segunda-feira, 30 de novembro de 2009

Campeonato Mineiro

Jogos do Tupi: 01ª Rodada - 24/01/2010 - Domingo Tupi x Ipatinga 02ª Rodada - 31/01/2010 - Domingo Atlético x Tupi 03ª Rodada - 07/02/2010 - Domingo Tupi x Caldense 04ª Rodada - 13/02/2010 - Sábado América x Tupi 05ª Rodada - 21/02/2010 - Quarta-feira Tupi x Ituiutaba 06ª Rodada- 24/02/2010 - Domingo Villa Nova x Tupi 07ª Rodada - 28/02/2010 - Domingo Democrata-GV x Tupi 08ª Rodada - 07/03/2010 - Domingo Tupi x Cruzeiro 09ª Rodada - 14/03/2010 - Domingo América-TO x Tupi 10ª Rodada - 21/03/2010 - Domingo Tupi x Uberaba 11ª Rodada - 28/03/2010 - Domingo Tupi x Uberlândia

América-RJ

I - CAMPEONATOS CARIOCAS : 01) CAMPEONATO CARIOCA DE 1913: AMERICA 1 X 0 SÃO CRISTÓVÃO Data: 30/11/1913 Local: Campo da Rua Guanabara (Fluminense Football Club) Árbitro: Ernesto Amarante. Renda: Não disponível Público: Não disponível AFC: Marcos de Mendonça, Luís e Belfort; Mendes, Lincon e Berthelot; Witte, Gabriel, Ojeda, Juquinha e Aleluia. Técnico: Ground Commitee SCAC: Hydarnés, Othelo e Maia; Rollo II, Cantuária e Moutinho; Pederneiras, Halley, Barroso, Rollo I e Sílvio. Técnico : Ground Commitee Gol: Gabriel aos 8' Obs: Em 19/11/1913, por ocasião de nova eleição no clube, o America sofreu uma dissidência que o levaria a perder 70 membros, entre jogadores e associados. 02) CAMPEONATO CARIOCA DE 1916: AMERICA 1 X 0 SÃO CRISTÓVÃO Data: 12/11/1916 Local: Campo da rua Figueira de Mello (São Cristóvão Atletico Club) Árbitro: Frederico Ávilla de Mello Renda: Não disponível Público: Não disponível. AFC: Ferreira; Paulino e De Paiva; Adhemar, Witte e Paula Ramos; Oscar, Gabriel, Ojeda, Álvaro e Paranhos Técnico: Ground Commitee, liderado por João Evangelista Belfort Duarte SCAC: Cardoso; Moitinho e Portocarrero; Pinheiro, Villa e Cantuária; Apollo, Heitor, Salema, Rollo e Sílvio Técnico: Ground Commitee Gol: 2º tempo, Gabriel Obs: Jogo pela penúltima rodada. O America jogaria ainda contra o Bangu, no Campo da rua Campos Sales, vencendo os alvi-rubros por 2 a 1. 03) CAMPEONATO CARIOCA DE 1922: AMERICA 3 X 1 SÃO CRISTÓVÃO Data : 16/07/1922 Local : Campo da Rua Campos Sales (America Football Club) Árbitro : Ercolino Giancristófora Renda : Não disponível Público : Não disponível AFC: Ribas; Perez e Barata; Gonçalves, Oswaldinho e Mattoso; Justo, Gilberto, Chiquinho, Simas e Brilhante Técnico: Comissão formada por Carlos Motta Rezende, Djalma Cortes e Henrique Prudêncio dos Santos. SCAC: Valdemar; Martins e Armando; Capanema, Nesi e Moreira; Franco, João, Julinho, Rubens e Raul. Técnico: Ground Commitee Gols : 1º tempo: Chiquinho (pênalti) e Gilberto; 2º tempo: Nesi e Chiquinho. Obs.: O America sagrou-se campeão carioca do Centenário da Independência do Brasil, um título muito disputado por todos os clubes. 04) CAMPEONATO CARIOCA DE 1928: AMERICA 3 X 1 FLUMINENSE Data: 21/10/1928 Local: Campo da rua Campos Sales (America Football Club) Árbitro: Otávio de Almeida America: Joel; Pennaforte e Hildegardo; Hermógenes, Floriano e Wálter; Gilberto, Miro, Sobral (Mário Pinto), Mineiro (Alvinho) e Celso. Técnico: Charles Williams. Fluminense: Espíndola; Délcio e Py; Ivan Mariz, Fernando Giudicelli e Pedro Fortes; Ripper, Zezé (Carmo), Nascimento, Milton (Loló, depois Preguinho) e Bouças. Técnico: Eugênio Medgyessi. Gols: Mílton a 1', Hildegardo, 26'(p.), Miro 55' e Délcio (contra) aos 67'. Obs.: Com esta vitória e a derrota do Vasco para o Botafogo, sagrou-se campeão o America. Lembrando: 2 tempos de 40'. 05) CAMPEONATO CARIOCA DE 1931: AMERICA 3 X 1 BONSUCESSO Data : 20/12/1931 Local : Campo da Rua Campos Sales (America Football Club) Árbitro : Loris Cordovil. AFC : Sílvio; Lázaro e Hildegardo; Hermógenes, Almeida e Mario Pinto; Alemão, Zezinho, (Miro), Carola, Telê e Adalberto Técnico : Jaime Pereira Barcellos BFC : Medonho; Heitor e Fernandes; Lolô, Otto e Nico ; Carlinhos, Rapadura, Gradim, Leônidas da Silva e Miro. Técnico : Não disponível Gols : 1º tempo. Carola (2) e Carlinhos, 2º tempo, Alemão. Obs.: O grande Leônidas da Silva, então em início de carreira, era o centro-avante do Bonsucesso, ataque mais positivo deste campeonato, com 58 gols. Com esta vitória e a derrota do Vasco para o Botafogo, os rubros sagraram-se campeões. 06) CAMPEONATO CARIOCA DE 1935: AMERICA 2 X 2 FLAMENGO Data: 10/11/1935 Local: Estádio de Laranjeiras (Fluminense Football Club) Árbitro: Casemiro Santa Maria Renda: cerca de 50.000$000 Público estimado: 12.000 pagantes AFC: Helion; Vital e Cachimbo; Paiva, Og e Possato; Lindo, Carola, Plácido, Mamede e Orlandinho Técnico: Fernando Ojeda CRF: Iustrich; Castro Alves, Marin, Alemão, Oto, Barbosa, Sá, Caldeira, Alfredo, Nelson e Jarbas Técnico: Flávio Costa Gols: Plácido aos 4', 11' e Alfredo aos 40' e 60' Obs.: A vitória de 6 a 5 contra o Fluminense na antepenúltima rodada foi decisiva para o título do America, que terminou um ponto na frente do time tricolor. Lembrando: 2 tempos de 40' 07) CAMPEONATO CARIOCA DE 1960: AMERICA 2 x 1 FLUMINENSE Data: 18/12/1960 Local: Estádio do Maracanã Renda: Cr$ 3.973.606,00 Público: 98.099 pagantes Árbitro: Wilson Lopes de Souza Gols: Pinheiro aos 26'(p.), Nilo aos 49' e Jorge aos 78' Nilo aos 49' e Jorge aos 78'. AFC: Ari, Jorge, Djalma Dias, Wilson Santos e Ivan; Amaro e João Carlos; Calazans, Antoninho (Fontoura), Quarentinha e Nilo. Técnico: Jorge Vieira. FFC: Castilho, Marinho, Pinheiro, Clóvis e Altair; Edmílson e Paulinho (Jair Francisco); Maurinho, Waldo, Telê e Escurinho. Técnico: Zezé Moreira. Obs.: Com este título, o America sagrou-se o primeiro campeão do recém-criado, Estado da Guanabara. Depois de 3 vice-campeonatos a partir da inauguração do Maracanã, em 1950, 1954 e 1955, o clube rubro conquista o tão esperado título. II - TORNEIOS EXTRAS: 01) TORNEIO EXTRA 1938: AMERICA 2 X 2 FLAMENGO Data: 15/12/1938 Local: Estádio da rua Figueira de Mello (São Cristóvão Athletic Club) Árbitro: Antônio Dias da Rocha Gols: Lacínio 15', Providente 50', Jayme 61' e Gallego 70' Renda: Não disponível Público: Não disponível AFC: Sancho "Gaúcho", Vital e Hildegardo; Alemão, Sidney e Bolinha; Russo, Oscar, Gallego, Lacínio e Pelizzari. Técnico: Tito Rodriguez CRF: Iustrich, Carlos Alves e Rodriguez; Natal, Fausto e Barbosa; Ítalo, Carlinhos, Providente, Gonzalez II e Jayme. Técnico: Não disponível Obs.: Em oito partidas o America obteve quatro vitórias, três empates e apenas uma derrota, dezessete gols-pró e doze contra. Torneio Extra disputado por reservas dos times. Lembrando: 2 tempos de 40'. 02) TORNEIO EXTRA CARLOS MARTINS DA ROCHA 1952: AMERICA 1 x 0 FLAMENGO Data: 28/06/1952 Local: Estádio do Maracanã Árbitro: Mário Vianna Renda: Cr$111.464,30 Público: Não disponível Gol: 1° tempo: 0 a 0; Final: 0 a 0; Prorrogação: 1ª 0 a 0; 2ª 0 a 0; 3ª America 1 a 0, Ari (13') AFC: Osny, Miguel Cicarino e Édson; Hélio (Rubens), Didi e Godofredo; Guilherme, Valeriano (Zildo), Dimas (Natalino), Ari e Romeiro. Técnico: Juca. CRF: Antoninho, Japonês e Cido; Válter (Ribamar), Jadir e Beto; Aloísio (Walter II), Neca, Maurício, Zagallo (Hamílton) e Itamar. Técnico: Otto Vieira Obs.: Esta partida durou 148 minutos, pois o regulamento determinava que se jogassem tantas prorrogações de quinze minutos fossem neces- sárias até ser feito um gol de desempate. No dia seguinte, o America inauguraria o Estádio de Campos Sales, para 25.000 pessoas. III - TURNOS DE CAMPEONATOS: 01) TERCEIRO TURNO DO CAMPEONATO CARIOCA DE 1955: AMERICA 2 X 0 FLUMINENSE Data: 17/03/1956 Local: Estádio do Maracanã Árbitro: Frederico Lopes Renda:Cr$ 1.684.404,40 Público: 92.518 pagantes AFC: Pompéia; Rubens e Edson; Ivan, Hélio e Maneco; Canário, Romeiro, Leônidas, Alarcon e Ferreira Técnico: Martim Francisco FFC: Jairo; Cacá e Pinheiro; Batatais, Clóvis e Bassu; Paulinho, Telê, Waldo, Waldemar e Escurinho Técnico: Silvio Pirilo Gols: Alarcon aos 32' e Ferreira aos 67' Anormalidades: Jairo se contundiu no lance do 2º gol, sendo assistido por 5', com Pinheiro, que reclamou muito do árbitro, sem razão, segundo a opinião dos órgãos de imprensa, tendo sido expulso antes do reinício do jogo. America campeão. 02) TAÇA GUANABARA 1974: AMERICA 1 X 0 FLUMINENSE Data: 22/09/1974. Local: Estádio do Maracanã. Árbitro: José Aldo Pereira Auxiliares: Luis Carlos Félix e Valquir Pimentel. Renda: Cr$1.447.665,00 Público: 97.681 pagantes America: Rogério; Orlando, Alex, Geraldo e Álvaro; Ivo e Bráulio; Flecha, Luisinho, Edu (Renato) e Gilson Nunes. Técnico : Danilo Alvim Fluminense: Félix; Toninho, Assis, Bruñel e Marco Antônio; Gérson, Cléber e Carlos Alberto Pintinho; Cafuringa, Gil e Mazinho. Técnico : Carlos Alberto Parreira Gol: Orlando, de falta, aos 12' Obs.: Em 11 partidas pela Taça GB 1974, o America obteve 9 vitórias e 1 empate, terminando ainda o Campeonato Carioca deste ano, com o mesmo número de pontos do campeão. 03) TAÇA RIO 1982: AMERICA 4 X 2 FLUMINENSE Data: 21/11/1982 Local: Estádio do Maracanã Árbitro: Wilson Carlos dos Santos, Auxiliares: Alcides Pereira Rocha e Luis Antônio Barbosa. Renda: Cr$ 10.887.500,00 Público: 22.571 pagantes America: Gasperin; Chiquinho, Duílio, Zedilson e Airton; Gilberto (Elói), Pires e Moreno (César); Serginho, Luisinho e Gilson. Técnico: Edu Coimbra. Fluminense: Paulo Vitor; Aldo, Maurão, Eraldo e Careca; Tadeu, Rubens e Zezé Gomes; Machado (Nei Dias), Amauri e Paulo Lino (Paulinho). Técnico: Paulinho de Almeida. Cartão vermelho: Tadeu. Cartões amarelos: Paulo Lino, Aldo, Rubens e Careca. Gols: Gilberto aos 31'e 47', Moreno 48', Chiquinho 74', Eraldo 76' e Aldo (80'). Obs.: Jogo pela 11ª rodada da Taça Rio 1982, com o Fluminense já desclas- sificado e o America chegando ao título com um ponto a mais do que o BFR. IV - OUTROS TÍTULOS ESTADUAIS: 01) TORNEIO RELÂMPAGO 1945 : AMERICA 2 X 1 VASCO Data: 18/04/1945 Local: Estádio de Laranjeiras (Fluminense Football Club) Árbitro: Necyr de Souza Renda: Cr$ 97.687,00. Público Estimado: 16.000 pagantes. AFC: Osny; Osni II, Gritta; Oscar, Álvaro (Danilo), Amaro; China, Maneco, Maxwell (Otacílio), Lima e Jorginho Técnico: Gentil Cardoso CRVG: Barbosa; Augusto, Sampaio; Berascochea, Dino, Argemiro; Santo Cristo, Lelé, Isaias (João Pinto), Elgen e Chico (Friaça) Técnico: Ondino Vieira Gols: Lelé aos 10', Maneco aos 35' e 63' Obs.: America campeão invicto, com 3 vitórias e 2 empates, 10 gols a favor e cinco contra. Um pouco antes, em 03/11/1944, fundava-se a primeira torcida organizada do AFC, a "Falange Rubra". 02) TAÇA JAYME DE CARVALHO 1976: PORTUGUESA 1 X 1 AMERICA Data: 11/08/1976 Local: Estádio Luso-Brasileiro (Associação Atlética Portuguesa) Árbitro: Garibaldo Matos Renda: Cr$ 15.205,00 Público: 904 pagantes AAP: Gílson; Sérgio, Édson, Luís Carlos e Dori; Carlinhos, Luisinho e Seginho; Carlos Magno (Jair), Dinho e Alberdã (Valinhos) Técnico: Não disponível. AFC: País; Orlando, Alex, Geraldo e Álvaro; Ivo, Bráulio, Gílson Nunes, César, Expedito (Sena) e Aílton (Tírson) Técnico: Admildo Chirol Gols: Dinho aos 74' e Orlando aos 89' Obs.: Repescagem do Campeonato Carioca de 1976, disputada por America, Bangu, Bonsucesso, Campo Grande, Madureira, Portuguesa e São Cristóvão. Com este empate e a derrota do Madureira para o Bonsucesso, sagrou-se campeão o America. 03) TORNEIO INÍCIO DE 1949 : AMERICA 1 X 0 BANGU Data: 27/06/1949 Local: Estádio de Laranjeiras (Fluminense Football Club) Árbitro: Mário Vianna Renda: Não disponível Público: Não disponível AFC: Osni; Ivan e Mundinho; Hilton, Oswaldinho e Gamba; Heitor, Ranhulfo, Carlinhos, Lima e Lopes. Técnico: Adolpho Milman, o "Russo" BAC: Luís Borracha; Rafanelli e Sula; Guálter e Mirim; Pinguela, Amaral, Menezes, Moacir Bueno, Ismael e Djalma Técnico: Ayrton Moreira Gol: Hilton (pên.), aos 10' do segundo tempo. Obs.: "O GLOBO ESPORTIVO", de 01/07/1949, qualificou este Torneio Início como "cheio de atrativos, que pode ser considerado o melhor até hoje realizado", com o público lotando o estádio tricolor e batendo o recorde renda para este tipo de competição. O AFC eliminou São Cristóvão, Bonsucesso e Madureira, em sua vitoriosa campanha. 04) CAMPEONATO CARIOCA DA SEGUNDA DIVISÃO DE 2009: AMERICA 2 X 0 ARTSUL Data: 25/11/2009 Local: Estádio Giulite Coutinho (America Football Club) Árbitro: Wagner do Nascimento Guimarães (RJ) Assistentes: Vinicius da Vitória Nascimento (RJ) e Silbert Faria Sisquim (RJ) Renda: R$ 7.224,00 Público: 1.503 (1.153 pagantes) AFC: Roberto, Claudemir, Ciro, Nailton e Gerson; Márcio (Da Costa, 39'/2ºT), Júnior, Thiago (Têti, 30'/2ºT) e Diguinho; Adriano (Romário, 23'/2ºT) e Alexandro Técnico: Lira ARTFC: Márcio, Jader, Diogo Senra, Robson e Fabiano; Jean, Vinicius, Maicon (Túlio, 35'/2ºT) e Diego; Ricardo e Geovane (Luan, 16'/2ºT) Técnico : Rogério Pina Gols: Ciro, aos 21' e 49' Cartões Amarelos: Márcio, Diguinho, Gerson e Ciro (AME) e Diogo Senra (ART) Cartões Vermelhos: Diego Senra, Geovane (ART); Obs: Debaixo de chuva, Romário fez o seu primeiro jogo oficial pelo America, que sagrou-se campeão após 27 anos de espera. Até esta penúltima rodada, o America fez 35 jogos, com 25 vitórias, 5 empates e 5 derrotas, 75 gols a favor e 25 contra. V - TORNEIOS REGIONAIS E NACIONAIS : 01) ZONA SUL DA TAÇA BRASIL 1961 : AMERICA 2 X 1 PALMEIRAS (SP) Data: 18/10/1961 Local: Estádio do Maracanã Árbitro: Anacleto Pietrobom Renda: Cr$ 778.539,00 Público: 19.130 pagantes. AFC: Pompéia; Jorge, Djalma Dias, Wilson Santos e Amaro; Ivan e Fontoura; Antoninho; Quarentinha, João Carlos e Nilo. Técnico: Lorival Lorenzi. SEP: Valdir; Djalma Santos, Valdemar Carabina, Ademar e Geraldo Scotto; Zequinha e Chinezinho; Julinho, Geraldo II (Américo), Vavá e Fernando. Técnico: Armando Renganeschi. Gols: Quarentinha aos 5', João Carlos aos 75' e Vavá aos 90'. Obs.: Em sua campanha o AFC eliminou ainda o Fonseca (RJ) e o Cruzeiro (MG), com três vitórias e três empates, nove gols a favor e quatro contra. 02) TORNEIO QUADRANGULAR PRESIDENTE COSTA E SILVA 1968: DESPORTIVA FERROVIÁRIA (ES) 1 (1) X 1 (3) AMERICA Data: 06/02/1968 Local: Estádio Engenheiro Araripe ( ADFVRD, Cariacica, ES ) Árbitro: José Antônio Braga Renda: Não disponível Público: Não disponível ADFVRD: Latufe; Semogiani, Mateus, Roberto e César; Wilson e Denilson; Maurélio, Silvinho, Betinho e Fraga (Salvador) Técnico: Não disponível AFC: Rosã; Zé Carlos, Alex, Mareco e León; Tadeu (Tonel) e Badeco; Mário Augusto (Valdo); Delém (Clésio), Edu e Artur Técnico: Evaristo de Macedo Gols: Delém aos 4', Wilson aos 30'; Tonel aos 92' e 98' Observação: Participaram também deste torneio, o Rio Branco (ES) e o Vasco da Gama (RJ). 03) TORNEIO LUIZ VIANA FILHO 1968 BAHIA (BA) 0 X 2 AMERICA Data: 02/07/1968 (terça-feira) Local: Estádio da Fonte Nova (Salvador, BA) Árbitro: Clinamulte Vieira França Renda: NCr$ 49.791,00 Público: Não disponível ECB: Édson Borracha; Nildo, Jaime, Valdez e Balbino; Aurelino e Amorim; Cipó (Biriba), Ailton (Péricles), Adauri e Canhoteiro Técnico: Geninho (Efigênio Bahiense) AFC: Rosã; Paulo César, Alex, Mareco e Zé Carlos; Renato e Suquinha; Bataglia, Valdo, Edu (Marcos) e Tininho (Tonel) Técnico: Flávio Costa Gols: Valdo aos 32' e Suquinha aos 77' Obs.: 1) Participaram também deste torneio, o Flamengo-RJ e o Vitória-BA, depois substituído pelo Galícia-BA 2) Segundo o Jornal da Bahia, os gols teriam sido de Valdo aos 23' e o segundo marcado por Edu. 04) TORNEIO DOS CAMPEÕES 1982: GUARANI 1 X 1 AMERICA Data: 10/06/1982. Local: Estádio Brinco de Ouro da Princesa. Árbitro: Maurílio José Santiago (MG); Aux: Ademir Vieira (MG) e João Lúcio Marra (MG) Renda: Cr$ 2.121.400,00 Público: 8.103 pagantes GFC: Sidmar; Sotter, Darcy, Julio César e Almeida; Éderson, Henrique e Jorge Mendonça (Paulo Sérgio); Lúcio (Delém), Marcelo e Banana. Técnico: José Duarte. AFC: Gasperim; Chiquinho, Duílio, Everaldo e Zé Dilson; Pires, Gilberto e Elói; Serginho, Moreno e Gilson Gênio (João Luís). Técnico: Dudu. Gols: Marcelo aos 56' e Elói aos 71'. Obs.: Organizado e patrocinado pela CBF, o America foi qualificado para o Torneio dos Campeões 1982, por ser então o 18º colocado no ranking da CBF. AMERICA 2 X 1 GUARANI Data: 12/06/1982. Local: Maracanã - Rio de Janeiro Árbitro: Carlos Sérgio Rosa Martins(RS); Aux: Olinto Preussler(RS) e Luís C. Tyburski(RS). Renda: Cr$ 5.099.600,00 Público: 11.329 pagantes Cartões amarelos: João Luis, Chiquinho, Gilson (America), Sóter, Ernâni Banana e Odair (Guarani). Cartão vermelho: Darci aos 10 min. do 2o. tempo da prorrogação. AFC: Gasperin, Chiquinho, Duílio, Everaldo e Zé Dilson (Sérgio Pinto); Pires, Gilberto e Elói (João Luís); Serginho, Moreno e Gilson Gênio. Técnico: Dudu. GFC: Sidmar, Sóter, Darci, Odair e Almeida; Éderson, Júlio César (Henrique) e Jorge Mendonça; João Luís (Delém), Marcelo e Banana. Técnico: José Duarte. Gols: Moreno aos 13' e Delém aos 62'. Na prorrogação: Gilson Gênio aos 10 min. do 2° tempo. Obs.: Em jogo disputado sob forte chuva, o America sagrou-se Campeão dos Campeões 1982. VI - TORNEIOS INTERNACIONAIS : 01) TORNEIO IMPRENSA PERUANA / TORNEIO QUADRANGULAR DE LIMA 1955: AMERICA 2 X 1 SANTOS-SP Data: 12/06/1955 Local: Estádio Nacional de Lima (Peru) Árbitro: Não disponível Renda: Não disponível Público: 23.000 AFC : Pompéia; Cacá e Osmar; Ivan, Osvaldinho e Hélio; Canário, Vassil (Leônidas), Washington, Alarcon e Ferreira (Olicio) Técnico: Martim Francisco SFC: Barbosinha (Manga); Hélvio e Ivã ; Feijó , Formiga e Urubatão; Del Vechio, Valter (Ramiro), Álvaro, Vasconcelos e Pepe (Carlinhos). Técnico: Lula Gols: Alarcon (2) e Vasconcelos Obs.: Participaram também deste torneio, o Alianza e o Universitário, de Lima. Após essa conquista, o America venceu ainda um combinado Alianza-Universitário por 3 a 2, com gols de Vassil (2) e Washigton. 02) TORNEIO INTERNACIONAL NEGRÃO DE LIMA 1967: AMERICA 3 X 1 VASCO-RJ Data: 04/06/1967 Local: Estádio do Maracanã Árbitro: Não disponível Renda: NCr$ 35.605,45 Público: 15.753 pagantes. AFC: Arézio; Sérgio, Alex, Aldeci e Djair (Wilson Valença ); Marcos e Ica; Joãozinho (Jorginho), Antunes (Artur), Edu e Eduardo. Técnico: Evaristo de Macedo CRVG: Franz; Ari, Ananias, Jorge Andrade e Silas; Maranhão e Danilo Menezes; Zezinho (Luizinho), Nei (Paulo Bim), Bianchini e Morais. Técnico: Zizinho Gols: Edu aos 4', 28' e 60' e Bianchini aos 79'. Obs.: Participaram também deste torneio, o Nacional de Montevidéu e o Huracán de B. Aires, que após a derrota de 4 a 0 para o AFC na primeira rodada retornou para a Argentina, sendo substituído pelo Fluminense (RJ). VII - PENDÊNCIAS DE FICHAS TÉCNICAS : TORNEIO INTERNATIONAL SOCCER LEAGUE II 1962 *Torneio disputado por 12 equipes de países diferentes, em Nova Iorque, EUA. http://www.rsssf.com/usadave/islii.html TORNEIO INTERNACIONAL COSTA DOURADA 1983 *Torneio disputado também pelas equipes espanholas do RCD Espanyol de Barcelona e do Valencia CF, além da equipe escocesa Dundee United. http://www.rsssf..com/tablesc/costadorada83.html VIII - OUTROS CAMPEONATOS : TAÇA IODURAN 1917 TORNEIO ARY BARROSO DE EQUIPES MISTAS 1965 CAMPEONATO CARIOCA DE ASPIRANTES / SEGUNDOS QUADROS 1919, 1926, 1929, 1930, 1932, 1936 E 1968 TAÇA FERNANDO LORETTI JR. DE ASPIRANTES EM 1944 CAMPEONATO CARIOCA DE TERCEIROS QUADROS 1918 CAMPEONATO CARIOCA DE AMADORES 1940 CAMPEONATO CARIOCA DE JUNIORES 1933, 1934, 1935, 1938, 1940 E 1941 TORNEIO INÍCIO DE JUNIORES 1953 CAMPEONATO CARIOCA DE JUVENIS 1991 CAMPEONATO CARIOCA DE INFANTO-JUVENIS 1969 E 1979 IX - PRINCIPAIS VICE-CAMPEONATOS : VICE-CAMPEONATO CARIOCA EM 1911, 1914, 1917, 1921, 1929, 1950, 1954 E 1955 VICE-CAMPEONATO DO TORNEIO EXTRA EM 1934 E 1941 VICE-CAMPEONATO DO TORNEIO ABERTO EM 1935 VICE-CAMPEONATO DO TORNEIO MUNICIPAL EM 1944 VICE-CAMPEONATO DA TAÇA GUANABARA EM 1967, 1975, 1981, 1983 E 2006 VICE-CAMPEONATO CARIOCA DA SEGUNDA DIVISÃO EM 1906 VICE-CAMPEONATO DO TORNEIO INÍCIO EM 1916, 1929, 1934 E 1946 VICE-CAMPEONATO DO TORNEIO INTERNACIONAL CHARLES MILLER EM 1955 VICE-CAMPEONATO DO TORNEIO PENTAGONAL DE GUADALAJARA 1961 VICE-CAMPEONATO DO TORNEIO VILLA DE MADRID 1977. Obs: O America campeão de 2009 fez 36 jogos, com 26 vitórias, 5 empates e 5 derrotas, 77 gols a favor e 26 contra, tendo feito também o artilheiro do campeonato, Alexsandro, com 21 gols. Colaboração: Alexandre Magno Barreto Berwanger e Luís Eduardo Lucena Gurgel.

Fluminense F.C.

O que parecia IMPOSSÍVEL até o jogo com o Atlético-MG, embora a recuperação tenha iniciado no empate po 2 x 2 com o Inter-RS e passado pelos 2 x 2 com o Goiás, agora está bem próximo de se concretizar. FLUMINENSE 4 X 0 VITÓRIA Local: Maracanã, Rio de Janeiro (RJ) Data/Hora: 29/11/09 - 17 horas Árbitro: Ricardo Marques Ribeiro (Fifa/MG) Assistentes: Guilherme Dias Camilo (MG) e Jair Albano Felix (MG) Renda/público: R$ 557.642,00 / 55.083 ( 52.408 pagantes ) Cartões amarelos: Dalton (FLU); Fábio Ferreira (VIT) Cartões vermelhos: Diguinho, 48'/2ºT (FLU); Fábio Ferreira, 35'/2ºT; Leandrão, 48'/2ºT (VIT) Gols: Alan, 4'/1ºT (1-0); Fred, 5'/1ºT (2-0); Conca, 14'/2ºT (3-0); Conca, 42'/2ºT (4-0) FLUMINENSE: Rafael, Mariano, Gum, Dalton e Dieguinho; Diogo (Maurício, 40'/1ºT), Diguinho, Equi González e Conca; Alan (Adeílson, 25'/2ºT) e Fred. Técnico: Cuca. VITÓRIA: Gléguer, Nino Paraíba, Fabio Ferreira, Anderson Martins e Leandro; Vanderson (Willian, 18'/2ºT), Magal, Leandro Domingues e Ramon (Bida, 18'/2ºT); Neto Berola (Adriano, 34'/1ºT) e Leandrão. Técnico: Vagner Mancini.

domingo, 29 de novembro de 2009

Monitor Campista

Funcionários querem levantar R$ 250 mil para comprar a marca "Monitor Campista" Em reunião com representantes do Movimento Viva Monitor, na tarde da última sexta-feira, 27/11/09, o diretor presidente dos Diários Associados, Maurício Dinepi, fixou em R$ 250.000,00 o valor da marca “Monitor Campista” para o caso de compra pelos seus ex-funcionários. Além disso, foi mantido o prazo de 04 de dezembro para a confirmação da compra. Participaram da reunião com Dinepi os ex-funcionários Cilênio Tavares e Claudia da Conceição Santos, além de Paulo Thomaz (AIC) e Graciete Santana (Sepe), todos integrantes do Viva Monitor. Na manhã de sábado, 28/11, na Associação de Imprensa Campista, os ex-funcionários e demais simpatizantes do movimento decidiram abrir uma campanha pública de arrecadação de recursos para tentar, até o próximo dia 04, atingir o valor fixado. Todos os doadores (pessoas físicas ou jurídicas) serão identificados em uma lista única publicada no blog do Movimento Viva Monitor (http://vivamonitor.blogspot.com), com nomes e valores doados. Em caso de a meta não ser atingida, os recursos serão devolvidos. Qualquer valor pode ser doado em nome da Associação de Imprensa Campista (Banco Itaú, agência 2997, conta corrente 24529-1), preferencialmente por meio de depósito identificado. Comprovantes de depósito ou de transferência devem ser enviados para o e-mail (contatovivamonitor@gmail.com) aos cuidados de Paulo Thomaz, informando nome completo do doador, endereço, telefone e CPF. O total parcial das doações será informado constantemente no blog Viva Monitor. O objetivo do movimento é reativar o jornal Monitor Campista com as mesmas características de independência editorial e qualidade jornalística. Fonte: www.vivamonitor.blogspot.com

sábado, 28 de novembro de 2009

Radio Carioca

Garotinho A noticia saiu na coluna do Apolinho Washington Rodrigues no Meia Hora, jornal do Grupo O Dia. O Velho Apolo teria dito em sua coluna que o Garotinho José Carlos Araújo estaria de malas prontas para a Transamérica para comandar a equipe de esportes da emissora e dar uma cara de equipe esportiva de verdade para a Transamérica. A um bom tempo falaram que o Garotinho estava indo para a Super Rádio Tupi para fazer uma parceria com Luiz Penido e Washington Rodrigues e tanto que o Garotinho foi visto jantando com Alfredo Raymundo, Luiz Penido e Washington Rodrigues num restaurante no Centro do Rio. José Carlos Araújo a um tempo estaria se desentendendo com a diretora de jornalismo Mariza Tavares e o gerente nacional de esportes Alvaro Oliveira Filho, e não estaria fazendo jogos ao lado de Alvaro Oliveira Filho. Garotinho só está fazendo jogos ao lado de Alvaro Oliveira Filho por intervenção da direção do Sistema Globo de Rádio. O proprio Garotinho teria falado com Rubens Campos Filho o seguinte se as promessas que ele falou ao Garotinho, o melhor narrador do rádio carioca não cumprirem ele pode deixar o Sistema Globo de Rádio por onde ficou por mais de 10 anos. Fonte: SMC/Juiz de Fora Rádio Jornal do Brasil A JB FM ( 99,7 MHZ) está sendo negociada com um grupo poderoso de radiofusão. Caso a negociação seja feita, o "nome" JB FM, em breve, deixará de existir e então a rádio será "batizada" pelo mesmo nome do grupo. As conversações já começaram. Segundo informações, o valor que está sendo negociado é algo em torno de 25 MILHÕES DE REAIS. Colaboração: Maurício Moreira Rádio Tupi A Super Rádio Tupi consolidou de vez o primeiro lugar geral na audiência do Rádio Carioca. No somatório geral a emissora dos Diários Associados passa até a FM O Dia, até então lider de todas as pesquisas. Mas a estratégia da Tupi em trocar a frequência da Nativa FM para 103,7 e herdar a antiga frequência de 96,5 se mostrou acertada e agora os números mostram a vantagem sobre a sua principal rival, a Rádio Globo. Os dados estão exposto no gráfico* ao lado, produzido com os Colaboração: Carlos Alfredo

Benito di Paula

Benito di Paula, nascido Uday Veloso (Nova Friburgo-RJ, 28 de novembro de 1941) é um pianista, cantor e compositor brasileiro. Uday Veloso ganhou fama nacional com o pseudônimo de Benito Di Paula. Nascido em 1941, em Nova Friburgo-RJ, é um dos grandes nomes da canção nacional dos anos 70. Foi crooner de boates do Rio de Janeiro, e depois continuou tocando na noite paulistana. Iniciou carreira pela gravadora Copacabana no início dos anos 70. Seu estilo musical é conhecido como "samba jóia", ao combinar o samba tradicional com piano e arranjos românticos e jazzisticos. Seu primeiro disco "Benito Di Paula" de 1971, foi censurado por trazer a música "Apesar de Você" de Chico Buarque. Seu segundo LP, "Ela" também não trouxe grande êxito. Mas estourou as paradas com o terceiro, "Um Novo Samba", onde já aparecia na capa com sua longa barba e cabelos, inúmeras correntes, brincos, pulseiras, etc. O grande sucesso desse disco foi a música "Retalhos de Cetim". Teve outros sucessos ao longo de sua carreira como "Charlie Brown", "Vai Ficar Na Saudade", "Se Não For Amor", "Amigo do Sol, Amigo da Lua", "Mulher Brasileira". Chegou nos anos 70, a disputar a venda de LPs juntamente com Roberto Carlos, tendo composto muitas músicas para este. Comandou o programa "Brasil Som 75" na TV Tupi em 1975. Tem mais de 25 discos gravados, tendo parte importante de sua obra relançada em CD, devido ao sucesso de suas músicas. Chegou a fazer sucesso em nível internacional também, principalmente na América Latina. Teve parte de sua história contada no livro "Eu Não Sou Cachorro Não" do historiador, jornalista e escritor baiano Paulo César de Araújo. Após 13 anos sem gravar, Benito di Paula lançou pela EMI Music seu segundo CD e primeiro DVD ao vivo, gravado no Vivo Rio, no Rio de Janeiro, e que traz seus maiores sucessos, como Retalhos de Cetim, Sanfona Branca e Charlie Brown. Fonte: http://pt.wikipedia.org/

Willy Fritz Gonzer

Entrevista do Locutor Willy Gonzer ao Jornalista Chico Maia Eu estava devendo a incontáveis leitores que escrevem todos os dias perguntando pelo grande Willy Gonser, que depois de tantos anos de sucesso, saiu da Rádio Itatiaia no mês de setembro. Conversei com ele; um dos locutores esportivos que mais marcaram época no futebol brasileiro, especialmente no Paraná, Rio Grande do Sul, Rio de Janeiro e Minas Gerais, estados onde trabalhou. Transmitiu 11 Copas do Mundo e sobre a saída da Itatiaia ele disse: “Alegaram que tenho um problema na garganta, mas eu não nada. Meu problema é a minha carteira de identidade onde consta a minha data de nascimento (74 anos). Tive realmente um problema de peito encatarrado, que provocava rouquidão, em duas oportunidades, mas resolvidos. O meu erro foi ter voltado a narrar antes da hora mas agora estou bom novamente”. COMENTARISTA “O Emanuel (Carneiro) disse à minha esposa que faria este convite, mas eu não aceitaria, como não aceitei a homenagem que queriam me fazer no último Atlético e Cruzeiro, como não aceitei o convite dele para ser comentarista da rádio na Copa de 2010 na África do Sul”. RÁDIO GLOBO “Em duas oportunidades fui convidado para me transferir para a Rádio Globo Minas: dois anos atrás e quatro anos atrás, e a Itatiaia me segurou. Agora eu procurei o Marcos Guiotti, que comanda a Globo aqui, mas a decisão é do Álvaro, o diretor geral do Sistema Globo de Rádio, que fica lá no Rio de Janeiro. Pediram para que eu aguarde a resposta, que se for para me contratar, será somente no ano que vem, com a devida promoção, mas eu sinto que não estão mais tão interessados.” FUTURO “Caso a ida para a Globo não se concretize vou embora para Alcobaça, na Bahia, me aposentar. Tenho em vista uma casa para comprar lá, com o dinheiro do Fundo de Garantia, que não é muito, mas dá para resolver.” HISTÓRIA Willy Fritz Gonser nasceu em Curitiba, filho de pai alemão e mãe paranaense. Começou no rádio em outubro de 1953, na Rádio Marumbi, de Curitiba, onde atuava em comerciais, programas musicais e outros, menos esporte. Em abril de 1955 é que o mandaram cobrir um jogo e ele já começou como narrador. No Paraná passou também pelas rádios Curitibana, Paranaense, Independência, Clube e Paiquerê, de Londrina. Em 1960 foi contratado pela Rádio Gaúcha de Porto Alegre, onde transmitiu as Copas de 1962 (Chile), 1970 (México) e 1974 (Alemanha). Em 1976 foi para a Rádio Nacional do Rio, por quem transmitiu a Copa da Argentina em 1978, ao lado do José Carlos Araújo o “Garotinho”. Em 1979 foi contratado pela Rádio Itatiaia e transmitiu as Copas de 1982 (Espanha), 1986 (México), 1990 (Itália), 1994 (Estados Unidos), 1998 (França), 2002 (Coréia/Japão) e 2006 (Alemanha). FRANZ BECKEMBAUER Uma das boas lembranças que o Willy guarda da profissão é da decisão do Mundial Interclubes, entre Cruzeiro e Bayer de Munique. Ele era da Rádio Nacional, que transmitiu, também, os jogos decisivos da Libertadores, entre Cruzeiro e River. Em Belo Horizonte ele foi ao Hotel Del Rey, aguardar a delegação do Bayer, que chegara no mesmo dia do jogo, poucas horas antes de ir para o Mineirão. Deu de cara com o capitão Franz Beckembauer, e em alemão, perguntou: __ Qual a tática para hoje capitão? E a resposta foi: __ Cama! E assim foi. Os alemães dormiram um pouco, foram para o jogo e empataram de 0 x 0, levando o título, já que na partida de ida venceram por 2 x 1. FAMÍLIA Willy é pai do Guilherme Gonser, que trabalha na equipe de esportes da Rádio Itatiaia. Tem mais três filhos, que moram em Belo Horizonte: Cláudio e Iracema, que são médicos, formados pela UFMG, e Cláudia, filha de criação, formada em Turismo pelo Unicentro Newton Paiva. Fonte: http://blog.chicomaia.com.br/

sexta-feira, 27 de novembro de 2009

Ubá-MG

O campeonato show está na reta final. Carlos Roberto Sodré* Denominado por algumas pessoas como o campeonato mais importante da região o campeonato regional de futebol está perto da sua final. A competição regional está terminando com Associação Atlética Bandeirante x União de Piraúba. Na primeira partida as duas equipes empataram por 2x2, jogando no estádio Centenário em Ubá. Enfrentando a concorrência da televisão, com jogos do campeonato brasileiro, e um preço fora do alcance do nosso torcedor, dez reais, os jogos estão acontecendo com o público aquém do esperado pelas diretorias das duas equipes e Liga Atlética Ubaense. No próximo domingo as duas equipes voltam ao gramado, desta vez no estádio João Lopes Quatorzevoltas, em Tocantins, bem no horário dos jogos da TV. Nunca trabalhei na imprensa com o objetivo de agradar a ninguém, muito menos desagradar, nenhum diretor de clube, muito menos a LAU. A minha preocupação sempre foi, e sempre será com o futuro do futebol e do esporte da região. Porque é com o esporte da região que a entidade maior deveria se preocupar. Comecei a incomodar com minhas crônicas, não escrevo para incomodar, ou agradar, escrevo sim, para me ver em paz com minha consciência. Haja vista tem gente infeliz com que vem lendo no Informativo Popular. Sou feliz e procuro fazer meu semelhante também feliz, porém se não consigo... O que posso fazer? Pode ser que alguém anda evitando encontrar por aí com uma tal de dona ética. Esta senhora é muito séria, não admiti deslizes de maneira nenhuma. Fique de olho, ela não dorme e detesta hipocrisia. O ano está quase no final, quando Papai Noel chegar com os brinquedos, só para aqueles que merecerem é claro, e o seu brinquedinho não estiver no saco do bom velhinho, não me venha com choro melas! Aproveite a data e faça uma reflexão. Quem sabe no ano que vem às coisas não tomam um rumo mais regional? A partir de janeiro de 2010 estarei transmitindo os jogos do campeonato mineiro, quando encontrar com as autoridades da Federação Mineira de Futebol e amigos da imprensa da Capital Mineira, perguntarei sobre os moldes do campeonato daqui. Só quero saber com quem está a verdade, não se trata de outro expediente. Para mim o show seria se fosse jogado com os nossos atletas. Mas nesse caso, como classificar tal competição? Talvez um Campeonato Brasileiro da Série E. *Carlos Roberto Sodré é Locutor Esportivo

quinta-feira, 26 de novembro de 2009

Literatura

Especial: "Tricolor Celeste" resgata a saga dos uruguaios do São Paulo Pablo Forlán, Pedro Rocha, Dario Pereyra e Diego Lugano ajudaram a escrever a história do São Paulo Em comum, os quatro deixaram uma imagem muito positiva, não apenas como craques, mas também, e em alguns casos, sobretudo por causa da famosa “garra”. Pablo Forlán, Pedro Rocha, Dario Pereyra e Diego Lugano fizeram história no São Paulo. E resgatar esta história é o principal objetivo, e mérito, de “Tricolor Celeste” (Publisher Brasil, 112 págs, R$ 25), que Luís Augusto Simon, o Menon, acaba de publicar. Além dos perfis dos quatro jogadores, o livro também traz uma relação com dados sobre todos os jogadores estrangeiros que já passaram pelo São Paulo. Forlán, para quem não sabe, é pai de Diego Forlán, atacante do Atlético de Madri e da seleção uruguaia. Lateral-direito esforçado, mas muito vitorioso por onde passou, Forlán atuou no Peñarol e, no São Paulo, ajudou a encerrar uma fila de 13 anos sem título, ao vencer o Paulista de 1970. Jogou duas Copas pelo Uruguai. Daryo Pereira veio do Nacional. No São Paulo, foi uma espécie de sucessor de Pedro Rocha. Mas, ao longo de suas temporadas no clube, foi mudando de posição, de meia para volante, até se consagrar como um dos maiores zagueiros da história do clube. Junto com Oscar (atuaram juntos em 175 partidas), formou uma das mais famosas duplas de zaga do São Paulo. Jogou no clube por 11 anos, onde foi campeão paulista e Brasileiro (1986). Jogou pelo Uruguai na Copa de 1982. O livro se encerra com a história de Lugano. Menon descreve as dificuldades que ele teve para se firmar no clube, aonde chegou com a fama de “zagueiro do presidente”. Campeão Brasileiro, da Libertadores e Mundial pelo São Paulo, Lugano é o melhor exemplo das qualidades do jogador uruguaio: persistente, raçudo, corajoso e, até, craque. O livro “Tricolor Celeste” pode ser encontrado na livraria virtual da editora Publisher. Fonte: www.ig.com.br

INSS

Aprovada obrigação de avisar empregado sobre contribuições A Comissão de Seguridade Social e Família aprovou nesta quarta-feira (25/11) o Projeto de Lei 7329/06, do Senado, que obriga as empresas a informar mensalmente ao empregado suas contribuições ao Regime Geral de Previdência Social (RGPS) e também obriga o Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) a enviar a todos os segurados o extrato relativo ao recolhimento de suas contribuições para o RGPS. A proposta altera a Lei 8.212/91, que, atualmente, só prevê o envio obrigatório do extrato das contribuições aos segurados individuais e às empresas. No entanto, desde o início deste ano, o INSS disponibiliza o extrato previdenciário dos segurados correntistas do Banco do Brasil, nos caixas eletrônicos e na internet. O extrato também está disponível no site da Previdência Social ou em qualquer uma das 1.121 agências do órgão pelo País afora. Atualmente, o INSS fornece o extrato aos segurados individuais. O relator, deputado Alceni Guerra (DEM-PR), rejeitou os projetos apensados: PL 5135/05, da ex-deputada Selma Schons PT-PR), PL 7631/06, do deputado Zezéu Ribeiro (PT-BA) e PL 3830/08, do deputado Valdir Colatto (PMDB-SC), dada sua semelhança com o principal. Responsabilidade Alceni Guerra considera importante atribuir responsabilidade às empresas de comunicar aos seus empregados sobre os valores mensalmente recolhidos sobre sua respectiva remuneração, a título de contribuição previdenciária, e ampliar a obrigatoriedade já conferida ao INSS quanto ao envio às empresas e aos segurados do extrato relativo as suas contribuições. O relator informou que ficaram pendentes algumas questões de redação, que espera sejam tratadas na Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania para não atrasar a tramitação. A primeira se refere ao recolhimento ao INSS, quando, atualmente, tais valores devem ser recolhidos à Secretaria da Receita Federal do Brasil, em virtude de lei posterior. O projeto também se refere a um quadro que foi revogado pela Lei 11.941/09, também subsequente. Tramitação A proposta, conclusiva, tramita em regime de prioridade, já foi aprovada pela Comissão de Trabalho, de Administração e Serviço Público e será analisada pela Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania. FONTE: Câmara dos Deputados

quarta-feira, 25 de novembro de 2009

Fluminense F.C.

COMPETIÇÕES OFICIAIS SUL-AMERICANAS (1971/ 2008) : A) COPA LIBERTADORES DA AMÉRICA (1971, 1985, 2008) : - JOGOS : 27 - VITÓRIAS : 14 ( 51,85% ) - EMPATES : 5 ( 18,52% ) - DERROTAS : 8 ( 29,63% ) - PARTICIPAÇÕES : 3 ( 7º EM 1971, 17º EM 1985, 2º EM 2008 ) - GOLS A FAVOR : 48 ( MÉDIA DE 1,77 ) - GOLS CONTRA : 27 ( MÉDIA DE 1,00 ) - PRESENÇAS NO G-4 : 1 ( 33,33% ) - OBS.: NA EDIÇÃO DE 2008, O FLUMINENSE IMPÔS A MAIOR DERROTA DE UM CLUBE ARGENTINO PARA UM BRASILEIRO NA LIBERTADORES ATÉ ENTÃO ( 6 X 0 NO ARSENAL DE SARANDI ), E ELIMINOU O TAMBÉM ARGENTINO BOCA JUNIORS NA FASE SEMIFINAL, SENDO ESTA A PRIMEIRA VEZ DESDE 1963 QUE O BOCA FOI ELIMINADO POR UM CLUBE BRASILEIRO NESTA COMPETIÇÃO. APÓS PERDER A PRIMEIRA PARTIDA DAS FINAIS CONTRA A LDU EM QUITO POR 4 X 2, O FLUMINENSE AINDA CONSEGUIU REVERTER A VANTAGEM DO OPONENTE AO VENCER NO MARACANÃ POR 3 X 1, TENDO SIDO O SEGUNDO CLUBE NA HISTÓRIA DA LIBERTADORES A CONSEGUIR REVERTER UMA VANTAGEM DE DOIS GOLS EM PARTIDAS FINAIS, VINDO A PERDER O TÍTULO NA DISPUTA DE PÊNALTIS. O FLUMINENSE FOI O CLUBE QUE MAIS PONTUOU EM TODAS AS FASES DA COMPETIÇÃO, O MELHOR ATAQUE, O CLUBE QUE MAIS LEVOU PÚBLICO AOS ESTÁDIOS E O QUE OBTEVE TAMBÉM A MELHOR MÉDIA (52.801 PRESENTES, OU 49.011 PAGANTES), BATENDO O RECORDE BRASILEIRO DE RENDA ENTRE CLUBES NA PARTIDA FINAL (R$ 3.910.044,00 APENAS COM A VENDA DE INGRESSOS, EQUIVALENTES À US$ 2.460.694,77 OU 1.552.488,82 EUROS). AS NOVE VITÓRIAS E O TOTAL DE 29 PONTOS CONQUISTADOS, SÃO RECORDES CARIOCAS EM UMA ÚNICA EDIÇÃO DA COPA LIBERTADORES DA AMÉRICA ATÉ 2008. O JOGADOR TRICOLOR, THIAGO NEVES, FOI O ÚNICO JOGADOR A MARCAR 3 GOLS NUMA FINAL DESTA COMPETIÇÃO. O BLOG DO FLUMINENSE NO SITE GLOBOESPORTE, EM 06/07/2008, DIVULGOU QUE A PARTIDA FINAL DA COPA LIBERTADORES 2008 FOI ASSISTIDA EM 120 PAÍSES; (http://colunas.globoesporte.com/joaomarcelo/category/libertadores/ ). B) COPA CONMEBOL (1992, 1993, 1996): - JOGOS : 6 - VITÓRIAS : 2 - EMPATES : 1 - DERROTAS : 3 - PARTICIPAÇÕES : 3 - GOLS A FAVOR : 8 - GOLS CONTRA : 13 C) COPA SUL-AMERICANA (2003, 2005, 2006) : - JOGOS : 14 - VITÓRIAS : 5 - EMPATES : 5 - DERROTAS : 4 - PARTICIPAÇÕES : 3 ( 6º EM 2005 ) - GOLS A FAVOR : 16 - GOLS CONTRA : 14 D) SOMATÓRIO DAS PARTICIPAÇÕES EM COMPETIÇÕES SUL-AMERICANAS OFICIAIS (1971/2008) : - JOGOS : 47 - VITÓRIAS : 21 ( 44,68% ) - EMPATES : 11 ( 23,40% ) - DERROTAS : 15 ( 31,92% ) - PARTICIPAÇÕES : 9 - GOLS A FAVOR : 72 ( MÉDIA DE 1,53 ) - GOLS CONTRA : 54 ( MÉDIA DE 1,14 ) - PRESENÇAS NO G-4 : 1 ( 11,11% ) A maior conquista internacional de todas, para nós, Tricolores : VII - COPA RIO (1952) : * ORGANIZADA PELA CBD E AUTORIZADA PELA FIFA .. http://www.chancedegol.com.br/rsssfbrasil/miscellaneous/matflucrio52.htm http://www.chancedegol.com.br/rsssfbrasil/miscellaneous/attcrio52.htm http://www.rsssf.com/tablesr/riocup52.html - JOGOS : 7 - VITÓRIAS : 5 - EMPATES : 2 - DERROTAS : 0 - PARTICIPAÇÃO : 1 - GOLS PRÓ : 14 - GOLS CONTRA : 4 - TÍTULO (1) : 1952 O Blog FLUSÓCIO, fez artigo sobre TODAS as conquistas anteiroes, exceto taças disputadas contra apenas um adversário : http://flusocio.com.br/blog/fluminense/as-conquistas-internacionais-do-flu/ Colaboração: Alexandre Berwanger

terça-feira, 24 de novembro de 2009

O encanto dos orixás

Leonardo Boff Teólogo Quando atinge grau elevado de complexidade, toda cultura encontra sua expressão artística, literária e espiritual. Mas ao criar uma religião a partir de uma experiência profunda do Mistério do mundo, ela alcança sua maturidade e aponta para valores universais. É o que representa a Umbanda, religião, nascida em Niterói, no Rio de Janeiro, em 1908, bebendo das matrizes da mais genuina brasilidade, feita de europeus, de africanos e de indígenas. Num contexto de desamparo social, com milhares de pessoas desenraizadas, vindas da selva e dos grotões do Brasil profundo, desempregadas, doentes pela insalubridade notória do Rio nos inícios do século XX, irrompeu uma fortíssima experiência espiritual. O interiorano Zélio Moraes atesta a comunicação da Divindade sob a figura do Caboclo das Sete Encruzilhadas da tradição indígena e do Preto Velho da dos escravos. Essa revelação tem como destinatários primordiais os humildes e destituídos de todo apoio material e espiritual. Ela quer reforçar neles a percepção da profunda igualdade entre todos, homens e mulheres, se propõe potenciar a caridade e o amor fraterno, mitigar as injustiças, consolar os aflitos e reintegrar o ser humano na natureza sob a égide do Evangelho e da figura sagrada do Divino Mestre Jesus. O nome Umbanda é carregado de significação. É composto de OM (o som originário do universo nas tradições orientais) e de BANDHA (movimento inecessante da força divina). Sincretiza de forma criativa elementos das várias tradições religiosas de nosso pais criando um sistema coerente. Privilegia as tradições do Candomblé da Bahia por serem as mais populares e próximas aos seres humanos em suas necessidades. Mas não as considera como entidades, apenas como forças ou espíritos puros que através dos Guias espirituais se acercam das pessoas para ajudá-las. Os Orixás, a Mata Virgem, o Rompe Mato, o Sete Flechas, a Cachoeira, a Jurema e os Caboclos representam facetas arquetípicas da Divindade. Elas não multiplicam Deus num falso panteismo mas concretizam, sob os mais diversos nomes, o único e mesmo Deus. Este se sacramentaliza nos elementos da natureza como nas montanhas, nas cachoeiras, nas matas, no mar, no fogo e nas tempestades. Ao confrontar-se com estas realidades, o fiel entra em comunhão com Deus. A Umbanda é uma religião profundamente ecológica. Devolve ao ser humano o sentido da reverência face às energias cósmicas. Renuncia aos sacrifícios de animais para restringir-se somente às flores e à luz, realidades sutis e espirituais. Há um diplomata brasileiro, Flávio Perri, que serviu em embaixadas importantes como Paris, Roma, Genebra e Nova York que se deixou encantar pela religião da Umbanda. Com recursos das ciências comparadas das religiões e dos vários métodos hermenêuticos elaborou perspicazes reflexões que levam exatamente este título O Encanto dos Orixás, desvendando-nos a riqueza espiritual da Umbanda. Permeia seu trabalho com poemas próprios de fina percepção espiritual. Ele se inscreve no gênero dos poetas-pensadores e místicos como Alvaro Campos (Fernando Pessoa), Murilo Mendes, T. S. Elliot e o sufi Rumi. Mesmo sob o encanto, seu estilo é contido, sem qualquer exaltação, pois é esse rigor que a natureza do espiritual exige. Além disso, ajuda a desmontar preconceitos que cercam a Umbanda, por causa de suas origens nos pobres da cultura popular, espontaneamente sincréticos. Que eles tenham produzido significativa espiritualidade e criado uma religião cujos meios de expressão são puros e singelos revela quão profunda e rica é a cultura desses humilhados e ofendidos, nossos irmãos e irmãs. Como se dizia nos primórdios do Cristianismo que, em sua origem também era uma religião de escravos e de marginalizados, “os pobres são nossos mestres, os humildes, nossos doutores”. Talvez algum leitor/a estranhe que um teólogo como eu diga tudo isso que escrevi. Apenas respondo: um teólogo que não consegue ver Deus para além dos limites de sua religião ou igreja não é um bom teólogo. É antes um erudito de doutrinas. Perde a ocasião de se encontrar com Deus que se comunica por outros caminhos e que fala por diferentes mensageiros, seus verdadeiros anjos. Deus desborda de nossas cabeças e dogmas. Leonardo Boff é autor de Meditação da Luz. O caminho da simplicidade. Vozes 2009.

Monotrilho

Ricardo Mucciaroni* Em meados da década de 1980, quando era, ainda, um garotinho, presenciei, curioso, o início da construção de várias pilastras e colunas em meio às calçadas das Avenidas Francisco Sales e João Pinheiro. Eram tantos homens trabalhando, caminhões e mais caminhões de concreto, ferros, chapas... A realização daquela engenharia deixava os moradores e turistas boquiabertos. "O seria aquilo?", pensava eu na minha molecagem. Eram os trilhos para o monotrilho. Passados mais de 20 anos do início daquela obra, vemos que o que nos deixava orgulhosos - ser uma das poucas cidades no mundo a possuir um sistema de transporte com tal tecnologia - hoje, se tornou um problema. O projeto não foi realizado em sua plenitude, deixando de ser um meio de transporte coletivo para se transformar em um atrativo para o transporte de turistas, que acabou tendo curta duração. Atualmente, são quase unânimes as opiniões relacionadas à sua derrubada (é a decisão mais simples), pois suas colunas e trilhos já estão porosos devido às ações do tempo. Além do que, algumas colunas e vigas caíram, devido ao desassoreamento realizado no ribeirão há alguns anos. Também é fato a tecnologia ultrapassada utilizada nas cabines do meio de transporte. Isso, sem comentar o dilaceramento sofrido pela paisagem da área em que foram construídas as vigas e colunas. Mas, será que o tal monotrilho é só problema? Particularmente, acredito que se deveria pensar e discutir o assunto tendo em vista o caráter complexo que a temática envolve. Se, simplesmente, for derrubada a estrutura - deformada - que está aí, estará resolvido o problema da feiúra, da instalação ociosa, do perigo de mais uma dessas colunas e vigas caírem e causarem um incidente mais grave. Por outro lado, este é um problema pontual, que a engenharia deve ter soluções para mitigá-lo, devendo o município e os responsáveis pela obra, verificar os custos de uma possível reforma ou revitalização, buscando os recursos necessários junto aos órgãos financiadores, governamentais ou mesmo privados, através de parcerias. Quem está lendo deve achar que estou louco, mas elenco alguns motivos para defender esta idéia. Hoje, Poços de Caldas começa a sofrer com um mal que assola as grandes cidades: o trânsito. Segundo informações extra-oficiais, são emplacados no município cerca de 250 veículos ao mês (se não forem mais), isto significa que ao final de um ano teremos mais 3.000 automóveis nas nossas ruas e, daqui a 10 anos, serão, com certeza, mais de 30.000 veículos, gerando todos os tipos de poluição que podemos imaginar. E o que faremos? Será que o monotrilho não seria uma das possíveis soluções para o problema? Se não, então vejamos. "A prefeitura de São Paulo pretende implantar uma linha para monotrilho entre a estrada do M’Boi Mirim e a região de Santo Amaro. A linha teria pouco mais de 10 quilômetros e poderia substituir um corredor de ônibus cuja implantação estava prevista no local" (Folha de S. Paulo 09/07/09). Neste mesmo jornal foi publicado, em agosto, que a prefeitura daquele município pretende instalar cerca de 100 quilômetros de linhas para o monotrilho. Pois então, se São Paulo, que enfrenta congestionamentos diários de mais de 150 quilômetros está implantando um sistema de monotrilho, nós, aqui em Poços, iremos apoiar a derrubada do nosso? Acredito que o prefeito deveria encarar esta empreitada, pelo menos, viabilizando caminhos para a resolução desta pendenga, que se arrasta a anos, estudando meios para viabilizar projetos para o reinício das atividades do monotrilho e mesmo a ampliação da linha do transporte, circundando toda a cidade, mesmo que seja chamado de louco. Sabemos que as ruas de Poços foram planejadas no início do século XX. Já pensaram se nossas ruas fossem estreitas? O que faríamos, nos dias de hoje, com o número de veículos que circula pela cidade? Será que não é momento para a tomada de uma atitude arrojada e planejada? A tendência do trânsito de veículos em Poços (e no mundo) é piorar. Por isso deve-se utilizar a capacidade de planejamento para traçar o desenvolvimento sustentável do município, visualizando, neste caso específico, que as águas e o subsolo de Poços de Caldas devem ser preservados, e sendo assim, num futuro, talvez longínquo, não seria possível realizar escavações para implantação de um metrô. Mas, com certeza, se a partir de hoje, forem colocadas estruturas adequadas para o desenvolvimento racional da malha de circulação (que pode aproveitar-se do monotrilho), estará se dando um grande passo para que se tenha uma cidade mais tranqüila em relação ao trânsito no futuro. Parafraseando o Dr. Francisco Risola, "Quem viver verá". *Ricardo Mucciaroni é comerciante e graduado em Turismo pela PUC/Minas campus Poços de Caldas. Fonte: www.jor-cidade.com.br

segunda-feira, 23 de novembro de 2009

Série A

O Sport, que já está rebaixado, tem 31 pontos,só pode chegar a 37, a derrota para o Fluminense confirmou que o clube Pernambucano vai terminar o campeonato na última posição. Apesar das vitórias de Náutico (3 x 2 no Corinthians) e Santo André (3 x 2 no Avaí), as equipes seguem com com 99% de chance de cair, fato que pode se confirmar na próxima rodada. O Fluminense com a vitória de 3 x 2 sobre o Sport Recife ganhou a 5ª partida seguida na competição. O time Carioca, que soma 42 pontos, está há 26 rodadas na zona de rebaixamento. Se sair, será um recorde! Corendo risco estão Botafogo, Atlético-PR e Coritiba, todos com 44 pontos, Fluminense com 42, Santo André e Náutico com 38 pontos cada: 14º Coritiba (44 pontos): 16% de probalidade, 15º Atlético-PR (44 pontos): 12%, 16º Botafogo (44 pontos): 20%, 17º Fluminense (42 pontos): 54%, 18º Santo André (38 pontos): 99%, 19º Náutico (38 pontos): 99%, 20º Sport (31 pontos): 100%. Fluminense (Vitória (c) e Coritiba (f) ) e Botafogo (Atlético-PR (f) e Palmeiras (c) ) só dependem de seus resultados (vitórias nos dois ogos restantes).

Utilidade Pública

Os trabalhos para tornar o uso doméstico de plugues e tomadas mais seguro começaram ainda na década de 1980, quando o Conselho Nacional de Metrologia, Normalização e Qualidade Industrial (Conmetro) considerou os produtos prioritários para a concessão da marca da conformidade às regras brasileiras. Em setembro de 1983, o Inmetro aprovou o Regulamento Específico para Plugues e Tomadas e tornou obrigatória a certificação desses produtos de acordo com as regras da Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT). As mudanças, porém, não faziam menção à padronização. - A iniciativa para a adoção de um padrão único ganhou corpo na década de 1990, quando a International Electrotechnical Commision (IEC) propôs a criação de um padrão internacional. No Brasil, a abertura do mercado a produtos importados mostrou que a rede elétrica podia variar muito e ameaçar a segurança desses produtos. Além disso, com a globalização, percebeu-se que estavam sendo usados no país mais de 10 modelos de plugues e 8 de tomadas. Em 1998 a ABNT criou o padrão brasileiro. Dois anos depois, o Inmetro tornou o uso do padrão obrigatório e criou um cronograma escalonado de adaptação da cadeia produtiva para não desabastecer a cadeia produtiva e o mercado. Novo calendário de plugues e tomadas PRAZO MEDIDA 1º de janeiro de 2010 - Fabricantes e importadores de aparelhos eletroeletrônicos não poderão mais fabricar e importar equipamentos com plugues antigos. 1º de outubro de 2010 - Fabricantes e importadores de aparelhos eletroeletrônicos não poderão mais comercializar para o varejo produtos com plugues antigos. 1º de janeiro de 2011 O comércio varejista não poderá mais vender, de forma avulsa, plugues e tomadas do modelo antigo. 1º de julho de 2011 O comércio varejista não poderá mais vender aparelhos eletroeletrônicos com plugues antigos. O que muda Acabam os plugues de pino chato; os aparelhos passam a ter plugues somente com pinos redondos. Dependendo das características do aparelho, ele poderá ter plugue de dois ou três pinos. O terceiro pino funciona como fio terra dos produtos que precisam de aterramento para evitar choques, desde que a instalação elétrica residencial disponha de aterramento. Os pinos terão diâmetros diferenciados de acordo com a corrente elétrica de que o aparelho necessita para funcionar. Essa informação deverá constar na embalagem dos produtos. Terão um diâmetro para aparelho que operam com até 10 ampères e outro para os que operam entre 10 e 20 ampères. Isto impede que um aparelho de maior amperagem possa ser conectado em instalação de até 10, sobrecarregando-a. Em alguns casos, o consumidor terá que trocar as tomadas antigas por outras que estejam dentro do padrão para poder conectar aparelhos com plugues padronizados. Também será necessário, em alguns casos, o uso temporário de adaptadores certificados pelo Inmetro, para conectar aparelhos com plugues fora do padrão a instalações elétricas que estejam dentro do padrão, bem como de aparelhos com plugues padronizados em instalações elétricas com tomadas não padronizadas. Fonte: Inmetro

domingo, 22 de novembro de 2009

Copa de 2010

Europa: Itália (04 títulos), Alemanha (03), Inglaterra (01), França (01), Holanda, Espanha, Portugal, Dinamarca, Eslováquia, Eslovênia, Sérvia, Grécia e Suíça; América do Sul: Brasil (05), Argentina (02), Uruguai (02), Paraguai e Chile; África: África do Sul (sede), Costa do Marfim, Nigéria, Camarões, Argélia e Gana; Ásia: Japão, Coreia do Sul e Coreia do Norte; América Central e América do Norte: Estados Unidos, México e Honduras; Oceania: Austrália, Nova Zelândia.

Futebol Mineiro

Engenheiro promete estádio até março Veja como vai ficar a casa do futebol mineiro em 2010 Celso Martinelli* O engenheiro civil e proprietário da CBR Construtora, Lauro Augusto Oliveira Borges, responsável pela reforma e ampliação do estádio Joaquim Henrique Nogueira, a Arena do Jacaré, em Sete Lagoas , prevê que os trabalhos estarão concluídos antes de março de 2010, prazo limite para execução da obra, orçada em R$ 8,6 milhões. Na fase atual, está sendo preparado o terreno onde o gramado será replantado. As cadeiras existentes no estádio também já foram retiradas para a colocação de outras novas e de melhor qualidade. Segundo Lauro Augusto Borges, problemas estruturais e com a planta anterior do estádio atrasaram o cronograma da obra. "Achei coisas piores do que imaginava encontrar, como por exemplo, instalações que só existiam na planta, mas que nunca saíram do papel. Assim como a situação do gramado, sem qualquer sistema de drenagem. Tivemos que retirar todo o piso e a argila que tinha no subsolo para colocação de areia e brita. Hoje estamos finalizando o sistema de drenagem, para então iniciar o replantio", explicou o engenheiro. Apontada como futuro palco de jogos do Campeonato Brasileiro e também da Copa Libertadores caso alguma equipe de Minas se classifique para a competição, além do próprio Campeonato Mineiro, com a reforma, a capacidade da Arena do Jacaré passará de 18 mil pessoas para 25 mil, o que representa um aumento de sete mil lugares. As arquibancadas de concreto receberão estrutura laminar e assentos individuais. O estacionamento será ampliado de 120 vagas para 600, ocupando uma área de 20 mil metros quadrados. O projeto prevê ainda reforma completa dos três blocos que compõem o estádio e construção de três novos blocos com o objetivo de melhorar a infraestrutura oferecida. O número de banheiros passará de seis para 17. Os bares que atendem dentro do estádio também serão em maior número, passando dos dois atuais para sete. O estádio vai ganhar mais uma bilheteria, totalizando quatro em funcionamento. As áreas comuns e salas reservadas à administração serão ampliadas. "Já iniciamos a adaptação das cabines de rádio e televisão", completa Lauro Augusto. O engenheiro também falou sobre a geração de empregos com a obra. "A maior parte da mão de obra é de Sete Lagoas. No pico da reforma chegaremos a ter mais de 100 pessoas trabalhando no estádio", finaliza. *Celso Martinelli é Jornalista Fontes: www.setedias.com.br e http://blog.chicomaia.com.br/

sábado, 21 de novembro de 2009

Futebol

Série B nacional Vasco-RJ, Ceará-CE, Guarani-SP e Atlético-GO são as equipes classificadas para a Série A de 2010. Módulo três mineiro Pouso Alegre 0 x 2 Mamoré (Patos de Minas) Unitri (Uberlãndia) 0 x 2 Tombense Fabriciano 0 x 1 Tricordiano Obs: Mamoré e Tombense estão classificados para o Módulo dois de 2010 Série B carioca Nova Iguaçu 0 x 1 América Quissamã 1 x 0 Olaria Sendas 2 x 2 Goitacaz Portuguesa 2 x 1 Bonsucesso Artsul 2 x 2 Riostrense Obs: O América etá classificado para para a primeira divisão de 2010.

Futebol

Campeonato Mineiro Unitri (Uberlãndia) x Tombense Sábado - 21/11 Estádio Sebastião César (Araguari) - 16h A: Luiz Carlos da Silva A1: Helbert Costa Andrade A2: Pablo almeida Costa 04º A: Júlio César Samuel (Liga local) Fabriciano x Tricordiano Sábado - 21/11 Estádio Louis Ensch - 16h A: Juliano Lopes Lobato A1: Marconi Helbert Vieira A2: Jeancarlo Machado 04º A: Moacir Comes (Liga local) Pouso Alegre x Mamoré (Patos de Minas) Sábado - 21/11 Estádio Cel. Erasmo Cabral (Santa Rita do Sapucaí)- 16h A: Emerson de Almeida Ferreira A1: Jair Albano Félix A2: Mauro Antônio Ferreira dos Santos 04º A: Rafael Vítor de Mendonça (Liga de Pouso Alegre) Obs: Faltando duas rodadas para terminar acompetição, Mamoré (Patos de Minas) com 18 pontos, Tombense (Tombos) com 14 e Unitri (Uberlãndia) com 12, disputam duas vagas. Campeonato Carioca 07ª rodada do returno Quissamã x Olaria Nova Iguaçu x América Sendas x Goytacaz Portuguesa x Bonsucesso Artsul x Riostrense Obs: Faltando três rodadas para o final, Olaria (33 pontos), América (32), Goytacaz (28) e Sendas (27), disputam duas vagas.

Morre Celso Pitta

O ex-prefeito de São Paulo Celso Pitta (PTB) morreu neste sábado aos 63 anos. Ele estava internado no hospital Sírio-Libanês, onde fazia tratamento contra um câncer no intestino. Em janeiro deste ano, o ex-prefeito foi submetido a uma cirurgia para retirada de um tumor no intestino e, desde então, fazia tratamento com quimioterapia no hospital. Afilhado político do deputado Paulo Maluf (PP), de quem havia sido Secretário, Pitta administrou a Prefeitura de São Paulo no período de 1997 a 2000, para a qual foi eleito com com 62,2% dos votos. Sua gestão foi marcada por uma série de denúncias. A principal delas foi o esquema de corrupção batizado de "escândalo dos precatórios". Ele acabou afastado do cargo por 18 dias, sendo substituído por seu vice-prefeito Regis de Oliveira, e retomando em seguida. Concorreu a deputado federal e perdeu em duas ocasiões, mas manteve sua filiação ao PTB. O ex-prefeito foi preso no dia 8 de julho de 2008 durante a "Operação Satiagraha", da Polícia Federal Durante a campanha para suceder Paulo Maluf e eleger o até então desconhecido Celso Pitta, Maluf proferiu uma célebre frase: "Votem no Pitta, se o Pitta não fizer um bom governo, nunca mais votem em mim". Hoje, Maluf é Deputado Federal.

ETERNO APRENDIZ

Faustino Vicente * Há algumas décadas, o sonho de muitos jovens era diplomar-se por uma conceituada universidade, pois era esse o “passaporte carimbado” que os levaria a um emprego formal e a uma carreira bem-sucedida e duradoura. A formação acadêmica representava um requisito diferenciado para o crescimento profissional, dentro de uma excelente organização. Hoje, o sonho do canudo universitário transformou em obrigação e a certeza da conquista de uma vaga no mercado, uma estressante incerteza. A globalização destruiu fronteiras e quebrou estruturas centenárias, fazendo com que milhões de vagas de trabalho se evaporassem no planeta terra. Muitas profissões desapareceram e outras floresceram. Se o primeiro emprego formal é extremamente difícil, o ultimo pode ser, extremamente, precoce. Aos 20 anos poderemos ser considerados inexperientes e aos 40 decadentes. Essa realidade, que tem feito o mundo sempre melhor materialmente, nos traz à lembrança um dos clássicos do cinema norte-americano – Tempos Modernos – (1936) estrelado por Charles Chaplin. Através de sátiras, ele nos mostra tentativas de substituição do homem por máquinas. Aumentar a produtividade – fazer cada vez mais,e melhor, com cada vez menos – era o grande objetivo, mesmo que o ser humano fosse humilhado, como pode ser visto em algumas cenas do último filme mudo do genial Carlitos. A tecnologia encurtou as distâncias e distanciou as proximidades, via praticidade – “produto” essencial do novo estilo de vida gerado pela mulher contemporânea. Parte das operações bancárias pode ser considerada como exemplo expressivo dessa nossa afirmação. Cremos que vale a pena uma profunda reflexão sobre um dos versos da canção – O que é, o que é – do saudoso cantor, compositor e músico, Gonzaguinha: “ a beleza de ser um eterno aprendiz”. O profissional que tiver a percepção exata do que representa essa máxima, poderá estar descobrindo a diferença, que fará a diferença, em termos de sucesso sustentável. *Faustino Vicente é Consultor de Empresas e de Órgãos Públicos – e-mail: faustino.vicente@uol.com.br - tel. (11) 4586.7426 - Jundiaí (Terra da Uva), SP

sexta-feira, 20 de novembro de 2009

Givanildo Oliveira

América anunciou a saída do técnico Givanildo Oliveira do clube. O treinador reuniu-se com Marcus Salum e Caio Salum para solicitar a liberação e alegou que o valor da proposta do Sport foi irrecusável. Givanildo Oliveira foi campeão da Série B com o América em 1997 e da Série C neste ano. Durante a tempora Givanildo recusou para deixar o América. Givanildo Oliveira vai assumir o Sport Recife nos três jogos restantes da Série A. Quarto treinador do time pernambucano na temporada (Nelsinho Batista, Emerson Leão e Péricles Chamusca foram os outros), Givanildo já comandou a equipe em outras cinco oportunidades (1983, 1991/1992, 1994, 1999 e 2006), tendo conquistado três títulos estaduais (1992, 1992 e 1994) e o acesso à Série A do Brasileiro em 2006. Wellington Fajardo, ex-técnico do Uberlãndia na Taça Minas e Brandãozinho, técnico do Mamoré no Módulo três são cotados para asssumir o América. Jair Bala e Rui Guimarães são outros nomes também lembrados pela torcida Americana.

Literatura

"Pelé: Estrela Negra em Campos Verdes", Os dribles, as jogadas geniais, o enorme talento com a bola e os gols inesquecíveis fizeram de Pelé um mito. O menino pobre que nasceu Edson Arantes do Nascimento e era carinhosamente chamado de Dico na cidade de Três Corações, em Minas Gerais, alçou vôos inimagináveis para um garoto negro da época. Aqui, podemos acompanhar uma história de glórias, de alguém que brilhou intensamente como estrela negra em campos verdes, mas também uma história humana, de uma pessoa como todas as outras, com os altos e baixos que a vida impõe. Este livro narra o seu percurso. Uma trajetória marcada pela fama e o sucesso, que o levaram a ser cultuado como figura máxima do futebol - ou, para ser preciso, como verdadeiro sinônimo do esporte - em todos os quadrantes do planeta. Isto durante décadas, sem que sua retirada dos gramados, há mais de 30 anos, tenha afetado a popularidade de Pelé nem diminuído sua aura de eterno campeão. Pelé enfrentou dificuldades de ordem econômica, familiar, afetiva. Teve problemas com os filhos, sofreu baques comerciais, viveu o fim de dois casamentos e alguns tórridos romances públicos. Saiu-se, como todo mundo, às vezes melhor, às vezes pior. Na média, uma trajetória digna e bonita, com alguns tropeços e muitas grandezas. Agora, às vésperas de completar 68 anos, Pelé ressurge como personagem múltiplo e complexo, idolatrado por milhões de admiradores ao redor do mundo e profundamente brasileiro - sempre fiel ao menino negro que, ainda conhecido como Dico, saiu com a familia de Três Corações para conquistar o mundo. É o que este livro relata, com graça e leveza, a partir de uma vasta e rigorosa pesquisa documental.

Literatura

"Pelé: Estrela Negra em Campos Verdes", Os dribles, as jogadas geniais, o enorme talento com a bola e os gols inesquecíveis fizeram de Pelé um mito. O menino pobre que nasceu Edson Arantes do Nascimento e era carinhosamente chamado de Dico na cidade de Três Corações, em Minas Gerais, alçou vôos inimagináveis para um garoto negro da época. Aqui, podemos acompanhar uma história de glórias, de alguém que brilhou intensamente como estrela negra em campos verdes, mas também uma história humana, de uma pessoa como todas as outras, com os altos e baixos que a vida impõe. Este livro narra o seu percurso. Uma trajetória marcada pela fama e o sucesso, que o levaram a ser cultuado como figura máxima do futebol - ou, para ser preciso, como verdadeiro sinônimo do esporte - em todos os quadrantes do planeta. Isto durante décadas, sem que sua retirada dos gramados, há mais de 30 anos, tenha afetado a popularidade de Pelé nem diminuído sua aura de eterno campeão. Pelé enfrentou dificuldades de ordem econômica, familiar, afetiva. Teve problemas com os filhos, sofreu baques comerciais, viveu o fim de dois casamentos e alguns tórridos romances públicos. Saiu-se, como todo mundo, às vezes melhor, às vezes pior. Na média, uma trajetória digna e bonita, com alguns tropeços e muitas grandezas. Agora, às vésperas de completar 68 anos, Pelé ressurge como personagem múltiplo e complexo, idolatrado por milhões de admiradores ao redor do mundo e profundamente brasileiro - sempre fiel ao menino negro que, ainda conhecido como Dico, saiu com a familia de Três Corações para conquistar o mundo. É o que este livro relata, com graça e leveza, a partir de uma vasta e rigorosa pesquisa documental.

Copa da África do Sul

Copa 2010 – Dia de Definição Marco Antonio Campos* Agora que todos os países classificados para a Copa do Mundo já são conhecidos, resta apenas saber quem jogará contra quem e em qual sede. Hoje, a FIFA vai divulgar os cabeças-de-chave usando como base o ranking de seleções que será publicado e levando em conta também o desempenho de cada país nas duas últimas Copas. As seleções restantes serão divididas em mais três grupos de oito como de praxe. Em geral, os europeus ficam em um único grupo, africanos e sul-americanos em outro e os demais no último. Com base nessa premissa, o jornal espanhol Marca antecipou o que vai ocorrer, mas sem a confirmação da FIFA. De acordo com o diário da Espanha, os grupo ficarão assim constituídos: Grupo dos Cabeças-de-Chave: África do Sul, Brasil, Espanha, Itália, Alemanha, Argentina, Inglaterra e França. Grupo 2: Holanda, Portugal, Eslovênia, Suíça, Grécia, Sérvia, Dinamarca e Eslováquia. Grupo 3: Costa do Marfim, Gana, Camarões, Nigéria, Argélia, Paraguai, Chile e Uruguai. Grupo 4: Japão, Coreia do Sul, Coreia do Norte, Austrália, Nova Zelândia, Estados Unidos, México e Honduras. Se o Marca estiver correto em sua aposta, Brasil e Argentina terão obrigatoriamente um país africano como adversário na fase de grupos. O motivo é que a FIFA evita confrontos entre equipes do mesmo continente neste momento da Copa. Com exceção da Europa, mas com a ressalva de que cada grupo pode ter no máximo duas seleções. Ainda no campo das especulações, o pior grupo que o Brasil pode pegar seria Holanda, Costa do Marfim e México. E o mais fácil teria Eslovênia, Argélia e Nova Zelândia. A possibilidade de um grupo da morte é grande se Holanda, Costa do Marfim e México forem sorteados para se enfrentarem. O cabeça-de-chave, não importa qual, terá enorme azar se isso acontecer. Porém, há uma tendência já afirmada pela própria FIFA de pela primeira vez na história não incluir o país-sede como cabeça-de-chave. A razão desta hipótese é a péssima posição que a África do Sul ocupa no ranking atual, ficando na 85ª posição. A anfitriã só está à frente da seleção da Coreia do Norte na classificação. De qualquer forma, a definição será conhecida dentro de algumas horas. Depois é esperar mais duas semanas para que a formação final de cada um dos oito primeiros grupos da Copa seja sorteada na cerimônia oficial, na Cidade do Cabo, no dia 4 de dezembro. Daí em diante não há mais choro e fica cada um entregue à suas próprias sortes, competências e capacidades. *Marco Antonio Campos é Locutor Esportivo

Monitor Campista

A direção ds Diário Associados, que fechou o terceiro jornal mais antigo do Brasil, o Monitor Campista, de Campos dos Goytacazes no Norte Fluminense, através de seu presidente da regional Rio, informou que a empresa tem interesse em vender o título do jornal, fechado no último domingo, 15/11. A direção da empresa diz que o fechamento foi motivado pelo fim da publicação do Diário Oficial da Prefeitura de Campos, incluído no veículo por mais de 100 anos. A publicação do Diário Oficial correspondia a 50% da receita do veículo. O informativo da prefeitura foi retirado do jornal após a Justiça alegar que não havia licitação para a publicação no Monitor Campista e que o Diário Oficial deveria ser aberto à concorrência de outros veículos, por meio de licitação. A Justiça atendeu a uma ação movida pelo jornal "Folha da Manhã" contra o Monitor. Na época do fim da publicação do Diário Oficial, as especulações eram de que a prefeitura de Campos deixou de investir no jornal porque teria intenção de comprá-lo posteriormente. Em reunião com a Associação de Imprensa Campista, a Secretaria de Comunicação Social da prefeitura negou que o órgão tivesse a intenção de comprar o veículo. A prefeitura alegou também que estava surpresa com o fechamento do jornal e que apoiaria os jornalistas para manter o veículo com recursos do Fundecam, ou com a criação da Fundação Monitor Campista. A família da Prefeita de Campos Rosinha Garotinho (PMDB) edita e publica no município o jornal "O Diário do Norte Fluminense".

quinta-feira, 19 de novembro de 2009

Futebol de Ubá

Vale a pena ver de novo Carlos Roberto Sodré* Certamente você já viu e ouviu esta frase nos anúncios das novelas da tarde da Rede Globo de televisão. E já ouviu também em alguns quadros de programas de rádio, neste caso, vale à pena ouvir de novo. O campeonato regional de futebol da Liga Atlética Ubaense está chegando ao seu término. Associação Atlética Bandeirante e União da cidade de Piraúba vão decidir o título este ano. Tudo muito maravilhoso se não fosse contraditório. Tudo muito tranqüilo se não fosse ante ético. Quando se usa de atletas de outras equipes para armar a sua, que nome que se dá esse tipo de comportamento? Quando se coloca todos os jogadores de fora na vaga dos atletas da casa, que nome que se dá para um comportamento dessa natureza? Quando se promete para os atletas da casa que um dia eles vão vestir a camisa das suas respectivas equipes, quando na verdade os seus lugares estão reservados a outros bem estranhos e distantes, que nome que se dá a uma atitude dessas? Quando se gasta até quinze mil reais em um único jogo, ou mais do que isso, e cobra das crianças para realizar treinamentos, dizendo que elas representam o futuro daquela equipe, que nome que se dá para ações como esta? Quando se mente o tempo todo, para todos, sobre a legalidade da disputa, FMF, Federação Mineira de Futebol, clubes profissionais pelo Brasil afora, é uma mentira atrás da outra. A imprensa sabe que está errado, ou pelo menos devia saber, mas ninguém denuncia, porque será? Não me diga que alguém está gostando dessa brincadeira? Tenho medo que um dia as pessoas comecem a colocar em prática a lei do Gérson, de levar vantagem em tudo! Por que de uma coisa pode-se ter certeza: tem alguém com os olhos brilhando, quando essa bola rola. Os olhos das crianças também vão brilhar, como os meus estão agora, de tristeza. No nosso caso não vale a pena ver novo. Ver de novo tudo que acabamos de analisar? Perguntei ao Cassiano, colega de faculdade e morador de Senador Firmino: o que você achou da participação do Nacional no campeonato regional desse ano? Como todo torcedor apaixonado ele me respondeu: “não ficamos contentes com o resultado, é claro, achamos que alguns jogadores não se empenharam o suficiente”. Perguntei ao jovem acadêmico quantos jogadores da terra vestiram a camisa do Nacional, ele me disse que dois. Aí eu retruquei: quero saber jogando? Ele disse: um. Se contar esse caso para o cantor Raimundo Fagner, certamente ele vai dizer: “não dá pra ser feliz, não dá pra feliz, não dá pra ser feliz, não dá pra ser feliz”. Continuo na luta em favor do futebol da terra até um dia eu poder dizer vale a pena ver de novo. *Carlos Roberto Sodré é Locutor Esportivo

Milésimo gol de Pelé - 40 anos

GOL 1.000 40 ANOS E EU ESTAVA LÁ Adilson Dutra* No ano passado, quando muito se falava no gol 1.000 do Romário, escrevi algo sobre o milésimo gol de Pelé, que hoje completa quarenta anos em que foi realizado. Naquele texto eu dizia que estava nas arquibancadas torcendo por Andrada, com quem tive a honra de treinar exautivamente durante um bom período todas às tarde, em São Januário, mas Pelé é Pelé e não tinha jeito, ele queria que o gol fosse mesmo no Maracanã, de penalidade máxima, para que o mundo inteiro ouvisse suas palavras após a comemoração do gol histórico. Muita gente torcia contra, do meu lado tinha um vascaíno que berrava feito um louco para que matassem Manoel Amaro de Lima, o árbitro do jogo. Até mesmo os santistas, alguns é claro, queriam que Pelé não cobrasse o pênalti, para que o gol mil saísse na Vila Belmiro. Quarta-feira, por volta das 22 horas, naquele tempo os jogos eram às 21h, dia 19 de novembro de 1969, Pelé cobrou a penalidade no canto esquerdo de Andrada, do Vasco, e assim escreveu um dos capítulos mais bonitos da história do futebol mundial: o milésimo gol. No aniversário de 40 anos do feito, o Rei do Futebol ainda é capaz de lembrar dos mínimos detalhes, e eu, modestamente, também lembro de todos os detalhes, até do grito dos repórteres dizendo que havia sido Renê o autor da falta, mas não foi, quem cometeu o pênalti foi Fernando, um zagueiro mineiro, oriundo do Vila Nova, de Nova Lima, que chegou ao Vasco ao lado do lateral Eberval. Eu dizia sobre Andrada, o goleiro argentino, natural de Rosário. "Ele não queria levar o milésimo gol de forma alguma", lembra Pelé. Não teve jeito. O Rei do Futebol bateu no canto esquerdo. Andrada quase conseguiu fazer a defesa, mas a bola morreu no fundo das redes. O goleiro socou o gramado de raiva, enquanto os fotógrafos invadiram o Maracanã. Dias antes, nos treinos em São Januário, Andrada trabalhou intensamente cobranças de pênaltis, fazia com que todos os seus companheiros perdessem horas a fio treinando com ele, já que naquela época não havia treinador específico para goleiros. *Adilson Dutra é Jornalista Fonte: www.blogdopenacho.zip.net O Vasco havia saído na frente, com gol de Benetti, aos 17 minutos do primeiro tempo. O Santos empatou com gol contra de Renê, aos dez do segundo tempo. O pênalti aconteceu aos 34 minutos do segundo tempo. Na cobrança, Pelé deu uma paradinha e chutou forte no canto esquerdo do gol, exatamente às 23h23. O goleiro do Vasco, o argentino Andrada, chegou a tocar na bola, mas não conseguiu evitar o gol. Na comemoração, Pelé beijou a bola e dedicou o milésimo gol a todas as crianças do Brasil. Em homenagem à conquista a Prefeitura de Santos, em 1995, instituiu, oficialmente, o dia 19 de novembro como o Dia Pelé. Santos 2 x 1 Vasco Gols: Santos FC- Pelé (pênalti) e Renê (contra); Vasco - Benetti Árbitro: Manoel Amaro de Lima Local: Estádio do Maracanã (RJ) Público: 100 mil Data: 19 de novembro de 1969 Santos: Aguinaldo; Carlos Alberto Torres, Ramos Delgado, Djalma Dias (Joel Camargo) e Rildo; Clodoaldo, Lima, Manoel Maria e Edu; Pelé (Jair Bala) e Abel. Vasco: Andrada; Fidélis, Moacir, Fernando e Eberval; Bougleaux, Renê, Acelino (Raimundinho) e Adílson; Benetti e Danilo Menezes . Fonte: SMC/JF Gol 100 - 31/07/1958 - Santos 1 x 1 Comercial No Campeonato Paulista de 1958, Pelé não foi modesto e marcou 58 gols, marca jamais superada por qualquer outro jogador. De quebra, contra o Comercial de Ribeirão Preto, fez o centésimo da carreira, logo após o título na Copa do Mundo. Aos 18 anos. Gol 200 - 11/06/1959 - Santos 6 x 0 Hamburgo (ALE) Em excursão pela Europa, o Santos viajou até Hamburgo, mas não foi lá muito cortês com os alemães. Pelé chegou ao gol 200 menos de 11 meses após o gol 100, na temporada em que seu instinto matador esteve mais aguçado: em 1959, foram 127 gols em 103 jogos. Gol 300 - 12/05/1960 - Santos 2 x 2 Inter de Milão (ITA) Em amistoso com a Seleção Brasileira, Pelé completou a terceira centena de gols mais uma vez perto de 11 meses. Foi contra a Inter de Milão, pouco tempo antes da chegada do mítico treinador espanhol Helenio Herrera. Gol 400 - 28/06/1961 - Santos 3 x 0 AEK (GRE) Entre o Torneio Rio-São Paulo e o início do Campeonato Paulista, o Santos fez mais uma excursão de 15 jogos para a Europa. No final, enfrentou os três grandes gregos, e Pelé deixou sua marca contra o AEK. Depois, voltou ao Brasil e ganhou o bicampeonato estadual. Gol 500 - 05/09/1962 - Santos 5 x 2 Botafogo-SP Aqui, há polêmica: no dia 02 de setembro, Pelé marcou duas vezes contra o São Paulo e comemorou a chegada ao gol 500. Tempos depois, uma recontagem mostrou que, na verdade, em 25 de maio de 1960, um gol marcado por Coutinho, contra a seleção polonesa, foi creditado a Pelé. Sendo assim, o gol 500 passou a ser o seguinte, que aconteceu no dia 05 de setembro, contra o Botafogo de Ribeirão Preto. Gol 600 - 11/09/1963 - Santos 2 x 1 Boca Juniors-ARG Nada de amistoso ou jogo sem importância. Foi em La Bombonera, na finalíssima da Copa Libertadores de 1963, que Pelé chegou ao gol 600. O Santos havia vencido por 3 a 2 no Maracanã e garantia o título com um empate. Mas aos 37min do segundo tempo, o dono da camisa 10 matou os argentinos de vez. Recebeu de Coutinho, driblou um adversário e chegou a seis centenas de gols na carreira. Gol 700 - 18/04/1965 - Santos 5 x 2 Fluminense Em 65, o Santos vivia um momento um pouco complicado e tinha a classificação ameaçada no então prestigiado Torneio Rio-São Paulo. Pelé e sua trupe foram ao Maracanã, venceram o Fluminense por cinco - o Rei marcou um, o de número 700 na carreira. Apesar disso, os santistas foram eliminados. Gol 800 - 21/06/1966 - Brasil 5 x 3 Atlético de Madrid-ESP Já na Europa em preparação para a Copa do Mundo na Inglaterra, a Seleção Brasileira viajou a Madri para enfrentar o Atlético. Faltavam três gols para Pelé chegar ao 800, mas quem disse que isso era obstáculo? O camisa 10 tratou de fazer três vezes em vitória por 5 a 3. Gol 900 - 21/06/1968 - Santos 4 x 2 Napoli A média de gols por temporada já não era a mesma do início de carreira e Pelé demorou exatamente dois anos para conseguir mais 100 gols e atingir a última centena antes do milésimo. Em 66, por conta de lesão e da longa preparação para a Copa, só disputou 51 partidas e marcou 42 vezes. No ano seguinte, 65 jogos e 55 gols. Já em 68, foram 82 jogos e 59 gols. O de número 900 veio em amistoso contra o Napoli. Gol 1000 - 19/11/1969 - Santos 2 x 1 Vasco A contagem para o gol mil entrou em fase final desde que Pelé arrasou a Portuguesa e marcou quatro vezes, em 15 de outubro. Fez mais dois diante do Coritiba (22/10), passou em branco contra o Fluminense (26/10) e fez um contra o Flamengo (01/11). Repare que o Santos jogou quatro vezes em nove dias... Então, só faltavam quatro gols. Veio o Corinthians (04/11), a maior vítima de Pelé, mas ele passou em branco. Contra o São Paulo (09/11), também. A ansiedade aumentou com dois gols na vitória contra o Santa Cruz (12/11) e com mais um diante do Botafogo paraibano (14/11), só faltava o milésimo. Salvador parou para receber o Santos, no dia 16/11, mas também não foi dessa vez, contra o Bahia. O evento precisava acontecer de forma apoteótica e não havia melhor palco que o Maracanã. O adversário era o Vasco e o empate em 1 a 1 persistia. A tensão pairava no ar, até que o zagueiro vascaíno Fernando derrubou Pelé e o árbitro Manoel Amaro de Lima marcou a penalidade, já depois dos 30min do segundo tempo. O mundo então parou e a combinação perfeita: Pelé, a camisa 10 e a bola. O gol, às 23h23min, aconteceu, apesar do salto elástico do goleiro Andrada, e deu sequência a uma emocionada volta olímpica e um discurso marcante pedindo atenção às crianças e às pessoas pobres. Pelé ainda faria o gol 1100, no dia 1º de maio de 1972, contra o Cagliari, em amistoso com o Santos. Em 23 de janeiro de 74, o 1200, contra o Fortaleza. E o último de todos, o 1281, no dia 21/07/1983. Ele já estava aposentado desde 1977, quando largou o New York Cosmos, mas participou de jogo comemorativo entre Fonte: www.terra.com.br

Copa da África do Sul

Eliminatórias 2010 – Os Classificados Marco Antonio Campos* Definidos os 32 países que vão jogar a 19ª Copa do Mundo, no que vem, na África do Sul, a renovação em relação às equipes que estavam presentes em 2006 foi de 37,5%. Dezenove países se mantiveram e treze foram substituídos por novos pretendentes ao título maior do futebol mundial. A única seleção estreante acabou sendo mesmo a Eslováquia, que antigamente fazia parte da Tchecoslováquia. No entanto, a FIFA apontou a República Tcheca como herdeira dos resultados do país que se separou, o que transformou os eslovacos em uma seleção sem histórico em Copas. A Copa de 2010 vai marcar a presença na competição de todos os países que já foram campeões anteriormente. A última vez que isso ocorreu foi em 2002, na Coreia do Sul e Japão. Lá estarão Brasil, Itália, Alemanha, Uruguai, Argentina, Inglaterra e França. Continente por continente, as novidades, surpresas, os países que voltarão à uma Copa e aqueles que se mantiveram entre os classificados. ÁFRICA: A África é o segundo continente que mais se renova. Até hoje, treze países diferentes já atuaram em Mundiais. Este número só é superado pela Europa. A surpresa foi a eliminação da Tunísia que vinha tendo uma regularidade de três Copas seguidas se classificando. Não se mantiveram: Angola, Tunísia e Togo. Permaneceram: Costa do Marfim e Gana. Retornam: A anfitriã África do Sul, a Argélia, Camarões e Nigéria. ÁSIA: Com a inclusão da Austrália, feita pela FIFA, o continente ganhou um forte concorrente a uma das quatro vagas. A grande ausência é a Arábia Saudita, que vinha se classificando seguidamente desde sua estréia em 1994, nos Estados Unidos. A grande surpresa foi o retorno da Coreia do Norte, que só havia disputado em 1966, na Inglaterra. Não se mantiveram: Irã e Arábia Saudita. Permaneceram: Austrália, Coreia do Sul e Japão. Retornou: Coreia do Norte. AMÉRICA DO SUL: Pela primeira vez, desde que o continente ganhou cinco vagas para a Copa, os cinco países com maior número de participações em Copas se classificaram juntos. Não se manteve: Equador. Permaneceram: Brasil, Argentina e Paraguai. Retornaram: Chile e Uruguai. CONCACAF: A grande surpresa foi a eliminação da Costa Rica que é considerada como terceira força do continente na atualidade e na cola dos Estados Unidos que ficam em segundo. Não se manteve: Costa Rica. Permaneceram: Estados Unidos e México. Retornou: Honduras. EUROPA: Em relação à Copa passada, somente Croácia, Polônia, República Tcheca e Suécia podem ser consideradas ausências inesperadas devido ao histórico na competição. Outros países de passado considerável também ficaram de fora. Neste caso, inclui-se Áustria, Bélgica, Bulgária, Escócia, Hungria, Romênia e Rússia. Entretanto, com exceção dos russos, todos os demais não eram apontados como grandes favoritos. A maior surpresa foi mesmo a eliminação da Rússia treinada pelo holandês Guus Huddink, um mestre em conseguir feitos surpreendentes com seleções medianas, como o quarto lugar da Coreia do Sul em 2002 e a classificação da Austrália para as oitavas-de-final, em 2006. A façanha foi obtida pela Eslovênia. Não se mantiveram: Ucrânia, Suécia, República Tcheca, Polônia e Croácia. Permaneceram: Itália, França, Alemanha, Portugal, Inglaterra, Espanha, Suíça e Sérvia. Retornaram: Dinamarca, Eslovênia e Grécia. Estreia: Eslováquia. OCEANIA: Único continente sem direito a uma vaga direta, os países da Oceania sempre precisaram disputar repescagens para confirmarem presença. No passado, os confrontos eram complicados envolvendo adversários da Europa, América do Sul e Concacaf. Desta vez a repescagem foi contra a Ásia. A Nova Zelândia foi beneficiada ainda com a mudança da Austrália para jogar no continente asiático e conseguiu eliminar Bahrein garantindo a vaga. Retornou: Nova Zelândia. *Marco Antonio Campos é Locutor Esportivo

Copa da África do Sul

Eliminatórias 2010 – Os Classificados Marco Antonio Campos* Definidos os 32 países que vão jogar a 19ª Copa do Mundo, no que vem, na África do Sul, a renovação em relação às equipes que estavam presentes em 2006 foi de 37,5%. Dezenove países se mantiveram e treze foram substituídos por novos pretendentes ao título maior do futebol mundial. A única seleção estreante acabou sendo mesmo a Eslováquia, que antigamente fazia parte da Tchecoslováquia. No entanto, a FIFA apontou a República Tcheca como herdeira dos resultados do país que se separou, o que transformou os eslovacos em uma seleção sem histórico em Copas. A Copa de 2010 vai marcar a presença na competição de todos os países que já foram campeões anteriormente. A última vez que isso ocorreu foi em 2002, na Coreia do Sul e Japão. Lá estarão Brasil, Itália, Alemanha, Uruguai, Argentina, Inglaterra e França. Continente por continente, as novidades, surpresas, os países que voltarão à uma Copa e aqueles que se mantiveram entre os classificados. ÁFRICA: A África é o segundo continente que mais se renova. Até hoje, treze países diferentes já atuaram em Mundiais. Este número só é superado pela Europa. A surpresa foi a eliminação da Tunísia que vinha tendo uma regularidade de três Copas seguidas se classificando. Não se mantiveram: Angola, Tunísia e Togo. Permaneceram: Costa do Marfim e Gana. Retornam: A anfitriã África do Sul, a Argélia, Camarões e Nigéria. ÁSIA: Com a inclusão da Austrália, feita pela FIFA, o continente ganhou um forte concorrente a uma das quatro vagas. A grande ausência é a Arábia Saudita, que vinha se classificando seguidamente desde sua estréia em 1994, nos Estados Unidos. A grande surpresa foi o retorno da Coreia do Norte, que só havia disputado em 1966, na Inglaterra. Não se mantiveram: Irã e Arábia Saudita. Permaneceram: Austrália, Coreia do Sul e Japão. Retornou: Coreia do Norte. AMÉRICA DO SUL: Pela primeira vez, desde que o continente ganhou cinco vagas para a Copa, os cinco países com maior número de participações em Copas se classificaram juntos. Não se manteve: Equador. Permaneceram: Brasil, Argentina e Paraguai. Retornaram: Chile e Uruguai. CONCACAF: A grande surpresa foi a eliminação da Costa Rica que é considerada como terceira força do continente na atualidade e na cola dos Estados Unidos que ficam em segundo. Não se manteve: Costa Rica. Permaneceram: Estados Unidos e México. Retornou: Honduras. EUROPA: Em relação à Copa passada, somente Croácia, Polônia, República Tcheca e Suécia podem ser consideradas ausências inesperadas devido ao histórico na competição. Outros países de passado considerável também ficaram de fora. Neste caso, inclui-se Áustria, Bélgica, Bulgária, Escócia, Hungria, Romênia e Rússia. Entretanto, com exceção dos russos, todos os demais não eram apontados como grandes favoritos. A maior surpresa foi mesmo a eliminação da Rússia treinada pelo holandês Guus Huddink, um mestre em conseguir feitos surpreendentes com seleções medianas, como o quarto lugar da Coreia do Sul em 2002 e a classificação da Austrália para as oitavas-de-final, em 2006. A façanha foi obtida pela Eslovênia. Não se mantiveram: Ucrânia, Suécia, República Tcheca, Polônia e Croácia. Permaneceram: Itália, França, Alemanha, Portugal, Inglaterra, Espanha, Suíça e Sérvia. Retornaram: Dinamarca, Eslovênia e Grécia. Estreia: Eslováquia. OCEANIA: Único continente sem direito a uma vaga direta, os países da Oceania sempre precisaram disputar repescagens para confirmarem presença. No passado, os confrontos eram complicados envolvendo adversários da Europa, América do Sul e Concacaf. Desta vez a repescagem foi contra a Ásia. A Nova Zelândia foi beneficiada ainda com a mudança da Austrália para jogar no continente asiático e conseguiu eliminar Bahrein garantindo a vaga. Retornou: Nova Zelândia. *Marco Antonio Campos é Locutor Esportivo

quarta-feira, 18 de novembro de 2009

Módulo 1

01ª Rodada - 24/01/2010 - Domingo Tupi x Ipatinga América x Atlético Cruzeiro x Uberlândia Ituiutaba x Uberaba Villa Nova x América-TO Caldense x Democrata-GV 02ª Rodada - 31/01/2010 - Domingo Atlético x Tupi Uberlândia x América Ipatinga x Cruzeiro América-TO x Ituiutaba Uberaba x Caldense Democrata-GV x Villa Nova 03ª Rodada - 07/02/2010 - Domingo Tupi x Caldense América-TO x América Ituiutaba X Democrata-GV Atlético x Ipatinga Cruzeiro x Villa Nova Uberlândia x Uberaba 04ª Rodada - 13/02/2010 - Sábado América x Tupi Democrata-GV x América-TO Uberaba x Atlético Ipatinga x Uberlândia Villa Nova x Ituiutaba Caldense x Cruzeiro 05ª Rodada - 21/02/2010 - Quarta-feira Tupi x Ituiutaba Atlético x Cruzeiro Democrata-GV x Ipatinga América x Villa Nova Caldense x Uberlândia Uberaba x América-TO 06ª Rodada- 24/02/2010 - Domingo Villa Nova x Tupi Ipatinga x América Cruzeiro x Uberaba América-TO x Atlético Uberlândia x Democrata-GV Ituiutaba x Caldense 07ª Rodada - 28/02/2010 - Domingo Democrata-GV x Tupi Uberlândia x Atlético Ituiutaba x Cruzeiro Ipatinga x América-TO Villa Nova x Uberaba América x Caldense 08ª Rodada - 07/03/2010 - Domingo Tupi x Cruzeiro Atlético x Democrata-GV América-TO x Uberlândia América x Ituiutaba Uberaba x Ipatinga Caldense x Villa Nova 09ª Rodada - 14/03/2010 - Domingo América-TO x Tupi Uberlândia x Villa Nova Atlético x Caldense Democrata-GV x Uberaba Cruzeiro x América Ituiutaba x Ipatinga 10ª Rodada - 21/03/2010 - Domingo Tupi x Uberaba Cruzeiro x América-TO Villa Nova x Atlético Ituiutaba x Uberlândia América x Democrata-GV Ipatinga x Caldense 11ª Rodada - 28/03/2010 - Domingo Tupi x Uberlândia Democrata-GV x Cruzeiro Atlético x Ituiutaba Uberaba x América Caldense x América-TO Ipatinga x Villa Nova A Federação Mineira de Futebol definiu, nesta quarta-feira,18/11, a tabela do Campeonato Mineiro 2010. A competição, que conta com 12 clubes, vai ter início no dia 24 de janeiro, domingo. Todos os clubes se enfrentarão em turno único. Os oito primeiros se classificam para as quartas-de-final, enquanto os dois últimos são rebaixados ao Módulo II.

Campeonato Carioca

Depois de empatar na rodada do último sábado po 0 x 0 com o Nova Iguaçu, fora de casa, e se distanciar da briga direta por uma das duas vagas na elite do futebol do Rio, o Goytacaz terá que fazer o dever de casa para seguir sonhando com o acesso. Nesta quarta-feira, o time da rua do Gás recebe o Artsul, no estádio Ary de Oliveira e Souza, às 16h, em partida válida pela sexta rodada do returno da fase decisiva da Série B do Estadual. O Alvi-anil campista segue na quarta colocação, com 25 pontos, cinco a menos do líder Olaria e a quatro pontos do vice-líder América. O Artsul, por sua vez, aparece em sexto lugar, com 18 pontos ganhos. GOYTACAZ E ARTSUL Estádiol: Ary de Oliveira e Souza horário: 16h Árbitro: Antonio Frederico Maciel dos Santos, auxiliado por Marçal Rodrigues Mendes e José Carlos Batista de Arruda GOYTACAZ: Erivélton, Flávio Medina, Cadão, João Carlos, Hamilton; Bidu, Leandro Leite, Gabriel e Flávio Santos; Jean Sá e Róbson Técnico: Dário Lourenço ARTSUL: Bruno, Luiz Renato, Abílio, Carlos Vinícius e Gean; Maicon, Luan, Vinícius Pereira e Geovane Maranhão; Douglas e Diego Técnico: Rogério Pina Obs: A Rádio Continental AM 1270 khz (www.radiocontinentalam.com.br) transmite o jogo com a equipe do Evaldo Queiroz. Fonte: www.fmanha.com.br

terça-feira, 17 de novembro de 2009

Literatura

Os aficionados por corrida já podem incluir um novo livro na prateleira. Rodolfo Reckziegel de Lucena, jornalista expert no assunto, acaba de publicar o "+Corrida", que traz dicas de treinamento e curiosidades, além de uma seleção de entrevistas com diversos adeptos do esporte. Entre eles, um recordista... Rodolfo Reckziegel de Lucena é Jornalista desde 1975, tendo começado suas atividades profissionais na então chamada imprensa alternativa, imprensa nanica ou simplesmente imprensa de oposição. Colaborou com o jornal “Informação Política”, naquele ano, e, durante o período universitário (Faculdade de Biblioteconomia e Comunicação Social da UFRGS, 1976-1980), participou de várias iniciativas na imprensa estudantil e sindical, sendo um dos participantes no projeto do jornal oposicionista “Hora do povo”, em que atuou de 1979 a 1984. Dedica-se ao jornalismo de informática desde 1984, tendo sido editor-assistente da falecida “Dados&Idéias” no período em que essa publicação pioneira no gênero no país foi editada pela Gazeta Mercantil (1985-1989). Na Folha há 17 anos, edita o caderno “Informática” desde 1995. Publicou em 1976 o livro de contos ‘Abertura 1812‘ (ed.Movimento) e, em 2006, ‘Maratonando, Desafios e Descobertas nos Cinco Continentes‘ (ed. Record), de reportagens sobre suas aventuras corridas. Ultramaratonista, assina uma coluna mensal sobre corridas no caderno “Equilíbrio”, da Folha, e edita o blog +Corrida na Folha Online.

Pitangal (09/06/1942 ) e Pitangui (25/08/1949)

por Carlos Ferreira
Os irmãos Pitangal (Antonio de Paula Neto) e Pitangui (João Alves de Paula) fizeram sucesso no mundo da música sertaneja. Ambos nascidos em Santa Bárbara do Monte Verde, filhos de Olegário de Paula e Maria Aparecida de Paula. Pitangal foi o primeiro que buscou o sucesso. Deixou sua terra natal e veio para Juiz de Fora. Aqui, em 63, além de cantar, fazia programa sertanejo na PRB 3, emissora que ele lembra com carinho, era localizada na rua São João, 197 (o segundo endereço da emissora na cidade). Juiz de Fora ficava pequena para os sonhos e projetos de Pitangal, que num ato de coragem, resolveu fazer sucesso em São Paulo. Na capital paulista, formou dupla com Aladim (Aladim era oriundo da dupla Amorim e Aladim e posteriormente, fez sucesso com Alan). Quando Pitangal resolveu experimentar o sucesso em São Paulo, trouxe para o seu lugar na PRB 3 seu irmão Pitangui, que trabalhou nas rádios Nova Cidade e JF. Estabelecido em Juiz de Fora, Pitangui fazia sucesso no rádio, era compositor e fez dupla com seu irmão Pitangal. Pitangal já havia formado dupla com João Pitanga (daí a origem Pitangui), Zé Caboclo, Serrano e Abel. Na condição de compositor, Pitangui escreveu 60 músicas, que foram gravadas pelo Trio Baque Duro (SP), Joldemir (MT), Goianito e Goianá (RJ) e pelos Filhos de Minas. Pitangui cantou com João Braga, Palmerindo e Juquinha. Cantando com Pitangal, o maior sucesso da dupla foi "Roda Morena". Depois de São Paulo, Pitangal retornou. Continuou cantando e voltou para o rádio. Trabalhou nas rádios Industrial, Capital, Nova Cidade, B3 e JF. Nos bons tempos da rádio Capital ela ocupava, com absoluto sucesso de audiência, dois horários. Das 05 às 07 da manhã e das 17 às 19 horas. No período da tarde o sucesso era fabuloso, com o seu "Pitangal na Capital" ele era a opção para quem não queria acompanhar programas policiais e esportivos das demais emissoras. Enquanto as concorrentes dividiam o público com o mesmo perfil de programa, Pitangal reinava absoluto.  Hoje, pensam que descobriram a pólvora, quando colocam sertanejo durante o dia. Pitangal, com apoio do diretor da emissora, já fazia isso, e bem, nos anos 80. Os irmão Pitangal e Pitangui possuem um estabelecimento comercial na Avenida Getúlio Vargas e Pitangal, que fala com muito orgulho sobre a filha Priscila Cristina, que vai se formar em Engenharia, e o filho Geovane Alberto, que estuda Informática, continua comunicando com seus ouvintes através do programa "Recanto Sertanejo". Pitangui, pai do João Marcos e do Gustavo, ainda planeja retornar ao rádio. O público amante do verdadeiro Sertanejo fica feliz com as atuações do Pitangal e aguarda, ansioso, o retorno do Pitangui.
A Rádio Cultura de Santos Dumont, que no processo de valorização e reconhecimento do trabalho de nossos artistas, continua tocando músicas da dupla e as mais pedidas são: Roda Morena, Parede e Meia, Vem Moreninha, Vida do Sertanejo e Laço de Fita.

Roberto Horcades Figueira

CARTA ABERTA AOS TORCEDORES E ASSOCIADOS DO FLUMINENSE Prezado Associado / Torcedor, Sou sócio do Clube desde 16 de setembro de 1955. Já defendi as cores do Fluminense na natação (de 1955 a 1961) e no tênis (de 1969 a 1970). Como Vice-Presidente Médico, fui Membro do Conselho Diretor em duas gestões. Sou Sócio Benemérito e Conselheiro Nato. O Fluminense está entre as grandes paixões da minha vida, e assumi este cargo de Presidente do Fluminense pelo simples desejo de contribuir para o engrandecimento do nosso Tricolor. Fui eleito e re-eleito, democraticamente, Presidente do Fluminense Football Club, de acordo com todas as regras instituídas pelos poderes constituintes do Clube. Além das preocupações com a administração, propriamente dita, do Clube, onde o projeto de recuperação da Sede Social está em curso, visando o melhor atendimento aos sócios, tanto na área esportiva quanto na social, onde as melhorias são visíveis, tem este Presidente preocupação com a marca "Fluminense", e, evidentemente, com o esporte amador e com o futebol, amador e profissional. Não só por ser médico, mas, sobretudo, por minha formação familiar e pelos anos de convívio neste Clube, tenho respeito a todo ser humano e à democracia. Nesse sentido, reconheço o direito à crítica de todos os associados e tricolores, mas, também, entendo ser merecedor do respeito de todos. Estou de peito aberto para, unidos, tirarmos o futebol profissional, cujo elenco é de alto nível, da atual difícil situação e reingressarmos no caminho de conquistas, lembrando o Campeonato Carioca em 2005, a Copa do Brasil em 2007 e o Vice-Campeonato da Taça Libertadores em 2008. O único caminho é a união. Desagregados nunca teremos êxito. Neste sentido, venho trazer ao seu conhecimento os fatos que refutam as acusações feitas para pedir meu impedimento. A respeito dessas infundadas acusações gostaria de fazer alguns esclarecimentos: Com relação ao passivo alegado no pedido, apresento, em anexo, um demonstrativo de fácil compreensão para os que estão pouco habituados a análises financeiras e a interpretações de balanços. Vale ressaltar que os números apresentados foram auditados por auditores independentes e as contas de todos os anos da minha gestão foram aprovadas pelos Conselhos Fiscal e Deliberativo, em assembléias convocadas para este fim, e que tais aprovações contaram com o voto favorável de vários dos Conselheiros que assinaram o pedido de impeachment. Saliento que os signatários do pedido de impeachment não consideraram o real valor do passivo do Clube no ano de 2004, R$ 194,8 milhões e não R$ 91,6 milhões, nem atentaram para o fato de que, nos anos de 2007 e 2008, foi feita a atualização monetária de todos os processos cíveis e trabalhistas ajuizados em face do Fluminense, além de terem sido provisionados valores para as ações nas quais eram mínimas as possibilidades de êxito, o que provocou um aumento do valor destes passivos, no exercício de 2007, da ordem de R$ 104,5 milhões e, em 2008, de R$ 16,7 milhões. Na venda dos ingressos para a final da Libertadores, o que posso dizer é que faltou experiência por parte de nossa Administração. A procura por ingressos nos surpreendeu, pois achávamos que, por termos dobrado o preço dos ingressos, a procura não seria tão grande. Assim, toda a diretoria, sem exceção, da qual faziam parte muitos dos que assinaram o manifesto próimpeachment, nela incluindo-se o Vice-Presidente Geral, resolveu, por unanimidade, vender para cada um dos membros dos Conselhos Diretor e Fiscal e da Mesa do Conselho Deliberativo uma quantidade significativa de ingressos. Para cada conselheiro foram reservados para venda cinco ingressos e para os sócios, três ingressos. Ainda por força de lei, estavam reservados ingressos para idosos, crianças e portadores de necessidades especiais, além de patrocinadores do Clube e do Campeonato. Desta forma, a quantidade de ingressos destinados ao público ficou em muito reduzida. Este fato gerou protestos, tendo sido abertos inquéritos pelo Ministério Público e pela DECON. No Ministério Público, foi aberto inquérito para apurar responsabilidades, estando em processo de assinatura de um Termo de Ajuste de Conduta, enquanto que o Inquérito Policial, ainda em andamento, não apontou irregularidades ou fraudes na venda dos ingressos. Vale salientar, que todos os assessores, diretores e vice-presidentes demitidos e o Vice-Presidente Geral compraram, cada um, quantidade considerável de ingressos para atender às suas necessidades. A conta em nome do Vice-Presidente Social existiu durante um ano e meio da minha gestão. Eram recursos obtidos pelo próprio Departamento Social e davam respaldo financeiro às realizações dos seus eventos, independente dos recursos do Clube. É importante ressaltar que esta conta corrente, devidamente contabilizada, sofria auditoria independente e análises dos membros do Conselho Fiscal, como qualquer outra conta do Clube. Quando contestada, foi encerrada, embora nenhuma fraude ou indício de má-fé tenham sido constatados. Aliás, registro que os Conselheiros que subscreveram o requerimento de impedimento não imputaram ao Vice-Presidente do Departamento Social a prática de nenhum ato ilícito na gestão dos referidos recursos. Como consequência, assinamos um Termo de Ajuste de Conduta com o Ministério Público, com o objetivo de estreitar os laços entre os torcedores e o Clube e garantir ainda mais transparência da gestão. Quanto a uma possível e inimaginável ingerência da UNIMED na administração do futebol, cumpre esclarecer que quando o Fluminense contrata um jogador assume exclusivamente o pagamento do respectivo salário, competindo ao patrocinador, em alguns casos, a contratação do direito de imagem do atleta. Todos os contratos celebrados entre o Clube e os atletas são registrados na Federação e na CBF, criando-se, assim, o chamado direito federativo, que é o direito que o Fluminense exerce sobre o atleta, em caráter de exclusividade, durante a vigência do contrato, impossibilitando qualquer transferência sem sua anuência, ressalvada a cláusula penal, onde o eventual Clube interessado neste atleta terá que depositar o valor previsto na referida cláusula do contrato registrado na Federação, ou seja, pagar ao Clube que detém o direito federativo a multa rescisória estabelecida no contrato, para ter domínio sobre o direito federativo deste atleta. Mas o que ocorre no Fluminense? Como o patrocinador também investe ao contratar a imagem de alguns atletas, este investimento é respeitado. Caso um clube venha a propor a compra dos direitos federativos de um dos nossos atletas em que ele tenha participação, a ele é dada ciência da proposta, da mesma forma em que lhe perguntamos do seu interesse em participar de uma negociação quando um atleta interessa ao Clube. Isto não significa ingerência, mas parceria em seu exato sentido. O Clube, definitivamente, não é dirigido pelo patrocinador. Este, como parceiro de longo tempo, e com sólido investimento no Departamento de Futebol, tem espaço para manifestar sua opinião a respeito da contratação, venda ou dispensa de determinado atleta. A última palavra SEMPRE é do FLUMINENSE, na medida em que o Clube, de fato, detém os direitos federativos. Por exemplo, se a UNIMED quiser adquirir um jogador e ele não tiver contrato com o Clube, ele não poderá nem ser registrado como jogador do FLUMINENSE na Federação e na CBF. Por outro lado, chega às raias do absurdo a alegação de que o FLUMINENSE, na minha gestão, passou a privilegiar jogadores recém-contratados em detrimento daqueles formados nas divisões de base para o time profissional, especialmente para o FLUMINENSE, que passa por um período difícil no Campeonato e em suas finanças. Quando o Clube contrata um jogador de expressão, o faz com a única intenção de aproveitar sua experiência e qualificação profissional como instrumento de motivação, não só ao jovem jogador como à sua torcida e, principalmente, na obtenção de bons resultados. Aliás, aqui cabe uma indagação: qual o Clube que, nos últimos anos, foi campeão com um time de jogadores formados em suas divisões de base? Nenhum! No entanto, a título meramente explicativo, posso citar algumas transações de venda de jogadores que não custaram absolutamente nada para o FLUMINENSE e que proporcionaram lucro ao Clube: Fabiano Eller (US$ 1.000.000,00), Cícero (R$ 200.000,00), Gabriel (1.200.000,00) e Thiago Neves (R$ 3.500.000,00). Para se ter uma idéia, fácil de ser comprovada, recebemos aproximadamente R$ 42.000.000,00 na venda de atletas e gastamos cerca de R$ 4.000.000,00 na compra, ou seja, um lucro de R$ 38.000.000,00. Como alegar, então, que o FLUMINENSE comprou por muito e vendeu por pouco? No entanto, reconheço que equívocos existiram em alguns casos, algumas más aquisições foram efetivadas, mas qual clube acerta sempre na compra ou venda de um atleta? No que diz respeito ao atraso no pagamento das folhas salariais dos empregados do Clube, é desnecessário informar que estes, em parte, são consequência dos problemas causados pelo comportamento inadequado destes Conselheiros que pedem o meu impeachment, pois eles não prejudicam não apenas o FLUMINENSE como instituição, mas, também, seus funcionários. Tal proposta de impeachment trouxe consigo mazelas, tais como dificuldades de acesso ao crédito junto à rede bancária para pagamento da folha salarial, dos compromissos administrativos e de serviços; trouxe, ainda, problemas que afetaram, ainda que indiretamente, o desempenho dos atletas profissionais e amadores de futebol e respectivas comissões técnicas, diante da intranquilidade política por ela causada. Quanto à insinuação de que eu teria infringido norma estatutária, por ocasião da criação da Vice- Presidência de Patrimônio, vale lembrar que, conforme §1º do Art 39 da Seção do Capítulo VIII do Estatuto, o Presidente poderá criar cargos no Conselho Diretor para vigência durante a sua gestão, desde que receba autorização prévia do Conselho Deliberativo. E foi exatamente isto o que ocorreu; em um primeiro momento, em uma reunião de diretoria em que se fazia presente o Vice- Presidente Geral, a criação do mencionado cargo foi aprovada por unanimidade e, posteriormente, em reunião do Conselho Deliberativo especialmente convocada para esse fim, a criação do cargo foi homologada na presença, inclusive, de inúmeros signatários do pedido de impeachment. Destaque-se, conforme o artigo 53 do nosso estatuto, que são motivos para se pedir o impedimento do Presidente: a) Ter ele praticado crime infamante, com trânsito em julgado da respectiva sentença condenatória: Nunca respondi a qualquer processo criminal. b) Ter sido decretada a falência de empresa em que ele seja diretor responsável: Não sou diretor de empresa. c) Ter acarretado, por ato ou omissão, prejuízo considerável ao patrimônio ou à imagem do Clube: Isto não ocorreu. d) Não terem sido aprovadas as contas de sua gestão: Foram todas aprovadas pelos Conselhos Fiscal e Deliberativo, e tais aprovações contaram com o voto favorável de vários dos que assinaram o pedido de impeachment. e) Ter ele infringido, por ação ou omissão, expressa norma estatutária: Isto não aconteceu. Prezado Associado, VAMOS NOS UNIR, POIS UNIDOS VENCEREMOS A CRISE. Não é hora de divisões. Como sempre fiz em minha vida, empenho-me para que a verdade venha a público e que se faça justiça, com final feliz, que traga benefícios para o nosso Fluminense Football Club. Humildemente, e de coração aberto, conclamo a todos os tricolores que esqueçam as desavenças e colaborem para o bem único e exclusivo do nosso Fluminense. Desejo, sinceramente, que minhas explicações e satisfações tenham sido claras e transparentes; elas são fáceis de serem comprovadas e os demonstrativos, em anexo deverão servir para que você conheça toda a verdade. Se dúvidas persistirem, me procurem, terei prazer em elucidá-las. Estarei presente, como sempre faço, na Sede Social do nosso Clube, podendo recebê-lo na parte da manhã. Espero que você, prezado Associado e apaixonado pelo nosso Clube, entenda a razão da apresentação do meu pedido de impeachment, pois ele visa, unicamente, atender a interesses meramente políticos e pessoais. Saudações Tricolores, Roberto Horcades Figueira Presidente