terça-feira, 28 de setembro de 2010

Literatura

"60 anos de telejornalismo no Brasil: História, análise e crítica"
Prefácio: José Marques de Melo
Apresentação: Antônio Hohlfeldt

Depois de seis décadas de telejornalismo em nosso país, um grupo atento e comprometido de professores, pesquisadores e profissionais de dez universidades públicas brasileiras, historiam, analisam e criticam os erros e acertos da televisão. Empenharam-se em apresentar uma compreensão e visão integral do fenômeno telejornalístico: sua evolução histórica, “a revolução das fontes”, seus gêneros, sua influência na cidadania e na identidade nacional, o modelo comercial e o público, o ciberespaço, sua ação política e o poder, seu compromisso com a justiça social, e a formação profissional. Esta é a reflexão que este livro propõe sobre os noticiários que adentram em quase cem por cento dos lares brasileiros.

Organizadores:
Alfredo Vizeu – Jornalista diplomado, Doutor em Comunicação pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). É professor de graduação e pós-graduação da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE), sócio-fundador da Sociedade Brasileira dos Pesquisadores em Jornalismo, coordenador do núcleo de Jornalismo e Contemporaneidade (PPGCOM/UFPE), integrante do Conselho Científico da SBPJor e integrante da Comissão de Diretrizes Curriculares de Jornalismo MEC-2009. Autor dos livros: Decidindo o que é notícia (Edipucrs, 2000) e O lado oculto do telejornalismo (Calandra, 2005).

Flávio Porcello – Jornalista diplomado, Mestre e Doutor em Comunicação Social pela PUC do Rio Grande do Sul. É professor de telejornalismo nos cursos de Graduação e Pós-graduação do Departamento de Comunicação da Faculdade de Biblioteconomia e Comunicação e Secretário de Comunicação Social da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS). Coordenador da Rede de Pesquisadores em Telejornalismo da SBPJor e autor do livro TV Universitária: Limites e Possibilidades (Edipucrs, 2002).

Iluska Coutinho – Jornalista diplomada (UFES, 1993), Mestre em Comunicação e Cultura (UnB, 1999), e Doutora em Comunicação Social (Umesp, 2003), com estágio doutoral na Columbia University (NY). É professora da Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF), coordenadora do PPGCOM/UFJF e líder do grupo de pesquisa Telejornalismo UFJF-Intercom. Membro do Conselho Consultivo da Intercom (Representante Sudeste), integra o Conselho Científico. Desenvolve pesquisa sobre público e telejornalismo, com apoio do CNPq.

Autores:
Ana Carolina Rocha Pessoa Temer – Jornalista diplomada pela Escola de Comunicação da UFRJ, Especialista em Sociologia pela Universidade Federal de Uberlândia, Mestre e Doutora em Comunicação Social pela Universidade Metodista de São Paulo (Umesp). É professora do Programa de Pós-graduação da Faculdade de Comunicação e Biblioteconomia (FACOMB), da Universidade Federal de Goiás (UFG). Autora dos livros Notícias & Serviços nos telejornais da Rede Globo (Sotese, 2002), Para Entender as Teorias da Comunicação (Edufu, 2009), e A televisão em busca da Interatividade (Casa das Musas, 2009).

Beatriz Becker – Jornalista diplomada, Doutora em Comunicação e Cultura pelo Programa de Pós-Graduação da Escola de Comunicação da UFRJ, Pós-Doutora pelo Programa de Pós-Graduação em Comunicação e Semiótica da PUC- São Paulo. É professora do Departamento de Expressão e Linguagens e do Programa de Pós-graduação da Escola de Comunicação da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), coordenadora do laboratório e do site TJUFRJ, o telejornal online da ECO-UFRJ, vice-presidente da SBPJor, autora do livro A linguagem do telejornal (E-papers, 2005), e co-autora de Pantanal, a Reinvenção da Telenovela (Educ, 2008).

Célia Ladeira Mota – Jornalista diplomada, Doutora em Comunicação pela Universidade de Brasília. É professora de telejornalismo e pesquisadora do NEMP – Núcleo de Estudos de Mídia e Política da Universidade de Brasília (UNB).

Christina Ferraz Musse – Jornalista diplomada, Mestre e Doutora em Comunicação e Cultura pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). É professora da Faculdade de Comunicação e do Programa de Pós-Graduação em Comunicação da Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF). É autora do livro Imprensa, cultura e imaginário urbano: exercício de memória sobre os anos 60/70 em Juiz de Fora (Nanquim Editorial, 2008) e pesquisadora responsável pelo projeto “Televisão e imaginário urbano: as narrativas da cidade no espaço dos telejornais”, que resultou no documentário “Cidades Possíveis”, lançado em 2009.

Débora Lapa Gadret - Jornalista diplomada pela Faculdade de Biblioteconomia e Comunicação da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), onde cursa mestrado no Programa de Pós-Graduação em Comunicação e Informação (PPGCOM/UFRGS) na linha de pesquisa Jornalismo e Processos Editoriais. É bolsista do CNPQ com pesquisa na área do telejornalismo.

Edna Mello Silva – Jornalista diplomada pela Universidade São Judas Tadeu, mestrado e doutorado em Ciências da Comunicação pela Universidade de São Paulo. É professora do curso de Comunicação Social da Universidade Federal do Tocantins (UFT) e coordenadora da Linha de Pesquisa Jornalismo audiovisual no Núcleo de Estudos e Pesquisa em Jornalismo em Multimídia (NEPJOR). É co-autora do livro: Espelho infiel: o negro no jornalismo brasileiro (Imprensa Oficial do Estado de São Paulo, 2004).

Fabiana Siqueira – Jornalista diplomada e doutoranda em Comunicação na Universidade Federal de Pernambuco (UFPE). Possui mestrado em Engenharia de Produção, na área de Qualidade pela Universidade Federal de Santa Maria (UFSM). Trabalha há mais de 12 anos na área de telejornalismo e atualmente pesquisa as rotinas produtivas e os impactos provocados pelo aumento da participação do público nos telejornais.

Guilherme Rezende – Jornalista diplomado, Doutor em Comunicação pela UMESP. É professor associado da Universidade Federal de São João del-Rei (UFSJ), onde coordena o Curso de Jornalismo e integra o Programa de Pós-Graduação em Crítica da Cultura. É autor de diversos artigos e capítulos de livros e da obra Telejornalismo no Brasil: um perfil editorial (Summus, 2000).

Jhonatan Mata – Jornalista diplomado pela Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF), mestrando PPGCOM/UFJF, linha Comunicação e Identidades. Bolsista da Capes. Participa atualmente da pesquisa “A incorporação do público no telejornalismo brasileiro”, coordenada pela Profa. Dra. Iluska Maria da Silva Coutinho.

Lara Mateus- Jornalista diplomada, bolsista PIBIC do Projeto "Do Mito da Imagem ao diálogo Televisual: o jornalismo como forma de conhecimento", orientado pela professora Dra. Beatriz Becker (UFRJ).

Liana Vidigal Rocha – Jornalista diplomada pela Universidade Federal do Espírito Santo (UFES), Mestre e Doutora em Ciências da Comunicação pela Universidade de São Paulo. Trabalhou na UniABC, em Santo André, entre os anos de 2000 e 2002, e na Universidade Anhembi Morumbi, em São Paulo, de 2001 a 2008. É professora e coordena o Núcleo de Estudos e Pesquisa em Jornalismo e Multimídia (NEPJOR) da Universidade Federal do Tocantins (UFT).

Mila Pernisa - Jornalista diplomada com especialização em Comunicação Empresarial e mestranda em Comunicação e Sociedade na Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF). É professora no curso de Comunicação Social do Centro de Ensino Superior de Juiz de Fora. Autora do artigo "Traços da Mineiridade nos telejornais da TV Alterosa e da Rede Minas" no livro 40 anos de Telejornalismo em Rede Nacional - olhares críticos (Insular, 2009).

Sérgio Mattos - Jornalista diplomado, Mestre e Doutor em Comunicação pela Universidade do Texas (Austin, EUA). É professor da Universidade Federal do Recôncavo da Bahia (UFRB) e autor de 40 livros, dentre os quais Mídia Controlada: história da censura no Brasil e no mundo (Paulus, 2005), História da Televisão Brasileira: uma visão econômica, social e politica (Vozes, 2009, 4ªed.) e Contexto Midiático (IGHB, 2009).

Valquiria Kneipp – Jornalista diplomada pela Unesp (Bauru), Mestre e Doutora em Ciências da Comunicação pela Escola de Comunicações e Artes da USP. Também atua na área de Comunicação Organizacional e Mídia Training. É professora de Edição em TV, Pesquisa em Comunicação, Oficina de produção e realização em Rádio e TV no curso de Comunicação Social - Habilitações em Jornalismo e Radialismo da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN).

Assessor de Imprensa é jornalista!


Mônica Santos*

A discussão que se desenrola em torno das assessorias de imprensa e comunicação e se o profissional que ocupa esse cargo deve ser definido como jornalista ou não merecem, sem dúvida nenhuma, uma discussão mais aprofundada, a fim de que nós, jornalistas, não nos arrependamos mais tarde por estar destruindo um importante mercado de trabalho em vez de trabalharmos por mais espaços. Há muitos anos temos sentido na pele quanto escassos estão os empregos nas redações e agora nos deparamos com os próprios colegas de profissão questionando se são jornalistas aqueles que trabalham em assessoria de imprensa. Por isso decidi entrar neste debate e coloco aqui muito mais um depoimento do que um artigo em defesa do diploma, isso é certo, e a importância de cursar uma faculdade para uma atuação digna e ética seja nas redações seja nas assessorias de imprensa e/ou comunicação.

Iniciei minha carreira em 1983, formada aos 21 anos, como jornalista da então minúscula assessoria de comunicação do Banco do Estado de Minas Gerais (BEMGE), comprado posteriormente pelo Itaú, cerca de dois anos após minha saída. Posso dizer, sem sombra de dúvida, que foram meus anos de faculdade que me deram a base para avançar com um trabalho de comunicação interna, pouco expressivo na época, com a produção de um house organ, que ganhou uma grande visibilidade entre os funcionários, e, posteriormente, a redação de materiais institucionais, que contribuíram para uma integração maior das áreas do banco, que possuía, inclusive, agências em outros estados, como no Rio de Janeiro e São Paulo.

Sem o direcionamento da postura jornalística, principalmente, em relação aos entrevistados, e o cuidado e rigor na redação das matérias, editoriais e artigos, apreendidos na faculdade, seria impossível realizar meu trabalho no banco. Sem dúvida nenhuma, ficaria perdida, pois não teria base para fazer as entrevistas com objetividade e difícil seria definir o foco e propiciar uma redação ao mesmo tempo objetiva e consistente. A ética era também uma busca constante e essa foi consolidada através do esforço de muitos professores em transmitir esse valioso preceito aos alunos, fundamental na profissão e que nos dá a vontade se seguir em frente na luta diária, que todos nós jornalistas sabemos não é fácil.

Em 1986 entrei na revisão do jornal Estado de Minas, onde fiquei por dois anos e passei depois para a redação, onde trabalhei por oito anos na querida Editoria de Agropecuária, onde fazíamos, ainda, a cobertura pioneira no estado de Meio Ambiente e de Consumo, essa também realizada pelo Diário da Tarde. A Agropecuária foi fundida, depois, com a editoria de Economia, onde fiquei por mais oito anos. Os 16 anos de redação foram de uma dedicação e aprimoramento que poderia dizer exaustivos, pois quando sai em 2002 era assim que me sentia. Só mesmo muita garra e obstinação para enfrentar a pressão e a manutenção firme da ética no dia-a-dia de uma redação. Além do trabalho nos domingos e feriados, com a sobra de muito pouco tempo para a família e a vida privada.

Sem descanso nem um mês, pois tinha contas a pagar, assim que sai do jornal comecei a escrever para revistas, como a de pecuária de leite Balde Branco e ao final de 2003 fui contratada como Assessora de Comunicação da Associação das Indústrias Sucroenergéticas de Minas Gerais (SIAMIG), onde me encontro até hoje. Então, retornei à assessoria de comunicação em um momento em que foram lançados os carros flex no mercado nacional e o setor sucroenergético deu um boom e hoje vemos toda movimentação em torno das energias limpas, como o etanol e a bioeletricidade, gerada pelo bagaço da cana. Pensei que iria sair do jornal e fazer uma coisa mais leve, mas qual nada, o crescimento extraordinário do setor em Minas Gerais e no país tem exigido de mim a mesma dedicação e obstinação diária de uma redação de jornal. Não fosse toda a base jornalística apreendida desde os tempos de faculdade, não conseguiria dar o direcionamento e atender com toda atenção a grande Mídia e Imprensa Especializada, além da formatação de conteúdo que para site, material institucional, feiras e eventos, que expressassem o trabalho desenvolvido pelo setor e sua expansão.

Outro dia li um artigo no jornal Estado de São Paulo (9/9)do professor da ECA-USP, Eugênio Bucci, "Assessor de Imprensa é jornalista?" e fiquei chocada, principalmente, pelo modo desrespeitoso com que tratou os jornalistas, assessores de Comunicação, descartando a importante bagagem que inicia na escola tanto para o exercício do jornalismo nas redações de jornal e assessorias, função que deve ser exercida com dignidade e ética. Mesmo trabalhando agora na assessoria, a realização de entrevistas, objetividade, busca de profundidade no conhecimento dos assuntos e clareza na redação e repasse das informações são as mesmas.

É difícil entender porque nós jornalistas trabalhamos contra nós mesmos, querendo extinguir espaços conquistados e, principalmente, mantidos ao longo de anos e colocando "lenha" nessa polêmica toda em torno dos assessores de imprensa e/ou comunicação. Da minha parte digo com todas as letras que sou, sempre serei e honrarei a profissão que abracei, com todas as forças, para minha vida! E pela minha experiência, já se vão 27 anos de formada nada mais importante do que a faculdade e como conseqüência o diploma, como base fundamental de nossa profissão, principalmente, para aprender a amá-la, defendê-la e honrá-la!
*Mônica Santos é Jornalista

Assessor de imprensa é jornalista?

Eugênio Bucci*

Tramita no Senado a Proposta de Emenda Constitucional (PEC) 33/09, que restabelece a exigência de diploma em Comunicação Social, com habilitação em jornalismo, para o exercício da profissão de jornalista. Essa PEC surgiu no final do ano passado, logo após a decisão do Supremo Tribunal Federal que derrubou a obrigatoriedade do diploma, por entendê-la inconstitucional. O raciocínio que a inspira é bem simples: se a exigência do diploma era inconstitucional, basta, agora, inscrevê-la na própria Constituição e, assim, sua inconstitucionalidade cessará. Para tanto ela modifica o artigo 220 para fazer constar da Lei Maior o diploma obrigatório. Em tempo: a emenda já passou pela Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania do Senado Federal e agora, para seguir em frente, depende da decisão do plenário.

Se aprovada a PEC, o diploma não será apenas obrigatório como era antes: ele será constitucionalmente obrigatório. Mas será que isso resolverá as indefinições que pesam sobre a profissão de jornalista? A resposta é não. A exigência ou a não exigência do diploma é um tópico secundário. O ponto mais grave, hoje como antes, é a definição desse ofício: em que consiste a profissão de jornalista? O diploma será obrigatório para o sujeito fazer exatamente o quê? Esse "o quê" é o ponto central.

Quanto a isso persiste uma confusão que compromete todo o resto. Ainda se acredita no Brasil que jornalistas e assessores de imprensa desempenham uma única profissão. Isso não faz sentido algum, nem aqui nem em nenhum outro lugar do mundo. Desconheço países de boa tradição democrática onde jornalistas se vejam como assessores de imprensa ou vice-versa. Ambas as atividades são essenciais e dignas, por certo, mas totalmente distintas uma da outra. No Brasil, no entanto, são vistas por muita gente como se fossem uma coisa só. Por que fomos cair nessa confusão?

A origem de tal embaralhamento vem da nossa cultura sindical. Como, historicamente, muitos jornalistas profissionais foram migrando, aos poucos, para as assessorias de imprensa, os sindicatos de jornalistas passaram a ter, entre seus associados, contingentes cada vez maiores de assessores. Para não perderem filiados esses sindicatos começaram a representar, de uma vez só, uns e outros. Nasceu assim uma teoria corporativista segundo a qual tanto os repórteres como os assessores de imprensa praticam "jornalismo". Nada mais falso - e nada mais pernicioso para a compreensão do que significa a independência editorial como primeiro dever de todo jornalista. Se um assessor de imprensa é jornalista, a independência editorial deixou de ser um requisito para definição dessa profissão. De acordo com essa novíssima semântica, uma redação não precisa ser independente para realizar a função de imprensa.

Essa teoria se expressa de modo escancarado no Código de Ética dos Jornalistas Brasileiros, da Federação Nacional dos Jornalistas (Fenaj). Venho sustentando há vários anos - e venho sustentando isso dentro da Fenaj, à qual sou filiado - que o nosso código está assentado sobre um conflito de interesses insolúvel. Dou aqui apenas dois sintomas desse conflito que o código não consegue - por mais que tente - ocultar.

O artigo 7.º, inciso VI, diz que "o jornalista não pode realizar cobertura jornalística para o meio de comunicação em que trabalha sobre organizações públicas, privadas ou não governamentais, da qual seja assessor, empregado, prestador de serviço ou proprietário (...)". Note bem o leitor: o Código de Ética dos Jornalistas Brasileiros proíbe que, como repórter contratado de algum jornal, o jornalista escreva sobre o órgão em que também seja contratado como assessor, mas, e aí está o dado espantoso, o mesmo código admite que o jornalista mantenha duplo emprego, podendo ser repórter num jornal e assessor de imprensa num órgão público, ao mesmo tempo, como se isso fosse normal num regime de imprensa independente.

O outro sintoma: o artigo 12 afirma que "o jornalista deve, ressalvadas as especificidades da assessoria de imprensa, ouvir sempre, antes da divulgação dos fatos, o maior número de pessoas e instituições envolvidas em uma cobertura jornalística". Nesse artigo o código confessa que a ética jornalística não vale sempre, do mesmo modo, para os assessores: os primeiros têm o dever de ouvir todos os envolvidos numa história; os segundos, não. Mesmo assim, a despeito dessa franca distinção, o código pretende valer para ambos os profissionais.

Vale repetir: o Código de Ética dos Jornalistas Brasileiros está assentado sobre um conflito de interesses. A Fenaj, a maior defensora da PEC 33/09, chama assessoria de imprensa de jornalismo. Sintomaticamente, outra vez, a Justificação da PEC, assinada pelo senador Antônio Carlos Valadares (PSB-SE), embarca na mesma lógica e corrobora a teoria de que o ofício da imprensa se estende por várias funções, "do pauteiro ao repórter, do editor ao planejador gráfico, do assessor de imprensa ao fotojornalista". Segundo essa lógica, enfim, a assessoria de imprensa, assim como o fotojornalismo ou o planejamento gráfico, é função jornalística.

O maior dano causado por essa teoria é a diluição do conceito de imprensa independente. Essa lógica não realça a função social de fiscalizar o poder que só o jornalismo independente pode realizar. Jornalistas trabalham para que as perguntas que todo cidadão tem o direito de fazer sejam respondidas, enquanto assessores trabalham para que as mensagens que seus empregadores ou clientes gostariam de difundir sejam divulgadas. Essa distinção deveria ser explícita dentro da própria Fenaj e dentro do Congresso Nacional. Aí, sim, saberíamos com segurança para que atividades a Constituição passará a impor o diploma obrigatório.
*Eugênio Bucci é Jornalista e Professor
Fonte: O Estado de São Paulo

PDV - programas de desligamento voluntário

Projeto anistia empregados de estatais que aderiram a PDV nos anos 90

A Câmara analisa o Projeto de Lei 7546/10, que anistia ex-empregados de empresas públicas e sociedades de economia mista demitidos nos anos 1990 em razão de programas de desligamento voluntário (PDV). Se a medida for aprovada, a reintegração ao serviço ocorrerá a pedido do funcionário demitido em um prazo de até seis meses, contados a partir da publicação da nova regra.

O interessado deverá apresentar requerimento fundamentado, acompanhado dos documentos necessários. Quem retornar ao serviço deverá devolver aos cofres públicos os valores recebidos em razão da adesão ao PDV. Segundo o texto, a devolução poderá ser parcelada e o valor de cada parcela será de, no máximo, 10% da remuneração.

De autoria da Comissão de Trabalho, de Administração e Serviço Público, o projeto determina ainda o retorno desses empregados aos cargos correspondentes aos ocupados antes da demissão.

Em caso de extinção da vaga, eles ocuparão cargos compatíveis e receberão salários equivalentes aos recebidos anteriormente. O empregado poderá participar de cursos de reciclagem, por conta do empregador, se necessitar de atualização para executar suas tarefas.

Prioridade
Terão prioridade de retorno ao trabalho os desempregados, os maiores de 60 anos e os empregados que recebam até cinco salários mínimos, nessa ordem. Os portadores de doenças incapacitantes para o trabalho que forem reintegrados poderão aposentar-se por incapacidade.

Ficará proibida qualquer remuneração retroativa. Além disso, a anistia só gerará efeitos financeiros a partir do efetivo retorno ao trabalho, e os custos serão bancados pelas empresas.

Desmembramento
O projeto é um desdobramento do PL 4293/08, também sobre a reintegração de servidores, que foi aprovado em junho pela Comissão de Trabalho com parecer do relator Sebastião Bala Rocha (PDT-AP). O substitutivo aprovado permite a reintegração de ex-servidores federais regulados pelo regime jurídico estatutário (Lei 8.112/90). Já o PL 7546/10 restringe-se à reintegração de empregados de estatais, regidos pela Consolidação das Leis do Trabalho (CLT - Decreto 5.452/43).

"Não há cabimento tratar indistintamente servidores de estatais e de órgãos ou autarquias públicas", explicou Bala Rocha.

Tramitação
O projeto será analisado pelas comissões de Finanças e Tributação; e de Constituição e Justiça e de Cidadania, antes de ser votado pelo Plenário.

Reportagem - Noéli Nobre
Edição - Ralph Machado

Literatura

Amor e cobranças da torcida do Fluminense serão registrados em livro
Por Alex de Souza

As histórias e posts do blog tricolor "Flusócio" serão compiladas em um livro que promete resgatar a história tricolor.
No próximo dia 04 de outubro, às 19h, na Livraria Blooks, localizada à Praia de Botafogo (unibanco Artiplex), será lançado o livro Cidadania Tricolor - Porque o Fluminense somos todos nós.


Um time tricolor, que não atuava dentro das quatro linhas, mas que fazia a diferença em algumas decisões importantes do clube das Laranjeiras, criou um blog que se tornaria em 2008 uma voz ecoante. Era o Flu Sócio.

A idéia da criação da ferramente virtual tinha o objetivo de divulgar o material que circulava nas listas fechadas e desde então, um time de 22 tricolores, das mais variadas regiões do país, formaram uma equipe que, diariamente, discutia pautas e posts, para publicação.

Depois de alcançar o status de porta-voz da torcida perante a alguns abusos e acontecimentos dentro e fora do Fluminense, o Blog da Flusócio parte para o registro de sua história recente em livro.

Com mais de 300 páginas e textos selecionados pelo jornalista Dhaniel Cohen, um dos idealizadores do blog, o livro conta com conteúdo publicado entre março de 2008 e maio de 2010, divididos em 10 capítulos: Cidadania Tricolor, Flusócio, História, Ídolos, Imprensa, Libertadores 2008, Marketing, Planejamento, Torcida Tricolor e Xerém.

“Quando atingimos mil ‘posts’, comecei a pensar que em algum momento teríamos que registrar isso, pois estávamos fazendo história", conta o entusiasmado Dhaniel.

O livro terá tirarem de mil exemplares e um custo provável de R$ 45. Inicialmente, só será vendido no dia do lançamento, sendo reservados 10% para tricolores de fora do Rio de Janeiro.

Cidadania Tricolor – Porque o Fluminense somos todos nós
Lançamento: 04/10/2010 (segunda-feira), de 19h às 22h
Livraria Blooks (Unibanco Arteplex), na Praia de Botafogo.
Blog da Flusócio: www.flusocio.com.br/blog
Fonte: http://www.oreporter.com/

Amistosos

CBF confirma amistosos com Irã e Ucrânia
Seleção brasileir nunca enfrentou nenhuma das duas seleçõesA Seleção Brasileira já definiu os adversários dos amistosos das datas FIFA, entre os dias 6 e 13 de outubro.

No dia 07/10, o Brasil enfrentará a seleção do Irã, em Abu Dhabi, nos Emirados Árabes Unidos

No dia 11 de outubro, o Brasil jogará contra a seleção da Ucrânia, em Derby, na Inglaterra.
O jogo acontecerá no Pride Park Stadium, com capacidade para 33.700 espectadores, às 15h45m(horário de Brasília). Derby é a cidade que possui o maior número de imigrantes ucranianos na Inglaterra

A Seleção Brasileira nunca enfrentou as seleções de Irã e Ucrânia, colocadas em 57º e 26º lugares no ranking da FIFA, respectivamente.
Fonte: uai

segunda-feira, 27 de setembro de 2010

Copa Sulamericana

A Conmebol divulgou a tabela de jogos das oitavas de final da Copa Sul-Americana. O Atlético, que avançou após vencer o Grêmio Prudente, vai encarar o Independiente Santa Fé, da Colômbia, no dia 13 de outubro, às 22h, provavelmente na Arena do Jacaré. A partida de volta será dia 20, às 19h, em Bogotá.

Quem avançar à fase seguinte da Sul-Americana vai encarar, nas quartas de final, em novembro, o vencedor do confronto entre Palmeiras e Universitário Sucre, da Bolívia.

A relação das partidas, datas e horários são as seguintes:

Partidas de ida:
28.09.10: Defensor Sporting (URU)-Independiente (ARG) 21h15 local
29.09.10: Banfield (ARG)-Deportes Tolima (COL) 21h15 local
06.10.10: Newell's Old Boys (ARG)-San José (BOL) 21h15 local
12.10.10: Unión San Felipe (CHI)-Liga de Quito (EQU) 20h15 local
13.10.10: Goiás (BRA)-Peñarol (URU) 19h30 local
13.10.10: Atlético (BRA)-Ind. Santa Fe (COL) 22h00 local
13.10.10: Emelec (EQU)-Avaí FC (BRA) 20h00 local
14.10.10: Universitario de Sucre (BOL)-Palmeiras (BRA) 20h15 local

Partidas de volta:
12.10.10: Deportes Tolima-Banfield 20h30 local
19.10.10: Independiente-Defensor Sporting 19h20 local
19.10.10: Liga de Quito-Unión San Felipe 20h00 local
20.10.10: Peñarol-Goiás 19h30 local
20.10.10: Palmeiras-Universitario de Sucre 22h00 local
20.10.10: Independiente Santa Fe-Atlético Mineiro 19h00 local
21.10.10: Avaí-Emelec 20h15 local
21.10.10: San José-Newell's Old Boys 20h45 local
Fonte: http://www.uai.com.br/

VITÓRIA (BA) 1 X 2 FLUMINENSE (RJ)

Gols: Conca, de penalti (12'/2ºT), Henrique (16'/2ºT) e Rodriguinho (19'/2ºT)
Vitória: Viáfara (Lee), Eduardo, Wallace, Thiago Martinelli e Egídio; Vanderson (Ramon, 20'/2ºT), Ricardo Conceição, Elkeson e Bida; Henrique (Kleber Pereira, 20'/2ºT) e Schwenck
Técnico: Ricardo Silva.
Fluminense: Rafael, Mariano, Gum, Leandro Euzébio e Carlinhos (Julio Cesar, 9'/2ºT); Diogo, Fernando Bob, Deco (Valencia, 46'/2ºT)e Conca; Rodriguinho (Marquinho, 37'/2ºT) e Washington
Técnico: Muricy Ramalho.
Data/hora: 26/9/2010 - 16h (de Brasília)
Árbitro: Francisco Nascimento (AL), Auxiliares: Pedro Jorge Santos de Araújo (AL) e José Jaime Rocha Bispo (AL)
Público: 12.994 ( 11.187 pagantes )
Renda: R$ 348.030,00
Cartões amarelos: Bida, Elkeson, Ricardo Conceição e Wallace (VIT) Carlinhos e Deco (FLU)

Obs.: Com um jogo a mais, o Fluminense reassume a liderança, com 48pontos (01 a mais do que o Corinthians), 02 pontos mais do que fez em todo o Campeonato Brasileiro 2009. Em 42 jogos contra o Vitória (apenas 11 no RJ), 21 vitórias, 13 empates e 08 derrotas, 67 gols a favor e 37 contra. No Barradão, onde o Vitória tem um aproveitamernto muito alto contra alguns grandes clubes, em 06 jogos, 03 vitórias do Fluminense, 02 derrotas e 01 empate, 13 gols pró e 11 contra.

Colaboração: Alexandre Magno Barreto Berwanger

Tiririca

A candidatura de Francisco Everardo Oliveira Silva, o "Tiririca", acusado de ser analfabeto, será mantida, de acordo com informações da Procuradoria Regional Eleitoral em São Paulo (PRE-SP), pois o procedimento de registro do candidato já foi deferido em 19 de agosto. No entanto, Tiririca pode não assumir o cargo de deputado federal mesmo se vencer as eleições. Isso pode ocorrer caso a Procuradoria constate algo irregular nos documentos que informam a escolaridade do candidato.

Se for comprovado que Tiririca é analfabeto, ele pode ser vetado por inelegibilidade constitucional, conforme artigo 14, parágrafo 4º da Constituição Federal.

Art. 14. A soberania popular será exercida pelo sufrágio universal e pelo voto direto e secreto, com valor igual para todos, e, nos termos da lei, mediante:

§ 4º - São inelegíveis os inalistáveis e os analfabetos.

A Procuradoria informou que está tomando as providências para apurar o caso e vai solicitar o registro de candidatura ao Tribunal Regional Eleitoral de São Paulo (TRE-SP) para examinar o que de fato foi apresentado pela candidato em relação à sua escolaridade.

Estatuto da Igualdade Racial

Projeto inclui informação sobre raça em documentos trabalhistas

Tramita na Câmara o Projeto de Lei 7720/10, do deputado Vicentinho (PT-SP), que altera o Estatuto da Igualdade Racial (Lei 12.288/10) para tornar obrigatória a inclusão do quesito cor/raça em diversos documentos relacionados a trabalho e emprego, tanto no setor público como na iniciativa privada. Essa informação deve ser obedecer ao critério de autoclassificação.

Conforme o projeto, o quesito cor/raça será obrigatório nos seguintes documentos:
- formulários de admissão e demissão;
- formulários de acidente de trabalho;
- instrumentos administrativos do Sistema Nacional de Emprego (Sine);
- formulários da Previdência Social;
- Relação Anual de Informações Sociais (Rais); e
- inquéritos do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Os dados recolhidos nesses documentos serão organizados pela Secretaria de Políticas de Promoção da Igualdade Racial e utilizados como subsídios para a implementação do plano nacional de promoção da igualdade racial.

Vicentinho afirma que sua proposta já foi discutida durante a tramitação do estatuto no Congresso, mas foi rejeitada em razão da “emotividade” que marcou o debate do projeto.

“Embora a Lei que institui o Estatuto da Igualdade Racial só deva entrar em vigor noventa dias após sua publicação, ou seja, na segunda metade do mês de outubro de 2010, nada impede que a discussão de novas cláusulas tenha início, imediatamente, no Congresso Nacional. Pelo contrário, trata-se de uma maneira de indicar ao país que a luta pela democracia racial segue viva no Poder Legislativo”, acrescenta.

Tramitação
A proposta terá análise conclusiva das comissões de Trabalho, de Administração e Serviço Público; de Direitos Humanos e Minorias; e de Constituição e Justiça e de Cidadania.
Fonte: Agência Câmara

Empreendedor individual

Contador que não atender empreendedor individual será excluído do Simples

Segundo a Agência Sebrae, a Receita Federal irá começar a fazer esse levantamento, para excluir essas empresas.

As empresas de contabilidade inscritas no Simples Nacional que não atendem gratuitamente os empreendedores individuais serão excluídas do programa, alertou o gerente de Políticas Públicas do Sebrae, Bruno Quick.

Segundo a Agência Sebrae, a Receita Federal irá começar a fazer esse levantamento, para excluir essas empresas.

O órgão tem recebido grande número de reclamações sobre as empresas desse setor. Os empreendedores afirmam que elas estão se negando ou dificultando o atendimento.

Setor de contabilidade
O diretor de Tecnologia e Negócios da Fenacon (Federação Nacional das Empresas de Serviços Contábeis e das Empresas de Assessoramento, Perícias, Informações e Pesquisas), Carlos Roberto Vitorino, concorda com a ação da Receita, já que é uma determinação legal baseada em acordo antecipado.

Ele acrescenta que as exclusões podem ser muito significativas para o setor, que contabiliza mais de 31 mil empresas no Simples Nacional.
Fonte: http://www.contadores.cnt.br/

Dia do Idoso

Há no Brasil controvérsias sobre o dia dia do idoso, 27 de fevereiro, 27 de setembro ou 01º de outubro.

Exemplo de vida na 03ª idade é a da Senhora Carolina de Assis Repetto, dona Lilina (foto), que comemorou 90 anos no último dia 17/09 e contou com a celebração de uma missa em Ação de Graças na capela de Nossa Senhora da Glória, na Fazenda da Floresta.

Primeira aviadora de Minas, dona Lilina recebeu o brevê em 1939, quando tinha 19 anos. Durante o curso de pilotagem conheceu Roberto Repetto, outro adepto dos aviões, com quem se casou e teve nove filhos: Beatriz, Marcelo, Renato, Ana Maria, Luiz Roberto, Madalena, Carlos, Lalu e Julia. Depois vieram os 18 netos e oito bisnetos.

Há vários anos residindo na Florestinha, região nobre do bairro Floresta, dona Lilina projetou boa parte das casas do condomínio, o que repercutiu com destaque em revistas especializadas em arquitetura.

O fato a lamentar foi a perda recente do filho Renato de Asis Repetto, na tragédia de Angra dos Reis, do dia 01º de janeiro. No dia 03 de janeiro, mesmo na época, aos 89 anos, dona Lilina acompanhou, no cemitério São João Batista, na zona sul do Rio de Janeiro, os sepultamos do filho Renato, da nora Ilza Maria Rolland e das bisnetas Gabriela e Geovana Ribaski Brazil Repetto, netas de Marcelo de Assis Repetto.

Na tragédia ficaram feridos Marcelo de Assis Repetto Filho e Cláudia Ribaski Brazil Repetto, pais de Gabriela e Geovana.
 
A única escola do bairro Floresta, E.M. Carolina de Assis é uma homenagem a avó de dona Lilina.

domingo, 26 de setembro de 2010

Futebol

Módulo Três
Sport (Juiz de Fora) 2 x 2 Coimbra (Belo Horizonte)
A:Carlos Junio do Couto
A1: Marco Antônio da Silva
A2: Mariana Nunes de Caevalho
Gols: Tiago Emílio, aos 13'1T e Luiz Alves, aos 11'2T (Sport); Breno, aos 44'1T e Marcelo, aos 13'2T (Coimbra).
Público pagante: 154 torcedores
Renda: 1.020,00

Nacional (Nova Serrana) 2 x 1 Ideal (Ipatinga)
A: Walter Charles D'Assunção Gonçalves
A1:Adenílson Alves Teixeira
A2: Júnio Antônio da Silva
Gols: Sandro, aos 17'1T e Diego Silva, aos 36'2T (Nacional); Crison, aos 37'1T (Ideal).

Varginha 3 x 2 Fluminense (Araguari)
A: Mário José Lopes de Araújo
A1:Valdeci Angelo da Silva
A2: Marciano Pires de Lima
Gols: Fernando, aos 26'1T e Tiago, aos 7' e 37'2T (Varginha); Leandro Alves, aos 37'1T e 24'2T (Fluminense).

Obs: Guarani x Patrocinense
O árbitro Fernando Miranda Arraz não autorizou o início da partida por falta do médico responsável, conforme prevê o Estatuto do Torcedor

Taça Minas
Funorte (Montes Claros) 1 x 1 Mamoré (Patos de Minas)
Gols: Ricardo, aos 38'2T (Funorte); Reinaldo, aos 9'2T (Mamoré)

Tricordiano 0 x 1 Uberlândia
Gol: Carlos Magno, aos 28'1T (Uberlândia)

Série D
Uberaba 1 x 3 Madureira

Futebol Mineiro

Módulo três
Sport (Juiz de Fora): Gonçalves; Raúl, Luiz Alves, Franklin e Adriano; Júnior Negão, Darlesson, Petherson e Tiquinho; Felipe Arruda e Thiago Emílio. Técnico: Nando Ozório
Coimbra (Belo Horizonte): Erick, Glaucio, Neguetti, Guilherme e Pablo; Pires, Leandro Lopes, Andé e Breno; Marcelo e Biton. Técnico Guilherme Silveira.
Arbitragem: Carlos Júnio do Couto, Marco Antônio da Silva e Mariana Nunes de Caevalho.

Módulo um
O Tupi manteve o técnico Léo Condé para a próxima temporada. O técnico vai teabalhar com dois auxiliares, Felipe Suriane e Sérgio Alves.

sábado, 25 de setembro de 2010

Clube Atlético Mineiro

Depois de algum suspense, e até um certo mistério, o Atlético-MG anunciou o nome do novo treinador. Dorival Júnior, que havia sido demitido do Santos nesta semana, foi oficializado como o substituto de Vanderlei Luxemburgo.

Dorival, que chegou a ser cotado para assumir o São Paulo, assinou contrato até o final de 2011. O acordo foi definido em reunião entre o treinador, o presidente Alexandre Kalil e o diretor de futebol, Eduardo Maluf.

O novo técnico já comandará o Atlético no jogo deste domingo, contra o Grêmio, na Arena do Jacaré, em Sete Lagoas (MG), e será apresentado oficialmente após a partida. Dorival contará com o auxílio do interino Rogério Micale, treinador dos juniores e que comandou o treino deste sábado.

Dorival será o substituto de Luxemburgo, demitido ainda no vestiário do Engenhão após a goleada de 5 a 1 sofrida para o Fluminense, na noite de quinta-feira. Um dia depois, Kalil manifestara interesse no ex-treinador do Santos. O acerto foi confirmado neste sábado.

O treinador chegará ao Atlético embalado por dois títulos conquistados neste ano: o Campeonato Paulista e a Copa do Brasil. Dorival se destacou no primeiro semestre ao comandar os "Meninos da Vila", que encantaram a torcida com seu bom futebol. Ele deixou o clube paulista após se desentender com a diretoria, por conta de uma punição ao atacante Neymar.

Em Belo Horizonte, Dorival terá a missão de tirar o Atlético da temida zona do rebaixamento. O time mineiro ocupa a 18.ª colocação na tabela, com apenas 21 pontos, quatro a menos que o Avaí, primeiro time fora da zona da degola.

Esta é a segunda passagem de Dorival Júnior pelo futebol mineiro. Em 2007, ele comandou o Cruzeiro em todo o Campeonato Brasileiro, assumindo cargo que havia ficado vago com a saída de Paulo Autuori, na decisão do título mineiro, quando o Atlético foi campeão. O time celeste ficou em 5º lugar e se classificou para a fase preliminar da Libertadores de 2008.

No ano passado, sob o seu comando, o Vasco foi campeão da Série B. Dorival Júnior chegou à Vila Belmiro no início desta temporada e assinou contrato até o fim de 2011 com o Santos. O treinador comandou o time em 61 jogos, com 37 vitórias, oito empates e 16 derrotas, o que resulta em aproveitamento de 65% dos pontos disputados.

Rádio Tupi (Rio de Janeiro-RJ) - 25/09/35

A Super Rádio Tupi é uma rádio brasileira do Rio de Janeiro, sua frequência é os 1280 kHz e os 96,5 MHz

História
A Rádio Tupi do Rio de Janeiro foi fundada no dia 25 de setembro de 1935 pelas Emissoras e Diários Associados do Brasil de Assis Chateaubriand. O apelido da rádio era "Cacique do ar". Mas a primeira apresentação da rádio foi no dia 15 de setembro do mesmo ano com a execução do Hino Nacional por um coral regido pelo maestro Heitor Villa-Lobos. Na década de 1940 a Rádio Tupi tinha um elenco com grandes nomes da música brasileira como Sílvio Caldas, Jamelão, Elizeth Cardoso, Dalva de Oliveira, Dorival Caymmi, Vicente Celestino etc, tendo também um elenco de rádio teatro com nomes como Paulo Gracindo, Yoná Magalhães, Maurício Shermann, Orlando Drummond etc.

O jornalismo da Rádio Tupi foi importante no final da Segunda Guerra Mundial sendo a primeira a anunciar o final da guerra. O "Grande Jornal falado Tupi" era um dos mais ouvidos do Rio de Janeiro.

Em 1943 um incêndio atingiu a Rádio Tupi, a emissora perdeu boa parte dos seus arquivos musicais. A Rádio conseguiu se recuperar e em 1950 a rádio inaugurou um grande auditório, sendo considerado o "Maracanã dos auditórios".

Lançou grandes sucessos populares como Parabéns pra Você, advindo de um concurso promovido por Almirante e vencido por Bertha Celeste Homem de Mello e Aquarela do Brasil.

No esporte a rádio se destacava com nomes como Ary Barroso, Oduvaldo Cozzi, Cezar Rizzo, etc.

Em 1959 a Rádio inaugurava seu transmissor de 10 kw com um show da cantora Ângela Maria no auditório da emissora.

Em 1960 foi criado o mais tradicional programa da rádio que está no ar até hoje. A "Patrulha da Cidade". O programa foi idealizado pelo jornalista Afonso Soares. O programa aborda os assuntos policiais, muitas vezes com uma pitada de bom humor. Hoje, o programa é dirigido, roteirizado e apresentado pelo jornalista Coelho Lima, acompanhado pelo comunicador Garcia Duarte e grande elenco de rádio atores.

Durante a década de 1970 a rádio passou por várias crises (Uma delas culminou no fechamento da TV Tupi ), mas a rádio conseguiu se recuperar, lançando diversos programas, entre eles o humorístico A Turma da Maré Mansa, e é uma das maiores rádios do Rio de Janeiro.

No dia 25 de setembro de 2005, dia dos 70 anos da Super Rádio Tupi, foi inaugurada o primeiro transmissor digital do rádio brasileiro que foi instalada na ilha de Itaóca, em São Gonçalo, região Metropolitana do Rio.

Atualmente a rádio dedica-se ao entretenimento, ao jornalismo e à cobertura esportiva.Esta, por sua vez, tem grande destaque, com amplas coberturas de jogos de futebol, por exemplo.

Em 01º de junho de 2009, passou a ser transmitida também pelo FM, na frequência 96,5 MHz, que antes pertencia à Nativa FM. Por sua vez, a mesma ocupou os 103,7 da extinta rádio Antena 1 Rio.
Fonte: wikipédia

Literatura

Inconfidente Mineiro - Ilustrações & Poesias

Antuérpio Pettersen Filho nasceu em Belo Horizonte , capital do Estado de Minas Gerais. É um poeta egresso dos tribunais de justiça. Advogado de formação, iniciou sua graduação na Universidade Federal do Espírito Santo - UFES, vindo a formar-se em Minas Gerais , na Faculdade de Direito do Vale do Rio Doce. Lançado em abril de 2000, quando dos quinhentos anos do descobrimento, o "Inconfidente Mineiro", livro de poesias, tão somente, ganhou em 2002 uma versão itinerante, na forma de molduras e painéis conjugando a estética, só possível às ilustrações, aglutinada a concretividade métrica dos seus disformes versos, com os quais passou a fazer exposições:
Tribunal de Justiça do Estado do Espírito Santo, abril/2002;
Assembléia Legislativa de Minas Gerais, dez/2003;
Galeria Mohangara, Governador Valadares, março/2004;
Câmara Municipal de Uberaba, março/2004;
Palácio Administrativo Municipal de Uberlândia, março/2004; e, finalmente, a consagração em Ouro Preto , na Fundação de Arte de Ouro Preto, durante as comemorações da Inconfidência Mineira, abril/2004.

Em finais de 2004, ainda, lançou a Obra, de cunho Jurídico, “Processo Penal: O Estado no Banco dos Réus”, que iria transformar de vez a sua visão de vida. Obra de natureza autobiográfica, Antuerpio narra, de maneira densa e crua, todo o seu passamento, desde o ingresso no Serviço Público, afeto a Segurança, até o seu desengajamento e passagem pela prisão.

No livro "O Estado no Banco dos Réus", o autor faz um minucioso relato do drama em que se envolveu desde o dia 23 de julho de 1999, culminando com o assassinato do sargento da PM da Bahia José Valério de Oliveira Netto em 19 de fevereiro de 2001, durante viagem de ônibus de São Mateus para Pedro Canário, no Norte do Espírito Santo

Atualmente, entre uma Palestra e outra, que realiza, Antuérpio é redator-chefe do pequeno Jornal periódico "Grito Cidadão", pertencente à ABDIC (Associação Brasileira de Defesa do Indivíduo e da Cidadania), criada como Entidade Civil por ele próprio, onde se dedica à causa humanitária e justicialista, a qual considera que estão inseridos todos os que desejam ardorosamente participar do tempo em que vivem, e testemunham, com protagonismo e realização.
Fonte: http://www.abdic.org.br/

sexta-feira, 24 de setembro de 2010

Futebol Mineiro

Tupi
O Tupi faz hoje um amistoso contra o Itararé, em Tocantins, às 20h. A partida será o último compromisso do time na temporada.
O confronto marca também a inauguração da arquibancada coberta do Estádio João 14 Voltas e o time do Tupi será dirigido por Felipe Suriane.
Não viajam:
Os zagueiros Riso e Fabrício Soares, que anda podem retornar ao Tupi, o lateral-esquerdo Carlos Alberto, que foi para o Vila Nova, de Goiás; o volante Denilson, devolvido ao Atlético e emprestado ao Democrata-GV e os meias Gedeon, contratado pelo Villa Nova, e Léo Salino, sem clube.

Sport
O Sport joga contra o Coimbra, domingo, às 10h30, em Juiz de Fora, pelo Módulo três e o técnico Nando Ozório vai ter a volta de Tiquinho, Darlesson e Thiago Emílio, que estavam machucados e não jogaram em Ipatinga, contra o Ideal.

O zagueiro Reginaldo está suspenso e Franklin deve começar jogando.

Gonçalves; Raul, Luiz Alves, Franklin e Adriano; Júnior Negão, Petherson, Darlesson (Lucas Silva) e Tiquinho (Dourado); Thiago Emílio (Alexandre) e Felipe Arruda.

Radio

Rede CBN de Rádio

A Rádio CBN São Paulo FM 90.5 e AM 780 conquistou mais uma afiliada na região Sul do Brasil. Foz do Iguaçu passou a receber na última terça-feira, dia 21 de setembro, a programação nacional da CBN, emissora jornalística do Sistema Globo de Rádio. Com a inauguração a CBN passa a ser captada fora do território nacional, através dos municípios paraguaios que fazem fronteira com o Brasil, além de Puerto Iguazu (Argentina).

A estréia da CBN AM 1320 ocorreu na última terça-feira e a rádio passa a cobrir os principais acontecimentos da região de Foz do Iguaçu, conhecida pelo forte potencial turístico e a posição geográfica (tríplice fronteira, com as divisas entre Brasil e os países Paraguai e Argentina). A emissora tem autorização para operar com uma potência diurna de 5kw, situação que deverá estabelecer um sinal local em Foz do Iguaçu e proximidades.

No ar em 1320 AM, a CBN Foz do Iguaçu é a 07ª emissora da rede jornalística a operar no Paraná. No estado a marca CBN também está presente em Curitiba (90.1 FM), Londrina (93.5 FM), Maringá (95.5 FM), Cascavel (1340 AM), Ponta Grossa (1300 AM) e Paranaguá (1570 AM). Em Foz a principal concorrente da CBN é a local Cultura AM 820.
Fonte: http://www.tudoradio.com/

FLUMINENSE-RJ 5 X 1 ATLÉTICO-MG

Fluminense-RJ: Rafael; Mariano (Thiaguinho, 32'/2ºT), Gum, Leandro Euzébio e Carlinhos; Fernando Bob (Valencia, 16'/2ºT), Diogo, Deco e Conca (Marquinho, 36'/2ºT); Rodriguinho e Washington. Técnico: Muricy Ramalho.
Atético-MG: Fábio Costa; Rafael Cruz, Réver, Campos e Leandro; Alê, Zé Luis (Werley, 38'/2ºT), Serginho (Neto Berola, 11'/2ºT) e Daniel Carvalho; Diego Tardelli e Obina (Diego Souza, intervalo). Técnico: Vanderlei Luxemburgo
Local : Estádio do Engenhão, Rio de Janeiro (RJ)
Data/Hora: 23/09/2010 - 21h (de Brasília)
Renda/Público: R$106.895,00 / 6.197 ( 4.260 pagantes )
Árbitro: Paulo Gody Bezerra (SC), Auxiliares: Roberto Braatz (FIFA/PR) e Marco Antônio Martins (SC)
Cartão amarelo: Mariano, Fernado Bob e Deco (FLU; Alê, Rafael Cruz e Serginho (ATM)
Cartão vermelho: Alê, 17' do 2º e Diego Souza, 40' do 2º (ATM)
Gols: Leandro Euzébio, 11'/1ºT (1-0); Daniel Carvalho, 19'/1ºT (1-1); Carlinhos 35'/1ºT (3-1); Gum, 19'/2ºT); Carlinhos, 30'/2°T (4-1); Marquinho, 46'/2ºT)

Obs.:
01 - O lateral direito Mariano foi convocado para a Seleção Brasileira nesta data e o técnico Wanderlei Luxemburgo, demitido pelo Atlético-MG.

02 - Washington, com 82 gols, tornou-se o maior artilheiro do Campeonto Brasileiro na era dos pontos corridos.

03 - Vanderlei Luxemburgo foi demitido pelo presidente Alexandre Kalil.

Atlético-MG
Vanderlei Luxemburgo, que chegou ao Atlético no início do ano prometendo títulos de expressão e levar o time à Copa Libertadores, saiu nove meses depois com apenas uma conquista estadual e o modesto aproveitamento de 49% em 53 jogos à frente da equipe.

Os números, na verdade, refletem um regular primeiro semestre e um desastroso segundo. No Campeonato Brasileiro, o treinador deixou o time na 18ª colocação, na zona de rebaixamento. O clube passou 16 das 24 rodadas no Z-4, é a equipe que mais perdeu e também a de pior defesa.

No primeiro semestre, o Atlético foi campeão mineiro e caiu na Copa do Brasil somente nas quartas de final, para o Santos, que foi o campeão. Embora tenha conquistado bons números antes do Brasileirão, eles foram angariados às custas de vitórias sobre times da Série B para baixo.

Na Copa do Brasil, o Atlético passou pelo Juventus do Acre (disputou a Série D em 2009), Chapecoense (Série C), Sport (Série B) e parou no Santos. No Campeonato Mineiro, o time de Luxemburgo eliminou o América (Série B) nas quartas de final, o Democrata (sequer disputa a Série D) nas semifinais e foi campeão batendo o Ipatinga (Série B). Quando enfrentou o Cruzeiro na fase de classificação, perdeu por 3 a 1.

Números de Luxemburgo no Atlético:
53 jogos
22 vitórias
12 empates
19 derrotas
49% de aproveitamento
91 gols marcados
73 gols sofridos

No Campeonato Brasileiro:
24 jogos
6 vitórias
03 empates
15 derrotas
29% de aproveitamento
29 gols marcados
45 gols sofridos

Estádio Engenhão

Com a derrota por 5 a 1 para o Fluminense o Atlético segue sem vencer no Engenhão. Foram seis confrontos, sendo cinco contra o Botafogo e um contra o Fluminense. O Atlético sofreu seis derrotas.

O primeiro jogo atleticano no Engenhão foi no dia 14 de maio de 2008, quando o Botafogo venceu por 2 a 0, em partida válida pelas quartas de final da Copa do Brasil.

Nesse mesmo ano, as equipes se enfrentaram ainda mais duas vezes. Pelo Brasileirão, os cariocas golearam por 4 a 0. Já pela Copa Sul-Americana, o Botafogo venceu por 3 a 1.

O quarto encontro entre os clubes no Engenhão foi na temporada passada. O Galo foi derrotado novamente por 3 a 1, desta vez pelo Campeonato Brasileiro. No Nacional deste ano, a equipe carioca venceu por 3 a 0.

A sexta partida do Atlético no Engenhão foi justamente nesta quinta-feira, contra o Fluminense. O tricolor carioca está mandando os jogos neste estádio, pois o Maracanã está em obras visando a Copa do Mundo de 2014.
Fonte: www.uai.com.br

quinta-feira, 23 de setembro de 2010

Literatura

Dos filhos deste solo
Dos filhos deste solo conta a história da luta do povo brasileiro por democracia, contra a ditadura militar (1964-1985), a partir de relatos que descrevem a trajetória de militantes que, por participarem de organizações de resistência ao regime, foram presos, torturados e mortos – alguns até hoje desaparecidos - por agentes do Estado.

O livro, feito a partir do trabalho da Comissão Especial de Mortos e Desaparecidos Políticos (CEMDP), reúne dados e informações sobre as reais circunstâncias das mortes e desaparecimentos de aproximadamente 400 pessoas, cujos detalhes foram muitas vezes omitidos e falsificados pelos órgãos da repressão. Através de pesquisas, entrevistas e confronto de dados, a Comissão Especial provou a responsabilidade do Estado na maior parte dos casos de assassinato, demonstrando a crueldade dos meios empregados pelo regime. Dos filhos deste solo é um dos frutos deste processo.

Escrito pelos jornalistas Nilmário Miranda e Carlos Tibúrcio, Dos filhos deste solo ganha sua 2ª edição, nove anos após seu lançamento. Além de contar com novas informações sobre a morte e desaparecimento de militantes, desmistificando “dados oficiais”, a 2ª edição traz novidades relativas ao avanço do trabalho da Comissão Especial, possibilitado por duas modificações da Lei 9.140/95, que reconheceu a responsabilidade do Estado nas mortes e desaparecimentos de opositores políticos.

Em 2002, foi alterado o período de abrangência da lei, que passa a cobrir os anos de 1961 a 1979 e foi determinado um novo prazo para requerimento de exames de casos pela Comissão Especial. Já em 2004, foram incluídas como responsabilidade do Estado as mortes em manifestações de protesto contra a ditadura, as mortes por suicídio a partir de seqüelas de torturas ou para escapar delas, as mortes em confronto com agentes da repressão e as causadas pela Operação Condor, com a participação de agentes brasileiros.

A publicação da 2ª edição revista e ampliada de Dos filhos deste solo, parceria da Boitempo com a Editora Fundação Perseu Abramo, tornou-se imprescindível. Apesar de esgotado há cinco, seus autores souberam aguardar o momento ideal, aproveitando o debate que cresce na sociedade sobre a questão da anistia e a urgência da abertura dos arquivos da ditadura militar.

Sobre os autores
Nilmário Miranda é jornalista e militante histórico dos Direitos Humanos. Nasceu em Belo Horizonte, em 1947. Participou ativamente dos movimentos de resistência à ditadura militar, sendo preso por duas vezes. É autor da lei que instituiu a Comissão de Direitos Humanos na Câmara dos Deputados, cuja presidência ocupou em 1995 e 1999. Atualmente é diretor da Fundação Perseu Abramo

Carlos Tibúrcio é jornalista. Nascido em Salvador, em 1947, foi uma das principais lideranças do movimento estudantil em 1968 na Bahia. Militante de organizações de resistência à ditadura, permaneceu preso de 1973 a 1975. Trabalhou em veículos da grande imprensa e em jornais alternativos. Desde janeiro de 2003 exerce a função de assessor especial da Secretaria Geral da Presidência da Repúbica.
Fonte: www.fpabramo.org.br

?????

TV estatal contrata empresa onde trabalha filho de Franklin Martins
Mais um caso envolvendo parente de integrantes do alto escalão do governo Luiz Inácio Lula da Silva veio à tona nesta quarta-feira, 22/09. A EBC (Empresa Brasileira de Comunicação), a TV do governo federal, fechou um contrato nos últimos dias com a empresa Tecnet, empresa onde trabalha o filho do ministro-chefe da Secretaria de Comunicação Social da Presidência da República (Secom), Franklin Martins.

O contrato, de R$ 6,2 milhões, que teria sido fechado às presas, foi aprovado após licitação. Com a vitória da Tecnet, a empresa passou a ser a responsável para cuidar do sistema de arquivos digitais da TV pública.

Em nota, o ministro nega que tenha ocorrido anormalidade no processo. “Não houve qualquer irregularidade na licitação em questão, que foi conduzida com transparência e obedeceu a todas as normas legais. O modelo de licitação adotado, o do pregão eletrônico, dentre todos os previstos na legislação, é o mais transparente e o menos permeável a qualquer tipo de interferência externa”, diz Martins.

Sobre a licitação feita no final de 2009, ele explica que a realização do pregão no final de 2009 era necessária para não prejudicar os projetos da EBC. O ministro ressalta que recursos de investimentos não executados em um ano são devolvidos ao Tesouro Nacional e, por isso, a estatal precisou realizar o pregão com urgência.

Por meio de um comunicado, a estatal também informou que o pregão foi feito de forma isenta e impessoal. Procurada pela reportagem da Band, a Tecnet também negou que houve irregularidade no negócio com a TV pública.

Blogueiro que critica a mídia é contratado da EBC
A Empresa Brasil de Comunicação (EBC) contratou há uma semana, sem licitação, os serviços do jornalista Luis Nassif por R$ 180 mil. O contrato terá vigência de seis meses. Foi assinado pela presidente da estatal, Tereza Cruvinel, no dia 16 e publicado na segunda-feira no Diário Oficial da União.

Nassif foi contratado, segundo a EBC, para prestar serviços de "entrevistador e comentarista" para o telejornal Repórter Brasil e o Programa 3 a 1.

Desde terça-feira, o jornalista tem destacado em seu blog informações em defesa do protesto contra a imprensa marcado para hoje a partir das 19 horas no Sindicato dos Jornalistas de São Paulo. Nassif é do conselho consultivo do Centro de Estudos da Mídia Alternativa Barão de Itararé, que integra a organização do protesto, intitulado "Contra o Golpismo Midiático e em Defesa da Democracia". Movimentos sociais de apoio ao governo, como centrais sindicais e a UNE, já manifestaram adesão ao movimento.

A EBC informou que o jornalista foi contratado porque a legislação "prevê a dispensa de licitação para pessoas ou empresas de notória especialização".

Nassif fechou um novo acordo depois de ter expirado, em julho, o contrato de R$ 1,2 milhão que tinha para fazer o programa Brasilianas.

Nassif disse que sua contratação sem licitação se deve ao fato de o contrato ter como objetivo um "trabalho intelectual", com "pessoas com reputação em sua área e reconhecimento público, que ajudam a reforçar a cara da emissora". "Em relação à minha área - comentários econômicos -, há muitos e muitos anos fico entre os três jornalistas mais votados (no prêmio Comunique-se) na categoria jornalismo de economia, mídia eletrônica, além dos prêmios
Fonte: Agência Brasil

Niterói-RJ

Niterói terá torre de 60 metros desenhada por Oscar Niemeyer
Obra deve ficar próximo à estação das barcas.
Secretaria estadual de Obras lança edital de licitação nesta quinta-feira, 22/09.

Depois do Museu de Arte Contemporânea (MAM) e do Teatro Popular, o arquiteto Oscar Niemeyer vai deixar mais uma marca em Niterói, na Região Metropolitana do Rio. A Secretaria estadual de Obras lança, nesta quinta-feira (23), um edital de licitação para construção de uma torre panorâmica.

O projeto vai ficar no Caminho Niemeyer, próximo à estação das barcas, e está orçado em R$ 20 milhões. A previsão é que as obras comecem em dezembro e sejam concluídas em um ano.

A torre terá 60 metros de altura, igual ao Vão Central da Ponte Rio-Niterói, e uma visão de 360 graus. A ideia é que o topo seja um mirante e a base sirva de centro de informações turísticas.
Fonte: G1

Série A 2010

Atlético e Fluminense, adversários desta quinta-feira, já se enfrentaram 74 vezes na história. E o retrospecto é favorável ao time mineiro, que venceu 29 vezes, perdeu 25 e empatou 20. O ataque alvinegro fez 114 gols e a defesa sofreu 107 gols.

Pelo Campeonato Brasileiro, foram 36 jogos, com 15 vitórias do Atlético, 11 do Fluminense e 10 empates, com 53 gols e 44 para o Tricolor Carioca.

Jogando no Rio de Janeiro, local da partida de hoje, 23/09, o Fluminense leva ampla vantagem com 14 vitória, 06 empates 06 derrotas.

Nas últimas duas vezes em que se enfrentaram, o tricolor saiu de campo vitorioso. No returno do Brasileiro da temporada passada, no Maracanã, o Fluminense venceu por 2 a 1. Neste ano, jogando no Mineirão, outra vitória, desta feita por 3 a 1.

No Engenhão, local do jogo de hoje, as equipes nunca se enfrentaram. no braslileirão, o Fluminense é o 03º colocado, atrás de Corinthians e Cruzeiro, com 42 pontos, enqunto o Atlético está na zona do rebaixamento, com 21 pontos.

quarta-feira, 22 de setembro de 2010

Dia do Contador

Regulamentada pelo decreto nº 9295 de 1946, a profissão de contador tem suas atribuições definidas pela resolução 560, de 1983, do Conselho Federal de Contabilidade. Para a prática de sua atividade profissional, o contador necessita ter formação cultural sólida e diversificada, pois os pareceres, os relatórios e as demonstrações contábeis realizadas sob sua responsabilidade, são elementos indispensáveis à orientação e fundamentação de decisões tomadas pelos dirigentes de empresas tanto públicas como privadas. A data de 22 de setembro foi escolhida como a de comemoração do Dia do Contador por ser ela a mesma dedicada ao padroeiro da profissão, São Mateus, um apóstolo que antes de se dedicar à evangelização exercia a atividade de publicano (cobrador de rendimentos públicos, uma categoria de gente rica que arrematava em leilão o direito à cobrança dos impostos nas diversas províncias romanas).

No Brasil, a data marca a criação, em 1945, do curso de Ciências Contábeis, através do decreto nº 7988. O curso ministrado pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), um dos primeiros cursos superiores em contabilidade instalados no Brasil, começou a funcionar no mesmo ano de sua criação, na recém-constituída Faculdade de Ciências Econômicas e Administrativas de Minas Gerais, hoje denominada Faculdade de Ciências Econômicas. Em 1953, ele passou a se chamado de Ciências Contábeis. O início desse sistema de ordenação e escrituração das contas de uma empresa se desenvolveu através da experiência adquirida com a prática, e seu criador e principal divulgador do método de partidas dobradas foi o monge franciscano Lucas Pacioli (1450-1510), matemático italiano e professor dessa matéria nas principais cidades de seu país.

Até a primeira metade da década de 70 o praticante desse ofício técnico também era conhecido no Brasil como guarda-livros, mas como os profissionais de Contabilidade passaram a receber o nome de contadores, esta expressão caiu em desuso. Aqueles que se formam ou concluem os cursos de nível superior de Ciências Contábeis recebem o diploma de Bacharel em Ciências Contábeis. Também se atribui o título de Técnicos em Contabilidade aos que têm formação de nível secundário (ensino médio).

O Contador pode também lecionar para as classes de 1º, 2º e 3º Graus.

Temos também, as datas de 25/04, Dia do Contabilista Brasileiro, em homenagem ao ao Senador João Lyra, grande defensor da profissão contábil.

A data marca um importante discurso, realizado em 25/04/1926, que enalteceu a classe contábil brasileira.

E, ainda, o dia 20/11, dedicado aos Técnicos em Contabilidade.

São Mateus
São Mateus morreu por ordem do rei Hirtaco, sobrinho do rei Egipo, no altar da igreja enquanto celebrava o Santo Ofício da Missa. Isso aconteceu porque não intercedeu em favor do pedido de casamento feito pelo monarca, e recusado pela jovem Efigênia que havia decidido se consagrar a Jesus. Inconformado com a atitude do Santo homem, Hitarco mandou que seus soldados o executassem.

No ano de 930 as relíquias mortais do apóstolo São Mateus foram transportadas para Salermo, na Itália, onde, até hoje, é festejado como padroeiro da cidade. A Igreja determinou o dia 21 de setembro para a celebração de São Mateus, apóstolo.

Taça Libertadores

Conmebol tira uma vaga do Brasil na Libertadores-2011

A Conmebol (Confederação Sul-Americana de Futebol) divulgou nesta quarta-feira que decidiu que, como o Internacional-RS foi campeão da Libertadores, o Campeonato Brasileiro deste ano vai destinar três vagas para a competição sul-americana de 2011, e não mais quatro.

Assim, o Brasil terá cinco representantes na Libertadores. Inter, Santos, que é o campeão da Copa do Brasil, e mais três times.

Há ainda a possibilidade de o Brasil ter um sexto clube na Libertadores-2011, caso um time nacional seja o campeão da Copa Sul-Americana. Palmeiras, Avaí, Atlético-MG e Goiás estão na disputa.

O diretor de comunicação da CBF, Rodrigo Paiva, afirmou que conversará com o presidente da entidade nacional, Ricardo Teixeira, para ver se a confederação brasileira ainda tentará recuperar a vaga na Libertadores.

terça-feira, 21 de setembro de 2010

Sebastião Francisco das Chagas (06/10/55-21/09/10)

Nós, da direção da Rádio Cultura de Santos Dumont, estamos entristecidos e solidários à familia com o falecimento ocorrido hoje em Juiz de Fora, de um dedicado funcionário da emissora. Morreu aos 54 anos, Sebastião Francisco das Chagas e o sepultamento está previsto para esta quarta-feira, em Santos Dumont.

Sebastião Francisco das Chagas, filho de Francisco das Chagas e Maria de Lourdes Mendes Chagas. Era casado com a senhora Maria da Glória e tinha um casal de filhos. Sebastião Chagas, conhecido carinhosamente pelos amigos como Barranco tinha uma dedicação muito grande ao rádio em especial à Rádio Cultura.

Na emissora, fazia matérias para os programas da emissora, participava das transmissões do carnaval, eleições e futebol. Torcedor do Botafogo, Sebastião Chagas mantinha uma estrita relação com o mundo do samba, produzindo matérias importantes para o período carnavalesco.

Afastado do trabalho desde 19 de abril para tratamento de saúde, lamentavelmente, Sebastião foi vencido pela doença, apesar dos esforços no seu tratamento.

segunda-feira, 20 de setembro de 2010

Hamilton Fonseca

Nascido em Barbacena em 18 de novembro de 1937.
Filho de José Fonseca e Maria Dionizia Fonseca.

Começou na Rádio Barbacena em 1985 levado pelo diretor de esportes José Beraldo Rigoti, onde permaneceu até o ano de 1995.

Acumulando as funções de narrador, comentarista e repórter trabalhou ao lado dos companheiros Rogério Barbosa, Cristóvam Abranches e Mauro Filho.

Por lazer e por “dever de ofício” sempre acompanhou as ondas reformistas do rádio, principalmente, as de cunho esportivo, sem no entanto se esquecer, de estar atento as atuações verdadeiramente revolucionárias que a radiodifusão vem desencadeando através dos seus diversos setores.

Com grande prestígio dentro e fora da radiofonia barbacenense, Hamilton Fonseca é filiado a AMCE – Associação Mineira de Cronistas Esportivos desde 1987 e a ABRACE – Associação Brasileira de Cronistas Esportivos desde 1988.

Em 1995, passou a integrar a equipe de esportes da Rádio Correio da Serra, a convite dos companheiros Beto Santos e Silva Júnior, acumulando as funções de repórter e comentarista.

Participou, direta ou indiretamente, do processo de transformação do desporto local, do encontro de novos caminhos do rádio barbacenense e da valorização profissional dos seus companheiros.

Em 1986, foi agraciado com o Troféu Imprensa/Barbacena.
Em 2003, em Belo Horizonte, com o título de Cronista Esportivo Troféu “Kafunga”.

Das suas várias jornadas esportivas, consideradas as mais importantes, tanto pela Rádio Barbacena quanto pela Correio da Serra, destacam as seguintes entrevista:

Ruben Paz, do Olímpia, do Paraguai, em 1986.
Com os goleiros Dida da Seleção Brasileira e João Leite do Atlético Mineiro, em 2004.
Com o atacante Romário, em 2004.
Com os atacantes Reinaldo e Eder do Atlético Mineiro.
Com o técnico Paulo Autuori do São Paulo, em 2005.
Com Carlos Alberto Torres do Botafogo.
Com o comentarista da Rádio Tupi/AM do Rio de Janeiro, Chico Anísio.

Funcionário aposentado da Telemig (Telecomunicações de Minas Gerais), com atuações em Juiz de Fora e torcedor confesso do Tupynambás, Hamilton Fonseca, continua fazendo rádio com grande êxito.

Hoje, colabora com a Editoria de Esportes da ABC Rádio e Televisão Ltda - Sucesso FM para onde se transferiu em junho de 2010.
Fonte: wwww.varandasbarbacena.blogspot.com

Hélcio do Carmo

Natural de Cristiano Otoni, nascido no dia 01 de junho de 1938.
Filho de Orlando do Carmo e Margarida Marques do Carmo.

Associado da AMCE Associação Mineira de Cronistas Esportivos e afiliado a ABRACE Associação Brasileira de Cronistas Esportivos.

Iniciou carreira na Rádio Correio da Serra AM na década de 80, levado pelo narrador Silva Júnior. A emissora, à época, se localizava no edifício do antigo Automóvel Clube, no centro da cidade.

Lá, atuou na área esportiva acumulando as funções de editor, produtor de programas esportivos, locutor entrevistador e repórter.

A estréia trabalhando como repórter de campo foi numa cobertura de uma partida valendo pelas finais do Campeonato Mineiro entre o Atlético x Cruzeiro. O Atlético, treinado por Têle Santana sagrou-se campeão com um gol do jogador Saulo.

Em 1997 passeou a conciliar a Correio da Serra, com a Rádio Itatiaia de Ouro Preto na consolidação de uma grande parceria direcionada às jornadas esportivas através do sistema de transmissões ITASAT.

Colaborou em outras emissoras de Minas, como a Rádio Educadora de Coronel Fabriciano, Rádio Divinópolis, Itabira e Acaiaca (Itabira) e Rádio Caratinga (Caratinga).

Além das atividades no rádio, idealizei e dirigi, antes da minha ida para a Correio, as edições do Esporte em Revista lançada na primeira quinzena de abril de 1967, com revisão do amigo Célio Copatti Mazoni e trabalho fotográfico do Foto Canário.

Na Correio da Serra além do Bola Dividida, sucesso de audiência nos anos 90, idealizou apresentou o programas Terceiro Tempo e Arquibancada Show, levados ao ar pela antiga Rádio Show, hoje, 93,3 FM.
Fonte: wwww.varandasbarbacena.blogspot.com

Literatura

Foi editado em Belo Horizonte o livro “Romeu Guimarães de Albuquerque e Queluz de Minas” de autoria de Fúlvio de Almeida Guimarães (94 anos).

Nele, além de encontrarmos a biografia de seu pai, Romeu Guimarães de Albuquerque, podemos apreciar a história da antiga cidade de Queluz de Minas e das primeiras famílias da região como: Baeta Neves, Tavares de Melo, Rodrigues Pereira, Guimarães, Albuquerque, Cyrino e outras.

Fúlvio registra as suas memórias e organiza um quadro sobre suas pesquisas realizadas no Arquivo Público e na Hemeroteca de Belo Horizonte e conta sobre o início da formação da cidade e da região que hoje está subdividida em 22 cidades mineiras. Através da história das famílias podemos perceber a ligação da antiga região de Queluz com a Estrada Real e as famílias da região do Vale do Paraíba fluminense.

São 364 páginas de um vasto material para agradar aqueles que gostam de história, memória e genealogia.

A edição, do próprio autor, foi limitada em poucos volumes e, para adquiri-la, é só acessar o site http://www.queluzdeminas.com.br/ e enviar um email para queluzdeminas@queluzdeminas.com.br.

Coaborações:
Eneida Carvalho (filha de Fúlvio de Almeida Guimarães) e Angeline Coimbra

A dança dos técnicos

Série A
Antônio Lopes não é mais técnico Avaí, de acordo com a nota oficial publicada no site do clube, o auxiliar técnico Júnior Lopes, filho de Antonio Lopes, também foi dispensado. O auxiliar Edson "Neguinho" dos Santos assume o comando da equipe interinamente.

Antônio Lopes assumiu o Avaí em 5 de julho, durante a pausa para a Copa do Mundo, e chegou a ficar cinco partidas invicto. No entanto, nos últimos nove jogos, a equipe catarinense não venceu nenhum, sofrendo seis derrotas.

Sob o comando de Lopes, o Avaí conquistou quatro vitórias e cinco empates, sendo derotado em outras sete oportunidades e acabou despencando da terceira para a 16ª colocação na tabela do Brasileiro.

Série B
No São Caetano, após demitir Sérgio Guedes, a diretoria confirmou a contratação de Toninho Cecílio (Antônio Jorge Cecílio Sobrinho), ex-Grêmio Prudente e Vitória. O Azulão do ABC nos últimos 24 pontos disputados - oito jogos - o time somou apenas quatro pontos - uma vitória e um empate.

José Maria Beraldo Rigotti

Nascido em Pouso Alegre, MG, em 24 de março de 1944.
Filho de Francisco Rigotti e Ana Barbosa Beraldo Rigotti.
Narrador, comentarista, editor, repórter de esporte e radioator.

Iniciou sua carreira ocupando o cargo de repórter esportivo na Rádio Barbacena na década de 60, na gestão da diretora Albertina Abrão.
Recebeu diversas honrarias como o melhor da imprensa esportiva barbacenense.
Em sucessivas oportunidades assumiu a função de diretor de esporte da Rádio Barbacena.

Como locutor esportivo, conviveu com Ary Neto, Marcus Vinicius, Barbosa Silva, Armando Santiago, Ary Lopes, Odécio Reis, José Fernandes Paraíso, Adauto Ayres Machado, Carlos Alberto Júnior “Tostão”, José Antônio Lopes, Cristovam Abranches, Osmarino Eustáquio Coelho “Bolinha”, Mauro Filho, Rogério Barbosa, João Raposo, Adelson Rodrigues, Hélcio do Carmo “Ligeirinho”, Beto Santos, Juarez Pinto, Pedro Amaral, Garcia Júnior, Moacir Silva e outros tantos mais.

Colaborou com a área artística da emissora, apresentando os programas “Sucessos que o mundo aplaudiu” e “Carnet Social”.

Notabilizou-se através das apresentações da prece diária “A Prece da Ave Maria” um dos mais apreciados trabalhos de audiência apresentados pela emissora.

Também teve atuações de destaque na interpretação de textos especiais produzidos pelo companheiro Nadyr da Silveira.

Além de divulgar obras musicais de autores brasileiros e estrangeiros através de seus horários musicais, participou de diversas peças teatrais da Rádio Barbacena, idealizadas por Sérgio Fernandes, Benedito Fernandes Carlos e Nadyr da Silveira.

Participou muitas vezes, a convite de Sérgio Fernandes e Barbosa Silva, na cobertura do carnaval.
Ainda atuou no radiojornalismo ao lado dos companheiros Barbosa Silva, Adauto Ayres Machado, Nadyr da Silveira, Paulo Jorge Barbosa e Cristovam Abranches, como responsável pela apresentação jornalística do “Jornal da boa vizinha”.

Na década de 60, fez parte do elenco de novelistas da Rádio Barbacena através de personagens criados por Nadyr da Silveira e Benedito Fernandes Carlos. As peças eram radiofonizadas e dirigidas por Sérgio Fernandes.

Beraldo Rigotti, também trabalhou na Rádio Correio da Serra onde, além da função de narrador esportivo, apresentou o programa “A noite é só nossa”.

Ainda integrou a equipe de esportes da Rádio Capital de Juiz de Fora, acumulando as funções de narrador e comentarista.

Além do rádio, Beraldo Rigotti atuava como advogado. Tempos depois, exerceu a função de delegado de polícia.

Fonte: wwww.varandasbarbacena.blogspot.com

CONSIDERAÇÕES:
Tive o privilégio de integrar a equipe esportiva da extinta Rádio Capital, ao lado de Beraldo Rigotti, Humberto Zaghetto, Lúcio Andrade, Jurandi de Oliveira, Aurélio Barreto, Toni Martins, Chico Cícero, Kilder Oliveira, Nilson Barros Pereira, o Peninha e muitos outros companheiros.
Bons tempos do rádio em Juiz de Fora!

Série C 2010

Classificados

Melhor time da primeira fase, com 15 pontos conquistados e líder do Grupo C, o Ituiutaba-MG terá pela frente o Chapecoense-SC, que terminou na vice-liderança do Grupo 4, com 11.

Um dos jogos mais disputados será entre ABC-RN, líder do Grupo B, com 12 pontos, e Águia-PA, vice-líder do Grupo A, com 12 pontos e com o mérito de ter eliminado o invicto Fortaleza. E deve sair faísca no confronto entre Macaé-RJ, vice-líder do Grupo C, com 14 pontos, e o Criciúma, líder do Grupo D, com 12.

Favorito ao acesso, o Paysandu, líder do Grupo A, com 14, vai medir forças com o Salgueiro, vice-líder do Grupo B, com 11 pontos, e maior surpresa nesta fase ao eliminar o Alecrim.

Confrontos das quartas-de-final:
Paysandu-PA x Salgueiro-PE
ABC-RN x Águia-PA
Ituiutaba-MG x Chapecoense-SC
Criciúma-SC x Macaé-RJ

Fonte: F1
Obs: O Forteleza, único invicto não se classificou. O Marília também não passou da primeira fase. Juventudue e Gama foram rebaixados.

domingo, 19 de setembro de 2010

David Augusto

O Narrador Esportivo David Augusto Paschoalini (foto) é integrante da “Equipe Pé Quente” da Rádio JM/Difusora, AM 630, emissora tradiocional de Uberaba.

O Radialista iniciou sua carreira no extinto jornal Lavoura e Comércio e depois foi para a antiga Rádio PRE-5, hoje Rádio Sociedade, sua primeira casa no rádio Uberabense.

Ele também trabalhou na Rádio Difusora, Rádio Uberaba e ultimamente militava na Rádio 7 Colinas, todas de Uberaba. A volta de David Augusto ao microfone da Difusora/JM foi no primeiro semestre, quando narrou no Uberabão a estreia do Uberaba na Copa do Brasil., contra o Londrina. David esteve em Juiz de Fora, quando narrou pela Série D, Tupi 2 x 2 Uberaba e narrou em conjunto com a JM/Difusora de Uberaba, Cultura de Santos Dumont e Mineira de Juiz de Fora a vitória do Uberaba sobre o Tupi por 2 x 0.

Com quase 45 anos de experiência no rádio e oriundo de uma escola de profissionais veteranos, como Maurílio Moura Miranda, Carlos Roberto Moura Ticha, Mozart Rodrigues, Walter Menezes, Waldir Homem, Filmiano Neto e Luiz Cecílio. Na JM/Difusora ele se juntou a Danilo Cruvinel, Janaína Sudário e o Gullit Paccelli e aos demais integrantes da “Equipe Pé Quente”.

Futebol - Resultados

Módulo três
Ideal (Ipatinga) 5 x 0 Sport (Juiz de Fora)
Sport: Gonçalves, Lucas, Luís Alves, Reginaldo e Adriano; Junior Negão, Peterson, Dourado e Rafael Feijão; Felipe Arruda e Fabiano Feijão.
Gols: Crison aos 12’ do 1ºT, Agamenon aos 26’ do 1ºT, Caio aos 8’ e 36’ do 2ºT e Dênis aos 19’ do 2ºT.

Coimbra (Belo Horizonte) 1x1 Democrata (Sete Lagoas)
Gols: Bernard aos 22’ do 1ºT (Democrata) e Breno aos 41’ do 2ºT (Coimbra).
Público: 26
Renda: R$ 165,00

Patrocinense 2x2 Varginha
Gols: Cinézio aos 3’ do 2ºT e Horácio aos 18’ do 2ºT (Patrocinense); e Fernando Roberto aos 25’ do 1ºT e Matheus aos 43’ do 2ºT (Varginha).
Público: 662
Renda: R$ 5.365,00

Arsenal (Santa Luzia) 0x8 Nacional (Nova Serrana)
Gols: Sandro Manoel aos 8’ do 1ºT, Beto aos 26’ do 1ºT, Hugo aos 7’, 10’, 16’ do 2ºT e Diego Silva aos 9’, 17’ e 31’ do 2ºT.
Público: 70
Renda: R$ 630,00

Sul Minas (Pouso Alegre) 3x1 Guarani (Pouso Alegre)
Gols: Vinícius aos 6’, 37’ do 1ºT e 61’ do 2ºT (Sul Minas); Thiago aos 27’ do 1ºT (Guarani).
Público: 17 pagantes
Renda: R$ 145,00

Taça Minas
Villa Nova 2x0 Uberaba
Gols: Marinho aos 03’ e aos 44’ do 2ºT (Villa Nova)

Mamoré 2x0 Funorte
Gols: Reinaldo aos 04’ do 1ºT e Vitinho aos 44 do 2ºT (Mamoré)

Uberlândia 4x0 Tricordiano
Gols: Carlos Magno aos 21’ do 1ºT e Reinaldo Santos aos 42’ do 1ºT e 25’ e 32’ do 2ºT. (Uberlândia).
Público: 651
Renda: R$ 5.120,00

sábado, 18 de setembro de 2010

18/08/1950

"Está no ar a televisão no Brasil". Foi assim, com essa frase, que no dia 18 de setembro de 1950 o Brasil conheceu o veículo que se tornaria, em longo prazo, o mais importante em todo o país. Hoje, segundo um levantamento do IBGE de 2008, a televisão está presente em 95, 1% dos domicílios brasileiros. Isso significa que, em questão de bens presentes na maioria das casas, a TV fica atrás apenas do fogão, que domina 98,2% dos lares.

Hebe Camargo, hoje contratada do SBT - que sucedeu a tv Tupi - foi a primeira mulher a apresentar um programa feminino no Brasil, na TV Paulista (atual tv Globo-SP).

Programa “TV na Taba” foi o primeiro a ser transmitido pela TV Tupi. Naquela época, não existia o luxo do videotape, por isso toda a programação era feita ao vivo, no improviso. Logo em seguida o público pôde acompanhar o surgimento do primeiro telejornal, o “Imagens do Dia”, ainda com uma filmagem crua, de 30 minutos, dos acontecimentos da vida cotidiana, no Rio de Janeiro e em São Paulo. Mais tarde, foi televisionado o primeiro teleteatro, chamado “A Vida Por Um Fio”, com participação de Lima Duarte, Walter Forster, Lia de Aguiar, Dionísio Azevedo e Yara Lins.

Mãe das telenovelas, “Sua Vida Me Pertence” levou Vida Alves (presidente da Associação dos Pioneiros da Televisão Brasileira) e Walter Forster para as casas dos poucos brasileiros que possuíam o aparelho televisivo para assistir ao primeiro beijo de uma novela. Ela se considera a inventora do famoso "beijo técnico". Apesar do choque na sociedade, a atriz garante que não sofreu nenhuma represália com o fato.

Entre os momentos mais marcantes desses 60 anos de cobertura televisiva no Brasil estão o programa jornalístico “Repórter Esso”, trazido do rádio para a tv. Os grandes festivais e programas musicais, como “Jovem Guarda” e “Grandes Espetáculos União”, eram organizados por Paulinho de Machado Filho, falecido esta semana em São Paulo.

A chegada do homem à Lua, em julho de 1969, fez história, assim como a cobertura da Guerra do Vietnã. Em 1970, as cores encheram as telas dos aparelhos televisivos e os brasileiros puderam ver o balanço da camisa verde e amarela na emocionante Copa do Mundo do México.

Fluminense F.C.

- MAIORES MÉDIAS DE GOLS :
* Considerados os artilheiros com mais de 300 gols.
01) Pelé ( Édson Arantes do Nascimento ) : 1.091 gols ( Santos Futebol Clube-SP ), 1.110 jogos, média de 0,98288 gols.
02) Carlitos ( Alberto Zolin Filho ) : 325 gols ( Sport Club Internacional-RS ), 384 jogos, média de 0,84635 gols.
03) Coutinho ( Antônio Wilson Honório ) : 370 gols ( Santos Futebol Clube-SP ), 457 jogos, média de 0,80962 gols.
04) Waldo ( Waldo Machado da Silva ) : 314 gols ( Fluminense Football Club-RJ ), 403 jogos, média de 0,77915 gols.
05) Quarentinha ( Waldir Cardoso Lebrego ) : 313 gols ( Botafogo de Futebol e Regatas-RJ ), 444 jogos, média de 0,70495 gols.
06) Zico ( Arthur Antunes Coimbra ) : 502 gols ( Clube de Regatas do Flamengo-RJ ), 732 jogos, média de 0,68579 gols.
07) Luisinho ( Luís Alberto da Silva Lemos ) : 311 gols ( America Football Club-RJ ), 455 jogos, média de 0,68351 gols.
08) Roberto Dinamite ( Carlos Roberto de Oliveira ) : 617 gols ( Clube de Regatas Vasco da Gama-RJ ), 1.022 jogos, média de 0,60371 gols.
09) Cláudio ( Cláudio Christóvam de Pinho ) : 305 gols ( Sport Club Corinthians Paulista-SP ), 549 jogos, média de 0,55555 gols.
10) Pepe ( José Macia ) : 405 gols ( Santos Futebol Clube-SP ), 759 jogos, média de 0,53359 gols.

Colaboração: Alexandre Magno Barreto Berwanger
Fonte: www.rsssfbrasil.com

Valdo estará às 11 horas, de hoje, 18/09, na quadra central do Fluminense onde será homenageado e terá seus pés moldados para colocação no hall da fama.

A festa é comemorativa aos 40 anos da conquista da Taça de Prata.

Festa pelos 40 anos do Campeonato Brasileiro de 1970 hoje às 11 horas na quadra central do clube em Laranjeiras.

Confirmados: Félix, Galhardo, Assis, Flávio, Marco Antônio, Denilson, Lulinha, Samarone, Lula, Mickey, Silveira, Jorge Vitório e outros

Da Máquina Tricolor: Pintinho – vindo de Sevilha, Carlos Alberto, Paulo César Caju, Manfrini, Gil, Edinho, Rubens Gálaxe, Rodrigues Neto, Nielsen, Miguel e José Roberto. O evento reunirá ainda alguns dos principais campeões do tricampeonato de 83/84/85, como Paulinho, Deley, Assis, Duílio, Tato, Jandir, Aldo e Ricardo Gomes.

Campeões de 1959, ao lado de Valdo, Escurinho, Pinheiro, Jair Marinho, Paulinho e Altair também confirmaram presença.
Colaboração: Jorge Wilson Magalhães de Souza

sexta-feira, 17 de setembro de 2010

Troca de Alianças

Os Jornalistas Ricardo Wagner e Renata Miranda se casam neste sábado, 18/09, às 19 horas, na Catedral Metropolitana de Juiz de Fora. Ricardo tem uma ampla atuação na imprensa local, tendo se destacado no rádio, na tv e nos jornais, além de militar no esporte. Renata é uma importante Repórter da Tv Panorama, afiliada Rede Globo em Juiz de Fora. Depois de um longo período de namoro, salvo engano, já dura uns 12 anos, finalmente o dia do SIM chegou. Os noivos aguardam, com ansiedade, a chegada do primeiro herdeiro, João Gabriel, prevista para janeiro próximo. Aos noivos e ao João Gabriel os nossos votos de felicidades.