terça-feira, 31 de agosto de 2010

Calendário 2011

CBF divulga calendário brasileiro em 2011 com estaduais maiores
Competições estaduais terão mais datas a partir da próxima temporada.

A Confederação Brasileira de Futebol, divulgou nesta terça-feira, 31/08, o calendário do futebol brasileiro para 2011, que vai acontecer do dia 16 de janeiro, data de início dos estaduais, ao dia 04 de dezembro, última rodada da Série A.

Os estaduais que vão até 15 de maio. Em relação a 2010, são duas semanas a mais para as competições regionais, que terminaram no início de maio neste ano. A decisão sobre a duração dos estaduais, porém, depende das federações locais, que podem ou não usar o período maior destinado aos torneios.

A primeira divisão do Campeonato Brasileiro começa dia 22 de maio, seis dias após o término dos estaduais e não sofrerá paralisação por conta da Copa América, que será realizada na Argentina, durante o mês de julho.

A Série B do Brasileirão começa no mesmo dia da elite, mas acaba uma semana antes, dia 27/11. Enquanto a Série C vai do dia 17 de julho a 20 de novembro. A Série D começo no dia seguinte da terceira divisão e termina uma semana antes. A Libertadores, título mais cobiçado pelos times brasileiros, vai do dia 26 de janeiro a 22 de junho.

Seleção
Quanto à seleção brasileira, há 12 datas Fifa reservadas para amistosos. No entanto, o Brasil pode também optar por realizar apenas períodos de treinamento, assim como já acontecerá na próxima semana, quando a seleção treinará em Barcelona, na Espanha. A única competição da seleção no ano será a Copa América, disputada de 3 a 24 de julho, na Argentina, de forma paralela aos campeonatos nacionais.

Além dos torneios masculinos, a CBF também já agendou a disputa da única competição nacional feminina organizada pela entidade. A quarta edição da Copa do Brasil acontecerá de 31 de agosto a 2 de novembro.
Fonte: FI

Fluminense F.C.

TORNEIOS E TAÇAS INTERNACIONAIS

* Não incluídas taças por vice-campeonatos, terceiros lugares ou por participação em torneios internacionais.

Copa Rio (Brasil) : 1952
Copa Kirin (Japão): 1987
Torneio de Paris (França, 2) : 1976, 1987
Torneio Tereza Herrera (Espanha) : 1977
Torneio de Seul (Coréia do Sul) : 1984
Torneio de Kiev (Ucrânia) : 1989
Torneio de Viña del Mar (Chile) : 1976
Torneio Internacional de Verão do Rio de Janeiro (Brasil) : 1973
Taça Vulcain (Brasil) : 1928 (Fluminense versus Sporting de Lisboa)
Taça Fluminense versus Racing de Avellaneda (Brasil) : 1948
Taça General A. Odria (Peru) : 1950 (Sucre versus Fluminense)
Taça Embajada de Brasil (Peru) : 1950 (Sucre versus Fluminense)
Taça Cinquentenário do Fluminense (Brasil): 1952 (Copa Rio - Fluminense versus Corinthians)
Taça Milone (Brasil): 1952 (Copa Rio - Fluminense versus Corinthians)
Taça Adriano Ramos Pinto (Brasil): 1952 (Copa Rio - Fluminense versus Corinthians)
Taça Emboteladora de Tampico (México) : 1960 (Tampico versus Fluminense)
Taça Casa Lido (Moçambique) : 1973 (Seleção de Lourenço Marques versus Fluminense)
Taça Governo de Luanda Ramiro Pedrosa (Angola) : 1973 (Seleção de Luanda versus Fluminense)
Taça Governo do Distrito do Huambo (Angola) : 1973 (Benfica Huambo versus Fluminense)
Taça João Havelange (Brasil) : 1981 (Fluminense versus River Plate de Buenos Aires)
Taça Robinwood (Suriname): 1981 (Robin Hood versus Fluminense)
Taça Amizade dos Campeões (Angola) : 1985 (Petro Atlético versus Fluminense)
Taça Centenário Fluminense F.C. (Brasil): 2002 (Fluminense versus Deportivo Toluca-México)
Troféu Vila Nova Futebol Clube (Barra Mansa - RJ) - 1973
Colaboração: Alexandre Magno Barreto Berwanger-Niterói-RJ

JB

'Jornal do Brasil' circula em papel pela última vez
Circula hoje pela última vez a edição impressa do Jornal do Brasil, fundado há 119 anos, no Rio de Janeiro. De agora em diante, o JB terá apenas a versão na internet, um recurso para superar os problemas financeiros da empresa. O passivo acumulado chega a R$ 800 milhões, em dívidas trabalhistas e fiscais.

A crise financeira se agravou na década de 90 até que, em 2001, a família Nascimento Brito arrendou a marca JB para a Docasnet, empresa de Nelson Tanure. No ano passado, outra marca de jornal arrendada pelo empresário, a Gazeta Mercantil, também deixou de circular.

Na sua página na internet, o JB - que chegou a tirar 230 mil exemplares aos domingos no fim dos anos 60 - lista 50 pontos sobre a nova fase do jornal. Num deles, se vangloria de ser o primeiro jornal 100% digital, garante que 150 pessoas estarão envolvidas no processo digital e que "o Jornal do Brasil está caminhando para uma nova e melhor fase". Mas, na Redação, o clima era de luto. Dos 50 jornalistas que trabalham na casa, só 10 devem ficar na versão digital. Procurado pela reportagem, o empresário Nélson Tanure não quis falar.

Pedro Grossi, que presidia o jornal, foi contra a decisão de acabar com o jornal em papel. "Não posso avaliar nem fazer juízo sobre a opinião do dono. Ele acha que o tecnológico será mais lucrativo", lamentou. Segundo Grossi, o jornal estava com tiragem de 30 mil exemplares (desde 2008, o JB não era auditado pelo Instituto Verificador de Circulação, IVC).
 
CONSIDERAÇÕES:
por Glauco Fassheber*
Tive a HONRA de ter trabalhado por oito anos consecutivos nessa Empresa na década de 60 !

Lá estavam como dirigentes:
Condessa Pereira Carneiro, Manoel Francisco do Nascimento Brito, e Senhora Heloísa Dunsche de Abranches !!!
Fui Locutor apresentador de " O Jornal do Brasil Informa " e de " O reporter JB " , na PRF4 - Rádio Jornal do Brasil- AM .
Que SAUDADE !!!!
Infelizmente, É A VIDA !
*Glauco Fassheber é Locutor

Salário Mínimo 2011

Orçamento 2011 fixa salário mínimo em R$ 538,15
Projeto de lei foi entregue nesta terça-feira ao presidente do Congresso

Os ministros do Planejamento, Paulo Bernardo, e de Relações Institucionais, Alexandre Padilha, entregaram nesta terça-feira ao presidente do Congresso, senador José Sarney (PMDB-AP), o projeto de Lei Orçamentária para 2011, que contempla os recursos que nortearão o primeiro ano de mandato do futuro presidente da República. O texto mantém a regra de reajuste do salário mínimo aplicada nos anos anteriores e fixa o valor da remuneração em R$ 538,15, segundo Bernardo.

O projeto estipula ainda um crescimento de 4,5% do Produto Interno Bruto (PIB) relativo a 2011. Mas Bernardo ressaltou que esse porcentual pode subir para 5,5% em novembro, quando o Ministério do Planejamento revisar os índices. O reajuste do salário mínimo leva em conta o crescimento real do PIB de dois anos anteriores mais a inflação. Como o PIB de 2009 ficou negativo em 0,2%, de acordo com o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), o relator da Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO), senador Tião Viana (PT-AC), queria propor a correção pela média de crescimento do PIB de 2008 e 2009, o que elevaria o valor para R$ 550. No entanto, o governo vetou a iniciativa.

Adiantando-se às críticas das centrais sindicais, que ainda vão pressionar o governo para elevar esse valor, Paulo Bernardo disse que o reajuste será compensado em 2012, porque o crescimento do PIB estimado para 2010 é de 7%.

Outra novidade é que a meta de superávit primário (economia para o pagamento dos juros da dívida pública) de todo o setor público deve ser inferior aos 3,3% do PIB inicialmente previstos. Isso porque a LDO fixou a meta em valor nominal, equivalente a R$ 125,5 bilhões. Mas, diante do crescimento da economia, esse valor já corresponde a 3,2% do PIB.

As centrais sindicais trabalham com um novo mínimo de pelo menos R$ 550. Hoje está em R$ 510. O governo deve iniciar as negociações no Congresso admitindo arredondar o mínimo para R$ 540.

América Futebol Clube - 12/04/1914

Voltei!
Para matar a saudade do Mequinha
De volta à elite do Pernambucano, o América deve estrear na competição, em 2012, fazendo o Clássico dos Campeões

por Cassio Zirpoli - Diario de Pernambuco

Abertura do Campeonato Pernambucano de 2011, Ilha Retiro. Logo na primeira rodada, um clássico do futebol do estado. O Clássico dos Campeões. Não conhece? De fato, muita gente nunca ouviu falar e outros tantos já não lembram mais. Mas o duelo existe mesmo e finalmente será reeditado, com uma grande dose de saudosimo. Sport x América e a sua história de 286 capítulos. O visitante é aquele mesmo simpático e tradicional Alviverde, conhecido como Mequinha, apontado como o "segundo time de todos os pernambucanos" e que ficou 15 longos anos longe da elite.

Um campeão esquecido, mesmo com as suas seis taças do Estadual. Há um bom tempo, o América vinha jogando nas entranhas de Pernambuco, sempre ameaçado pelo fantasma da extinção. Na última vez em que enfrentou os três grandes do Reife, em 1995, foi goleado por todos, já numa era decadente. No entanto, o temor de sumir do mapa sempre foi afastado por fiéis e abnegados torcedores americanos, a maioria formada pela velha guarda, mas que mantiveram o "Campeão do Centenário" vivo.

Vivo e revigorado, após um acesso incrível no domingo, quando o time precisava vencer o Chã Grande fora de casa por 4 x 1 e conseguiu o placar. Um resultado que mereceu os parabéns até dos velhos rivais. Com o justo sabor da vitória após uma campanha sólida na Série A2 (com 9 vitórias em 18 jogos e 55,5% dos pontos conquistados), os dirigentes já articulam novos planos, conscientes de que é preciso sacudir a tradição do América Futebol Clube para que a agremiação não se torne um iô-iô local, com acessos e rebaixamentos seguidos.

Sondado há anos para negociar a valorizada sede da Estrada do Arraial, fundada em 1951, o clube começa a encaminhar um acordo, com uma venda casada, trocando o local por um um centro de treinamento com três campos e um estádio para 5 mil pessoas na região metropolitana, com um orçamento próximo a R$ 1 milhão. A diretoria não confirma o novo destino, mas admite que as negociações estão avançadas. Seria um marco para o clube, quejá jogou em Timbaúba, Jabotão, Ipojuca, Bonito, Vicência e Goiana.

Chegando na sede o tom verde já dá as caras ao imóvel que hoje abriga um colégio particular, que arrenda grande parte da área. Uma única sala mantém a história do clube, com duas estantes com todos os troféus e uma mesa com ótimo acabamento, pertencente ao Conselho Deliberativo. Espaço pequeno, mas limpo e organizado, sob os cuidados de Teófilo Sérgio da Silva, de 87 anos e americano legítimo. Nada de segundo time!

"Me perguntam sempre se também sou torcedor de Sport, Santa Cruz ou Náutico. Eu sou América, que era grande também. Agora, quando o América jogar contra esses times no Recife, vou voltar aos jogos", diz Teófilo, que guardou uma bola utilizada pelo clube em julho de 1995, da marca Top-Life, durante a última participação do Mequinha na elite estadual. Mal sabia ele que a bola se tornaria uma relíquia.

"Guardei essa bola na minha casa (ao lado da sede). Guardo qualquer coisa do América. Camisa, chapéu, chaveiro, o que for. Eu amo essetime", afirma o aposentado, que nasceu em Palmares e chegou na capital aos 13 anos de idade. No Recife, ainda acompanhou - apesar de não se lembrar dos detalhes - o título pernambucano do clube em 1944.

Em meio aos estudantes do NAP durante o recreio, o torcedor demonstra orgulho ao apresentar a sede, onde guarda todas as carteiras de jogadores profissionais do clube (desde a década de 60), além de fotos das últimas décadas. "Só eu sei o que passei nesse tempo todo com o América perdendo de todo mundo, e até sem jogar. Agora é só parabéns ao América (pelo acesso). Só não chega dinheiro", brincou Teófilo, pai de 26 filhos, dos quais apenas um virou torcedor do clube.

Histórico
América Futebol Clube
Fundação: 12 de abril de 1914
Mascote: periquito
Sede: Estrada do Arrail, Casa Amarela
Mando de campo: estádio Ademir Cunha, em Paulista
Campanha no vice da Série A2 do Estadual: 09 vitórias, 03 empates, 06 derrotas, 33 gols a favor e 25 gols sofridos.

Conquistas:
06 campeonatos pernambucanos: 1918, 1919, 1921, 1922, 1927 e 1944
09 vice-campeonatos estaduais: 1923, 1924, 1930, 1941, 1945, 1947, 1948, 1950 e 1952
11 títulos do Torneio Início: 1921, 1930, 1931, 1934, 1936, 1938, 1941, 1943, 1955, 1967 e 1970
77 participações no Pernambucano
04 participações no Brasileiro da Série B: 1972, 1981, 1989 e 1991
01 participação no Brasileiro da Série C: 1990

América x Sport
(Clássico dos Campeões)

286 jogos
191 vitórias do Sport
42 empates
51 vitórias do América
02 jogos com resultado desconhecido
Primeiro jogo: Sport 2 x 3 América (09/04/1916, British Club)
Último jogo: Sport 4 x 0 América (11/06/1995, Carneirão)

América x Náutico
(Clássico da Técnica e da Disciplina)

292 jogos
183 vitórias do Náutico
56 empates
53 vitórias do América
Primeiro jogo: Náutico 0 x 6 América (15/08/1916, British Club)
Último jogo: Náutico 5 x 0 América (05/07/1995, Aflitos)

América x Santa Cruz
(Clássico da Amizade)

309 jogos
191 vitórias Santa Cruz
54 empates 63 vitórias do América
01 jogo com resultado desconhecido
Primeiro jogo: Santa Cruz 4 x 0 América (10/10/1915, Campina do Derby)
Último jogo: Santa Cruz 6 x 0 América (18/06/1995, Jefferson de Freitas)
Fonte: pesquisador Carlos Celso Cordeiro

O pecado que derrubou Washington

José Ilan*

A vida muitas vezes imita a arte. Na cena final do filme “O Advogado do Diabo”, o excepcional Al Pacino, que encarna o próprio satanás, sentencia: “Vanity, my favorite sin”. Em bom português, “vaidade, meu pecado favorito”.

O líder Fluminense tropeçou no Maracanã. Tropeçou na escalação equivocada de Muricy, que botou em campo um Belletti de dar pena. Tropeçou na preguiça do time em todo o primeiro tempo. Tropeçou na fraca atuação de sua zaga, que abandonou Fernando Henrique à própria sorte no segundo gol. Tropeçou no próprio goleiro, que não estava em seus melhores dias. E tropeçou num São Paulo bem armado, corajoso e com Rogério Ceni decisivo. Todos estes tropeços fazem parte do jogo; erros, acertos – e o Flu tem acertado muito – como num dia após o outro.

Mas o tropeço indesculpável e mais decisivo foi no tal pecado diabólico: A vaidade de Washington. Como justificar que tenha cobrado o pênalti (duvidoso) que viria a desperdiçar? Dentre todos os jogadores do Fluminense, Washington era o menos indicado para a cobrança. Há poucas semanas, o atacante passava algumas horas por semana treinando pênaltis…. Com quem mesmo??! Será que Rogério sabe como Deco bate pênaltis?! Sabe como Mariano cobra?! André Luis?! Julio Cesar?! E Rodriguinho?! Conca talvez ele conheça; mas será que conhece metade do que conhece do ex-companheiro Washington??!

Após o jogo, um constrangido Muricy tentou justificar: “Washington e Conca são os batedores que treinam”. E recorreu a um clichê para defender o jogador: “Depois que perde é fácil criticar, queria ver dizer isso antes da cobrança”.

Mas vem cá: Fui só eu que pensei, perplexo, momentos antes da defesa: “Mas logo o Washington vai bater??!”

Será mesmo que ninguém mais percebeu o quanto o artilheiro estava tenso ao cavar exageradamente com o pé a marca penal, ao olhar por longos segundos a bola, ao fazer um trote hesitante e inseguro ao correr para a batida?! Não estava claro o quanto ele se preocupou com o fato do goleiro conhecer seus segredos até de olhos vendados?

Washington pediu pra cobrar porque queria dar uma resposta em campo ao clube que o aproveitou mal – segundo ele. Com seu time prestes a conseguir uma bela e difícil virada, se deixou levar pela vaidade de ser o herói da façanha e ainda por cima mostrar ao pessoal do Morumbi que era melhor do que eles supunham. Em nome disso, ignorou o apelo de Conca – melhor jogador em campo – que pegou a bola primeiro e faria a cobrança. Se o argentino teria convertido, nunca saberemos. Mas numa visão óbvia, tinha menos chances de perder.

Washington, que é bom atacante e entrou bem na ausência de Fred, desta vez se deixou levar pelo pecado da vaidade. Errou. E de certa forma, teve a grandeza de reconhecer. Disse se sentir culpado pelos pontos perdidos.

Não foi o único, mas pelo motivo fútil, foi mesmo o principal.
*José Ilan é jornalista
Fonte: www.globoesporte.com

segunda-feira, 30 de agosto de 2010

Futebol mineiro

Campeonato Mineiro
Em Sete Lagoas, com um gol do atacante Tiago Emílio aos 30 minutos do primeiro tempo, o Sport-JF venceu o Democrata-SL por 1 x 0 pelo Módulo três. Darlesson, que entrou na segunda etapa, foi expulso por reclamação e desfalca o Verdão, domingo, 05/09, no estádio Procópio Teixeira, contra o Venda Nova, com transmissão da Rádio Cultura AM, de Santos Dumont. Goleiro Gonçalves foi um dos destaques do jogo.
Público pagante: 2.093 torcedores,
Renda: 12.316,00

Campeonato Brasileiro
SÉRIE D
Sábado - 04/05
Tupi x Uberaba
Estádio Mário Helênio - 16h
A: Átila Carneiro Magalhães/MG
A1: Marcus Vinícius Gomes/MG
A2: Marconi Helbert Vieira/MG
4°A: ??
Observador: Eustáquio Alves Ferreira/MG

Depois de uma passagem frustrada pelo Ipatinga, o técnico Léo Condé voltou ao Tupi e foi reapresentado na tarde desta segunda-feira, 30/08,  no estádio Salles Oliveira, em Santa Terezinha. A reestreia no comando da equipe acontece sábado, contra o Uberaba.

Estádio "FIELZÃO"

Para receber abertura da Copa, obra terá de ser ampliada.

A Confederação Brasileira de Futebol (CBF) e o Governo do Estado de São Paulo decidiram que o novo estádio do Corinthians será sede paulista dos jogos da Copa de 2014. Ainda não está garantido que o local receberá a abertura do Mundial. O projeto inicial previa um estádio com capacidade para 48 mil pessoas. A Fifa exige o mínimo de 65 mil lugares para o primeiro jogo da Copa. O clube paulista já teria pronto um projeto para deixar o estádio em conformidade com o padrão Fifa para a abertura.

O novo estádio do Corinthians, que poderá sediar jogos da Copa do Mundo de 2014, deverá custar até R$ 350 milhões, segundo o presidente do clube, Andrés Sanchez. A informação foi dada na manhã desta segunda-feira, 30/08, durante a vistoria no terreno, em Itaquera, na Zona Leste de São Paulo, local onde hoje fica o centro de treinamento do Corinthians. O evento contou com a presença do prefeito da capital paulista, Gilberto Kassab, e do governador de São Paulo, Alberto Goldman.

O valor da obra já estaria garantido com a venda do uso de imagem do nome do estádio para a construtora Odebrecht. A arena teria capacidade para 48 mil pessoas. Entretanto, se mantido o projeto original, o novo estádio não poderia receber a abertura do Mundial. De acordo com as regras da Fifa, seria necessário ampliar a capacidade em 20 mil lugares.
Fonte: www.g1.com.br

domingo, 29 de agosto de 2010

Fórmula 1

Barrichello é o Íbis da Fórmula Um
Luís Carlos Quartarollo*

O número é imponente. Grandioso. 300 corridas na Fórmula Um.

É recordista em número de provas. E daí?

Não ganha nada, só onze vezes ganhou desde que chegou à Fórmula Um.

Rubens Barrichello é o Íbis da categoria. E tem gente que ainda acha o máximo.

Prost, Senna, Fittipaldi, Schumacher, Piquet, Fangio e outros grandes campeões, só para citar alguns, participaram de menos prova, mas ganharam muito mais.

Nem sempre da quantidade se tira a qualidade. Só se tira a qualidade de onde ela existe realmente.

Barrichello não representa essa gente e nem larga com esses pilotos, nem de longe.

Na verdade tomou 300 voltas deles todos.

Na média, Barrichello ganha uma prova aproximadamente a cada 27 que disputa.

Como a última vitória foi no Grande Prêmio da Itália, no ano passado, a próxima ainda está um pouco distante de acontecer.

Hoje nem completou a volta e já estava fora. Na Fórmula Um se você larga já conta uma prova.

Hoje contaram a de número 300 para ele, mesmo devendo a prova inteira.

Mas na pobreza técnica que é a Fórmula Um atual, vale comemorar qualquer coisa. Até derrotas seguidas.

Em tempo:
O Íbis é um clube de futebol do Recife, Pernambuco, considerado o pior time do mundo e faz disso um grande troféu. Foi mais longe do que Barrichello, já perdeu com certeza mais de 300 jogos. Os nossos Íbis têm muito o que comemorar. Rubens está tentando bater o recorde do Íbis. Se continuar mais um pouquinho nas pistas, ele chega lá.
*Luís Carlos Quartarollo é Jornalista Esportivo
Fonte: http://www.uol.com.br/

Eleições 2010

No Esporte:
Acelino Popó Freitas-21/09/1975) - (PRB-BA)- Boxeador, deputado estadual
Adilson Maguila (José Adilson Maguila Rodrigues dos Santos-12/06/1958) - (PTN-SP)- Ex-boxeador, deputado federal
Danrlei (DanrleI de Deus Hinterholz-18/04/1973) - (PTB-RS) - Ex-goleiro, deputado federal
Fabiano (Luiz Fabiano de Souza-18/03/1975) - (PMDB-RS) - Ex-atacante, deputado estadual
Marcelinho Carioca (Marcelo Pereira Surcin-01/02/1971) - (PSB-SP)- Ex-jogador, deputado federal
Romário de Sousa Faria-29/01/1966- (PSB-RJ)- Ex-jogador, deputado federal
Túlio Maravilha (Túlio Humberto Pereira Costa-02/06/1969) - (PMDB-GO) - é vereador em Goiãnia, deputado federal
Vampeta (Marcos André Batista Santos-13/03/1974) - (PTB-SP) - Ex-jogador, deputado federal

Na Música:
Gaúcho da Fronteira (Heber Artigas Armua Frós-23/06/1947) - (PTB-RS) - Músico, deputado estadual
Kiko (Franco Finato Scornavacca-18/04/1978) - (DEM-SP) - Membro do grupo KLB, deputado federal
Leandro (Leandro Finato Scornavacca-22/07/198) - DEM-SP) - Cantor do grupo KLB, deputado estadual
Netinho de Paula (PCdoB-SP) - Cantor do grupo Negritude, é vereador em São Paulo-SP, senador
Reginaldo Rossi (Reginaldo Rodrigues dos Santos-14/02/1943) - (PDT-PE) - Cantor, deputado estadual
Renner (Ivair dos Reis Gonçalves-19/01/1971) - (PP-GO) - Cantor da dupla Rick e Renner, senador
Sérgio Reis (Sérgio Bavini-22/06/1940) - (PR-MG) - Cantor e ator, deputado federal
Tati Quebra-Barraco (Tatiana dos Santos Lourenço-21/09/1979) - (PTC-RJ) - Funkeira, deputada federal

Na Televisão:
Ronaldo Esper-20/09/1944 (PTC-SP) - Estilista, deputado federal
Pedro Manso - Pedro José Manso-29/06/1972 - (PRB-RJ) - Humorista, deputado estadual
Dedé Santana (PSC-PR) - Humorista, deputado estadual
Tiririca-(Francisco Everardo Oliveira Silva-01/05/1965- (PR-SP) - Humorista, deputado federal
Batoré (Ivanildo Gomes Nogueira-17/04/1960)- (PP-SP) - Humorista, é vereador em Mauá-SP, deputado federal

No Pomar:
Mulher Melão-22/11/1984 - (PHS-RJ) - Cristina Célia Antunes Batista, deputada federal
Mulher Pera-14/02/1986 - (PTN-SP) - Suellen Aline Mendes Silva, deputada federal

A dança dos técnicos

Atlético-GO
Geninho/Roberto Fernandes /Reinaldo Gueldini (interino)/ Renê Simões

Atlético-PR
Leandro Niehues/Paulo Cesar Carpegiani

Avaí
Péricles Chamusca/Antônio Lopes

Ceará
Paulo César Gusmão/Estevam Soares/Mário Sérgio

Corinthians
Mano Menezes/Adilson Batista

Flamengo
Rogério Lourenço/Toninho Barroso (interino)/Silas

Cruzeiro
Adilson Batista/Emerson Ávila (interino)/Cuca

Grêmio
Silas/Renato Gaúcho

Grêmio Prudente
Toninho Cecílio/Antonio Carlos Zago

Goiás
Emerson Leão/Wlademir Araújo (Interino)

Internacional
Jorge Fossati /Enderson Moreira (interino)/ Celso Roth

Palmeiras
Antonio Carlos Zago/Jorge Parraga (interino)/Flávio Murtosa (auxiliar do Felipão)/Luiz Felipe Scolari

São Paulo
Ricardo Gomes/Milton Cruz (interino)/Paulo Baresi

Vasco
Gaúcho/Celso Roth /Paulo César Gusmão

Vitória
Ricardo Silva/Toninho Cecílio

Eleições 2010

Ex-jogadores que buscam cargo eletivo:

São Paulo
Ademir da Guia
Vampeta
Dinei
Marcelinho Carioca

Rio de Janeiro
Romário
Bebeto
Reeleição: Deley, ex-jogador do Fluminense em 1983

Goiás
Harlei
Túlio Maravilha

Pará
Robgol

Minas Gerais
Reeleição: Ex-goleiro João Leite
Marques

Rio Grande do Sul
Reeleição: Ex-zagueiro do Internacional Cassiá, anos 80. Ex-treinador da Ponte Preta e Rio Branco-SP
Danrlei de Deus Hinterholz, ex-goleiro do Grêmio

Bahia
Jorge Valença, ex-lateral do Vitória e Atlético-MG

sábado, 28 de agosto de 2010

Ademir Fonseca deixa o Tupi

O técnico Ademir Fonseca não resistiu a proposta trocou o Tupi (Série D) pelo do Vila Nova de Goiás (Série B). Ademir que classificou o Tupi para a segunda fase da competição, demonstrou interesse em permacer no Tupi para o campeonato mineiro. Questionado por mim no microfone da Rádio Cultura por ocasião do jogo contra o Madureira, se ficaria, ele respondeu: "Quero ficar, só depende do presidente". Pelo visto, não dependeu.

No time goiano, que é o último colocado na Série B, com 08 pontos em 16 jogos, está 04 pontos atrás do penúltimo colocado, Ademir assume a vaga de Roberto Cavalo, demitido por falta de resultados. O Villa Nova joga hoje, contra o Bragantino, em Goiãnia e a estreia de Ademir Fonseca está prevista para o dia 31/08, contra o Náutico, no Serra Dourada.
 
Leonardo Condé
Demitido no Ipatinga após seis partidas, Léo Condé deve assumir, de novo, o comando do Tupi. Essses técnicos assumem até que uma nova proposta apareça.

CONSIDERAÇÕES:
O time tem sido vítima disso, foi assim com Moacir Júnior, Léo Condé e agora, Ademir Fonseca. O "projeto pessoal" deles fala mais alto, embora eles não tenham demonstrado competência nesses projetos. Moacir saiu para livrar o Ipatinga do rebaixamento. Caiu com o time e foi demitido. Léo Condé teve missão semelhante. Nos seis jogos em que trabalhou não conseguiu sair do grupo da morte e foi demitido. Vamos aguardar se Ademir Fonseca, em Goiãnia, vai ter destino diferente.

Cene
O Tupi pediu ontem que a Federação Mineira de Futebol acompanhe a denúncia do Cene quanto à utilização de um atleta sem condições de jogo pelo Madureira em três partidas da primeira fase da Série D. Na última quinta-feira, um advogado do clube sul-mato-grossense esteve no Rio de Janeiro para encaminhar um pedido ao Superior Tribunal de Justiça Desportiva (STJD) de punição ao Tricolor Suburbano por ter colocado

O Cene entrou com uma denúncia contra o Madureira, que segundo o clube Sulmatogrossense, teria escalado, de forma irregular, Wesley Dionísio Monteiro nas partidas Madureira 1 x 0 Tupi, Botafogo-SP 0 x 1 Madureira e Madureira 1 x 1 Cene.

Segundo a denúncia do Cene, o nome de Wesley não consta no Boletim Informativo Diário (BID) da CBF, exigência do artigo 5 do regulamento da Série D para que um atleta tenha condição de jogo. Pelo Código Brasileiro da Justiça Desportiva (CBJD), em seu artigo 214, a punição por utilização de jogador irregular é a perda de 3 pontos por partida.

Caso seja julgada procedente, o Madureira estaria eliminado da disputa, o Cene ficaria com a segunda vaga e o Tupi seria o primeiro colocado do grupo, mudando o adversário do Tupi, que passaria do Uberaba para o Rio Branco do Espírito Santo.

Sampaio Correa
A diretoria do Sampaio Corrêa confirmou a troca da sua comissão técnica. Sai Arnaldo Lira e volta Flávio Campos. O Sampaio Correa vai enfrentar o CSA na próxima fase.

quinta-feira, 26 de agosto de 2010

Eleições 2010 - Os milionários

Marcelinho, Vampeta e Dinei pretendem gastar R$ 14 milhões nas eleições 2010
Os ídolos corintianos não irão economizar para tentarem vaga na Câmara Federal

A corrida por lugares na Câmada Federal e Estadual promete muitas emoções até o dia 3 de outubro, data do pleito eleitoral. Alguns candidatos declaram fortunas e outros optaram em estimar gastos milionários, como Vampeta (PTB-SP), Marcelino Carioca (PSB-SP) (foto ao lado) e Dinei (PDT-SP). Juntos, eles pretendem gastar a quantia de R$ 14 milhões, segundo dados disponíveis no TSE (Tribunal Superior Eleitoral).

Campeões mundiais pelo Corinthians, em 2000, os craques não irão economizar para conseguirem uma cadeira no Plenário de Brasília e também na Assembleia Legislativa de São Paulo (caso de Dinei). Marcelinho e Vampeta declararam o limite de gastos em R$ 5 milhões, enquanto Dinei economizou um pouco e declarou gastar o limite de R$ 4 milhões.


Além disso, as coincidências entre os ex-craques do Timão não param por aí. Não são somente aegrias que marcaram as passagens deles pelo Corintians, pois as semelhanças também passam pelos momentos de tristeza.

Em 1999, nas quartas-de-final da Libertadores, contra o Palmeiras, Dinei e Vampeta (foto abaixo) perderam pênaltis e deram a classificação ao maior rival, que depois seria campeão.

No ano seguinte, o grande vilão corintiano na Libertadores foi Marcelinho Carioca. Na semifinal, também contra o Palmeiras, ele cobrou a penalidade defendida por Marcos e garantiu o rival do Timão na final. Mas diferente de 1999, o Verdão seria vice-campeão.


Agora, resta saber os três conseguirão outra coincidência no pleito eleitoral em 2010, a de conquistarem uma vaga na Câmara Federal.
Fonte: http://www.futebolinterior.com.br/

Futebol mineiro

Série D

Alterada a data do confronto mineiro na Série D.
A data do primeiro jogo do confronto mineiro entre Tupi e Uberaba, pela 2ª Fase da Série D, foi alterada de domingo, 05, para o sábado, 04.
Em Juiz de Fora:
Tupi x Uberaba
04/09 – Mário Helênio – 16h

Taça Minas
Uberaba 2x2 Funorte (Montes Claros)
Gols: André Nascimento e Fabiano (Uberaba); Eddie e André Luis (Funorte).

Módulo três
Dois jogos abriram a 3ª Rodada do Grupo A.
Arsenal (Santa Luzia) 1x1 Venda Nova (Belo Horizonte)
Gols: Luiz Paulo (Arsenal); Guilherme Henrique (Venda Nova).
Nacional (Nova Serrana) 1x2 Democrata (Sete Lagoas)
Gols: Beré (Nacional); Diego e Marion (Democrata)

1ª FASE - 3ª RODADA -arbitragem
Sábado, 28/08/2010
E.C. Sul Minas x S.E. Patrocinense
Arbitro: Hélio José dos Santos (FMF)
Assistente 1: Valdeci Ângelo da Silva (FMF)
Assistente 2: Adjaílson Severo de Oliveira Andrade (FMF)
04º A: Elias Paulino (Liga Local)
Guarani F.C. x Fluminense F.C.

Domingo, 29/08/2010
Arbitro: Igor Júnio Benevenuto (FMF)
Assistente 1: Mauro Antônio Ferreira dos Santos (FMF)
Assistente 2: Ricardo Vieira Rodrigues (FMF)
04º A Eduardo Horta (Liga Local)

Coimbra E.C. x Arsenal A.D. S.C.
Arbitro: Marcos Vinícius Sá dos Santos (CBF/FMF)
Assistente 1: Douglas Almeida Costa (FMF)
Assistente 2: Frederico Soares Vilarinho (FMF)
04º A: Anderson Ferreira de Souza (Liga Local)

Segunda-feira 30/08/2010
Venda Nova F.C. x Nacional E.C.
Arbitro: Antônio Márcio Teixeira (FMF)
Assistente 1: Pablo Almeida Costa (CBF/FMF)
Assistente 2: Helbert Tavares Miranda (FMF)
04º A: Fábio Leonardo Madalena (Liga Local)

Democrata F.C. x Sport Club Juiz Fora
Arbitro: Ronei Cândido Alves (FMF)
Assistente 1: Marcelo Francisco dos Reis (FMF)
Assistente 2: Júnior Antônio da Silva (FMF)
04º A: Rildo Amaral Rocha (Liga Local)
Fonte: www.fmfnet.com.br

Eleições 2010 - Os boleiros

Ex-atacante Marques lidera lista de "políticos da bola" com maior número de bens
O ídolo do Galo Mineiro declarou ter a quantia de R$ 8,3 milhões em bens

O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) determina que todos os candidatos declarem a quantidade de bens que possuem no ato de inscrição para concorrer a qualquer cargo público. Sendo assim, o Portal Futebol Interior traz a lista dos jogadores e ex-jogadores que são canditados e que possuem os maiores valores de bens em seu nome.

O ex-atacante Marques (PTB-MG), ídolo do Atlético-MG, tenta vaga de Deputal Estadual. O craque declarou à Justiça Eleitoral a quantia de R$ 8,3 milhões em bens. Entre os bens declarados, Marques tem muito dinheiro investido em ações, comprovando ter economizado bastante nos tempos em dava alegrias ao torcedor do Galo.

A segunda colocação da lista aparece Vampeta (PTB-SP). O ex-volante do Corinthians e campeão mundial com a Seleção Brasileira, em 2002, declarou ter pouco mais de R$ 2 milhões de bens, em sua maioria de imóveis em São Paulo. Vampeta concorre à cadeira na Câmara Federal. A terceira colocação é de Romário (PSB-RJ), que também disputa um lugar em Brasília.

O ex-goleiro do Grêmio, Danrlei (PTB-RS), declarou ter em bens a quantia de R$ 740 mil, ocupando a quarta colocação na lista. O ídolo gremista tenta vaga também na Câmara Federal, assim como o quinto colocado. Marcelinho Carioca (PSB-SP) diz ter R$ 703 mil, seguido por Harlei (PSDB-GO) – goleiro do Goiás – com R$ 561 mil e que concorre como Deputado Estadual. Na sétima posição está Ademir da Guia (PPS-SP) – ex-craque do Palmeiras – com R$ 561 mil e que almeja lugar na Assémbleia Legislativa.

Entre os candidatos da bola, dois não declararam a quantidade de bens. Lutando por um lugar na Câmaral Estadual de Goiás, Túlio Maravilha (PMDB-GO) prefeiu “esconder o jogo”, assim como o ex-atacante Dinei (PDT-SP), que concorre ao cargo na Câmara de São Paulo.
Fonte: www.futebolinterior.com.br

quarta-feira, 25 de agosto de 2010

Rubens Barrichello

O piloto brasileiro Rubens Barrichello, da Williams, tem mais de um motivo para qualificar o GP da Bélgica, próxima etapa da Fórmula-1, como especial. Além de ser o seu GP de número 300 na principal categoria do automobilismo, o circuito de Spa-Francorchamps foi o palco da primeira pole position do brasileiro na Fórmula 1, conquistada em 1994.

Rubens Gonçalves Barrichello nasceu em São Paulo-SP, no dia 23 de maio de 1972.

Fórmula 1
1993/1996: Jordan
Em 1993 a estreia se deu em Kyalami, África do Sul, no dia 14 de março.
Em 1994 conquistou seu primeiro pódio no GP do Pacífico em Aida e a sua primeira pole-position, no GP da Bélgica, em Spa-Francorchamps.
Em 1995 conquistou seu melhor resultado até então, segundo lugar no GP do Canadá no circuito Gilles Villeneuve.

1997/1999: Stewart
Em 1997 largou em 03º lugar no grid do Grande Prêmio da Argentina, e um segundo lugar em Mônaco.
Em 1998 foi um 05º colocado no GP do Canadá.
Em 1999 foram três terceiros lugares, em Ímola, Magny-Cours e Nürburgring, uma 'pole position' em Magny-Cours (a segunda da arreira) e 23 voltas na liderança do Interlagos, quando abandonou com o motor estourado.

2000/2005: Ferrari
Foi vice duas vezes (2002 e 2004) e conquistou nove vitórias.

2006/2008: Honda
Em 2006 somou 30 pontos.
Em 2007 não pontuou.
Em 2008 pontuou em três provas (GP de Mônaco, GP do Canadá e GP da Inglaterra), tendo conquistado um pódio (3º lugar no Grande Prêmio da Inglaterra).

2009: Brawn GP
No Grande Prêmio da Europa de 2009, disputado em 23 de agosto de 2009 em Valência, na Espanha, Rubens conquista sua primeira vitória na temporada, a décima na carreira e a centésima de pilotos brasileiros na principal categoria do automobilismo mundial.[3] Em 13 de setembro, consegue a segunda vitória em 2009, no Grande Prêmio da Itália, disputado no autódromo de Monza. Já em 17 de outubro, consegue fazer a pole position em casa, no GP do Brasil. Com o feito, Rubens faz a sua primeira pole do ano e a primeira em cinco anos, desde o GP da China de 2004. Apesar da pole, terminou a corrida em 08º lugar.

2010: Williams
Seus melhores resultados foram um quarto lugar no GP da Europa, em Valência, e um quinto lugar no GP Da Inglaterra, em Silverstone.

Rubens Barrichello chega ao GP da Hungria de 2010 sendo o piloto com maior participação em grandes prêmios: 299, com 295 largadas contra 256 do italiano Ricardo Patrese.

196 provas concluídas na zona de pontuação;
68 pódios (sendo o quarto piloto a subir mais vezes ao pódio da Fórmula 1);
637 pontos conquistados (sendo o 4º maior pontuador).

FUTEBOL NO RÁDIO AINDA MEXE COM A GENTE

Adilson Dutra*
Sempre gostei de recordar o belo momento vivido pelo rádio esportivo nas décadas 60,70 e 80, quando brilhou intensamente nas transmissões dos grandes jogos e foi o principal fornecedor de material para os jornais diários e de notícias para os apaixonados pelo futebol, que não dormiam antes de ouvir o Panorama Esportivo, da Rádio Globo, que começava às 23 e encerrava antes do Seu Redator Chefe, à meia noite.

Belos momentos, sem dúvida alguma, e desafio: Quem nunca colocou um radinho de pilha no ouvido para acompanhar os jogos no estádio ou até mesmo nas transmissões da TV Rio, que cobria o Campeonato Carioca no início dos anos 70? Isto mesmo, você, que me lê agora, era um destes apaixonados pelo rádio e fã incondicional de Jorge Curi, Waldir Amaral, Doalcei Camargo ou Clóvis Filho, citando os mais antigos, ou José Carlos Araújo, Edson Mauro, Luis Penido para ficar com os mais novos.

No meio da semana, no caderno esportivo de O Globo, a crônica de Bruno Mazzeo, que está se revelando um grande cronista esportivo, fala sobre o rádio e seus ídolos, quase os mesmos citados aqui no início deste texto, mas Bruno ainda relembra os engarrafamentos das ruas cariocas e a companhia do radio do carro para não se estressar. “Saí do hospital, onde fui visitar meu pai (Chico Anísio) e no engarrafamento redescobri o rádio”, diz ele.

E por aqui faço você lembrar os “Trepidantes” da Globo ou dos “Craques da Bola”, da Nacional ou a dupla dinâmica da Tupi. Washington Rodrigues, Denis Menezes, Kléber Leite, Iata Anderson, depois vieram os campistas Eraldo Leite, Elson Venâncio e Cláudio Perrot, porém, tem sempre um porém, a dupla Washington/Denis é insuperável, pelo menos no meu ponto de vista.

Bola rolando no Maracanã e cartão de loteria na mão esperando o tiriri-tiriri da Globo e a chegada de Jairo de Souza, o melhor plantonista de todos os tempos, com os detalhes e as zebras da Loteria Esportiva, que vinham sempre antes dos comentários de Ruy Porto, João Saldanha ou Luis Mendes, no intervalo e no final dos jogos do domingo.

Futebol na televisão não tem preço, principalmente agora, nos anos 2000, quando o sinal digital se espalhou e as câmaras de alta definição chegam aos estádios e nos coloca frente a frente com os jogadores, torcida e dissipa as dúvidas dos lances capitais em segundos.

Não dá mais para pegar o radinho e colar no ouvido, a diferença entre som e imagem é de cinco segundos e quando o som chega a imagem já nos deu todo o desenrolar do lance. Mas bate uma tremenda vontade de ouvir José Carlos Araújo, o remanescente da era de ouro do rádio brasileiro.

Lá na terrinha (Miracema) captava bem as emissoras de São Paulo, já disse isto aqui em outras crônicas, e ouvir Fiori Gillioti era bem legal. Fiori era diferente dos cariocas Jorge Curi ou Waldir Amaral, era mais classudo e vibrante como eles, diga-se de passagem.

Antes de vir para cá me inspirei em Osvaldo Maciel, um narrador prá lá de vibrante, da Globo/SP e as reportagens de Henrique Guilherme e Roberto Carmona me ensinavam como trabalhar em um jogo de futebol.

Correr atrás da notícia, sempre, informar em primeira mão, sempre, e jamais deixar o ouvinte tentando mudar de estação para saber o que acontece nos bastidores. Os repórteres paulistas me marcaram muito mais do que os companheiros do Rio.

Hoje farei como Bruno Mazzeo, vou ligar o radinho para ouvir o clássico carioca e ver como é que andam os companheiros de hoje. Rádio é a emoção maior do futebol.
  
*Adilson Dutra é Jornalista
Fonte: http://www.odiarionews.net/

Fluminense F.C.

Líder e perto de recorde, Fluminense pega conturbado Goiás

Invicto há 12 rodadas, o Fluminense pode igualar seu próprio recorde na competição em caso de empate ou vitória. A derrota poderá custar a liderança. Deco pode ser a novidade entre os titulares. No Goiás, que vive uma crise política e está dentro da zona de rebaixamento, a vitória é fundamental para acalmar os ânimos

Pendurados com dois cartões:
Emerson, Gum, André Luís, Leandro Euzébio, Diogo, Mariano, Belletti, Marquinho, Tartá, Carlinhos e Fred.

Fluminense: Fernando Henrique; Gum, André Luis (Deco) e Leandro Euzébio; Mariano, Diogo, Fernando Bob, Conca e Julio Cesar; Emerson e Washington.

Castelo Monalisa

Hotel Castelo Monaliza Ltda (CNPJ: 07905357/0001-68)

Estilo Medieval
O castelo está localizado no distrito de Carlos Alves, vilarejo de pouco mais de 1 mil habitantes e 300 casas, município de São João Nepomuceno, na Zona da Mata Mineira . De estilo medieval, tem 7,5 mil metros quadrados de área construída, 32 suítes, com quatro cômodos: quarto, sala de estar, closet e banheiro. O castelo foi equipado, ainda, com uma cozinha industrial capaz de atender 200 pessoas, dois elevadores, sistema de aquecimento central, uma capela e um anexo de lazer, com sauna, salão de jogos e de ginástica . As 275 janelas são de sucupira, e as escadarias são de granito escuro, a piscina tem cascata, fontes e espelhos d’água. Há também uma adega subterrânea climatizada, com capacidade para 8 mil garrafas.

Na garagem cabem 40 automóveis. Conta-se que nos anos 90 estavam empregadas no castelo em torno de 200 pessoas. O Castelo tem belos jardins e parques é uma obra arquitetônica do estilo pós-moderna, construída como simulacro de edificações européias fortificadas, abundantes no período medieval.

Está distante a 15 Km de São João Nepomuceno, 60 Km de Juiz de Fora, 180Km do Rio de Janeiro e 290Km de Belo Horizonte, toda cercada por lagos que propiciam inclusive esportes aquáticos, tais como jet ski e pequenas embarcações.

Existe heliponto para descer helicópteros de grande porte.

terça-feira, 24 de agosto de 2010

Hélio Fazolato Reis Rodrigues (13/01/30 - 22/08/10)

Depois de um mês internado na UTI do Hospital Albert Sabin, em Juiz de Fora, o empresário e diretor da Rádio Cultura de Além Paraíba, Hélio Fazolato, morreu na madrugada do último 22 de agosto de 2010. De acordo co a assessoria do hospital, o  empresário estava em tratamento de complicações circulatórias causadas por diabetes. A situação se agravou com o aparecimento de uma pneumonia. A causa da morte do empresário foi insuficiência respiratória. O velório de Hélio Fazolato aconteceu na Câmara Municipal de Além Paraíba e o sepultamento no cemitério do Santíssimo às 09 horas do dia 23 de agosto. 

Hélio Fazolato tinha 80 anos, nasceu em Angustura, distrito de Além Paraíba, era filho de Levy Reis Rodrigues e Maria Fazolato e nos últimos cinqüenta anos foi um dos mais importantes homens de comunicação da região da Zona da Mata Mineira. Hélio era casado com Rosa Figueiras Fazolato com quem teve quatro filhos. 
Dezenas de pessoas estiveram presentes no velório do empresário.

Rádio Cultura de Além Paraíba AM 1460 KHZ.
A Rádio Cultura foi inaugurada às 19 horas do dia 13 de Março de 1949.
No ano de 1977 , a emissora foi adquirida pelos empresários Helio Fazolato e Raul David Machado.
A partir do ano de 1987 o empresário Helio Fazolato adquiriu a parte de Raul David Machado , passando as cotas para sua esposa Rosa Maria Figueira Fazolato e seu filho Luciano Figueira Fazolato.
Além da Rádio Cultura, Hélio Fazolato foi proprietário da Rádio Juventude FM, emissora vendida recentemente para um empresário de Nova Friburgo.

Voz do Brasil

Mudança de horário da "Voz do Brasil" divide opiniões

No ar há 75 anos, de segunda a sexta-feira, às 19h, a Voz do Brasil pode mudar de horário. Projeto de Lei já aprovado pela Câmara e aprovado recentemente pela Comissão de Ciência e Tecnologia do Senado permite a flexibilização do horário de transmissão do programa. Pelo parecer do senador Antonio Carlos Magalhães Júnior (DEM-BA), a Voz poderá ser veiculada entre 19 e 23 horas. As emissoras públicas e educativas ficam obrigadas a manter o horário atual, e as emissoras do Poder Legislativo poderão flexibilizar se estiver ocorrendo votação plenária.

A proposta, no entanto, divide a opinião de deputados e especialistas. O deputado José Rocha (PR-BA), que foi relator do projeto na Câmara, é favorável à flexibilização. Ele defende a liberdade das Rádios para transmitir o programa em outros horários, atendendo a reivindicação da Associação Brasileira de Emissoras de Rádio e TV (Abert), que alega coincidência de horários entre vários eventos importantes e a Voz do Brasil, tais como notícias de última hora e até partidas de futebol da Seleção Brasileira. "É um absurdo dizer que a flexibilização do horário da Voz reflete apenas interesses comerciais. As Rádios públicas podem continuar veiculando às 19h. Ela é imprescindível para o País e nenhum parlamentar vai ter coragem de propor o seu cancelamento", enfatizou.

O deputado lembrou ainda que a proposta não desobriga as emissoras de transmitir a Voz do Brasil. Pelo contrário, dá aos ouvintes a opção de horários alternativos. "O meu substitutivo obriga as Rádios a informar aos ouvintes os horários de transmissão da Voz do Brasil. A medida ajuda o ouvinte a se programar, pois nem todo mundo pode ouvir a Voz às 19 horas", disse. O projeto original aprovado pela Câmara permitia que a transmissão da Voz do Brasil pudesse começar até às 23h59min. Os senadores, no entanto, mudaram o texto para permitir a flexibilização até as 23h, de forma a garantir que o programa seja transmitido no mesmo dia em que os fatos ocorrem.
Fonte: Agência Cãmara

Pontos corridos

Paulo Baier e os artilheiros dos pontos corridos

Nesse final de semana, o meia Paulo Baier foi homenageado pelo Atlético-PR com a camisa 80, uma referência aos seus 80 gols na era dos pontos corridos do Brasileirão. Com essa marca, o ex-lateral-direito é o maior goleador do Campeonato Brasileiro desde 2003. Em 243 jogos, Paulo Baier disputou todas as edições do Brasileiro nessa era dos pontos corridos. O jogador defendeu o Criciúma, em 2003 (9 gols); o Goiás, em 2004, 2005, 2007 e 2008 (50 gols); o Palmeiras, em 2006 (10 gols); o Sport, em 2009 (nenhum gol); e o Atlético-PR, desde 2009 (11 gols).

Prestes a completar 36 anos, Paulo Baier está três gols a frente do Washington, do Fluminense, que tem 77 gols e é o segundo colocado, Alecsandro marcou 61, Obina, 59 e Edmundo 56 gols.
 
No geral, desde 1971, Paulo Baier e Washington também figuram entre os principais artilheiros da competição. O atacante do Fluminense, com os 5 gols que marcou no Brasileiro de 2010, chegou a 120 na história do torneio. Washington ocupa a 7ª colocação entre os artilheiros e é o maior entre aqueles em ativididade. Já Paulo Baier, com 83 gols, está na 27ª posição e pode ainda terminar o ano entre os 20 maiores de todos os tempos.

Roberto Dinamite em 328 jogos, de 71 a 92, marcou 190 gols, Romário em 252 jogos, de 85 a 07, fez 154, Edmundo em 316 jogos, de 92 a 08, fez 153 gols, Zico em 249 jogos, de 71-89 fez 135 gols e Túlio, em 240 jogos, de 88 a 05, fez 129 gols.
Colaboração: Alexandre Magno Barreto Berwanger

Galvão é o melhor!

Alberto César*

Bem amigos, li a entrevista do Galvão Bueno na Veja e nada que ele disse foi surpresa para mim

Tenho o maior respeito pelo profissional que ele é. Mais ainda! Acho que sou fã do Galvão. Já contei aqui na coluna, uma passagem que tive com ele, quando fui fazer um teste na rádio Gazeta, em 1973. Cheguei ao Pacaembu para narrar Santos e Portuguesa, num gravador previamente preparado para esse tipo de avaliação.

Naquele dia, Osvaldo Maciel narraria o jogo, pela rádio Gazeta com os comentários do Galvão Bueno. Falei rapidamente com o Galvão, que me incentivou, dizendo que havia passado num teste realizado pela emissora e agora estava lá, comentando futebol. Naquele teste recebi uma boa nota do Roberto Petri, mas não fui contratado. Tive uma passagem com Galvão Bueno, em La Paz na Bolívia, quando fui narrar Brasil e Bolívia, pelas eliminatórias da copa da Alemanha. Eu era o único narrador esportivo de rádio presente no estádio. E o Galvão o único de televisão.

Ao final da partida eu me aproximei dele e do Falcão, que estava comentando o jogo. Falei com Falcão e não recebi nem um cumprimento do Galvão. Achei no momento que ele poderia, ao menos, fazer um sinal qualquer que me desse a impressão de um aceno, mas não fez nada. Fiquei meio chateado com isso, porque afinal somos brasileiros e estávamos lá com o mesmo objetivo. Narrar o jogo. Não importava quantos estariam me ouvindo, nem quantos estariam ouvindo e vendo o Galvão. Mas depois acho entendi. Ele não fez por mal.

Talvez estivesse muito preocupado com as gravações pós jogo e participações ao vivo, nos programas da emissora e outros detalhes que tais. Seja como for já nem me lembrava mais disso. Trouxe agora na coluna, porque li a entrevista dele na Veja. Galvão, para mim, é o melhor. Sobre a enorme rejeição que ele tem, existe uma explicação. Ele é a voz, praticamente oficial do Brasil, nos eventos de maior audiência. Ele é a voz brasileira da Copa do Mundo, da Olimpíada e da fórmula Um.

Hoje o automobilismo não tem mais o apelo dos áureos tempos de Senna, mas esse esporte já fez o Brasil acordar muito cedo para torcer pelos nossos pilotos. E acordávamos ouvindo Galvão. Eu narro futebol na Rádio Central de Campinas e muitas vezes crio polêmica com minhas idéias e opiniões. Imagine ele que fala para todo o Brasil.

Há milhares de opiniões contrárias, milhões, talvez. Mas ele é muito bom. Tem postura, interpretação de situações, apresenta bem programas esportivos e narra qualquer coisa. Troquei algumas palavras com ele em 1973, depois disso nunca mais, mas revelo que gosto de acompanhar o Galvão Bueno, seja em programas ou nas narrações.

*Alberto César é Radialista em Campinas-SP e Clunista do Portal FI
Fonte: http://www.futebolinterior.com.br/

Série D 2010

A CBF confirmou nesta segunda-feira, 23/08, a tabela da segunda fase do Campeonato Brasileiro da Série D.

Os jogos:
Jogos de ida - 05/09
15 horas
Iraty-PR x Joinville-SC
16 horas
Santa Cruz x Guarany-CE
Sampaio Corrêa x CSA
Araguaína x Treze
Fluminense-BA x Brasília
Tupi-MG x Uberaba-MG
Rio Branco-ES x Madureira
Operário x Metropolitano
17 horas
Vila Aurora x Remo
América-AM x Mixto-MT

Jogos de volta - 12/09
15 horas
Madureira x Rio Branco-ES
16 horas
Metropolitano x Operário-PR
Joinville x Iraty-PR
Uberaba-MG x Tupi-MG
Brasília x Fluminense-BA
Treze x Araguaína-TO
CSA x Sampaio Corrêa
Guarany-CE x Santa Cruz
17 horas
Mixto-MT x América-AM
Remo-PA x Vila Aurora-MT.

segunda-feira, 23 de agosto de 2010

A evolução contrária do Rádio

Luciano Julusi*

"Caros amigos, como apaixonado por Rádio, radialista profissional, consultor em conteúdo para emissoras e há a 10 anos pesquisador de mercado, opinião e mídia. Quero colocar alguns pontos importantes pertinentes à audiência das emissoras de rádio.

A história do Rádio todos do meio conhecem, sabemos que houve um tempo em que grandes os comunicadores eram do AM, o surgimento do FM, trouxe a qualidade sonora e com ela a expansão musical. Os anos 70 e 80 eram música no FM e informação e entretenimento no AM. Os anos 90 passaram com resquícios das décadas anteriores e o século XX nos trouxe surpresas que estamos vivenciando hoje em dia e principalmente vivenciaremos nos próximos anos.

O AM, apenas e exclusivamente pela qualidade sonora, vem, perdendo espaço e caso esta questão não seja resolvida em no máximo 10 anos, veremos o fim do AM.

Como parte integrante da morte do AM, vemos o FM migrando sua programação para os anos 70, não em termos musicais, mas sim em conteúdo. Os gestores inteligentes das emissoras FMs, já perceberam que não se faz uma emissora líder de audiência sem: informações instantâneas, bons comunicadores, entretenimento, promoções e interatividade. Então se pergunta: e as músicas? Extremamente secundárias entre as prioridades. Óbvio que estas precisam ter qualidade, independentemente, de sua época. Mas voltemos ao conteúdo, esportes e transmissões esportivas eram coisas do AM, já invadiram o FM e a tendência é aumentar. Notícias e programas jornalísticos estão impregnados no FM e vai aumentar, enfim, o conteúdo do FM do futuro será do AM do passado e quem não fizer, ficará sempre do meio para trás nas pesquisas.

É o fim das emissoras segmentadas? Não. Estas serão sempre líderes em seus segmentos e ponto final.

Para ajudar ainda mais, o surgimento de novas mídias, colocará para trás as emissoras musicais. (MP3,4,5,6,7,8,9,10...., celulares, pen drives, e outras mídias).

Qual é sua audiência?

Público jovem: em média 26% da população, se dividirmos pela classe social, que é o que determina o estilo preferido, o percentual diminui ainda mais, o mesmo acontece com público adulto, mulheres, e outros “targets group”.

Quer ser líder geral?"

*Luciano Julusi é Gestor de Pesquisas
Fonte: http://www.projetocontaponto.com/
Colaboração: Bastidores do Rádio

Módulo três

Sport Club Juiz de Fora
Jogos realizados:
15/08 Arsenal (Santa Luzia) 1 x 6 Sport (Juiz de Fora) - em Formiga,

21/08 Sport 0 x 5 Nacional (Nova Serrana) - em Juiz de Fora,
Jogos restantes:
30/08 Democrata (Sete Lagoas) x Sport - em Sete Lagoas,
05/09 Sport x Venda Nova (Belo Horizonte) - em Juiz de Fora,
08/09 Coimbra (Belo Horizonte) x Sport - em Itaúna,
12/09 Sport x Ideal (Ipatinga) - em Juiz de Fora,
19/09 Ideal (Ipatinga) x Sport - em Ipatinga,
26/09 Sport x Coimbra - em Juiz de Fora,
30/09 Venda Nova x Sport - em Itauna,
10/10 Sport x Democrata - em Juiz de Fora,
17/10 Nacional x Sport - em Nova Serrana,
24/10 Sport x Arsenal - em Juiz de Fora.

Indiretas já!

por Flávio Tavares*

Quatro anos atrás, em 2006, L.F. Verissimo fez uma irônica advertência à campanha eleitoral da época: tantas são as “pesquisas” de intenção de voto, que a eleição parece algo supérfluo, escreveu. Agora, em 2010, a constatação de sua verve de pensador profundo (que extrai grandes verdades das coisas simples) continua presente e até avança.

Mais do que a eleição em si, as “pesquisas” dominam a atenção. Imprensa, rádio e TV destacam previsões de “institutos”, como num torneio de adivinhação. O eleitor, bombardeado por essa tosca futurologia, não avalia os candidatos e só mira o apregoado final. Os novos cartomantes igualam a eleição a aposta em carreira de cavalos.

Assim, noutro ambiente e com outros meios, retrocedemos, em parte, às eleições indiretas da ditadura, que nem eleições eram, mas nomeações impostas, convalidadas pelo tal “colégio eleitoral”. Em 1985, a campanha pelas “diretas já” mobilizou milhões de jovens que jamais haviam votado para presidente e governador. Queriam exercer um direito essencial – votar livremente, sem interferências.

Restabelecida a eleição direta, outro tipo de interferência leva, agora, a um retrocesso. Sem saber, absortos pelas “pesquisas”, estamos todos envolvidos em convalidar novo e bizarro tipo de eleição indireta.

Antes, o Congresso escolhia o presidente da República. Agora, quem busca ter essa tarefa são os “institutos” de pesquisa, que nem institutos são, mas empresas destinadas ao lucro. Não são instituições científicas de pesquisa, como as universidades, por exemplo. Ao contrário, são empresas que usam tudo (de artifícios à verdade) para chegar ao que foi encomendado pelo cliente contratado por dinheiro.

Como as “pesquisas” chegam aos resultados? Qual o método ou a metodologia de escolha dos entrevistados? Pode-se saber? Ou é segredo, como a fórmula da Coca-Cola?

Nem sequer sabemos quem nos “representa”. Antes, pelo menos, sabíamos que o deputado fulano e o senador beltrano escolhiam por nós e em nosso nome. Agora, somos “representados” por anônimos. Gente desconhecida que vota antecipadamente por nós, que nos “representa” sem nos representar. E, assim, nos comanda.

Não há nada de científico em que 2 mil pessoas escolham em nome de 120 milhões de eleitores. Onde foram selecionadas essas pessoas? Quem são? Quem de nós conhece alguma delas?

Nessa simplificação numérica, quem está em perigo é o sistema democrático. Todos os candidatos deveriam rebelar-se contra essa forma de explorar a sensibilidade do eleitor e transformá-lo em mosca que esvoaça direto ao mel.

A eleição em si é a única pesquisa. Foi instituída para pesquisar a preferência popular.

Agora, corre-se o risco de que a eleição vire o oposto do que deve ser e, em vez de comandar o processo de escolha, passe a ser comandada pela “pesquisa antecipada”. Ou seja, a pesquisa substitui-se à eleição.

A finalidade da campanha eleitoral é que o eleitor conheça o candidato pelo que pensa hoje e pelo que fez ontem, para que o passado seja fiador do futuro. A campanha eleitoral só tem sentido para fazer crescer o nível do eleitor, libertando-o da condição de objeto, de máquina que aperta botões de outra máquina – a urna eletrônica.

Fora disso, já ninguém precisará sair à rua para pedir indiretas já! Como advertia nosso L.F. Verissimo, a eleição torna-se supérflua quando a “pesquisa” é quem guia.

Flávio Tavares é Jornalista e Escritor
Fonte: http://www.zerohora.com.br/

domingo, 22 de agosto de 2010

Futebol - Resultados

Série D
Tupi 3 x 0 Madureira
Gols: Gedeon (de cabeça), Rafael Paty e Valdiram
Público: 1.172
Renda: R$ 8.000,00
Tupi: Rodrigo; Henrique, Riso (João Júnio), Fabrício Soares e Carlos Alberto; Denílson, Leo Salino, Fábio Tenório (Robson) e Gedeon (Cassiano); Rafael Paty e Valdiram.

Módulo três
Varginha 3x0 Guarani (Pouso Alegre)
Gols: Fernando, aos 38' e 43'1T e Douglas, aos 20'2T (Varginha).
Público: 239
Renda: R$1.840,00
Obs: O jogo foi encerrado aos 20'2T por número insuficiente de atletas no time do Guarani.

Fluminense (Araguari) 4x0 Sul Minas (Pouso Alegre)
Gols: Leandro Alves, aos 4'1T, Leandro Duarte, aos 10'2T e Rafael, aos 40'2T e Fábio, aos 42'2T (Fluminense).
Público: 556
Renda: R$4.955,00

Democrata (Sete Lagioas) 4 x 0 Arsenal (Santa Luzia)
Gols: Marcos Artur, aos 38'1T e 42'2T, Bernarde, aos 30'2T e Tone, aos 40'2T.
Público: 1.445
Renda: R$8.332,50

Taça Minas
Uberlândia 2x2 Villa Nova (Nova Lima)
Gols: Carlão, aos 38'1T e Afonso, aos 14'1T (Uberlândia); Rômulo, aos 14'1T e Marinho, aos 23'2T (Villa Nova)
Público: 1.323
Renda: R$13.980,00

Tricordiano (Três Corações) 3x1 Mamoré (Patos de Minas)
Gols: Thiago Lima, aos 4'1T e 20'2T e Ceará, aos 44'2T (Tricordiano); Gilmar, aos 15'2T (Mamoré).
Público: 1.048
Renda: R$6.425,00

Literatura

Sacerdote lança livro sobre serva de Deus, Isabel Cristina

O sacerdote verbita, Padre Geraldo Cifani, lançou o livro 'A serva de Deus, Isabel Cristina'. A publicação conta a história da jovem que, morando em Juiz de Fora, foi vítima de violência e tem processo de beatificação no Vaticano. Os interessados podem adquirí-lo na Igreja São Sebastião e em livrarias católicas por R$ 20,00.

Desde a morte de Isabel, o padre vem acompanhando e divulgando a causa. Esse já é o segundo livro lançado, sendo que o primeiro foi publicado há 20 anos. O novo traz história mais completa, além de fotos da vida da mártir.

Saiba mais sobre Isabel Cristina
O processo de beatificação de Isabel Cristina teve início em novembro de 2009, em Roma. Com 20 anos a jovem Isabel Cristina foi vítima de um crime cruel, que aconteceu no apartamento na Rua Barbosa Lima. A jovem levou uma cadeirada na cabeça. Foi amordaçada, levou 15 facadas, mas resistiu, morrendo virgem.

No dia 26/01/2001, em Barbacena, foi instalado o processo de beatificação e a Isabel Cristina recebeu do Vaticano o título de Serva de Deus.

Outras informações:

Igreja São Sebastião: (32) 3215-0630
Assessoria de Comunicação da Arquidiocese JF: (32) 3229-5450 e (32) 3229-5450
Fonte: http://www.arquidiocesejuizdefora.org.br/

Futebol

Série D
Tupi - Rodrigo; Henrique, Riso, Fabrício Soares e Carlos Alberto; Denílson, Leo Salino, Fábio Tenório e Gedeon; Valdiram e Rafael Paty. Técnico: Ademir Fonseca.
Madureira - Márcio; Arthur, Thiago Soares e Douglas Assis; Dudu, Victor Silva, Michel, Maciel e Zeca; Marcelinho e Obina. Técnico: Antônio Carlos Roy.
A: Marcos André Gomes da Penha (ES),
A1: Fabiano da Silva Ramires (ES),
A2: Adailson Alves Pereira (ES)
04º A: Joel Tolentino da Mata Júnior (MG)
Observador: Marco Antonio Lopes dos Santos (MG).

Módulo três
Sport (Juiz de Fora) 0 x 5 Nacional (Nova Serrtana)
Gols: Berê (2), Robertinho (2) e Diego Silva.
Público: 97 torcedores.

Obs: A Rádio Cultura de Santos Dumont-MG, AM 1580 Khz (www.radioculturasd.com.br) transmite, direto de Juiz de Fora,
Tupi-MG e Madureira-RJ.
Narração: Edson Palma,
Comentários: João Begati,
Entrevistas: Carlos Ferreira
Plantão: Evandro Begati.

Patrocínio:
- Prefeitura de Santos Dumont, Santos Dumont para todos,
- Bahamas, compromisso com o menor preço,
- Livraria São Miguel, especializada em artigos religiosos ,
- Cinemax Locadora, a sua nova opção em vídeos,
- Leiteria São Luiz, BR 040, na Barra,
- Vidraçaria Abreu e Abreu e Vidraçaria Abreu Andradas, distribuidoras dos produtos Blindex.

Eleições 2010

Cruzada evangélica avança sobre o congresso
Embalada pelos 36 milhões de fiéis do país, segundo estimativas do IBGE, bancada religiosa trabalha para praticamente dobrar o número de representantes na Câmara dos Deputados

Quatro anos depois de sua maior crise, quando escândalos de corrupção mancharam a reputação de alguns dos seus principais integrantes, a bancada evangélica na Câmara dos Deputados quer alcançar o milagre da multiplicação dos votos. Com dogmas flexíveis, diferentemente da Igreja Católica, que restringe a filiação de padres e párocos em partidos políticos, pastores e líderes evangélicos das mais variadas denominações arregaçaram as mangas embalados pelo crescimento sem limites do protestantismo no país. De 2000 a 2010, conforme estimativa do censo do IBGE, que será finalizado em outubro, o número de fiéis evangélicos deve saltar de 26,1 milhões para mais de 36 milhões. A maioria tem baixa renda, baixa escolaridade e mora nas periferias das cidades, conforme estudo do cientista político Cesar Romero Jacob, da PUC do Rio de Janeiro.


Mirando essa escalada, lideranças políticas evangélicas já dobraram os joelhos em prol de um recorde histórico: conquistar 90 das 513 cadeiras de deputado federal. O levantamento reservado é da Frente Parlamentar Evangélica (FPE) com base em registros de candidaturas repassadas pelas maiores igrejas evangélicas do país. Devido à dança das cadeiras das eleições de 2008, a bancada evangélica tem hoje 51 representantes, divididos em partidos grandes e nanicos.

Mas, enquanto os evangélicos lutam por mais espaço no Parlamento, os sacerdotes católicos são praticamente alijados da vida pública. Por causa do rigor da Igreja, a bancada católica só tem dois representantes – os padres deputados José Linhares (PP-CE) e Luiz Couto (PT-PB). Os dois tentam a reeleição, entretanto, a novidade de que se tem notícia é o registro da candidatura do prefeito de Alto Alegre dos Parecis, Máriton Benedito Holanda, o Padre Ton, candidato a deputado federal pelo PT de Rondônia. Na Assembleia Legislativa de Minas Gerais (ALMG), o petista Padre João é o único entre 77 parlamentares.

Tanto os evangélicos quanto os católicos afirmam que não detêm a relação dos candidatos religiosos que vão disputar a eleição de outubro. O mesmo ocorre com o Tribunal Superior Eleitoral (TSE), que alega que faz os registros das candidaturas de acordo a profissão informada por cada postulante.

Com enorme penetração no estado do Rio de Janeiro, a Igreja Assembleia de Deus, da qual um dos maiores expoentes é o pastor e apresentador de TV Silas Malafaia, almeja dobrar o número de representantes na Câmara dos Deputados. Embora Malafaia não seja candidato, a congregação trabalha para eleger 40 deputados federais com a bênção de mais de 8,5 milhões de fiéis. Especula-se que a tática arrojada, na realidade, representa uma nova ofensiva da seita frente ao fracasso nas últimas eleições, quando metade da bancada foi barrada nas urnas por suspeita de participação com a Máfia dos Sanguessugas.

Em São Paulo, onde está concentrado o maior número de integrantes, a Igreja Universal do Reino de Deus (Iurd), do empresário e bispo Edir Macedo, quer ver sua bancada saltar de oito para 17 deputados federais. Em 2006, a bancada da IURD foi atingida em cheio pela repercussão negativa provocada pela renúncia do bispo Carlos Rodrigues (ex-PL), que depois virou réu por corrupção passiva e lavagem de dinheiro no processo do mensalão que tramita no Supremo Tribunal Federal (STF). No Senado, o bispo Marcelo Crivella (PRB-RJ) concorre a mais um mandato de oito anos.

Com uma proposta menos arrojada, a Igreja Apostólica Renascer em Cristo, dos bispos Estevam e Sônia Hernandes, ora pela reeleição do bispo Gê Tenuta (DEM-SP) e pela eleição do cantor gospel Marcelo Aguiar (PSC), que cumpre mandato de vereador por São Paulo. Comunicólogo de TV e rádio, teólogo e empresário têxtil, Gê Tenuta transferiu seu domicílio eleitoral de São Paulo para se candidatar a deputado federal pela Bahia. Atualmente, mora em Salvador. Fundada em 1986, no apartamento do casal Hernandes, a Renascer ganhou notoriedade mundial depois que o jogador Kaká saiu em defesa dos bispos, suspeitos de vários problemas com a Justiça.

Apoio ao sobrinho
Em Minas Gerais, a Igreja do Evangelho Quadrangular (IEQ) tenta emplacar a segunda geração política no Congresso sem abrir mão da eleição do deputado federal Mário de Oliveira (PSC), fundador e líder supremo da seita, e seu irmão, o também pastor e deputado estadual Antônio Genaro (PSC). Depois de 24 anos de Congresso, Mário vai apoiar para deputado federal o sobrinho Stefano Aguiar dos Santos (PSC). Com cerca de 300 mil fiéis e 600 igrejas no estado, Stefano vai buscar votos no interior, enquanto o tio mira os fiéis de Belo Horizonte. Na ALMG, Genaro tenta o sétimo mandato consecutivo, mas lançou o filho Leandro Genaro (PSC) para o mesmo cargo.
Fonte: http://www.uai.com.br/

Série D 2010

Domingo terá 24 times lutando por 11 vagas.
É rodada final!
Entre os clubes paulistas, o único que alimenta chances de classificação é o Botafogo.

A última rodada do Campeonato Brasileiro da Série D acontece toda neste domingo, quando 24 times entrarão em campo na briga pelas últimas 11 vagas à segunda fase. Até agora, Remo-PA, Mixto-MT, Vila Aurora-MT, CSA-AL, Treze-PB, Uberaba-MG, Madureira-RJ, Joinville-SC e Metropolitano-SC já carimbaram seus passaportes.


Entre os clubes paulistas, o único que alimenta chances de classificação é o Botafogo, mas para isso precisará de uma combinação de resultados. O time recebe o Cene-MS, em Ribeirão Preto, e além de vencer, terá de torcer por um empate entre Tupi-MG e Madureira-RJ.

Os paulistas ocupam quarta posição do Grupo 8, com quatro pontos. Os cariocas têm dez, na liderança, e só cumprem tabela. Enquanto isso, mineiros e sul-matogrossenses somam, seis pontos cada.

Já o Oeste...
Por outro lado, o Oeste entra em campo apenas para cumprir tabela, já que está eliminado. O time joga contra o já classificado Joinville-SC, que está tranqüilo na ponta, com dez pontos.

A segunda vaga será disputada em um confronto direto entre Operário-PR e São José, que somam sete pontos cada. Como tem melhor saldo de gols (1 a -1), o time gaúcho tem o direito de jogar pelo empate.

E o Santa?
Um dos clubes mais tradicionais do Nordeste, o Santa Cruz corre o risco de ser eliminado na primeira fase, a exemplo do que ocorreu em 2009. O time pernambucano é o segundo colocado do Grupo 4, com oito pontos, e visita o CSA, precisando apenas de um empate. Os alagoanos têm 15 pontos e já garantiram a ponta.

O concorrente do Tricolor, o Confiança-SE, terá uma missão bem complicada, se quiser garantir sua vaga. Com cinco pontos, precisa vencer o já eliminado Potiguar-RN e ainda tirar uma diferença de quatro gols de saldo (2 a -2).

Grupo 1
Já classificado, o Remo já garantiu também a primeira posição e só cumpre tabela contra o Cametá-PA. O clube do interior paraense, com cinco pontos, na terceira posição, depende da vitória para seguir sonhando com a vaga.

Isso porque na outra partida o Cristal-AP joga contra o América-AM precisando vencer de qualquer maneira. Os amapaenses estão na lanterna, com quatro pontos, enquanto os visitantes aparecem na segunda posição, com seis.

Grupo 2
O segundo grupo é o único onde está praticamente tudo definido. Já classificados, Mixto e Vila Aurora jogam apenas para cumprir a primeira posição. O clube de Cuiabá é o líder, com 13 pontos, enquanto o Vila é o segundo, com 11. Vilhena-RO e Náuas-AC só cumpririam tabela, mas os acreanos já avisaram que não aparecerão para o jogo, alegando dificuldades financeiras para custear a viagem.

Grupo 3
No Grupo 3, a disputa promete ser quente. Guarany-CE, Sampaio Corrêa-MA e JV Lideral-MA entram na última rodada com chances. Somente o Flamengo, com dois pontos, está eliminado. O time recebe o JV, em Teresina, e deve receber uma mala branca para derrotar o time maranhense, que tem oito pontos e saldo de zero.

Enquanto isso, Sampaio e Guarany fazem um confronto direto, em São Luís. O clube boliviano precisa vencer para não depender de resultados, já que aparece em segundo, com oito pontos e quatro gols de saldo. Os cearenses também têm oito e somam seis de saldo, por isso só precisam de um empate.

Grupo 5
O Treze-PB está absoluto no Grupo 5. Com 12 pontos e o primeiro lugar garantido, o Galo cumpre tabela, mas pode determinar o segundo classificado. O time visita o RiverPlate-SE, que tem cinco pontos, na terceira posição, e luta por vaga.

No outro confronto, a briga será acirrada. O Fluminense de Feira-BA recebe o Central-PE, em Feira de Santana, precisando de uma vitória simples. O Tricolor é o vice-líder, com sete pontos, contra quatro dos pernambucanos.

Grupo 6
Todos os quatro times jogam na última rodada com chances de classificação, no Grupo 6. A missão mais simples é a do Ceilândia, que soma oito pontos, e depende apenas de um empate contra o Brasília, fora de casa. O time mandante tem seis pontos, no terceiro lugar.

Na outra partida, o Araguaína-TO tenta fazer a lição de casa contra o Botafogo-DF, no interior de Tocantins. Os donos da casa somam seis pontos, no segundo lugar, enquanto os alvinegros são os lanternas, com quatro e dependem de combinação.

Grupo 7
No Grupo 7, a disputa será entre América-RJ e Rio Branco-ES, que brigam pela segunda vaga. Líder com 12 pontos, o Uberaba-MG só cumpre tabela contra o time carioca, no Rio de Janeiro. O Diabo é o segundo colocado, com nove pontos.

Na outra partida, o Rio Branco pega o já eliminado Camaçari-BA, em Vitória. Com sete pontos, no terceiro lugar, o time capixaba, além de vencer terá de torcer por empate do América.

Grupo 10
Por fim, no último grupo, o Metrpolitano-SC, já classificado, encara o eliminado Marcílio Dias-SC, em casa, apenas para garantir a ponta. O clube de Blumenau é o líder da chave, com dez pontos. A equipe de Itajaí está na lanterna, com apenas dois.

Na outra partida, a disputa será direta entre Iraty-PR e Pelotas-RS, que duelam pela última vaga. Os paranaenses levam vantagem, por estarem na segunda posição, com oito pontos, contra sete dos gaúchos.

Mais da Série D
Nesta primeira fase da Série D, os 40 clubes foram divididos em dez grupos de quatro, sendo que passam à segunda fase os dois primeiros de cada grupo. Na próxima etapa, as equipes se enfrentam no sistema mata-mata, sempre com o primeiro de um grupo enfrentando o segundo de outro.

Confira a última rodada da Série D:
16h
Fluminense de Feira-BA x Central-PE
Oeste-SP x Joinville-SC
Potiguar-RN x Confiança-SE
Cametá-PA x Remo-PA
Brasília-DF x Ceilândia-DF
Metropolitano-SC x Marcílio Dias-SC
Sampaio Corrêa-MA x Guarany-CE
River Plate-SE x Treze-PB
Rio Branco-ES x Camaçari-BA
Araguaína-TO x Botafogo-DF
Flamengo-PI x JV Lideral-MA
Tupi-MG x Madureira-RJ
América-RJ x Uberaba-MG
Operário-PR x São José-RS
CSA-AL x Santa Cruz-PE
Botafogo-SP x CENE-MS
Cristal-AP x América-AM
Pelotas-RS x Iraty-PR

17h - Vilhena-RO x Náuas-AC
19h - Vila Aurora-MT x Mixto-MT
Fonte: http://www.futebolinterior.com.br/

Eleições 2010 - O Clero

Candidatos padres ficam sem apoio nas urnas Somente militância leiga tem aval da Igreja para se candidatar. Para analistas, presença de religiosos na política é ruim para a democracia e campanha em cultos deveria ser proibida

Oficialmente, a Igreja Católica não manifesta apoio a candidato ou partido. Somente sua militância leiga tem sinal verde da cúpula para entrar na vida pública. "Somos contrários à participação de sacerdotes na política partidária. É assim no mundo inteiro", explica o presidente da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), dom Geraldo Lyrio Rocha, arcebispo de Mariana, na Região Central de Minas.

Apesar da marcha dos evangélicos, o coordenador do núcleo político da CNBB, padre Ernane Pinheiro, não se mostra preocupado com o fenômeno. " A gente faz questão de não seguir o exemplo dos protestantes", declarou.

Oficialmente, a Igreja Católica não manifesta apoio a candidato ou partido. Somente sua militância leiga tem sinal verde da cúpula para entrar na vida pública. "Somos contrários à participação de sacerdotes na política partidária. É assim no mundo inteiro", explica o presidente da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), dom Geraldo Lyrio Rocha, arcebispo de Mariana, na Região Central de Minas.

Apesar da marcha dos evangélicos, o coordenador do núcleo político da CNBB, padre Ernane Pinheiro, não se mostra preocupado com o fenômeno. " A gente faz questão de não seguir o exemplo dos protestantes", declarou.

Diferentemente do que pensa o comando da Igreja, o padre e deputado Luiz Couto (PT-PB) entende que a CNBB deveria rever seus conceitos e passar a estimular a entrada de sacerdotes na política. "Nós temos voto segmentado, mas, na realidade, representamos todo o povo brasileiro. Acho muito positiva a entrada de religiosos na Câmara dos Deputados. A Igreja Católica poderia apoiar isso", argumentou.

Líder da frente parlamentar evangélica, o deputado federal João Campos (PSDB-GO) considera ainda modesta a representação na Casa. Segundo Campos, apesar de terem 51 cadeiras, os evangélicos precisam se mobilizar mais para defender bandeiras como a diminuição da carga tributária, combate à corrupção e a distribuição de riquezas. "Precisamos avançar muito mais. Nossa representação ainda está muito aquém se comparado ao número de protestantes no país. Existe uma projeção que mostra que somos quase um terço da população", avaliou.

Sem fazer qualquer distinção de denominação, o cientista político Cesar Romero Jacob, da PUC do Rio de Janeiro, afirma ser danoso para a democracia a entrada de religiosos na política. Autor dos estudos Religião e sociedade em capitais brasileiras (2006) e Atlas da filiação religiosa e indicadores sociais no Brasil (2003), Jacob entende que a partidarização da religião pode afetar o estado democrático de direito.

"No limite nós podemos nos transformar no estado teocrático do Irã. Os grandes pensadores do século 18 fizeram um grande esforço para separar a religião da política. Essa aproximação é ruim para os dois lados. Quem tem arma, no caso dos religiosos é a Bíblia, não pode se meter na política partidária", considera.

Para combater esse crescimento, o especialista defende um maior rigor do Ministério Público Eleitoral. De acordo com Jacob, os religiosos, principalmente os evangélicos, que têm maior representação, deveriam ser proibidos de pedir votos durante os cultos. "Isso é uma concorrência desleal. Como as congregações ganham isenção fiscal dos governos, as igrejas não podem ser usadas para fazer campanha eleitoral."

Na mesma linha, o filósofo e analista político Denis Rosenfield, da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, se diz contrário a qualquer manifestação religiosa na política. Apesar da modesta participação de sacerdotes na Câmara dos Deputados, o especialista alerta que as lideranças católicas atuam fortemente junto a movimentos sociais. "Recentemente, várias entidades ligadas à Igreja Católica lançaram um plebiscito para limitar a propriedade rural no país. Os católicos influenciam diretamente na política nacional, apesar de ter poucos sacerdotes no Congresso." Como exemplo de militância política, Rosenfield cita uma pesquisa que mostra que os católicos detêm praticamente a mesma quantidade de concessões de rádio e TV que os evangélicos.
Fonte: http://www.uai.com.br/

sábado, 21 de agosto de 2010

Futebol

Módulo três
Sábado, 21/08
Varginha x Guarani (Pouso Alegre)
Estádio Elias Arbex– 15h
A: Adelmo Luiz da Rocha (FMF)
A1: Frederico Soares Vilarinho (FMF)
A2: Vivaldi Pedro Baeta (FMF)
04ª A: Aginarras Amadeu Costa Bento (Liga Local)

Sport (Juiz de Fora) x Nacional (Nova Serrana)
Estádio Mário Helênio – 15h30m
A: Marcos Vinícius Sá dos Santos (FMF)
A1: Valdeci Ângelo da Silva (FMF)
A2: Marciano Pires de Lima (FMF)
04ª A: Juan Carlos Montez Maia (Liga Local)

Domingo, 22/08
Fluminense (Araguari) x Sul Minas (Pouso Alegre)
Estádio Sebastião César – 10h30m
A: Carlos Inácio Vítor (FMF)
A1: Helbert Tavares Miranda (FMF)
A2: Ricardo Vieira Rodrigues (FMF)
04ª A: Leon Carlos de Oliveira (Ligal Local)

Democrata (Sete Lagoas) x Arsenal (Santa Luzia)
Estádio Arena do Jacaré – 10h30m
A: Eunílson Cláudio Miranda Silveira (FMF)
A1: Adenílson Alves Teixeira (FMF)
A2: Adjaílson Severo de Oliveira Andrade (FMF)
04ª A: Rildo Amaral Rocha (Liga Local)

Venda Nova (Belo Horizonte)  x Ideal (Ipatinga)
Estádio José Flávio, em Itaúna – 15h
A: Adriano Alves de Oliveira (FMF)
A1: Aline Cristina da Silva (FMF)
A2: Wellington Pereira Neto (FMF)
04ª A: Samuel Rallfe de Oliveira Silveira (Liga Local)

Taça Minas
Domingo, 22/08, 01ª rodada
Uberlândia x Villa Nova
Estádio Parque do Sabiá – 10h30m
A: Igor Júnio Benevenuto (FMF)
A1: Marcus Vinícius Gomes (CBF/FMF)
A2: Pedro Araújo Dias Cotta (CBF/FMF)
04ª A: João Eurípedes de Souza Filho (Liga Local)

Tricordiano (Três Corações) x Mamoré (Mamoré)
Estádio Elias Arbex – 10h30m
A: Antônio Márcio Teixeira (FMF)
A1: Flamarion Sócrates da Silva (CBF/FMF)
A2: Celso Luiz da Silva (CBF/FMF)
04ª A: Thiago Alexandre de Oliveira (Ligal Local)

Quarta-feira, 25/08
Uberaba x Funorte (Montes Claros)
Estádio Uberabão – 20h30m
A: Emerson de Almeida Ferreira (CBF/FMF)
A1: Marconi Helbert Vieira (CBF/FMF)
A2: Janette Mara Arcanjo (CBF/FMF)
04ª A: Maurílio de Oliveira (Ligal Local)

Voz do Brasil

A Voz do Brasil, o mais antigo lixo autoritário

por Ethevaldo Siqueira

Estatal, jurássica e inútil. Assim é a Voz do Brasil, o programa de rádio típico dos regimes autoritários, irritante e anacrônico. Criado há 75 anos, ou seja, em 1935, em plena ditadura Vargas, numa época em que as comunicações não alcançavam a totalidade do território nacional, o programa se perpetuou não apenas por interesse dos presidentes e de políticos oriundos dos grotões distantes, que passaram a utilizá-lo como canal de comunicação com suas bases. É o rádio que já foi usado como o “Alô, mamãe” – de parlamentares do baixo clero, seus defensores mais ferrenhos.

A partir de 10 de novembro de 1937, com a ascensão do Estado Novo, Getúlio Vargas passou a utilizar intensamente o programa, então chamado A Hora do Brasil, em suas mensagens à população, como carro-chefe do antigo Departamento de Imprensa e Propaganda, o DIP, de triste lembrança.

Redemocratizado o País em 1945, já com o nome de A Voz do Brasil, e, de lá para cá, com o golpe militar de 1964, entra governo, sai governo, com a queda da ditadura, o programa continua, sempre transmitido em rede obrigatória, hoje com mais de 3 mil emissoras em cadeia divulgando o noticiário chapa branca. Antes de mais nada, estamos diante de um imenso desperdício de energia elétrica.

Antigamente se dizia que a maior utilidade da Voz do Brasil era levar informações ao habitante da Amazônia, que só conseguia ouvir emissoras estrangeiras. Então, por que não restringir a obrigatoriedade do programa àquela região? E hoje por que não aproveitar as emissoras federais e estaduais e, em especial, a Empresa Brasileira de Comunicação (EBC), criada por Lula?

Ora se o governo federal dispõe de emissoras de rádio em quase todos os Estados e no Distrito Federal, por que obrigar 3 mil estações de rádio a repetirem a mesma coisa? Por que não distribuir esse noticiário e deixar a critério de cada rádio o aproveitamento do que possa ter maior interesse jornalístico, em função dos interesses regionais?

Vou propor aos candidatos a deputado federal e senador que acabem com esse lixo autoritário. Faça o mesmo, leitor.
Fonte: www.preserveoam.blogspot.com

sexta-feira, 20 de agosto de 2010

Eleições 2010 - O Senador sem voto

Como se chega ao Senado pela porta dos fundos
Dos 81 senadores da atual legislatura, 44,4 % já repassaram a vaga a um suplente por curtos períodos ou pela maior parte do mandato

Em 19 de julho, na última sessão antes do recesso de inverno, estavam no plenário 17 senadores que ali entraram pela porta dos fundos. Sem que seus nomes aparecessem na cédula e sem receberem um único voto, tornaram-se suplentes e assumiram as vagas conquistadas pelos titulares em 2002 e 2006. Os substitutos têm direito ao salário de 16.512 reais, à verba indenizatória de 15.000 reais e a numerosos benefícios. Neste ano, 54 senadores escolhidos pelo voto levarão na carona 108 suplentes. Pela primeira vez seus nomes aparecerão na urna eletrônica e no material de campanha dos candidatos. Isso não significa que ganharão legitimidade para representar eleitores que não os escolheram.

Dos 81 senadores da atual legislatura, 44,4 % já repassaram a vaga a um suplente por curtos períodos ou pela maior parte do mandato. No fim de 2009, beneficiados pela renúncia, morte ou licença superior a 120 dias do titular, eles ocuparam um quarto do Senado. É possível identificar alguns critérios que orientam a escolha dos suplentes. Muitos financiam as campanhas, outros tantos são parentes e vários são indicados por conveniência política.

Com domicílio eleitoral em Minas Gerais, o carioca Wellington Salgado, do PMDB, é o primeiro suplente do peemedebista Hélio Costa, candidato a governador neste ano. Salgado acampou no Congresso de julho de 2005 a abril de 2010, enquanto Costa comandou o Ministério das Comunicações. Dono das Universidades Salgado de Oliveira (Universo), contribuiu com 1,3 milhão de reais para a campanha do titular em 2002. Em 2009, o suplente usou as verbas do gabinete para bancar serviços de secretária e motorista para Costa e sua família.

O patrimônio de bom tamanho é um traço comum entre os suplentes que compõem as chapas deste ano. Romero Jucá, do PMDB de Roraima, escolheu para a segunda suplência o empresário do ramo imobiliário Sander Salomão (49,3 milhões de reais declarados). Ciro Nogueira, do PP do Piauí, indicou o mais rico dos suplentes: entre ações, imóveis e terrenos, João Claudino, declarou 623,5 milhões de reais ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE).

Depois do patrimônio, o parentesco é o critério mais utilizado. O senador Edison Lobão, do PMDB do Maranhão, emplacou novamente o filho na vaga de primeiro suplente. Lobão Filho guardou o lugar do titular nos dois anos em que Lobão Pai foi ministro de Minas e Energia. Gilvam Borges, do PMDB do Amapá, também candidato à reeleição, trocou o irmão mais velho Geovani pelo caçula Geová.

A terceira categoria mais populosa é formada por suplentes indicados por conveniência política. Pastores da Igreja Evangélica, por exemplo, garantem um rebanho de eleitores. Os evangélicos representam um quarto do eleitorado de 135 milhões de eleitores brasileiros. No Rio de Janeiro, Marcelo Crivella, do PRB, disputa a reeleição em companhia do Pastor Monteiro de Jesus. Na segunda suplência de Jorge Picciani, do PMDB, está o Pastor Everaldo Dias Pereira, vice-presidente do PSC e um dos líderes da Assembleia de Deus, a maior Igreja Evangélica do Brasil.

A ascensão de um segundo suplente é rara, mas os casos registrados comprovam que podem causar estragos formidáveis. Paulo Duque, também do PMDB fluminense, segundo suplente do governador Sérgio Cabral, estava alojado no gabinete em julho de 2009, quando explodiu o escândalo dos atos secretos. Infiltrado pela bancada governista na presidência do Conselho de Ética e Decoro Parlamentar, o octagenário sem juízo mandou engavetar todas as representações contra o presidente da Casa, José Sarney. Foi uma manobra perfeita. Ao contrário de Cabral, ele não estava preocupado com a reação do eleitorado. "Suplentes não deveriam preencher cargos na Comissão de Ética", diz Fabiano Angélico, 34 anos, coordenador de projetos da ONG Transparência Brasil.

O petista Sibá Machado, suplente da senadora e atual candidata à Presidência Marina Silva, foi senador durante seis anos do mandato de oito, favorecido pela indicação de Marina para o Ministério do Meio Ambiente. Antes de substituí-la, Machado não havia ocupado nenhum cargo eletivo. Hoje, concorre com boas chances a uma vaga na Câmara dos Deputados.

A tribo dos substitutos é completada pelo grupo dos suplentes profissionais. ACM Junior, do DEM, assumiu o cargo em 2007, com a morte do pai Antonio Carlos Magalhães. Neste ano, virou primeiro suplente de José Carlos Aleluia. Neuto De Conto, do PMDB de Santa Catarina, herdou a vaga com a saída do titular, o tucano Leonel Pavan, eleito vice-governador em 2006. Agora, tenta manter a condição de suplente na chapa de Paulo Bauer, também do PSDB. Além de De Conto, os outros dois representantes de Santa Catarina também entraram no Senado pela porta dos fundos: o petista Belini Meurer, ex-vereador de Joinville, e Niúra Demarchi, do PSDB, ex-secretária de Desenvolvimento Regional de Jaraguá do Sul.

A numerosa bancada dos sem-voto consegue reduzir ainda mais o nível de um Senado merecidamente conhecido como Casa do Espanto. E pode piorar. Como ocorre com os titulares, muitos suplentes têm acertos a fazer com a Justiça. Candidato a senador na chapa do petista Aloizio Mercadante, o cantor Netinho de Paula, do PCdoB, tem como segunda suplente Matilde Ribeiro, ex-ministra da Igualdade Racial, afastada do cargo pela gastança de 170.000 reais com o cartão corporativo do governo federal. Acabar com a farra é simples, comprova a sugestão de Angélico: "Quando o titular deixa o cargo, convocar novas eleições é a saída".
Fonte: www.veja.com.br

quinta-feira, 19 de agosto de 2010

Tapajós e Carajás

Criação de novos Estados divide opiniões no Pará
Discussão sobre conveniência da mudança na geografia local leva em conta argumentos como Belo Monte e até a morte de Dorothy Stang.
Os paraenses estão divididos. E, a depender do lado (ou lados) que vencer a queda de braço, a cisão será definitiva – e geográfica. Tramitam na Câmara dos Deputados dois projetos do Senado que abrem a possibilidade para a criação de dois novos Estados a partir da divisão do Pará, hoje a segunda maior unidade da federação, com 1,2 milhão de quilômetros quadrados. As novas unidades já têm nomes e endereços. Ao sul nasceria o Estado de Carajás, com 285 mil quilômetros quadrados de área rica em minério e gado. A oeste, o Estado de Tapajós, com 722 mil quilômetros quadrados repletos de rios e territórios ainda preservados.

Marabá e Santarém são hoje as principais cidades das regiões, respectivamente, e poderiam ser alçadas ao título de capitais dos novos entes federativos. Pelo desenho, Tapajós, a área mais extensa, teria 230 mil habitantes e Carajás, 1,6 milhão. O restante do Estado ficaria com 4 milhões de habitantes.

A discussão sobre a conveniência da mudança na geografia da região leva em conta argumentos que vão desde a instalação da usina de Belo Monte na região de Tapajós, um dos principais projetos energéticos do mundo, até a morte da missionária Dorothy Stang – assassinada, segundo defensores do projeto, pela ausência do poder público na Amazônia. Se aprovada, a proposta será votada em plebiscito a ser organizado e fiscalizado pelo Tribunal Regional Eleitoral (TRE) do Pará. A expectativa, porém, é que o plebiscito, se aprovado, seja realizado apenas no ano que vem – o projeto ainda tem que voltar para o Senado. A consulta seria realizada nos municípios que poderão integrar as novas unidades. Caberá à Assembleia Legislativa paraense discutir os impactos administrativos, financeiros, econômicos e sociais da divisão territorial.

Já a divisão de opiniões foi exposta em recente debate promovido pela Câmara entre dois deputados paraenses: Zenaldo Coutinho (PSDB), crítico da proposta, e Giovanni Queiroz (PDT), um dos maiores entusiastas da separação.

Além dos custos com o aparato burocrático, com a criação de estruturas de governo, tribunais de conta, de Justiça, Assembleias Legislativas e representações federais – ao menos seis novos senadores e 16 deputados representariam os novos Estados em Brasília.

Em relação a Carajás, uma das áreas mais ricas em minério de ferro do planeta, das 20 milhões de cabeças de gado em todo Estado, 14 milhões ficam na futura Carajás.