quinta-feira, 30 de junho de 2011

Silvio Luiz

De volta ao rádio após 03 anos: Silvio Luiz é contratado pela Transamérica de SP
O narrador da Rede TV! Silvio Luiz está de volta ao rádio, meio em que esteve afastado desde novembro de 2007, quando foi demitido da Bandeirantes. Neste novo emprego, o criador dos bordões “olho no lance” e “pelas barbas do profeta” será comentarista do programa Papo de Craque, da Transamérica, de São Paulo.

Sobre a volta ao rádio, Silvio Luiz mostrou-se confiante e agradeceu a Transamérica pela contratação. “Estou muito satisfeito”, comemorou o profissional, que dividirá o novo trabalho com as participações nas atrações esportivas da Rede TV!.

A atração que passou a contar com Silvio Luiz a partir da edição desta quinta-feira (30/6), já conta com outras figuras conhecidas do jornalismo esportivo, como Neto, Paulo Roberto Martins e Oscar Roberto Godoi. A direção da equipe fica por conta do narrador Éder Luiz.

O Jornalista e o diploma

60% com e 40% sem
De cada dez jornalistas registrados no Ministério do Trabalho e Emprego (MTE), quatro são profissionais sem graduação específica na área. É o que revelam os dados analisados entre entre 01º julho de 2010 e 29 de junho de 2011 pelo MTE, após a formalização das normas para os registros de jornalistas com e sem graduação na área.

Neste período foram concedidos 11.877 registros, sendo, 113 entregues mediante a apresentação do diploma de Ensino Superior e 40%, ou melhor, 4.764 por meio da Decisão/STF, a partir da ordem do Supremo Tribunal Federal, que em junho de 2009 extinguiu a obrigatoriedade da graduação específica em jornalismo para o exercício da profissão.

Não diplomados é recorde em SPO Ministério do Trabalho também aponta que o estado de São Paulo registrou mais jornalistas sem diploma do os graduados na área. Dos 5.506 registros, 2.853 foram concedidos a profissionais não diplomados, contra 2.653 a jornalistas graduados na área.

A dança dos treinadores

Renato Gaúcho deixa o Grêmio e Cuca vai assumir o time gaúcho.

Copa de 2014

Fifa só definirá sedes da Copa-2014 em outubro
A Fifa anunciou nesta quinta-feira, 30/06, que só definirá as sedes e o calendário da Copa de 2014 em outubro deste ano. A entidade chegou a cogitar antecipar o anúncio para 30 de julho, quando serão sorteados no Rio os grupos das Eliminatórias para o Mundial. Mas o calendário teria que ser aprovado pelo Comitê Executivo da Fifa, que só voltará a se reunir nos dias 20 e 21 de outubro. Com isso, o Comitê Organizador da Copa se reunirá um pouco antes para definir o calendário e submetê-lo ao Comitê Executivo.

A decisão desencadeou uma série de boatos de que o atraso das obras de alguns estádios e obras de infraestrutura de algumas das 12 cidades-sede estaria dificultando a confecção do calendário da Copa. O maior exemplo é o Itaquerão, cujas obras começaram no fim de maio. O estádio do Corinthians está praticamente fora da Copa das Confederações e ainda corre o risco de perder o direito de receber a abertura do evento.

Deixar a decisão para outubro também pode ser uma forma de pressionar o Governo Federal brasileiro depois da retirada dos "superpoderes" da Fifa para modificar os projetos da Copa. A Câmara dos Deputados aprovou, na noite desta terça-feira, a Medida Provisória 527-11, que cria o Regime Diferenciado de Contratações, um conjunto de regras a que serão submetidas as licitações de obras e serviços ligados à Copa do Mundo de 2014 e as Olimpíadas de 2016. O texto principal da MP já havia sido aprovado há 15 dias, restando apenas os destaques apresentados pela oposição a serem votados.

A principal mudança foi a retirada do polêmico parágrafo único do artigo 39. Por ele, o governo da presidente Dilma Rousseff transferia poder à Fifa e a seu agente no Brasil, Ricardo Teixeira, presidente do comitê organizador da Copa e da CBF, para alterar projetos e refazer preços de obras contratadas.
A Fifa sustenta que nunca disse oficialmente que anunciaria o calendário durante o sorteio das Eliminatórias. Fontes da entidade confirmam que houve um desejo de antecipar o anúncio, mas não haveria tempo hábil para reunir o Comitê Executivo a tempo de ratificar a decisão antes de 30 de julho.

No sorteio das Eliminatórias da Copa de 2010, porém, já se conheciam as sedes e o calendário de jogos na África do Sul. Segundo a assessoria da Fifa, isso só foi possível porque as chaves foram sorteadas no fim de novembro de 2007, depois da reunião do Comitê Executivo, que pôde ratificar as decisões do Comitê Organizador antes da cerimônia.

Série D

O Gurupi de Tocantins, adversário do Tupi na Série D, desistiu da competição. O presidente do clube , Wilson Castilho, confirmou oficialmente a desistência do time em participar do Nacional. De acordo com ele, como não houve o manifesto por parte do governo do Estado em ajudar o clube, a direção, após várias reuniões, achou por bem desistir de disputar a competição.

Com a desistência do Gurupi, o vice-presidente do Tocantinópolis, Salim Milhomem, disse que vai se reunir com sua diretoria para definir a participação do time no Brasileiro da Série D. Segundo ele, apesar de faltar menos de 20 dias para estreia no Brasileiro, acredita que dará tempo de montar um bom time. A equipe herdou a vaga em razão de ter sido a terceira colocada no Tocantinense de 201.

Com a desistência do Gurupi, o Araguaína ficaria com a vaga, mas como irá disputar a Série C, o Tocantinópolis fica com a vaga. Caso o Tocantinópolis não reúna condições para a competição, o Interporto ficaria com a vaga.

 
Pela tabela original, o Tupi enfrenta o Gurupi nos dias 23 de julho (em Juiz de Fora) e 11 de setembro (em Gurupi).

Maior ponte do mundo


Qingdao/Huangdao
A China inaugurou nesta quinta-feira, 30/06, a mais longa ponte sobre o mar do mundo, com 36,48 quilômetros, na cidade litorânea de Qingdao.

A estrutura, que teve investimento de US$ 2,3 bilhões e levou quatro anos para ser construída, liga o centro da cidade ao subúrbio de Huangdao, nos dois lados da baía de Jiazhou.
Com a ponte, a distância entre os dois pontos de um dos principais portos da China poderá ser percorrida com redução de 20 a 40 minutos.
A nova ponte supera a da baía de Hangzhou, também no leste da China e que com 36 quilômetros era considerada a mais longa do mundo até hoje.

Transporte Ferroviário de Passageiros

ALERJ - Assembléia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro
A Comissão de Turismo da ALERJ (Assembléia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro), presidida pela Deputada Myrian Rios, promoveu em 14/06 uma audiência pública para debater o turismo cultural ferroviário no Estado do Rio. Com a presença do Subsecretário Estadual de Turismo, Audir Santana, e dos descendentes de Visconde de Mauá, o evento abordou a situação atual do setor, as perspectivas para os próximos anos, além dos projetos de reativação das estradas de ferro Grão Pará e Barão de Mauá. "As ferrovias são um patrimônio de grande importância para a história do nosso Estado e, por isso, estou trabalhando para revitalizá-las, buscando mecanismos para atrair investimentos", afirmou a Deputada.
Como resultado da audiência, a comissão defenderá a criação de uma Frente Parlamentar de apoio aos ferroviários, inclusão no orçamento do Governo do Estado de emendas para destinação de recursos para as ferrovias e a realização de uma audiência pública com os Secretários de Turismo dos municípios envolvidos para desenvolver um programa de recuperação dos trens turísticos.

Frente Parlamentar
A criação de uma Frente Parlamentar de Apoio aos Ferroviários foi uma das sugestões apresentadas pela presidente da Comissão de Turismo da Assembleia Legislativa do Rio (Alerj), deputada Myrian Rios (PDT), para auxiliar o setor.
Segundo o presidente da Associação Fluminense de Preservação Ferroviária (AFPF), Antonio Pastori, R$ 73 milhões serão necessários para realizar o projeto que aumentará o fluxo turístico fluminense através dos trens, além de criar novos postos de trabalho e minimizar os índices de poluição e acidentes.

O presidente da Associação Brasileira das Operadoras de Trens Turísticos Culturais (ABOTTC), Sávio Neves Filho, informou que o Rio possui apenas sete trens em pleno funcionamento, contabilizando os de uso público e privado. O trem do Corcovado, que conta com quatro quilômetros de malha, é o que transporta o maior número de passageiros: cerca de 600 mil pessoas o visitam por ano. O subsecretário de Estado de Turismo, Audir Santana, lamentou a atual situação do sistema ferroviário e se mostrou determinado a lutar por políticas públicas que revertam esse quadro.Durante o encontro, também foram tratados temas como a revitalização da Estrada de Ferro Barão de Mauá, primeira ferrovia a ser estabelecida no Brasil (ligava o Porto de Mauá a Fragoso), e o seu prolongamento, a Estrada de Ferro Príncipe do Grão Pará, desativada em 1964 (fazia a Barão de Mauá chegar a Petrópolis).

Myrian Rios
Ao final do encontro, a deputada Myrian Rios recebeu, em consideração às suas iniciativas como presidente da comissão, o Título de Grande Benemérita da Sociedade Memorial Visconde de Mauá. Entre as iniciativas da deputada está a criação de um projeto de lei que institui no calendário do estado a data de 20 de abril como o Dia do Ferroviário. A homenagem foi concedida por Eduardo André e Francisca Chaves, tetraneto e trineta de Visconde de Mauá.Estiveram presentes na reunião os deputados Pedro Fernandes (PMDB) e Comte Bittencourt (PPS); o coordenador do Ponto de Cultura Barão de Mauá, Victor José Ferreira; e o presidente de Engenharia da Valec Engenharia, Construções e Ferrovias S/A, Hélio Suêvo Rodrigues.

Gente de Expressão

Francisco Carlos Canalli nasceu em Petrópolis-RJ, em 22 de Março de 1972.
Casado com Josiana Rocha Canalli, pai de Franciele, Gabriela e Eduarda. Veio para Juiz de Fora aos 09 anos. Começou carreira no rádio no final da década de 1980, trabalhando na extinta Rádio Capital (AM), Radio Nova Cidade(AM), e Atividade (FM). Em 1992 recebeu o convite da Rádio Sociedade de Juiz de Fora, onde começou um trabalho na 88,9 Solar FM. Em 1993 a Solar AM lhe faz uma proposta para deixar a Rádio Capital AM 1080 onde comandava um programa na parte da tarde.
Canalli assume o "Tarde Livre" da Solar AM, e quatro meses mais tarde, leva o horário ao maior índice do ibope, 86% da audiência no AM.
Em 2002 recebeu a difícil missão de substituir Marcio Augusto, um grande nome da comunicação no programa "Rádio Vivo". Missão que Canalli assumiu e executou com perfeição. Em 2004 Canalli é eleito Vereador com 2105 votos em uma campanha desacreditada por falta de estrutura financeira. Em 2006 Canalli se candidata a Deputado estadual e surpreendendo o mundo político com 13.680 votos. Mais tarde em 2008 Canalli assume a presidência da Câmara e realiza a maior economia da história do legislativo local, (88% de economia nos cofres públicos).
Em 2009 Canalli é convidado para o cargo de Sub-secretário de Incentivo ao Esporte e Lazer de Juiz de Fora, onde permanece até janeiro de 2011. Com simpatia, comprometimento com o trabalho e com bom senso ele amplia a interlocução entre os atletas da cidade com o poder público e se torna uma referência para o meio esportivo local.
Em fevereiro de 2011 retorna à Câmara Muncipal para um segundo mandato. Primeiro suplente do PMDB, com 2300 votos, assumiu na vaga deixada por Bruno Siqueira, eleito deputado estadual. De imediato, anunciou uma atuação conjunta com a bancada do Partido do Movimento Democrático Brasileiro, e, sem fugir à sua linha ideológica, tem pautado seu trabalho nas causas sociais com projetos de inclusão e na defesa dos interesses da comunidade esportiva de Juiz de Fora. Em abril de 2011 assumiu assento no Conselho Municipal de Desportos. Um dos exemplos de sua atuação no setor foi a intermediação realizada junto á Prefeitura Municipal que culminou na liberação de uma área no Parque da Laginha para a construção de uma pista de skate que fará de Juiz de Fora referência na realização de competições de grande porte. No mesmo local, uma pista de malha será palco de grandes campeo natos e o próprio campeonato brasileiro de malha. Assim é Francisco Canalli, um homem humilde e temente a Deus, trabalhando por uma Juiz de Fora mais justa.

Ser Mineiro é Bão Dimais!!!

por Sérgio Orlando Pires de Carvalho
Durante escavações no estado do Rio de Janeiro, arqueólogos fluminenses descobriram, a 100 m de profundidade, vestígios de fios de cobre que datavam do ano 1000 d.C.
Os cientistas cariocas concluíram que seus antepassados já dispunham de uma rede telefônica naquela época.
Os paulistas, para não ficarem para trás, escavaram também seu subsolo, encontrando restos de fibras óticas a 200 m de profundidade.
Após minuciosas análises, concluíram que elas tinham 2000 anos de idade.
Os cientistas paulistas concluíram, triunfantes, que seus antepassados já dispunham de uma rede digital a base de fibra ótica
quando Jesus nasceu!
Uma semana depois, em Belo Horizonte, foi publicado por cientistas
mineiros o seguinte estudo: "Após escavações arqueológicas no subsolo de Jijifó, Sans Dumont, Contági, Patinga, Timoti, Fabri, Betim, Barbacen, Passa-Quato, Pós di Carda, Pôso Alegre, Santantoin do Monte, Varginha, Nanuque, Águas Formosas, Moncarmelo, Carnerim, Lagoa Dorada, Sanjão Del Rei, Beraba, Berlândia, Belzonte, Raguari, Divinópis, Pará de Mins, Furmiga, Vernador Valadars, Tiófi Otoni, Piui, Carmo do Cajuru, Lagoa Santa, Morro do Ferro, Biraci e diversas outras cidades mineiras, até uma profundidade de 500 metros não foi encontrado absolutamente nada.
Concluindo então que os antigos mineiros já dispunham há 5000 anos
de uma rede de comunicações sem-fio: "wireless".
Nota dos arqueólogos: Por isso se pronuncia "UAI" reless.
Esse trem de ser mineiro é bão dimais, sô!!!
Fonte: Anônima.
Publicação: http://www.zaibatsum.blogspot.com/
 
CONSIDERAÇÕES:
Quero acrescentar Muraé, Lepordina, Cataguais, Biá, Pá de Minas, Monsclaros, Mauaçu, Recrei, Prepitinga, Jão Pinheiro, Faria Lemu, Ri Branco, Treis Coração, Tabira, Tabirito,

Literatura

"Irmã Dulce - O Anjo Da Bahia"
O livro conta a admirável vida de Irmã Dulce, uma mulher de aparência frágil e humilde, mas cuja fortaleza espiritual a enchia de energia quando se tratava de socorrer os mais necessitados.

Nascida em 26 de maio de 1914, Maria Rita de Sousa Lopes Pontes ficou órfã de mãe aos 7 anos, mas teve uma infância alegre, marcada pela fiel torcida ao Esporte Clube Ypiranga de futebol. A partir dos 13 anos, porém, influenciada pela tia Madalena, que lhe recordou de seus deveres como cristã, e impressionada pela condição miserável da população pobre de Salvador, passou a acolher mendigos e doentes em casa, sentindo o despertar do desejo de se dedicar à vida religiosa. O pai ainda tentou dissuadi-la e conseguiu protelar sua partida até a conclusão do curso Normal. Mas a decisão estava firmemente tomada e, assim que cumpriu o desejo paterno, ela deixou a casa e a família para entrar para a Congregação das Irmãs Missionárias da Imaculada Conceição da Mãe de Deus. Aos 20 anos, no dia 15 de agosto de 1934, consagrou-se a Deus com os votos religiosos e recebeu o nome de Dulce, em homenagem a sua mãe. Sua vida, desde então, foi de devoção aos pobres, enfermos e abandonados, seguindo o lema "amar e servir".

Escrito por Gaetano Passarelli, consultor histórico da Congregação da Causa dos Santos, o livro narra a trajetória iluminada dessa serva de Deus em sua obstinada luta pelas questões sociais, apesar da saúde frágil, mantendo uma confiança inabalável na Providência Divina. Fala também sobre a visita do Papa João Paulo II, sobre as Obras Sociais Irmã Dulce - um complexo de 15 núcleos, que prestam atendimento nas áreas de saúde, assistência social, educação, ensino e pesquisa médica - e sobre a comoção que tomou conta não apenas da Bahia, mas de todo o país quando, em 13 de março de 1992, Irmã Dulce partiu para a Casa do Pai.

Após ter sido declarada "Venerável" pelo Papa Bento XVI, em abril de 2009, em reconhecimento de suas virtudes cristãs de fé, esperança e caridade vividas em grau heroico, e enquanto se aguarda o cumprimento da última etapa do processo pela beatificação, Paulinas Editora lança o convite a conhecer melhor este "anjo bom da Bahia" e seu exemplo de fé e vida.

Eleições 2012

TSE define datas para as eleições de 2012
O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) aprovou, na noite do última terça-feira (28), o calendário referente às eleições municipais de 2012. No próximo ano, os eleitores vão eleger prefeitos, vice-prefeitos e vereadores em mais de 5,5 mil municípios brasileiros, no dia 7 de outubro, em primeiro turno; e em 28 de outubro, se houver a necessidade de segundo turno.

Datas
Um ano antes do pleito, no dia 7 de outubro de 2011, todos os partidos que quiserem participar das eleições devem obter registro no TSE. O prazo é o mesmo para que os candidatos estejam com sua filiação partidária regularizada e tenham como domicílio eleitoral a circunscrição na qual pretendem disputar mandato eletivo.

Registro dos candidatos
Os registros dos candidatos podem ser feitos pelos partidos ou coligações até o dia 05 de julho de 2012. No dia seguinte, passa a ser permitida a realização de propaganda eleitoral, como comícios e propaganda na internet (desde que não paga), entre outras formas. Os registros dos candidatos podem ser impugnados até o dia 18 de julho, seja por adversários, partidos políticos, coligações ou pelo Ministério Público.

Escolha dos candidatos
As convenções para escolha dos candidatos acontecem entre os dias 10 e 30 de junho. Nesse período, emissoras de rádio e TV estão proibidas de transmitir programas apresentados por candidato escolhido em convenção.

Prestação de contas
No dia 06 de novembro acaba o prazo para partidos e candidatos – exceto os que forem para segundo turno –encaminharem à Justiça Eleitoral as prestações de contas do primeiro. Os candidatos que concorrerem no segundo turno têm até 27 de novembro para prestar contas.

Propagandas eleitorais
A propaganda eleitoral gratuita na rádio e na TV começa no dia 21 de agosto e se encerra no dia 4 de outubro, três dias antes da realização do pleito. Na mesma data se encerra o prazo para propaganda mediante reuniões públicas ou comícios, e também para realização de debates nas rádios e nas TVs.

No dia 05 acaba o prazo para divulgação de propaganda paga em jornal impresso. E no dia 6, termina o prazo para propaganda mediante alto-falantes ou amplificadores de som, bem como para distribuição de material gráfico e promoção de carreatas.

Eleitores
No dia 09 de maio encerra o prazo para que o eleitor possa requerer inscrição eleitoral ou transferência de domicílio. Neste mesmo dia termina o prazo para que o eleitor com deficiência ou com mobilidade reduzida peça transferência para uma seção eleitoral especial.

O eleitor que não votar no primeiro turno tem até o dia 06 de dezembro para justificar sua ausência ao juiz eleitoral. Quem não votar no segundo turno tem até 27 de dezembro para se justificar.

A diplomação dos eleitos deve acontecer até o dia 19 de dezembro.

quarta-feira, 29 de junho de 2011

João Lacerda Filho (Barbatana) - (11/02/29-29/06/11)

Morre em Belo Horiznte, aos 82 anos, o ex-técnico Barbatana
O ex-jogador e ex-treinador do Atlético, João Lacerda Filho, o Barbatana, morreu nesta quarta-feira, 29/06, em Belo Horizonte. Barbatana estava com 82 anos. Ele sofria do Mal de Alzheimer e já estava aposentado do futebol.

O técnico começou a carreira como jogador no Atlético, em 1950. Ele fez parte da delegação que excursionou pela Europa e foi considerada 'Campeã do Gelo'. Em 1958, ele retornou para o Atlético e conquistou o Campeonato Mineiro daquele ano. No Atlético, realizou 37 partidas e marcou 05 gols. Atuou também no Villa Nova (Nova Lima).

Já como técnico, Barbatana é o terceiro que mais vezes comandou o Alvinegro. Ele esteve à frente do time em 227 partidas, com 143 vitórias, 56 empates e 28 derrotas.

Pertencia a Barbatanaa maior sequência invicta (22 jogos, entre 1977 a 1978) e a mais longa série de vitórias consecutivas (oito, em 1977, ao lado de Hilton Chaves, em 1986) em Campeonatos Brasileiros

Outros feitos marcantes na carreira de Barbatana são os 'títulos' de ser o descobridor de Reinaldo, que foi trazido por ele da equipe de Ponte Nova, e de ter relacionado para os profissionais o volante Toninho Cerezo e o meia Paulo Isidoro.

Quando o assunto é o Campeonato Brasileiro, Barbatana é o técnico com melhor rendimento de pontos pelo Atlético na competição nacional. Comandante do time entre 1976 e 1978, o treinador conquistou 67,20% dos pontos que disputou.

Barbatana conquistou também o Campeonato Mineiro de 1976 e foi vice Campeão Brasileiro invicto, em 1977. Nesta oportunidade, o Atlético perdeu uma disputa de pênaltis para o São Paulo, na final do Brasileirão, em pleno Mineirão, e ficou com o segundo lugar.

Além do Atlético, dirigiu Goiás, Náutico e Al-Helal, da Arábia Saudita e seleção da Indonésia.
Barbatana era mineiro de Ponte Nova, cidade tradicional, localizada na Zona da Mata Mineira.

terça-feira, 28 de junho de 2011

Copa Sulamericana

A Conmebol apresentou nesta terça-feira, 28/06, à tarde a Copa Sul-Americana 2011, competição que também garante ao campeão uma vaga na Libertadores 2012.

O Flamengo terá pela frente o Atlético-PR e quem passar enfrenta o vencedor de Nacional-URU e Fénix-URU ou terceiro representante do Chile, que ainda não foi definido.
Vasco e Palmeiras se enfrentam e o classificado joga nas oitavas-de-final com o vencedor de Aurora de Bolívia-BOL e São José-BOL ou Nacional-PAR.
O São Paulo encara o Ceará. Quem se classificar fará o duelo das oitavas-de-final contra o vencedor de Libertad-PAR e Equidad-COL ou Juan Aurich-PER.

Clube Atlético Mineiro
Definido pelas colocações dos times no Campeonato Brasileiro, o confronto do Atlético na fase brasileira será contra o Botafogo.

Se passar pelo time carioca, o time mineiro vai enfrentar nas oitavas de final o vencedor do duelo Deportivo Cali (COL) x Independiente Santa Fé (COL) ou Universidad César Vallejo (PER).

Nas quartas, caso obtenha nova classificação, o Atlético pode ter pela frente um dos clubes argentinos (Vélez Sarsfield ou Argentinos Juniors).

Em sua sexta participação na Sul-Americana, o Galo tenta reescrever sua história na competição. Nas quatro primeiras edições que disputou, o time foi eliminado antes de chegar à fase internacional. Já no ano passado, o Alvinegro parou nas quartas de final.

Em 2003, o Atlético deixou a competição após vencer o Corinthians por 2 a 0, em São Paulo, e perder para o Fluminense pelo mesmo placar, em Belo Horizonte.

Já em 2004, foi desclassificado pelo Goiás, depois de perder por 4 a 2 no Serra Dourada e empatar por 1 a 1 em Belo Horizonte. Em 2008, a queda foi frente ao Botafogo, com duas derrotas: 3 a 1, no Rio, e 5 a 2, no Mineirão.

Já em 2009, a equipe comandada pelo técnico Celso Roth entrou em campo com um time repleto de reservas e juniores, priorizando o Campeonato Brasileiro, e acabou eliminado novamente pelo Goiás. Foram dois empates em 1 a 1, levando a disputa para os pênaltis. O Galo acabou derrotado por 6 a 5.

Na temporada passada, o Atlético eliminou o Grêmio Prudente (SP) na fase brasileira e o Independiente Santa Fé (COL) nas oitavas de final, mas acabou desclassificado pelo Palmeiras na fase seguinte, com empate em casa (1 a 1) e derrota no Pacaembu (2 a 0).

Primeira fase:
A: San José (BOL) x Nacional (PAR)
B: Univ. C. Vallejo (PER) x Santa Fe (COL)
C: Chile 3 x Fénix (URU)
D: Dep. Quito (EQU) x Anzoategui (VEN)
E: Olimpia (PAR) x The Strongest (BOL)
F: Equidad (COL) x Juan Aurich (PER)
G: Bella Vista (URU) x U. Católica (CHI)
H: Yaracuyanos (VEN) x Liga de Quito (EQU)
Vencedor de A x Aurora de Bolivia (BOL) (14)
Vencedor de B x Deportivo Cali (COL) (8)
Vencedor de C x Nacional (URU) (2)
Vencedor de D x Universitario (PER) (6)
Vencedor de E x Emelec (EQU) (10)
Vencedor de F x Libertad (PAR) (4)
Vencedor de G x Iquique (16)
Vencedor de H x Trujillanos (12)

Segunda fase Brasil:
Flamengo x Atlético-PR (15)
Atlético-MG x Botafogo (9)
Ceará x São Paulo (13)
Vasco x Palmeiras (3)
Segunda fase Argentina:
Argentinos Juniors x Vélez Sarsfield(1)
Arsenal x Estudiantes (7)
Lanús x Godoy Cruz (11)
Independiente (5).

S.C.Corinthians Paulista

Os goleiros que mais gols sofreram do Corinthians
por Celso Dario Unzelte*
01º Rogério Ceni (São Paulo, desde 1994): 81 em 53 jogos
(média de mais de um e meio por jogo, exatamente 1,52)
02º Oberdan Catani (Palmeiras, 1941 a 1954, e Juventus, 1954): 64 em 34 jogos
(média 1,88, maior que a do Rogério Ceni)
03º Poy (São Paulo, 1950 a 1962): 60 em 35 jogos
(média 1,71, também maior que a do Rogério Ceni)
04º Félix (Portuguesa, 1956 a 1967, e Fluminense, 1968 a 1975): 46 em 25 jogos
(média 1,84, também maior que a do Rogério Ceni)
05º Waldir Peres (Ponte Preta, 1972/73; São Paulo, 1973 a 1983; Guarani, 1985; Portuguesa, 1988): 43 em 39
(média 1,10)
06º Leão (Palmeiras, 1969 a 1977 e 1984/85; Vasco, 1980; Grêmio, 1981/82): 41 em 43 jogos
(média 0,95, inferior, portanto, a um por partida)
07º Carlos (Ponte Preta, 1974 a 983; Atlético-MG, 1990/91; Guarani, 1991; Palmeiras, 1992; Portuguesa, 1993): 40 em 37 jogos (média 1,08)
08º Marcos (Palmeiras, desde 1998): 35 em 20 jogos
(média 1,75, também maior que a do Rogério Ceni)
E o jogador que mais gols marcou no Corinthians foi Pelé, 51 gols em 50 jogos.
*Celso Dario Unzelte é jornalista, pesquisador e historiador.

Tupi (Juiz de Fora)

Tupi fecha patrocínio com o BMG
por Ailton Alves*
     O Tupi tem um novo parceiro na disputa da Série D do Campeonato Brasileiro: o Banco BMG, que já estampou sua marca na camisa Carijó em torneios recentes. O contrato vale até dezembro, com grandes possibilidades de renovação para o Campeonato Mineiro de 2012. Os valores do patrocínio ainda não foram definidos. O anúncio da parceria aconteceu na tarde desta terça-feira (28/06), na Prefeitura de Juiz de Fora, com a presença do presidente do Tupi, Áureo Fortuna, do diretor do BMG, Nélio Brant e do prefeito Custódio Mattos (PSDB).
     "É uma marca importante, que vem somar ao nosso esforço de colocar o Tupi em condições de representar bem Juiz de Fora e toda a Zona da Mata no campeonato brasileiro", disse o presidente Carijó, Áureo Fortuna. "E o amais animador é que está esboçada uma grande parceria para 2012, o ano do nosso centenário", completou.
      Para Nélio Brant, o fato de o Tupi ser um clube que a cada ano ganha mais respeito no Estado foi decisivo para o regresso da marca BMG à camisa alvinegra. Já Custódio Mattos citou a tradição esportiva da cidade, que "o Tupi tem conseguido honrar e levar adiante", como um dos fatores que levaram a Prefeitura a "intermediar" o acordo.
  *Ailton Alves é Assessor de imprensa do Tupi

Obs: Na foto de Humberto Nicoline o prefeito de Juiz de Fora, Custódio Mattos (centro) observa os cumprimentos do presidente do Tupi Áureo Fortuna (direita) e o diretor do BMG, Nélio Brant (esquerda).

segunda-feira, 27 de junho de 2011

Villa Nova A.C. (Nova Lima)

por Wagner Augusto*

Um dos mais tradicionais clubes do futebol mineiro e brasileiro completa nesta terça-feira, 28 de junho, 103 de anos de fundação: o Villa Nova Atlético Clube, o bravo Leão do Bonfim, de Nova Lima.
Na era da globalização, em que os clubes que não são de massa estão cada dia mais fadados ao desaparecimento pela conjuntura histórica, e ao ostracismo pela imprensa esportiva, o Villa teima em sobreviver.
Para celebrar seu 103º aniversário, a diretoria do clube promoveu um baile no último sábado no Ginásio Poliesporivo. Na terça-feira, será celebrada uma missa em ação de graças na Igreja Matriz de Nossa Senhora Pilar, às 19h.
Segue abaixo um pouco da história do Villa Nova, que está contada em dois livros:
VILLA NOVA: 100 ANOS DE GLÓRIA EM VERMELHO E BRANCO(lançado em abril de 2008) e ALMANAQUE DO LEÃO DO BONFIM(lançado em abril de 2011).


A fundação do Villa Nova

A história do Villa Nova Atlético Clube, bem como a do Município de Nova Lima, está intrinsecamente ligada à exploração do ouro na região. A procura pelo valioso metal, segundo os registros históricos, começou por ali no final do século XVII, e a descoberta do Morro Velho, próximo ao Morro Novo e ao Morro do Mingu, local das primeiras minas, teria ocorrido por volta de 1725. O aparecimento dos investimentos ingleses na mineração do ouro em Nova Lima remonta ao longínquo ano de 1834, quando a mina foi adquirida pela Saint John Del Rey Mining Company Limited, que, numa tradução literal para o português significa Companhia de Mineração São João Del Rey Ltda. Os ingleses haviam comprado as minas de ouro do antigo proprietário, George Francis Lyon.
Em 1957, os ingleses começaram a fazer a transferência acionária da empresa para os brasileiros, e foi assim que em 1960 surgiu a Mineração Morro Velho. A busca por novas tecnologias que possibilitassem a extração do ouro localizado no subsolo (a mina de ouro de Morro Velho tinha galerias que avançam a 2.453 metros abaixo da superfície) fez com que a Morro Velho se associasse em 1975 à Anglo American Corporation, empresa sul-africana.

Atualmente, essa transnacional chama-se AngloGold Ashanti Brasil Mineração Ltda., que foi a patrocinadora master do Villa Nova de 2002 a 2010. A Mina Velha teve seus veios auríferos exauridos e foi fechada em 2003, não havendo desde então mais exploração de ouro no município. As demais minas de Nova Lima, embora fechadas temporariamente, não foram exauridas.
Desde os primórdios da presença inglesa em Nova Lima, é inegável que a influência exercida por seus representantes sempre marcou a trajetória socioeconômica do município de maneira decisiva. É natural que na primeira década do século XX os inúmeros mineradores e demais trabalhadores envolvidos nas atividades da Saint John Del Rey Mining Company Limited tivessem no futebol uma fonte de lazer. E foi nesse contexto que houve a decisão de se fundar um time de futebol, a que batizaram de Villa Nova Athletic Club, numa homenagem ao nome da cidade que, na época, era Villa Nova de Lima, com "l" duplo. A histórica Villa Nova de Lima se separou de Sabará em 1891 e alcançou a sua tão sonhada emancipação político-administrativa. Em 1923, o município recebeu o nome atual e definitivo de Nova Lima. O nome da agremiação foi aportuguesado pelas reformas estatutárias posteriores.
O sangue que corre nas veias do bravo e destemido Leão do Bonfim foi, no entanto, plasmado também por brasileiros, mais precisamente pelas mãos iluminadas de Álvaro Magalhães, que, num encontro casual com o inglês George Fellews numa mesa de bar, uniu-se a ele para fundar o Villa Nova Atlético Clube. Antes da criação do clube, já existia em Nova Lima o Morro Velho Athletic Club, este sim, um time formado exclusivamente por ingleses. Ocorre que o Morro Velho nem sempre conseguia formar duas equipes entre os seus associados para viabilizar a realização de um jogo de futebol. Álvaro Magalhães era um assíduo espectador dos treinos do Morro Velho e tinha dentro de si o desejo de aprender a praticar o esporte e disseminá-lo entre a comunidade da antiga Villa Nova de Lima.

Os anseios do brasileiro vieram a calhar para o inglês George Fellews, já que a existência de outra equipe pelas vizinhanças poderia, finalmente, acabar com o crônico problema da falta de adversários para o Morro Velho. Juntaram-se as duas expectativas e, entre um trago e outro, juntamente com um grupo de outras pessoas amantes do futebol, decidiu-se pela fundação de uma nova agremiação. A reunião que sacramentou o nascimento do clube aconteceu nas dependências da Câmara Municipal da antiga Villa Nova de Lima. Quem presidiu o histórico encontro foi Álvaro Edwards Ribeiro, e dele, além dos idealizadores Álvaro Magalhães e George Fellews, participaram também: Fernando Anacleto, Hary Lowse, Ignes Gent, Ricardo Protzner, Albert Clemence, Elógio Pimentel, João Luiz Morethzon, George Morgan, Francisco Pimentel, José Gustavo Dias, John Clemence, Willy William, Francisco Goulart, Eduardo Morgan, Mário Morgan, João Moreira, Fritz Protzner, Raymundo Rodrigues, Antônio Oliveira e Agostinho Rodrigues de Mello, o conhecido Gute Mello.

Essa comunhão de raças fica evidente também na formação dos primeiros times do Leão ao longo da história. Numa época em que o racismo ditava vários comportamentos sociais, o Villa nunca se importou em escalar atletas negros, sendo um dos pioneiros em Minas Gerais nessa importante demonstração de democracia. E pensar que certos clubes brasileiros proibiam a presença de jogadores negros em suas fileiras e alguns chegaram ao cúmulo de tentar "branquear" os mulatos com pó-de-arroz...
O primeiro presidente eleito do Villa Nova foi Adolfo Magalhães, que tinha como secretário José Furtado e como "capitão de futebol"—função equivalente hoje a diretor de futebol —, George Fellews. João Luiz Morethzon, um dos fundadores, era mesmo um desportista nato, pois além de atuar no Leão foi presidente do Atlético Mineiro em 1914. Gute Mello, que viria ser pai do presidente do clube, Oswaldo Mello, foi mecânico da mineradora durante 20 anos e faleceu em 1972, aos 82 anos de idade.
Assim nascia o glorioso Villa Nova, como uma das mais fortes expressões que a influência inglesa legou para toda a região. Numa feliz coincidência, a agremiação foi criada um dia após vir à luz em Cordisburgo o grande escritor mineiro Guimarães Rosa. Fundado em 28 de junho de 1908, um sábado, pelos operários que labutavam na desvairada busca do ouro para a Saint John Del Rey Mining Company Limited e pela vontade de brasileiros de aprender a jogar futebol, o Villa Nova Atlético Clube é o segundo clube mais antigo de Minas Gerais em atividade, sendo superado apenas pelo Atlético, que nasceu em 25 de março de 1908, apenas três meses antes.

Como ocorreu com vários clubes brasileiros, senão com todos, o início da vida do Leão foi muito difícil, pois os dirigentes da mineradora ainda não haviam encampado a idéia da criação de um time futebol. O apoio da empresa viria um pouco mais tarde e de maneira efetiva, o que contribuiu decisivamente para que o Villa Nova fosse uma das grandes forças do futebol mineiro na primeira metade do século passado.
No começo da sua existência, o clube era bancado pelos próprios jogadores, e os treinos eram realizados num precário campo de terra, imóvel de propriedade da mineradora, localizado nas proximidades do antigo matadouro de Nova Lima. Quando a direção da Saint John Del Rey Mining Company Limited resolveu adotar e subvencionar o clube, este terreno no Bairro Bonfim foi cedido, e lá foi construído o Estádio Castor Cifuentes, que veio a receber várias transformações no transcurso do tempo.
Nessa época, o Villa Nova jogava com uniforme diferente do modelo que se imporia futuramente como o oficial e tradicional. Os calções, na verdade bermudas que cobriam o joelho, eram brancos, e as camisas brancas com uma faixa diagonal vermelha, cor escolhida para homenagear o padroeiro da Inglaterra, São Jorge.

Principais títulos conquistados
Campeão Brasileiro da Série B – 1971
Campeão Mineiro – 1932, 1933, 1934, 1935 e 1951
Campeão da Zona Centro do Torneio Centro-Sul – 1968
Campeão da Copa Centro da FMF – 1974
Campeão da Taça Minas Gerais – 1977 e 2006
Campeão Mineiro do Módulo II – 1995
Campeão Mineiro de Júnior – 1997 e 1998
Campeão Mineiro de Juvenil – 1964
Campeão da Copa Integração Júnior – 2005, 2008 e 2011.

A alma dos times que não são de massa
Sempre leio companheiros de torcida indagarem sobre o tamanho da "massa" de villa-novenses de coração. Não é uma questão que incomode ao ponto de me chatear em reconhecer a realidade, mas aborrece essa tentativa de mensuração. Temos torcida, é fato. Não quero saber se são 100.000 ou 10.000. Basta saber que o Villa Nova Atlético Clube nunca jogará sem fiéis.
Mas, como proveta de jornalista que sou, gosto de analisar. Em Comunicação de Massa, na Faculdade, estudei Guy Debord, autor de A Sociedade do Espetáculo. Leitura difícil, porém interessante... Com atenção, dá para tirar belas deduções para a vida, não só acadêmica.

Assim o faço: o Villa Nova existe?
Para quem não é Villa, não. O Villa não entra na mídia massiva. Para que o clube "fosse" verdade, ele teria que ser noticiado regularmente nos veículos de grande alcance midiático. O Villa Nova não é legitimado. O interesse no centenário clube alvirrubro se restringe basicamente aos seus fanáticos torcedores. Isso não é um problema villa-novense somente. E não só no futebol que acontece isso... Mas pego o exemplo do esporte! O Flamengo é notícia. Sempre será. A mídia massiva sempre terá no Flamengo um alcance a maiores públicos. Isso acaba se refletindo no tamanho de sua torcida, que vê seu clube legitimado. Seu clube existe, para flamenguistas e não-flamenguistas. E é [im]posto nas rodas de discussão. A mídia quase nos impõe: discutam sobre o Flamengo.

Exemplo esdrúxulo: o Flamengo seria o Banco Central; o Villa, a padaria do Manolo. Um assalto ao Banco Central tem mais relevância para um maior público. Um assalto à padaria do Manolo só importaria ao Seu Manolo, claro, seus funcionários e seus clientes. O assalto na padaria não seria notícia no meio massivo. Logo não existiria. A mídia entraria como selo de veracidade.
Eu, como torcedor do Leão do Bonfim que sou, pouco me importo com o Banco Central. Mas serei quase que obrigado a ter conhecimento sobre o fato, já que a mídia gorda me agendaria.
Em nada desmereço meu time o comparando a uma padaria. Só reflito sobre uma realidade. E aprendi a duvidar da legitimação midiática. Não podemos ser reféns de alguns meios. E na torcida do Villa Nova, existem muitas "viúvas".
Que se dane Debord! O Leão está em mim.
*Wagner Augusto é torcedor do Villa Nova

Literatura

"Entretanto, foi assim que aconteceu"
O repórter Christian Carvalho de Cruz, de O Estado de S. Paulo, selecionou 23 matérias de sua autoria para publicar no livro "Entretanto, foi assim que aconteceu", que será lançado no dia 4/7 pela Arquipélago Editorial. A exemplo do que faziam Capote e Gay Talese, mestres do jornalismo literário, Christian produz suas grandes reportagens com base no que é veiculado nos jornais, aprofundando em narrativas que, para a grande imprensa, não passa de uma nota de pé de página, como a história de uma vítima de atropelamento em São Paulo.

Dentro das páginas de "Entretanto", o jornalista relembra algumas entrevistas marcantes, como a do publicitário Washington Olivetto e da cantora Elza Soares, conversa esta que lhe ‘durou’ 48 horas e um texto no formato de samba-enredo. Para decifrar quem é Washington Olivetto, Christian tentou agir e pensar como se fosse o entrevistado.
Fonte: www.comunique-se.com.br

Itamar Augusto Cautieiro Franco

Com pneumonia grave, Itamar é transferido para UTI em SP
O ex-presidente e senador Itamar Franco (PPS-MG), de 80 anos, foi transferido para a UTI (Unidade de Terapia Intensiva) do Hospital Israelita Albert Einstein, em São Paulo, para tratar de uma pneumonia grave, segundo boletim médico divulgado nesta segunda-feira, 27/06.
Ele está internado em São Paulo desde 21 de maio para tratar de leucemia. De acordo com o hospital, embora esteja na UTI, o senador "apresentou ótima resposta ao primeiro ciclo de tratamento quimioterápico".
Em boletins anteriores, a equipe médica divulgou que um transplante de medula não era cogitado.
Itamar foi diagnosticado com a doença ao realizar exames devido a uma forte gripe. Ele pediu afastamento temporário de suas atividades no Senado.
Pelo regimento do Senado, o suplente de Itamar só assume a cadeira do senador se ele se afastar por um período superior a 120 dias.

Literatura

"1966 – Torturas e Torturados"
O livro foi escrito por Márcio Moreira Alves ao longo de uma árdua campanha de imprensa. A maior parte dos documentos e testemunhos que o autor reuniu foram lançados em uma batalha que sensibilizou a consciência dos homens de bem do Brasil a tal ponto que o próprio marechal Castelo Branco, sob cujo governo as torturas ocorreram e os torturadores continuaram impunes, teve de mandar ao Nordeste seu chefe da Casa Militar, general Ernesto Geisel. A missão Geisel teve como resultado a permissão para que o autor tivesse condições de penetrar nas prisões do Recife e confirmar as denúncias recebidas.

Segundo o autor, “a exposição da onda de crimes oficiais que varreu o Brasil nos primeiros meses do golpe militar de 1964 (...) foi feita com objetividade e com o propósito de deixar estes crimes documentados para o julgamento do futuro”.

Prefácio de Alceu Amoroso Lima.
Fonte: http://www.marciomoreiraalves.com/

Políticos itinerantes

Prefeitos em Minas mudam até de domicílio eleitoral
Enquanto alguns prefeitos não esperam nem concluir o mandato para investir na eleição em cidades diferentes das que governam, outros atuam indo e voltando para a função. E garantem: podem até escolher qual prefeitura comandar em suas regiões. É o caso de Nivaldo José Andrade (PMDB), hoje prefeito de São João del-Rei, na Região Central de Minas. "Em 2012? Ainda não decidi se vou concorrer mas sei que tenho chance nas três com pelo menos 70%. Posso escolher", afirmou. Além do município atual, o prefeito se refere às vizinhas Tiradentes e Santa Cruz de Minas.
Nivaldo começou em 1988, como prefeito de Tiradentes, época em que emancipou o distrito de Santa Cruz de Minas, onde tem o filho Welington Andrade como vice-prefeito. De 1992 a 1996, comandou São João del-Rei, e, em 1998, partiu para o pleito de deputado estadual. Em 2000, voltou para a prefeitura são-joanense.

Dr. Último Bitencourt de Freitas (PP), prefeito de Monte Alegre de Minas, no Triângulo Mineiro também comandou o Executivo de Canápoles, entre 1989 e 1992 e de 1997 a 2004. Médico formado em Belo Horizonte, o peemedebista trabalhou em Canápoles e acabou virando político. Em 2004, foi eleito para Monte Alegre, depois de mudar o domicílio eleitoral ainda no exercício do mandato.

Outra experiência "exportada" foi a de Geraldo da Silva Macedo, conhecido como Padre Gê (PT). Tanto que ele está largando a batina para se dedicar à política. Natural de Diamantina, no Vale do Jequitinhonha, ele atuou como padre em Três Marias, onde o trabalho social exercido acabou levando-o a ser prefeito. Depois de deixar a prefeitura, ele tentou, sem sucesso, em 2006, se tornar deputado federal, mas a votação expressiva na terra natal o animou a voltar ao Executivo. Em 2008, foi eleito prefeito de Diamantina.

TSE impede terceiro mandato de prefeitos itinerantes
Ser o principal nome da cidade, com a chave do cofre, podendo determinar para onde vão os investimentos ou políticas públicas, pode ser tão interessante que, para alguns mineiros, a atividade de chefiar o Executivo acabou se tornando profissão. Geralmente com altos índices de aprovação, os chamados prefeitos itinerantes não se dão por contentes com os oito anos que uma reeleição pode render e acabam tentando a sorte em cidades da vizinhança. A prática se tornou tão rotineira que na reforma política em tramitação no Congresso Nacional foi incluída proposta para proibir os mandatários de mudarem de domicílio eleitoral durante a gestão. Decisão do Tribunal Superior Eleitoral em abril também passa a impedir a disputa de um terceiro mandato, ainda que em cidades diferentes.

Com a regra, os planos do prefeito de Pirapora, Warmillon Fonseca Braga (DEM), por exemplo, não teriam vingado. Ele completa nada menos que 16 anos seguidos como chefe de Executivo, a mesma idade de seu filho mais velho. Como foi possível? A estreia dele na carreira política foi em Lagoa dos Patos, no Norte de Minas, onde foi eleito prefeito em 1996. Reeleito em 2000, não acabou o mandato. Transferiu seu domicílio eleitoral para Pirapora, a 60 quilômetros, e deixou o cargo seis meses antes das eleições de 2004, quando se candidatou a prefeito da nova cidade. Venceu no município de cerca de 60 mil moradores, conquistando a reeleição em 2008.

Apesar de se dizer cansado, o prefeito não descarta concorrer nas próximas eleições municipais por uma terceira cidade: Montes Claros, também no Norte de Minas, a maior delas, com cerca de 360 mil habitantes e onde viveu grande parte dos seus 45 anos. Nascido em Pirapora, Warmillon se mudou novo para o outro município. Já os laços com a pequena Lagoa dos Patos, com menos de 05 mil moradores, vêm de mãe e pai, que nasceram lá.

"Vácuo político"
Outro que não esperou para pular de prefeitura foi Lelis Jorge Silva (PTB). Eleito por dois mandatos consecutivos (2001-2004 e 2005-2008) em Vargem Bonita, no Centro-Oeste mineiro, o político deixou o cargo quando faltava um ano para completar o mandato. Andou 75 quilômetros e se tornou prefeito da vizinha Bambuí, segundo diz, para preencher um "vácuo político". Natural de Formiga, Lelis atuou como dentista em Bambuí, mas foi criado em Vargem Bonita. Ingressou com 26 anos na política, como vice do prefeito Domingos Soares Vilela (PMDB), que morreu dois meses depois. Posto herdado, tomou gosto e se reelegeu.

No primeiro mandato em Bambuí, o prefeito tentará a reeleição e, apesar da nova norma do TSE, diz que poderá concorrer. Lelis disse ter direito adquirido, por ter se desvinculado da Prefeitura de Vargem Bonita um ano antes de ser eleito em Bambuí. O prefeito não vê mal algum em seguir na carreira governando uma cidade diferente. "Quando o administrador público é bom, a cidade o reconhece. É a profissão mais importante do mundo, não é como outra qualquer, é alguém que está olhando pelo bem de uma cidade como um todo", resume.

O que diz o TSE
Em abril deste ano, o Tribunal Superior Eleitoral entendeu que a manobra dos chamados prefeitos itinerantes, que depois de um segundo mandato passam a concorrer à prefeitura de outra cidade, é uma forma de driblar a lei, que só permite uma reeleição. O plenário confirmou jurisprudência da Corte entendendo que o candidato não pode ser eleito mais de duas vezes consecutivas, ainda que em cidades diferentes. O veredicto foi no caso concreto da prefeita Janaína Pinto Marques, que foi prefeita do município de Joca Marques, do Piauí, por duas vezes seguidas, entre 1996 e 2004 e, em seguida, se tornou prefeita de Luzilândia.

De acordo com a Constituição, presidentes, governadores e prefeitos só podem ser reeleitos para um período subsequente. A Justiça Eleitoral interpretou que a regra deve ser seguida, mesmo se tratando de municípios distintos. Segundo o presidente do TSE, ministro Ricardo Lewandowski, a decisão considera que as eleições ocorrem em municípios contíguos. O prefeito se elege pela primeira vez, depois pela segunda vez e faz benesses políticas em cidades vizinhas, preparando a reeleição", sustenta.

O que diz o projeto
O Projeto de Lei 265/2011, de José Sarney (PMDB) e outros senadores, prevê a proibição de que prefeitos em exercício transfiram seu domicílio eleitoral. A restrição acabaria com a ação dos chamados prefeitos itinerantes, que deixam o mandato no último ano e tentam se eleger em outra cidade. A proposta faz parte da reforma política discutida pelo Congresso e já foi aprovada pela Comissão de Legislação e Justiça do Senado.

Literatura

"No ar: PRK-30! O mais famoso programa de humor da Era do Rádio"
No ar: PRK-30!, de Paulo Perdigão, que ganhou 2ª edição, apresenta a história do programa em em formato de livro, incluindo 02 CDs remasterizados com a discografia da dupla de humoristas Lauro Borges e Castro Barbosa, filmografia, scripts originais e detalhes da adaptação da PRK-30 para a TV.

Destaque para uma entrevista inédita com Lauro Borges.
A PRK-30 estréia na Rádio Mayrink Veiga em outubro de 1944 como uma espécie de "rádio dentro da rádio", em que os atores Lauro Borges e Castro

Barbosa se revezam apresentando grandes nomes da música, anunciando patrocinadores e encarnando figuras hilariantes para divertir milhões de brasileiros.

O PRK-30 ficou consagrado como "O mais famoso programa de humor da Era do Rádio.

domingo, 26 de junho de 2011

Série A

AVAÍ (SC) 0 X 1 FLUMINENSE
Motivo : Campeonato Brasileiro
Local: Estádio da Ressacada, Florianópolis (RJ)
Data/Hora: 26/6/2011 - 16h (de Brasília)
Árbitro: Luiz Flávio de Oliveira (Asp. Fifa/SP)
Auxiliares: Herman Brumel Vani (SP) e Danilo Ricardo Simon Manis (SP)
Renda/público : R$ 49.110,00 / 4.319
Cartões amarelos: Bruno, Cleverson, Pedro Ken (AVA); Diego Cavalieri, Mariano, Marquinho (FLU)
Cartão vermelho: Rafael Moura, aos 37'/ 1ºT (FLU)
Gol: Conca, aos 36'/1ºT (FLU)
AFC: Aleks, Daniel, Welton Felipe e Gustavo Bastos e Julinho (Fábio Santos, intervalo); Bruno (Cleverson, aos 43'/ 1ºT), Acleisson (Maurício Alves, aos 22'/ 2ºT), Estrada e Pedro Ken; Rafael Coelho e William. Técnico: Alexandre Gallo.
FFC: Diego Cavalieri; Mariano, Gum, Márcio Rosário e Carlinhos; Edinho, Diguinho, Souza (Fernando Bob, aos 41'/2ºT), Conca (Ciro, aos 44'/2ºT) e Marquinho (Matheus Carvalho, aos 31'/ 2ºT); Rafael Moura. Técnico Abel Braga.
Obs.: Jogando com menos um jogador na maior parte da partida, o Fluminense soube resistir à pressão do Avaí, com Diego Cavaliere demonstrando muito segurança e Conca voltando a brilhar, em jogo disputado com temperatura ambiente em torno de 10º C, na primeira vitória do técnico Abel Braga após o seu retorno ao Fluminense.
Fonte: www.rsssfbrasil.com/miscellaneous/matflu2011.htm
Colaboração: Alexandre Magno Barreto Berwanger

Futebol

Futebol Paraense
Paysandu 3 (0) x (3) 3 Independente - Galo leva título inédito e acaba com tabu centenário
Pela primeira vez em mais de 100 anos um time do interior levou o Paraense
O Independente fez história neste domingo. O clube de Tucuruí bateu o Paysandu por 3 a 0 nos pênaltis, após empate por 3 a 3 no tempo normal, em pleno Mangueirão, pelo jogo de volta da final do Camponato Paraense, e ficou com a taça. A partida de ida terminou empatada por 2 a 2, por isso a decisão foi para as penalidades.
A conquista do Galo Elétrico quebrou um tabu histórico e centenário. Nunca em toda história, de 98 edições e 103 anos de disputa, o Parazão contou com um campeão de fora de Belém. Os maiores campeões do Estado são Paysandu com 44 e o Remo 42 títulos.
Logo em seguida aparece a Tuna Luso, que não conseguiu em nenhum dos dois turnos chegar à fase de semifinal. O time lusitano foi campeão dez vezes, sendo a última em 1988. Por fim, o outro time que já levantou o título estadual foi a extinta União Sportiva, que levou as duas primeiras edições, em 1908 e 1910.


Futebol Argentino
River Plate empata e cai ao ritmo de um tango dramático
O clube se junta a Quilmes e Huracán, que já estavam rebaixados anteriormente

O último jogo do River Plate como um time da elite argentina esteve longe de ser um espetáculo. No entanto, teve todos uns ingredientes dramáticos de uma apresentação de tango. Os torcedores do maior campeão argentino não estavam em nenhuma luxuosa casa de tango de Buenos Aires, mas não conteram as lágrimas no amargo empate contra o Belgrano, por 1 a 1, na tarde deste domingo, no Monumental de Nuñez. O jogo pela repescagem do Campeonato Argentino.
Na partida de ida, o clube de Córdoba havia vencido, por 2 a 0, e poderia perder por até um gol de diferença. O empate foi mais que o suficiente para confirmar seu retorno à elite. Os "Millionarios", por sua vez, amargam o primeiro rebaixamento em 110 anos anos de história, que já contou com grandes craques como Di Estéfano, Fillol, Perfumo, Passarella, entre outros.
E olha que para ser rebaixado na Argentina é necessário esforço tremendo dos grandes clubes. Afinal, os hermanos adotam um sistema chamado de "prmedio", que soma os pontos conquistados nas últimas três temporadas dividida pelo número de jogos disputados no mesmo período. A classificação levando em consideração esta média é quem define o rebaixado.
O clube se junta a Quilmes e Huracán, que já estavam rebaixados. O quarto sairá do confronto entre Gimnasia y Esgrima e San Martin.
Fundado em 25 de maio de 1901, o Club Atlético River Plate ganhou 34 títulos argentinos, sendo cinco a mais que o arquirrival Boca Juniors. O Boca, porém, pode gabar-se de ter mais tradição internacional, já que tem seis títulos da Libertadores e três mundiais, contra dois continentais e um mundial do River.
Fonte: http://www.futebolinterior.com.br/

Literatura

Logradouros de Miracema
IX volume
Mais uma etapa da obra Logradouros de Miracema vem de ser completada, trata-se do lançamento do seu Volume IX, sem solenidade.

Tem como carro-chefe o Riberão São Antônio de Miracema, o mais primitivo dos caminhos do Município, do tempo dos Puris e que foi motivo de longa disputada de Minas Gerais, para ser sua fronteira com o Estado do Rio de Janeiro e que é propósito de justa e merecida luta para ser despoluido. Contém informações que podem ser úteis ao estudo de sua história.

São mais quatro logradouros: Praça dos Estudantes Prefeito Jairo Barroso Tostes, Travessa José Mercante, Travessa Manoel Miguel Souto e Rua Solange Coutinho Moreira.

Como de costume além de dados dos logradouros e seus patronos, trata de inúmeros outros personagens e coisas, com um total de 125 páginas, graças a colaboração de vários voluntários beneméritos, aos quais muitíssimo se agradece.

Desde o Volume VIII, a distruição passou a ser gratuita através da Edição Eletrônica via Internet, que permite arquivo e pesquisas eletrônicas, facilitando não só a guarda como as buscas.

Excepcionalmente a Edição Impressa continua disponibilizada, mediante reembolso das despesas com reprodução e remessa postal. Não há pronta entrega.

A reprodução total ou parcial continua livre, sem qualquer alteração e sem finalidade mercantil.

Os pedidos podem ser feitos a mpmemoria@yahoo.com.br.

CONSIDERAÇÕES:
01 - Ouso aqui em sugerir que os próximos números possam homenagear o professor Luiz Delco e os fazendeiros Antonio de Pádua Campello Barros, Tadeu Campello Barros e João Carlos Barcellos, que embora vivessem em Campelo, distrito de Pádua, possuiam uma ligação muito grande com Miracema. Para quer isso aconteça é necessário que a Cãmara Municipal, através de lei específica, faça as homenagens, dando nomes aos logradouros.
Penso que as estradas que estão sendo asfaltadas para Campelo e Areas possam receber alguns desses nomes aqui sugeridos.
 
02 - Aqui em Juiz de Fora, a FUNALFA (Fundação Cultural Alfredo Ferreira Lage), equivalente a uma Secretaria de Cultura, publicou em 2004 o livro "RUAS DA CIDADE":
Logradouro: Travessa Hamilton Alves Monteiro
Bairro: Santa Cecília
Localidade / UF: Juiz de Fora/MG
CEP: 36026-240
Nasceu em Miracema-RJ. Filho de João Francisco Monteiro e Rita Alves Monteiro. Casado com Maria Alves Ribeiro. Um dos proprietários do dois terrenos que deram origem ao bairro Santa Cecília. Faleceu no Rio de Janeiro.
Lei nº 5577, de 03/04/1979.
página 133 do livro "RUAS DA CIDADE"
Logradouro: Rua Rita Monteiro
Bairro: Santa Cecília
Localidade / UF: Juiz de Fora/MG
CEP: 36026-100
Nasceu em Miracema-RJ, em 27/03/1876. Casada com João Francisco Monteiro. Uma das fundadoras do bairo Santa Cecília. Faleceu em 29/01/1965.
Lei nº 3353, de 19/12/1969.
página 237 do livro "RUAS DA CIDADE"
Outras ruas no bairro Santa Cecília que homenageiam a família Monteiro, com origem em Miracema:
Logradouro: Rua Almir Monteiro - Bairro: Santa Cecília - Localidade / UF: Juiz de Fora/MG - CEP: 36026-150,
Logradouro: Rua João Francisco Monteiro - Bairro: Santa Cecília - Localidade / UF: Juiz de Fora/MG - CEP: 36026-080,
Logradouro: Rua Luciano Monteiro - Bairro: Santa Cecília - Localidade / UF: Juiz de Fora/MG - CEP: 36026-210,
A cidade de Miracema também é homenageada mas não consta no livro:
Logradouro: Rua Miracema - Bairro Vila Ideal - Localidade / UF: Juiz de Fora/MG - CEP: 36020-490.

03 - Em Campos-RJ: Rua Barão de Miracema, CEP: 28035-302.
Outras cidades do estado do Rio também são homenageadas em Campos, como Itaperuna, Itaocara e outras.

A dança dos técnicos

Série A
Atlético-PR

Quarto técnico a passar pelo Atlético-PR em 2011, Adilson Batista é o que teve o pior aproveitamento, obtendo apenas 38% dos pontos disputados, em 14 jogos. Desde que estreiou no Campeonato Paranaense, diante do Cianorte, o técnico conquistou apenas quatro vitórias, sofreu seis derrotas e obteve quatro empates.

O desempenho no Brasileiro acabou determinado a queda do treinador, que deixou o clube sem vencer nenhum jogo, em seis disputados. Foram cinco derrotas, um empate, um ponto conquistado e apenas um gol marcado.

O desempenho do técnico ficou muito abaixo, por exemplo, de Geninho, seu antecessor, e que foi demitido após dez partidas, das quais perdeu apenas uma.

Anteriormente, o time já havia sido dirigido por Sérgio Soares, que assumiu no ano passado e levou o time ao quinto lugar no Brasileirão. Após sua demissão, no Paranaense, assumiu o interino Leandro Niehues, que dirigiu a equipe durante cinco jogos.

Série B
Villa Nova-GO

Após novo tropeço e pressão da diretoria, técnico pede para sair do Vila Nova
A pressão da diretoria do Vila Nova acabou sendo decisiva para a saída do treinador Heron Ferreira (foto) do comando do Vila Nova. A mudança no comando técnico foi decidida no início da tarde deste domingo. Neste sábado, o Vila Nova perdeu para o ASA, em Alagoas, por 1 a 0, deixando o Vila Nova em 13°, com oito pontos ganhos.
Alguns nomes são comentados para assumir o Vila Nova, como Ademir Fonseca, que foi muito bem em 2010. Argel Fucks já foi sondado antes do início do Campeonato Brasileiro da Série B e Hélio dos Anjos, que deixou recentemente o Sport-PE. Além de Vágner Benazzi, que já dirigiu o time em situações perigosas.
Hélio dos Anjos tem ligações estreitas com os atuais gestores do futebol do Vila Nova, sendo sócio de Omar Vasconcelos e amigo de Daniel Reis, curiosamente, ambos torcedores do rival Goiás. Mas, tem contra si a campanha negativa no início da temporada. Hélio dos Anjos também é nome cotado para assumir o Goiás, já que Artur Neto também está deixando o Goiás.
Edmar Vasconcelos, irmão de Omar Vasconcelos e auxiliar-técnico do Vila, deverá comandar o time nesta terça-feira contra o Guarani, em Campinas.
Fonte: www.futebolinterior.com.br

sábado, 25 de junho de 2011

Cruzeiro E.C.

Redenção mineira
Há 45 anos, as divisas de Minas se abriam para o Cruzeiro, com a conquista da competição nacional, oficializada no ano passado pela CBF como título brasileiro
Taça Brasil de 1966 descentralizou o futebol brasileiro e inseriu o Cruzeiro no cenário nacional e mundial. Disputada em modelo parecido ao da atual Copa do Brasil, a competição ficou marcada por duas memoráveis vitórias celestes sobre o quase imbatível Santos de Pelé, Pepe, Zito, Edu, Dorval e Gilmar. Triunfos que deram o título à equipe mineira e revelou nomes como Tostão, Dirceu Lopes, Natal, Raul e Piazza.

Até então, o Cruzeiro conhecia apenas os gramados de Minas e ainda lutava contra equipes como o Siderúrgica, de Sabará, para se firmar como grande força no estado. Nem sequer tinha centro de treinamento ou algo parecido com a atual elogiada estrutura. A realidade do time e do próprio futebol mineiro começara a mudar em 1965, com a inauguração do então moderno Mineirão.

Antes do estádio da Pampulha, o Cruzeiro treinava e mandava seus jogos no acanhado campo do Barro Preto, Região Centro-Sul de Belo Horizonte. O local hoje é um dos dois clubes de lazer da Raposa. “O profissionalismo no futebol só existia de direito, não de fato. Não havia um preparo físico adequado nem salários definidos. O treinador fazia de tudo, alguns até o papel de roupeiro. O jogador sofria enorme preconceito da sociedade. Muitas vezes com razão, pois prevalecia a boemia”, recorda Piazza, volante e capitão daquele Cruzeiro.

Zagueiro titular da Seleção Brasileira tricampeã do mundo em 1970, Piazza dividia as atividades de bancário com as de jogador de futebol até o início da competição que mudou a história do clube. “A Taça Brasil era a primeira competição interestadual do Cruzeiro, por isso íamos ter de treinar e viajar mais. O banco não tolerava tantas faltas ao trabalho e me demiti”, lembra. Então com 23 anos, temia o futuro. “À época, clube de futebol se mantinha com bilheteria e amistosos. O Cruzeiro ainda não arrecadava tanto.”

Daí a importância da construção do Mineirão e da conquista de 1966. Com capacidade acima de 100 mil pessoas, o gigante da Pampulha substituía o Independência, até então maior estádio de Minas, construído para a Copa de 1950, para até 25 mil pessoas. Com o título nacional e, principalmente, as duas vitórias sobre o Santos na decisão, a Raposa ganhou vaga na Copa Libertadores do ano seguinte e inúmeros convites para amistosos no Brasil e no exterior.

As decisões
Cruzeiro e Santos decidiram a Taça Brasil em duas partidas históricas. A primeira, em 30 de novembro, no Mineirão, chamou a atenção do mundo do futebol por uma inimaginável goleada. O time de garotos do Barro Preto, muitos recém-promovidos do juvenil (atual júnior), bateu o já mundialmente aclamado Peixe de Pelé por 6 a 2. O primeiro tempo terminou 5 a 0. Mas, na época, era comum o alvinegro virar placares desfavoráveis, com qualquer diferença. Já no começo da etapa final, ele esboçou uma reação, fazendo dois gols, mas Dirceu Lopes marcou seu terceiro na noite e definiu os 6 a 2.

O saldo de gols do primeiro jogo de nada valia. Bastava ao Santos vitória simples para provocar terceira partida. Ao entrarem no Pacaembu na noite de 7 de dezembro, os times se depararam com forte chuva, campo enlameado, poças d’água e cerca de 45 mil torcedores nas arquibancadas.

Tocando a bola como sempre e também explorando as jogadas aéreas, o Santos logo dominou as ações e abriu o placar aos 23min, quando Pelé driblou William e chutou no canto. Aos 25min, em passe do Rei, Toninho invadiu a área e deslocou Raul: 2 a 0. Àquela altura, todos, inclusive os jogadores cruzeirenses, sua torcida e a imprensa mineira, esperavam o troco da humilhante derrota do jogo anterior.

No intervalo, o presidente da Federação Paulista de Futebol, Mendonça Falcão, adentrou o vestiário cruzeirense para sugerir ao presidente do clube mineiro, Felício Brandi, o Maracanã como palco do terceiro e último jogo. Tudo na frente dos atletas.

A atitude do cartola paulista mexeu com os brios mineiros. Felício explodiu de raiva, afirmou que não haveria terceira partida e ainda cobrou a imediata resposta do seu time. O Cruzeiro votou a campo bombardeando a área santista, enquanto Piazza neutralizava Pelé, como no primeiro jogo.

Aos 12min, Hilton Oliveira serviu Evaldo, que acabou derrubado na área por Oberdan. O árbitro carioca Armando Marques marcou pênalti. Mas Tostão bateu mal e Cláudio defendeu. Inconformado, o camisa 8 se redimiu aos 18min com gol de falta praticamente sem ângulo. Ainda no abafa, o Cruzeiro empatou 10 minutos depois, com Dirceu Lopes. A igualdade já era suficiente, mas, aos 44min, Natal deu o golpe final e sacramentou o título da jovem equipe de Belo Horizonte.

A imprensa
Triunfo épico do futebol mineiro
"Conquistou ontem o Cruzeiro o maior troféu do futebol nacional, ao derrotar de maneira espetacular a famosa esquadra do Santos, detentora, por cinco anos consecutivos, da Taça Brasil, agora em poder do time mineiro, que acaba de sagrar-se como realmente o mais perfeito do País… Ao final do emocionante confronto, lá estava o marcador que consagrava definitivamente o onze montanhês como campeão brasileiro"
Estado de Minas, 08/12/1966
Fonte: http://www.mg.superesportes.com.br/

Catedral Metropolitana Cristo Rei - Santuário da Divina Misericórdia

Belo Horizonte vai ganhar catedral com projeto de Oscar Niemeyer
A Arquidiocese de Belo Horizonte anunciou a construção da
Catedral Metropolitana Cristo Rei - Santuário da Divina Misericórdia.
O projeto será de Oscar Niemeyer. Sonho antigo da Arquidiocese de BH, que neste ano celebra nove décadas o projeto da catedral oficial da cidade pode ser visto também como uma espécie de reconciliação da Igreja na capital mineira com o centenário arquiteto.

Inaugurada em 1943, a Igreja São Francisco de Assis - uma das obras mais famosas de Oscar Niemeyer, que integra o conjunto arquitetônico da Pampulha e se tornou um dos principais cartões-postais da cidade - foi renegada pela Arquidiocese, que proibiu a celebração de missas no seu interior por 14 anos. A Igrejinha da Pampulha, como é conhecida, só foi consagrada em 1957.

Desta vez, a própria Igreja decidiu encomendar os trabalhos do arquiteto. O novo projeto de Niemeyer já foi finalizado. A intenção é erguer uma construção imponente, que seja representativa da Arquidiocese.

O projeto prevê que a Catedral Metropolitana seja construída em um terreno próximo à Cidade Administrativa - monumental complexo administrativo do governo mineiro, também projetado por Niemeyer que reúne quase todas as secretarias do Estado e seus órgãos vinculados em 804 mil metros quadrados.

O complexo que inclui o templo terá três pavimentos e uma praça com altar externo para missa campal.
 
Nova Catedral em BH
O novo templo vai ser erguido na Região Norte da capital. Lançamento será dia 2 de julho
Mãos postas e erguidas no rumo do céu. Duas colunas simbolizando os mistérios de Deus. Ou um barco com velas içadas pronto para ancorar na Região Norte da capital e, a partir desse porto, navegar em águas de paz, esperança e promoção social. O projeto do arquiteto Oscar Niemeyer, de 103 anos, para a nova catedral da Arquidiocese de Belo Horizonte, já batizada de Cristo Rei, permite várias leituras, mas traz de concreto um compromisso: pôr em prática um sonho dos católicos desde a época de dom Antônio dos Santos Cabral, o dom Cabral (1884-1967), primeiro chefe da Cúria de BH. No próximo sábado, às 14h30, durante missa festiva no ginásio do Mineirinho, na Pampulha, o arcebispo metropolitano dom Walmor Oliveira de Azevedo fará o lançamento oficial do projeto da construção, que terá capacidade para 5 mil pessoas sentadas.
A nova catedral metropolitana, que substituir de Nossa Senhora da Boa Viagem, no Centro da cidade, vai ocupar 22 mil metros quadrados no Bairro Juliana, em frente à Estação BHBus Vilarinho, na Avenida Cristiano Machado.
 
Meta de construir a catedral metropolitana de Belo Horizonte surgiu na década de 1930
O projeto arquitetônico de Oscar Niemeyer e a determinação do arcebispo dom Walmor Oliveira de Azevedo concretizam um velho sonho da comunidade católica de Belo Horizonte. A primeira catedral, idealizada na década de 1930, seria erguida na confluência das avenidas do Contorno e Afonso Pena (Praça Milton Campos) no limite dos bairros Serra, Funcionários e Cruzeiro, Região Centro-Sul da capital. O primeiro bispo da arquidiocese, dom Cabral (1884-1967), contratou o alemão Holz Meister para fazer o projeto, que até começou a ganhar forma, com a obra da cripta, mas acabou relegado ao esquecimento.

Conforme os especialistas, o projeto da catedral era grandioso, com espaço maior do que a Catedral de São Pedro, no Vaticano. Ao deixar o Brasil, Meister foi para a Turquia, onde assinou a maior parte dos prédios públicos de Istambul. Pelos desenhos da catedral, encontrados em livros, é possível ver uma grande cúpula, com anjos de pé, tendo no alto uma torre menor sob uma cruz. A base, ao fim de uma escada, se assemelha a um tambor.

Livro de Ouro Digital
A construção da Catedral Cristo Rei vai custar de R$ 75 milhões a R$ 100 milhões e a previsão é de que fique pronta até 2014. Para captação dos recursos, a arquidiocese vai lançar, sábado, no Mineirinho, a campanha "Faço parte", quando os católicos presentes à missa poderão dar a sua contribuição financeira. Já em 22 de agosto, será a vez do empresariado mineiro tomar conhecimento da importância do projeto e responder com apoio. Dom Walmor quer a ajuda dos filhos da terra e até dos mineiros que vivem fora do Brasil. O nome de cada um ficará eternizado, pois dentro do prédio haverá a Galeria da Gratidão, registrando os patrocinadores da empreitada, e um livro de ouro digital com a relação de todos os colaboradores.

A arquidiocese prefere, por enquanto, não mostrar o projeto do interior da catedral, pois há alguns aspectos em discussão, mas o arcebispo antecipa que haverá estacionamento com 1 mil vagas.

A atual Catedral de Nossa Senhora da Boa Viagem, que vem funcionando em caráter provisório, continuará como Santuário Arquidiocesano de Adoração Perpétua.

Linha do tempo
1922  em 30 de abril Dom Cabral chega a Belo Horizonte para instalar a diocese, criada em 11 de fevereiro de 1921 pelo papa Bento XV. Entre as tarefas, estava o desafio de construir a nova catedral e o projeto monumental tinha capacidade para aproximadamente 12 mil pessoas, mas não se encaixava na estética da arquitetura de BH. Na época, havia no local apenas uma cruz – daí vem o nome do Bairro Cruzeiro –, marcando o fim da Avenida Afonso Pena. O terreno estava reservado para a construção de uma matriz, já prevista na planta original de Aarão Reis, pois a capital estava ligada, até 1921, à arquidiocese de Mariana. O primeiro projeto da catedral não foi adiante por falta de recursos. Logo depois, a prefeitura entrou em acordo com a arquidiocese e abriu o restante da Afonso Pena

2004 – O arcebispo metropolitano de Belo Horizonte, dom Walmor Oliveira de Azevedo, começa as conversas com o clero e segmentos da sociedade, certo de que o projeto terá que ser no epicentro da Região Metropolitana de BH.


2005 – Definição de que o projeto será implantado em frente à estação de metrô Vilarinho, na Avenida Cristiano Machado, na Região Norte da capital. O arquiteto escolhido é Oscar Niemeyer
2006 – Em maio, Oscar Niemeyer apresenta o projeto para ser discutido na arquidiocese
2011 - 02 de julho – Apresentação do projeto à comunidade católica, às 14h30, no ginásio do Mineirinho, na Região da Pampulha, em BH.

Tupi (Juiz de Fora)

Tupi confirma mais dois jogos-treinos de preparação
 por Ailton Alves*

A diretoria do Tupi Futebol Clube confirmou, na manhã deste sábado (25/06), mais dois jogos-treinos de preparação para a disputa da Série D do Campeonato Brasileiro, ambos fora de casa. Na sexta-feira, dia primeiro de julho, os Carijós vão até Vespasiano – região metropolitana de Belo Horizonte – enfrentar o Atlético Mineiro (provavelmente um time B do Galo da capital), às 15h30. No dia 09 de julho, sábado, o adversário será o Madureira, no Rio de Janeiro, no Estádio Conselheiro Galvão, às 15h. O “Tricolor Suburbano” carioca está se preparando para a Série C Nacional.

Neste sábado, pela manhã, os jogadores participaram de mais um treino técnico, seguido de um descontraído “rachão”, para fechar a semana. A atividade prevista para a tarde, mais um treino técnico, foi cancelada, já que a Comissão Técnica considerou a semana “bastante intensa e proveitosa”. Os jogadores, então, ganharam folga até segunda-feira (27/06), quando se reapresentam às 10h, em Santa Terezinha, para um treino físico.

A programação semana:
Segunda-feira, 27 de junho
10h – Treino físico, em Santa Terezinha
14h30 – Trabalhos de musculação, na Higéia Academia
Terça-feira, 28 de junho
09h – Treino técnico, em Santa Terezinha.

Quarta-feira, 29 de junho
09h – Treino físico, em Santa Terezinha
15h30 – Treino tático, no Estádio Radialista Mário Helênio,

Quinta-feira, 30 de junho
10h – Treino tático, em Santa Terezinha
14h30 – Trabalhos de musculação, na Higéia Academia,

Sexta-feira, primeiro de julho
Pela manhã, horário a definir – Viagem para Vespasiano (MG)
15h30 – Jogo-treino contra o Atlético Mineiro.

Sábado, 02 de julho09h – Treino físico, em Santa Terezinha

Dispensas – O zagueiro Caio e o atacante Jefferson, que estavam em testes no clube, não farão parte do elenco do Tupi na Série D, assim como o meia-atacante Maguinho.
 *Ailton Alves é Jornalista e Assessor de Imprensa do Tupi

quinta-feira, 23 de junho de 2011

Trem da Vale

Ouro Preto/Mariana
Cerca de 350 mil pessoas transportadas em um percurso histórico que liga cidades centenárias de Minas Gerais. Esse é o saldo dos cinco anos de operação do Programa Trem da Vale, iniciativa da Vale, por meio de sua Fundação, que, desde 5 de maio de 2006, restabelece a ligação ferroviária entre Ouro Preto e Mariana e mantém um amplo programa de educação patrimonial no local.

A comemoração dos cinco anos da iniciativa acontece nesta quinta-feira, dia 5 de maio, às 9h30, na Estação Ouro Preto, com a presença de autoridades dos dois municípios e representantes da Vale, Fundação Vale e Ferrovia Centro-Atlântica (FCA).

Para que o trem voltasse à operação, foram reconstruídos 18,7 quilômetros de ferrovia e recuperadas as quatro estações existentes no percurso, que receberam investimentos de R$ 48,5 milhões.

O Trem da Vale é a primeira grande ação estruturada no campo da Educação Patrimonial do Brasil. Com o projeto, a Fundação Vale promove a inclusão cultural e social de crianças e adolescentes da rede pública de ensino, impulsiona o turismo da região, gerando mais emprego e contribui para a construção da identidade e consolidação de valores com base na cidadania e na educação, por intermédio de um ousado programa de educação patrimonial.

Novidades em 2011
Em fevereiro deste ano, o Trem da Vale ganhou duas novidades. Um vagão panorâmico, criado especialmente para a composição ferroviária, com laterais totalmente cercadas de vidro temperado, ar condicionado e sistema de iluminação diferenciado. Com o novo equipamento, o Trem da Vale passou a ter capacidade para 292 passageiros Além disso, passou a rodar em mais dois horários: duas saídas de Mariana, às 8h30 e 14h; e duas partidas de Ouro Preto, às 10h e 15h30. Além de diversificar o horário dos passeios, a mudança busca aumentar a movimentação entre os turistas das duas cidades.

Estações educativas
As estações principais do Trem da Vale são dotadas de equipamentos e estruturas que promovem atividades de educação e conhecimento a moradores da região.

A Estação de Ouro Preto é um complexo composto pelo antigo casarão que abrigava a estação ferroviária local, por vagões fixos localizados nos arredores do prédio e pela Tenda Cultural da Estação.

Já a Estação de Mariana, também denominada Estação Parque é um complexo composto pela Praça Lúdico-Musical, pela Biblioteca da Estação, pelo antigo casarão que abrigava a estação ferroviária de Mariana e por vagões fixos localizados nos arredores do prédio.

SERVIÇO:
· Tarifa: R$ 22 (um trecho) ou R$ 35 (ida e volta).
· Tarifa Panorâmico: R$ 35,00 (um trecho) ou R$ 60 (ida e volta).
· Horários: sextas, sábados, domingos e feriados, saindo de Ouro Preto às 10h e 15h30 e, de Mariana, às 8h30 e 14h.
· Informações: (31) 3551.7705.
Fonte: http://www.tremdavale.org/

Tupi (Juiz de Fora)

por Ailton Alves*
(Coronel Pacheco, MG) - O Tupi venceu mais um jogo-treino, preparatório para a disputa da Série D do Campeonato Brasileiro. A “vítima” dessa vez foi a seleção de Coronel Pacheco (MG), batida por 4 a 2.  Três gols do Galo foram marcados no primeiro tempo, quando a equipe considerada principal estava em campo, por Ademilson (de cabeça, aos 8 minutos, aproveitando cruzamento de Henrique), Nando (12, num chute de fora da área que entrou no ângulo) e Henrique (aos 22, driblando o goleiro após passe na medida de Ademilson). Na segunda-etapa, logo aos 4 minutos Francis (também num tiro de fora da área) ampliou o placar. O time local descontou com dois gols de Rafael Bicudo, um deles de pênalti. A partida foi disputada no Estádio Municipal Argeu Afonso da Costa, em Coronel Pacheco (MG).
                O Galo jogou com Rodrigo (Victor Hugo), Felipe Cordeiro (Marquinhos), Adalberto (Caio), Sílvio (Wesley Ladeira) e Michel (Francis); Nando (Marcel), Assis (Douglas), Augusto (Adalberto) e Vitinho (Lucas Silva); Henrique e Ademilson (Dennis).
                O comandante Carijó, Ricardo Drubscky, dividiu o jogo-treino em dois momentos distintos. “Gostei muito do primeiro tempo, quando jogamos de forma coletiva e fizemos uma bela movimentação. Não gostei da segunda etapa, quando jogamos de forma muito individualizada”, disse. “Nada, porém, que não podemos consertar nos treinamentos e nos próximos amistosos”, completou.
                A reapresentação do elenco Carijó está marcada para as 9h desta sexta-feira (24/06) para um treino técnico.
                *Ailton Alves é Jornalista e Assessor de imprensa do Tupi

Villa Nova (Nova LIMA)

por Wagner Augusto*
O elenco alvirrubro trabalha normalmente até o sábado, no Estádio Municipal Castor Cifuentes. No domingo haverá folga. Na terça-feira o time do técnico Leonardo Condé realiza mais um jogo-treino. O adversário será o Cuiabá-MT, às 15h, na Toca da Raposa. O clube mato-grossense faz temporada no CT do Cruzeiro e aproveita para enfrentar o Leão do Bonfim.
Na tarde de quarta-feira, o Villa perdeu por 2x0 para o América, em jogo-treino realizado no CT Lanna Drumond. Os gols do Coelho forma marcados por Netinho e William Júnior, um em cada tempo.
A diretoria do Leão confirmou a contratação de mais dois reforços: o goleiro Fred, 27 anos, e o atacante Fabiano, também de 27 anos.
Os dois atletas começam a trabalhar com bola na segunda-feira.


FICHA DOS JOGADORES
Fred Nome: Frederico Luís Ladeira Campos
Data de Nascimento: 27/4/1984
Naturalidade: Viçosa (MG)
Altura: 1,84m
Peso: 81kg
Trajetória no Futebol:
Cruzeiro-MG
Democrata-MG
Ipatinga-MG
Americano-RJ
Guarani-MG.

Fabiano
Nome: Fabiano Vieira Soares
Data de Nascimento: 15/4/1984
Naturalidade: Américo Brasiliense (SP)
Altura: 1,84m
Peso: 70kg
Trajetória no Futebol:
Atlético Sorocaba-SP
Santos-SP
Guarani-SP
Sport-PE
Ipatinga-MG
Paulista-SP.
*Wagner Augusto é jornalista e assessor de imprensa do Villa Nova

Literatura

"Viver Poesia"
Editado com recursos da Lei Murilo Mendes de Incentivo à Cultura, a escritora Marilda Ladeira lançou em Juiz de Fora, a obra "Viver Poesia", com prefácio das pesquisadoras de literatura Leila Barbosa e Marisa Timpini.

A publicação tem temática infantojuvenil e poemas que abordam o universo lúdico e antigas brincadeiras de crianças.

Emoldurados por coloridíssimas ilustrações de Margareth Campos Moreira, os versos de Marilda abordam observações, questionamentos e jogos pueris. Os leitores encontrarão observações sobre mudanças, aspectos da natureza, passagem do tempo, diferenças, bolas de sabão, pipas, pernas de pau, chicotinho queimado e amarelinha, entre outras referências da infância. A programação visual, assinada por Knorr, dá um toque a mais, criando perspectivas e jogos visuais.

A autora:
Marilda Ladeira é mineira de Belo Horizonte e vive em Juiz de Fora desde a década de 1950. Tem mais de 40 anos de experiência reconhecida na área literário-jornalística e de publicidade e propaganda. Poeta, contista e cronista, tem publicados os livros “O enunciado da flor e da pedra” (1978) e “As coisas findas” (2002). Letrista de música, tem composições gravadas pelo grupo Lúdica Música! (“Clara Evidência”) e pela cantora Ana Carolina (“Tô caindo fora”).

Fundadora e diretora da “Prevendo” nos anos 70 - a primeira agência de publicidade de Juiz de Fora e do interior de Minas -, atuava também como apresentadora e jornalista da “TV Industrial” e como repórter e colunista do jornal “Diário Mercantil”.

Editou a revista “O Lince” e o jornal “Correio da Mata” e na década de 1980, Marilda fez parte da equipe que fundou o jornal “Tribuna de Minas”.

Em 2002, foi uma das escritoras destacadas no livro “Letras da Cidade”, de Leila Barbosa e Marisa Timponi.