domingo, 31 de maio de 2009

Porque não um terceiro mandato

Ataíde Lemos* De tempo em tempo ressurge alguém levantando a hipótese de terceiro mandato na tentativa de manter Lula no poder. Enfim, se procura construir uma ditadura nas sombras de um discurso falso de democracia.
Qualquer pessoa por menor cultura que possua sabe que disputar uma eleição com um candidato que esteja no poder é uma disputa desigual, pois se concorre com alguém que detem todo o poder e a máquina do Estado. Concorre com alguém que tem o poder da caneta, concorre com alguém que tem o dinheiro na mão. Enfim, concorre com um candidato que tem poder de usufruir todas as artimanhas que a política lhe pode proporcionar.
Portanto, criar um Artigo na Constituição Federal que estabeleça um terceiro mandato é antiético, é imoral, é de fato mudar o regime político do país para uma ditadura proporcionando para apenas um grupo político manter-se no poder. Em suma, é tirar da sociedade o direito de escolha, ainda que re-eleições parte do princípio que tais escolhas sejam feita pela sociedade.
Um regime de re-eleições permanentes somente seria condizente se o governo fosse parlamentarista, pois assim, o presidente seria mais imagem figurativa, pois o Primeiro Ministro é quem de fato governa o país, e, este pode ser destituído a partir do momento que não está mais satisfazendo a sociedade ou se envolve em escândalos.
A alternância de poder é saudável para a sociedade, pois dá a ela a possibilidade de que escolher outros projetos de políticos. Proporciona à sociedade desenvolver-se, pois, a partir do momento que um grupo político deseje governar terá que fazer melhor que seu antecessor. Quando não há esta alternância, um mesmo grupo acaba fazendo sempre o trivial e usando apenas da maquina do Estado nos períodos eleitorais para construir no emocional do eleitor que ele é a melhor opção.
O que a sociedade precisa ficar atenta é que, quando se permite uma ditadura disfarçada de democracia não é somente o presidente, o governador ou o prefeito que a sociedade está deixando no poder, mas sim, todo uma máquina administrativa, todo um grupo políticos, todo um secretariado nos diversos escalões de governo e isto é nocivo para a sociedade de um modo geral, pois estes vão construindo raízes no poder de maneira tal que tira toda a possibilidade do desenvolvimento e da democratização de um país. Numa sociedade de quase duzentos milhões de habitantes há muitas pessoas com capacidade política e administrativa para governa-lo.
É importante ressaltar que o regime político como se encontra com a re-eleição ( dois mandatos ) tem de certa maneira proporcionado satisfazer o ego daqueles que gostam do poder, pois, mesmo que seja difícil enfrentar um candidato que esteja na situação , certamente, se o atual não fizer um bom governo os eleitores retornarão seu antecessor novamente.
Em suma, a sociedade precisa perceber que a re-eleição acima de dois mandatos consecutivos nada mais é que uma satisfação pessoal do político no executivo, já passando a ser uma doença psicológica de alguém pelo poder, e que também possibilita o enraizamento de um grupo no poder, minando de forma sutil e sistemática a democracia. Enfim, é dar alimento para uma célula que se tornou cancerígena e que fatalmente levará a destruição de um país; exemplos são o que não faltam na história mundial e brasileira. *Ataíde Lemos é Poeta e Escritor

A NATUREZA NÃO RECLAMA, VINGA-SE

Faustino Vicente*
A palavra grega ISO, que significa igualdade, é a sigla da International Organization for Standardization, ou seja, Organização Internacional para Normalização,fundada em 1947, e localizada em Genebra,na Suíça. Trata-se de uma entidade não-governamental que edita uma série de normas técnicas, reconhecidas internacionalmente, que visam padronizar e melhorar a qualidade de produtos e serviços de empresas do mundo todo. Milhares de empresas, de mais de uma centena de países, têm investido na busca de um Certificado de Qualidade ISO.
Ela pode ser entendida como:
– escreva o que e como você faz, e faça como você escreveu.
Do elenco de normas existentes daremos destaque,nesta oportunidade, para a ISO14.001
– Sistema de Gerenciamento Ambiental –, que objetiva prevenir, eliminar ou minimizar os efeitos nocivos ao meio ambiente causados por empresas privadas e públicas.
Os passos para a implementação desta norma estão assim definidos:
- 1.) Comprometimento e definição da política de meio ambiente.
- 2.) Planejamento do sistema de gestão ambiental (SGA).
- 3.) Implementação do SGA.
- 4.) Medições e avaliações.
- 5.) Revisão e melhorias contínuas.
Conscientizar, envolver e comprometer – do presidente ao servente – é de fundamental importância para que o SGA atinja as metas pré-estabelecidas. Acompanhar rigorosamente, e validar, cada uma das etapas do processo operacional da fabricação de produtos, e da prestação de serviços, é procedimento obrigatório para garantir o equilíbrio do meio ambiente e a melhoria continuada da qualidade de vida.
Para que o SGA seja bem-sucedido é recomendável fazer um diagnóstico através do diagrama dos 7Ms:
1) mercado, 2) mão-de-obra, 3)matéria-prima, 4)máquinas, 5) método, 6) medição e 7) meio ambiente. Essa análise crítica nos levará a reduzir as possibilidades de poluição, reutilizar parte do que já foi usado, reciclar todo tipo de sucata e reinventar novos processos operacionais para a fabricação de produtos e prestação de serviços. A agressão ao meio ambiente é,também, um desrespeito à massa consumidora, que está tendo a sua percepção despertada para recusar produtos e serviços de empresas ecologicamente incorretas.
Os gravíssimos problemas que estão ocorrendo com o aquecimento global não devem ser atribuídos apenas á uma parcela da classe empresarial,pois os governantes,também, têm a sua parte de responsabilidade na degradação do meio ambiente.Políticas públicas ineficientes, fiscalização insuficiente, investimentos em saneamento básico aquém das necessidades,excesso de burocracia e corrupção, são fatores da mesma equação – ações públicas ineficazes.
Além da iniciativa privada e dos órgãos públicos cabe, a cada um dos seis bilhões e seiscentos milhões de habitantes do planeta azul, a sua cota de responsabilidade pela preservação do meio ambiente. Combate de desperdício de toda espécie, redução do volume de lixo,coleta seletiva, jogar o lixo no lixo, incentivos á cooperativas de coleta e implementação da CIPRAM – Comissão Interna de Preservação Ambiental são medidas indispensáveis á qualidade de vida. A educação pode contribuir para que tenhamos maior consciência sobre a chamada - Pegada Ecológica, que significa o “quanto da terra produtiva, área florestal, energia, habitação, água, mar, urbanização e capacidade de absorção dos dejetos cada pessoa necessita, para viver de forma minimamente digna.
A esse conjunto de fatores, Martin Rees e Mathis Wackermagel, deram o nome de pegada ecológica,cujo estudo indica 2,8 hectares para cada pessoa”. Numa simples reflexão sobre alguns textos da Bíblia (Gênesis 1, 24-31 + 2,1-19 e Deuteronômio 8,7-10), podemos encontrar referências sobre a preservação do meio ambiente, desenvolvimento sustentável do ser humano e a destinação social dos recursos naturais da terra.
Ah! A natureza não reclama dos maus tratos – vinga-se (Apocalipse 11:18).
*Faustino Vicente é Advogado, Professor e Consultor de Empresas e de Órgãos Públicos.

Série C 2009

Wagner Augusto*
Com uma péssima atuação do árbitro tocantinense Francisco Leone de Oliveira, o Ituiutaba empatou com o Gama por 1x1 no Estádio Bezerrão. O Boa foi melhor durante toda a partida e não saiu de campo com a vitória devido aos erros capitais do apitador. O primeiro tempo começou com o Gama mais ofensivo e o Ituiutaba bem postado em campo buscando explorar os contra-ataques. Aos 10 minutos, o Boa fez um gol com Paulinho Pedalada, porém, o árbitro anulou, inexplicavelmente, o lance. Aos 15 minutos, Diego Mineiro arriscou de fora da área e obrigou o goleiro Alencar a fazer uma difícil defesa.
A partir daí, o Gama conseguiu se organizar melhor em campo e chegou com mais perigo à meta defendida por Jonatas. O volante Ferrugem perdeu uma excelente chance aos 18 minutos, isolando uma bola de dentro da pequena área. Aos 20, Marco Antônio acertou a rede pelo lado de fora e assustou os 50 torcedores da Coruja que viajaram até o Distrito Federal para apoiar o Ituiutaba.
Aos 29, o estreante Ivonaldo desferiu um forte chute que foi defendido em dois tempos por Jonatas. As duas outras boas oportunidades de gol na primeira etapa foram do Boa com o atacante Tito: aos 30, num tiro à queima-roupa, Alencar defendeu, e aos 42, numa cabeçada que passou rente à trave após cobrança de escanteio de Betão.
No intervalo, o técnico Nedo Xavier reclamou com o árbitro Francisco Leone de Oliveira da marcação excessiva de faltas contra o Ituiutaba.
O segundo tempo começou com o Boa ainda mais bem postando em campo e aos 14 minutos Rafhael Pulga desperdiçou uma excelente chance depois de cruzamento de Paulinho Pedalada. Aos 18, o mesmo Rafhael construiu pela direita a jogada do gol do Ituiutaba, que foi marcado por Lúcio Flávio, com muita categoria.
O Gama se mandou para o ataque e na base da pressão criou algumas boas oportunidades de gol. Começou, então, a brilhar a estrela do goleiro Jonatas, que operou milagrosas defesas em arremates de Ferrugem e Keké.
Aos 36, os temores do técnico Nedo Xavier se materializaram quanto à arbitragem. Em completo impedimento, o atacante Johnes chutou para as redes. O próprio jogador gamense se assustou com a liberdade e olhou para o bandeira antes de concluir a jogada. O lance provocou grande revolta na defesa tricolor.
No último minuto da partida, Lúcio Flávio se livrou do marcador e soltou um petardo, que foi defendido por Alencar. A Coruja merecia resultado melhor.
FICHA TÉCNICA
31/5/2009 – domingo – 16h – Campeonato Brasileiro da Série C
Gama-DF 1x1 Ituiutaba
Gols – Johnes (36’ do 2º) (G) – Lúcio Flávio (18’ do 2º) (I)
Público – 2.008
Renda – R$13.944,00
Local – Estádio Bezerrão (Gama-DF)
Árbitro – Francisco Leone de Oliveira (TO), Assistente 1 – Gilvan Cavalcante dos Santos (TO) Assistente 2 – Francisco Casimiro de Sousa (TO) 4º Árbitro – Sérgio Antônio dos Santos (DF) Cartão Amarelo – Ferrrugem, Doda, Rizo Surubim (G) – Betão, Diego Mineiro, Tito (I), Cartão Vermelho – Betão (25’ do 2º) (I)
Gama – Alencar; Ivonaldo, Paulão, Rizo Surubim e Ivan; Renan, Ferrugem, Marco Antônio (Thiaguinho) (intervalo) e Doda (Roberto Santos) (23’ do 2º); Johnes e Luís Carlos (Keké) (12’ do 2º) Técnico – Pedrinho Rocha
Ituiutaba – Jonatas; Mateus, Neylor, Cléberson e Betão; Claudinei, Olívio, Rafhael Pulga e Diego Mineiro (Lúcio Flávio) (12’ do 2º); Paulinho Pedalada (Carlinhos) (26’ do 2º) e Tito (Andrezão) (33’ do 2º) Técnico – Nedo Xavier.
*Wagner Augusto é Assessor de Imprensa do Ituiutaba

Copa de 2014

A Fifa anunciou neste domingo as 12 cidades brasileiras que receberão os jogos da Copa do Mundo de 2014, espalhadas por todas as regiões do País.
São elas:
São Paulo, Rio de Janeiro e Belo Horizonte, da região Sudeste;
Porto Alegre e Curitiba, no Sul;
Brasília e Cuiabá, no Centro-Oeste;
Salvador, Recife, Fortaleza e Natal, no Nordeste;
Manaus, no Norte.
Ficaram de Fora:
Belém e Rio Branco (Norte), Campo Grande e Goiânia (Centro-Oeste) e Florianópolis (Sul). A lista não teve nenhuma surpresa, já que essas cidades eram apontadas como favoritas entre as 17 candidatas.
Originalmente deveriam ser apenas 10 sedes, mas a Fifa atendeu ao pedido do presidente da CBF, Ricardo Teixeira, e do governo brasileiro.

Rádio Vaticano

Rádio transmitirá comerciais pela 1ª vez
Pela primeira vez em seus 78 anos de história, a Rádio do Vaticano vai abrir sua programação para a inserção de comerciais. O dinheiro será usado para a manutenção da rádio, que atualmente custa por ano aos cofres da Igreja 30 milhões de dólares (cerca de 60 milhões de reais).
A emissora, uma das mais antigas do mundo, começou a operar em 1931, usando um transmissor projetado pelo italiano Guglielmo Marconi, que fez a primeira transmissão de voz em longa distância.
A rádio, conhecida como a Voz do Papa, vai começar a transmitir publicidade a partir do dia 6 de julho. Antes dos anúncios irem ao ar, uma agência de publicidade contratada pelo Vaticano vai verificar se o conteúdo dos comerciais condizem com os padrões morais da Igreja Católica.
Atualmente, a emissora transmite sua programação em 47 línguas, inclusive o português. A autorização para a introdução de comerciais na grade foi dada pelo próprio papa Bento XVI. A rádio espera atrair anunciantes de todo o mundo.
Ouça a Rádio Vaticana em português através da internet: www.radiovaticana.org

Enquanto isso, o povo continua Esperando Godot

Geraldo Muanis*
Em outubro de 1988, Juiz de Fora vivia os últimos meses da administração Todos Juntos, do prefeito Tarcísio Delgado.
O tradicionalismo político seria quebrado com a inimaginável vitória do radialista Alberto Bejani para reger os destinos do município, um golpe até hoje não bem digerido por quem semprese julgou o dono do terreiro e da consciência do eleitor. Os quatro anos - 89 a 92 - que se seguiram, ditos "Do Povo para o Povo", foram no melhor estilo arrasa-quarteirão. A Prefeitura funcionava na esquina de Avenida Rio Branco com Rua Halfeld. Ao lado, estava a Câmara dos Vereadores, onde a tropa de choque bejanista se engalfinhava contra um bloco de esquerda de quatro ou cinco gatos pingados. A aldeia virou um reduto collorido, com assistencialismo barato e populismo.
Bejani ainda estava casado com a vereadora Márcia Bejani e as denúncias contra um e outro se sucediam. Os escândalos reverberavam pelos corredores da Casa Legislativa e do Paço Municipal e atroca de secretários se assemelhava ao movimento de motel de beira de estrada. No final da administração, a nau bejanista afundava e alinhados de primeira hora saíam atirando parasalvar a própria pele. Como ratos no porão do navio.
Nas eleições que se seguiram, Custódio Mattos (93 a 96) trouxe a estrela reluzente da Mercedes com um mar de promessas e desenvolvimento. E um bando de tucanos com o bico empinadopara mostrar que chegara a hora do caviar, embora o populachotivesse que se contentar mesmo era com jiló.Tarcísio Delgado retornou em 97 e manteve a hegemonia política até 2004, já no antigo prédio da Rede, na Avenida Brasil.
O cansaço com os políticos e a política trouxe Bejani devolta para os braços do povo, em 2005. Agora, ladeado porVanessa Loçasso. No ano passado, acusado de desvio dedinheiro público destinado ao Fundo de Participação dos Municípios e de cobrar propina de empresários para autorizar o aumento da passagem de ônibus da cidade, Bejani passou uma temporada na Penitenciária Nelson Hungria, em Contagem.
No dia 16 de junho, renunciou para não perder os direitospolíticos. José Eduardo Araújo terminou o mandato e passou obastão para Custódio, que retornou com a missão de devolver amoralidade à administração e recuperar a imagem de JF. Enquanto isso, o povo continua que nem os personagens de Samuel Beckett: Esperando Godot.
De promessa em promessa, Juiz de Fora reafirma sua vocação de cidade-enceradeira, aquela que dávoltas e nunca sai do lugar.
*Geraldo Muanis é Jornalista e Historiador

Padre João Fagundes Hauck (09/07/1922-29/05/2009)

Foi sepultado, no no Jardim da Ressurreição do Cemitério da Glória, no final da manhã de ontem, 30/05, o corpo do padre João Fagundes Hauck. O padre morreu na última sexta-feira, dia 29 de maio de 2009, no Hospital Doutor João Felício, em Juiz de Fora, aos 86 anos de idade. Ele estava internado desde o dia 24 de abril e morreu em decorrência de falência múltipla de órgãos e insuficiência respiratória. O corpo foi velado na Igraja da Glória. Trajetória: Há 35 anos, Padre João residia na Comunidade Redentorista da Igreja da Glória. Ele nasceu em 09 de julho de 1922, na cidade de Santos Dumont (MG). Em 1927, perdeu seus pais, João Hauck e Adalzgiza Fagundes Hauck, de febre Tifóide. Teve quatro irmãos: Rafael, Celso, Oswaldo e Nilton ( também padre Redentorista) que já faleceram e uma irmã, Adalgiza. Quando ficou órfão, foi enviado para Juiz de Fora e criado por Dona Antônia. Como tudo em sua história de vida, seus estudos também começaram muito cedo. Aos cinco anos já frequentava o Grupo Escolar Antônio Carlos Mariano Procópio, em Juiz de Fora, e o catecismo com o Pe. Adriano Wiengant.Com 10 anos foi para o Juvenato de Congonhas. Pensava em estudar medicina, mas no fim do 4º ano, tanto insistiu o catequista Pe. Adriano em ter alguém que o sucedesse, que aceitou ser padre.Em 1939, fez o noviciado na Igreja de Nossa Senhora da Glória. Em 1940, em Tietê, SP, concluiu os cursos de Filosofia e Teologia e, em 1945, veio para se estabelecer no Seminário da Floresta, Juiz de Fora, ainda em construção. Em 5 de agosto de 1945, foi ordenado, na Igreja da Glória, por Dom Justino José de Santana, então Bispo de Juz de Fora. De 1946 a 1950, foi professor no Seminário Menor de Congonhas, onde também foi nomeado "Sócio" do diretor. Em 1950, foi chamado a Roma pelo Padre Gera Leonardo Buys, onde estudou História da Igreja na Universidade Gregoriana (Roma), defendendo, em maio de 1954, sua tese de doutorado. Quando voltou ao Brasil, veio para o Seminário da Floresta, em Juiz de Fora, onde deu aulas de várias disciplinas até 1969. Nesta época, a casa foi fechada e ele se tornou professor da Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF), onde lecionava História do Cristianismo. Também foi professor da PUC do Rio de Janeiro e de Belo Horizonte, lecionando sobre História da Igreja no Brasil.De 1969 até 1974, integrou-se às chamadas "novas comunidades vocacionais" (casas alugadas para vida em comunidade). Nesse período (1972) começou a participar do Centro de Estudos de História da Igreja Latino-Americana (CEHILA), de composição internacional. Em 1974, veio para a Igreja da Glória e continuou, até 2003, ministrando cursos esporádicos de História, como o de Ilhéus (BA), que acontecia uma vez ao ano, durante três semanas. Ao longo dos últimos 24 anos, também atuou na formação dos filósofos; foi reitor do Seminário da Floresta e da Igreja da Glória. Sempre lembrado por sua intensa participação em acampamentos (principalmente com os seminaristas redentoristas) e no Grupo de Escoteiros Alvorada (desde 1962). Padre João também participou do Rotary (desde 1997), e era membro do Instituto Histórico São Tomás de Aquino, em Juiz de Fora. Recebeu os títulos de "Cidadão Honorário de Juiz de Fora" (1988), "Comenda Henrique Guilherme Fernando Halfeld" (1992) e "Comenda Benjamin Colucci" (2003), outorgada pela Ordem dos Advogados do Brasil. Fonte: Assessoria da Igreja

Arquidiocese de Juiz de Fora

A Arquidiocese de Juiz de Fora (Archidioecesis Iudiciforensis) é uma circunscrição eclesiástica da Igreja Católica no estado de Minas Gerais. A criação da Diocese de Juiz de Fora deu-se através da bula Ad sacrosancti apostolatus officium do Papa Pio XI, sendo desmembrada da Arquidiocese de Mariana. Sua elevação a arquidiocese aconteceu pela bula Qui tanquam Petrus do Papa João XXIII. Sua sé episcopal está na Catedral Metropolitana de Santo Antônio, na cidade de Juiz de Fora.
Divisão territorial: O território da arquidiocese abrange 84 paróquias distribuídas em 37 municípios do estado de Minas Gerais, dos quais cinco são da região do Sul de Minas (Arantina, Bocaina de Minas, Bom Jardim de Minas, Liberdade e Passa-Vinte), uma da região do Campo das Vertentes (Santana do Garambéu) e 31 da Zona da Mata Mineira (Juiz de Fora, Aracitaba, Belmiro Braga, Bias Fortes, Bicas, Chácara, Chiador, Coronel Pacheco, Descoberto, Ewbank da Câmara, Goianá, Guarará, Lima Duarte, Mar de Espanha, Maripá de Minas, Matias Barbosa, Olaria, Pedro Teixeira, Pequeri, Piau, Rio Novo, Rio Preto, Rochedo de Minas, Santa Bárbara do Monte Verde, Santana do Deserto, Santa Rita de Ibitipoca, Santa Rita de Jacutinga, Santos Dumont, São João Nepomuceno, Senador Cortes e Simão Pereira). A Arquidiocese de Juiz de Fora forma, juntamente com as Dioceses de Leopoldina e de São João del Rei, a Província Eclesiástica de Juiz de Fora. Bispos e arcebispos Dom Justino José de Sant'Ana (1924 — 1958 ) Dom Geraldo Maria de Morais Penido (1958 — 1977 ) Dom Juvenal Roriz (1978 — 1990 ) Dom Clóvis Frainer (1991 — 2001) Dom Eurico dos Santos Veloso (2001 — 2009) Dom Gil Antônio Moreira (2009 - atualidade)
Fonte: Arquidiocese de Juiz de Fora

Juiz de Fora-MG, 31/05/1850

Juiz de Fora é um município brasileiro do estado de Minas Gerais, situado na Zona da Mata Mineira, sendo o quarto maior município do estado, o segundo do interior de Minas, em população, superado apenas por Belo Horizonte, Uberlândia e Contagem, com uma população estimada pelo IBGE para 2008 de 520.612 habitantes. É a 35ª maior cidade do Brasil (segundo o IBGE). Origens As origens de Juiz de Fora remontam a época do Ciclo do Ouro, portanto confundem-se com a história de Minas Gerais. A Zona da Mata, então habitada pelos índios puris e coroados, foi desbravada com a abertura do Caminho Novo, estrada construída em 1707 para o transporte do ouro da região de Vila Rica (Ouro Preto) até o porto do Rio de Janeiro. Diversos povoados surgiram às margens do Caminho Novo estimulados pelo movimento das tropas que ali transitavam, entre eles, o arraial de Santo Antônio do Paraibuna povoado por volta de 1713. Em 1850, o arraial de Santo Antônio do Paraibuna foi elevado à categoria de vila, emancipando-se de Barbacena (Minas Gerais) e formando um município. A elevação à categoria de cidade ocorreu quinze anos depois, quando foi adotada a denominação de Juiz de Fora. Este curioso nome gera muitas dúvidas quanto à sua origem. O juiz de fora era um magistrado nomeado pela Coroa Portuguesa para atuar onde não havia juiz de direito. A versão mais aceita pela historiografia admite que um desses magistrados hospedou-se por pouco tempo em uma fazenda da região, passando esta a ser conhecida como a Sesmaria do Juiz de Fora. Mais tarde, próximo a ela, surgiria o povoado. A identidade exata e a atuação desse personagem na história local ainda são polêmicas. Um personagem de grande importância no município foi o engenheiro alemão Heinrich Wilhelm Ferdinand Halfeld (Henrique Guilherme Fernando Halfeld), que empresta seu nome a uma das principais ruas do comércio local e ao parque situado no centro da cidade, no cruzamento da mesma rua Halfeld e a Avenida Barão do Rio Branco, entre o prédio da Prefeitura Municipal, a Câmara dos Vereadores e o Fórum da Comarca. Halfeld, após realizar uma série de obras a serviço do Estado Imperial Brasileiro, acaba por fixar residência na cidade, envolve-se na vida política, constrói a Estrada do Paraibuna e promove diversas atividades no município, sendo considerado um de seus fundadores. O outro fundador é Antonio Dias Tostes. Pioneirismo e imigração A partir de 1850, Juiz de Fora passa a vivenciar um processo de grande desenvolvimento econômico proporcionado pela agricultura cafeeira que se expandia pela Zona da Mata mineira. Por iniciativa de Mariano Procópio Ferreira Lage, inicia-se a construção da primeira via de transporte rodoviário do Brasil: a Estrada União e Indústria, com 144 km de Petrópolis a Juiz de Fora, com o objetivo de encurtar a viagem entre a Corte e a Província de Minas e facilitar o transporte do café. Mariano Procópio Ferreira Lage contrata então 1.193 imigrantes alemães para a construção da estrada e cria um núcleo colonial que, com a finalização das obras da União e Indústria, volta-se para a produção de gêneros agrícolas e dá origem à Colônia D. Pedro II, hoje atual bairro São Pedro. Os colonos fixaram-se também na Vila São Vicente (atual Borboleta) e na Rua Mariano Procópio. Os imigrantes que chegaram a Juiz de Fora vieram em busca de uma melhor condição de vida e, após o fim da construção da estrada, se dedicaram às profissões que praticavam na Alemanha. Os alemães que vieram para Juiz de Fora em 1858 foram os primeiros protestantes a chegar em Minas Gerais. Entre algumas das realizações culturais da imigração alemã está a vinda das freiras da Congregação das Irmãs de Santa Catarina. Elas vieram para o município em 1900 e fundaram o Colégio Santa Catarina, a fim de instruir as crianças da Colônia Alemã. Educação superior Localiza-se na cidade a Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF), uma das melhores do Brasil, segundo o Ministério da Educação. Fundada em 1960, conta hoje com mais de 10.000 alunos em diversas áreas de ensino. A cidade também é atendida por outras instituições de ensino superiores tais como:
Centro de Ensino Superior de Juiz de Fora (CES/JF),
Faculdade Metodista Granbery (FMG),
Universidade Estácio de Sá,
Instituto Vianna Júnior,
Faculdade DOCTUM,
Faculdade Machado Sobrinho,
Universidade Presidente Antônio Carlos (UNIPAC),
Faculdade do Sudeste Mineiro (FACSUM),
Universidade Salgado de Oliveira (UNIVERSO), entre outras.
Geografia Juiz de Fora é o município mais extenso da Zona da Mata. Totalizando uma área de 1.436,8 km², é formado por 4 distritos: Juiz de Fora, Sarandira, Torreões e Rosário de Minas. As terras do município encontram-se inseridas na Bacia do rio Paraíba do Sul. A cidade ergue-se às margens de um dos principais afluentes do Paraíba do Sul, o Rio Paraibuna, que corta o município no sentido norte-sul. Outros rios importantes que banham o município são os rios Cágado e do Peixe, afluentes do Paraibuna. De acordo com dados da Prefeitura, o município conta com 43 museus e pontos turísticos. Os principais são: - Museu Mariano Procópio: O primeiro museu de Minas Gerais e o terceiro do Brasil, traz um dos mais abrangentes acervos do período imperial brasileiro. - Museu de Arte Moderna Murilo Mendes com obras de Picasso, Miró, Guignard, Ismael Nery, Goeldi, Franz Weissman, Léger, Magritte, Max Ernst e outros artistas, constitui-se uma das principais coleções de arte moderna do Brasil. - Rua Halfeld: a principal rua da cidade, com cafés, cinemas, galerias e lojas. Nela se localizam o painel "Cavalinhos", de Portinari, no Edifício Clube Juiz de Fora, o Parque Halfeld, com coreto, parque infantil e árvores centenárias, a Câmara Municipal e o Cine-Theatro Central. - Cine-Theatro Central: Inaugurado em 30 de março de 1929, é um dos mais importantes teatros do país. Tombado pelo Patrimônio Histórico Nacional, foi restaurado e reinaugurado em 1996. - Parque da Lajinha: Área verde de 140 mil metros quadrados, possui trilhas para caminhada e mountain bike, lago e amplo espaço aberto. - Morro do Imperador: Conhecido também como Morro do Cristo e Morro da Liberdade, o Morro do Imperador, a 1.492 m do nível do mar, é um dos pontos mais altos de Juiz de Fora. É assim denominado porque, em 1861, D. Pedro II o escalou para apreciar a vista da cidade. Nas comemorações da passagem do século, nele foi construída uma capela e, em 1906, um monumento ao Cristo Redentor, símbolo da vitória contra uma epidemia que assolou o município. Lá se encontra também uma torre helicoidal, primeira do tipo na América do Sul, que serviu à TV Industrial, emissora pioneira em geração de imagens no interior brasileiro. - Usina de Marmelos Zero: Construída pelo industrial Bernardo Mascarenhas e inaugurada em 1889, trata-se da primeira usina hidrelétrica da América do Sul. - Aeroclube de Juiz de Fora: Oferece vôos panorâmicos sobre a cidade e atividades aerodesportivas. - Campus da UFJF: Localizado na parte alta da cidade, a 5 km do centro, ocupa uma área de 1.325.811 m², cercada de verde, local propício ao lazer e à prática de caminhadas e passeios de bicicleta. - Igreja Melquita de São Jorge: Umexemplar da arte moderna no Brasil, a Igreja projetada por Jorge Staico é referência em arquitetura, além de ser uma das poucas Igrejas Orientais no Brasil. - Outros museus: Museu do Crédito Real, Museu Ferroviário, Museu do Folclore, Museu de História Natural da Academia Fonte: wikipedia

sábado, 30 de maio de 2009

Google apresenta "e-mail do futuro"

O Google apresentou, durante a conferência para desenvolvedores I/O, o protótipo de um novo produto chamado Wave. Sem nenhuma modéstia, o gigante das buscas definiu seu projeto como “o e-mail do futuro”. A expressão é de Lars Rasmussen - coordenador do Wave e um dos cérebros por trás do Google Maps – que apresentou o aplicativo online como algo que “vai transformar o e-mail numa ferramenta integrada de colaboração, comunicação e rede social”. O Wave ainda não está disponível para testes dos usuários e uma versão beta é aguardada para qualquer momento “ainda este ano”.Segundo a apresentação do Google, o serviço vai reunir numa só plataforma várias aplicações populares de web 2.0. Ao fazer um login no Wave, você poderá ler seus e-mails, criar e editar arquivos em rich text, editar planilhas, publicar e compartilhar fotos, explorar ferramentas de chat e mensagens instantâneas, vídeos e mapas. Todos estes recursos ficam disponíveis numa única interface e cada usuário deve adicionar os amigos que farão parte de sua “wave”, ou seja, poderão ver suas fotos, editar textos de forma colaborativa (múltiplos editores com o acesso a um único documento) e trocar mensagens. O e-mail também passa a funcionar em tempo real, ou seja, entre duas pessoas trocando Gmail não há atraso para o recebimento da mensagem.Rasmussen, no entanto, não deixou claro se será possível apenas ler mensagens do Gmail no Wave ou se a ferramenta suportará outros serviços de webmail. Mas a ideia do Google é deixar a plataforma aberta para receber o maior número de contribuições possível de desenvolvedores terceiros.Um dos alvos do Google são as redes sociais. Se tiver sucesso em atrair parceiros, será possível ver fotos, textos e atualizações de perfil de várias redes tudo dentro do Wave. Inicialmente, o orkut deve ser o primeiro serviço a ser integrado ao Wave. Mas a ideia do Google é atrair outros parceiros. As redes sociais mais desejadas são Facebook, MySpace e Twitter. Fonte: www.adnews.com.br

Radiodifusão

Qual será o caminho? Especialistas reunidos em Brasília durante o 25° Congresso da ABERT (Associação Brasileira de Emissoras de Rádio e Televisão) parecem ter chegado a algumas conclusões a respeito do futuro do rádio. 1°: Ele será digital (o padrão deve ser o americano) 2°: A convergência das mídias é mais benéfica do que o contrário (3G, internet, etc...) 3°: As redes via satélite ganharão força (com janelas locais na programação) 4°: Talvez o AM tenha um padrão diferente ( pode ser o DRM) 5°: Muitos radiodifusores irão migrar para o FM (a Tupi Am já está fazendo isso, mas outras já fizeram nos grandes centros, como a Rádio Bandeirantes de São Paulo) 6°: Os radiodifusores precisam se reunir em torno das Associações regionais 7°: O negócio rádio pode ficar inviável economicamente 8°: Emissoras religiosas ou de políticos devem prevalecer em cima das comerciais 9°: Não é hora de desistir de manter o rádio gratuito e federativo no Brasil AM em alerta máximo Ficou claro no 25° Congresso de Radiodifusão realizado, de 19 a 21/05, em Brasília, que o rádio Am passa por um momento delicado. A perspectiva do digital não se confirmou com o sistema americano e o DRM ainda precisa ser testado. Como há uma inclinação dos radiodifusores para o IBOC a saída para o rádio AM talvez seja a de aproveitar os canais adjacentes do FM Digital para colocar as emissoras de AM de novo no páreo da digitalização.O problema é que nem todo radiodifusor proprietário de rádio AM tem canal em FM. Então o que fazer? O Fórum do Rádio AM, presidido por Hilton Alexandre (proprietário da Rádio do Comércio de Barra Mansa e presidente da Aerj) tenta buscar soluções. São propostas como a criação de um selo de qualidade que permita que o ouvinte de AM possa indentificar, na hora da compra do receptor na loja, quais marcas possuem aparelhos com qualidade de recepção compatíveis com o padrão de sugerido pela ABERT. Outra: Que o Governo analise a possibilidade de passar - logo que isso seja viável - o canal de 06 VHF, que será entregue pelas emissoras de TV ao Minicom assim que completar a digitalização, para as AMs poderem virar rádio digital na banda 88,7 de FM. A preocupação é tanta que já tem radiodifusor estimando quando começará a ficar inviável comercialmente as AMs no Brasil. Para os grandes executivos do meio, em cinco anos o negócio fica inviável. A confirmação desta tese está nas parcerias que começam a aparecer nos grandes centros. No Rio a Super Rádio Tupi começa a operar no FM no dia primeiro de junho, no antigo canal da Nativa FM que ocupará o canal da futura extinta ANTENA UM. Ricardo Raymundo, diretor artístico das rádios TUPI E NATIVA FM, esclareceu que esta é apenas umas das soluções do Grupo, que também virou rede e já está presente na internet e no iphone da Apple. Fonte: www.calfredosoares.blogspot.com *Carlos Alfredo é Jornalista CONSIDERAÇÕES: Ainda sou um amante do Rádio AM, apesar da falta de qualidade do sinal. Pena que nesse, e nos outros congressos também, não se trata da aprovação do PL 256/91, da ex-deputada Jandira Feghalli, que dorme nas gavetas do congresso. Nele, é pedida a regulamentação dop artigo 221 da Constituição Federal, ainda de 1988. Com essa aprovação, as rádios ditas "evangélicas" terão que se adequar. Por que que o ministros e os políticos, os atuaia e os antecessores, não fazem, ou não fizeram nada?. É medo de perder "vaga no céu" ou perder o voto dessa gente? Carlos Alberto Fernandes Ferreira Radialista - DRT/MG 4017/99 Em tempo: PROJETO DE LEI No 256, DE 1991 (Apensados: PL no 5416/2001 e PL no 5517/2001 Artigo 221 da Constituição Federal A produção e a programação das emissoras de rádio e televisão atenderão aos seguintes princípios: I - preferência a finalidades educativas, artísticas, culturais e informativas; II - promoção da cultura nacional e regional e estímulo à produção independente que objetive sua divulgação; III - regionalização da produção cultural, artística e jornalística, conforme percentuais estabelecidos em lei; IV - respeito aos valores éticos e sociais da pessoa e da família.

sexta-feira, 29 de maio de 2009

Copa de 2014

Fifa já escolheu as 12 cidades da Copa de 2014, revela colunista do jornal 'O Globo' ´
Rio de Janeiro, São Paulo, Belo Horizonte, Porto Alegre, Curitiba, Brasília, Cuiabá, Manaus, Fortaleza, Salvador, Recife e Natal receberão os jogos Segundo o site do colunista Ancelmo Gois, do jornal "O Globo", a Fifa já escolheu as 12 cidades que receberão os jogos da Copa do Mundo de 2014 no Brasil: Rio de Janeiro, São Paulo, Belo Horizonte, Porto Alegre, Curitiba, Brasília, Cuiabá, Manaus, Fortaleza, Salvador, Recife e Natal. O anúncio oficial será feito no domingo, durante reunião do Comitê Executivo em Nassau, Bahamas.
Assim, as cinco cidades que apresentaram candidatura e ficarão fora do Mundial são: Belém, Campo Grande, Florianópolis, Goiânia e Rio Branco. De acordo com Ancelmo, a última vaga ficou entre Natal e Florianópolis, mas a capital do Rio Grande do Norte ganhou por questões "políticas e logísticas".
Na briga pela "Copa Verde", Manaus, com o estádio Vivaldão (foto) levou a melhor sobre Belém e Rio Branco para ser a sede da Amazônia. Já Cuiabá desbancou Campo Grande como representante do Pantanal.
Segundo Ancelmo, a final do Mundial será realizada no Maracanã, como em 1950. A abertura deve mesmo ser em São Paulo, mas Belo Horizonte ainda briga para abrir a Copa no Mineirão.
Em nota publicada no site oficial da CBF, o presidente Ricardo Teixeira não confirmou os nomes das escolhidas, mas parabenizou as 17 cidades pela disputa:
- Nesse processo de escolha não há vencedores ou vencidos. A cidade que não for indicada poderá participar da Copa do Mundo com as alternativas que a competição oferece, como centros de treinamentos para as seleções e outros eventos específicos – disse o dirigente, que estará em Bahamas para a apresentação das sedes.
O evento em Nassau será transmitido ao vivo pela TV Globo e pelo SporTV, antes da rodada do Campeonato Brasileiro, às 15h30m, no horário de Brasília.

Seleção Brasileira

Há 90 anos, seleção iniciava trajetória vitoriosa com o seu primeiro grande título Realizado no Rio de Janeiro, Campeonato Sul-Americano de 1919 contagiou todo o país e fez nascer no brasileiro a paixão pelo futebol
Primeira Conquista Recordista de títulos mundiais, a seleção brasileira de futebol hoje impõe respeito em qualquer gramado que pise neste planeta. A camisa verde e amarela, imponente com as suas cinco estrelas bordadas, é um verdadeiro patrimônio nacional. Muitos dos que se orgulham deste passado glorioso, no entanto, desconhecem que foi preciso muita luta e suor para que o "team brasileiro" se consolidasse no cenário futebolístico. Os primeiros passos foram dados há exatos 90 anos com a conquista do Campeonato Sul-Americano, primeiro título de grande relevância da seleção. O dia 29 de maio de 1919 foi o pontapé inicial de uma das trajetórias mais vitoriosas do esporte mundial.
Palco O estádio das Laranjeiras, na sede do Fluminense, foi especialmente construído para a realização do Campeonato Sul-Americano. Quando as delegações de Chile, Argentina e Uruguai desembarcaram de navio na Praça Mauá (Rio de Janeiro), já havia um palco estruturado para recebê-los. A equipe brasileira estava concentrada para o início da competição, apostando em craques como o goleiro Marcos de Mendonça e os atacantes Friedenreich e Neco. No comando técnico, uma comissão improvisada pelos jogadores Amílcar Barbuy e Arnaldo Silveira (capitão), além de Mário Pollo, Affonso de Castro e Ferreira Vieira Netto. O dia 11 de maio marcou a estreia da seleção brasileira e do estádio. Não poderia ter sido melhor: 6 a 0 sobre o Chile, com direito a três gols de Friedenreich.
Homenagem Uma das provas vivas de que o primeiro grande título da seleção fomentou a paixão dos brasileiros pelo futebol encontra-se no interior do Paraná, na cidade de Antonina. A Associação Atlética 29 de maio, clube amador de futebol, foi fundada no dia 1º de junho de 1919, quatro dias após a histórica conquista do Sul-Americano pelo Brasil, como forma de homenagem a este grande feito. O verde e o amarelo, como não poderia ser diferente, foram as cores escolhidas para representar o novo clube, que está prestes a completar o seu 90ª aniversário. Embora amador, o futebol do Pavão (mascote e símbolo do clube) fazia muito sucesso na cidade de Antonina.
Livro Ao longo da história do esporte, uma frase de autor desconhecido foi muito utilizada para resumir a grandeza do Brasil no futebol: "os ingleses o inventaram, mas os brasileiros o aperfeiçoaram". É, sem dúvida, uma relação antiga que envolve muita paixão. Mas como exatamente surgiu esse sentimento? De que forma se tornou um dos principais símbolos de identidade do país? As respostas para essas questões foram abordadas pelo jornalista Roberto Sander no livro "Sul-Americano de 1919 - Quando o Brasil descobriu o futebol", que será lançado pela Maquinária Editora no dia 1º de junho. Na obra, o autor faz um retrato da sociedade da época e revela o envolvimento da população com o primeiro grande evento esportivo no país.
Momento Em uma triste coincidência, assim como o mundo enfrenta hoje uma epidemia de gripe, também na segunda metade da década de 10 uma gripe fez grandes estragos no cotidiano da população. A chamada "febre espanhola" trouxe prejuízos também para o esporte. O calendário do futebol foi alterado em 1918, porque a situação era muito crítica. A terceira edição do Campeonato Sul-Americano, que já havia sido disputado em 1916 e 17, teve de ser adiada para 1919, quando o quadro era um pouco mais ameno. Fonte: Globo Esporte

Série C

Wagner Augusto*
A delegação do Ituiutaba já está na estrada com destino ao Distrito Federal. O trajeto entre o Pontal do Triângulo Mineiro e a Capital da República será cumprido em oito horas. No domingo, às 16h, a Coruja enfrenta o Gama, no Estádio Bezerrão, pela segunda rodada do Grupo C do Campeonato Brasileiro da Série C.
Para tentar a segunda vitória na competição, o técnico Nedo Xavier poderá contar com o retorno do zagueiro Andrezão e do atacante Lúcio Flávio, que cumpriram suspensão relativa à temporada passada na vitória por 3x0 diante do Guaratinguetá. O bom desempenho do time na estreia, no entanto, pode garantir a continuidade de Cléberson na zaga e do jovem Tito no ataque. Com essas duas dúvidas, a provável escalação do Boa é a seguinte:
Jonatas; Mateus, Neylor, Cléberson (Andrezão) e Betão; Claudinei, Olívio, Rafhael Pulga e Diego Mineiro; Paulinho Pedalada e Tito (Lúcio Flávio)
A partida Gama x Ituiutaba terá arbitragem de um trio do Tocantins: Francisco Leone de Oliveira apita, auxiliado por Gilvan Cavalcante dos Santos e Francisco Casimiro de Sousa.
A concentração do Tricolor será na cidade-satélite de Taguatinga, no Ilha Bela Park Hotel. Após esse jogo com o Gama, o Ituiutaba volta a atuar somente no dia 14 de junho, no Mato Grosso, contra o Mixto.
O presidente Rone Moraes liberou o meia Frank Palhinha, que não faz mais parte do elenco boveta. O jogador pediu para sair e retorna ao interior de Alagoas. A diretoria do Boa confirmou que o clube não vai disputar a Taça Minas Gerais, cujas inscrições se encerram no próximo dia 4. O foco do Ituiutaba está unicamente na luta pelo acesso à Série B.
*Wagner Augusto é Assessor de Imprensa do Ituiutaba.
O América é a outra equipe mineira na competição, e volta a jogar somente dia 14/06, contra o Guaratinguetá, às 16h, no Estádio Independência, em Belo Horizonte.

Série D

Marco Antonio Campos*
As mudanças não param na Série D. Nesta semana mais três equipes formalizaram junto à CBF sua desistências oficiais. Dentre elas, dois campeões estaduais pularam fora da mais nova divisão do futebol brasileiro.
No Acre, o campeão Juventus alegou dificuldades financeiras e abriu da vaga a favor do Atlético Acreano, que terminou o campeonato em terceiro lugar. O Rio Branco, vice-campeão, não entrou na disputa por já ter presença assegurada na Série C.
O outro campeão que ficará de fora vem da Paraíba. O Sousa também preferiu paralisar suas atividades no segundo semestre e o Treze, de Campina Grande, herdou o direito de estar na quarta divisão. O Treze foi o vice-campeão paraibano.
Em Alagoas, aconteceu o esperado, o Murici confirmou esta semana que não vai disputar a competição. Assim, o CSA, que terminou o campeonato local em sétimo lugar, se beneficiou com a avalanche de desistências e ficou com a vaga.
Neste fim de semana, mais três estados confirmarão seus participantes. Veja como ficam as chances de cada um.
RONDÔNIA:
Segunda partida da final entre Gênus e Vilhena. O Gênus venceu o jogo de ida por 2x1 e joga pelo empate. O Vilhena será campeão se vencer por qualquer placar e tem a vantagem de decidir diante de sua torcida, no próximo domingo, no Estádio Portal da Amazônia, em Vilhena.
RORAIMA:
O Roraima leva vantagem por ter vencido o jogo de ida da final também por 2x1 e só precisa empatar. Seu adversário, o São Raimundo, tem que ganhar não importando o placar. Os dois times são da capital Boa Vista e decidirão o título, no sábado, no Estádio Ribeirão.
ESPÍRITO SANTO:
Novamente o placar de 2x1 aconteceu no jogo de ida da final do Estadual. No estado capixaba foi a favor do Rio Branco. O São Mateus vai precisar de uma vitória por dois ou mais gols de diferença para ficar com o título. A decisão será neste sábado, no Estádio Sernamby, em São Mateus. Ficará faltando apenas o representante do Piauí, que poderá ser conhecido no dia sete de junho se o Flamengo vencer também o Segundo Turno. Caso outra equipe seja campeã, somente no dia 21 tudo vai se definir.
A atual composição dos grupos da Série D é a seguinte:
Grupo A1
1. Atlético Acreano (Rio Branco - AC)
2. Nacional (Manaus - AM)
3. Representante de Rondônia
4. Representante de Roraima
Grupo A2
1. Cristal (Macapá - AP)
2. Moto Club (São Luís - MA)
3. São Raimundo (Santarém - PA)
4. Tocantins (Palmas - TO)
Grupo A3
1. Assu (Assu - RN)
2. Ferroviário (Fortaleza - CE)
3. Treze (Campina Grande - PB)
4. Representante de Piauí
Grupo A4
1. Central (Caruaru - PE)
2. CSA (Maceió - AL)
3. Santa Cruz (Recife - PE)
4. Sergipe (Aracaju - SE)
Grupo A5
1. Atlético (Alagoinhas - BA)
2. Fluminense (Feira de Santana - BA)
3. Macaé (Macaé - RJ)
4. Representante de Espírito Santo
Grupo A6
1. Fribuguense (Nova Friburgo - RJ)
2. Madureira (Rio de Janeiro - RJ)
3. Paulista (Jundiaí - SP)
4. Tupi (Juiz de Fora - MG)
Grupo A7
1. Ituano (Itu - SP)
2. Mirassol (Mirassol - SP)
3. Uberaba (Uberaba - MG)
4. Uberlândia (Uberlândia - MG)
Grupo A8
1. Anapolina (Anápolis - GO)
2. Araguaia (Alto Araguaia - MT)
3. Brasília (Brasília - DF)
4. CRAC (Catalão - GO)
Grupo A9
1. Chapecoense (Chapecó- SC)
2. Londrina (Londrina - PR)
3. Naviraiense (Naviraí - MS)
4. Ypiranga (Erechim - RS)
Grupo A10
1. Brusque (Brusque - SC)
2. J. Malucelli (Curitiba - PR)
3. Pelotas (Pelotas - RS)
4. São José (Porto Alegre - RS)
*Marco Antonio Campos é Locutor Esportivo

quinta-feira, 28 de maio de 2009

Itapiruçu - 03º distrito de Palma-MG

ITAPIRUÇU-MG – Criado no município de Leopoldina em 1883 com o nome de Tapiruçu, mesma grafia com que aparece nos registos do Cartório de Notas de Conceição da Boa Vista. Segundo estudos toponímicos publicados na Revista do Arquivo Público Mineiro, seria uma referência ao Tapirussu, animal silvestre que servia de alimentação aos indígenas. Trata-se de mamífero de pêlo avermelhado, pernas finas, sem chifres, lembrando um bovino ou eqüino no tamanho.Entretanto, Joaquim Ribeiro Costa diz que o nome do distrito tem origem na língua indígena: itá + apira + açu. O significado seria pedra + empinada + grande, ou seja, grande pedra empinada. Itapiruçu, localizado na margem direita do Rio Pomba, é hoje o terceiro distrito de Palma. O segundo é Cisneiros. Fonte: www.joaquimrmachado.blogspot.com Palma-MG O povoamento iniciou-se num local que servia de pouso de tropas onde foi construída uma capela consagrada a São Francisco de Assis, psdroeiro da cidade. Em 1851, o povoado tornou-se distrito com o nome de São Francisco de Assis do Capivara. Em 23 de dezembro de 1890 emancipou-se, e em 1891 passou a chamar-se Palma O município localiza-se na Mesorregião da Zona da Mata mineira, junto à divisa com o estado do Rio de Janeiro. A sede dista por rodovia 368 km da capital Belo Horizonte e é servida pela MG 285, que o município de Miracema-RJ a Laranjal-MG, br 116. População Total: 6.561 Urbana: 4.865 Rural: 1.696 Homens: 3.286 Mulheres: 3.275 Censo/2000 Fonte: Wikipedia

Pádua e Aperibé

Ex-prefeito e mais cinco presos Numa operação do Ministério Público Estadual (MP), policiais civis e militares prenderam ontem pela manhã o ex-prefeito de Santo Antônio de Pádua, Luiz Fernando Padilha, o Nando, (PMDB), na foto de O DIA, quando chegava preso à POLINTER, no Rio, e mais cinco pessoas, acusados por formação de quadrilha, lavagem de dinheiro e fraudes em licitações no município e em Aperibé, estimado em mais de R$ 15 milhões.
Segundo o MP, dos nove mandados de prisão preventiva expedidos, seis foram cumpridos. Foram considerados foragidos, o ex-prefeito de Aperibé, Paulo Fernando Dias, o Foguetinho, o ex-secretário de Administração de Pádua, Tarcísio Padilha Aquino, e o presidente da Associação Brasileira de Desenvolvimento Humano, Firmino dos Santos Neto. Além de Nando, foram presos o ex-secretário de Fazenda de Pádua, Antônio Roberto Daher Nascimento Filho; o ex-procurador geral de Pádua, Hamilton Sampaio da Silva; o ex-presidente da Caixa de Assistência Previdenciária e Pensões dos Servidores de Aperibé, Lupércio Rodrigues, e os advogados Paulo Fernando Martins e Enilda de Oliveira da Fonseca.
Eles foram levados para a carceragem da Polinter, no Rio. Na semana passada, a mulher de Nando, Denise Siqueira de Almeida, foi convocada para depor na CPI da Alerj que apura as suspeitas de irregularidades contra três conselheiros do TCE-RJ, mas preferiu ficar em silêncio. Segundo o promotor Davi Faria, as empresas ABDH e a Organização Nacional de Estudos e Projetos (Onep) estão envolvidas. Há ainda a denúncia do uso de laranjas, como um gari de Pádua, que foi transformado em sócio de empresas e proprietário de diversos bens.
De acordo com a denúncia, entre janeiro de 2005 e janeiro de 2008, as duas prefeituras celebraram, sem licitação, contratos com as duas Ongs e desviaram para uso próprio uma parte das quantias depositadas nas contas das entidades. Os valores depositados seriam sacados em espécie ou mediante pagamento de cheques e transferências eletrônicas em favor dos denunciados e de terceiros. A 1ª Vara Criminal de Pádua decretou a quebra dos sigilos bancário e fiscal, o arresto de bens e o bloqueio de valores das contas de todos os denunciados. Fonte: www.fmaha.com.br

Ouro Preto e Congonhas disputam concurso para eleger as sete maravilhas

Dois dos maiores símbolos da riqueza cultural e histórica do barrroco em Minas Gerais, a Igreja de São Francisco de Assis da Penitência, em Ouro Preto, e o Santuário do Bom Jesus de Matozinhos, em Congonhas, estão participando de um concurso bem original, que vai escolher as Sete Maravilhas de Origem Portuguesa no Mundo. A eleição é feita pela internet, aberta a quem quiser votar, e vai até 7 de junho.
Ao todo, os organizadores do concurso, os mesmos que escolheram, no ano passado, as Novas Sete Maravilhas do Mundo, selecionaram 27 bens culturais em 16 países para concorrer. Do Brasil, integram a lista, além dos dois monumentos mineiros, o Mosteiro de São Bento de Olinda e o Convento de Santo Antônio e Ordem Terceira de Recife, ambos em Pernambuco; o Convento e a Igreja de São Francisco e Ordem Terceira, no Pelourinho, em Salvador, na Bahia; e o Forte do Príncipe da Beira, em Rondônia.
Para votar, é preciso acessar o site: www.7maravilhas.pt e fazer um pequeno cadastro, com e-mail e senha. Depois, o internauta receberá, no endereço eletrônico cadastrado, um link de acesso ao voto. Cada um pode escolher sete monumentos entre os 27 listados. O resultado será divulgado em 10 de junho, em Portugal.
A lista feita pelos organizadores do concurso levou em consideração o valor histórico e patrimonial dos concorrentes, sua origem portuguesa e a influência no mundo. Vários, como o santuário de Bom Jesus de Matozinhos, são considerados patrimônio da humanidade.
A Igreja de São Francisco de Assis da Penitência, de acordo com seus dados históricos, foi construída em estilo rococó. Começou a ser erguida em 1766, com projeto arquitetônico de Antônio Francisco Lisboa, o Aleijadinho, responsável também pelo risco da portada, púlpitos, retábulo-mor, lavabo e teto da capela-mor. Para completar a suntuosidade e a riqueza do conjunto arquitetônico, as pinturas são de Manuel da Costa Ataíde, considerado, ao lado do próprio Aleijadinho, expoente da arte colonial brasileira.
A presença artística de Aleijadinho e de Ataíde também é o marco do Santuário do Bom Jesus de Matozinhos, um dos mais destacados monumentos do barroco brasileiro. Tombado pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan), foi declarado patrimônio histórico e cultural da humanidade em 1985. No adro do santuário, estão expostos o que alguns consideram o trabalho mais brilhante de Aleijadinho: as imagens dos 12 profetas, em tamanho natural.

quarta-feira, 27 de maio de 2009

Maisa, meu amor!

Heitor Reis*
Lamentavelmente, não tenho tempo para assistir mais vezes esta garotinha genial e espontânea, manifestando sua alegria para o deleite de crianças de todas as idades. Para um velhinho de 57 anos e sem filhos, a sensibilidade para com os filhos dos outros é notória. Daí, lamentar a notícia de que a "Vara da Infância proíbe Maisa de trabalhar no Programa Silvio Santos.
Condeno a falta de sensibilidade deste juiz. Espero que seja por excesso de zelo em proteger nossa Shirley Temple e não por algum outro motivo que seja escuso. Minha crença na caixa-preta que Lula percebe na justiça brasileira, bem como nos Gilmar Mendes que a aplicam, não é nada positiva.
Antes de abortar um talento florescente como o desta "ídala" da garotada de qualquer faixa cronológica, ele teria sido mais justo se determinasse condições para evitar que houvesse qualquer dano à nova "rainha dos baixinhos". Como por exemplo determinando que um profissional devidamente credenciado acompanhasse o trabalho e outras atividades da garota, de tal forma a assegurar realmente que tudo funcionasse pefeitamente.
Lamentavelmente, num país com 74 % de analfabetos e semianalfabetos, cujo caráter é dominado pela emoção, sentimentos e paixão, graças à nossa cultura ibero-católica-latino-americana, em oposição à cultura anglo-saxã-protestante, a tendência é se discutir o tema de forma superficial, maniqueista e reducionista.
A questão que nos surge, então, é se seria possível ou não evitar que tal atividade interferisse no desenvolvimento da infância da Maisa, bem como no de seu enorme talento.
Estou certo de que o Conselho Regional de Psicologia de São Paulo, bem como o Conselho Federal da categoria tem orientações seguras para fornecer de tal forma a proteger todos interesses em jogo, inclusive o deste adolescente mesocentenário. Ou vice-versa!
*Heitor Reis é Engenheiro Civil

terça-feira, 26 de maio de 2009

Bombril

Justiça suspende lançamento de livro a pedido da Bombril
Francisco Viana, diretor da Hermes Comunicação, teve o lançamento do livro "Surdez das Empresas" suspenso por causa de uma liminar concedida a favor da Bombril. Na obra, José Bacellar, ex-presidente da empresa, conta um case inédito da recuperação judicial da Bombril.
A Editora Lazuli está condenada a pagar multa diária de R$ 50 mil se não acatar a decisão.A decisão é de segunda instância, do desembargador Guimarães e Souza da 29ª Vara Cível de São Paulo. A juíza Valéria Maldonado chegou a indeferir o pedido da Bombril.
"O Brasil é hoje um país de plena liberdade de expressão. Tenho certeza de que as luzes da democracia expulsarão as trevas da Idade Média", respondeu Viana, em entrevista ao Jornalistas&Cia.
Fonte: Comunique-se

Bota falta de criatividade nisso!

A nova marca da Rádio Globo- acompanhada da descrição "Bota Amizade Nisso"- chega a ser ridícula de tão primária.
Com meia dúzia de pinceladas, qualquer pintor de parede suburbano certamente conseguiria algo mais aceitável. Não se sabe de onde partiu tão "brilhante" idéia para a radical mudança.
Segundo o site- globoradio.globo.com/ - "a nova marca, em vigor desde o início de abril, foi desenvolvida pela agência Tecnopop, do Rio de Janeiro. juntaram "Rádio" e "Globo" numa palavra só, preservando o azul e incorporando, no lugar do vermelho, o amarelo alaranjado (inspirado no Amarelinho) - carro de reportagem da emissora".
Diz o velho ditado: "não se mexe no time que está ganhando". Não que os programas do SGR sejam os melhores ou simplesmente alcancem os primeiros lugares em termos de audiência. A bem da verdade, o rádio AM em geral demonstra cada vez mais seu vertiginoso declínio com a conseqüente perda de audiência.
A roça não é mais aquela Os programas são mesquinhos, repetidos, apelativos, absolutamente apáticos e desmotivando o ouvinte que nos últimos anos vem migrando para o FM. Neste sentido, a Rádio Globo adotou várias mudanças na grade de programação.
A situação, porém, é mesmo difícil, praticamente impossível de ser revertida. Ninguém quer mais ligar o rádio de amplitude modulada. Nem nas localidades mais afastadas dos grandes centros urbanos.A onda agora na roça é MP3, celular que sintoniza FM e até internet banda larga.
As donzelas e balzaquianas sertanejas, antes "bobinhas" a esperar o "príncipe encantado" debruçadas na janela, agora tem Orkut, MSN e outros dispositivos modernosos. Até os jumentos (nossos irmãos, segundo o Rei do baião, Luiz Gonzaga) foram trocados por motos e carros possantes, quase voadores. Coitado, pois, do rádio AM.
Senso comum A marca anterior do SGR, que teve por base o dinâmico logotipo da Rede Globo, produzido por Hans Donner na decada de 70, responsável por toda a identidade visual da TV implantada no país com capital estrangeiro, era o que havia de mais bonito na atual conjuntura da emissora carioca.
Em letras azuladas e com designer único- que causava forte impacto visual onde quer que fosse estampada- seria insubstituível a partir do senso comum. O padrão de qualidade da emissora da Rua do Russel parece não obedecer mais aos comandos eficientes que a tornaram referência radiofônica no chão tupiniquim.
Vandalismo Resta saber se também vão acabar com as tradicionais vinhetas da empresa, diga-se de passagem, as mais bem produzidas na história radiofônica brasileira. A nova safra de diretores pode entender de MBA, operações matemáticas, burocráticas ou temas complexos, etc.
Mas, sobre assuntos que dizem respeito ao rádio, esses "bacanas"- com cara de meninos mimados- estão absolutamente na contramão da história. É ato de vandalismo em seu mais cruel ataque. Tais moleques merecem umas boas palmadas no traseiro. *Marcos Niemeyer é Jornalista

segunda-feira, 25 de maio de 2009

Radio Esportivo

A partir do dia 30 de maio, sábado, a Rádio Globo-RJ e a Rádio CBN-RJ unificam sua programação esportiva, reunindo na mesma transmissão dos jogos de futebol nomes como José Carlos Araújo, Evaldo José, Edson Mauro, Gérson, Álvaro Oliveira Filho, Luiz Mendes, Eraldo Leite, Gilson Ricardo, Carlos Eduardo Éboli e demais integrantes das emissoras.
Os jogos do "Futebol Show Globo/CBN" poderão ser ouvidos simultaneamente em três canais: FM 92.5 , e AM 860 e 1220.
Essa união já existe nas transmissões da Fórmula 1. A direção da emissora não informou como ficam as emissoras Globo e CBN em São Paulo. Fonte: SGR
OBS:
A partir de 1º de junho, a Super Rádio Tupi AM 1280Khz, poderá ser ouvida em FM, no canal 96,5 Mhz, hoje ocupado pela Nativa FM. E a Nativa permanecerá no ar, ocupando a freqüência 103,7 Mhz da Rádio Antena 1, que será extinta.

Aymorés completa 86 anos sonhando com dias melhores

Carlos Roberto Sodré* É com prazer que eu escrevo esta semana sobre o Sport Club Aymorés. Na semana passada eu estava conversando com meu amigo, Carlos Ferreira, JF. Ele dono de um blog que recebe muitos acessos diariamente, inclusive eu acesso sempre. Ferreira me pediu que eu escrevesse sobre o Aymorés. Então Ferreira, é com muito prazer que eu escrevo para você e para os torcedores aymoreínos.
No dia, 17 de maio, domingo, o Azulão, como é chamado pelos torcedores, completou 86 anos de sua existência. Ao ler o livro Corpo Azul do escritor ubaense Rosalvo Braga, pude constatar ainda mais um pouco da grandeza do time de maior tradição da cidade de Ubá. Em primeiro lugar a equipe que nasceu no dia 17 de maio de 1923 não teria este nome. O nome mais indicado para o batismo era Santa Cruz. Talvez porque suas instalações fossem no bairro do mesmo nome, ou talvez porque já tivesse a ousadia de ter um santo como aliado, ou melhor, uma santa como aliada. Tinha que aparecer um gringo na historia. E foi justamente um argentino que o batizou com este nome. Sport Club Aymorés. A diretoria gostou do nome e por unanimidade o clube assim foi batizado.
Seu primeiro adversário foi uma equipe de Visconde do Rio Branco. Batista de Oliveira. Vitória do Aymorés por 2x0. Batista de Oliveira em homenagem ao presidente da câmara municipal daquela cidade. O livro de Rosalvo Braga conta que, de acordo com pesquisas realizadas naquela época, o futebol teria chegado a Visconde do Rio Branco em 1915, data que talvez fosse a mesma para a cidade de Ubá.
O Aymorés já participou de importantes competições na Zona da Mata, enfrentando adversários difíceis como: Tupi, JF; Tupinambás, JF; Olimpique de Barbacena; Esporte, JF; entre outros, obtendo resultados bastante positivos. O Alviceleste conquistou dez vezes o campeonato da Zona da Mata, sete vezes o campeonato regional e foi durante muitas vezes campeão municipal; além de ter participado do campeonato da segunda divisão de profissionais da Federação Mineira de Futebol, nas décadas de 80 e 90. A última grande conquista do Sport Club Aymorés foi em 1996, campeonato regional de futebol da categoria principal. Jogando em casa no estádio Afonso de Carvalho, em partida memorável, depois de empatar no tempo normal por 2x2 diante de seu maior rival, o Esporte Clube Itararé, de Tocantins, o Aymorés venceu nos pênaltis por 5x4.
O Aymorés hoje trabalha com as divisões de base e às vezes participa de alguma competição de maior relevância. Os principais nomes que já vestiram a camisa azul e branca foram Guará e Nicola. A torcida aymoreína se orgulha de já ter tido o imortal Ary, ou Ari Barroso, tanto faz, como seu camisa número 1 mais famoso da história. Parabéns Aymorés e muitos anos de vida. Que o sucesso se repita sempre em sua vida. Viva o Sport Club Aymorés e viva as cores azuis e brancas! *Carlos Roberto Sodré é Locutor Esportivo

Futebol local

REUNIÃO DEFINE PLANO DE AÇÃO PARA TUPI X SPORT Será nesta terça-feira, às 9h, no CESPORTE, em Santa Terezinha a reunião que vai definir o Plano de Ação para o jogo entre Tupi x Sport Club, marcado para este domingo, 11h, no Estádio Mário Helênio. Em disputa estará o Troféu Cidade de Juiz de Fora – 159 anos. O ingresso para o jogo é a doação de 1 quilo de alimento não perecível ou uma caixa de leite longa vida. No encontro com a Polícia Militar, Bombeiros e órgãos da Prefeitura serão tratados os assuntos de segurança, transporte, trânsito, acessos, localização das torcidas, etc. NAGOYA VENCE O TORNEIO SELETIVO DA TAÇA CIDADE DE JUIZ DE FORA Com a presença de um bom público no Estádio David de Castro, na Zona Norte da cidade, EC BENFICA, UNIPAC e NAGOYA AC fizeram jogos equilibrados pelo Torneio Seletivo da Taça Cidade de Juiz de Fora. Aos final dos confrontos, o NAGOYA AC, com 4 pontos, foi o vencedor e vai enfrentar o SC Real Milho Branco, neste domingo, dia 31 de maio, às 9h30, no Estádio Mário Helênio, na preliminar de Tupi x Sport Club. Na primeira partida, o time da UNIPAC, treinado por Moacyr Toledo, ganhou do EC BENFICA, por 1 a 0, gol de João Paulo, aos 14 minutos do segundo tempo. Na etapa inicial o meio-campo Ângelo perdeu um pênalti defendido pelo goleiro Róbson, aos 12 minutos. No segundo jogo o NAGOYA empatou com o BENFICA por 1 a 1. Negão marcou para o time da Zona Norte e Anderson Quati, de cabeça empatou. Na última e decisiva partida, a UNIPAC jogava pelo empate diante do NAGOYA, do treinador Fernando César. Mas no finalzinho do primeiro tempo, o meia-atacante Émerson, fez o gol da classificação para o NAGOYA, que ganhou por 1 a 0. Na soma geral de pontos, o NAGOYA terminou com 4 pontos ganhos. A UNIPAC em segundo com 3 e o EC BENFICA, em último com 1 ponto ganho. NAGOYA AC e UNIPAC já confirmaram presença na COPA ALTEROSA DE FUTEBOL REGIONAL. O evento contou com a presença do Secretário de Esporte e Lazer da PJF, Professor Renato Miranda. Apitaram os jogos Sérgio Luiz Avelino, Leonardo Gomes e Edmílson de Paula. Sérgio Almeida e Marcelo Mauler foram os assistentes. Fonte: LFJF
Tupi e Sport
Útimo cofronto: 30/10/1988 Sport 2 (gols de Ronaldo e Luiz Carlos Mamão). Tupi 0 Sport: Nelson, Edvado, Marquinho, André e Zé Maria; Deca, Guto e Luiz Carlos Mamão; Zebu, Ailton e Ronaldo. Tec: Geraldo Magela Tavares. Tupi: Ronald, Magno, Oscar, Borges e Marcelo; Wanderlei (Waldir), Arcely (Teófilo) e Ronaldinho; Serginho Porugal, Amauri e Claudius. Te: Moacir Toledo. Árbitro: Alvimar Gaspar dos Reis. Obs: O Tupi foi representado pelo seu time B, já que o time A estava em Cabo Frio, para atuar contra a Cabofriense, pelo Campeonato Brasileiro.
Fonte: Arquivo pessoal

Rádio e Tv

 Rádio: OS ÚLTIMOS SUSPIROS DOS RADIALISTAS EM JF
por Léo Peixoto*
Quando eu era menino, ouvia por tabela minha mãe ligada nas rádios de Juiz de Fora. Os radialistas naquela época eram verdadeiros ídolos da cidade. Ainda me lembro agora de alguns nomes que faziam muito sucesso naquele tempo: Claudiney Coelho, Cláudio Temponi, Helena Bittencourt, Adair Mendes, Gil Horta, Mário Helênio, Ronaldo Mineiro e tantos outros que me falham a memória. Talvez sem querer, fiquei influenciado por tudo aquilo e resolví seguir o caminho da comunicação. Porém, o tempo passa e sinto que, lamentavelmente, a classe vem desaparecendo pouco a pouco. Hoje em dia, poucos são os grandes comunicadores que ainda estão no ar. Não tenho ouvido o Márcio Augusto nos últimos dias (tomara que esteja apenas de férias ou estou desatualizado). Creio, que a única chance de abrirmos novos caminhos neste ramo, seria uma concessão de um canal de rádio, dirigido por profissionais da área, numa forma de cooperativa. Esse negócio de gente que não é apaixonado pelo microfone comandar programações radiofônicas, não tá dando certo, eu acho!

TV: PROGRAMAÇÃO TELEVISIVA LOCAL, EIS A QUESTÃO.
Lamentavelmente, nossa cidade está na contra-mão quando o assunto é produção de programas de televisão feitos aqui mesmo. Antigamente, nos tempos da TV Industrial, quando os recursos eram menores em todos os sentidos, produzia-se mais do que hoje em dia. Certo, é que as pessoas gostam mesmo é de ver o que acontece em sua própria aldeia. Programas locais é garantia de audiência e como dizia meu amigo radialista Carlos Augusto (o Guto), as pessoas vêem até pra poder falar mal. Infelizmente, parece que estamos andando para trás nesta área. Até não muito tempo atrás, tínhamos a própria TV Tiradentes, com vários programas feitos aqui mesmo, isso sem contar a TV Plural, que também fiz parte e a TV Visão, que produziram várias horas de programação totalmente local.
Tá faltando apenas incentivo e menos olho grande apenas no lucro, pois facilitando a locação de horários, seria bem melhor que meramente reproduzir um outro programa transmitido lá de longe, dos grandes centros, que pouco tem a ver com a nossa realidade.
*Léo Peixoto é um competente Radialista, com forte presença no meio Tv.
Fonte: Blog do Léo Peixoto
CONSIDERAÇÕES:
Tenho afirmado que em Juiz de Fora o rádio foi assassinado e os assassinos e, as assassinas, não foram presos. Continuam aí, causando um dano irreparável a esse veículo quase centenário e tão atual. Esse rádio que revelou Paulo Lopes, Francisco Barbosa, Fernando Sérgio, Glauco Fassheber, Maurício Menezes, e outros.
Esse mesmo rádio mantem fora do meio profissionais da qualidade de Maurício Menezes, Glauco Fassheber, Claudinei Coelho (um artista completo), Oscar Mugica. O que falta a Juiz de Fora é Radiodifusor, na mais verdadeira definição da palavra, do tipo:
Emanuel Carneiro, em Belo Horizonte, Edson Gualberto, em Governador Valadares, Paulo Roberto, em Muriaé, os herdeiros de Xavier Pereira, em Ubá, João Bosco Torres e filhos em Viçosa/Ponte Nova/Ervália, etc.
Basta você verificar as profissões dos que tocam o rádio hoje na cidade. Você verá que eles são de atividades alheias ao meio.
Enquanto isso, vão nos enfiando "goela abaixo", "cheiro de satanás", "lelê do pó" "dercy gonçalves" (depois da tempestade, é claro) e por aí vai.
Pobre Juiz de Fora!!!
Carlos Aberto Fernandes Ferreira
Radialista - DRT/MG 4017/99
EM TEMPO:
Márcio Augusto, o maior nome da comunicação pelo rádio na cidade, está em licença médica e retorna dia 01º de junho, isso, se não houver mudanças, implementadas pelos "curiosos" infiltrados no meio.

domingo, 24 de maio de 2009

Série C

Marco Antonio Campos*
Discretamente, sem muito alarde, o Campeonato Brasileiro da Série C teve início neste fim de semana. Quatro grupos com cinco times, de onde os dois primeiros colocados avançam para as quartas de final. Neste ponto, começa a fase de mata-mata. Os vencedores de cada confronto chegam às semifinais e conquistam automaticamente acesso para a Série B de 2010.
Os representantes mineiros fizeram bonito na primeira rodada. O Ituiutaba goleou o Guaratinguetá por 3x0, e o América de Belo Horizonte bateu o Gama por 2x0, no Independência. As duas equipes pertencem ao Grupo C que ainda tem a presença do Mixto, de Cuiabá, que folgou na rodada.
Os demais resultados da primeira rodada foram:
Grupo A
Águia de Marabá (PA) 1x0 Rio Branco (AC)
Paysandu (PA) 1x0 Sampaio Corrêa (MA)
Folga: Luverdense (MT)
Grupo B
Confiança (SE) 0x2 Icasa (CE)
Salgueiro (PE) 1x0 CRB (AL)
Folga: ASA (AL)
Grupo D
Marcílio Dias (SC) 1x2 Caxias (RS)
Criciúma (SC) 1x1 Marília (SP)
Folga: Brasil (RS)
*Marco Antonio Campos é Locutor Esportivo

Amor

Ataíde Lemos* El amor es una poesía Del dolor y la alegría Escribir para los sueños O la pesadilla Durante la noche O en plena luz del día En el invierno, o en primvera. El amor es una cárcel Cuando nos arrestaron, Tomamos nuestra libertad No puede escapar Aunque hemos La llave en mano. El amor es una enfermedad Como la dependencia A medida que se desarrolle Dentro de la esencia; Nos llevan a la razón Nos hace sordos, ciegos y mudos Para el mundo y para nosotros mismos Convirtiendo en obsesión Es una enfermedad del corazón. *Ataíde Lemos é Poeta e Escritor

CUIDAR DA GRAMA É UMA OBRIGAÇÃO INCLUSIVE DO PRESIDENTE

Carlos Roberto Sodré*
Cuidar de tudo daqui para frente. É assim que Leonardo Boff escreve em seu livro, “ética e moral” escrito na década passada. Começo hoje falando sobre Guidoval. Agradecer ao Professor Marcellus Catete, FAGOC, pelo elogio a esta coluna, inclusive, ele de família tradicional, da nossa querida cidade vizinha, antigo Sapé. Aumenta muito a nossa responsabilidade saber que pessoas tão importantes lêem nossas opiniões. Quero abordar justamente um assunto que vem me tirando o sono. O gramado do estádio Geraldo Luiz Pinheiro, em Guidoval, sempre foi considerado um dos melhores de nossa região. NO entanto, no início do ano, o presidente Abel Cordeiro autorizou, segundo minhas fontes e que não preciso divulgar, um show de MotoCross dentro do campo de jogo. Em troca de um mil duzentos reais presidente? É quase inacreditável que uma pessoa na sua perfeita consciência possa permitir um fato desses. A grama ou o gramado é o cartão de visitas de todo estádio de futebol. Experimente visitar monumentos como: Maracanã, Mineirão, Morumbi, Beira Rio, Olímpico entre outros e pisar no gramado. Vai aparecer um cara e te puxar pelo braço, dizendo: olhe, mas não pise na grama. Agora aqui em Guidoval o presidente permite a entrada de uma carreta no centro do gramado e depois um monte de motos saltando e caindo por cima da grama, fazendo aquele estrago? Era mês de Janeiro e chovia, e como chovia. O terreno é baixo em relação ao nível da rua, o que possibilitou um estrago ainda maior. Os resultados já estão aparecendo. Na semana passada um árbitro da LAU, (Liga Atlética Ubaense), esteve trabalhando no respectivo estádio, torceu o pé. Jogadores estão reclamando das condições do gramado. Daqui pra frente vamos ouvir muitas reclamações sobre este assunto. Não podemos mais continuar com aquela mentalidade, “manda que pode, obedece quem tem juízo”. Pensar assim é cavar a própria sepultura, é sucumbir diante dos fatos. Não creio ser o caso do nobre presidente, mas estão reclamando que sua equipe é composta de duas pessoas. Ele e mais ele. Portanto presidente, cuidar do gramado é uma obrigação sua, dever de casa, compromisso e outros adjetivos mais. Se não temos belos estádios, como é o caso de sua cidade, devemos ter pelo menos bons gramados. Esta parte a natureza faz e não nos cobra nada. Este recado vale também para outros que estão pensando seguir o mesmo exemplo. Há, já ia me esquecendo. E o conselho deliberativo, estava fazendo o que, enquanto acontecia um absurdo desses?
*Carlos Roberto Sodré é Radialista em Ubá-MG

Série C

Wagner Augusto*
O Campeão Mineiro do Interior começou a Série C com o pé direito. Jogando no Estádio da Fazendinha, o Ituiutaba venceu o Guaratinguetá por 3x0, em tarde inspirada do atacante Paulinho Pedalada, autor de dois gols (Tito completou o marcador).
A postura do Tricolor Boveta foi a de pressionar o adversário desde a saída da bola. O resultado dessa pressão não demorou a dar resultado. Aos 23 minutos, o goleiro César falhou feio ao tentar chutar uma bola e furar. Disso se aproveitou o jovem Tito, um dos estreantes da tarde, para fazer 1x0 para o Boa.
Sem dar tréguas ao Guaratinguetá, o Ituiutaba continuou em cima e aos 41 minutos Paulinho Pedalada se aproveitou de um bom cruzamento de Betão e estabeleceu, de cabeça, 2x0.
Na volta do segundo tempo, aos 5 minutos, o mesmo Paulinho Pedalada, que foi um dos artilheiros da Coruja no Campeonato Mineiro com seis gols, fechou o placar após receber um ótimo cruzamento para trás do volante Claudinei. Com 3x0 no placar, o Ituiutaba administrou o resultado e não permitiu qualquer tipo de reação do Guará.
O técnico Nedo Xavier teve de substituir Claudinei, que sentiu câimbras, e depois aproveitou para fazer as estreias de Frank Palhinha e Alberto. Com os 3x0 sobre o Guaratinguetá, o Boa assumiu a liderança do Grupo C. No próximo domingo, a equipe do Pontal do Triângulo Mineiro enfrenta o Gama, no Estádio Bezerrão.
O zagueiro Andrezão não pôde atuar devido a uma suspensão sofrida na Série C do ano passado, quando defendia o próprio Ituiutaba. Em seu lugar jogou Cléberson, oriundo do Cruzeiro. A diretoria do Boa, sempre atenta, percebeu o problema e sacou Andrezão da partida para evitar a perda de seis pontos.
FICHA TÉCNICA
24/5/2009 – domingo – 15h – Campeonato Bras. da Série C
Ituiutaba 3x0 Guaratinguetá-SP
Gols – Tito (23’ do 1º), Paulinho Pedalada (41’ do 1º), Paulinho Pedalada (5’ do 2º),
Público – 1.086 torcedores,
Renda – R$13.720,00
Local – Estádio da Fazendinha (Ituiutaba-MG)
Árbitro – Wellington Ferreira Branquinho (GO),
Assistente 1 – Marco Antônio de Mello Moreira (GO),
Assistente 2 – Alexandre Amaral Cintra (GO),
04º Árbitro – Elmivam Alves Andrade (MG)
Cartão Amarelo – Tito (I) – Paulo Henrique, Jéfferson, Bilé (G)
Ituiutaba: Jonatas; Mateus, Neylor, Cléberson e Betão; Claudinei (Raulino), Olívio, Rafhael Pulga e Diego Mineiro (Frank Palhinha); Paulinho Pedalada (Alberto) e Tito Técnico – Nedo Xavier.
Guaratinguetá: César; Alequito (Thiago Furtuoso), Rocha, Paulo Henrique e Rafael Silva; Jéfferson, Belé, Santiago (Ricardo Oliveira) e Cleiton Domingues (Didoné); Nenê e Láercio. Técnico – Candinho Farias.

Nos cárceres da ditadura militar brasileira

Frei Betto (Carlos Alberto Libânio Christo)* Eis um documento histórico, inédito, que esperou 36 anos paravir a público: trata-se do diário de prisão do frade dominicano Fernando de Brito, prisioneiro da ditadura militar brasileira, ao longo dos quatro anos (1969-1973) em que foi submetido a torturas eremovido para diferentes cadeias. Fernando, em companhia de outrosfrades dominicanos, vivenciou algo inusitado em se tratando de presospolíticos do Brasil: foi obrigado a conviver, durante quase dois anos,com presos comuns, em penitenciárias de São Paulo. Assim como o "Diário de Anne Frank" nos revela anatureza cruel do nazismo, Diário de Fernando retrata o verdadeirocaráter do regime militar que governou o Brasil entre 1964 e 1985. Nãose conhece similar entre as obras publicadas sobre o período. Em papel de seda, em letras microscópicas, e sob risco depunição, Fernando anotava, dia a dia, o que via e vivia. Em seguida,desmontava uma caneta Bic opaca, cortava ao meio o canudinho da carga,ajustava ali o diário minuciosamente enrolado e remontava-a. No dia devisita, trocava a caneta portadora do diário com outra idêntica,levada por um dos frades do convento. O medo de ser flagrado pelos carcereiros e o risco permanente derevistas, fizeram com que Fernando muitas vezes se visse obrigado adestruir as memórias registradas em papel. No entanto, o que vivencioujamais se esvaneceu, e ultrapassou os muros das prisões. Frei Betto,seu companheiro de cárcere, resgatou as anotações, deu-lhes tratamentoliterário e as reuniu neste livro que se constitui num documento deinestimável valor histórico. Nos episódios relatados, a trajetória dos frades se mescla à depersonagens que são, hoje, figura de destaque na história brasileira,como Carlos Marighella, Carlos Lamarca, Caio Prado Jr., Apolônio deCarvalho, Paulo Vannuchi, Franklin Martins e Dilma Rousseff, paracitar apenas alguns. Para quem se interessa em conhecer a verdadeira face do regimemilitar e o Brasil dos "anos de chumbo", Diário de Fernando é umtestemunho vivo, comovente, de uma de suas vítimas. Não se trata deinvestigação jornalística, nem resulta da pesquisa de historiador, massim de um sincero, emocionante e visceral relato de quem teve aousadia de registrar, dia a dia, as entranhas de um dos períodos maisdramáticos da história do Brasil. Está tudo ali: as torturas, os desaparecimentos, o sequestro dediplomatas, as guerrilhas urbana e rural, a greve de fome de quase 40dias, e também a convivência dos prisioneiros marcada por momentos deinusitada beleza: as festas de Natal, as noites de cantoria, asolidariedade inquebrantável entre eles. Diário de Fernando traduz a saga de uma geração que não sedobrou à ditadura e a qual o Brasil deve, hoje, a suaredemocratização. Eis uma obra que enaltece a dignidade humana, acapacidade de resistência frente à opressão e a vivencia da fé cristãcomo nas antigas catacumbas do Império Romano. Lançamentos: Em Belo Horizonte: 17 de junho, quarta, no auditório da CEMIG -Av. Barbacena 1.200. A partir de 19h30. Em São Paulo: 18 de junho, quinta, no SESC Vila Mariana - RuaPelotas, 141. A partir de 19h30. *Frei Betto (Carlos Alberto Libânio Christo) é Teólogo e Escritor. É vencedor de dois prêmios Jabuti e tem mais de 50 livros publicados no Brasil e no exterior. Este é o quinto livro do autor publicado pela Editora Rocco, que também editou "Batismo de sangue", "A mosca azul", "Calendáriodo poder" e "A arte de semear estrelas".

Ministério das Comunicações

O Ministério das Comunicações, através da ANATEL (Agência Nacional de Telecomunicações), autorizou a abertura de editais de licitação para 64 emissoras de radiodifusão. São 55 para rádios em freqüência modulada e nove para televisão. De acordo com a portaria, publicada no Diário Oficial desta segunda-feira 27, o Ministério das Comunicações vai enviar ao Tribunal de Contas da União, no prazo de 60 dias, os estudos de viabilidade econômica, conforme exigências da Instrução Normativa (nº 27/98) e o Acórdão (nº 2266/2008). No entanto, o Ministério das Comunicações só poderá abrir edital para as devidas licitações, tanto de rádio FM quanto de televisão, após a aprovação do Tribunal de Contas da União. O Ministério das Comunicações ressalta que, para selecionar as emissoras, foram observadas as características técnicas e os devidos planos básicos de cada serviço de radiodifusão. Para as 55 emissoras de FMs, foram contemplados 18 estados do país: Alagoas, Bahia, Ceará, Espírito Santo, Goiás, Maranhão, Minas Gerais, Pará, Paraíba, Pernambuco, Paraná, Rio de Janeiro, Rio Grande do Norte, Rondônia, Rio Grande do Sul, Santa Catarina, Sergipe e São Paulo. Entre as emissoras de TVs, oito estados foram contemplados com nove emissoras: Alagoas, Bahia, Espírito Santo, Maranhão, Paraná, Rio Grande do Norte, Sergipe e São Paulo. São os seguintes municípios que constam na portaria de abertura de licitação para televisão: Arapiraca (AL), Irará e Mucugê (BA), São Mateus (ES), Santa Quitéria (MA), Umuarama (PR), Mossoró (RN), Aracaju (SE) e Marília (SP). Para rádios FMs, são os seguintes municípios: Traipu (AL), Barra do Choca, Condeúba, Itagibá, Mirangaba e Buritirama (BA), Horizonte (CE), Iconha (ES), Abadiânia, Cidade Ocidental, Corumbaíba e Fazenda Nova (GO), Olho D’Água das Cunhãs, São Benedito do Rio Preto e São Bento (MA), Lagoa da Prata, Setubinha, Bandeira do Sul, Diamantina, Francisco Sá, Glaucilândia, Montes Claros, Argirita, Faria Lemos, Cerro (MG), Magalhães Barata e Canaã dos Carajás (PA), Maturéia e Bayeux (PB), Jupi (PE), Tamarana, Rio Bonito do Iguaçu, Maripá e Mangueirinha (PR), BOM JARDIM e Campos dos Goytacazes (RJ), São José do Mipibu (RN), Buritis e São Francisco do Guaporé (RO), Mata, Arroio dos Ratos, Encantado, Ibiaçá e Rio dos Índios (RS), Pouso Redondo, Ituporanga, Rio do Sul, Trombudo Central e Campo Belo do Sul (SC), Capela e Umbaúba (SE), Santa Clara do Oeste, Bilac, Santana da Ponte Pensa e Três Fronteiras (SP).