cidade. No jogo, marquei um gol e o técnico deles, o Manuel Fleitas Solich, me convidou para ir para o Flamengo. Quase desmaiei, porque era o meu sonho.”

Jair Bala chegou juvenil ao rubro-negro, sendo promovido em 1962. Mas jamais teve contrato com o clube carioca, cujo time principal defendeu em 12 partidas, marcando dois gols. Ele passou a maior parte do tempo no time aspirante. A chegada do técnico Flávio Costa resultou na transferência de Jair para o Botafogo. “Um dia, ele me chamou no vestiário e disse que me trocaria por um par de chuteiras do Garrincha. Aí, foi a gota d’água. Renato Expedito, dirigente do Botafogo, me perguntou se eu queria jogar lá. Como o pessoal do Flamengo tinha sumido com o meu contrato de gaveta, não pensei duas vezes.”

No alvinegro carioca, em 1963, assinou o primeiro contrato como profissional. Ganhava cerca de Cr$ 4 mil mensais e fazia parte de uma roda de amigos com ninguém menos do que Garrincha, Gérson (também transferido do Flamengo) e Jairzinho. “Não saía de Pau Grande (distrito de Magé), na casa do Garrincha. Lá, a gente tomava uma cachacinha e comia era churrasquinho de gato.”

Segundo Jair, naquele tempo não havia espaço para vaidades. “Nada disso existia, minha filha. Hoje é que jogador é bobo e mascarado. Não joga nada e se acha craque. A nossa convivência era natural, todo mundo se ajudava, Djalma Santos era meu parceiro e Pelé nunca se colocou na posição de rei. Hoje é que ele explora essa imagem, pois vive disso.”

O futebol nos proporciona histórias memoráveis, repleta de personagens emblemáticos. Eterno ídolo do América, Jair Félix da Silva, o Jair Bala, é um deles. Carismático, bom papo, é daqueles jogadores que o torcedor jamais esquece. Verdadeiro cigano da bola, atuou no Botafogo de Garrincha, no Palmeiras de Ademir da Guia, no Cruzeiro de Tostão e Dirceu Lopes e no Santos de Pelé. No Coelho, tornou-se unanimidade depois de ser artilheiro do último Campeonato Mineiro disputado integralmente no Independência, em 1964, e da primeira conquista do alviverde no Mineirão, em 1971, invicto.


Em Belo Horizonte, Jair encontrou a estabilidade que lhe faltava. Segundo ele, na vida pessoal e na profissional. Mas antes de fixar residência na capital mineira, esse capixaba de Cachoeiro do Itapemirim, a terra de Roberto Carlos, rodou o Brasil e conheceu diferentes escolas do futebol brasileiro.

Na semana passada, ele visitou as obras do novo Independência, onde se emocionou ao lembrar passagens marcantes da carreira, com o bom humor que exibe constantemente na Bancada democrática da TV Alterosa. A arena em quase nada lembra aquela onde ele conquistou a torcida americana, da qual é um dos maiores ídolos.

Ele contou que desde pequeno quis ser jogador de futebol. Não se via fazendo outra coisa. Queria ser como o pai, Zózimo Félix da Silva, o Batata. “Ele era o maior atacante de Cachoeiro, meu pai era o meu ídolo”, recorda, orgulhoso. Depois de começar no Estrela do Norte local, Jair foi parar na Gávea por mero acaso. “O Flamengo havia sido convidado a participar de um torneio de uma festa tradicional em minha cidade. No jogo, marquei um gol e o técnico deles, o Manuel Fleitas Solich, me convidou para ir para o Flamengo. Quase desmaiei, porque era o meu sonho.”

Jair Bala chegou juvenil ao rubro-negro, sendo promovido em 1962. Mas jamais teve contrato com o clube carioca, cujo time principal defendeu em 12 partidas, marcando dois gols. Ele passou a maior parte do tempo no time aspirante. A chegada do técnico Flávio Costa resultou na transferência de Jair para o Botafogo. “Um dia, ele me chamou no vestiário e disse que me trocaria por um par de chuteiras do Garrincha. Aí, foi a gota d’água. Renato Expedito, dirigente do Botafogo, me perguntou se eu queria jogar lá. Como o pessoal do Flamengo tinha sumido com o meu contrato de gaveta, não pensei duas vezes.”

No alvinegro carioca, em 1963, assinou o primeiro contrato como profissional. Ganhava cerca de Cr$ 4 mil mensais e fazia parte de uma roda de amigos com ninguém menos do que Garrincha, Gérson (também transferido do Fla) e Jairzinho. “Não saía de Pau Grande (distrito de Magé), na casa do Garrincha. Lá, a gente tomava uma cachacinha e comia era churrasquinho de gato.”

Segundo Jair, naquele tempo não havia espaço para vaidades. “Nada disso existia, minha filha. Hoje é que jogador é bobo e mascarado. Não joga nada e se acha craque. A nossa convivência era natural, todo mundo se ajudava, Djalma Santos era meu parceiro e Pelé nunca se colocou na posição de rei. Hoje é que ele explora essa imagem, pois vive disso.”
*Ludymilla Sá é Jornalista
Fonte: http://www.uai.com.br/

CONSIDERAÇÕES:
No milésimo gol de Pelé, marcadoo contra o Vasco no Maracanã, na segunda etapa Jair Bala o substituiu.

Literatura

domingo, 12 de fevereiro de 2012

Futebol Mineiro

Cruzeiro 3 x 0 Tupi
Como é comum no futebol mineiro, quando um time do interior enfrenta os “grandes” de Belo Horizonte, o Tupi foi prejudicado pela arbitragem e perdeu para o Cruzeiro na tarde deste domingo, 12/02, em Sete Lagoas, por 3 a 0, pela terceira rodada do Campeonato Mineiro. Com o resultado, o Tupi continua sem marcar pontos no torneio e na penúltima colocação. O próximo compromisso dos Carijós é no dia 25/02, contra o Uberaba, em Juiz de Fora.

Com três alterações em relação ao último jogo, derrota para o Nacional/Nova Serrana (Fabrício Soares na zaga, Henrique na lateral-esquerda e George no meio de campo), o Tupi levou gol logo aos três minutos, em bola parada: Roger cruzou e Wellington Paulista completou para as redes. Poderia ter ficado pior aos 13, mas Rodrigo saiu aos pés de Roger e evitou o segundo gol cruzeirense. O goleiro Carijó voltou a trabalhar aos 24 e 36 minutos, em jogadas aéreas. O Galo teve dois bons momentos: aos 15, numa boa tabela entre Michel Cury e Henrique, interceptada pela zaga e num chute de fora da área de George, defendido por Fábio.

No segundo tempo, o Tupi voltou melhor e poderia ter empatado aos 8 minutos, mas o goleiro cruzeirense fez dois milagres num mesmo lance: defendeu um forte chute de Michel Cury e, no rebote, após a bola bater na trave, abafou o complemento de Henrique. E o Galo poderia ter uma melhor sorte no jogo, se o árbitro Adriano Alves de Oliveira tivesse marcado um dos dois pênaltis que teve a seu favor. No primeiro lance, Léo Salino foi derrubado por Victorino e depois Henrique foi calçado por Léo.

- Tupi: Rodrigo, Flávio (Carlão), Wesley Ladeira, Fabrício Soares e Henrique; George, Jailton (Ulisses), Leo Salino (Paulinho) e Michel Cury; Ademilson e Allan. Técnico: Moacir Júnior.
- Cruzeiro: Fábio, Marcos, Léo, Victorino e Diego Renan; Leandro Guerreiro, Marcelo Oliveira (Rudnei), Roger e Montillo; Wellington Paulista (Walter) e Anselmo Ramon (Wallysson). Técnico Wagner Mancini
- Árbitro: Adriano Alves de Oliveira, auxiliado por Marcus Vinicius Gomes e Mauro Antônio Ferreira Santos.
-Cartões amarelos: Michel Cury, Henrique, Wesley Ladeira (Tupi) Roger e Montillo (Cruzeiro).

Outros resultados:
Atlético 2 x 0 Caldense, Boa Esporte  0 x 0 Guarani, Villa Nova 2 x 1 América/TO e Uberaba 5 x 0 Democrata-GV.
Fonte: http://www.tupijf.com.br/

Jânio Joaquim

Santista de coração, ele se orgulhava de ter tido a chance de jogar contra seu ídolo Pelé. Jânio deixou a Caldense pela última vez em julho de 2010.

Caldense
– Foi na Caldense, em 1973, que Jânio se tornou jogador de futebol profissional. Como atleta,ele atuou 312 vezes pela Veterana e marcou cerca de 20 gols. Sempre atuou como zagueiro central. Seu primeiro contrato com o time de Poços de Caldas foi assinado na gestão de Sebastião Navarro, sendo indicado para o clube de Poços por Geraldo Martins Costa, pai de sua esposa Luiza Martins. Jânio ficou 10 anos na Caldense e conquistou títulos, como o da Taça Santos Dumont, foi duas vezes campeão do interior, sob o comando de Carlos Alberto Silva, e conquistou um terceiro lugar em quadrangular disputado com equipes do porte de Cruzeiro, América e Atlético.

Já no início dos anos 1980, a base da Caldense era: Gilberto Voador; Edinho, Jânio, Moacir e Paulo Roberto (hoje diretor da Caldense); Armando, Alfredinho e Alferdo (ex-Guarani, Coritiba-PR e Santa Cruz-PE); Edinho Paulista, Casagrande (Walter Casagrande Junior) e Cafuringa (que não é o que jogou no Fluminense e Atlético Mineiro). Carlos Alberto Silva, Mirim, Airton Doigo e Juquita foram alguns dos treinadores de Jânio na Caldense.

Indaiatuba
- Em 1982, junto com Edinho e Paulo Roberto, Jânio esteve disputando a Divisão Intermediária de São Paulo pelo Primavera de Indaiatuba, quase conquistando o acesso para o Paulistão. O Primavera, orientado por Adailton Ladeira e a base era: Gladstone; Edinho, Jânio, Hércules e Paulo Roberto; Ercides, Julio César e Lincon; Ivan, Djando e Adval.

Parceiros
– Jânio jogou numa época de ouro da Caldense. Atuou ao lado de Paulo Roberto, Casagrande, entre outros nomes que marcaram época com a camisa da Veterana. Teve a oportunidade de atuar em partidas históricas, como o primeiro jogo internacional da Caldense contra o Deportivo Bata da Bolívia. Participou do jogo inaugural do estádio Dr. Ronaldo Junqueira contra o Corinthians e ainda fez parte do elenco que disputou os dois campeonatos brasileiros que o time de Poços participou. Ele sempre dizia que o jogo que mais o marcou foi com o Internacional de Porto Alegre em Poços de Caldas. O time do sul do país foi campeão invicto naquela competição e empatou com a Caldense em 0×0. O Internacional tinha nomes como Falcão, Batista, Escurinho, Mauro Galvão, entre outros.

Outro jogo memorável em que Jânio atuou com as cores da Caldense foi contra o Flamengo do Rio na inauguração do estádio Francisco Leite Vilela, do América de Alfenas. A Caldense venceu por 1×0. Como atleta, Jânio atuou 312 vezes pela Caldense, marcando cerca de 20 gols.

Fora dos campos
– Quando abandonou os gramados, Jânio não se afastou do futebol. Construiu uma carreira como dirigente de futebol em vários clubes do interior mineiro e paulista. Em 1994, assumiu a Caldense pela primeira vez, aceitando convite do então presidente Laércio Martins. A passagem foi curta, durou apenas um ano. Em 2002, a volta definitiva. Jânio fez parte do grupo da Caldense que conquistou o Campeonato Mineiro do interior daquele ano, até hoje o principal da Veterana. No mesmo ano, foi vice-campeão do Supercampeonato Mineiro, vice da fase classificatória da Copa Sul Minas, tendo Walter Ferreira como treinador. Em 2004 foi campeão do interior de Minas e foi vice do Módulo II do estadual de 2009.

Torcedor
– Depois do afastamento, Jânio adotou a postura de torcedor, mas se afastou completamente do dia-a-dia do clube. Seu filho, Alex Joaquim, hoje é um dos homens fortes da diretoria do clube.

Jânio Joaquim morreu em São Paulo-SP, no dia 15 de abril de 2011 e foi sepultado em Poços de Caldas.

Futebol Mineiro

Módulo 1
Atlético 2 x 0 Caldense
Boa Varginha 0 x 0 Guarani

Módulo 2
Poços de Caldas 0 x 0 Tricordiano

Módulo 3
A Ituiutabana, presidida pelo Locutor Esportivo Odeemes Braz dos Santos está de volta ao futebol profissional. Fundada em 17 de julho de 1933 e proprietária do estádio Coleto de Paula, que tem capacidade para cinco mil torcedores, a Associação Esportiva Ituiutabana vai disputar a terceira divisão do futebol mineiro, com previsão de início para o segundo semestre. Com a mudança do Ituiutaba para Varginha, a principal cidade do pontal do triãngulo ficou sem representante no futebol profissional.

Ituiutaba prepara volta ao futebol profissional
por Maurício Rocha*

O início da obra de construção do Estádio Municipal em Ituiutaba despertou a ansiedade dos torcedores e dirigentes para que a região volte a ter um clube profissional em atividade.

A prefeitura de Ituiutaba entregou à Caixa Econômica Federal os projetos hidráulico, elétrico e de cobertura das arquibancadas, aguardando para o mês de março a autorização para a abertura do processo de licitação.

Enquanto isso, a movimentação junto à Federação Mineira de Futebol é intensa, principalmente por conta dos dirigentes da Associação Esportiva Ituiutabana (Véia), que já recebeu o aval por parte da entidade maior do futebol mineiro para iniciar suas atividades.

Para isso, os dirigentes se reuniram com o prefeito de Ituiutaba, Luiz Pedro, tendo a presença do ex-jogador e hoje dirigente, Gilson Batata, um dos responsáveis direto pela ascendência do Ituiutaba Esporte à elite do futebol.

O prefeito Luiz Pedro afirmou que a volta da Ituiutabana e em especial do futebol profissional aos campos de Ituiutabana representa muito e que a prefeitura será parceira nesse projeto, considerado um desafio perante a torcida de Ituiutaba. “Estamos construindo o Estádio Municipal e no ano que vem o time profissional que estiver representando nossa cidade terá um estádio à altura, com capacidade para 18 mil torcedores. É isso que queremos para o futuro da nossa cidade”, disse.

De acordo com o prefeito, a Ituiutabana já teve protocolado o seu pedido de apoio junto à Secretaria Municipal de Fazenda e aguarda a volta dos vereadores às reuniões da Câmara para que seja encaminhado ao Legislativo o projeto de parceria, mas acredita que a Câmara e seus representantes não serão contrários á volta do futebol profissional.

O presidente da Ituiutabana, Odeemes Bráz, deixou a reunião satisfeito e disse que estará se reunindo com Gilson Batata, avaliando a estrutura que o clube possui, para que em breve seja apresentada à população a nova equipe. “Já fechamos o acordo com a empresa de material esportivo e já acertamos tudo com a Federação Mineira. Agora estamos em negociação com Gilson Batata e em seguida vamos iniciar os trabalhos para que, no segundo semestre, a equipe dispute o Campeonato Mineiro da Terceira Divisão. “*Mauricio Rocha é Assessor de Imprensa do clube

Estádio Independência

Jogo de reabertura

Não existe mais a possibilidade de a Seleção Brasileira, principal ou mesmo a olímpica, fazer o jogo de reinauguração do Independência e como um clássico está praticamente descartado para a reabertura, a partida do América-MG contra o Boa Varginha, no dia 18 de março, deve ser o jogo da reabertura do estádio Independência.

sábado, 11 de fevereiro de 2012

Histórias do Rei Roberto Carlos

por Bueno*

Nunca ouvi alguém falar algo que desabonasse a trajetória de Roberto Carlos, a não ser o fato dele não ter se engajado na turma de esquerda no tempo da ditadura – ele nem gosta de tocar no assunto. Quando é abordado, simplesmente responde que Deus lhe deu esse dom, o de cantar, levar mensagens em forma de música por todo nosso país.

Foi o que ele fez, passou pelo período de repressão compondo, escrevendo letras lindas, cantando e não se metendo em encrencas e, por isso, recebeu muitas críticas da classe artística. Roberto seguiu sua vida como se estivesse seguindo um roteiro dirigido por Deus.

Caetano Veloso era um dos que o criticavam e, ironicamente, foi o cara que recebeu uma das maiores homenagens que alguém pode receber. E ela veio de Roberto Carlos, na bela canção Debaixo dos caracóis dos seus cabelos.Escrever versos é meio que difícil, muitos tÊm certa facilidade... agora, escrever versos e compor uma música em cima é uma coisa que considero meio que angelical, um sopro dos céus... Compor uma música é um momento sublime, às vezes ela chega sem que a gente possa perceber e de repente nos invade, já sai pronta. Aconteceu varias vezes comigo e uma delas foi quando compus Natal de verdade, a pedido de Wilson Toni e José Fernando Chiavenato, compondo-a em menos de cinco minutos.

Letra e música nasceram juntas e o meu filho Lucas Bueno fez um arranjo lindo, coisa de gente grande, eu nem acreditava no que estava acontecendo. Quando vi, a canção já estava pronta, mas só tive a certeza de que ela era bonita quando meu neto, na época com dois aninhos, a ouviu sob meu olhar.

Ele estava de cabeça baixa e quando se virou, lágrimas escorriam pelo rostinho. Naquele momento senti que tinha recebido um presente vindo dos céus. Portanto, tenha certeza, se um dia você receber uma música de presente, saiba que fez parte de um momento raro da vida de um compositor, saiba que estará recebendo algo que não tem preço, algo que não se compra e que participou de um momento de extrema graça de um compositor que teve a felicidade de ser escolhido.

Veja você, na época da repressão, Caetano foi curtir férias forçadas em Londres, uma cidade cinzenta, fria pra caramba, gente estranha por todo lado...Isso para um baiano acostumado a viver num país tropical, criado sob o sol da Bahia e vivendo no Rio de Janeiro. O estilo europeu era quase a morte. E lá, hibernado na maior solidão, recebeu a visita de Roberto Carlos, que passou a mão num violão e lhe disse: “Caetano, fiz essa música pra você”. E soltou o gogó: ”Um dia a areia branca, seus pés irão tocar, e vai molhar seus cabelos, a água azul do mar, janelas e portas vão se abrir, pra ver você chegar, e ao se sentir em casa, sorrindo vai chorar... debaixo dos caracóis dos seus cabelos, há uma história pra contar, de um mundo tão distante... debaixo dos caracóis...”

Antes que o Rei acabasse de cantar a música, Caetano já estava em prantos e, num forte e demorado abraço. os dois choraram muito. A partir daquele momento foi passada uma borracha em todo o passado.

Alguns anos depois, com a democracia restabelecida no Brasil, Caetano e Roberto se cruzaram em um corredor da TV Globo e o baiano, olhando a cabeleira do Rei, disse: “Pô, Roberto, o tempo passa e você não envelhece, hein, amigo?”. E no papo Roberto lhe pediu uma música para gravar. Caetano não demorou nem uma semana e mandou para o Rei a maravilhosa Força estranha, que no ultimo verso contém uma frase inspirada no encontro com Roberto...”Eu vi muitos cabelos brancos, na fronte do artista, o tempo não para e, no entanto, ele nunca envelhece...”

Eu adoro cantar essa música e o Roberto a cantou em todos os shows dele que fui até hoje. Contou-me meu amigo Wanderley, pianista do Rei, que no camarim ele a canta várias vezes antes de subir ao palco, servindo de parâmetro para que teste a afinação de sua voz, já que ela começa em tom grave, mas quando entra na segunda parte, tem que soltar o gogó, amigo, tem que se buscar “lá no quinto andar”, mas é sempre muito gratificante poder cantá-la.

*Bueno é cantor e compositor
Fonte: http://www.tribunaribeirao.com.br/

Futilidades

Brahma seria a esposa, porque é a número 1.
Skol seria a amante, porque é a mais gostosa.
Kaiser seria a filha, porque só da dor de cabeça.
Bavaria seria a sogra, porque não desce de jeito nenhum.
Schincariol seria o cunhado, porque ninguém gosta, mas todo mundo leva pro churrasco.
Itaipava seria a puta, porque todo mundo gosta mas ninguém assume.
Heineken seria o primo rico, porque todo mundo se acha importante quando está com ele na mesa.
Bohemia seria a avó, porque as pessoas acham doce mas depois reclamam.
Antarctica seria a tia baranga, porque já foi boa. Fonte: http://www.buenocantor.blogspot.com/
Se CERVEJA fosse gente da família...

Arena do Calçado

Responsável pelo adiamento da estreia do Cruzeiro no Campeonato Mineiro e pela ‘folga’ forçada de 18 dias do América-MG na competição, o Estádio Senador Zezé Perrella, em Nova Serrana, foi vetado pelo Ministério Público do Estado de Minas Gerais. Dessa forma, a partida que inauguraria a "Arena do Calçado", entre Nacional e Cruzeiro poderá ser realizada em outro local.

Em nota oficial expedida pelo promotor de Justiça Edson Antenor Lima Paula, encaminhada à Federação Mineira de Futebol, a "Arena" está impedida de receber jogos. Um prazo de cinco dias foi concedido à administração do estádio para sanar as irregularidades, permitindo assim a realização de eventos esportivos.

A justificativa do promotor Edson Lima é a existência de irregularidades como a necessidade de instalação de extintores de incêndio, a manutenção de extintores e hidrantes, além de construção de abrigo para reservatório de incêndio e casa de bomba.

Apesar dessas irregularidades, o estádio havia sido aprovado, sem restrições, pela Polícia Militar de Minas Gerais, Vigilância Sanitária e Corpo de Bombeiro Militar de Minas Gerais. "No entanto, analisando o laudo (do Corpo de Bombeiros) foi verificado que o estádio se encontra aprovado, com restrições, em razão de irregularidades apontadas pelas autoridades competentes", observou a nota do Ministério Público.

O prefeito de Nova Serrana, Paulo César de Freitas informou, em nota publicada no site oficial da administração municipal, que as correções exigidas serão cumpridas no prazo estipulado e garantiu que tudo estará pronto para uma nova vistoria, que será realizada nos próximos dias. A prefeitura não trabalha com a possibilidade de o jogo com o Cruzeiro não ser realizado na cidade.
Além do jogo entre o Nacional de Nova Serrana e o seu parceiro Cruzeiro, que seria realizado inicialmente em 29 de janeiro e passou para a próxima quinta-feira, 16 de fevereiro, outro jogo foi adiado em função do estádio não ter ficado pronto: Nacional e América, que jogariam no domingo, 12/02, foi remarcado para a quarta-feira de cinzas, dia 22/02.

Literatura

"Os arquivos das Olimpíadas"
O livro "Os Arquivos da Olimpíadas" é uma das obras mais completas escritas sobre o tema e chega às vésperas de mais uma Olimpíada, a de Londres 2012. Escrito por Maurício Cardoso e com 752 páginas, o livro traz uma lista completa de todos os ganhadores de medalhas, em todas as provas, desde 1986, dá os resultados de todos os brasileiros que participaram das competições. É uma obra de consulta para ser usada sempre.

Museu Casa de Santos Dumont

A Encantada
Sempre que vinha ao Brasil, Alberto Santos Dumont gostava de passar alguns dias na Cidade Imperial. Hospedava-se no Palace Hotel (hoje prédio da Universidade Católica de Petrópolis, campus Barão do Amazonas). Em frente havia um terreno íngreme e acidentado, localizado na Rua do Encanto, que ele resolveu adquirir, onde construiu o chalé em estilo alpino francês, que denominou “A Encantada”.

A casa, construída em 1918, tornou-se o seu refúgio. Cercado por bambus e flores, refletia a genialidade de seu idealizador. É composta por uma única peça - nela não há paredes internas e as divisões são feitas por meio de um girau. O primeiro andar era destinado à câmara escura e pequena oficina. O segundo andar ficou sendo a sala de estar, de jantar e biblioteca e no terceiro andar, no girau, um banheiro e dormitório.

Santos Dumont encomendava as suas refeições no Palace Hotel, pois a casa não possuía cozinha.

Do lado de fora da casa foi construído um observatório astronômico, instalado sobre a cobertura de folhas de flandres. Apesar do pequeno espaço, a casa tornou-se ampla e confortável, o que chama a atenção do visitante. Possui acervo que reúne livros, cartas e objetos de uso pessoal de Santos Dumont.

Em 1936, quatro anos após a sua morte, a família doou a casa ao município, com o objetivo de que ela perpetuasse a memória do ilustre brasileiro, "O PAI DA AVIAÇÃO".

O Museu é administrado pela Fundação de Cultura e Turismo de Petrópolis.

Endereço: Rua do Encanto, 22 – Centro
Telefone: (24) 2247-3158
Telefax: (24) 2246-9380
Visitação: Terça a domingo de 9h30min às 17 h. Visita guiada.
Fonte: http://www.petropolisnews.com.br/

quarta-feira, 8 de fevereiro de 2012

Futebol

Moacir Júnior
O novo técnico do Tupi, Moacir Júnior, destacou hoje (quarta-feira, 08/02) pela manhã, durante sua apresentação oficial, a identidade entre ele e o Clube. “Estive aqui há quatro anos, uma passagem muito feliz, e já existia essa identidade, que nunca diminuiu. Meu retorno era inevitável. Estou de volta e em menos de 24 horas na cidade percebi o quanto gosto do Tupi, da sua torcida, dos funcionários e também do quanto sou querido”, disse. Também por conta desse carinho, ele fica não só para prosseguimento do Campeonato Mineiro, para a Série C do Campeonato Brasileiro. “Minha proposta de contrato é uma multa rescisória enorme para mim e pequena para o clube. Isso mostra o que pretendo em Juiz de Fora”.

O treinador afirmou na apresentação aos jornalistas, sem declinar nomes, de que vaiu propor aos dirigentes três novos reforços, uma para zaga, um para o meio e outro para o ataque.
A estreia de novo treinador acontece no domingo, 05/02, contra o Cruzeiro, em Sete Lagoas.

Assis
Exames realizados no CT do Tupi constataram que o volante Assis tem uma hérnia de disco lombar (problema que afeta a coluna e causa dor). Com isso, o atleta ficará afastado dos treinamentos, e do time, por no mínimo, 30 dias. Assis começou nesta quarta-feira, 08/02, o tratamento, que consiste principalmente numa rotina de exercícios de alongamento e fortalecimento musculares para a região lombar e sessões de fisioterapia para a melhora da dor e do condicionamento muscular.



Carciano
A partida do Villa Nova no próximo domingo contra o América-TO, às 17h, no estádio Castor Cifuentes, será especial para um atleta: o zagueiro e capitão da equipwe, Carciano, que volta ao time após cumprir suspensão automática, e completará 100 jogos com a camisa do Villa. O jogador está em sua quarta passagem pelo Leão do Bonfim, sendo que a primeira delas aconteceu em 2006.

Baiano de Salvador, nascido em 13 de maio de 1981, o zagueiro começou a carreira nas categorias de base do Democrata, de Sete Lagoas, cidade em que reside até hoje com a família. Além do Jacaré, pelo qual conquistou o Torneio Início do Campeonato Mineiro de 2006, atuando como lateral-direito, Carciano defendeu em Minas Uberaba, Rio Branco, Caldense, Boa Esporte e Ideal, também de Sete Lagoas.

No Espírito Santo, o jogador esteve no Santa Maria e no Serra. Fora do Brasil, Carciano disputou pelo Belenenses o Campeonato Português da Primeira Divisão, na temporada 2008/2009.

Estatística
2006 – 17 Jogos e 03 Gols
2007 – 35 Jogos e 05 Gols
2008 – 11 Jogos e 00 Gol
2009 – 10 Jogos e 01 Gol
2010 – 12 Jogos e 04 Gols
2011 – 12 Jogos e 02 Gols
2012 – 02 Jogos e 00 Gol.

Rádio Gaúcha

Fundada em 08 de fevereiro de 1927, a Rádio Gaúcha AM 600 está completando hoje 85 anos de trabalhos ininterruptos em Porto Alegre. Comandada pelo Grupo RBS, a emissora está entre as principais e mais tradicionais estações de rádio do país. A estação também detém uma rede nacional de rádios, uma repetidora em FM, além de consideráveis índices de audiência nas faixas AM e FM.

No ar desde 1927 a Gaúcha ocupa hoje um canal de rádio AM considerado “internacional”, devido a posição de Porto Alegre na América do Sul e também pela potência da 600 AM (100 kw nos períodos diurno e noturno), com boa propagação de sinal entre os estados do Rio Grande do Sul, Santa Catarina, Paraná, São Paulo, Mato Grosso do Sul, entre outros. A rádio também é captada com facilidade no Uruguai e no eixo mais populoso da Argentina. Engrossam a cobertura atual da Gaúcha a 93.7 FM de Porto Alegre (no ar desde maio de 2008) e a rede Gaúcha Sat.

Os inícios dos trabalhos da Rádio Gaúcha ocorreram no canal 680 AM, estação de grande alcance no Rio Grande do Sul, porém inferior aos 600 AM utilizados atualmente. O canal 600 surgiu com a Farroupilha AM, na época que a rádio era controlada pelo Grupo Diário Associados, de Assis Chateaubriand. A troca de canais entre Farroupilha e Gaúcha ocorreu com o fim da Rede Tupi (TV) do grupo de Chateaubriand (início da década de 1980). Com a mudança a Gaúcha passou a utilizar um canal de cobertura interestadual e com presença em outros países, enquanto a Farroupilha (hoje controlada pela RBS) ficou mais restrita ao estado gaúcho.
Fonte: http://www.tudoradio.com/

Comunicação

Foi anunciado na última terça-feira, 07/02, aos colaboradores da TV Panorama que o grupo Integração passou a ser o controlador único da emissora com sede em Juiz de Fora. O grupo Integração que agora, além da TV Panorama, é composto por três emissoras de TV em Minas, quatro emissoras de rádio, empresas de mídia externa, pelo site Megaminas.com, uma operadora de TV a cabo, jornais impressos, pela produtora de filmes publicitários Imaginare e um hotel, anunciou através do superintendente Rogério Nery de Siqueira Silva, que mantém o foco na valorização da cultura local e na valorização de uma programação de qualidade.

Para este ano já estão previstos o lançamento da TV Digital em Juiz de Fora, novidades na grade de programação e a mudança da marca para TV Integração. Em TV aberta, o grupo atua em 223 cidades de Minas, atingindo mais de cinco milhões de habitantes em regiões responsáveis por 30% do Produto Interno Bruto (PIB) mineiro.

CONSIDERAÇÃOES:
O Grupo Panorama foi até recentemente, o grupo de comunicação mais forte e importante de nossa região. Composto de uma TV, uma Rádio FM, um Jornal, um portal de Internet e uma produtora de shows, aos poucos o grupo, mesmo com grande apelo comercial e liderança em audiência foi definhando. Hoje, pelo expostro acima, nem a marca Panorama vai perdurar. É o preço de pessoas inabilitadas em lugares estratégicos, aventureiros, sem compromisso com a comunicação. Juiz de Fora que já foi a mais importante cidade do estado depois da capital, passa a ter uma tv com sede em Uberlãndia. Com todo respeito que a mais importante cidade do Triãngulo merece, mas foi, é, e será um retrocesso para Juiz de Fora. O que nos causa um certo conforto é que nos parece que o novo controlador é do meio, é radiodifusor, e não aventureiros e inconsequentes.

Wando (02/10/45-08/02/12)

Cantor Wando morre em Nova Lima-MG
O músico sofreu uma parada cardíaca nesta quarta-feira, 08/02, no Hospital Biocor, onde estava internado há cerca de duas semanas
A notícia surpreendeu fãs e familiares porque o artista vinha se recuperando bem de um infarto que sofreu no dia 27 de janeiro.

O músico sofreu uma parada cardíaca nesta quarta-feira. Mesmo com o quadro clínico em estável, os médicos mantinham o alerta sobre o estado grave do cantor. No último domingo, como sinal de recuperação ele divulgou um bilhete para os fãs e familiares.

Natural de Cajuri, na Zona da Mata, Vanderley Alves dos Reis, de 66 anos, era pai de quatro filhos e tinha oito netos. Morava no Bairro Buritis, na Região Oeste de Belo Horizonte. O apelido, Wando, foi dado carinhosamente pela avó. Começou a carreira em 1969 e o sucesso veio em 1973 com a música mais conhecida, "Fogo e Paixão".